União Batista da Itália se une ao apelo pela paz na Ucrânia

União Batista da Itália se une ao apelo pela paz na Ucrânia

Sunguk Kim, antisplash

“A guerra e a violência nunca são justas, e o aniversário de um ano de conflito na Ucrânia nos lembra que a paz é um bem precioso que devemos proteger e promover” escreve o presidente da UCEBI, João Paulo Arquidiáconona carta de aceitação.

“A invasão russa da Ucrânia é uma clara violação da Carta da ONU e do direito internacional. Como cristãos, devemos testemunhar o amor, a justiça e a paz de Deus e, por isso, convidamos todos os membros das igrejas da UCEBI a se unirem às iniciativas da ‘Europa pela Paz’ e a promover mobilizações nas cidades italianas e europeias – sim ainda lê No texto -. Apelamos ao cessar-fogo, ao diálogo e às negociações de paz para construir uma Europa segura e pacífica para todos, e queremos mostrar a nossa solidariedade com o povo ucraniano e com todas as vítimas da guerra, violência, repressão e discriminação em todo o mundo. , devemos defender a paz e a justiça e apelamos a todos para que façam a sua parte para acabar com a guerra na Ucrânia e construir um mundo melhor para todos. Rezamos pela paz e nos unimos a todas as pessoas de boa vontade na promoção da solidariedade, do diálogo e da paz”.


Ainda hoje, em Roma, na igreja batista da via del Tatro Valle, acontece também um momento de espiritualidade compartilhada organizado conjuntamente pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e pelo Interfaith Center pela Paz (CIPAX), com o lema “Esta guerra tem de acabar!”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

#Kairos vence o prémio Tertio Millennio 2018

#Kairos vence o prémio Tertio Millennio 2018

Roma (NEV), 17 de dezembro de 2018 – “Kairós”, De Paulo Barakat, é o vencedor da XXII edição do Tertio Millennio Film Fest, um festival de diálogo inter-religioso que este ano teve como tema “Os dias da revolta. Guerra, revolução e redenção". Para o documentário "Fortaleza Mãe”De Maria Luísa ForenzaMenção especial. A cerimônia de premiação foi realizada no sábado, 15 de dezembro, em Roma, no cinema Trevi. Os prêmios foram atribuídos pelo júri inter-religioso presidido por Claudia DiGiovanni. “O filme é sobre Danny, um menino com síndrome de Down, ex-campeão de ginástica artística, que limpa uma academia de boxe, mas sonha em entrar no ringue – diz Elena Ribet, no júri da Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi” -. Um segredo mudará seu destino. Filme xamânico, inovador, desafiador, onde o protagonista é interpretado por Chris Buntonator que sofre de trissomia 21, e onde a dimensão do tempo é suspensa em kairosna fronteira entre o momento supremo e o infinito, onde há amor e vida”. O XXII Tertio Millennio Film Fest, organizado pela Fondazione Ente dello Spettacolo (FEdS), representa uma oportunidade de diálogo inter-religioso e intercultural entre as comunidades católica, protestante, ortodoxa, judaica e islâmica. “Foram 9 filmes em competição, vindos de lugares muito distantes. Abordaram temas candentes sobre os quais muitas vezes estamos divididos: guerra, fundamentalismo religioso, família, hospitalidade, diálogo. São temas sobre os quais o festival quis antes promover um diálogo para passar uma mensagem importante: o cinema aproxima-nos”, lê-se no comunicado final da iniciativa. Leis aqui todas as tramas dos 9 filmes em competição. Estas são as razões do júri: Kairóspor Paulo Barakat. Drama, Austrália; 2018 – 87' Kairós destrói o estereótipo da síndrome de Down como uma limitação física, mental, psicológica, relacional e social. Mas Kairos também nos mostra os diferentes níveis de amor e amizade, com todas as distorções que a fraqueza humana traz consigo. Por fim, ele nos revela como só se pode amar o próximo amando a si mesmo primeiro: a verdadeira força existencial está na coragem de ser fiel aos próprios valores e visões, em aceitar as derrotas e aprender com elas, no amor próprio que leva a evoluir, a se redimir, a se aprimorar e a ser um bom exemplo de vida para os outros. Mãe Fortaleza, por Maria Luísa Forenza. Documentário, Itália, Síria; 2018 – 78' Neste documentário, emerge a habilidade do diretor em criar passagens de luz no drama da guerra na Síria. Apesar do tempo das bombas, da violência, da agonia dos sobreviventes diante dos mortos e da morte, apesar de tudo, os reflexos do espírito estão vivos, do desespero que se torna esperança, do horror que se torna perdão, da resignação inerte que se torna obstinação por um projeto maior de partilha, redenção de amor, paz, fraternidade e irmandade. Parabéns a Paul Barakat por seu prêmio de Melhor Filme na exibição de estreia mundial de 'Kairos' no Tertio Millenio Film Festival em Roma. @Lisa_Wilkinson @MRowlandMP #australianfilm #inclusividade pic.twitter.com/tXt1AgyTfl — Stephen Hope (@shoppe52) 16 de dezembro de 2018 ...

Ler artigo
Animais em guerra

Animais em guerra

Roma (NEV), 5 de maio de 2022 - "A guerra investe, deforma e mata a vida". Este é o título do discurso de Maria Elena Lacquaniti na última conferência organizada pelo Interfaith Centre for Peace (CIPAX). Lacquaniti, pregador local da igreja batista de Civitavecchia, também é membro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Animais na Primeira Guerra Mundial As guerras também causam danos irreversíveis à fauna maior e menor e, consequentemente, à biodiversidade. Lacquaniti dá uma visão geral dos últimos cem anos de história de conflito, do ponto de vista dos animais. “Assim começou o volume de propaganda «Os animais em guerra», escrito em 1916 por Júlio Caprino, jornalista, intervencionista e alferes do exército italiano: «Se houver soldados na guerra? Os animais, os cavalos das armas montadas, as mulas da montanha e as baterias de burros. Há também muitos outros, grandes e pequenos, que lá se encontram sem querer, pobres bichos. E eles ficam lá." A Primeira Guerra Mundial foi uma guerra extremamente sangrenta e viu a tecnologia emergente e o mundo rural se envolverem pela primeira vez. Mauro Neri E Ariadne Tamburini, no livro "Animal War" (2018), ilustram o uso de animais em conflitos. Na verdade, os animais desempenharam um papel cada vez mais fundamental”. Os animais, explica Lacquaniti, estão incorporados no chamado “trem”, ou melhor, “o aparato militar que movimentava todas as operações logísticas dos exércitos: cozinhas de campanha, transporte de alimentos, feridos, munições, armamentos. Só o exército italiano, que quando entrou na guerra em 1915 tinha alistado cerca de 800 quadrúpedes para puxar 400 carroças, já no ano seguinte dispunha de mais de 9.000 animais que puxavam cerca de 2.600 carroças e no último ano da guerra os animais disparam usados ​​foram cerca de 18.000 para quase 6.000 vagões”. A guerra levou à requisição de quadrúpedes à população “condenando-os à pobreza extrema e à fome. Faltava tanto o animal como produtor de alimentos quanto como colaborador no cotidiano rural”. O bisão europeu foi extinto na Primeira Guerra Mundial, com prejuízos para todo o meio ambiente: “A extinção de uma espécie afeta fortemente o ecossistema em que ela está inserida. A presença destes animais de enorme porte, a pastar, permite a chamada engenharia de habitat, ou seja, permite restaurar toda uma série de processos naturais típicos de uma zona específica. Por exemplo, as áreas de terra nua que se formarão graças ao bisão se tornarão o local ideal para vespas escavadoras, lagartos e gramíneas raras; além disso, a madeira e a casca das árvores contra as quais o bisão esfrega sua espessa pelagem de inverno se tornará um terreno propício para insetos, pássaros e fungos. Precisamente com o objetivo de salvaguardar a biodiversidade, lembramos que é a presença de insetos que atrai as diferentes espécies e que a sua presença intensifica o desenvolvimento da flora envolvente. 90% da flora espontânea e 70% da utilizada na agroindústria dependem justamente dessa ação”. Vietnã e dioxina Maria Elena Lacquaniti também propõe a rica bibliografia dedicada aos efeitos devastadores da guerra do Vietnã devido ao uso de dioxinas pelos militares estadunidenses, para desfolhar e arrasar a floresta que apresentava uma resistência natural ao ataque. “De 1961 a 1972, 19 milhões de galões de herbicida foram aplicados em mais de 4,5 milhões de acres de terra no Vietnã do Sul. O conflito terminou com o desaparecimento de 70% das aves e 90% dos mamíferos da região”. Um verdadeiro “Ecocídio”, denuncia Lacquaniti, que tem levado a modificações genéticas de pessoas e animais, à contaminação do solo, da água, do ar e da cadeia alimentar. “A dioxina enterrada ou lixiviada abaixo da superfície ou profundamente no sedimento de rios e outros corpos de água pode ter uma meia-vida de mais de 100 anos”, para dar outro exemplo. Grandes mamíferos e papel ecológico As guerras destroem a vida em todas as suas formas. Aconteceu e está acontecendo na Ucrânia, no Afeganistão, na Síria, no Iraque, no Kuwait, no Laos, no Congo, no Sudão. “A África Central – acrescenta Lacquaniti – é, em todo caso, um lugar constante de morte devido ao consumo na guerra da carne de grandes símios, como o gorila da montanha ou o chimpanzé. A falta de grandes mamíferos, devido ao seu papel ecológico, implica em danos ao cerrado. Basta pensar que o elefante sozinho dedica cerca de 16 horas por dia para se alimentar, arrancando galhos, arbustos, derrubando árvores. Isso envolve aeração da savana, ajudando a mantê-la aberta e neutralizando o crescimento selvagem”. Direito internacional e convenções Lacquaniti também compartilha uma análise do conceito de proteção ambiental em um contexto de guerra no direito internacional. “Embora o reconhecimento dos potenciais impactos negativos dos conflitos armados na saúde dos ecossistemas naturais remonte ao século XVII, a questão da proteção ambiental em contexto de guerra assumiu relevância no debate internacional apenas a partir do final da Segunda Guerra Mundial. Guerra". Desde o Protocolo de Genebra para a proibição do uso em guerra de gases asfixiantes, venenosos ou de outros tipos, e de métodos bacteriológicos de guerra, de 1925. Até as convenções, como a de proteção do meio ambiente durante conflitos armados, regulado pelos artigos 53 e 147 da Convenção de Genebra relativa à proteção de pessoas civis em tempo de guerra. Ou, a Convenção sobre a proibição de uso militar ou qualquer outro uso hostil de técnicas de modificação ambiental (ENMOD) de 1976. Dia Internacional das Nações Unidas para a Prevenção da Exploração do Meio Ambiente em Situações de Guerra e Conflito Armado Por fim, recorda Maria Elena Lacquaniti, “deve-se dar maior visibilidade ao dia 6 de novembro. Data em que, desde 2001, se celebra o Dia Internacional das Nações Unidas para a prevenção da exploração do ambiente em situações de guerra e conflito armado. A proteção ambiental deve fazer parte das estratégias de prevenção de conflitos e manutenção da paz. . Não só isso, o controle dos recursos naturais está entre os fatores que desencadeiam conflitos. Estudos do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) mostraram que nos últimos 60 anos pelo menos 40% de todos os conflitos internos estiveram ligados à exploração de recursos naturais”. Para ver a gravação completa da reunião clique aqui. A conferência foi realizada como parte do Workshop de Paz CIPAX 2021-22 “Tratando a terra para nos curar. Ambiente, paz, espiritualidade”. Título do dia: "Nós e a natureza: agricultura camponesa, animais". Convidados, além de Lacquaniti, Emanuele De Gasperisveterinário, Igreja Batista de Trastevere, Roma. Fúlvio BucciRurali Reggiani/Associação Rural Italiana (ARI). Adnane Mokrani, Presidente Honorário do CIPAX, teólogo muçulmano. A reunião foi moderada pelo Presidente da CIPAX Christine Mattiello. O canteiro de obras da CIPAX foi criado graças à contribuição de Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense. ...

Ler artigo
Casas e pensões valdenses “respondem” ao Covid

Casas e pensões valdenses “respondem” ao Covid

A pousada de Torre Pellice (Turim) Roma (NEV), 3 de dezembro de 2020 - As casas e pensões valdenses não estão fechando devido à Covid, mas estão "relançando". De fato, as estruturas foram convertidas, em muitos casos, nas últimas semanas, justamente para se adaptar à nova situação ligada à emergência sanitária, às restrições de viagens, mas também para reagir ao colapso do setor do turismo. Contribuindo ativamente para ajudar as pessoas mais vulneráveis. Eles escreveram e explicaram Elisa Ambrosoni E Daniel del Priore dias atrás em um post no site e redes sociais das pousadas e casas valdenses. As casas valdenses, como também havíamos noticiado aqui no NEV, haviam reaberto em junho. Após o verão, em virtude das várias DPCMs, da segunda onda, do lockdown e da divisão da Itália em zonas, uma nova parada para o setor de turismo. Daniele Del Priore, diretora da área de acolhimento da Diaconia Valdense, não nega o momento de extraordinária dificuldade: “Os funcionários dos albergues e pousadas estão em fundo de demissão, antecipado pela Diaconia Valdense. O orçamento deste ano é fortemente negativo. E lembramos que as receitas das pensões apoiam a atividade solidária da Diaconia”. Mas diante da crise, "resiliência". “Como também no primeiro bloqueio, nos ouvimos. A vontade de ouvir as necessidades dos territórios e das pessoas faz parte da nossa missão”. Daí, portanto, a escolha de reformular a oferta. “O Foresteria Valdese de Torre Pellice, em colaboração com o ASL Torino 3, será utilizado como um hotel de saúde que acolhe pessoas positivas, assintomáticas e autónomas. A Waldensian Foresteria em Florença colocou à disposição do Gould Institute uma ala do Palazzo Salviati para que os menores que testem positivo para Covid-19, ou que apresentem sintomas, possam usufruir de um amplo espaço dedicado”, lê-se no detalhe no site do casas valdenses. No que diz respeito à Casa Cares, na Toscana, “estão em curso negociações com a Cruz Vermelha Italiana para que a estrutura possa acolher os migrantes que entram no nosso país, que necessitam de passar por um período de quarentena antes de serem assumidos pelo Estado italiano”. A Vallecrosia House Vallecrosia “reservou alguns quartos e uma parte do grande parque privado para migrantes em trânsito para a França: são principalmente famílias, em todo caso pessoas que precisam extremamente de descanso. Esta iniciativa nasceu da colaboração entre as casas valdenses e a Área de Migrantes da Diaconia Valdense, com o apoio e apoio das Igrejas Valdenses de Ponente Ligure. Mesmo em Florença, antecipa del Priore, “estamos pensando em destinar nossa estrutura a um local onde menores em situação de dificuldade, acolhidos nas comunidades protegidas da cidade, possam passar quaisquer períodos de quarentena”. Tudo isso sob a égide de uma necessidade de socialização e sociabilidade. “O desejo – conclui a pessoa de contacto – é o regresso à normalidade, para todos, não só para as pessoas que são sempre faladas nos media. Penso nos mais novos, por exemplo, na necessidade de estarem juntos, de estarem próximos. A mensagem que queremos dar é de esperança: o distanciamento físico não exclui a proximidade social”. Para quem deseja informações sobre as estruturas individuais e sua disponibilidade, é aconselhável entrar em contato diretamente com a casa ou pousada, usando os dados de contato disponíveis no site casevaldesi.it e nas redes sociais. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.