10 e 11 de fevereiro.  Rede de mulheres luteranas em Florença

10 e 11 de fevereiro. Rede de mulheres luteranas em Florença

Roma (NEV/CELI), 7 de fevereiro de 2023 – A reunião anual da Rede de Mulheres Luteranas será aberta na próxima sexta-feira, 10 de fevereiro, em Florença.

A Conferência terá como tema “O poder da voz das mulheres? Escuta e expressão para cuidar de si e da criação” e contará com a participação de inúmeras delegações de todo o país.

Eles participarão da iniciativa Laura Cima e Elena Mazza sobre o tema do ecofeminismo. Com efeito, é sobre o binômio mulher-ambiente que a Conferência deseja refletir no início de seus trabalhos. […] Existe uma conexão entre o patriarcado capitalista, a dominação masculina e a repressão das mulheres na sociedade e a crise ecológica? A Conferência de Mulheres Luteranas tentará responder a esta e outras questões.

Sábado 11, oficina de Annamaria Cimmino sobre o uso e o poder da voz.

A Conferência Nacional das Mulheres Luteranas será encerrada com a eleição das representantes da Rede e culto público pelo pastor luterano Birgit Mahn e a pastora Lydia Giorgi.

Leia no site da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI).

Baixe o MANIFESTO aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes.  Roberto Mellone

FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes. Roberto Mellone

O Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), triênio 2018/2021, imagem de arquivo Roma (NEV), 25 de outubro de 2021 – Em vista da Assembleia no final do mês, quando o atual Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) terminará seu mandato e um novo Conselho e um novo presidente serão ser eleito, reunimos o testemunho de serviço nestes anos de trabalho ao Conselho da Federação, àqueles que, ou seja, têm orientado o caminho da FCEI. Pedimos assim aos vereadores e vereadores cessantes que nos falassem do passado, através de um balanço da experiência feita, e um olhar para o futuro. O Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), triênio 2018/2021, imagem de arquivo O primeiro protagonista desta série de artigos é Roberto Mellonetesoureiro cessante da FCEI. Qual é a sua avaliação desta experiência? “Definitivamente um balanço positivo. A nível estritamente pessoal e espiritual foi uma experiência verdadeiramente enriquecedora: pelas muitas pessoas que conheci nas várias missões, por ter podido trabalhar com irmãs e irmãos de outras confissões evangélicas, por ter dado um modesto mas espero útil contributo às atividades da FCEI. A nível mais institucional, nestes seis anos (dois triénios), tenho visto e contribuído para o desenvolvimento de inúmeras iniciativas ao tocar nos muitos e diversificados sectores de actividade desenvolvidos pela FCEI. Da formação à liberdade religiosa, da área migratória à resposta de emergência em emergências humanitárias, da informação jornalística à produção de rádio e televisão. O que me ajudou muito desde o início foi o ambiente em que se desenvolviam os trabalhos do nosso conselho: colaboração e fraternidade que nos permitia unir forças e desenvolver o diálogo interno nas melhores condições possíveis. A responsabilidade de tesoureiro deu-me também a oportunidade de conhecer os mecanismos de funcionamento da máquina organizativa da FCEI. O primeiro ano, talvez o mais cansativo, foi dedicado a conhecer os pontos fracos da administração e a iniciar algumas reformas internas que foram sendo aperfeiçoadas e implementadas nos anos seguintes. Excelente relacionamento com os colaboradores, amplamente renovado durante o mandato, e com a cooperativa Martin Luther King nosso precioso parceiro nas missões da Mediterranean Hope, o serviço aos migrantes da FCEI". Que testemunho você tem vontade de deixar para aqueles que virão depois de você? “Gostaria de desejar ao próximo ecônomo os meus melhores votos por um serviço exigente e responsável. O suporte da equipe e o relacionamento próximo com o profissional externo são duas ferramentas fundamentais para que tudo funcione bem. A estrutura financeira e patrimonial é a de um órgão eficiente e deve ser consolidada com um trabalho de planejamento e controle que deve envolver todos os serviços da federação. O novo conselho também terá que estudar os reflexos da reforma das entidades do terceiro setor na vida da FCEI. Já foi iniciado um estudo sobre os custos e benefícios de nossa possível adesão e estamos deixando um laudo técnico do profissional que nos atendeu até o momento. A um nível mais geral, desejo aos novos diretores e ao novo presidente a capacidade de criar o clima de trabalho positivo que, como já disse na minha experiência, é essencial para a concretização dos nossos projetos. Com a ajuda do Senhor”. ...

Ler artigo
19 de maio em Roma um momento de espiritualidade compartilhada contra a guerra

19 de maio em Roma um momento de espiritualidade compartilhada contra a guerra

Roma (NEV), 15 de maio de 2023 – A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) e o Interfaith Centre for Peace (CIPAX) continuam sua jornada inter-religiosa no âmbito das iniciativas da Europa pela Paz . “Para lembrar que a guerra, todas as guerras devem acabar, que queremos paz, justiça e desarmamento, mesmo nuclear, propomos um novo momento de espiritualidade compartilhada” escrevem as duas siglas. Encontro em Roma, sexta-feira, 19 de maio de 2023, das 18h às 19h30, na Igreja Evangélica Batista Cristã na via del Teatro Valle, 27. Outras iniciativas: Domingo, 21 de maio, 23, é realizada a Marcha da Paz Perugia Assis, à qual a CIPAX adere, com a Europa pela Paz. “Em preparação para a Marcha, mesmo para aqueles que por diversos motivos não poderão participar, queremos continuar nosso caminho de espiritualidade compartilhada que nos viu juntos em vários momentos desde que a Rússia invadiu a Ucrânia – escreve CIPAX -. Somos contra a guerra na Ucrânia, pelo cessar-fogo, negociações, uma conferência internacional pela paz e a favor de uma cultura de não violência e de ações concretas de preparação para a paz. Acreditamos firmemente que as crenças não devem ser usadas para justificar guerras, violência e violações dos direitos fundamentais”. Europa pela Paz: "continua a mobilização pelo cessar-fogo, pela negociação, pela solução política e não violenta da guerra na Ucrânia, juntamente com o pedido de desarmamento nuclear global". ...

Ler artigo
“Paz e a mensagem pacífica do Evangelho”

“Paz e a mensagem pacífica do Evangelho”

Pastora Sara Heinrich, consagrada no domingo 21 de agosto de 2022 Torre Pellice (Turim), 22 de agosto de 2022 – sara heinrich ontem, 22 de agosto, ela foi consagrada pastora durante a cerimônia de abertura da Assembleia do Sínodo das igrejas Batista, Metodista e Valdense. Neste vídeo uma entrevista para saber mais sobre o novo pastor, feita por Simona Menghini e publicado pela igreja valdense.org: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=uq6yvOksX28[/embed] Abaixo está a apresentação escrita pelo novo pastor para o semanário Reforma último dia 29 de julho: Meu nome é Sara Heinrich, sou casada e mãe de dois filhos. Desde 2019 acompanho o curso de formação para o pastorado na União das Igrejas Valdenses e Metodistas na Itália. No entanto, o desejo de ser pastor nasceu muitos anos antes e deriva do contexto de fé, mas também do contexto histórico em que cresci: as igrejas evangélicas na Alemanha na transição dos anos oitenta para os anos noventa, mais especificamente o cidade de Gelsenkirchen, a mais pobre da Alemanha Ocidental. Minha igreja local faz parte da United Church of Westphalia e está localizada em um bairro de mineração de carvão antigo, de baixa escolaridade, multicultural e multirreligioso. A vida comunitária, na qual a fé tinha relevância direta para a vida cotidiana, me moldou. Conheci a igreja local como um lugar de culto, um lugar de discussão e debate, um ponto de referência para o bairro e um refúgio, mas também um lugar de educação e resistência com todas as alegrias e problemas que isso trazia. Sendo o segundo de três filhos do pastor, cresci literalmente no meio da comunidade, certamente um dos motivos pelos quais já havia manifestado o desejo de ser pastor desde cedo. Outro elemento também foi decisivo para a minha fé, nomeadamente o protestantismo alemão depois do nacional-socialismo. Cresci como filha de uma geração de herdeiros de culpas esmagadoras, convencida de que a única salvação pode vir de Deus que salva o mundo por amor e que a única maneira de viver é seguir Seu filho e tornar-se construtores de Sua paz. Também por isso a minha fé é de alguma forma uma fé sem reservas, nunca a percebi como uma escolha mas como uma tarefa, não como um privilégio mas como uma responsabilidade, não como segurança privada mas como um convite a envolver-me no destino da criação . Ao me matricular no curso de graduação em Teologia Protestante, descobri um mundo novo. Pode-se dizer que "mergulhei" na alegria de descobrir novos contextos acadêmicos e eclesiásticos, e assim minha carreira universitária me levou a Bonn, Betel (Bielefeld), Roma e Heidelberg, onde pude ficar após a graduação como pesquisador e professor da cadeira de Estudos Religiosos e Teologia Intercultural. Tive meu primeiro contato com o protestantismo italiano durante meu ano no exterior na Faculdade Valdense de Teologia em Roma, que escolhi porque estava curioso sobre a história desta pequena (pré-) igreja reformada, mas também a perspectiva minoritária: como isso afeta o vida das comunidades, a organização da Igreja e também a identidade protestante, sem imaginar ainda que significado teria para a minha biografia e para a minha vocação. Quando escolhemos a Itália como centro de nossa vida familiar em 2015, tornei-me membro da igreja valdense em Livorno, onde também celebramos a bênção de nosso casamento e o batismo de nosso filho. Para acolher a “vocação externa” precisei me distanciar do contexto em que cresci. Durante o meu período de experiência fui acompanhado – pontual e continuamente – por irmãs e irmãos que depositaram a sua confiança na minha vocação, sou profundamente grato a cada um deles. E é com gratidão que gostaria de viver o ministério, colocando meus dons a serviço de Deus, formando junto com minhas irmãs e irmãos o corpo visível de Cristo para testemunhar nossa fé aqui e agora. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.