Este é o Caminho – Nev

Este é o Caminho – Nev

Roma (NEV), 03 de fevereiro de 2023 – por Benedetta Fragomeni

No meio dessa experiência, me pego fazendo um balanço do que foi e do que espero que seja. A experiência do serviço público com a Mediterranean Hope tem tantas nuances que, pensando bem, me parece que estou vivendo não uma, mas mil aventuras.

A regularidade do empenho dá-te a constância, o sentido de responsabilidade próprio de um trabalho.

O contacto com as pessoas, beneficiárias dos projetos, dá-lhe a empatia e muitas reflexões próprias do voluntariado. As frequentes oportunidades de treinamento, dentro do MH ou com os demais voluntários da Diaconia Valdense, lhe dão a oportunidade de aprofundar seus conhecimentos, o interesse pelo aprendizado típico de um curso de estudos.

A relação com os operadores, com os colegas voluntários, ao longo do tempo, dá-nos a sensação de estar em família.

Na minha vida já passei por esses ambientes, mas encontrá-los todos em uma única experiência me deu a consciência de ter feito a escolha certa.

Um ano de vida que você coloca à disposição de um projeto com suas estratégias, recursos, questões críticas e objetivos que, se tiver sorte, descobre que são iguais aos seus.

A variedade de atividades que, com confiança, os responsáveis ​​confiam a vocês, é o que mais aprecio. O serviço passa por coisas que parecem as mais simples como acompanhar os operadores aos nossos centros, acompanhar os beneficiários a um exame médico, verificar ou preencher documentos. No meu caso, passa pela comunicação, pelas redes sociais. Depois pelo apoio à organização dos corredores humanitários, à recepção.

Você está em serviço. Você fica onde precisa, confia um pouco em quem está dirigindo e inicialmente cruza os dedos, porque eles te obrigam a fazer algo que você gosta e porque você faz jus às exigências. Então o conhecimento toma conta, o compartilhamento, o diálogo e a experiência se abrem em uma troca. A certeza das muitas coisas que estás a aprender junta-se à esperança de estares por sua vez a deixar algo de ti. Sim, eu diria que o serviço público é um ofício. Todas as reuniões que tive até agora graças ao funcionalismo público tiveram essa dinâmica, a experiência de acolher os corredores humanitários, o período em Lampedusa mas também a busca de formas novas e eficazes de contar tudo isso.

Ofereça seu tempo, seus recursos e receba em troca a oportunidade de conhecer duas realidades; aquela que você ouviu falar de longe e aquela que sempre esteve perto de você mas você percebe que ainda não explorou, a sua realidade. É realmente uma forma de se conhecer e imaginar qual caminho você gostaria de trilhar e devo dizer que o meu é muito parecido com o que já tenho sob meus pés.



Até às 14h00 de sexta-feira, dia 10 de fevereiro de 2023, é possível apresentar candidatura para participar num dos projetos da função pública que decorrerão entre 2023 e 2024 em todo o país e no estrangeiro. Duas vagas estão disponíveis no Programa para Migrantes e Refugiados da Federação das Igrejas Protestantes da Itália, em Roma.

Para se inscrever, é necessário fazê-lo através do portal online-demand.serviziocivile.it.

As especificações são:

Título: Este é o caminho

Código do projeto: PTXSU0019022010895NXX

2 vagas nos Serviços de Inclusão de Roma, Via del Campo 44D (anteriormente via di Torre Spaccata) – Sede código: 178989

2 posições nos escritórios da FCEI em Roma, Via Firenze 38 – Código da sede: 178966

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Proteger a criação construindo a paz.  Dia do Diálogo Cristão-Islâmico

Proteger a criação construindo a paz. Dia do Diálogo Cristão-Islâmico

Roma (NEV), 19 de junho de 2023 – A convocação para o XXII Dia Ecumênico do Diálogo Cristão-Islâmico, tradicionalmente celebrado em 27 de outubro, tem como título “Guardar a Criação Construindo a Paz”. Os promotores convidam "todas as mulheres e os homens de boa vontade a organizar iniciativas no dia 27 de outubro para celebrar o XXII Dia Ecumênico do diálogo cristão-islâmico", diz o comunicado divulgado hoje. Já em 2022 a comissão promotora havia sublinhado a necessidade do desarmamento para alcançar a paz. Este ano, à luz das Escriturassagradas religiões islâmica e cristã, a encíclica Laudato si' e a Declaração de AbuDhabi, o Comitê “propõe uma reflexão sobre a guarda humana da criação. Mudançascorrentes ecológicas – aumento das temperaturas e dos mares, desertificação, eventoscondições climáticas extremas – mostram o impacto negativo das ações humanas – guerras,poluição, exploração extrema de recursos – no planeta”. E convida «a um desarmamento dos corações, a uma conversão ecológica que renove a nossa vocação a ser guardiões da obra de Deus. As religiões, assim como a política, a escola e os meios de comunicação de massa são responsáveis ​​pela educação para a paz e o cuidado». Opomo-nos à bênção dos exércitos em nome de Deus, à transferência de fundos da saúde e da educação para o setor militar. Por fim, nos opomos à linguagem da guerra que vê o outro como inimigo. Pedimos uma reconversão da indústria de armas”. Também este ano o Dia é comemorado em memória de John Sarubbientrepromotores desta iniciativa e fundador do periódico online ildialogo.org. Nascido após o atentado terrorista de 11 de setembro de 2001, na esteira da preocupação com um "choque de civilizações" no conceito desenvolvido pelo cientista político Samuel Huntingtono Dia do Diálogo Cristão-Muçulmano reuniu homens e mulheres desde o seu inícioreligião cristã e islâmica. “O diálogo é o único futuro possível da humanidade e do cosmos” repetem os organizadores.Na celebração do primeiro dia, na última sexta-feira do Ramadã em 2002, neoutros vinte se seguiram – a partir de 2008 celebrados na data fixa de 27 de outubro pararecordar o encontro inter-religioso de Assis em 1986 – e a iniciativa ano após anoenvolveu grupos, comunidades e associações que praticam localmente o "diálogo da vida". Leia o Apelo para o XXII Dia do Diálogo 2023 ...

Ler artigo
O Sínodo não está lá, mas…

O Sínodo não está lá, mas…

Roma (NEV), 5 de agosto de 2020 - O Sínodo das igrejas valdenses e metodistas não será realizado este ano, mas na Torre Pellice haverá "Gerações e regenerações", uma série de eventos sobre o tema do "cuidado" de " pessoas, memórias e territórios". De 24 a 30 de agosto, portanto, o compromisso é na Torre Pellice. Ele escreve Robert David Papini hoje no site chiesavaldese.org: devido às medidas contra o coronavírus, "o Sínodo não está lá, mas as igrejas valdenses e metodistas estão lá com sua história e seu variado compromisso de Norte a Sul", como sublinha o moderador Alessandra Trotta No vídeo que convida a acompanhar (presencialmente ou online) os eventos organizados nos lugares do Sínodo, nas datas do Sínodo, mas sem o Sínodo. Não há Sínodo, mas… Siga-nos na Torre Pellice ou online, de 24 a 30 de agosto, no que deveria ter sido… Publicado pela Igreja Evangélica Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense na terça-feira, 4 de agosto de 2020 Encontros, exposições, concertos, filmes e até histórias em quadrinhos vão animar a semana de 24 a 30 de agosto na Torre Pellice (na província de Turim), o coração do Valli Valdesi. Um rico programa de eventos (aqui o calendário completo) que será precedido, de 21 a 23 de agosto, por uma edição especial da Torre di Libri. O tema geral da semana é “Geração e Regeneração. Cuidar de pessoas, memórias e territórios”. Começa, na noite de segunda-feira, 24 de agosto, com um debate na Casa Valdese intitulado "Para que ele trabalhasse e o guardasse". Justiça social e ambiental para a construção do pós Covid" com videointervenções de David Sassoli, presidente do Parlamento Europeu e da Elly Schlein, vice-presidente da Emilia Romagna, seguidos pelos de Vittorio Cogliati Dezza (Legambiente) e Valdo Spini (Círculo Rosselli). Tudo moderado por Cláudio Paravati E Ilaria Valenzi (Comparações), enquanto as conclusões são confiadas ao moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trotta. O encontro “Invisível, mas necessário. Imigrantes e trabalho agrícola. As iniciativas das igrejas evangélicas”, organizado pelo Mediterranean Hope, um programa de refugiados emigrantes da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, com a colaboração da Diaconia Valdense. Entre outros, o activista social e sindical participará no encontro Aboubakar Soumahoro. O compromisso tradicional do período sinodal (embora geralmente na semana anterior) é o Dia Teológico Miegge, que na quarta-feira, 26 de agosto, refletirá pela manhã, às 10h30, sobre “Pregação e vida: que encontro? Pregar para construir esperança” e à tarde, às 15h, sobre “Pregação e vida: que encontro. Crentes na balança. A Palavra na vida de cada um de nós”. Nesta semana "não sinodal", os quadrinhos também desembarcam na Torre Pellice com a apresentação do livro de Peter Madsen sobre "Jesus de Nazaré", publicado pela Claudiana, também na quarta-feira, 26, às 17h. Sexta-feira haverá vários encontros dedicados às crianças e sobre as crianças, antes de abordar o tema "Informação em tempos de emergência" organizado pelo semanário Riforma e pelo Valdensian Cultural Center à noite, às 21h00. A série de eventos terminará no fim de semana com um encontro no Museu Valdense, sábado, dia 29, às 17h30, a exibição do filme “Valdesi. Uma história de fé e liberdade”, também no sábado, 29, mas às 21h, e a apresentação dos projetos Otto per mille para a emergência da Covid-19, na tarde de domingo, 30. Em seguida, saudações da moderadora Alessandra Trotta. Aqui o programa completo: ...

Ler artigo
Em direção a Karlsruhe.  Em nome da justiça climática

Em direção a Karlsruhe. Em nome da justiça climática

Logotipo da 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) - 31 de agosto/ 8 de setembro de 2022, Karlsruhe Roma (NEV), 19 de agosto de 2022 – Estão em andamento os preparativos para a 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que acontecerá de 31 de agosto a 8 de setembro em Karlsruhe, Alemanha. 4.500 pessoas de todo o mundo se reunirão sobre o tema "O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade". Um programa denso, acompanhado nas últimas semanas, mas também nos últimos meses, por inúmeras iniciativas preparatórias. Grande atenção é dada à questão das mudanças climáticas. O secretário-geral interino, padre Ioan Sauca, falou sobre isso em uma entrevista recente. Sauca destacou a importância do compromisso climático: “Se não mudarmos nosso comportamento, em 50 anos nosso planeta estará inabitável. Temos que agir agora." De fato, em vista da assembléia na Alemanha, o líder do Conselho Ecumênico pretende mobilizar ações pela justiça climática. É preciso cuidar da criação, disse. Na assembléia, ele acrescentou: “Os líderes serão solicitados a agir agora para cuidar de nosso planeta comum, a Terra”. A primeira plenária temática do encontro será realizada no dia 1º de setembro, dia em que as Igrejas de todo o mundo celebram o Tempo da Criação, período litúrgico celebrado em todo o mundo e que se inicia em conjunto com este importante evento global . “A ênfase na criação será muito destacada nesta primeira plenária – disse Sauca -. É uma questão teológica. O plano de Deus em Cristo era também a reconciliação e a cura de toda a criação”. Sauca também anunciou que haverá mensagens de líderes cristãos mundiais em Karlsruhe, incluindo o Patriarca Ecumênico Bartolomeu I e o Papa Francisco. A entrevista também fala sobre os esforços do CMI para colocar a questão da justiça climática na agenda global, desde a conferência do clima COP21 em Paris em 2015 até a COP26 em Glasgow em 2021, e em outros contextos institucionais e religiosos. O CMI, prosseguiu o secretário, “trata a criação não como uma questão de moda para o nosso tempo, mas como um elemento fundamental da sua própria identidade”. O WCC também é a única organização religiosa que teve presença permanente no processo da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC), observou Sauca, e esteve presente em todas as conferências climáticas das Nações Unidas desde a Cúpula da Terra do Rio de Janeiro em 1992 No entanto, o CEC desempenhou um papel importante ao destacar os perigos ao meio ambiente antes mesmo da cúpula do Rio, disse Sauca. E citou a Conferência Mundial de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Humano que lançou, em 1974, um apelo a uma "sociedade sustentável e justa". Em 1979, então, a conferência no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, já trazia alertas sobre as mudanças climáticas devido ao acúmulo de dióxido de carbono. Em torno da Assembleia de Karlsruhe há muitas questões em aberto: da Ucrânia aos outros conflitos em curso. Desde a decisão de não suspender a Igreja Ortodoxa Russa como membro do CMI, à denúncia da situação vista como “uma guerra ilegal e injustificável infligida ao povo e Estado soberano da Ucrânia”. Sobre Israel e Palestina, Sauca abordou muitas das questões existentes, e concluiu: “Esperamos que um dia estes dois povos possam coexistir no caminho da paz, da reconciliação, de uma paz justa”. A entrevista é editada por Stephen G. Browneditor da revista do CEC A Revisão Ecumênica. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=WwDWxboiIpg[/embed] Para saber mais Em torno de Karlsruhe… O livro de recursos, (Livro de Recursos) O Livro de Recursos é uma ferramenta útil para os participantes da Assembleia no local ou remotamente online de suas casas ou igrejas. Contém dados práticos essenciais, uma reflexão sobre o tema da assembleia, documentos e relatórios e um calendário de fácil consulta. Disponível em quatro idiomas. Disponível para download neste link: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.