Igrejas protestantes na Alemanha, Annette Kurschus à frente do EKD

Igrejas protestantes na Alemanha, Annette Kurschus à frente do EKD

Roma (NEV), 11 de novembro de 2021 – Annette Kurschus ela é a nova presidente da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD), as igrejas protestantes alemãs.

A mulher de 58 anos é vice-presidente do Conselho da EKD desde 2015 e, como o foco evangélico explica neste artigo, ela é a segunda mulher a liderar a EKD em sua história após Margot Kässmann. Ele sucede o bispo luterano Heinrich Bedford-Strohmque ocupa o cargo desde 2014. Bedford-Strohm é conhecido na Itália e na Europa por seu compromisso com os direitos dos migrantes, ao lado de ONGs como Sea Watch e tem se manifestado repetidamente a favor dos corredores humanitários e da atividade das igrejas evangélicas na Itália nesta área.

Na sessão de ontem, 10 de novembro, em Bremen, o Sínodo da EKD e a Conferência da Igreja elegeram Annette Kurschus, presidente da Igreja da Igreja Evangélica da Vestfália, presidente do Conselho da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) com uma maioria de 126 votos de 140. “Estamos muito satisfeitos porque, com Annette Kurschus, elegemos uma excelente teóloga que tem experiência de liderança e é muito acessível”, disse o presidente do Sínodo EKD, Anna-Nicole Heinrich. “Juntamente com os membros do Conselho, Annette Kurschus, como presidente, fará ouvir a voz da Igreja Protestante nas questões sociais mais prementes”, acrescentou Anna-Nicole Heinrich.

Annette Kurschus nasceu em 1963 em Rotenburg an der Fulda e cresceu em uma casa pastoral em Obersuhl (Hesse) e Siegen (North Rhine-Westphalia). Ele estudou teologia desde 1983 em Bonn, Marburg, Münster e Wuppertal. A partir de 1989 ela recebeu treinamento ministerial e depois serviu como pastora em várias igrejas locais em Siegen. Em 2005, ela se tornou superintendente distrital da igreja de Siegen. Desde 2012, Präses Annette Kurschus é a presidente da Igreja Evangélica da Vestfália, a quarta maior igreja regional da Alemanha. Em 2019, a Universidade de Münster concedeu-lhe o doutorado honorário de sua Faculdade de Teologia Protestante. Desde novembro de 2015 é vice-presidente do Conselho EKD e desde 2016 também seu representante especial para as relações com as igrejas polonesas.


O Sínodo da EKD, com o Conselho e a Conferência da Igreja, é um dos três órgãos dirigentes da EKD. Reúne-se de 7 a 10 de novembro em Dresden. De acordo com a constituição da EKD, o XIII Sínodo tem 120 membros. As tarefas do Sínodo incluem redigir declarações e decisões sobre questões contemporâneas e acompanhar o trabalho do Conselho EKD através da emissão de diretrizes. O Sínodo também discute e adota o orçamento e as leis eclesiásticas. O Sínodo é presidido por um corpo de moderadores (presidium), sob a presidência de Anna-Nicole Heinrich. Ele também é membro do Conselho EKD de 15 pessoas. A presidente do Conselho EKD é Annette Kurschus. A EKD é uma comunidade de 20 igrejas regionais luteranas, reformadas e unidas na Alemanha. 20,2 milhões de protestantes pertencem a uma das 13.200 igrejas locais.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Finalmente “algumas boas notícias” – Nev

Finalmente “algumas boas notícias” – Nev

Roma (NEV), 12 de novembro de 2020 – Chama-se “Boas novas. O Evangelho de Marco feito sob medida para você” o livro recém-lançado, fruto do trabalho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), do Serviço de Educação e Educação (SIE*) da própria FCEI e de Claudiana Editrice. O texto é o Evangelho de Marcos em edição especial facilitada, também indicada para crianças com Dificuldades Específicas de Aprendizagem (DSA), repleta de ilustrações, mapas, insights e curiosidades. "Uma boa notícia" foi apresentada online no passado dia 12 de novembro, num encontro promovido pela FCEI com a Riforma e apresentado pelo coordenador do SIE Gian Mário Gillio. O pároco e secretário executivo da FCEI Luca Barattomoderador do debate na web, explicou que "o protestantismo sempre sentiu que deveria quebrar todas as barreiras que poderiam impedir um relacionamento com a Bíblia". Para Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que assinou a apresentação do volume, o texto é "um trabalho de divulgação, que visa devolver o Evangelho de Marcos aos leitores, não só para pessoas com dificuldades de aprendizagem, mas que é muito adequado para aqueles que estão totalmente em jejum do mundo dos Evangelhos. Uma ferramenta verdadeiramente válida para a evangelização". "Ler todo o evangelho não é uma experiência comum, mesmo para quem frequenta a igreja", acrescentou. Eugênio Bernardini, presidente da editora Claudiana, que distribui este volume. Para Bernardini, “a esperança é que seja o quarto mais vendido da história entre Claudiana e FCEI. De fato, há 50 anos foi lançado "Conte a Bíblia para seus meninos", que fez grande sucesso na Itália e também recebeu um prêmio na exposição editorial infantil de Bolonha - e foram anos em que os protestantes eram menos conhecidos do que hoje. O segundo best-seller chegou anos depois, em 1998, "O povo do livro", 10 mil exemplares, mas o terceiro foi o maior sucesso, "O povo da Bíblia: vida e costumes", traduzido em 8 idiomas, impresso em 200 mil exemplares. Aqui então esperamos como Claudiana que também este livro possa continuar este caminho positivo”. Patrícia Barbanotti, professor primário, formado em História da Igreja e em Ciências Bíblicas e Teológicas pela Faculdade Valdense de Teologia de Roma, é o editor dos textos do volume. “Quem lê um trecho tem as ferramentas para lidar com todo o texto – disse -. Nossa esperança é que isso faça você querer ler tudo. Além disso, para nós que trabalhamos neste projeto tem sido uma lição de humildade poder simplificar o texto para pessoas que têm um léxico mais limitado. Esperamos ter contribuído para uma operação de alfabetização, trabalho que deveria ser feito também com muitos outros textos do Antigo Testamento, para transmitir sua beleza”. Ao lado de Barbanotti, Eric Noffke, que supervisionou o texto bíblico. Em um vídeo, o professor de Novo Testamento da Faculdade Valdense de Teologia em Roma e presidente da Sociedade Bíblica Italiana explicou o motivo da escolha do Evangelho de Marcos "para começar com este que esperamos que se torne uma série para ajudar os leitores a entrar na Bíblia ", como "é um evangelho "simples por natureza", nascido precisamente para dar testemunho desta "boa nova". Noffke também sublinhou "a dimensão ecumênica deste projeto, a partir da tradução da Bíblia italiana da Reforma". E justamente por falar em ecumenismo, ela também falou no encontro online Silvia Guetta, professor da Universidade de Florença, estudioso da história da educação judaica, que apreciou "o compromisso com o diálogo, para criar pontes". “O que mais me impressionou – explicou – é a grande atenção na dinâmica relacional – na escuta e na fala – muito importante, um clima de relacionamento ativo com os discípulos, agora mais do que nunca assume um significado significativo”. Aqui fica o link para comprar o livro, cada exemplar custa 14,5 euros. *A SIE é o setor especializado na formação bíblica das jovens gerações no espírito ecumênico, da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI). ...

Ler artigo
O Dia da Liberdade.  O podcast do Nev

O Dia da Liberdade. O podcast do Nev

Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2021 – O segundo episódio do podcast "NEVerending stories", o podcast da agência de notícias NEV, é dedicado ao Dia da Liberdade de 17 de fevereiro. Neste dia, os valdenses e todos os evangélicos comemoram o aniversário do dia em que obtiveram direitos civis e políticos com a Carta Patente. Um primeiro passo para a liberdade religiosa que é, desde 1848, um dia de celebração mas também de reflexão sobre a questão dos direitos, para todos e não só para os protestantes. ...

Ler artigo
Deus-Robô.  Quando os criativos criam o criador

Deus-Robô. Quando os criativos criam o criador

Roma (NEV), 19 de setembro de 2022 – É o tempo em que o teólogo Paulo rico escreve um livro chamado “Deus”. Um Deus que também é artista e poeta. Simultaneamente, alguns criativos citam a Criação de Adão por Michelangelosubstituindo um robô por Deus. Não é a primeira vez que a obra-prima de Buonarroti é utilizada para fins artísticos ou publicitários. Quem sabe o que o artista diria sobre isso, ou o que ele diria sobre isso Vitória Colonna, seu amigo íntimo, nobre poeta próximo dos movimentos de reforma da Igreja Católica. Tão próximo de Michelangelo a ponto de ser tema de uma de suas “Crocefissioni”, assim como protagonista do famoso madrigal “Um homem em uma mulher, de fato um deus / pela boca ele fala, / então eu, para ouvir ela, eu sou feito assim, mas quanto mais eu serei meu." A Criação de Adão inspirou artistas como Harmonia Rosales, afro-cubana nascida em Chicago em 1984, que retrata o "criador" como uma deusa negra e um "Adão" feminino. A obra de Michelangelo foi retocada, montada e mutilada de mil maneiras. Desde o deus que dá a Adão uma fatia de pizza, um sanduíche, uma bebida, até anúncios de aparelhos eletrônicos, roupas, esportes. Depois, há o veio do cinema, da sátira política e dos quadrinhos, desde citações inofensivas como a do Mickey Mouse, até o mais extremo Deadpool, personagem superpoderoso no papel de Adam, com um Cable superarmado apontando uma arma em vez de deus. Citação não é apropriação, nem plágio, na opinião do autor. Na verdade, é a confirmação da carga universal de sentido de uma obra. E de sua beleza. Foi a mão de Deus, não a do filme de Sorrentino, mas a do Robô em dois comerciais, que me interrogou. Um hospital particular romano escolhe um detalhe da famosa obra, as duas mãos com os dedos indicadores se aproximando, para iniciar suas atividades com o slogan “o futuro está aqui”. À direita, na posição de Deus, está a mão de um robô. A escolha é aleatória ou deliberada? Quase em paralelo, um "consórcio" de editoras internacionais conhecidas está fazendo a mesma coisa, para "criar um caminho de eventos digitais" na cadeia de suprimentos industrial e artesanal italiana. Mesma imagem, revisitada, com a bandeira da Itália ao fundo. À esquerda, uma mão verde, como se fosse a mão da natureza, estendendo-se para a mão de um robô. Natureza e inovação de mãos dadas. Aqui também o robô está à direita, na posição de Deus, é intencional ou coincidência? Se o robô é feito pela inteligência humana, porque não colocar a mão humana, que o criou, certo? Isso seria muito presunçoso? Poderia ferir os sentimentos cristãos? No entanto, o ser humano já ascende à divindade, em tantas ocasiões. O robô poderia criar Adão ou Eva? É uma questão de poder? Ou um sinal dos tempos em que vivemos? É o símbolo de uma era? Diante das perguntas, pedimos a opinião do teólogo Paolo Ricca. Sobre o "deus-robô", Paolo Ricca diz: "Não é difícil interpretar esse tipo de imagem. Porque Deus não existe e, por outro lado, o homem não pode criar a si mesmo. Nenhum de nós desistiu de suas vidas. Podemos, sim, transmitir vida aos outros. Não sozinho, no entanto. Se você é um homem, você precisa de uma mulher. E se você é mulher, precisa de um homem. Não podemos, portanto, gerar a nós mesmos. Somos todos criados. Mas desde que Deus se tornou nulidade, ausência, não-ser, não-existência, o homem inventa um robô. Ele também é uma criatura, mas no sonho dessa representação, ele é uma criatura dotada de faculdades extraordinárias". “Isso é coerente com a situação espiritual e religiosa de nosso tempo que apagou Deus – continua Ricca -, que não é mais objeto, nem sujeito. É claro e eloquente. O homem confunde o Criador com a criatura. É uma inversão de papéis, um caos”. Parece um curto-circuito. Ricca conclui: “Sua criatura é seu criador, porque você não sabe mais o que é ser uma criatura, portanto um é tão bom quanto o outro”. Tudo se torna indiferenciado e indiferente. Talvez você precise recomeçar desde o início. E fazer apresentações. E para fazer isso, alguém estende a mão e diz que tem prazer em conhecê-lo. O que falta, segundo Paolo Ricca, é justamente isso: o conhecimento de Deus. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.