Para uma liturgia doméstica, um dom de Hospitalidade Eucarística

Para uma liturgia doméstica, um dom de Hospitalidade Eucarística

“A Ceia do Senhor” do artista ucraniano Vladimir Sakhnenko

Roma (NEV), 24 de dezembro de 2020 – Este é um presente de Natal. “Hospitalidade Eucarística” é um boletim cujas páginas refletem sobre a aceitação recíproca da “Santa Ceia Protestante” e da “Eucaristia Católica”. A edição de dezembro está disponível em pdf, no rodapé desta página, cortesia dos editores Margarida Ricciuti (valdense) e Pedro Urciuoli (Católico).

Editado por alguns membros do grupo ecumênico “Partindo o Pão”, que inclui crentes protestantes e católicos, o folheto explora experiências e práticas ecumênicas. O grupo, nascido no campo ecumênico em 2011 em Turim, envolve igrejas, mosteiros e paróquias e produziu um interessante questionário sobre o tema em 2017.

Esta edição da “Hospitalidade Eucarística” constrói-se “nesta conjuntura imprevisível” com as questões que trouxe à tona como “o encerramento preventivo de muitos locais de culto com inevitáveis ​​repercussões na partilha da Ceia do Senhor, e as medidas pessoais recomendado pela prudência que aconselha a evitar sair – lê-se na apresentação -. Estas precauções tornaram a (re)descoberta da liturgia doméstica mais atual do que nunca; uma modalidade que, como nos conta em seu depoimento Fredo Olivero, um padre católico de Turim, também graças à tecnologia, em sua opinião, pode permitir que as pessoas participem de serviços religiosos, reduzindo também a distância entre católicos e outros cristãos. O pastor valdense Gênero Gianni e o bispo católico Derio Olivero enviou-nos as suas comunicações às duas comunidades católica e valdense de Pinerolo e dos vales circundantes, tendo criado um verdadeiro laboratório ecuménico por ocasião da pandemia, tanto mais significativo quanto diz respeito precisamente aos lugares onde, nos séculos passados, os principais conflitos entre as duas comunidades. Este número também traz a narração da primeira apresentação do livro ‘Hospitalidade eucarística: a caminho da unidade dos cristãos’”. O livro citado trata do tema da hospitalidade eucarística a partir do documento A Ceia do Senhor, assinado por Paulo rico E João Cereti, onde se expressam as razões que sustentam esta prática. Também inclui contribuições sobre o assunto de perspectivas católicas, ortodoxas, luteranas, batistas, metodistas, valdenses, adventistas, anglicanas e pentecostais.

“O termo ‘hóspede’ indica tanto aquele que oferece hospitalidade como aquele que a recebe, pois ambos os sujeitos, embora com papéis diferentes, estão unidos por um valor superior: a hospitalidade – lê-se no subtítulo da folha -. Assim, a ‘hospitalidade eucarística’ é uma forma de dizer que somos todos hóspedes do único Senhor que nos acolhe e acolhe com todas as nossas diferenças. A Ceia pertence ao Senhor, não às Igrejas”.

Baixe a edição clicando aqui: OE – N 23 – Dezembro 2020

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

ser uma parte ativa da amizade islâmica-cristã

ser uma parte ativa da amizade islâmica-cristã

Roma (NEV), 31 de janeiro de 2020 – O encontro que representa o primeiro passo de um caminho de amizade islâmico-cristã foi realizado ontem em Florença, com o título: “Fraternidade humana para a paz mundial e a convivência comum. Seguindo os passos de Abu Dhabi no sinal de amizade entre cristãos e muçulmanos”. Entre os convidados, a pastora da igreja valdense de Florença, Letizia Tomassoneo pastor batista Carmine Bianchio pastor adventista Saverio Scuccimarri e o pastor Raffaele Volpe para a Igreja Reformada Suíça. O pastor Tomassone disse à agência NEV que a reunião foi moderada por Haifa Alsakkaf, da Comunidade Islâmica de Florença, “uma mulher muito capaz. Achei um bom sinal de abertura para as mulheres”, disse ela. Foi um evento bastante concorrido, com público e convidados. o cardeal José Betori e o imã de Florença Izzeddin Elzir eles assinaram um documento que segue parcialmente o da fraternidade humana em Abu Dhabi, assinado em conjunto pelo papa Francisco e pelo Grande Imam Aḥmad Muhammad Aḥmad al-Ṭayyib de Al-Azhar sob o conferência global da fraternidade humana, conferência inter-religiosa internacional realizada nos Emirados Árabes Unidos, em fevereiro de 2019, que também contou com a participação do secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) Olav Fykse Tveit. “Além de falar sobre como nasceu o Documento, discutiu-se a ideia de que Florença poderia ser uma cidade piloto na concretização da amizade islâmica-cristã e na reflexão comum – explicou novamente a pastora Letizia Tomassone -. É Mohamed Bamoshmooshda Comunidade Islâmica de Florença, sia Maurice Certini, diretor da Fundação La Pira, insistiu no fato de que Florença já foi palco de vários encontros no passado. Desde 1995, com a oração pela paz em Santa Croce, a visita do grande imã Ahmad Muhammad al-Tayyebrecebido no Palazzo Vecchio em 2015, só para citar dois exemplos". A proposta final é “iniciar a amizade islâmico-cristã desde Florença, onde já existe uma realidade de diálogo, que se manifesta em muitos grupos e iniciativas existentes. A ideia - continuou Tomassone - é criar a possibilidade de encontros mais estruturados, até mesmo com uma revista, em analogia com a amizade judaico-cristã (nascida em Florença em 1951 por vontade de Arrigo Levasti, Giorgio La Pira, Ines Zilli, Giorgio Spini, Giacomo Devoto, Angelo Orvieto e Aldo Neppi Modona, ed)". Entre os motivos que levam os promotores a trilhar este caminho, está o de “dar às jovens gerações de muçulmanos e cristãos instrumentos de diálogo”. E, critério importantíssimo, fica claro para todos que esse diálogo não pode partir de cima, mas deve surgir e ser cultivado em iniciativas que partem de baixo, envolvendo diretamente a sociedade civil”. Entre os convidados, estavam também representantes das Igrejas Ortodoxa Russa, Romena e Grega e da comunidade judaica. O rabino de Florença Gadi Piperno enviou uma mensagem de saudação. “Fomos convidados pessoalmente para as reuniões preparatórias e para esta – declarou ainda o pároco de Florença -. É importante que estejamos presentes como parte ativa desse processo. Estamos envolvidos desde o início e por isso somos gratos. Acho muito importante que muçulmanos e católicos tenham dito que todas as expressões do mundo cristão e todas as expressões do mundo muçulmano devem fazer parte desta amizade. O primeiro passo foi dado ontem em Florença para este objetivo. Uma frase em particular do documento me impressionou: 'compartilhamos a esperança comum no Deus do amor, para trilhar caminhos comuns de justiça e paz'”. O encontro foi promovido pela Fundação e Centro Internacional Giorgio La Pira, juntamente com a comunidade islâmica de Florença e Toscana e o Instituto Universitário Sophia, em colaboração com diversas realidades religiosas e seculares da região. ...

Ler artigo
Suíça, igreja reformada, pela primeira vez uma mulher presidente

Suíça, igreja reformada, pela primeira vez uma mulher presidente

Roma (NEV), 14 de junho de 2021 – Pela primeira vez, a Igreja Evangélica Reformada da Suíça (ESRB) tem uma mulher como presidente. De fato, os membros do Sínodo celebraram o primeiro culto com os novos eleitos ontem, domingo, 13 de junho Rita famosa, em Berna. O Presidente do Sínodo, Evelyn Borerrecordou na sua breve introdução os deveres do Presidente: “Tu serás o rosto da CERS na vida pública, nas relações ecuménicas e no diálogo inter-religioso: colocarás a tua vida ao serviço dos seus valores, valendo-te da tua fé”. Além disso, durante a votação realizada no domingo, 13 de junho, o presidente do Conselho Nacional, Andreas Aebi, participou da solenidade e fez um breve discurso aos presentes, destacando o importante papel da igreja protestante para a sociedade. As igrejas irmãs da França e da Alemanha também estiveram presentes, representadas por Jean-François Guery E Frank Kopania. Entre os convidados do ecumenismo internacional estava também o secretário-geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) Ioan Sauca E Mário Fishersecretário geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CEPE). Os membros da Presidência sinodal – Evelyn Borer, Catherine Berger e o pastor Christian Miaz – acompanhou o público durante a celebração bilíngue. Alguns dias atrás - conforme relatado por Reforma – também na Espanha, pela primeira vez, uma mudança na mesma direção: Caroline Buenoadvogado de 44 anos, foi de fato eleito para dirigir as igrejas protestantes e, a partir de março próximo, assumirá o cargo de Mariano Blazquez no topo da Federação de Entidades Religiosas Evangélicas do Estado Espanhol. ...

Ler artigo
Sínodo Luterano 2022, “a paz não se faz com armas, se faz com amor”

Sínodo Luterano 2022, “a paz não se faz com armas, se faz com amor”

Roma (NEV), 29 de abril de 2022 – Do grego antigo sínodoscomposto de sinou seja, juntos, em alemão miteinander E odos, o caminho, o caminho. E no meio deste caminho juntos, o dos Sínodos, encontramos Wolfgang Praderpresidente do Sínodo da Igreja Luterana na Itália, atualmente em curso em Roma, que ainda ontem, após o culto de abertura, mencionou a etimologia deste termo, dirigindo-se à assembléia reunida em Villa Aurélia. Qual é o caminho a percorrer juntos hoje? “Significa encontrar soluções e respostas para as questões que mais nos preocupam atualmente: o meio ambiente, a Diaconia, os jovens. E é juntos sobre essas questões – são tantas – que devemos nos questionar e buscar respostas, como luteranos, todos juntos, mas também como protestantes, sempre juntos”. Como vão os trabalhos do Sínodo? “Muito bem, estamos muito felizes e satisfeitos. Todos os convidados e palestrantes que vieram nos ver destacaram como é lindo e importante finalmente nos encontrarmos pessoalmente. E o tema escolhido este ano “Liberdade e responsabilidade” foi amplamente divulgado”. Qual é o desafio mais importante para a igreja luterana na Itália? “Como muitas igrejas, sentimos durante a pandemia a diminuição do comparecimento, da participação física e presencial das pessoas na igreja. E faltam-nos também os jovens: temos de saber trazê-los de volta à igreja, trazer de volta as famílias, as pessoas para irem à igreja”. Ontem, no seu discurso, disse muito claramente que "a Europa precisa de paz". Qual é a mensagem deste Sínodo sobre a guerra na Ucrânia? “Do fundo do meu coração, acredito que precisamos de paz, em todos os lugares. A paz não é alcançada aumentando as armas ou fornecendo armas ainda mais fortes. A paz não se faz com armas, se faz com amor." As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.