A memória não é apagada

A memória não é apagada

Foto de Camila Cataldi

Roma (NEV), 24 de janeiro de 2023 – “Precisamos dar um bom exemplo. É possível e desejável para o bem de todos fazer alguma coisa, não olhar para o outro lado. E para concretizar as ideias precisamos nos unir”. Vera Vigevani Jarach, “Partidário da Memória”, expoente das Madres de Plaza de Mayo, jornalista e ativista, foi protagonista hoje de um encontro com estudantes do ensino médio romano, organizado com a contribuição de Otto per mille da Igreja Valdense, União das Igrejas Metodistas e valdenses e em colaboração com a Associação 24 Marzo. Uma oportunidade de reflexão sobre o tema da memória, no dia e para o dia 27 de janeiro, Dia da Memória, de fato, e sobre o uso cuidadoso das fontes e a coleta de testemunhos. A reunião foi moderada por Valério Cataldijornalista da Rai e presidente da Associação Carta di Roma, e apresentado pela saudação de Marco Forneronepároco da Igreja Valdense na Piazza Cavour em Roma, que sediou a nomeação.

No centro do diálogo, a experiência de Vigevani Jarach, que narrou sua vida até a realidade dos migrantes, dos “novos desaparecidos no mar Mediterrâneo”. Desde criança judia obrigada a emigrar para a Argentina, até a luta com as Mães da Praça de Maio: “Não éramos heroínas, só queríamos saber onde estavam nossos filhos. E nós estávamos com medo.”

Na sala adjacente ao templo valdense onde ocorreu o encontro, também foi montada uma exposição de objetos pertencentes às vítimas do naufrágio de 3 de outubro de 2013 em Lampedusa.


Para saber mais:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Roma (NEV), 20 de junho de 2023 – A 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) terminou hoje. Inaugurado em 14 de junho em Tallinn, Estônia, foi intitulado: "Sob a bênção de Deus - moldando o futuro". Abaixo, uma seleção de notícias da Assembleia. Amor, esperança, fé. A trajetória do CEC nas palavras do novo presidente Nikitas A conferência de imprensa final da 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias acaba de terminar. o arcebispo Nikitas de Thyateira e Grã-Bretanha do Patriarcado Ecumênico, recém-eleito presidente do CEC, compartilharam uma mensagem de esperança. “Esta Assembléia nos encontra em um mundo em guerra, onde as armas nucleares ainda estão em ação. Onde vemos devastação e destruição, onde nossa terra é queimada e destruída por mãos humanas, vemos pobreza, injustiça, escuridão e sombras de pecado. Neste contexto, o CEC quer trazer a esperança e a luz de Cristo, como mensageiro de paz e solução para os nossos problemas”, disse Nikitas. O que somos chamados a fazer como cristãos, acrescentou, é "alimentar os pobres, vestir os nus, cuidar dos necessitados" e sublinhou a grande contribuição das novas gerações, "que vieram corrigir, talvez a nossa visão . Trocar os óculos, para que vejamos com o olhar de Jesus Cristo”. Esperança, fé e amor em Jesus são as palavras recorrentes neste último dia: "Hoje somos um pouco diferentes, a Assembleia escolheu ser representada por representantes de diferentes comunidades cristãs e esta é a demonstração de que apesar das diferenças podemos estar juntos e fazer as coisas juntos, em unidade […] Rezemos juntos pela paz porque a graça do Senhor pode fazer milagres” concluiu Nikitas. Assista a coletiva de imprensa completa: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=q_EAo13WFjA[/embed] CEC eleita nova direção Em 19 de junho, a Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa elegeu seus novos líderes. o arcebispo Nikitas de Tiateira e Grã-Bretanha do Patriarcado Ecumênico foi eleito presidente. os pastores Inverno de Dagmar E Frank Kopania vice-presidentes foram eleitos. Para saber mais, leia o artigo em italiano em Riforma.it Foto CEC / Albin Hillert Hartmut Rosa: As igrejas podem oferecer um modelo diferente ao desejo de crescimento permanente da Europa Hartmut Rose, um sociólogo alemão e orador principal na Assembleia Geral da CEC de 2023, refletiu sobre o papel das igrejas em oferecer um modelo diferente ao desejo da Europa de crescimento e aceleração permanentes. A sociedade europeia está "em um impasse", disse Rosa. A vida se concentrou no crescimento destrutivo, para manter o status quo. Tomando o exemplo da indústria alimentícia, onde as enzimas são colocadas em refeições prontas para reduzir a sensação de saciedade e satisfação, ele disse: “O problema é que simplesmente temos que continuar crescendo em todos os setores, porque senão os empregos que eles não poderiam ser preservada, mesmo que objetivamente não faça mais sentido crescer. Vivemos em um sistema que precisa crescer para permanecer o mesmo. Sem esse crescimento, o sistema entra em colapso.” As consequências são poluição, problemas ambientais, agressão e esgotamento. Rosa se referiu ao aumento dos problemas de saúde mental e do suicídio entre os jovens, que não conseguem lidar com o estresse do excesso de velocidade. E denunciou o tom cada vez mais agressivo da política e a ascensão do populismo, com o risco de “com este modelo perdermos o nosso futuro e o nosso passado”. Finalmente, Rosa propôs um modelo alternativo de "ressonância". Referindo-se à história bíblica do rei Salomão, Rosa falou de um “coração que escuta” e de “bem viver”. Ressonância é quando você sai desse modo de aceleração porque algo o toca e você reage a isso. Nesse processo somos transformados, não permanecemos os mesmos”. Leia em 2023cecasssembly.org, em inglês Rowan Williams, encontrando coragem para abraçar o risco O ex-arcebispo de Canterbury Rowan Williams levou a uma reflexão a partir da pergunta: "Que bênção traz a igreja de Cristo?". O que significa "bem-aventurados" ou "afortunados", também em relação à ação das Igrejas no tempo presente? Leia sobre a Igreja Luterana Foto CEC / Albin Hillert Patriarca Bartolomeu: Na Europa, as pessoas não se identificam mais com as igrejas nacionais O Patriarca Ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu, falou na Assembleia da CEC com um discurso fundamental para “celebrar e afirmar o espírito ecumênico entre as diferentes igrejas, comunhões e confissões”. Por outro lado, a retórica das chamadas “guerras culturais” comprometeu seriamente qualquer potencial de diálogo, ferindo o próprio cerne do ecumenismo. Falando de um "novo ecumenismo" num contexto destrutivo, onde a guerra pôs em evidência a fragilidade dos progressos realizados até agora, Bartolomeu falou da "justificação da Igreja russa para esta guerra, vista como a salvação da Ucrânia da suposta sedução de um ímpio ocidental, secular e liberal”. Leia o artigo em italiano e a tradução completa do discurso de Bartolomeu no site da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Podemos nos preparar para a paz? A Assembleia da CEC cedeu espaço a alguns testemunhos cristãos da Ucrânia, Rússia e outros países próximos às zonas de conflito. “Um forte lembrete de que a guerra na Ucrânia não está apenas entrelaçada com a divisão teológica, mas também com pessoas morrendo todos os dias, enquanto as igrejas estão cada vez mais frustradas sobre como contribuir para a paz”, escreve o CEC. O painel discutiu a propaganda, a geopolítica, os meios de comunicação de massa e os riscos de exploração, inclusive no âmbito ecumênico. Leia aqui, em inglês. Ucrânia. Ser igreja no meio da guerra Durante a Assembleia da Conferência das Igrejas da Europa, entre outras coisas, foi realizada uma reunião pública na qual os líderes religiosos ucranianos ilustraram a situação de suas igrejas no país. Eles também falaram sobre como dão testemunho do Evangelho e como é um grande desafio encontrar as palavras certas diante de uma violência indescritível. Leia em Riforma.it Foto CEC / Albin Hillert A Assembleia da Juventude traz uma nova esperança de unidade, a começar pela amizade Pontes construídas, amizades e uma caminhada de quatro quilômetros na bela floresta nos arredores de Tallinn, na Estônia. O testemunho da Assembleia da Juventude, um dia antes da abertura da Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias. Leia mais: Leia mais Juventude se une no #cecasassembly 2023! - YouTube Para saber mais: Todas as fotos da Assembleia KEK 2023 Canal CEC no YouTube: Conferência das Igrejas Europeias – YouTube Transmissões ao vivo: Assembleia Geral CEC 2023 – Tallinn – YouTube ...

Ler artigo
Milão, a livraria Claudiana entre as lojas históricas

Milão, a livraria Claudiana entre as lojas históricas

Roma (NEV), 18 de outubro de 2022 – A Livraria Claudiana de Milão é uma das 35 novas 'lojas históricas' premiadas ontem pela Prefeitura da capital lombarda. 'Oficinas históricas' são atividades comerciais que operam há pelo menos 50 anos no mesmo setor de produtos. Ontem, segunda-feira, 17 de outubro de 2022, foi realizada a tradicional cerimônia de premiação no Palazzo Marino, na presença do prefeito, José Salae o Conselheiro para o Desenvolvimento Econômico, Alessia Cappello. O município milanês, com resolução de 2004, estabeleceu o Registro de Lojas Históricas "[…] com o objetivo de proteger e defender as atividades comerciais e artesanais com fortes raízes urbanas que confiram valor a bens culturais e em risco de extinção”. Ontem, portanto, às mais de 500 atividades comerciais já inscritas neste Registo, juntaram-se mais 35, algumas com mais de cem anos de história. A livraria Claudiana, em Milão, é a única do grupo e foi apontada pelos participantes da cerimônia como um dos mais importantes centros culturais da cidade. Todo o grupo que atualmente trabalha na livraria da via Francesco Sforza (Martina Bianchi, Samuele Carrari, Rebeca Malla) E Samuele Bernardinilivreiro histórico da Claudiana, que a comandou por mais de quarenta anos. "A livraria Claudiana de Milão abre suas portas na cidade no final de 1968 - declara Samuele Carrari - por isso, em 2019, passados ​​os 50 anos necessários, achamos importante declinar, mesmo que simbolicamente, a importância dessa atividade através a inscrição em tal registo. Sempre reconhecida e apreciada como um polo secular e de diálogo, aberto a todos e todas aqueles que desejam “combater o analfabetismo religioso, que muitas vezes antecipa o analfabetismo democrático”, a livraria sempre teve importância na cidade. Mas é em momentos difíceis como os que enfrentamos nos últimos anos - a instrução da prática remonta a 2019, pouco antes do início da pandemia, com tudo o que significou e ainda hoje significa - que símbolos como estes (as livrarias Claudiana também foram recentemente inscritas no Cadastro de Biblioteca de Qualidade do Ministério da Cultura, DDG n. 561 de 01.08.2022) elas servem para lembrar que lugares como a nossa biblioteca são importantes, pedaços da nossa cidade: devem por isso ser frequentado e vivido, resistindo à tentação, quando não ao medo real, de ficar encerrado em casa". Ontem, acrescenta, "também significou muito para quem lá trabalha na livraria e, sendo uma livraria também o espelho de quem a vive, o que só podia ser um símbolo torna-se agora um importante reconhecimento, até porque foi feito pelos representantes dos cidadãos. O que faremos agora é partilhar este momento com todos aqueles que apoiaram (e apoiam) a biblioteca nos últimos anos, talvez com um dia de festa, através do qual fique ainda mais evidente a importância dos nossos lugares e a energia com que defendemos eles". ...

Ler artigo
Acolher refugiados dos corredores humanitários

Acolher refugiados dos corredores humanitários

Roma (NEV), 30 de março de 2023 – 58 pessoas de origem síria chegaram a Roma Fiumicino esta manhã, com um voo de Beirute, graças aos corredores humanitários, um projeto realizado desde 2016 pela Federação de Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI ), Mesa Valdense, Comunidade de Sant'Egidio, no âmbito de memorandos de entendimento firmados com os Ministérios do Interior e das Relações Exteriores. Para acolhê-los, os representantes das realidades que colaboram nesta iniciativa humanitária e dos dicastérios envolvidos. Até o momento, mais de 2.500 pessoas chegaram apenas do Líbano. Outros protocolos, sempre com a participação de igrejas protestantes, estão ativos para pessoas de origem afegã, do Irã e do Paquistão, e da Líbia. “As histórias dessas pessoas – declarou Manuela Vinaygerente do Otto per mille Waldensian – demonstrar que uma rota segura e legal para a migração é possível. Os corredores humanitários devem ser considerados um modelo a replicar, mas não são a solução para o problema: a migração é de facto um fenómeno complexo e como tal deve ser gerido, ou seja, com uma visão global, com ações e políticas integradas dentro de cada realidade e em colaboração com os vários países. Cada um deve fazer a sua parte e nós, do nosso jeito, tentamos fazer”. Para marta bernardini, coordenadora do programa de migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, “hoje nosso privilégio é poder acolher essas pessoas. Eles escolherão qual futuro construir para si mesmos, terão a oportunidade de aprender italiano e decidir o que fazer, como realizar seus sonhos e desejos. Mas não esqueçamos quem morreu no mar há um mês, como na tragédia de Cutro. É por isso que continuamos a pedir políticas de acolhimento e resgates para todos”. No momento de boas-vindas seguido de encontro com a imprensa, além do presidente do Sant'Egidio, marco impagliazzotambém dois representantes dos Ministérios: Valério ValentiChefe do Departamento de Liberdades Civis e Integração do Ministério do Interior e Diretor Geral de Italianos no Exterior e Políticas de Migração do Ministério de Relações Exteriores e Cooperação Internacional, Luigi Maria Vignali. “Sabemos que os Corredores Humanitários não podem satisfazer toda a demanda por uma vida melhor, mas isso significa que devemos investir cada vez mais nessa ferramenta tão importante que tem permitido chegar com segurança. Na minha opinião, vocês são testemunhas e mensageiros. Testemunhas, porque é possível chegar à Itália e à Europa acreditando em corredores humanitários e acreditando nas instituições que trabalham para isso e, ao mesmo tempo, mensageiros para muitos de seus compatriotas, compatriotas que, em vez disso, dependem de traficantes de pessoas para serem explorados e partiu para um futuro incerto. Portanto – disse Valenti – compartilhamos juntos esta dupla responsabilidade: nós integramos vocês, vocês são mensageiros e testemunhas de um futuro melhor que é possível através deste sistema. O Ministério do Interior está empenhado em fortalecer esta ferramenta e investir mais recursos”. Para Vignali, representante do Ministério das Relações Exteriores, “a chegada de hoje confirma o forte compromisso do governo em garantir canais de chegada regulares, seguros e ordenados e, ao mesmo tempo, lutar contra os traficantes de pessoas. Continuaremos neste caminho também em conjunto com outros parceiros europeus e trabalhando em estreita colaboração com os países da Ásia, Médio Oriente e África, de forma a evitar outras tragédias e a fortalecer este modelo de corredores humanitários tão importante ". HERE Infográfico resumido sobre Corredores Humanitários – atualizado até março de 2023 "O #corredores humanitários são uma das formas, não a única, de chegar segura e legalmente: é preciso pensar em outras vias legais de acesso”. Marta Bernardini agora na coletiva de imprensa em Fiumicino para i #corredores humanitários e último voo desde #Líbano pic.twitter.com/NDhighsigb — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 30 de março de 2023 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.