Anne Frank e Etty Hillesum, dois diários comparados

Anne Frank e Etty Hillesum, dois diários comparados

Roma (NEV), 23 de janeiro de 2023 – Os diários de dois extraordinários escritores e testemunhas da Shoah, Anne Frank E Etty Hillesum, estará no centro de uma iniciativa para o Dia da Memória, que se celebra a 27 de janeiro. A sessão pública, que contará com a presença do Prof. Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, e Lia Tagliacozzoescritor, acontecerá em Roma, na igreja metodista na via XX Settembre 122, às 18h30.

Para saber mais:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ius scholae, a campanha Confronti teve um grande começo

Ius scholae, a campanha Confronti teve um grande começo

Roma (NEV), 11 de maio de 2022 – Excelente início da campanha lançada pela Confronti, a Coordenação Nacional das Novas Gerações Italianas (CONNGI) e os Italianos Sem Cidadania. Entre as adesões do primeiro dia destacam-se as de Nicola Zingarettipresidente da Região do Lácio, Onofrio Rotasecretário-geral Fai Cisl, Emanuela C. Del ReRepresentante Especial da União Europeia para o Sahel, e Marta Bonafonivereador da Região do Lácio. O apelo vem acompanhado de uma carta dirigida à política, que insta o atual Legislativo a dar o passo há muito prometido e nunca concretizado: "Os números do Parlamento estão aí: é claro que chegamos à hora da verdade", como leia no documento. O objetivo da campanha é que a lei conhecida como "Ius Scholae", atualmente tramitada na Comissão de Assuntos Constitucionais da Câmara dos Deputados, seja tramitada no Parlamento e aprovada até o final da Legislatura. Os promotores da iniciativa vão continuar com o trabalho de sensibilização nas próximas semanas através de eventos públicos e manifestações. Entre os primeiros signatários do documento, que aderiram antes do lançamento da campanha, estão: Paulo Naso, Edith Bruck, Oliviero Toscani, Paolo Fresu, Gad Lerner, Luigi Manconi, Igiaba Scego, Corrado Augias, Maurizio Ambrosini, Valerio Carocci, Orchestra of Piazza Vittorio, Little Orchestra of Tor Pignattara, Roberto Zaccaria, Mohamed Keita, Giacomo Marramao. Para assinar, conecte-se ao site ...

Ler artigo
Conferência Metodista: História, Missão e Cultura

Conferência Metodista: História, Missão e Cultura

Roma (NEV), 12 de fevereiro de 2020 – A movimentada sessão da manhã da conferência internacional sobre estudos do Metodismo intitulada “The Catholic limes. Ambições e estratégias do Metodismo para uma Itália unida” foi presidida pelo professor Alessandro Saggioro. O primeiro relatório, sobre "O sítio histórico-político da Itália no final do século XIX - início do século XX" foi editado por Augusto D'Angelo, que a partir de documentos históricos e historiográficos descreviam as relações recortadas entre católicos e metodistas, em contínua transformação, a nível nacional e local. Ao realçar a grande contribuição metodista na sociedade, na educação, através das escolas, mas também nas igrejas e nas relações com o tecido cultural e religioso da época, D'Angelo destacou o papel da mulher, "capaz de se colocar ao serviço da comunidade, no ensino, como professoras e como parteiras”. Párocos e freiras, onde a presença metodista é forte, segundo D'Angelo, se sentem estimulados a fazer melhor, graças a jovens brilhantes que o metodismo trouxe à tona. O professor destacou a importância da participação dos metodistas na resistência, o papel da industrialização e da fundação da fábrica em Palombaro (Chieti) "O renascimento, graças ao qual parte da população permanecerá na área", e o mudança de ritmo entre católicos e metodistas: desde 1960, quando o arcebispo bosio enviou cartas ao pároco para colocar o problema de como conter as comunidades protestantes onde elas existiam, em 1970, quando em visita pastoral o cardeal Loris CapovillaSecretário de João XXIII, em um questionário perguntou se o espírito ecumênico estava sendo cultivado e se era celebrada a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC). As palavras de ordem já não são “prevenir, conter e reconquistar” mas “rezar juntos” e muda-se o tecido e a mentalidade. Por fim, D'Angelo convocou o debate a partir de três questões: as adesões ao metodismo, que poderiam ser motivadas pelo descontentamento com o clero católico; a hipótese de um vínculo entre a adesão e a facilitação da migração nos Estados Unidos, que financiava o pastorado; o valor da consciência de que a presença metodista tornou mais eficaz a ação de outros. Ele interveio sobre "A questão religiosa na Itália entre 1900 e 1915". Alberto Melloni da Fundação de Ciências Religiosas (FSCIRE), professor de história do cristianismo na Universidade de Modena e Reggio Emilia, bem como promotor da Academia Europeia de Religião. Melloni traçou as linhas da paisagem religiosa pré-guerra, citando cartas pastorais e manuais para padres e narrando as etapas da Itália leonina de Bonomelli, "de um catolicismo não mais rural e devoto, a um catolicismo italiano fermentado, que olha para o realidade social com olhos diferentes dos olhos do século XIX”, onde o próprio papado não será mais como antes. Melloni falou então das pedras angulares e dos preconceitos intelectuais e ideológicos que caracterizaram parte do pensamento da época, da luta contra a modernidade e o modernismo, do medo do judaísmo e do ódio aos protestantes, sem esquecer aquele tratado de uma luta que durou durante séculos mas, nesta fase, "caracterizada por Bispos pensantes, por um episcopado que conserva um protagonismo próprio, uma permanência na memória dos Estados pré-unificação, como herdeiros dos filhos mais novos das famílias das cidades, mesmo anti -Papistas”. O professor mencionou as características de uma Itália mergulhada no mito do cristianismo, que tinha a ambição de um colonialismo espiritual e civilizacional, ambição questionada pelos protestantes. Por fim, uma breve referência ao totalitarismo e às políticas repressivas do Ventennio, que fizeram com que "a devoção se tornasse um selo e a suspeita investisse sobre todos", através do que se poderia definir como denúncia em massa, em que a "descerebração do clero, e da sociedade em geral, desempenhou um papel na ascensão do fascismo; porque saber de algo é um risco”. Tim R. Woolley, do Comitê de Herança da Igreja Metodista da Grã-Bretanha, falou em vez das "Estratégias do Metodismo Inglês para a Itália, 1860-1915". Um excursus extenso e detalhado de Guilherme Artur (1819-1901) e de Henry James Piggot (1831-1917), pastor metodista inglês, iniciador da Missão Metodista Wesleyana na Itália, em diante, sobre as missões e denominações metodistas, a partir do Comentário Religioso e dos documentos em que são transcritas conversas com italianos comuns, descontentes com o papado . Desde o convite para estabelecer uma missão na Itália com a ideia de que o Metodismo Wesleyano poderia ser um fator de união para a Itália e para as outras formas de cristianismo que se desenvolviam, aos sentimentos mais propriamente antipapistas, até o trabalho de formação e envolvimento de ex-sacerdotes e seminaristas, com as consequentes perseguições e obstáculos dos católicos que queriam defender a sua fé e o seu território. Woolley citou episódios de antagonismo, ele leu documentos que se referem a "calúnias, ameaças e a 'invasão protestante' por meio da qual clérigos e leigos apelaram contra os intrusos cismáticos" para expulsar os "hereges". Ao descrever o metodismo e a estratégia da missão, Woolley sublinhou o papel da Sociedade Bíblica britânica e estrangeira que já havia divulgado a Bíblia traduzida com os colportores desde 1808, causando certa inquietação papal. A suspeita era de que era uma tentativa de “espalhar Bíblias multilaterais e corruptas, enquanto colportores carregavam Bíblias e outras literaturas protestantes tentando explorar o descontentamento nas paróquias locais”. Grande foi a contribuição dos metodistas na distribuição de publicações, na preservação de livros, nas obras de educação escolar, na fundação de igrejas e congregações, apesar de haver poucos prédios próprios "provavelmente pela hostilidade dos proprietários católicos e da recursos econômicos limitados". Foi neste período que também começou a se desenvolver uma ideia de cooperação ecumênica. A missão teve momentos de difusão e detenção; a pragmática estratégia metodista, com seus colportores e educadores, desacelerou, “mas a maior conquista diz respeito à qualidade e duração do trabalho nas escolas. Por exemplo, em La Spezia é relatado com orgulho que as autoridades educacionais da época registraram resultados muito satisfatórios e que o trabalho cresceu além das expectativas. Foi a guerra que teve impacto na fé, assim como o saldo de centenas de milhares de mortos”. Dia de Alfredo T, Secretário Geral da Comissão de Arquivos e História da Igreja Metodista Unida dos EUA, finalmente falou sobre "As estratégias do metodismo americano para a Itália, 1860-1915". Day explicou como nasceu a Missão Metodista Americana, através de viagens a cidades italianas e contato com a Igreja Metodista Britânica na Itália. Day também citou documentos históricos e escritos da época, que destacam não apenas o empenho dos pregadores itinerantes, mas também a atmosfera que se respirava, desde o amor e o ódio pelo papa, até o fervor com que se imaginava uma missão em Roma. “Pensava-se que os italianos seriam receptivos ao Metodismo, porque eram impulsivos e apaixonados; o espírito vital do metodismo e a presença valdense, considerada favorável, fizeram com que a Itália se apresentasse como um campo maduro para o evangelismo protestante”. Day cita as experiências da Alemanha e da Suíça, retorna os números e as etapas da missão estabelecida em Roma, que passa a ser sede com a Igreja Metodista Episcopal, a primeira a construir uma igreja na Cidade Eterna com o pastor Teófilo Gay. Um afresco do metodismo americano, que traz para a Itália novas formas de ministério, escolas dominicais, assistência a militares, alfabetização de mulheres e o trabalho de diaconisas, num contexto em que a vida das mulheres se limitava aos afazeres domésticos e o padre confessor as orientava ao casamento e ao a Igreja. “Os metodistas viam a mulher como um recurso, queriam que o ministério fosse mais amplo e que a mulher fosse protagonista na formação dos jovens, nas escolas e em outros serviços”. Entre os pioneiros neste serviço, o missionário Emma Hall. Assim nasceram os orfanatos de Intra e Florença, o instituto industrial de Veneza Cannaregio, o instituto educacional de Pádua, o internato em Roma com o jardim de infância Isabella Clark e o instituto internacional Crandon, nascido em 1896 como "Young Ladies College" no iniciativa de William Burt, superintendente da Missão Episcopal Metodista na Itália, do Instituto de Monte Mario e outras obras. O dia foi concluído com um breve panorama das fraturas e evoluções da missão, desde o que ele define como uma "maré baixa missionária" até as mudanças na disciplina, que na Itália em parte lutou para se estabelecer no que diz respeito ao uso do vinho e tabaco. A renovação espiritual colidirá com as dificuldades financeiras da década de 1920, mas de qualquer forma levará o Ministério Metodista americano, com suas profundas raízes no triunfalismo protestante, a se transportar para a Itália moderna com seu espírito democrático e progressista, mantendo ainda hoje em sua pregação e nas publicações um ponto forte. ...

Ler artigo
Começa hoje o Sínodo Luterano em Roma

Começa hoje o Sínodo Luterano em Roma

Roma (NEV), 28 de abril de 2022 – A XXIII sessão do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) começa hoje em Roma, no Hotel Villa Aurelia.Uma vez cumprido formalmente a constituição do "parliamentino" luterano, prevista noNo início da tarde, entraremos no centro do debate com o relatório do Presidente do Sínodo, Wolfgang Pradera que se seguirão os relatórios do Consistório e do Reitor cessante, Heiner Bludau.Em seguida, será a vez dos cumprimentos do Presidente da Federação das Igrejas Evangélicas emItália, Daniele Garroneo primeiro convidado entre vários esperados para os próximos dias.Uma sessão, a XXIII, que verá a eleição do Reitor e do Vice-Reitor do CELIprevisto para sábado, 30 de abril.Após o período de pandemia, portanto, o Sínodo Luterano volta a se reunir ao vivo, em Roma.Para Wolfgang Prader, 47, presidente do Sínodo, a nomeação deste ano éparticularmente relevante porque “estamos mais uma vez na condição de nos encontrarmos em presença […] para discutir e debater após a sessão do ano passado teve que ser realizada online". Os sinodais, mais de 50, como aponta o vice-presidente do sínodo Ingrid Pfrommer“eles são escolhidos pelas 15 comunidades luteranas presentes na Itália, e terão a tarefa de discutir as várias resoluções e propostas apresentadas, votando a seguir e participando das eleições para a renovação dos mandatos sinodais”.Entre as atividades programadas para esta XXIII sessão, uma mesa redonda, amanhã, 29abril, moderado pelo vice-reitor Kirsten Thiele, que terá como tema “liberte-se para a liberdade”. Com a participação de representantes do mundo protestante europeu: MichaelHubner (Secretário Geral da Federação Mundial Martin Luther), Leon Novak (Bispo da Igreja Evangélica da Confissão Augusta na Eslovênia), Gerhild Herrgesell (Conselheiro Eclesiástico para o desenvolvimento da Igreja Evangélica Austríaca) e Olaf Wassmuth (Chefe do Departamento de Turismo do Sul da Europa e Exterior da Igreja Evangélica Alemã).O Sínodo Luterano representa, portanto, como afirma uma nota do CELI, "uma importante oportunidade não só religiosa, mas de confronto e debate com os fermentos teológicos, sociais e culturais que animam as sociedades europeias no atual momento histórico, oferecida em comparação com a empresa italiana". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.