FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes.  Stephen Bertuzzi

FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes. Stephen Bertuzzi

Markus Spiske, unsplash

Roma (NEV), 28 de outubro de 2021 – Em vista da Assembleia a ser realizada nos próximos dias, quando o atual Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) terminará seu mandato e um novo Conselho e um novo presidente será eleito , reunimos o testemunho de serviço nestes anos de trabalho no Conselho da Federação, àqueles que, ou seja, têm orientado o caminho da FCEI. Pedimos assim aos vereadores e vereadores cessantes que nos falassem do passado, através de um balanço da experiência feita, e um olhar para o futuro.

Stephen BertuzziMetodista, criado em Trieste, agora mora no Piemonte e trabalha para a Diaconia Valdense.

Qual é a sua avaliação desta experiência?

“Seria muito fácil falar de um balanço muito positivo; talvez, porém, a definição que mais me agrada seja a de um orçamento rico: de experiências, de conhecimentos, de ações, de fraternidade e – não podemos esconder depois destes quase dois anos de pandemia – também de muitas dificuldades, porém enfrentadas com determinação e consciência de nossas forças e limitações.

Há seis anos fui eleito para o Conselho da FCEI depois de uma longa experiência como vice-secretário, primeiro e depois secretário da Federação Juvenil Evangélica da Itália, a FGEI: aparentemente apenas uma carta mudou, em termos concretos para mim significou a transição para o compromisso “adulto” para as igrejas; significou entrar em contacto com realidades que eu pouco conhecia – o FGEI dirige-se sobretudo a jovens mulheres “BMV” – e lidar com projetos de grande complexidade e valor. Eu não tinha certeza do que me esperava. No entanto, o ambiente que encontrei revelou-se acolhedor e fraterno, de modo a permitir-me abordar até os assuntos mais complexos, sentindo-me ouvido e útil.

Cito alguns dos temas que me são particularmente próximos, ciente de que a lista deveria ser bem mais longa: o programa Esperança do Mediterrâneo, que cresceu diante de nossos olhos, mostrando o quanto as igrejas protestantes italianas ainda têm muito a fazer e dizer ; a comunicação através dos diversos meios de comunicação da FCEI, cada vez mais ricos e eficazes; temas como justiça ambiental e social que nunca foram esquecidos, mas estiveram no centro de muitas iniciativas, eventos, reflexões úteis para as igrejas e a sociedade; finalmente, a FCEI foi capaz de responder a muitas emergências na Itália e no exterior nos últimos 6 anos. Agradeço ao Senhor por me dar a oportunidade de fazer parte de uma grande e complexa máquina.

Que testemunho você tem vontade de deixar para aqueles que virão depois de você?

Como mencionei anteriormente, devido ao meu percurso profissional, entrei no Conselho sentindo-me um pouco “cota jovem” e por isso o meu primeiro pensamento é deixar o testemunho das experiências vividas no mundo juvenil, do projecto Ser Igreja Juntas, questões ambientais, inclusão social, gênero e orientação sexual que são centrais para as gerações dos “Millenials” e “Z”. São temas cuja importância já é amplamente reconhecida e creio que não é necessário que quem tenha menos de 40 ou 30 anos os mantenha no centro da ação da FCEI.

Outra característica da Federação que eu gostaria que fosse aprimorada é ser uma promotora de ideias e projetos inovadores, capaz de atrair igrejas-membro e outras. Uma FCEI que não tem medo de ser uma voz profética na Itália e no mundo”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O protestantismo é belicista?

O protestantismo é belicista?

Foto de Ben White - Unsplash Roma (NEV), 14 de outubro de 2022 – Entre os inimigos da paz na Ucrânia está também o bloco anglo-americano, e não é de se estranhar “porque os anglo-saxões são de origem protestante: para eles, calçar botas (de soldados) no terreno é bastante normal, porque a ordem deve ser mantida e a política e a guerra na visão protestante são apenas sistemas mundanos, caracterizados por regras autônomas de engajamento e não sobrecarregados por laços morais de derivação evangélica”. Lemos em um artigo na "Província" assinado por don Ângelo Rivadiretor do Semanário da Diocese de Como. Lamentamos porque os argumentos apresentados, além de superficiais e estereotipados – não falta a citação aproximada de Weber sobre a ligação entre capitalismo e protestantismo – demonstram como o caminho ecumênico ainda carece de conhecimento mútuo, compreensão e revisão de clichês que dificultam o caminho que várias igrejas tentam fazer juntas. Em nota particular, o autor do artigo corrigiu seu ponto e admitiu ter ido longe demais em análises e referências que merecem muito mais estudo. Tomamos nota disso e, portanto, podemos considerar o incidente encerrado. No entanto, alguns comentários são necessários. O protestantismo tem responsabilidades históricas bem conhecidas e somos nós protestantes que reconhecemos isso, a partir de Lutero, também alimentou a semente violenta do antijudaísmo; que a escravidão foi aceita e até abençoada por muito tempo pelas comunidades protestantes que queriam construir um "mundo novo" e se colocar como modelo de civilização diante do mundo, "como uma cidade sobre uma colina", citando o Evangelho de Mateus; e, novamente, poderíamos dizer do segregacionismo, ou da blasfema justificação teológica do apartheid. Em suma, não é difícil extrair argumentos do arquivo da história para alimentar um antiprotestantismo que, aliás em um país como a Itália, há muito é alimentado e sustentado com armas, repressão e discriminação. Mas quem fere pela controvérsia, perece pela controvérsia e, colocando-se ao mesmo nível e relembrando as cruzadas e a caça aos "hereges" (valdenses e outros), Torquemada e a Inquisição, o Syllabus e as generosas bênçãos às tropas coloniais italianas na África, a partida pode ser equilibrada. Mas que sentido isso faria? Qual é o valor espiritual dessa risível disputa fora do tempo e fora do lugar sobre as sombras negras que também se projetam sobre as tradições religiosas? A cultura protestante não produz apenas anfíbios militares, como afirma uma vulgata superficial, mas também críticas ao poder estabelecido (as alas radicais da Reforma e os movimentos "puritanos" contra as igrejas "estabelecidas" e isto é, estatais); cultura de direitos humanosEleanor Roosevelt e toda a tradição liberal-democrática anglo-saxônica); martírio pela liberdadeDietrich Bonhoeffer); prática não violenta (Martin Luther King); modelos de reconciliação (as igrejas reformadas da África do Sul); uma visão ecumênica orientada para a paz (o Conselho Mundial de Igrejas). E para a frente. O ecumenismo de hoje e de amanhã, para crescer, precisa de estudo, de método, de rigor. Para isso, precisamos nos livrar de pré-julgamentos e repertórios fáceis de polêmicas. A credibilidade do anúncio cristão no mundo de hoje depende disso. ...

Ler artigo
O Deus dos migrantes em Milão, apresentação do livro amanhã, 29 de maio

O Deus dos migrantes em Milão, apresentação do livro amanhã, 29 de maio

Milão (NEV), 28 de maio de 2019 – “O fato histórico é que nenhum movimento migratório jamais foi reversível. […] Não só isso: além de irreversíveis, os processos migratórios nunca foram decorrentes, mas apenas interpretáveis. E sua interpretação mudou seu significado e destino”, escreve o professor de História do Cristianismo Alberto Melloni no prefácio do livro "O Deus dos Migrantes". Três pesquisas sobre a experiência e a prática religiosa dos imigrantes em nosso país estão no centro do volume, publicado por Il Mulino, que será apresentado amanhã, quarta-feira, 29 de maio, às 18h, na Biblioteca Claudiana, em Milão. “Quantos imãs existem na Itália? Como eles se preparam? Como vivem as diferentes igrejas cristãs em nossa metrópole? Quais são as atividades e ações realizadas pela Igreja Ortodoxa Romena, que na Itália tem uma população de mais de um milhão de pessoas?” – lê-se na contracapa – Três caminhos até agora inexplorados, que mostram como a imigração constitui um dos vetores mais incisivos de um processo de pós-secularização e de um novo movimento de efervescência religiosa”. Os três curadores da obra participarão do encontro amanhã à tarde, na via Francesco Sforza 12/A, Maurizio Ambrosini, Paulo Naso E Cláudio Paravati do Centro de Estudos Comparados, com Júlio Giorelloprofessor da Universidade de Milão, conselheiro de políticas sociais, saúde e direitos do município de Milão, recém-eleito para o Parlamento Europeu, Pierfrancesco MajorinoE Madalena ColomboUniversidade Católica do Sagrado Coração de Milão. ...

Ler artigo
“Com a benção de Deus, molde o futuro”

“Com a benção de Deus, molde o futuro”

O KultuuriKatel em Tallinn (Estônia), onde acontece a 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) - 2023 Roma (NEV), 13 de junho de 2023 - A 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) começa amanhã. Com o título “Com a bênção de Deus – moldando o futuro”, acontece de 14 a 20 de junho de 2023 em Tallinn, na Estônia. São cinco delegados da Itália: Pastor Peter Ciaccio, para as igrejas metodistas. a pastora Letizia Tomassone, delegado da igreja valdense. O pastor Simone De Giuseppe para a União das Igrejas Evangélicas Batistas na Itália (UCEBI). a pastora Kirsten Thiele, representando a Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Estes são os delegados com voz deliberativa. Finalmente, com voz consultiva, delegado da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Irene Grassi. Pedimos a Peter Ciaccio que nos desse alguns detalhes sobre este importante evento internacional. Qual será o papel dos delegados italianos na 16ª Assembleia do KEK? Além de ter voz deliberativa ou consultiva, os delegados também exercem determinadas funções na Assembleia. Por exemplo, Irene Grassi é uma das responsáveis ​​pela animação musical litúrgica. Letizia Tomassone fará parte de uma comissão que ajudará a Assembleia a elaborar um documento final sobre as decisões tomadas. De minha parte, fui membro do Comitê de Planejamento e trabalhei com outros ao longo dos últimos anos para definir como esta Assembléia se desenrolaria, principalmente logisticamente. Como a CEC está se transformando? Em comparação com a Assembleia anterior (Novi Sad, Sérvia - 2018), houve dois eventos decisivos para a vida das igrejas na Europa e além. A primeira é o longo período da pandemia, caracterizado por restrições e pelo fato de muitas igrejas não terem conseguido se reunir ou terem se reunido majoritariamente por meio eletrônico. E depois, é claro, há a questão da guerra que já dura há mais de um ano a alguns quilômetros daqui – pelo menos no que diz respeito a esta segunda fase da invasão russa da Ucrânia. Quando foi decidida a realização da Assembleia em Tallinn, esta fase ainda não tinha começado, pelo que não havia ideia de lá ir por algum motivo relacionado com o conflito entre a Rússia e a Ucrânia. Quando a guerra estourou, parecia correto manter essa decisão, esperando poder levar uma mensagem de paz e justiça para as proximidades. O retorno à presença é um momento significativo para as igrejas. O que você acha? É difícil imaginar como as igrejas poderiam ter passado pelo período da pandemia sem o uso das tecnologias de comunicação. No entanto, é importante voltar a atender. E porque a verdadeira igreja se faz presencialmente, reunindo-se, movendo-se, saindo de seus lugares seguros, indo a um lugar comum louvar ao Senhor. E talvez porque essas grandes possibilidades da tecnologia tenham multiplicado eventos e reuniões, acabando por dar menos importância a cada encontro. Ou tornando difícil destacar quais reuniões foram as mais importantes. Certamente as reuniões a nível europeu estiveram entre as que mais pagaram o preço da pandemia. O sentido de organizações como a Conferência das Igrejas da Europa é precisamente o de criar situações de encontro, de partilha. E esses encontros de partilha acontecem precisamente na presença; incluem momentos culturais, momentos de refeição, momentos litúrgicos que só podem ser realizados presencialmente. E é precisamente no encontro entre pessoas de diferentes culturas, de diversas origens, de diversas confissões que se realiza o ecumenismo. Além da discussão e debate que possa haver sobre diferenças teológicas e eclesiológicas. Quais são os principais temas desta Assembleia? São dois os temas fundamentais desta Assembleia. A primeira é entender o que é o CEC, o que ele se tornou. Com efeito, a partir de 2013 iniciou-se um longo processo de reestruturação que mudou radicalmente o rosto da Conferência das Igrejas europeias. Da mudança da sede de Genebra para Bruxelas, à extinção da Comissão para igrejas e empresas. Passando pela transformação dos grupos de trabalho em redes. Ainda não está claro, exceto no papel, o que é o CEC. Será preciso ver como se concretizará a nova Conferência. Este parece ser um assunto interno, um tema de pouco interesse, mas é muito importante para entender como levar adiante o segundo tema, ou seja, o tema da paz e reconciliação na Europa. A paz e a reconciliação têm estado no centro da missão da CEC desde a sua fundação. De fato, a CEC nasceu no final dos anos 1950 como uma tentativa de aproximar os cristãos do Oriente e os cristãos do Ocidente, tendo no centro a Cortina de Ferro, o Muro de Berlim. Uma das primeiras conferências realizadas em um navio em águas internacionais no Báltico foi histórica, justamente para permitir a participação de cristãos que viviam de um lado ou de outro da Cortina de Ferro. Nesta fase histórica – em que parece reincidir uma divisão entre o Oriente e o Ocidente, numa chave claramente muito diferente e não análoga – importa perceber o que o KEK pode fazer para pôr este continente a falar entre si. Viver um presente e um futuro reconciliados em nome da paz, da justiça e da proteção da criação. Precisamos entender como o KEK conseguirá, em sua nova fórmula e em sua reestruturação, ser tão eficaz quanto foi de fato na história, nas décadas de 1950 e 1960, até as grandes Assembléias Ecumênicas de 1989 em Basileia e 1997 em Graz . Para mais informações, programa, fotos e direct acesse ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.