Ir além da ‘normalidade’ pré-cobiçosa doentia

Ir além da ‘normalidade’ pré-cobiçosa doentia

Luca Maria Negro

Roma (NEV), 3 de outubro de 2020 – Entrevista com o presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negro. Assinado por James Galeazzia entrevista vai do sentido da fé à questão da espiritualidade que surgiu durante o confinamento, mas também fala sobre o futuro, as propostas e a necessidade de trabalharmos juntos pelo bem comum.

Luca Maria Negro fala da necessidade de “voltar-se para a Palavra de Deus para ser desafiado a mudar”. Precisamos, portanto, “não de uma fé consoladora. Mas uma fé que é questionada. Que se pergunta porquê, que visa transformar a realidade. Um pouco na linha do ensaio de Paul Jordan ‘Em contágio’. Um livro que, apesar de ter um tom substancialmente ‘secular’, termina com uma citação bíblica: ‘Ensina-nos a contar os nossos dias e adquiriremos um coração sábio’ (Salmo 90)”.

Ensina-nos a contá-los para quê? O pároco responde: “Para aproveitar melhor o nosso tempo. Pensar o que a normalidade nos impede de pensar: como chegamos aqui, como gostaríamos de continuar. O verdadeiro medo de Giordano, como lemos na capa, é que o medo passe em vão, sem deixar uma mudança”.

Na entrevista, Negro também cita dois documentos importantes, exemplos de colaboração ecumênica na época da covid. A ‘Mensagem Ecumênica de Páscoa’, intitulada ‘Não tenha medo’, assinada em 8 de abril de 2020 pelo bispo responsável pelo ecumenismo, Monsenhor Ambrogio Spreaficodo Arcebispo Ortodoxo Grego Ghennadios e pelo próprio Negro em nome da FCEI. E o documento ecumênico redigido por um grupo de crentes católicos e protestantes de Milão intitulado ‘Estar enraizado no novo. Um documento ecumênico para o período pós-Covid.

Em conclusão, diz Luca Maria Negro, a pandemia mostrou-nos “os aspectos claramente patológicos do nosso estilo de vida pessoal e colectivo”, numa crise que corre o risco de ser irreversível e apela a um compromisso imediato e comum das Igrejas, dos cidadãos e das instituições , segundo o presidente da FCEI, nestas áreas: velha e nova pobreza; refugiados, migrantes e cidadania; assistência médica; crise ambiental; cuidado e salvaguarda da criação; Europa.

É necessário “agir e colocar os nossos dons a serviço do bem comum. Fazendo a nossa parte. Evitando sufocar prematuramente o desejo de renascer devido ao chamado insidioso de voltar à doentia ‘normalidade’ de antes”…


Leia a entrevista completa de Giacomo Galeazzi em Interris.it

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Agora da religião, Tar acolhe apelo

Agora da religião, Tar acolhe apelo

Roma (NEV), 31 de julho de 2023 – Um aluno da quarta série que não quer mais frequentar as aulas de religião. O nº da escola que frequenta, em Florença, motivado pelo calendário da apresentação do pedido de inscrição no ensino alternativo. E o posterior recurso ao Tribunal Administrativo Regional da Toscana pela família da criança. Tar que dá provimento ao recurso, conforme explica a edição florentina do jornal neste artigo A Repúblicae teria ainda condenado o diretor da escola a pagar três mil euros em despesas. Mas qual é o significado dessa decisão? Nós perguntamos Ilaria Valenzi, advogado, assessor jurídico da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que modera a seção de estudos da Comissão de Estudos, Diálogo e Integração (COSDI) da mesma Federação. “A decisão do TAR da Toscana afirma um princípio cada vez mais forte, confirmando o que já foi expresso em ocasiões anteriores, sempre em relação ao direito de escolha dos alunos e das famílias: a liberdade religiosa e a liberdade de consciência não podem ser submetidas a compactação, nem mesmo por motivos organizacionais. Embora as escolas necessitem de saber atempadamente a escolha dos alunos em recorrer ou não ao ensino facultativo da religião católica (IRC) e, por isso, seja estabelecido um prazo de ano para ano para fazer essa escolha, esta não pode limitar o direito de mudar de ideia. Da mesma forma, o direito de não recorrer ao IRC pode ser exercido ainda que nos anos lectivos anteriores o aluno tenha optado pela frequência da aula de religião confessional. Uma escolha feita no início do ciclo escolar – explica Valenzi – não pode, de fato, condicionar o exercício de um direito constitucionalmente garantido, que pode ser acionado a qualquer momento com proteção integral. Isso se aplica a todas as etapas do curso de estudo e também após o início do ano letivo. Da mesma forma, a opção pela frequência da “hora alternativa” pode ser solicitada mesmo que o aluno não elegível tenha manifestado previamente uma opção diferente (estudo individual ou saída da escola): quando a opção correta é exercida, a escola é obrigada a ativar o ensino. Em suma, a decisão do Tar confirma que os prazos para o exercício do direito constitucional de liberdade de consciência e religião não podem ser peremptórios: ou seja, não podem ter efeito limitante sobre o direito de escolha, que sempre prevalece”. Entretanto, o ano letivo recomeçará em setembro e o tema provavelmente voltará. Que perspectivas para o futuro, no que diz respeito ao debate sobre a hora da religião? “A porcentagem de alunos e alunas que, principalmente no ensino médio, não fazem uso do ensino da religião católica é um número cada vez mais significativo – afirma Valenzi -. Isso significa, por um lado, que se abre um espaço para um pedido de proteção e a necessidade de vigiar cada vez mais para que o direito à liberdade de consciência e religião não seja violado; por outro, que aumenta o apelo ao pluralismo de ideias, convidando todas as entidades seculares a participarem com propostas de caminhos de inclusão, cidadania ativa e educação para a democracia. Neste sentido, a FCEI quer envolver-se tanto no que diz respeito aos instrumentos de defesa dos direitos dos alunos e das famílias, como com propostas de trabalho e reflexões que tenham em conta as mudanças religiosas e culturais que caracterizam o nosso tecido social. O novo pluralismo religioso é uma realidade que, sobretudo nas escolas, não pode ser ignorada, constituindo também um instrumento essencial para a integração recíproca e para o conhecimento profundo do outro. Isso só pode acontecer respeitando o princípio da laicidade, atentando para a sensibilidade de cada um, sem imposições confessionais”. Para saber mais: ...

Ler artigo
“Covid não existe só”

“Covid não existe só”

Roma (NEV/CELI), 29 de abril de 2021 – Quatro anos como deputado e desde outubro de 2020 Presidente do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália. Ele é Wolfgang Pradere como seu antecessor Georg Schedereit, é originalmente do sul do Tirol e, portanto, bilíngüe desde a infância. Prader espera importantes impulsos para o futuro da 2ª Sessão do XXIII Sínodo. Segundo ele, a Covid comprimiu demais o campo de visão e é hora de retomar os temas que são de absoluta importância para o futuro, como meio ambiente ou injustiça social. É diferente planejar um sínodo como vice-presidente do que ser totalmente responsável por ele como presidente? Sim, caso contrário! Embora trabalhemos juntos de forma extremamente construtiva e sejamos uma equipe muito boa, no final, a decisão final cabe a mim. E sim, isso faz a diferença! Você é uma pessoa que toma decisões facilmente? Vamos colocar desta forma: quando tomo uma decisão, eu a mantenho. Mas nunca tomo decisões precipitadas e certamente sou antes de tudo um trabalhador em equipe; acima de tudo sei ouvir. O que nunca faço é me fixar em algo, prefiro ponderar bem as coisas antes de chegar a uma conclusão. Em comparação com os últimos Sínodos, qual foi a maior dificuldade em organizar o seu primeiro Sínodo como Presidente? Tivemos apenas uma oportunidade de nos encontrar pessoalmente, na primeira reunião do consistório imediatamente após nossa eleição em outubro passado. Depois disso, todas as reuniões aconteceram em modo digital, telefone, e-mail, Zoom, Teams… planejar um evento como um sínodo dessa forma é realmente cansativo e trabalhoso. Uma conversa direta deixa mais espaço, é mais espontânea, põe em movimento outros fios de pensamento, deixa mais espaço para a espontaneidade, inspiramo-nos uns aos outros. Reuniões digitais são extraordinariamente eficientes para isso, mas falta a possibilidade dos bastidores, que muitas vezes trazem algo a mais. Você mesmo é um especialista em TI… Sim certamente. E certamente continuaremos a usar muitos dos formatos digitais que já experimentamos e que se mostraram eficazes. A pandemia simplificou e acelerou muitas coisas nesse sentido. Esperando verdadeiramente que este seja o primeiro e também o último sínodo virtual, não podemos deixar de perceber que, para o que se costuma definir como heterogênese de fins, existem também alguns efeitos "colaterais" positivos. Por exemplo, economia de tempo para quem pode participar de casa ou a oportunidade de todos os membros da igreja acessarem o sínodo, independentemente de onde estejam. Quem sabe para o futuro talvez possamos pensar em um modelo híbrido, ou seja, um sínodo presencial com conexão parcial ao vivo, por exemplo. Normalmente nesses primeiros seis meses ele teria que viajar muito mais, como "embaixador" do CELI. Isto é verdade. E isso também é um aspecto que pesou um pouco nesses primeiros seis meses. Tivemos um encontro digital com os valdenses. Participamos da conferência dos presidentes das comunidades do CELI. Consoante a evolução da pandemia, o próximo encontro da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), em junho, para o qual somos convidados a participar, será também online. E ainda não está claro o que acontecerá no verão e no outono. Decisões de longo prazo são esperadas de um sínodo. Na sua opinião, quais são os desafios que precisam de uma resposta mais urgente? No momento tudo, mesmo tudo, está focado no Covid. eu diria demais. Na verdade, há tantos problemas que precisam de respostas imediatas. Mesmo perante um desafio global como o Covid-19, temos de ocupar todo o espaço de que necessitamos para podermos lidar com outras questões, não menos importantes para o futuro, senão ainda mais urgentes. Estou a pensar no ambiente e no desenvolvimento sustentável, em suma, em todas as questões abordadas pela Agenda 2030. Este é também um dos grandes desafios do nosso tempo, que nos diz respeito a todos e que exige não só intervenções imediatas e coletivas, mas também a nível individual, cada um de nós é chamado a assumir responsabilidades diretamente! Depois, há a questão da justiça social. O fosso social devido à pandemia está a aumentar globalmente, mas também nas nossas sociedades, nas nossas cidades. E depois há a questão do acesso à educação: também aqui a Covid agravou a situação de muitas famílias, de muitas crianças e jovens. Sem falar na questão da saúde e do acesso à assistência médica. Todos os campos onde vejo uma grande responsabilidade individual, mas também das igrejas, da nossa igreja. Na sua opinião, o papel da Igreja mudou após a pandemia? Eu formularia de forma diferente. Através da pandemia talvez tenhamos nos tornado mais conscientes do papel da Igreja em relação às nossas tarefas na pastoral e na sociedade. Quando o aspecto da comunidade falha e a igreja é experimentada digitalmente, duas coisas acontecem. Por um lado, percebemos que de repente algo está faltando, algo que tínhamos como certo. Por outro lado, entendemos que a igreja também é um elemento social importante e que, ao contrário do que pensávamos antes, ela pode muito bem e deve ser vivida em diferentes formatos. Mesmo virtuais! O que você espera concretamente deste sínodo? Espero que do diálogo dos seis grupos de trabalho – virtualmente reunidos em “salas” menores – surjam decisões que possam determinar os rumos do CELI no futuro. Todos os seis temas são importantes e requerem respostas concretas para o trabalho comunitário: Meio Ambiente, Justiça de Gênero, Diaconia, Juventude, Processamento do Período Pandêmico e Digitalização. A questão da justiça de gênero não é isenta de controvérsia no meio protestante. Como é a abordagem do CELI? Estamos abordando esse assunto com muita seriedade, mas com calma, franqueza e sem preconceitos. Convocamos todas as comunidades a participarem da elaboração do documento, envolvendo todos. A comissão fez um excelente trabalho, que resultou na declaração conjunta que espero que seja votada. A hospitalidade eucarística é um tema muito controverso, especialmente na Alemanha. Não estará entre os temas que o Sínodo abordará? Para nós não é um problema, ou melhor, não é vivido como tema de conflito, nem para os teólogos nem para as Comunidades. Simplesmente cumprimos o acordo de Lund: aqui todos os batizados são bem-vindos à mesa do Senhor. Onde você vê a necessidade de ação imediata? Precisamos apresentar melhor nossas comunidades externamente, dar a conhecer suas atividades também por meio de plataformas digitais. Maior visibilidade é um pré-requisito para poder crescer. em 28.04.21 Leia no site do CELI ...

Ler artigo
Os cristãos são todos pontífices

Os cristãos são todos pontífices

Roma (NEV), 13 de maio de 2019 – Há trinta anos, em 15 de maio de 1989, foi inaugurada em Basel a primeira Assembleia Ecumênica Europeia sobre o tema "Paz na justiça", inspirada no Salmo 85: "A justiça e a paz se abraçarão". Pela primeira vez em séculos - desde os tempos do Grande Cisma entre o Oriente e o Ocidente (1054) e a Reforma Protestante - mais de 600 delegados oficiais das três principais denominações cristãs - ortodoxos, católicos e protestantes - reuniram-se para uma assembléia comum. Mas foi também a primeira vez que se reuniram cristãos de todos os países da Europa. De fato, a mensagem conclusiva da Assembleia começa observando que os delegados “do Leste e do Oeste, do Norte e do Sul se encontraram cruzando fronteiras confessionais e políticas que até pouco tempo atrás pareciam intransponíveis. Por mais profundas que sejam as feridas do passado da Europa, os laços que nos unem em Cristo mostraram-se mais fortes. Cresce uma comunhão que confirma a nossa esperança e por isso damos graças a Deus” (§ 1). De facto, a esperança de Basileia tornou-se realidade apenas seis meses depois, com a queda do Muro de Berlim a 9 de Novembro de 1989. Uma queda que, pode-se dizer, foi profeticamente antecipada em Basileia pela "marcha pela paz" que atravessou três países limítrofes (Suíça, Alemanha e França) e no qual, de forma absolutamente excepcional, foi possível a participação de todos os delegados, mesmo os provenientes do bloco dos países do Leste. Paz na justiça, superando fronteiras, derrubando muros de separação: as esperanças da primeira Assembleia Ecumênica Européia continuam a constituir o horizonte no qual os cristãos da Europa são chamados a trabalhar, seja qual for a Igreja e seja qual for o país a que pertençam. Numa Europa onde regressam as tentações da fragmentação e da autorreferencialidade, onde se erguem novamente muros, tanto materiais como virtuais, os cristãos só podem ser pacificadores e construtores de pontes: os cristãos são todos "papas", no sentido literal da palavra . Recorda-nos um recente documento da Conferência das Igrejas europeias, intitulado “A Europa é o nosso futuro”, afirmando que “as Igrejas estão empenhadas na construção de uma Europa melhor e no apoio ao projeto europeu de prossecução dos valores partilhados e do bem comum . Procuramos construir pontes para superar as divisões históricas e aumentar o sentido de responsabilidade para com o mundo. Diante dos conflitos, somos chamados a agir como instrumentos de reconciliação e de luta contra a opressão” (do documento “A Europa é o nosso futuro”, CEC e CCME 2019). ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.