Luteranos do mundo.  Teologia pública para o bem comum

Luteranos do mundo. Teologia pública para o bem comum

Foto FLM / Albin Hillert

Roma (NEV), 13 de outubro de 2021 – No dia 15 de outubro, a Federação Luterana Mundial (FLM) promove um evento para relançar o papel da teologia, tornando acessíveis conferências aprofundadas. O objetivo é compartilhar esses recursos de teologia pública para uso das igrejas-membro em seu compromisso com o bem comum.

É uma série de palestras abertas, resultado da cooperação entre o Berlin Institute of Public Theology, na Alemanha, o Beyers Naudé Centre for Public Theology, na África do Sul, e a Lutheran World Federation.

O encontro da próxima sexta-feira será uma oportunidade para ouvir os principais especialistas de todo o mundo sobre diferentes aspectos da teologia pública. Gravadas durante a pandemia de Covid-19 em vários contextos, as aulas que vão ser tornadas públicas contêm uma apresentação (tanto em vídeo como em áudio) com diapositivos, material de estudo e leituras complementares. A série de palestras foi inicialmente oferecida a estudantes de pós-graduação em Berlim e Stellenbosch. Eles fazem parte dos módulos de aprendizado FLM, mas são projetados para beneficiar todos os alunos em áreas onde materiais de estudo e viagens são difíceis devido à falta de fundos ou oportunidades.

Aqui, a programação do evento, marcado para as 16h, via link zoom (link de inscrição no final da página).

Saudações e moderação

  • pastor Kit SivinDiretor do Programa de Teologia Pública e Relações Inter-religiosas, Federação Luterana Mundial

Introdução

  • pastor Martin JungeSecretário-Geral da FLM

Discursos de abertura

  • pastor Felipe PavãoSecretário Geral Interino para Programas da Fraternidade Mundial de Igrejas Reformadas (CMCR/WCRC)
  • prof. Simone SinnReitor do Instituto Ecumênico Bossey, Conselho Mundial de Igrejas (CEC)

Apresentação de recursos de acesso aberto

  • prof. Torsten MeireisDiretor do Instituto de Teologia Pública de Berlim, Universidade Humboldt

Apresentações de vídeo curtas

Conversas com especialistas

  • Frederike van OorschotChefe do Departamento de Religião, Direito e Cultura, Forschungsstäte der Evangelischen Studiengemeinschaft (FEST), Universidade de Heidelberg
  • Rothney TshakaDiretor da Escola de Humanidades da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade da África do Sul
  • Passado. Seferosa CarrollDiretor Executivo, Missão e Programa Missão das Margens, (CEC)

Conclusões

prof. Dion ForsterDiretor do Beyers Naudé Center for Public Theology, Stellenbosch University

Inscrições no Zoom

artigo anteriorDireitos em tempos de pandemia
Próximo artigoPela primeira vez, os imigrantes na Itália estão diminuindo

Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

religiões a serviço da fraternidade e da justiça

religiões a serviço da fraternidade e da justiça

foto Dan DeAlmeida, unsplash.com A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) sobre a encíclica "Fratelli tutti" - Fraternidade e amizade social Um texto que fala do amor fraterno nas relações humanas e no diálogo social baseado na amizade realizada segundo o modelo do samaritano narrado por Lucas 10,25 ss, que se refere à mulher samaritana de João 4 e sua teologia. Um documento de diálogo inter-religioso entre a Santa Sé e o Islã sunita na pessoa de Ahmad Al-Tayyeb(professor de filosofia e teologia e agora imã de uma universidade-mesquita no Cairo), na forma de uma carta pastoral para a humanidade, em virtude da “chamados a encarnar-se em todas as situações e presentes ao longo dos séculos em todos os lugares da terra – isto significa católico” (278) que a Igreja Católica reivindica para si. Um apelo à recuperação da dimensão comunitária da existência, para recompor um 'nós' que habita a casa comum. Seguindo o fio traçado pelos títulos dos parágrafos, vários fatores contribuem para a perda da solidariedade humana, para o “fechamento do mundo”. culturais (colonização, "globalização uniforme", desconstrucionismo, fim da consciência histórica e pensamento crítico) e econômicos (a globalização dos mercados e sua liberdade sem uma rota comum que tem subordinado a política e produzido o 'lixo mundial' feito de pessoas empobrecidas , marginalizados e migrantes, valendo-se do conflito e do medo, da agressividade descarada, da ilusão da comunicação, da informação sem sabedoria, das submissões). Mas também a proliferação de guerras com armas nucleares, químicas e biológicas cada vez mais destrutivas. Proclamando-se auditor terceirizado, a encíclica nos exorta a "pensar e gerar um mundo aberto" aqui e agora partindo do fator comum, a consciência profunda da comunidade das espécies, ou irmandade, uma metáfora que a história bíblica pode dissuadir da ousadia, a ser vivida em forma de amizade social baseada no amor, partindo da verdade “Um novo encontro não significa voltar a um momento anterior aos conflitos. Todos nós mudamos com o tempo. A dor e os contrastes nos transformaram. Além disso, não há mais espaço para diplomacias vazias, para dissimulações, conversa fiada, dissimulações, boas maneiras que escondem a realidade”.(226) O recall é para a África do Sul Desmond Tutu ao qual a referência explícita é reconhecida juntamente com Martin Luther KingO Mahatma Gandhi e o abençoado Charles de Foucauld (286). “Caminhos de um novo encontro” é, de facto, o título de um capítulo dedicado ao artesanato da paz” e por isso a conflitos, lutas legítimas, o perdão, a memória, a guerra à qual toda a legitimidade é retirada. Em seu apelo, o texto recorda alguns fundamentos da modernidade: o Iluminismo (liberdade, igualdade, fraternidade), o universalismo de direitos e o diálogo multilateral ("devemos assegurar o incontestável estado de direito e o recurso incansável à negociação, aos bons ofícios e arbitragem, tal como propõe a Carta das Nações Unidas, uma norma jurídica verdadeiramente fundamental”.[238] Quero destacar que os 75 anos das Nações Unidas e a experiência dos primeiros 20 anos deste milênio mostram que a plena aplicação das normas internacionais é realmente eficaz, e que seu descumprimento é prejudicial”.(257), a Constituição italiana art. 42 (sobre a função social da propriedade). Finalmente e no fechamento a encíclica reivindica não só para a Igreja Católica, mas também para as religiões um papel ao serviço da fraternidade no mundo e da defesa da justiça na sociedade tornar Deus presente para o bem das sociedades que se distanciaram dos valores religiosos, ocupando o espaço público. “Embora a Igreja respeite a autonomia da política, não relega sua missão à esfera privada. […] A Igreja "tem um papel público que não se limita às suas atividades assistenciais ou educativas", mas que se empenha na "promoção do homem e da fraternidade universal" […] “Queremos ser uma Igreja que serve, que sai da sua casa, que sai dos seus templos, das suas sacristias, para acompanhar a vida, sustentar a esperança, ser sinal de unidade […] construir pontes, derrubar muros, semear a reconciliação" (276), deslegitimizando a violência fundamentalista, e no diálogo ecumênico ("peçamos a Deus que fortaleça a unidade na Igreja, unidade enriquecida pelas diversidades que se reconciliam pela ação do Santo Espírita (280) e inter-religiosa (“a Igreja aprecia a ação de Deus nas outras religiões” (277). O tema de como as religiões ocupam a esfera pública é de particular relevância para nós, com referência àquelas igrejas que entram diretamente na arena política, além disso, em apoio a governos que não respeitam a vida e a dignidade das pessoas, nem os ecossistemas e a biodiversidade. No geral, pelo que diz, a mensagem recebe e suscita o juízo crítico por um lado sobre as forças que governam o mundo e, por outro lado, o desejo generalizado na sociedade civil de uma recomposição de assuntos e batalhas por referência ao chamado bem comum. Precisamente a experiência da emergência sanitária poderia ter levado a dar maior ênfase à relação entre justiça econômica e climática, à fraternidade humana como inelutavelmente inserida na comunidade da criação, enquanto apenas algumas passagens são dedicadas a ela sobre a casa comum e sobre agressão econômica e militar. ...

Ler artigo
A contagem regressiva que vem dos oceanos

A contagem regressiva que vem dos oceanos

Foto NEV/er Roma (NEV), 26 de julho de 2023 – Pedimos ao coordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), Maria Elena Lacquanitipara compartilhar uma reflexão sobre o que está acontecendo na Itália, mas também na Grécia e no Mediterrâneo. O convite é ouvir o grito "do irmão e da irmã que fogem da sede insuportável, do fogo do sol, da água na garganta". Publicamos abaixo na íntegra a contribuição de Maria Elena Lacquaniti, coordenadora do GLAM. Se pensávamos que a Agenda 2030 era o limite para iniciar mudanças sustentáveis ​​para a proteção do planeta e de seus habitantes, estávamos enganados. A contagem regressiva vem dos oceanos e, salvo engano, 2025 será o ano da loucura oceânica que terá seu ponto de destruição total em meados do século e cujo ensaio geral está em andamento na Itália com inundações, granizo e trombas d'água. destruir cidades, campos e aqueles que vivem e trabalham lá. Onde a água é louca e onde o fogo é dominante, com o sul queimado pelo ar fervente e pelas chamas que atingem as periferias das cidades maiores, Palermo, Catania, Reggio Calabria e a turística San Cataldo in Puglia. Seja água ou fogo, o vento varre multidões derrubando árvores, atirando pedras de granizo do tamanho de bolas de tênis e comendo tudo em seu caminho com línguas de fogo infernais. Revista "naturezas”, que anunciou ontem o colapso dos oceanos até 2025 (na fanpage um artigo em italiano sobre o assunto, ed), especifica - talvez em uma tentativa extrema de dar maior peso ao alerta - que isso "afetaria todos os habitantes da Terra", porque o AMOC (Atlantic meridional overturning circulation), sistema de correntes oceânicas que inclui também o do Golfo, devido ao aquecimento global está desaparecendo. A falta de AMOC produzirá eventos catastróficos para todo o planeta, representando aquele complexo emaranhado de movimentos oceânicos que transportam água quente dos trópicos para o Atlântico Norte, resfriando-a e fazendo-a cair no fundo do oceano. Esta ação, que não é casual nem improvisada, tem como objetivo fundamental equilibrar os movimentos marinhos de onde se originam os ventos que sopram no planeta, as temperaturas e as chuvas. Ainda não compreendemos que esta sofisticação irrepetível, como irrepetível é toda a ordem do universo, só tem um inimigo, o homem, com a sua ação constante, violenta e destrutiva, sem saber, porém, que o planeta resiste procurando novos equilíbrios e alavancando pontos de inflexão que certamente será hostil ao existente, mas que o planeta usará para sacudir o que agora se tornou um perigo insuportável, o homem e seu modo de vida. Na loucura humana poderia resistir um sentimento de superioridade e o pensamento de que alguém será capaz de se salvar e permanecer uma testemunha da espécie. Provavelmente, mas talvez fosse desejável hoje, pelo menos como crentes, que o olhar e a audição cheguem longe, para ver o drama e ouvir o grito de quem já vive este apocalipse prefigurado. Deus ouviu o clamor de seu povo escravizado no Egito e nós ouvimos o do irmão e da irmã que fogem da sede insuportável, do fogo do sol, da água na garganta? Deveríamos fazê-lo, e se isso não bastasse pelo amor de Deus, pelo menos para saber como isso terminará em alguns anos. ...

Ler artigo
Rega sem desperdício – Nev

Rega sem desperdício – Nev

Continua a série de vídeos realizados pelos jovens da Comissão de Meio Ambiente e Globalização da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, com conselhos práticos e sugestões para ser “mesmo o protagonista menos responsável da mudança” em relação à emergência climática. Filip Urban, unsplash Roma (NEV), 21 de julho de 2022 – O novo vídeo da série criada pelos meninos e meninas da GLAM, a Comissão de Meio Ambiente e Globalização da FCEI, tem como título “Rega sem desperdício”. Aqui o primeiro vídeo dos jovens GLAM, publicado no passado dia 6 de julho, sobre poupança de água doméstica e aqui o segundo, datado de 13 de julho. artigo anteriorBatistas Mundiais falam sobre Ucrânia, Mianmar, justiça racial e escravidãoPróximo artigoCOP27 Summit Egito, oportunidades para jovens Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.