Luteranos do mundo.  Teologia pública para o bem comum

Luteranos do mundo. Teologia pública para o bem comum

Foto FLM / Albin Hillert

Roma (NEV), 13 de outubro de 2021 – No dia 15 de outubro, a Federação Luterana Mundial (FLM) promove um evento para relançar o papel da teologia, tornando acessíveis conferências aprofundadas. O objetivo é compartilhar esses recursos de teologia pública para uso das igrejas-membro em seu compromisso com o bem comum.

É uma série de palestras abertas, resultado da cooperação entre o Berlin Institute of Public Theology, na Alemanha, o Beyers Naudé Centre for Public Theology, na África do Sul, e a Lutheran World Federation.

O encontro da próxima sexta-feira será uma oportunidade para ouvir os principais especialistas de todo o mundo sobre diferentes aspectos da teologia pública. Gravadas durante a pandemia de Covid-19 em vários contextos, as aulas que vão ser tornadas públicas contêm uma apresentação (tanto em vídeo como em áudio) com diapositivos, material de estudo e leituras complementares. A série de palestras foi inicialmente oferecida a estudantes de pós-graduação em Berlim e Stellenbosch. Eles fazem parte dos módulos de aprendizado FLM, mas são projetados para beneficiar todos os alunos em áreas onde materiais de estudo e viagens são difíceis devido à falta de fundos ou oportunidades.

Aqui, a programação do evento, marcado para as 16h, via link zoom (link de inscrição no final da página).

Saudações e moderação

  • pastor Kit SivinDiretor do Programa de Teologia Pública e Relações Inter-religiosas, Federação Luterana Mundial

Introdução

  • pastor Martin JungeSecretário-Geral da FLM

Discursos de abertura

  • pastor Felipe PavãoSecretário Geral Interino para Programas da Fraternidade Mundial de Igrejas Reformadas (CMCR/WCRC)
  • prof. Simone SinnReitor do Instituto Ecumênico Bossey, Conselho Mundial de Igrejas (CEC)

Apresentação de recursos de acesso aberto

  • prof. Torsten MeireisDiretor do Instituto de Teologia Pública de Berlim, Universidade Humboldt

Apresentações de vídeo curtas

Conversas com especialistas

  • Frederike van OorschotChefe do Departamento de Religião, Direito e Cultura, Forschungsstäte der Evangelischen Studiengemeinschaft (FEST), Universidade de Heidelberg
  • Rothney TshakaDiretor da Escola de Humanidades da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade da África do Sul
  • Passado. Seferosa CarrollDiretor Executivo, Missão e Programa Missão das Margens, (CEC)

Conclusões

prof. Dion ForsterDiretor do Beyers Naudé Center for Public Theology, Stellenbosch University

Inscrições no Zoom

artigo anteriorDireitos em tempos de pandemia
Próximo artigoPela primeira vez, os imigrantes na Itália estão diminuindo

Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A segunda edição da Escola para a Democracia

A segunda edição da Escola para a Democracia

Roma (NEV), 4 de julho de 2023 – Os outros dias começaram no dia 2 de julho, na Torre Pellice, com uma lezione di Pietro Grassona província de Torino, no Valli Valdesi, a segunda edição da “Scuola per la democrazia”, um ciclo de controvérsias com estúdios e especialistas sui dei diritti temem. A Escola para a Democracia é promovida pela Fondazione Centro Culturale Valdese, pelo Collegio Valdese em colaboração com a Sapienza Università di Roma e a Federazione Chiese Evangeliche na Itália. Ora la prolusione di @PietroGrasso Valdese casa de Torre Pellice (To) pic.twitter.com/2LyUZj5cl4 —Gian Mario Gillio (@GianMarioGillio) 2 de julho de 2023 A iniciativa prolonga-se até ao final do 8.º mês. No corso di questi giorni participarão do evento, entre outros e outros, os operadores do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federazione delle chiese evangeliche na Itália e, em particular, o coordenador do projeto intervir com o dibattito, marta bernardi. Aqui está o programa completo da série de incontri. A “Scuola per la Democrazia” é uma iniciativa pensada pela Fondazione Centro culturale valdese, do Collegio valdese, da Torre Pellice e da Università La Sapienza di Roma, que retorna pelo segundo ano graças ao apoio do 8× 1000 delle Chiese methodiste e valdesi. Se se trata de uma iniciativa que propõe um período de sete semanas de incontriga, dibattiti e laboratórios, para o espaço lasciare a uma riflessione em torno da Democrazia, louvada a parola, neste momento histórico, pode evocar ideias diferentes ou avere significati non condivisi. O título desta segunda edição é “I colori della democrazia” escolhido para sugerir a completude deste conceito. O fim de semana, que terá lugar na aula sinodale na via Beckwith 2, na Torre Pellice, e no Liceo valdese, prevê lezioni frontali e laboratórios, todos com entrada gratuita, com possibilidade, para que todos participem no fim de semana destes accolto , sempre gratuito, durante toda a edição. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=wXXv_CdEuI0[/embed] ...

Ler artigo
“A fé e o amor são universais”

“A fé e o amor são universais”

2 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Prof Azza Karam, Secretária Geral de Religiões para a Paz, compartilha saudações à 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema "O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade". Karlsruhe (NEV), 5 de setembro de 2022 - "O amor de Cristo não é apenas para os cristãos, mas também para mim, e eu sou muçulmano". Com estas palavras Azza Karamsecretário-geral das Religiões pela Paz, coalizão internacional de representantes das religiões do mundo dedicadas à promoção da paz, "ganhou" os aplausos e o consenso da audiência plenária da XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas, reunida na Alemanha desde agosto 31º. Egípcio, mora em Nova York, professor de estudos religiosos em Amsterdã, ex-funcionário da ONU, está à frente do movimento fundado em 1970 ao qual aderem mais de 900 líderes religiosos de 90 países. Nós a conhecemos nos bastidores do evento do WCC em Karlsruhe. Em seu discurso disse que "O amor de Cristo é para todos": o que isso significa? “A mensagem de Cristo é uma mensagem de fé, crença e paz que se aplica a todos os homens e mulheres. Não creio que haja qualquer referência nos Textos que diga que isso se aplica apenas aos cristãos. Mesmo que os diversos grupos e comunidades religiosas sempre tenham se "apropriado" da mensagem do Senhor, isso é normal. Mas isso contradiz o fundamento da mensagem - a revelação divina - que é e é válida para todos os seres humanos. E para todas as criaturas vivas. Quais são os principais desafios do movimento que representa? Religiões pela paz parece um pouco com as Nações Unidas, na verdade representamos todas as grandes instituições de religiões e credos do mundo – mais de uma centena – e por isso, assim como as Nações Unidas, temos uma assembléia geral… É um espaço e trabalho complexo porque cada entidade procura perseguir seus próprios interesses. Resguardar os espaços políticos de qualquer grupo que busque legitimar sua agenda também dificulta nossa missão. Acho que esta é uma das questões cruciais: todos nós vemos o que é o bem comum, mas temos que descobrir como chegar a um acordo sobre o que fazer juntos, como trabalhar juntos para salvar esse mesmo bem comum. Um desafio muito importante é justamente pedir aos nossos líderes que não pensem territorialmente, que não pensem apenas em sua própria igreja ou comunidade. E também temos que lidar com a interferência política, que sempre existiu, mas está crescendo. Acredito que com o colapso das ideologias – neoliberalismo, capitalismo, socialismo, comunismo – as religiões se tornaram cada vez mais uma oportunidade comum de contar histórias para conveniência política. Estamos vivendo a era – um fenômeno ciclicamente repetido – de uma forte aliança, vários tipos de alianças, entre partidos e atores políticos de um lado, instituições e atores religiosos de outro. Esse uso (ou abuso) de símbolos religiosos e religiões pela política é perigoso? Sim, muito, porque a fé não reconhece os limites das nações, a fé é universal. Enquanto a política é feita de limites, fronteiras e limites. Portanto, essas duas línguas são inúteis uma para a outra. Usar as religiões para legitimar uma narrativa política é, por um lado, limitar a ética e o propósito religioso e, por outro lado, armar a fé. O que vimos e estamos vendo na Ucrânia e na Rússia é um exemplo de como é totalmente inconcebível legitimar uma guerra em termos religiosos. Que papel para o Conselho Mundial de Igrejas neste quadro? O CMI tentou sistematicamente estabelecer um diálogo entre os diferentes atores cristãos e ortodoxos. E o desafio para o CMI, assim como para o Vaticano, é entender que o que está acontecendo não é uma questão cristã ou europeia. Duas guerras mundiais começaram na Europa. O que está acontecendo tem consequências dramáticas em termos de vidas humanas, mas também de matérias-primas, alimentos, energia. As tentativas feitas até agora parecem se concentrar em encontrar uma "solução cristã". Mas uma solução cristã para um problema global não pode ser encontrada. Quais são os próximos compromissos das religiões pela paz? Como no mito de Sísifo, procuramos trabalhar juntos para servir juntos, para apoiar os diferentes atores religiosos diante das emergências que continuarão a acontecer, envolvendo as instituições de cada religião e comunidade. Temos que trabalhar juntos, colaborar. O movimento ecumênico é certamente necessário, mas não creio que seja possível sem um movimento multirreligioso e sem diálogo, o ecumenismo sozinho ou o caminho de cada credo individual não será suficiente. Não é tão complicado quanto parece. Quando as religiões trabalham para servir juntas: essa é a cura de que precisamos, essa é a cooperação que nos permitirá salvar o bem comum. Quando cada religião faz por si é como se ferissemos a mão e cada dedo nos machucasse, e tentamos curar um dedo mas não será suficiente, porque teremos que curar a dor que vem do coração, da alma, da mente do nosso corpo. Estamos enfrentando os mesmos desafios de sempre, só que o planeta está ficando sem tempo. Sempre falamos de pobreza, guerras, ignorância, sempre temos os mesmos problemas desde que a humanidade vive neste planeta, mas agora é a Terra que está fora do tempo, porque a estamos destruindo”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
“Sonhar mesmo de olhos abertos para o nosso bem”

“Sonhar mesmo de olhos abertos para o nosso bem”

A partir da esquerda, Daniele Garrone, Giampiero Comolli, Manuel Kromer. 19 de agosto de 2023 - Torre Pellice (TO) Torre Pellice (NEV), 22 de agosto de 2023 – À margem do Sínodo Valdense de 2023, será realizada a apresentação do livro “Bíblia e sonho” de Giampiero Comolli. O pastor conversou com o autor Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), além de professor de Antigo Testamento na Faculdade Valdense de Teologia. Ele moderou a reunião Manuel Cromerdiretor da editora Claudiana. Daniele Garrone fez uma série de perguntas e focou em alguns temas que perpassam o livro de Comolli, onde o sonho da Bíblia é contado com diferentes facetas e aparece como uma revelação misteriosa. Garrone começa com uma excursão. Ernesto Ayassot foi pastor em Turim de 1954 a 1968 e proferiu uma série de sermões sobre “As montanhas da Bíblia”. Não no perdão, na graça, em Deus, mas nas montanhas. “Pensemos no Sinai, esta montanha que tem dois nomes e ninguém sabe onde fica”, disse Garrone. Poderíamos escrever um livro sobre as montanhas do ponto de vista arqueológico, histórico, geográfico... e em vez disso temos sermões aqui. Outro exemplo: “riso”, no sentido de “riso” na Bíblia. Garrone cita volumes sobre humor na Bíblia, na antiguidade, na Grécia (o próprio Garrone assina alguns ensaios sobre o tema do riso, da comédia, mas também "Rir e zombar na Bíblia Hebraica"). As Escrituras se prestam a muitos temas: vinho na Bíblia; o porco da Bíblia (estudo realizado em Fossano no âmbito de uma iniciativa da Faculdade de Veterinária); pão (sobre o qual podem ser encontradas monografias, como verbete específico em enciclopédia acadêmica); mas também a espada, a prostituta ou muitos outros temas e palavras-chave. O livro de Comolli fala sobre sonhos e sono na Bíblia. “Quando este livro chegar à biblioteca vamos colocá-lo na categoria 'edificação' – diz Garrone -. Aqui encontramos a construção de um discurso que toma o texto tal como ele é, muito de perto, o acompanha e o lê. Por exemplo, ao ler o sonho da mulher de Pilatos, Comolli procura uma ligação com o famoso gesto de ‘lavar as mãos’”. Mateus escreve: “Enquanto ele estava sentado no tribunal, sua esposa lhe mandou um recado: «Não se envolva com aquele justo, porque hoje sofri muito em sonho por causa dele»”. E um pouco mais adiante: “Pilatos, vendo que não obteve nada, mas que surgiu um alvoroço, pegou um pouco de água e lavou as mãos na presença da multidão, dizendo: «Sou inocente do sangue deste justo; pense nisso". O que conecta essas duas frases? Para Comolli, a palavra “certo”. Garrone diz: “É também uma intuição no nível exegético. Aparentemente, construções estrangeiras aparecem perto de nós. Comolli tem a capacidade de se questionar e abraçar o texto para repeti-lo”. A construção de Comolli, segundo Garrone, é “sapiencial”. Em alguns desses livros da Bíblia, às vezes um pouco “esnobados” pelos protestantes (como Provérbios, Jó), encontramos – continua o pastor – uma voz que “Quer nos guiar para uma vida de sucesso, nos ensinar a viver bem , para ter sucesso. Ensina-nos a não falhar com a experiência. Pensemos no versículo do salmo ‘Em ritmo dormirei’. A Bíblia, para Comolli, também pode nos mostrar um método para encontrar boas imagens hipnagógicas. Nas escrituras podemos procurar palavras, murmurar palavras que atuam em nós e ajudam a regenerar. Podemos aprender a dormir, a sonhar acordado para o nosso próprio bem." Daniele Garrone conclui seu discurso com uma “pergunta crítica” a partir do sonho de Salomão. “Quando Deus diz a Salomão para perguntar o que quiser, Salomão diz: 'Dê ao seu servo um coração compreensivo para que eu possa administrar justiça ao seu povo e discernir o certo do errado; porque quem no mundo poderia administrar justiça a este teu povo tão numeroso?'. Um rei deve saber julgar e governar, e por isso nos perguntamos: este texto fala conosco? Poderíamos voltar a um germe de sonho? No Antigo Testamento os sonhos são contados a partir do significado, e quem conta a história inventa o sonho. Até as visões são muitas vezes um pretexto para dizer mais. Por exemplo, quando eu era consultor bíblico dos filmes de Bernabei, os designers gráficos tinham dificuldade em imaginar as máquinas voadoras do Apocalipse. O autor do Apocalipse, expliquei, construiu essas imagens a partir de símbolos, pois é o símbolo que determina a representação – conclui Garrone -. E o significado é transposto como significante”. Referindo-se também às suas próprias experiências oníricas, Comolli “explora as narrativas dos sonhos e das horas noturnas presentes na Bíblia: encontrará ali aquelas palavras que nos ajudam a fechar os olhos com serenidade à noite, e a reabri-los com serenidade novamente à noite. manhã. São passagens bíblicas que nos abrem um mundo novo: a maravilha inesperada do sono tranquilo e luminoso”, lê-se no site Claudiana. O próprio Comolli escreve: “Existe uma sabedoria bíblica de dormir bem, uma forma bíblica de ir para a cama em paz, de estar preparado para receber sonhos de vida. Um ensinamento ainda mais precioso numa época como a nossa, em que facilmente dormimos pouco e até mal, muitas vezes agitados pela ansiedade, muitas vezes apenas acalmados por um poderoso comprimido para dormir. Enquanto nas Escrituras encontramos palavras que à noite nos ajudam a fechar os olhos com tranquilidade, a reabri-los com tranquilidade pela manhã. Seria então necessário procurá-los com cuidadosa calma, tanto no Antigo Testamento como no Novo Testamento. E talvez realmente valha a pena. Porque, uma vez finalmente colocadas uma ao lado da outra, estas palavras nos abrirão um mundo novo: a maravilha inesperada do sono tranquilo e luminoso, dos sonhos tão regeneradores, esperançosos e consoladores, que nos fazem supor que nos foram enviados por o Espírito Santo. o mesmo que o Senhor". A apresentação foi realizada na galeria cívica Filippo Scroppo em Torre Pellice (TO) no dia 19 de agosto de 2023. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.