religiões a serviço da fraternidade e da justiça

religiões a serviço da fraternidade e da justiça

foto Dan DeAlmeida, unsplash.com

A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) sobre a encíclica “Fratelli tutti” –

Fraternidade e amizade social

Um texto que fala do amor fraterno nas relações humanas e no diálogo social baseado na amizade realizada segundo o modelo do samaritano narrado por Lucas 10,25 ss, que se refere à mulher samaritana de João 4 e sua teologia.

Um documento de diálogo inter-religioso entre a Santa Sé e o Islã sunita na pessoa de Ahmad Al-Tayyeb(professor de filosofia e teologia e agora imã de uma universidade-mesquita no Cairo), na forma de uma carta pastoral para a humanidade, em virtude dachamados a encarnar-se em todas as situações e presentes ao longo dos séculos em todos os lugares da terra – isto significa católico” (278) que a Igreja Católica reivindica para si.

Um apelo à recuperação da dimensão comunitária da existência, para recompor um ‘nós’ que habita a casa comum.

Seguindo o fio traçado pelos títulos dos parágrafos, vários fatores contribuem para a perda da solidariedade humana, para o “fechamento do mundo”. culturais (colonização, “globalização uniforme”, desconstrucionismo, fim da consciência histórica e pensamento crítico) e econômicos (a globalização dos mercados e sua liberdade sem uma rota comum que tem subordinado a política e produzido o ‘lixo mundial’ feito de pessoas empobrecidas , marginalizados e migrantes, valendo-se do conflito e do medo, da agressividade descarada, da ilusão da comunicação, da informação sem sabedoria, das submissões). Mas também a proliferação de guerras com armas nucleares, químicas e biológicas cada vez mais destrutivas.

Proclamando-se auditor terceirizado, a encíclica nos exorta a “pensar e gerar um mundo aberto” aqui e agora partindo do fator comum, a consciência profunda da comunidade das espécies, ou irmandade, uma metáfora que a história bíblica pode dissuadir da ousadia, a ser vivida em forma de amizade social baseada no amor, partindo da verdade “Um novo encontro não significa voltar a um momento anterior aos conflitos. Todos nós mudamos com o tempo. A dor e os contrastes nos transformaram. Além disso, não há mais espaço para diplomacias vazias, para dissimulações, conversa fiada, dissimulações, boas maneiras que escondem a realidade”.(226)

O recall é para a África do Sul Desmond Tutu ao qual a referência explícita é reconhecida juntamente com Martin Luther KingO Mahatma Gandhi e o abençoado Charles de Foucauld (286).

“Caminhos de um novo encontro” é, de facto, o título de um capítulo dedicado ao artesanato da paz” e por isso a conflitos, lutas legítimas, o perdão, a memória, a guerra à qual toda a legitimidade é retirada.

Em seu apelo, o texto recorda alguns fundamentos da modernidade: o Iluminismo (liberdade, igualdade, fraternidade), o universalismo de direitos e o diálogo multilateral (“devemos assegurar o incontestável estado de direito e o recurso incansável à negociação, aos bons ofícios e arbitragem, tal como propõe a Carta das Nações Unidas, uma norma jurídica verdadeiramente fundamental”.[238] Quero destacar que os 75 anos das Nações Unidas e a experiência dos primeiros 20 anos deste milênio mostram que a plena aplicação das normas internacionais é realmente eficaz, e que seu descumprimento é prejudicial”.(257), a Constituição italiana art. 42 (sobre a função social da propriedade).

Finalmente e no fechamento a encíclica reivindica não só para a Igreja Católica, mas também para as religiões um papel ao serviço da fraternidade no mundo e da defesa da justiça na sociedade tornar Deus presente para o bem das sociedades que se distanciaram dos valores religiosos, ocupando o espaço público. “Embora a Igreja respeite a autonomia da política, não relega sua missão à esfera privada. […] A Igreja “tem um papel público que não se limita às suas atividades assistenciais ou educativas”, mas que se empenha na “promoção do homem e da fraternidade universal” […] “Queremos ser uma Igreja que serve, que sai da sua casa, que sai dos seus templos, das suas sacristias, para acompanhar a vida, sustentar a esperança, ser sinal de unidade […] construir pontes, derrubar muros, semear a reconciliação” (276), deslegitimizando a violência fundamentalista, e no diálogo ecumênico (“peçamos a Deus que fortaleça a unidade na Igreja, unidade enriquecida pelas diversidades que se reconciliam pela ação do Santo Espírita (280) e inter-religiosa (“a Igreja aprecia a ação de Deus nas outras religiões” (277).

O tema de como as religiões ocupam a esfera pública é de particular relevância para nós, com referência àquelas igrejas que entram diretamente na arena política, além disso, em apoio a governos que não respeitam a vida e a dignidade das pessoas, nem os ecossistemas e a biodiversidade.

No geral, pelo que diz, a mensagem recebe e suscita o juízo crítico por um lado sobre as forças que governam o mundo e, por outro lado, o desejo generalizado na sociedade civil de uma recomposição de assuntos e batalhas por referência ao chamado bem comum.

Precisamente a experiência da emergência sanitária poderia ter levado a dar maior ênfase à relação entre justiça econômica e climática, à fraternidade humana como inelutavelmente inserida na comunidade da criação, enquanto apenas algumas passagens são dedicadas a ela sobre a casa comum e sobre agressão econômica e militar.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Um mês após o terremoto na Síria e Türkiye

Um mês após o terremoto na Síria e Türkiye

İskenderun, Hatay, Türkiye. Foto de Çağlar Oskay, unsplash Roma (NEV), 6 de março de 2023 – 45 mil mortos, segundo outras estimativas até 50 mil. 580.000 crianças deslocadas, segundo a Unicef. Passou um mês desde o sismo que devastou vastos territórios entre a Turquia e a Síria a 6 de fevereiro e as consequências, com os holofotes apagados e todas as pessoas salvas que foi possível retirar dos escombros, são dramáticas. E também estamos começando a entender qual será o impacto econômico do terremoto. De acordo com as últimas estimativas do Banco Mundial, os danos materiais chegariam a 5,1 bilhões de dólares somente na Síria. Um valor considerado preliminar: os danos são estimados entre 2,7 bilhões e 7,9 bilhões, enquanto os custos de reconstrução podem dobrar. Danos a edifícios residenciais representariam quase metade do total, um terço atribuível a edifícios não residenciais e pouco menos de um quinto dos danos à infraestrutura, como estradas ou sistemas de eletricidade e água. Em outro relatório divulgado no início da semana passada, o Banco Mundial também estimou os danos à propriedade somente na Turquia em pelo menos US$ 34,2 bilhões. Após o terremoto, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália lançou uma assinatura para arrecadar fundos para intervenções em favor das populações. Mais de 43 mil euros, até à data, o valor angariado. Como eles serão usados? “Estamos presentes no Líbano há anos como Mediterranean Hope (MH), o programa de migrantes e refugiados da Federação – declara marta bernardini, coordenadora do MS – ; por isso temos buscado formas de ajuda próximas aos locais onde atuamos, sobretudo para a população síria, que já apoiamos através do trabalho da Medical Hope e dos corredores humanitários. Pensamos, portanto, em envolver as realidades já ativadas no campo humanitário e nossos contatos com o mundo sírio”. Parte dos fundos será, portanto, doada à Sirian Eyes, uma organização sem fins lucrativos ativa no campo nas áreas da Síria afetadas pelo terremoto. Esta realidade é uma das referências da Nation Station, uma bomba de gasolina requalificada pelos cidadãos, após as explosões no porto de Beirute em agosto de 2020, que se tornou um polo cultural e um centro social onde decorrem diversas atividades e onde a Esperança Mediterrânica está constantemente presente. Uma segunda organização que receberá ajuda das igrejas evangélicas na Itália se chama Sams Syria e lida principalmente com assistência médica e de saúde. E nas próximas semanas, os operadores da FCEI no Líbano vão continuar a perceber como usar os restantes fundos, que atividades apoiar e também como poder intervir directamente, se possível, em particular nos aspectos sanitários da emergência, o fio comum da intervenção da Medical Hope. “Queremos aproveitar esta oportunidade para agradecer a quem apoiou e continua a apoiar esta iniciativa, iremos constantemente atualizar sobre o que podemos fazer no nosso pequeno caminho”, declara o secretário executivo da FCEI, pároco Luca Baratto. Na verdade, as inscrições estão sempre abertas e quem quiser contribuir pode encontrar as referências no final deste artigo*. Além da iniciativa da FCEI, recordamos o compromisso das igrejas metodista e valdense, que destinaram 500.000 euros do Otto por mil para a população atingida pelo terremoto. A Medical Hope é financiada principalmente por igrejas batistas italianas. A Esperança Mediterrânea e os corredores humanitários, criados pela FCEI com os Valdenses Tavola e Diaconia, são promovidos com fundos provenientes em grande parte do Otto per mille Valdensian. *Perdoar: razão para "assinatura do terremoto Türkiye - Síria - Líbano" Conta corrente em nome da Federação das Igrejas Evangélicas na ItáliaUnicredit Bank – Via Vittorio Emanuele Orlando, 70, 00185 RomaIBAN: IT26X0200805203000104203419BIC: Bic/rápido: UNCRITM1704 As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Encontrar as palavras para guiar e consolar

Encontrar as palavras para guiar e consolar

Daniele Garrone em Lampedusa, em frente à Porta d'Europa (escultura de Domenico Paladino em memória dos migrantes que morreram no mar) Roma (NEV), 26 de outubro de 2022 – Na véspera dos “estados gerais” do protestantismo italiano (29 de outubro a 1º de novembro), a Agência NEV entrevistou o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), pároco Daniele Garrone. Este é o II General Assise, este ano intitulado "Sentinela, em que ponto é a noite...?" (Isaías 21,11) O que vemos, o que devemos dizer? Liberdade e Democracia; trabalho e ambiente; globalização e paz". A II Assembleia Geral da Federação das Igrejas Evangélicas está prestes a começar. O que essa nomeação representa? O Assizes oferece, a cada três anos, a possibilidade de ampla discussão entre as delegações das igrejas-membro. Trata-se de avaliar o trabalho dos últimos três anos, mas também - e diria sobretudo - de reflectir em perspectiva, sobre os problemas que terão de ser enfrentados, sobre as linhas a adoptar e as escolhas a fazer feito. Como interagem as Assizes, a Assembleia e o Conselho da Federação? As recomendações que emergem dos Assizes são de grande importância para as escolhas concretas que cabem ao órgão de decisão, a Assembleia, que se reúne pelo menos duas vezes por ano e que depois caberá ao Conselho concretizar. O Assizes é, portanto, um momento essencial para estreitar o vínculo entre a Federação e as igrejas que dela fazem parte. Assembleia FCEI 2018. Sala dos Grupos Parlamentares, 16 de novembro, Mesa Redonda "Por uma Europa de solidariedade e direitos" Desde a sessão anterior, com a pandemia pelo meio, passaram-se 4 anos. Este, para a FCEI, é, portanto, o primeiro momento oficial de encontro presencial com os dirigentes e delegações luteranas, batistas, metodistas, valdenses, do Exército de Salvação há muito tempo. Os Assizes serão o momento de trabalhar juntos, mas também de conviver uns dias juntos, em convívio. O que você acha? O facto de trabalharmos juntos durante vários dias será tanto mais benéfico depois da experiência da pandemia, mas é fundamental: conversas informais, encontros pessoais que se consolidam ou se estabelecem, partilha de momentos de adoração e canto são momentos formais igualmente construtivos de discussão em assembléia. Quais serão os principais temas do Assise? Entre as várias tarefas que o regulamento atribui aos Assizes, e que vão ser realizadas, desta vez pareceu contudo importante dar particular atenção ao que se define como o exame das “questões e problemas espirituais, sociais e éticos atuais”. Escolhemos, portanto, “Liberdade e Democracia; trabalho e ambiente; globalização e paz". Cada um desses termos está presente no debate público e com declinações muitas vezes diferentes e às vezes conflitantes. Tanto em sua pregação como em seu compromisso diaconal, nossas igrejas também lidam com as questões a que esses termos se referem e provavelmente convivem entre nós diferentes entendimentos. As ideias de como será a Federação nos próximos três anos certamente tomarão forma de forma compartilhada apenas ao final dos Assizes. Quais são os desafios que você vê surgindo para as igrejas, à luz das palavras-chave que guiarão o seu trabalho (Liberdade e democracia. Trabalho e meio ambiente. Globalização e paz)? Gostaríamos que o Assizes fosse uma ocasião "sinodal" de aprofundamento, se quisermos "analisar" o contexto em que somos chamados a testemunhar e agir e de como nos colocamos diante dos problemas dramáticos que estão enfrentando. Compreendemos esse aspecto na frase: “O que vemos?” Com a outra frase, “O que temos a dizer?” esperamos poder descobrir, na comparação realizada à luz da palavra de Deus, não apenas coisas razoáveis ​​ou úteis ou imediatamente compartilháveis, mas as palavras necessárias para guiar, consolar e fortalecer nossas igrejas, em seu testemunho como em seu serviço. Agendado Sábado 29 às 14h30, culto de abertura do Assis. Na igreja metodista na via XX Settembre. Pregar Daniele Garronepresidente da FCEI. Sábado 29 às 16h, iniciativa pública. Na igreja metodista da via XX Settembre em Roma, acontece a mesa redonda: "Sentinella, em que ponto é a noite...?" Apresentar e moderar Pedro Ciaccio, membro do Conselho da FCEI. Caixas de som: Débora Spini (Estudos liberais na New York University Florence). Tonino Perna (professor emérito de sociologia econômica da Universidade de Messina). Alessandra Morelli, ex-delegado para a Europa do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). conclui Ilaria Valenzijurista, Comissão de Estudos, Diálogo e Integração (COSDI) da FCEI. Na noite de sábado, os cerca de 150 participantes, delegados das igrejas que aderiram à FCEI, se deslocarão para Sassone (Ciampino), onde os trabalhos continuarão até terça-feira, 1º de novembro. Para saber mais Leia o especial do NEV sobre Assise 2022. FICHA TÉCNICA sobre o Assise. Um pouco de história A reunião trienal representa uma novidade relativamente recente no percurso da FCEI. Criado pela Assembleia em 2015, apresenta-se como uma espécie de “estados gerais” do protestantismo histórico. A fundação da FCEI, no entanto, remonta à década de 1960. Enquanto o primeiro congresso evangélico data de 1920. O I Assise foi realizado em 2018. ...

Ler artigo
Quem são os imigrantes?  – Neve

Quem são os imigrantes? – Neve

Roma (NEV), 27 de outubro de 2022 – Trazendo "Luta e verdade, a partir de palavras e dados". O escritor disse isso esta manhã Djarah Kan, na apresentação do 32.º “Dossiê Estatístico da Imigração 2021”, editado pelo Idos, em colaboração com o Confronti e o Instituto de Estudos Políticos “S. Pio V". A referência é justamente às análises contidas no relatório – 493 páginas, informações estatísticas e análises elaboradas por uma pluralidade de estudiosos, projeto apoiado pelo Otto per mille da Tábua Valdense. Uma ferramenta na “caixa de ferramentas” de qualquer pessoa, por diversos motivos, que lida com (ou quer entender) migração. Na reunião desta manhã, moderada por Cláudio Paravatidiretor do Confronti e apresentador do Protestantesimo on Rai Tre, compareceu, além de Kan, Luca Di Sciullo, presidente do centro de estudos e pesquisas IDOS, don Mussie Zerai (conectado do Canadá), padre e ativista eritreu, fundador da agência Habeisha, moderador da Mesa Valdense Alessandra Trottao jornalista Eleanor Camillio sociólogo da Universidade Estadual de Milão Maurizio Ambrosinio prefeito de Prato Mateus Biffonidelegar às políticas de Imigração e integração da Anci, em ligação de vídeo, Paulo de Nardis, presidente do Instituto de Estudos Políticos “S. Pio V". os números falam No que diz respeito aos migrantes que desembarcaram na Itália entre 2021-2022, segundo o relatório, "se olharmos para os fluxos migratórios rumo à Itália, as nacionalidades declaradas pelos migrantes são atribuíveis aos países que mais sofrem com a pressão das mudanças climáticas ". Entre 2021 e 2022 “entre os principais países de origem encontramos: Tunísia, Egipto, Bangladesh, Afeganistão, Síria, Costa do Marfim, Eritreia, Guiné, Paquistão e Irão”. No início de 2022 "havia 3.561.540 cidadãos extracomunitários a residir legalmente em Itália, um número que aumentou, face ao ano anterior (quando eram 3.373.876), de 187.664 unidades (+5,6%) e que, no entanto, continua ainda mais baixo do que os 3.615.826 no início de 2020 e os 3.717.406 no início de 2019. Quanto ao contributo dos migrantes para a economia, a análise apresentada “confirma também para 2020 um saldo positivo entre receitas e despesas atribuíveis à imigração: face a saídas de 28,9 mil milhões, as receitas ascenderam a 30,2 mil milhões, garantindo um saldo positivo de quase 1,3 mil milhões de euros ”. É um dos dados contidos no dossiê discutido esta manhã em Roma, no Teatro Dom Orione, e ao mesmo tempo em todas as regiões italianas. “A dimensão do saldo – explica o Relatório – diminuiu sem dúvida face a 2019, quando tínhamos assistido a um ganho de 4 mil milhões de euros para o Estado, mas sabe-se que a pandemia em parte agravou a fragilidade social e económica, em parte detonou novos. O valor das despesas durante o ano de 2020 aumentou assim, com particular destaque para as despesas com redes de segurança social, que quase duplicaram face a 2019. No entanto, refira-se que as escolhas metodológicas efetuadas seguiram um percurso de estimativa parcimonioso”. “Não há respostas fáceis para fenômenos complexos como #migrações. Interdependências entre mudanças climáticas, guerras” e a necessidade de sair. A intervenção do @Mode_Valdese na apresentação de #dossierestatísticoimigração @Confronti_CNT @8x1000Waldensian pic.twitter.com/qs7vmKSyJr — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 27 de outubro de 2022 “No geral, confirma-se o que emergiu dos Dossiês anteriores, segundo os quais os estrangeiros contribuem tanto para a estabilidade do tecido produtivo do país como para o seu sistema de proteção social, incluindo a educação”, conclui o texto. AQUI a lista de apresentações do Dossiê em andamento hoje em toda a Itália. AQUI o comunicado de imprensa CS_Hoje a apresentação do Dossiê Estatístico de Imigração 2022 ocorreu após a apresentação de Idos. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.