XIX Jornada do Diálogo Cristão-Islâmico: “Vamos construir uma única humanidade”

XIX Jornada do Diálogo Cristão-Islâmico: “Vamos construir uma única humanidade”

Roma (NEV), 21 de outubro de 2020 – “Vamos construir uma única humanidade!” é o título do Apelo para a 19ª Jornada Ecumênica do Diálogo Cristão-Islâmico que acontecerá, como todos os anos, no dia 27 de outubro.

Assim começa o apelo para a Jornada 2020: “Depois de 19 anos ainda falamos do diálogo cristão-islâmico como se fosse a primeira vez. Mas muita coisa mudou. A nossa tem sido uma jornada importante e positiva. O nosso pensamento vai para os muitos amigos do diálogo que construíram centenas de iniciativas de norte a sul do país, para os que já não estão aqui e para os que connosco percorreram parte do caminho. E como no primeiro dia sentimos a forte necessidade de redescobrir a humanidade que nos une a todos. E como no primeiro dia sentimos a forte necessidade de nos comprometermos contra as guerras, a produção de armas e contra a injustiça social que nega o trabalho, a assistência médica, destrói o meio ambiente e qualquer espiritualidade baseada no reconhecimento mútuo como irmãos e irmãs com um único Mãe Terra para amar e defender”.

A pandemia de covid-19 foi “um sinal forte para toda a humanidade – escrevem os organizadores -. Ele nos disse claramente que não somos onipotentes e que precisamos uns dos outros para construir uma vida digna de ser vivida. É preciso superar todas as discriminações e afirmar sempre que “todos os cidadãos têm igual dignidade social e são iguais perante a lei, sem distinção de sexo, raça, língua, religião, opiniões políticas, condições pessoais e sociais” (art. 3º Constituição). . Precisamos parar a guerra e a produção de armamentos”.

Nesta página é possível ler o apelo completo, enviar subscrições e relatórios ou consultar as marcações para este aniversário.

A Jornada nasceu da iniciativa de um grupo de intelectuais, religiosos e professores universitários que, em 2001, após a tragédia das Torres Gêmeas, decidiram lançar um apelo ao diálogo com o Islã. “Nós, cristãos de várias confissões e leigos, que há anos estamos engajados no árduo processo de diálogo com os muçulmanos italianos ou no trabalho cultural sobre o Islã – recitou o primeiro apelo – acreditamos que o horrendo atentado em Nova York e Washington constitui uma desafio não apenas contra o Ocidente, mas também contra aquele Islã, majoritariamente em todo o mundo, que se baseia nos valores da paz, da justiça e da convivência civil”.

Os promotores pretendiam evitar “um alarme preocupante”, nomeadamente que o sucedido poderia “pôr em causa ou travar o diálogo com os nossos irmãos muçulmanos, companheiros de viagem no caminho da construção de uma sociedade pluralista, acolhedora, respeitadora dos direitos humanos e dos valores democráticos ”.

Esse convite deu vida ao primeiro dia nacional do Diálogo Cristão-Islâmico na sequência de dois documentos, o conciliar da “Nostra Aetate” e o da “Charta Oecumenica” assinado apenas alguns meses antes em Estrasburgo pelos cristãos europeus. Um Dia que este ano chega à sua décima sétima edição e que, já há alguns anos, se realiza a 27 de Outubro “no espírito de Assis”: o primeiro e grande encontro mundial das Religiões pela Paz, desejado pelo Papa João Paulo II em 1986 na cidade úmbria.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Roma.  Oração ecumênica pelos 20 anos da Declaração Conjunta sobre a Justificação

Roma. Oração ecumênica pelos 20 anos da Declaração Conjunta sobre a Justificação

16 de junho de 2019, Genebra (Suíça). Comemoração dos 20 anos da JDDJ Roma (NEV), 25 de junho de 2019 – Este ano marca 20 anos desde a histórica Declaração Conjunta sobre a Justificação pela Fé (JDDJ), assinada em 1999 em Augsburg, Alemanha, por representantes protestantes e católicos, respectivamente, da Federação Luterana Mundial ( FLM) e o Pontifício Conselho para a Unidade dos Cristãos. A JDDJ foi então acolhida também pelo Conselho Metodista Mundial (WMC) em 2008, pela Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) em 2017, e pela Comunhão Anglicana, esta última através de uma resolução que "acolhe e afirma a substância" da a Declaração. Este acordo resolve um dos principais conflitos teológicos que sempre dividiram católicos e protestantes, afirmando "um entendimento comum de nossa justificação pela graça de Deus por meio da fé em Cristo". A Declaração representa o resultado de mais de três décadas de diálogo ecumênico e pôs fim às respectivas excomunhões. Para o 20º aniversário da JDDJ, uma oração ecumênica é realizada em Roma na quarta-feira, 26 de junho, para "dar graças pelas relações ecumênicas entre as cinco comunhões mundiais que assinaram o acordo", como afirma o convite da Tim Macquibanpároco da igreja da Ponte Sant'Angelo e diretor do Escritório Ecumênico Metodista de Roma (MEOR), entre os organizadores do evento. A oração ecumênica será presidida pelo cardeal Kurt Kochpresidente do Pontifício Conselho para a promoção da unidade dos cristãos, e pelo bispo Rosemarie Wenner, secretário do escritório de Genebra do Conselho Metodista Mundial. O pároco também intervirá Martin Junge, Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (WLF). Entre os participantes do mundo evangélico italiano, o diácono Alessandra Trottamembro do Conselho Valdense e ex-presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), o pastor Luca Barattosecretário executivo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) e pároco Michael Jonas da Igreja Evangélica Luterana de Roma. Encontro no Oratório de San Francesco Saverio del Caravita, na via del Caravita 7 em Roma, às 19h. A iniciativa faz parte de um ambiente ecumênico mais amplo que reuniu as diferentes denominações cristãs signatárias do JDDJ, desde a consulta realizada em março nos Estados Unidos na Universidade de Notre Dame até a recente comemoração na catedral de São Pedro de a Igreja Reformada de Genebra, durante a qual o pároco Emmanuel Fuchs ele falou sobre os desafios enfrentados por todo o cristianismo: "Chegar a um acordo sobre uma questão historicamente controversa é um sinal de esperança ... Não temos outra escolha a não ser continuar esta missão profética juntos." ...

Ler artigo
“Paz e a mensagem pacífica do Evangelho”

“Paz e a mensagem pacífica do Evangelho”

Pastora Sara Heinrich, consagrada no domingo 21 de agosto de 2022 Torre Pellice (Turim), 22 de agosto de 2022 – sara heinrich ontem, 22 de agosto, ela foi consagrada pastora durante a cerimônia de abertura da Assembleia do Sínodo das igrejas Batista, Metodista e Valdense. Neste vídeo uma entrevista para saber mais sobre o novo pastor, feita por Simona Menghini e publicado pela igreja valdense.org: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=uq6yvOksX28[/embed] Abaixo está a apresentação escrita pelo novo pastor para o semanário Reforma último dia 29 de julho: Meu nome é Sara Heinrich, sou casada e mãe de dois filhos. Desde 2019 acompanho o curso de formação para o pastorado na União das Igrejas Valdenses e Metodistas na Itália. No entanto, o desejo de ser pastor nasceu muitos anos antes e deriva do contexto de fé, mas também do contexto histórico em que cresci: as igrejas evangélicas na Alemanha na transição dos anos oitenta para os anos noventa, mais especificamente o cidade de Gelsenkirchen, a mais pobre da Alemanha Ocidental. Minha igreja local faz parte da United Church of Westphalia e está localizada em um bairro de mineração de carvão antigo, de baixa escolaridade, multicultural e multirreligioso. A vida comunitária, na qual a fé tinha relevância direta para a vida cotidiana, me moldou. Conheci a igreja local como um lugar de culto, um lugar de discussão e debate, um ponto de referência para o bairro e um refúgio, mas também um lugar de educação e resistência com todas as alegrias e problemas que isso trazia. Sendo o segundo de três filhos do pastor, cresci literalmente no meio da comunidade, certamente um dos motivos pelos quais já havia manifestado o desejo de ser pastor desde cedo. Outro elemento também foi decisivo para a minha fé, nomeadamente o protestantismo alemão depois do nacional-socialismo. Cresci como filha de uma geração de herdeiros de culpas esmagadoras, convencida de que a única salvação pode vir de Deus que salva o mundo por amor e que a única maneira de viver é seguir Seu filho e tornar-se construtores de Sua paz. Também por isso a minha fé é de alguma forma uma fé sem reservas, nunca a percebi como uma escolha mas como uma tarefa, não como um privilégio mas como uma responsabilidade, não como segurança privada mas como um convite a envolver-me no destino da criação . Ao me matricular no curso de graduação em Teologia Protestante, descobri um mundo novo. Pode-se dizer que "mergulhei" na alegria de descobrir novos contextos acadêmicos e eclesiásticos, e assim minha carreira universitária me levou a Bonn, Betel (Bielefeld), Roma e Heidelberg, onde pude ficar após a graduação como pesquisador e professor da cadeira de Estudos Religiosos e Teologia Intercultural. Tive meu primeiro contato com o protestantismo italiano durante meu ano no exterior na Faculdade Valdense de Teologia em Roma, que escolhi porque estava curioso sobre a história desta pequena (pré-) igreja reformada, mas também a perspectiva minoritária: como isso afeta o vida das comunidades, a organização da Igreja e também a identidade protestante, sem imaginar ainda que significado teria para a minha biografia e para a minha vocação. Quando escolhemos a Itália como centro de nossa vida familiar em 2015, tornei-me membro da igreja valdense em Livorno, onde também celebramos a bênção de nosso casamento e o batismo de nosso filho. Para acolher a “vocação externa” precisei me distanciar do contexto em que cresci. Durante o meu período de experiência fui acompanhado – pontual e continuamente – por irmãs e irmãos que depositaram a sua confiança na minha vocação, sou profundamente grato a cada um deles. E é com gratidão que gostaria de viver o ministério, colocando meus dons a serviço de Deus, formando junto com minhas irmãs e irmãos o corpo visível de Cristo para testemunhar nossa fé aqui e agora. ...

Ler artigo
Você não está sozinho!  Evangelização e direitos das mulheres

Você não está sozinho! Evangelização e direitos das mulheres

Roma (NEV), 3 de maio de 2023 – Os direitos das mulheres estão no centro da Semana de Evangelização 2023, organizada pela Comissão para a Evangelização das Igrejas Metodistas e Valdenses e pelo Departamento de Evangelização da União Evangélica Batista Cristã da Itália (UCEBI). O evento tem como slogan "Você não está sozinho!” e pretende conscientizar sobre a situação de opressão e violência que muitas mulheres vivem no mundo, inclusive na Itália. “Este ano pensamos em propor uma evangelização “corporificada”, concreta e específica, na qual o anúncio do evangelho libertador se liga a realidades concretas”, explicou. Mário Cignoni, coordenador da Comissão. Isto porque, como afirma o flyer criado para a ocasião, se “o cristianismo é um caminho de liberdade e libertação em Cristo”, não é apenas numa “perspetiva distante no tempo que remete para outra dimensão: Cristo liberta-nos aqui e agora com a sua Palavra”. A Semana tem um evento principal associado que acontecerá em verona, sábado, 6 de maio. Estão previstos dois encontros ao ar livre, na Ponte Pietra e uma terceira final às 16h00 na templo valdense na via Duomo 4, na esquina com a via Pigna. Uma brochura produzida pela Comissão de Evangelização O programa inclui a apresentação de algumas figuras femininas da Bíblia, começando pelas "mulheres da genealogia de Jesus, ou seja, as 'mulheres que conduzem a Cristo'", para depois se debruçar sobre a situação da mulher em algumas zonas do mundo, como Irã e Afeganistão, sem esquecer a Itália onde "ainda há um longo caminho a percorrer em termos de igualdade efetiva entre homens e mulheres", voltou a explicar Cignoni. O folheto afirma o direito das mulheres em todos os lugares “à autodeterminação, a viver livremente seguindo suas escolhas políticas e religiosas, sua orientação sexual e o estilo de vida que preferirem. Afirmamos seu direito à educação e ao entretenimento, de trabalhar e ser independente, de amar e ser amado, seu direito de ser feliz”. A reunião do sábado, dia 6, faz parte de um fim de semana cheio de eventos para a igreja valdense de Verona que inclui, de 5 a 7 de maio, a exposição “A Palavra Escrita”, exposição da Bíblia organizada pela Sociedade Bíblica da Itália (SBI); Sexta-feira 5, "... dizendo o Nome de Deus", leituras dos "Diários" de Etty Hillesum, editados por Lorenzo Gobbi e Mario Cignoni, com música original de Gianmaria Rizzardi executado pelo autor; Domingo, 7, “A polifonia do povo de Deus, concerto do Coro Ecumênico de Verona. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.