XIX Jornada do Diálogo Cristão-Islâmico: “Vamos construir uma única humanidade”

XIX Jornada do Diálogo Cristão-Islâmico: “Vamos construir uma única humanidade”

Roma (NEV), 21 de outubro de 2020 – “Vamos construir uma única humanidade!” é o título do Apelo para a 19ª Jornada Ecumênica do Diálogo Cristão-Islâmico que acontecerá, como todos os anos, no dia 27 de outubro.

Assim começa o apelo para a Jornada 2020: “Depois de 19 anos ainda falamos do diálogo cristão-islâmico como se fosse a primeira vez. Mas muita coisa mudou. A nossa tem sido uma jornada importante e positiva. O nosso pensamento vai para os muitos amigos do diálogo que construíram centenas de iniciativas de norte a sul do país, para os que já não estão aqui e para os que connosco percorreram parte do caminho. E como no primeiro dia sentimos a forte necessidade de redescobrir a humanidade que nos une a todos. E como no primeiro dia sentimos a forte necessidade de nos comprometermos contra as guerras, a produção de armas e contra a injustiça social que nega o trabalho, a assistência médica, destrói o meio ambiente e qualquer espiritualidade baseada no reconhecimento mútuo como irmãos e irmãs com um único Mãe Terra para amar e defender”.

A pandemia de covid-19 foi “um sinal forte para toda a humanidade – escrevem os organizadores -. Ele nos disse claramente que não somos onipotentes e que precisamos uns dos outros para construir uma vida digna de ser vivida. É preciso superar todas as discriminações e afirmar sempre que “todos os cidadãos têm igual dignidade social e são iguais perante a lei, sem distinção de sexo, raça, língua, religião, opiniões políticas, condições pessoais e sociais” (art. 3º Constituição). . Precisamos parar a guerra e a produção de armamentos”.

Nesta página é possível ler o apelo completo, enviar subscrições e relatórios ou consultar as marcações para este aniversário.

A Jornada nasceu da iniciativa de um grupo de intelectuais, religiosos e professores universitários que, em 2001, após a tragédia das Torres Gêmeas, decidiram lançar um apelo ao diálogo com o Islã. “Nós, cristãos de várias confissões e leigos, que há anos estamos engajados no árduo processo de diálogo com os muçulmanos italianos ou no trabalho cultural sobre o Islã – recitou o primeiro apelo – acreditamos que o horrendo atentado em Nova York e Washington constitui uma desafio não apenas contra o Ocidente, mas também contra aquele Islã, majoritariamente em todo o mundo, que se baseia nos valores da paz, da justiça e da convivência civil”.

Os promotores pretendiam evitar “um alarme preocupante”, nomeadamente que o sucedido poderia “pôr em causa ou travar o diálogo com os nossos irmãos muçulmanos, companheiros de viagem no caminho da construção de uma sociedade pluralista, acolhedora, respeitadora dos direitos humanos e dos valores democráticos ”.

Esse convite deu vida ao primeiro dia nacional do Diálogo Cristão-Islâmico na sequência de dois documentos, o conciliar da “Nostra Aetate” e o da “Charta Oecumenica” assinado apenas alguns meses antes em Estrasburgo pelos cristãos europeus. Um Dia que este ano chega à sua décima sétima edição e que, já há alguns anos, se realiza a 27 de Outubro “no espírito de Assis”: o primeiro e grande encontro mundial das Religiões pela Paz, desejado pelo Papa João Paulo II em 1986 na cidade úmbria.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Terremoto Türkiye-Síria, as igrejas metodista e valdense alocam quinhentos mil euros

Terremoto Türkiye-Síria, as igrejas metodista e valdense alocam quinhentos mil euros

Roma (NEV), 9 de fevereiro de 2023 – A Igreja Evangélica Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense, lemos no site chiesavaldese.org, está “próxima das populações síria e turca violentamente afetadas pelo trágico terremoto de 6 de fevereiro. Orações e sentimentos de proximidade vão para as vítimas, os feridos, os sobreviventes e todas as pessoas que estão trabalhando para levar ajuda e apoio na certeza de que Deus não se afasta da dor de suas filhas e filhos”. A Tavola Valdese, "sentindo, para as igrejas que representa, a responsabilidade de contribuir ainda que com meios extraordinários para o compromisso a favor das intervenções de ajuda às populações afectadas pelo sismo, decidiu destinar quinhentos mil euros, obtidos junto do Otto fundos para mil destinados anualmente às Igrejas Metodista e Valdense, para o estabelecimento de um Fundo especial destinado a este fim. "Graças à rede de Igrejas irmãs presentes nas áreas mais afetadas e às organizações de comprovada eficácia e confiabilidade com as quais estabelecemos relações consolidadas de colaboração nessas áreas - declara o moderador do Tavola Valdese Alessandra Trotta – tentaremos obter ajuda adequada e eficaz, mesmo nos territórios menos expostos à atenção pública, como os sírios já castigados por anos de guerra. Diante de uma tragédia tão imensa, que revela ainda mais a fragilidade humana, somos todos chamados a mostrar o que de melhor pode fazer esta frágil humanidade se iluminada por um espírito de solidariedade capaz de superar fronteiras e barreiras”. O moderador Trotta também enviou uma mensagem de condolências ao pastor Najla Kassab do Sínodo Evangélico Nacional da Síria e do Líbano, bem como presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas, expressando total solidariedade e apoio às igrejas metodistas e valdenses italianas. ...

Ler artigo
A sinodalidade na perspectiva ecumênica

A sinodalidade na perspectiva ecumênica

Heidi Kaden, antisplash Roma (NEV), 26 de abril de 2022 – A conferência de primavera da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) intitulada “Sinodalidade: perspectivas ecumênicas” começou em 23 de abril na Casa Aurora da Igreja Adventista em Florença. Depois da saudação do Presidente do Conselho das Igrejas de Florença, Marco Bontempie as boas-vindas do diretor do Instituto Adventista de Florença, David Romanoapresentou os trabalhos Erica Sfreddapresidente da associação interconfessional de leigos e leigas para o ecumenismo e o diálogo a partir do diálogo judaico-cristão. Erica Sfredda, presidente da Sae. Foto de Laura Caffagnini “A tarefa da Sae é contribuir para a formação ecumênica, e o tema da sinodalidade, particularmente neste período do processo sinodal da Igreja Católica, é uma oportunidade de discussão entre as Igrejas que podem se doar mutuamente com suas próprias práticas e experiências”, disse o presidente. Depois de uma lembrança do teólogo Carlos Molarirecentemente falecido, oferecido pelo teólogo Simone Morandini do Comitê Executivo da Sae, a reflexão partiu da vertente bíblico-teológica com as intervenções de Letizia Tomassone da Faculdade Valdense de Teologia em Roma e de Ricardo Battocchiopresidente da Associação Teológica Italiana. A partir da esquerda Letizia Tomassone, Erica Sfredda, Riccardo Battocchio. Foto de Laura Caffagnini Tomassone ilustrou “a declinação da sinodalidade e a dinâmica histórica do Sínodo nas Igrejas Valdenses e Metodistas. Elementos salientes são a plena participação de leigos e leigas no Sínodo, um órgão cuja autoridade deriva da conformidade com as Escrituras e do testemunho interior do Espírito Santo. Além disso, o Sínodo é provisório e suas decisões são submetidas ao exame das igrejas locais. Ao longo da história, também foi um local de resistência a forças externas”, disse Tomassone, lembrando a Confissão de Barmen de 1934, na qual a Igreja Confessante Alemã se opôs a Hitler em sua tentativa de escravizar o cristianismo à ideologia nazista. “O Sínodo, concluiu, “é uma experiência em curso que sempre espera novas aberturas para temas ainda não incluídos”. Riccardo Battocchio fez "uma análise dos termos Sínodo, sinodal e sinodalidade em um excursus histórico que desde os primeiros Concílios ou Sínodos da Igreja indivisa chegou até hoje em que a visão ecumênica pode dar às igrejas uma nova compreensão do que é plastificado e não palavras aderentes à realidade. A forma sinodal poderia resolver a tensão sempre emergente na Igreja entre comunhão e conflito. Que a Igreja seja “constitutivamente sinodal”, como disse o bispo de Roma, Francisco, não é uma afirmação óbvia”, apontou o teólogo –. É preciso continuar no caminho indicado pelo Concílio e também é preciso estar atento à linguagem: ainda hoje se ouve falar dos pastores e do povo de Deus como se fossem duas realidades distintas e não a mesma Igreja. Finalmente, cada igreja pode relacionar seu entendimento de sinodalidade com o das outras na perspectiva da troca de dons”. Seguiu-se um debate que precedeu, à noite, a celebração da Eucaristia na oitava da Páscoa em que muitas vozes rezaram pela paz, na noite em que, no meio do conflito na Ucrânia, as igrejas ortodoxas celebravam a ressurreição de Cristo. A conferência continua com as experiências da tradição ortodoxa com a intervenção remota de Dionisios Papavasileiou da Sagrada Arquidiocese Ortodoxa da Itália e a práxis evangélica com a intervenção na sala do pároco Pawel Gajewski da Faculdade Valdense de Teologia. O programa também inclui a narração de histórias de diálogo ambientadas em Florença, palestrantes Ricardo Saccenti da Universidade de Bérgamo, Andrea Bigalli do Instituto de Ciências Religiosas da Toscana e da Roberto Pecchioli da Igreja Cristã Evangélica dos Irmãos de Florença. Hoje, segunda-feira, serão concluídos os trabalhos sobre o tema do caminho sinodal católico, monsenhor Erio Castellucciarcebispo de Modena-Nonantola e vice-presidente da CEI e Serena Nogueira do Instituto de Ciências Religiosas da Toscana. ...

Ler artigo
Semana de oração pela unidade dos cristãos: “Trataram-nos com bondade”

Semana de oração pela unidade dos cristãos: “Trataram-nos com bondade”

O encontro na Golden Gate de Giotto (c. 1303-1305), afresco na Capela Scrovegni em Pádua, escolhido para acompanhar o tema da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2020 “Eles nos trataram com bondade”. Imagem wikipedia Roma (NEV), 25 de dezembro de 2019 – Em todo o mundo estão se preparando a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), que acontecerá de 18 a 25 de janeiro. Tema de 2020: “Eles nos trataram com bondade” (Atos 28, 2). Igrejas evangélicas e protestantes, também na Itália, estarão presentes e ativas em inúmeras iniciativas para este evento ecumênico global promovido conjuntamente pela Comissão de Fé e Constituição do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), que reúne as principais Igrejas Evangélicas, Anglicanas e Ortodoxas denominações do mundo e o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPUC). O tema deste ano é inspirado na passagem bíblica relativa ao naufrágio do apóstolo Paulo em Malta (Atos 27.18 - 28.10). “Uma história de providência divina e ao mesmo tempo de acolhimento humano: é o que nos propõem as Igrejas cristãs de Malta e Gozo, que preparamos o material para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos deste ano”, lê-se no documento do SPUC . A introdução é assinada pelo presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negropara igrejas protestantes, pelo bispo de Frosinone-Veroli-Ferentino Ambrogio Spreaficopresidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da CEI, da Igreja Católica e do Metropolita Gennadiosarcebispo ortodoxo da Itália e Malta e exarca para o sul da Europa do Patriarcado Ecumênico, pela parte ortodoxa. A história de que falamos está relatada no final do livro dos Atos dos Apóstolos e se passa em Malta e no mar tempestuoso que a rodeia. “A hospitalidade – escrevem os cristãos de Malta – é uma virtude altamente necessária na busca da unidade entre os cristãos. […] Nossa própria unidade como cristãos se revelará não apenas na hospitalidade mútua, por mais importante que seja, mas também no encontro amoroso com aqueles que não compartilham nossa língua, nossa cultura e nossa fé”. O documento introdutório refere-se às várias iniciativas das igrejas para o acolhimento dos migrantes, entre as quais o Manifesto de Acolhimento da FCEI e o projeto ecuménico dos corredores humanitários. Para saber mais: Vigílias de oração, celebrações ecumênicas, estudos bíblicos, conferências, reuniões, trocas de púlpitos e outras iniciativas estão previstas durante o SPUC. O material preparatório pode ser baixado do site do Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI) NESTE LINK. No documento, além de propostas litúrgicas e orações, encontram-se datas importantes da história da oração pela unidade dos cristãos de 1740 até os dias atuais, bem como a lista de assuntos do SPUC a partir de 1968. O texto é dirigido a todas as igrejas e comunidades cristãs. As liturgias podem ser integradas com outros textos e as orações da celebração ecumênica, a música e outros materiais propostos podem ser usados ​​para o próprio discernimento ou para inspirar a reflexão e a meditação. O objetivo do SPUC é reunir crentes “que oram em outras partes do mundo para construir uma unidade maior e mais visível da Igreja de Cristo”, como afirma o guia proposto pelo CEC e PCPUC. O SPUC foi instituído em 1908 nos Estados Unidos pela Igreja Episcopal Paul Wattson. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.