A dignidade de morrer em tempos de coronavírus

A dignidade de morrer em tempos de coronavírus

Roma (NEV), 27 de março de 2020 – Um protocolo que mantém “juntos os motivos de saúde e os dos entes queridos” e permite que muitas pessoas que vão sozinhas aos hospitais, sem o conforto de seus entes queridos, morram com dignidade.

É o que pede um grupo de reflexão de teólogos evangélicos e católicos numa “Carta sobre a dignidade de morrer em tempo de coronavírus” dirigida “aos cidadãos, com particular referência às autoridades competentes”.

Segundo os signatários, “ninguém merece morrer sozinho, nem mesmo numa situação como a atual, sob a chantagem do sacrifício pelo bem de seus entes queridos”. Por isso “tal como os profissionais de saúde, com a devida prudência, podem abordar os moribundos”, assim deveria ser possível elaborar um protocolo que preveja “a presença de um familiar”.

Abaixo, a íntegra da carta aberta:

A morte entrou em nossas casas. Todos os dias recebemos com consternação os números de mortes pelo vírus. Assistir ao telefone, ler e ouvir as notícias tornou-se um boletim de guerra. Números desproporcionais.

Por trás do anonimato dos números existem rostos, nomes, histórias, pessoas que cruzaram nossas vidas: nossos pais, parentes, amigos, colegas e conhecidos. Muitos deles viveram a tragédia de morrer sozinhos, sem o amor de seus entes queridos.

Pode acontecer conosco também. O vírus ataca indistintamente. Também pode acontecer de nos encontrarmos no hospital, sozinhos, sem a presença de um familiar. A gente pensa na própria morte com medo, mas agora a ideia de ter que enfrentá-la na solidão, sem a possibilidade de se despedir dos entes queridos, parece ainda mais terrível.

Sabemos que a unidade de terapia intensiva sempre foi um local proibido para visitas; e que em tempos de epidemia, os cuidados tornam-se ainda mais rigorosos.

No entanto, no debate democrático que não deve falhar mesmo nesses momentos de emergência, gostaríamos de chamar a atenção para a perda do caráter humanizador do morrer, sem o qual o moribundo fica na solidão afetiva.

Quem morre sozinho não tem a possibilidade de fazer ouvir a sua voz, os seus últimos desejos. No máximo, ele pode entregá-los ao pessoal médico. Uma medida de humanidade em uma sociedade civil é dada protegendo os mais fracos, dando voz aos que não têm voz. Acreditamos que também este tem o caráter emergencial que move as decisões dos dias de hoje.

Pedimos, portanto, que este aspecto seja seriamente questionado e que se tente formular um protocolo que combine as razões de saúde com as de sofrimento. Será mesmo impensável pensar que um ente querido, no pleno cumprimento das normas sanitárias, possa estar presente para acompanhar um familiar no delicado momento da transição da vida para a morte?

Pode-se, com dificuldade, aceitar a solidão do enterro: passada a emergência, pode haver gestos públicos de luto. Mas para aqueles que morrem, os tempos não podem ser adiados: há apenas um momento.

Ninguém merece morrer sozinho, nem mesmo numa situação como a atual, sob a chantagem do sacrifício pelo bem de seus entes queridos. Assim como o pessoal de saúde, com a devida cautela, pode abordar o moribundo, também, a nosso ver, é preciso pensar em prever a presença de um familiar.

Apelamos, portanto, à inteligência alerta e criativa daqueles que se preocupam em promover a dignidade de viver e morrer para todos. Na emergência, junto com a excelência sanitária e a governança política da situação, destacamos também uma clara atenção ao perfil humano das vítimas da epidemia“.

Os signatários: Lídia Maggi; Paolo Squizzato; André Grillo; Fábio Corazzina; Cristina Arquidiácona; Abril Máximo; Paulo Curtaz; Carlo Molari; Gianni Marmorini; Silvia Giacomoni; Marco Campedelli; Ângelo Reginato.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Roma (NEV), 20 de junho de 2023 – A 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) terminou hoje. Inaugurado em 14 de junho em Tallinn, Estônia, foi intitulado: "Sob a bênção de Deus - moldando o futuro". Abaixo, uma seleção de notícias da Assembleia. Amor, esperança, fé. A trajetória do CEC nas palavras do novo presidente Nikitas A conferência de imprensa final da 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias acaba de terminar. o arcebispo Nikitas de Thyateira e Grã-Bretanha do Patriarcado Ecumênico, recém-eleito presidente do CEC, compartilharam uma mensagem de esperança. “Esta Assembléia nos encontra em um mundo em guerra, onde as armas nucleares ainda estão em ação. Onde vemos devastação e destruição, onde nossa terra é queimada e destruída por mãos humanas, vemos pobreza, injustiça, escuridão e sombras de pecado. Neste contexto, o CEC quer trazer a esperança e a luz de Cristo, como mensageiro de paz e solução para os nossos problemas”, disse Nikitas. O que somos chamados a fazer como cristãos, acrescentou, é "alimentar os pobres, vestir os nus, cuidar dos necessitados" e sublinhou a grande contribuição das novas gerações, "que vieram corrigir, talvez a nossa visão . Trocar os óculos, para que vejamos com o olhar de Jesus Cristo”. Esperança, fé e amor em Jesus são as palavras recorrentes neste último dia: "Hoje somos um pouco diferentes, a Assembleia escolheu ser representada por representantes de diferentes comunidades cristãs e esta é a demonstração de que apesar das diferenças podemos estar juntos e fazer as coisas juntos, em unidade […] Rezemos juntos pela paz porque a graça do Senhor pode fazer milagres” concluiu Nikitas. Assista a coletiva de imprensa completa: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=q_EAo13WFjA[/embed] CEC eleita nova direção Em 19 de junho, a Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa elegeu seus novos líderes. o arcebispo Nikitas de Tiateira e Grã-Bretanha do Patriarcado Ecumênico foi eleito presidente. os pastores Inverno de Dagmar E Frank Kopania vice-presidentes foram eleitos. Para saber mais, leia o artigo em italiano em Riforma.it Foto CEC / Albin Hillert Hartmut Rosa: As igrejas podem oferecer um modelo diferente ao desejo de crescimento permanente da Europa Hartmut Rose, um sociólogo alemão e orador principal na Assembleia Geral da CEC de 2023, refletiu sobre o papel das igrejas em oferecer um modelo diferente ao desejo da Europa de crescimento e aceleração permanentes. A sociedade europeia está "em um impasse", disse Rosa. A vida se concentrou no crescimento destrutivo, para manter o status quo. Tomando o exemplo da indústria alimentícia, onde as enzimas são colocadas em refeições prontas para reduzir a sensação de saciedade e satisfação, ele disse: “O problema é que simplesmente temos que continuar crescendo em todos os setores, porque senão os empregos que eles não poderiam ser preservada, mesmo que objetivamente não faça mais sentido crescer. Vivemos em um sistema que precisa crescer para permanecer o mesmo. Sem esse crescimento, o sistema entra em colapso.” As consequências são poluição, problemas ambientais, agressão e esgotamento. Rosa se referiu ao aumento dos problemas de saúde mental e do suicídio entre os jovens, que não conseguem lidar com o estresse do excesso de velocidade. E denunciou o tom cada vez mais agressivo da política e a ascensão do populismo, com o risco de “com este modelo perdermos o nosso futuro e o nosso passado”. Finalmente, Rosa propôs um modelo alternativo de "ressonância". Referindo-se à história bíblica do rei Salomão, Rosa falou de um “coração que escuta” e de “bem viver”. Ressonância é quando você sai desse modo de aceleração porque algo o toca e você reage a isso. Nesse processo somos transformados, não permanecemos os mesmos”. Leia em 2023cecasssembly.org, em inglês Rowan Williams, encontrando coragem para abraçar o risco O ex-arcebispo de Canterbury Rowan Williams levou a uma reflexão a partir da pergunta: "Que bênção traz a igreja de Cristo?". O que significa "bem-aventurados" ou "afortunados", também em relação à ação das Igrejas no tempo presente? Leia sobre a Igreja Luterana Foto CEC / Albin Hillert Patriarca Bartolomeu: Na Europa, as pessoas não se identificam mais com as igrejas nacionais O Patriarca Ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu, falou na Assembleia da CEC com um discurso fundamental para “celebrar e afirmar o espírito ecumênico entre as diferentes igrejas, comunhões e confissões”. Por outro lado, a retórica das chamadas “guerras culturais” comprometeu seriamente qualquer potencial de diálogo, ferindo o próprio cerne do ecumenismo. Falando de um "novo ecumenismo" num contexto destrutivo, onde a guerra pôs em evidência a fragilidade dos progressos realizados até agora, Bartolomeu falou da "justificação da Igreja russa para esta guerra, vista como a salvação da Ucrânia da suposta sedução de um ímpio ocidental, secular e liberal”. Leia o artigo em italiano e a tradução completa do discurso de Bartolomeu no site da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Podemos nos preparar para a paz? A Assembleia da CEC cedeu espaço a alguns testemunhos cristãos da Ucrânia, Rússia e outros países próximos às zonas de conflito. “Um forte lembrete de que a guerra na Ucrânia não está apenas entrelaçada com a divisão teológica, mas também com pessoas morrendo todos os dias, enquanto as igrejas estão cada vez mais frustradas sobre como contribuir para a paz”, escreve o CEC. O painel discutiu a propaganda, a geopolítica, os meios de comunicação de massa e os riscos de exploração, inclusive no âmbito ecumênico. Leia aqui, em inglês. Ucrânia. Ser igreja no meio da guerra Durante a Assembleia da Conferência das Igrejas da Europa, entre outras coisas, foi realizada uma reunião pública na qual os líderes religiosos ucranianos ilustraram a situação de suas igrejas no país. Eles também falaram sobre como dão testemunho do Evangelho e como é um grande desafio encontrar as palavras certas diante de uma violência indescritível. Leia em Riforma.it Foto CEC / Albin Hillert A Assembleia da Juventude traz uma nova esperança de unidade, a começar pela amizade Pontes construídas, amizades e uma caminhada de quatro quilômetros na bela floresta nos arredores de Tallinn, na Estônia. O testemunho da Assembleia da Juventude, um dia antes da abertura da Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias. Leia mais: Leia mais Juventude se une no #cecasassembly 2023! - YouTube Para saber mais: Todas as fotos da Assembleia KEK 2023 Canal CEC no YouTube: Conferência das Igrejas Europeias – YouTube Transmissões ao vivo: Assembleia Geral CEC 2023 – Tallinn – YouTube ...

Ler artigo
Em Palermo, novos projetos de La Noce para jovens e adolescentes

Em Palermo, novos projetos de La Noce para jovens e adolescentes

Roma (NEV), 10 de outubro de 2022 – Nasceu em Palermo um novo serviço ambulatorial de diagnóstico e tratamento que garantirá intervenção precoce, acolhimento imediato, terapias adequadas e prevenção de patologias relacionadas ao vício em smartphones e outros dispositivos. Há poucos dias foi inaugurada a primeira clínica de psicoterapia do projeto In-Addiction apoiado pela Fondazione con il Sud nos espaços do Centro Diaconal "La Noce". "Estamos muito felizes em oferecer este serviço - declarou o Diretor do Centro Diaconal "A Nogueira", Ana Ponente – que a partir de dois bairros importantes como Noce e Ballarò chegará ao resto da cidade. Podem aceder ao ambulatório raparigas e rapazes, raparigas e rapazes entre os 9 e os 17 anos: esta é uma iniciativa importante para esta faixa etária e faremos o possível para responder às necessidades que vão sendo manifestadas pelas escolas, serviços sociais e de saúde, fazendo-o de forma contínua". Hoje, segunda-feira, 10 de outubro, às 16h, está previsto o corte da fita no bairro Ballarò, onde em vicolo Infermeria dei Cappuccini 3, o Instituto Don Calabria lançará o serviço de escuta e treinamento para adolescentes e pais, abrindo as portas da segunda clínica também na Albergaria. “Para nós não é simplesmente um projeto, é uma missão que não teríamos levado em consideração se não tivéssemos em mente um projeto de longo prazo para oferecer à comunidade”, comentou o Diretor da Ópera Don Calabria Social Área, Roberto Manhã - Uma iniciativa de proximidade e rede que nos permitirá identificar bolsões de desconforto e intervir gratuitamente sobre eles”. O Conselheiro de Atividades Sociais do Município de Palermo também esteve presente no corte inaugural Rosa Penino. Os dois ramos estarão abertos ao público 3 vezes por semana e geridos em sinergia pelos especialistas e psicoterapeutas do Centro Diaconal "La Noce" (via Evangelista di Blasi, 16; informações e contactos 375 7083456 ou escrevendo para [email protected]) e do Instituto Don Calabria (Casa San Francesco in vicolo Infermeria dei Cappuccini, 3; 3898528698, [email protected]). O serviço, explicam os promotores da iniciativa, “vai oferecer apoio a adolescentes e pré-adolescentes que expressem o seu desconforto por desenvolverem comportamentos problemáticos relacionados com a utilização da rede e dispositivos associados ou que possam interferir no seu percurso de desenvolvimento, e oferece aconselhamento psicológico para fenômenos como prevaricações digitais, cyberbullying ou difamação, manifestações não ligadas ao vício, mas relacionadas a uma exposição incorreta e protegida da rede que pode ter repercussões no desenvolvimento psicológico de meninos e meninas”. ...

Ler artigo
Coronavírus, a FCEI abre uma assinatura

Coronavírus, a FCEI abre uma assinatura

foto de unsplash.com Roma (NEV), 20 de março de 2020 - Seguindo a iniciativa da Tavola Valdese (as Igrejas Valdenses e Metodista, recordamos, são membros da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, ed), que ontem destinou 8 milhões de euros para a emergência coronavírus e para o "depois", a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) lança hoje uma assinatura para financiar intervenções para combater a pandemia causada pelo coronavírus e impedir sua propagação. “Nos dirigimos aos membros das igrejas evangélicas – explica o presidente da FCEI, pároco Luca Maria Negro – em um momento difícil e doloroso para todos. Manifestamos a nossa proximidade fraterna a quantos, devido à pandemia, perderam familiares e amigos, e a quantos trabalham no seu combate e contenção, em condições nem sempre seguras e com proteção nem sempre adequada. Fazemos o nosso apelo a um comportamento responsável e ao cumprimento rigoroso das normas emitidas nos dias de hoje. Peçamos ao Senhor que nos ajude a superar esta prova e, nestes dias difíceis, a não nos abandonarmos ao desânimo e ao desespero. Temos fé - prossegue o presidente da FCEI - que Deus que se revelou em Cristo é o Senhor da Vida, nos ama e não nos deixará sozinhos. Sentimos também a necessidade de promover ações concretas de apoio àqueles que estão trabalhando com todos os meios para conter os efeitos do vírus e, dentro dos limites de nossas forças, apoiar aqueles que mais precisam de proteção e assistência. Para isso a FCEI lança uma subscrição cuja arrecadação será revertida em três direções: fornecimento de kits desinfetantes a lares de idosos, centros de saúde, centros de imigrantes e outras instituições de utilidade pública; apoio aos institutos que monitoram a propagação do vírus para preparar planos de contraste adequados; apoio a 'casas de saúde' ou outras unidades básicas de saúde envolvidas em ações para prevenir a propagação da pandemia. Diante deste ensurdecedor 'gemido da criação' – conclui Negro citando o apóstolo Paulo (Romanos 8:22) – queremos ser testemunhas concretas e confiantes, operárias da esperança cristã que ilumina até a noite mais escura”. Os pagamentos para contribuir com a assinatura podem ser feitos por transferência bancária à ordem da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, especificando o motivo "emergência de coronavírus”: Conta corrente em nome da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália Unicredit Bank – Via Vittorio Emanuele Orlando, 70, 00185 Roma IBAN: IT26X0200805203000104203419 BIC: Bic/rápido: UNCRITM1704 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.