A dignidade de morrer em tempos de coronavírus

A dignidade de morrer em tempos de coronavírus

Roma (NEV), 27 de março de 2020 – Um protocolo que mantém “juntos os motivos de saúde e os dos entes queridos” e permite que muitas pessoas que vão sozinhas aos hospitais, sem o conforto de seus entes queridos, morram com dignidade.

É o que pede um grupo de reflexão de teólogos evangélicos e católicos numa “Carta sobre a dignidade de morrer em tempo de coronavírus” dirigida “aos cidadãos, com particular referência às autoridades competentes”.

Segundo os signatários, “ninguém merece morrer sozinho, nem mesmo numa situação como a atual, sob a chantagem do sacrifício pelo bem de seus entes queridos”. Por isso “tal como os profissionais de saúde, com a devida prudência, podem abordar os moribundos”, assim deveria ser possível elaborar um protocolo que preveja “a presença de um familiar”.

Abaixo, a íntegra da carta aberta:

A morte entrou em nossas casas. Todos os dias recebemos com consternação os números de mortes pelo vírus. Assistir ao telefone, ler e ouvir as notícias tornou-se um boletim de guerra. Números desproporcionais.

Por trás do anonimato dos números existem rostos, nomes, histórias, pessoas que cruzaram nossas vidas: nossos pais, parentes, amigos, colegas e conhecidos. Muitos deles viveram a tragédia de morrer sozinhos, sem o amor de seus entes queridos.

Pode acontecer conosco também. O vírus ataca indistintamente. Também pode acontecer de nos encontrarmos no hospital, sozinhos, sem a presença de um familiar. A gente pensa na própria morte com medo, mas agora a ideia de ter que enfrentá-la na solidão, sem a possibilidade de se despedir dos entes queridos, parece ainda mais terrível.

Sabemos que a unidade de terapia intensiva sempre foi um local proibido para visitas; e que em tempos de epidemia, os cuidados tornam-se ainda mais rigorosos.

No entanto, no debate democrático que não deve falhar mesmo nesses momentos de emergência, gostaríamos de chamar a atenção para a perda do caráter humanizador do morrer, sem o qual o moribundo fica na solidão afetiva.

Quem morre sozinho não tem a possibilidade de fazer ouvir a sua voz, os seus últimos desejos. No máximo, ele pode entregá-los ao pessoal médico. Uma medida de humanidade em uma sociedade civil é dada protegendo os mais fracos, dando voz aos que não têm voz. Acreditamos que também este tem o caráter emergencial que move as decisões dos dias de hoje.

Pedimos, portanto, que este aspecto seja seriamente questionado e que se tente formular um protocolo que combine as razões de saúde com as de sofrimento. Será mesmo impensável pensar que um ente querido, no pleno cumprimento das normas sanitárias, possa estar presente para acompanhar um familiar no delicado momento da transição da vida para a morte?

Pode-se, com dificuldade, aceitar a solidão do enterro: passada a emergência, pode haver gestos públicos de luto. Mas para aqueles que morrem, os tempos não podem ser adiados: há apenas um momento.

Ninguém merece morrer sozinho, nem mesmo numa situação como a atual, sob a chantagem do sacrifício pelo bem de seus entes queridos. Assim como o pessoal de saúde, com a devida cautela, pode abordar o moribundo, também, a nosso ver, é preciso pensar em prever a presença de um familiar.

Apelamos, portanto, à inteligência alerta e criativa daqueles que se preocupam em promover a dignidade de viver e morrer para todos. Na emergência, junto com a excelência sanitária e a governança política da situação, destacamos também uma clara atenção ao perfil humano das vítimas da epidemia“.

Os signatários: Lídia Maggi; Paolo Squizzato; André Grillo; Fábio Corazzina; Cristina Arquidiácona; Abril Máximo; Paulo Curtaz; Carlo Molari; Gianni Marmorini; Silvia Giacomoni; Marco Campedelli; Ângelo Reginato.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Explorar a unidade plena e visível de todos os cristãos

Explorar a unidade plena e visível de todos os cristãos

O Bispo Christian Krause e o Cardeal Edward Idris Cassidy assinam a Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação pela Fé (JDDJ), 31 de outubro de 1999. Roma (NEV), 15 de março de 2019 – Propondo um entendimento comum às duas denominações cristãs com base no princípio do consentimento diferenciado, a Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação pela Fé (JDDJ) foi assinada por luteranos e católicos em 1999 resolvendo efetivamente um dos principais conflitos da Reforma e terminando com suas respectivas excomunhões. Inicialmente era um arranjo católico-luterano, mas desde então três outras denominações cristãs se fundiram, a saber, os metodistas, os anglicanos e os reformados. De 26 a 28 de março, representantes mundiais das cinco famílias que aderiram à Declaração se reunirão, a portas fechadas, na Universidade Católica de Notre Dame, nos Estados Unidos, conhecida por seu compromisso em promover relações ecumênicas e inter-religiosas, para destacar os importantes avanços conquistas ecumênicas com a assinatura do JDDJ e buscar novos desenvolvimentos nas relações intereclesiais resultantes do crescimento na comunhão. A reunião reunirá delegações luteranas, católicas, anglicanas, metodistas e reformadas para discutir o impacto do acordo, o significado de sua unidade e testemunho e sugerir caminhos criativos para avançar em direção à unidade plena e visível de todos os cristãos. Durante a semana de consulta, a Universidade de Notre Dame também sediará dois eventos públicos para os quais funcionários, alunos e a comunidade local foram convidados. No dia 26 de março, às 19h30, será realizada uma oração ecumênica na Basílica do Sagrado Coração ao som do coro litúrgico de Notre Dame. O segundo evento é uma mesa redonda entre os líderes das diferentes confissões intitulada “Do conflito à comunhão: o futuro dos cristãos juntos no mundo”; será realizada às 17h do dia 28 de março no McKenna Hall Auditorium e será moderada pelo Prof. Neil Arner do Departamento de Teologia Notre Dame. ...

Ler artigo
Zuínglio.  Palestra pública na Faculdade Valdense de Teologia

Zuínglio. Palestra pública na Faculdade Valdense de Teologia

Um quadro do filme "Zwingli" de Stefan Haupt Roma (NEV), 8 de outubro de 2019 - A palestra pública do Prof. Emidio Campi da Universidade de Zurique intitulado "Ulrich Zwinglio. Problemas e perspectivas dos estudos atuais". O encontro é às 18 na via Pietro Cossa 42. Baixe o folheto. A iniciativa faz parte dos 500 anos do início da Reforma em Zurique. O ano de 2019 é, de fato, uma espécie de "jubileu zwingliano", no qual recordamos a figura do reformador suíço que em 1º de janeiro de 1519 pregou pela primeira vez na Grossmünster de Zurique. 500 anos depois dessa data, comemora-se o nascimento da Igreja Reformada de Zurique, cidade onde hoje vivem cerca de 400.000 protestantes. São muitas as iniciativas organizadas durante este ano para falar de Zwingli, a quem o filme homónimo de Stefan Hauptfinanciado pela Igreja Reformada de Zurique e lançado na Suíça em 17 de janeiro. A coluna Protestantismo, veiculada no RaiDue, dedicou o episódio de 7 de abril a Zuínglio, apresentando trechos em italiano do filme de Haupt. Com o título “Zwingli, a palavra desencadeada”, a coluna editada pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) conta a história de 500 anos atrás na Suíça, quando estourou o incêndio da Reforma Protestante. Em Zurique, um jovem padre abala os alicerces da igreja, desencadeando um processo de reforma que dura até hoje. Aqui está a apresentação do episódio. Para saber mais: Vá para a guia sobre Huldrych Zwinglio Trailer do filme de Stefan Haupt no idioma original [embed]https://www.youtube.com/watch?v=EzUn3pyeODI[/embed] ...

Ler artigo
Você não pode fechar as portas para refugiados e dizer que é uma igreja

Você não pode fechar as portas para refugiados e dizer que é uma igreja

Roma (NEV/Riforma.it), 4 de fevereiro de 2020 – Mesmo em meio a uma terrível guerra civil, a igreja cristã na Síria e no Oriente Médio é forte e comprometida em cuidar das pessoas afetadas pelo conflito, disse ele disse Najla Kassab, presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR), durante uma conferência na Calvin University em Grand Rapids, Michigan, EUA, onde a CMCR assumiu sua forma atual em 2010. Pastora do Sínodo Evangélico Nacional da Síria e Líbano, Najla Kassab é a primeira pastora eleita presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas. “Aqui começou nossa jornada. A Fraternidade Mundial de Igrejas Reformadas é onde 100 milhões de membros de mais de 200 igrejas ao redor do mundo se reúnem para falar sobre justiça. Houve muita dor e perda nos últimos anos, especialmente na Síria. O desafio para a igreja é estar presente em meio a essa dor." As igrejas reformadas no Oriente Médio fizeram melhorias na educação, nos serviços sociais e no empoderamento das mulheres. Os missionários presbiterianos começaram a Universidade Americana de Beirute, uma das primeiras universidades do Líbano, em meados de 1800. Mais tarde, um hospital e um orfanato foram anexados à escola. "Esta universidade ajudou a moldar nosso legado e mostra o impacto que uma igreja minoritária como a nossa pode ter em uma nação", comentou. Em meados da década de 1880, os missionários abriram a Escola Protestante Americana para Meninas, a escola feminina, que ajudou a quebrar estereótipos e restrições na vida das mulheres. “A educação ajudou a melhorar o status das mulheres. Trouxe a libertação das mulheres do Oriente Médio e permitiu que elas usassem seus talentos e contribuíssem positivamente para a sociedade. Isso nos ajudou a experimentar a justiça e o amor de Deus e a minha presença aqui é o resultado disso”. “Minha igreja ajudou a pavimentar o caminho – continuou – e serviu de exemplo e inspiração para outras igrejas protestantes. Além disso, as igrejas protestantes têm desempenhado um papel importante no movimento ecumênico”. Devido ao conflito na fronteira libanesa, cerca de 1,5 milhão de refugiados da guerra na Síria vivem em pequenos acampamentos e comunidades improvisadas. As igrejas reformadas abriram escolas para garantir a educação. “As escolas são lugares onde podemos acolher estudantes cristãos e muçulmanos e construir pontes. Os pais mandam seus filhos para essas escolas, que muitas vezes oferecem às crianças uma folga da vida nos campos de refugiados. Na escola eles são alimentados, ajudados a se lavar e às vezes podem ficar um certo tempo longe dos problemas da roça. Há tantas necessidades no Líbano de hoje, diante de tanto sofrimento. Ajudamos as pessoas a sobreviver”, disse Kassab, cujo ministério ao longo dos anos tem sido dedicado especialmente a mulheres e crianças. “Não se pode fechar as portas aos refugiados e dizer que é uma igreja” concluiu o pároco, afirmando que a igreja deve promover a cura e a reconciliação construindo pontes entre as pessoas. Mesmo no futuro, quando a guerra acabar e muitos refugiados voltarem para casa na Síria. “Na região onde nasceram o judaísmo, o cristianismo e o islamismo, a Igreja deve contar com sua mensagem radical de amor. Mesmo que haja guerras, a esperança pode durar se colocarmos Deus em primeiro lugar." ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.