Amizades judaico-cristãs na Itália.  Vozes e Raízes

Amizades judaico-cristãs na Itália. Vozes e Raízes

Roma (NEV), 28 de fevereiro de 2020 – A amizade judaico-cristã nasceu em Florença em 1951 pela vontade de Arrigo Levasti, Giorgio La Pira, Ines Zilli, Giorgio Spini, Giacomo Devoto, Angelo Orvieto e Aldo Neppi Modona. Em 1988 foi fundada em Camaldoli a “Federação das amizades judaico-cristãs na Itália” (FEDERAEC), que também faz parte da “Conselho Internacional de Cristãos e Judeus” (ICCJ). A FEDERAEC, que reúne vários grupos de Amizade, entre eles os de Alto Garda, Nápoles, Roma, Ravena, Turim, Camaldoli e Livorno, tem como objetivo promover e desenvolver o conhecimento, a compreensão, o respeito e a amizade entre judeus e cristãos numa perspectiva de abertura e o diálogo com as religiões, a fim de “criar uma convivência humana da qual seja excluída para sempre qualquer forma de incompreensão e ódio”, como afirma seu site. Também tem entre seus propósitos combater o anti-semitismo, o racismo e a intolerância.

No rescaldo da Semana da Liberdade 2020 promovida pela Federação das Igrejas Protestantes em Itália (FCEI), a Agência NEV entrevistou Francisco Moscoupastor adventista das igrejas de Turim e Torre Pellice, vice-presidente da FEDERAEC.

Como começou sua experiência dentro da Federação de amizades judaico-cristãs na Itália?

Francisco Moscou. Foto tirada de

Esta experiência nasceu durante o meu ministério pastoral em Turim, a partir de 2006. Ainda antes, meu predecessor, pároco Giampiero Vassallo, participou das iniciativas e me passou o bastão. Eu fazia parte do grupo de Amizade de Turim, que estava envolvido há mais de trinta anos, sendo seu presidente por cinco anos. Agora sou vice-presidente da Federação, que reúne várias “amizades judaico-cristãs” em diferentes cidades italianas. Cada local é autônomo. A Federação é um órgão de ligação entre as várias “Amizades”, que gostaríamos de poder expandir também a outras cidades.

EU’Antissemitismo foi o tema escolhido pela FCEI para a Semana da Liberdade 2020.

Voltamos alegremente ao tema desta semana. Como adventistas em Turim promovemos dois momentos de reflexão. Um primeiro momento durante uma pregação na nossa comunidade e, no sábado seguinte, com a participação do presidente da Amizade Judaico-Cristã de Turim, Dr. Maria Ludovica Chiambrettono âmbito de uma das iniciativas dedicadas à Júlio Isaacpioneiro da Amizade, às suas obras relativas ao estudo do antijudaísmo cristão e ao tema da suspeita, ao conhecimento das raízes históricas do antissemitismo e das relações entre cristãos e judeus.

Por ocasião do “Sínodo dos Jornalistas” que será aberto amanhã em Roma, com o tema “Palavras não pedras”, está prevista a inauguração no Largo Pórtico d’Ottavia de um Banco Memorial, dedicado aos jornalistas e impressores judeus romanos que foram vítimas de deportação. O que você acha da relação entre jornalismo e história?

A comunicação é fundamental. Precisamos manter viva a memória e levar as iniciativas e insights sobre essas questões ao conhecimento da opinião pública e dos próprios jornalistas. Procuramos contribuir com conferências, eventos e divulgação. Como pedras de tropeço, que causam sensação ao serem rasgadas, mas que devemos preservar na memória coletiva e pessoal. A imprensa pode ajudar muito e nós mesmos estamos empenhados em tomar a palavra para envolver a consciência das pessoas, para dar voz à memória.

Em 2019 você celebrou o 40º aniversário das conversações judaico-cristãs em Camaldoli. Quais são os principais eventos em andamento e para o futuro?

É crucial que a amizade judaico-cristã continue a funcionar em chave inter-religiosa. As conversações de Camaldoli são o ponto de encontro do trabalho do Amicizie, durante o qual há sempre um momento de assembleia para o qual convergem quase todos os grupos. Em Florença, alguns dias atrás, nos encontramos com don Juliano Savina, diretor do Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI), juntamente com muitos outros irmãos católicos, evangélicos e judeus para organizar o próximo encontro, previsto para dezembro. Enquanto isso, os cursos de hebraico e outras iniciativas regulares continuam, desde o Dia do Conhecimento do Judaísmo até apresentações da Bíblia da Amizade, conferências do ciclo histórico e outros projetos locais. Em Turim, o Rabino Chefe também está muito envolvido Ariel Di Porto. Nestes caminhos de diálogo recordamos também que as nossas raízes e as Escrituras se baseiam no judaísmo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Cristãos contra a tortura.  Relatório internacional publicado

Cristãos contra a tortura. Relatório internacional publicado

Imagem retirada do relatório 2021 da Federação Internacional da ACAT (FIACAT) Roma (NEV), 13 de maio de 2022 – A Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT) compartilhou o relatório de atividades de 2021 da Federação Internacional da ACAT (FIACAT). A FIACAT é uma ONG, observadora nas Nações Unidas, no Conselho da Europa e na Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos. O relatório fala, entre outras coisas, dos programas de abolição da pena de morte e de luta contra a prisão preventiva abusiva em África. Passados ​​cerca de nove anos de implementação, escreve a Federação, “é tempo de fazer um balanço”. O relatório “Seis países africanos aboliram a pena de morte por lei (República do Congo, Madagascar, Guiné, Burkina Faso, Chade, Serra Leoa). Isso eleva seu número total no continente para 23”, diz o site da ACAT. Ao nível da prisão preventiva abusiva, “foram tramitados 7.216 autos. E 4.762 foram objeto de decisões judiciais desde o início do programa. Os resultados são satisfatórios, embora se esperasse um maior progresso para acabar com a superlotação prisional, em particular por meio do uso de medidas alternativas”. Além disso, a FIACAT está agora investigando questões de migração na Europa e suas fronteiras. Fá-lo através do projeto transmedia jogos de sombra, realizado com o ACAT italiano e belga. São muitas as colaborações a nível institucional e não governamental, com um compromisso crescente para o futuro “pela construção de um mundo sem tortura nem pena de morte”. 2021 foi também o ano da atribuição do prémio Cássia Sóentregue em 9 de dezembro em Barcelona à FIACAT por sua luta pelos direitos humanos e seu caráter ecumênico. Por fim, escreva os ACATs: “Como não se alegrar com a libertação de Germain Rukuki após quatro anos de detenção arbitrária? Este é o lugar certo para agradecer especialmente a forte mobilização dos membros da rede FIACAT". Leia o artigo completo e baixe o relatório em inglês ou francês clicando AQUI. UM GATO A filial italiana da Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura se inspira no pastor valdense Túlio Vinay. Vinay foi um dos primeiros na Europa a denunciar a violência sofrida pelos presos políticos no Vietnã. A ACAT Italia foi formalmente fundada na primavera de 1987, graças à contribuição da igreja valdense de Roma e do movimento "Renascimento Cristão". Desde o início, a ACAT optou por operar em uma base ecumênica, reunindo protestantes, católicos, ortodoxos e outras confissões cristãs dispostas a rezar e agir juntos. Desde 2008, a ACAT instituiu um prêmio de graduação para teses sobre tortura e pena de morte com o apoio do Otto per mille das igrejas metodista e valdense. A ACAT Italia faz parte da FIACAT. ...

Ler artigo
“A fé e o amor são universais”

“A fé e o amor são universais”

2 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Prof Azza Karam, Secretária Geral de Religiões para a Paz, compartilha saudações à 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema "O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade". Karlsruhe (NEV), 5 de setembro de 2022 - "O amor de Cristo não é apenas para os cristãos, mas também para mim, e eu sou muçulmano". Com estas palavras Azza Karamsecretário-geral das Religiões pela Paz, coalizão internacional de representantes das religiões do mundo dedicadas à promoção da paz, "ganhou" os aplausos e o consenso da audiência plenária da XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas, reunida na Alemanha desde agosto 31º. Egípcio, mora em Nova York, professor de estudos religiosos em Amsterdã, ex-funcionário da ONU, está à frente do movimento fundado em 1970 ao qual aderem mais de 900 líderes religiosos de 90 países. Nós a conhecemos nos bastidores do evento do WCC em Karlsruhe. Em seu discurso disse que "O amor de Cristo é para todos": o que isso significa? “A mensagem de Cristo é uma mensagem de fé, crença e paz que se aplica a todos os homens e mulheres. Não creio que haja qualquer referência nos Textos que diga que isso se aplica apenas aos cristãos. Mesmo que os diversos grupos e comunidades religiosas sempre tenham se "apropriado" da mensagem do Senhor, isso é normal. Mas isso contradiz o fundamento da mensagem - a revelação divina - que é e é válida para todos os seres humanos. E para todas as criaturas vivas. Quais são os principais desafios do movimento que representa? Religiões pela paz parece um pouco com as Nações Unidas, na verdade representamos todas as grandes instituições de religiões e credos do mundo – mais de uma centena – e por isso, assim como as Nações Unidas, temos uma assembléia geral… É um espaço e trabalho complexo porque cada entidade procura perseguir seus próprios interesses. Resguardar os espaços políticos de qualquer grupo que busque legitimar sua agenda também dificulta nossa missão. Acho que esta é uma das questões cruciais: todos nós vemos o que é o bem comum, mas temos que descobrir como chegar a um acordo sobre o que fazer juntos, como trabalhar juntos para salvar esse mesmo bem comum. Um desafio muito importante é justamente pedir aos nossos líderes que não pensem territorialmente, que não pensem apenas em sua própria igreja ou comunidade. E também temos que lidar com a interferência política, que sempre existiu, mas está crescendo. Acredito que com o colapso das ideologias – neoliberalismo, capitalismo, socialismo, comunismo – as religiões se tornaram cada vez mais uma oportunidade comum de contar histórias para conveniência política. Estamos vivendo a era – um fenômeno ciclicamente repetido – de uma forte aliança, vários tipos de alianças, entre partidos e atores políticos de um lado, instituições e atores religiosos de outro. Esse uso (ou abuso) de símbolos religiosos e religiões pela política é perigoso? Sim, muito, porque a fé não reconhece os limites das nações, a fé é universal. Enquanto a política é feita de limites, fronteiras e limites. Portanto, essas duas línguas são inúteis uma para a outra. Usar as religiões para legitimar uma narrativa política é, por um lado, limitar a ética e o propósito religioso e, por outro lado, armar a fé. O que vimos e estamos vendo na Ucrânia e na Rússia é um exemplo de como é totalmente inconcebível legitimar uma guerra em termos religiosos. Que papel para o Conselho Mundial de Igrejas neste quadro? O CMI tentou sistematicamente estabelecer um diálogo entre os diferentes atores cristãos e ortodoxos. E o desafio para o CMI, assim como para o Vaticano, é entender que o que está acontecendo não é uma questão cristã ou europeia. Duas guerras mundiais começaram na Europa. O que está acontecendo tem consequências dramáticas em termos de vidas humanas, mas também de matérias-primas, alimentos, energia. As tentativas feitas até agora parecem se concentrar em encontrar uma "solução cristã". Mas uma solução cristã para um problema global não pode ser encontrada. Quais são os próximos compromissos das religiões pela paz? Como no mito de Sísifo, procuramos trabalhar juntos para servir juntos, para apoiar os diferentes atores religiosos diante das emergências que continuarão a acontecer, envolvendo as instituições de cada religião e comunidade. Temos que trabalhar juntos, colaborar. O movimento ecumênico é certamente necessário, mas não creio que seja possível sem um movimento multirreligioso e sem diálogo, o ecumenismo sozinho ou o caminho de cada credo individual não será suficiente. Não é tão complicado quanto parece. Quando as religiões trabalham para servir juntas: essa é a cura de que precisamos, essa é a cooperação que nos permitirá salvar o bem comum. Quando cada religião faz por si é como se ferissemos a mão e cada dedo nos machucasse, e tentamos curar um dedo mas não será suficiente, porque teremos que curar a dor que vem do coração, da alma, da mente do nosso corpo. Estamos enfrentando os mesmos desafios de sempre, só que o planeta está ficando sem tempo. Sempre falamos de pobreza, guerras, ignorância, sempre temos os mesmos problemas desde que a humanidade vive neste planeta, mas agora é a Terra que está fora do tempo, porque a estamos destruindo”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
XIX Jornada do Diálogo Cristão-Islâmico: “Vamos construir uma única humanidade”

XIX Jornada do Diálogo Cristão-Islâmico: “Vamos construir uma única humanidade”

Roma (NEV), 21 de outubro de 2020 - "Vamos construir uma única humanidade!" é o título do Apelo para a 19ª Jornada Ecumênica do Diálogo Cristão-Islâmico que acontecerá, como todos os anos, no dia 27 de outubro. Assim começa o apelo para a Jornada 2020: “Depois de 19 anos ainda falamos do diálogo cristão-islâmico como se fosse a primeira vez. Mas muita coisa mudou. A nossa tem sido uma jornada importante e positiva. O nosso pensamento vai para os muitos amigos do diálogo que construíram centenas de iniciativas de norte a sul do país, para os que já não estão aqui e para os que connosco percorreram parte do caminho. E como no primeiro dia sentimos a forte necessidade de redescobrir a humanidade que nos une a todos. E como no primeiro dia sentimos a forte necessidade de nos comprometermos contra as guerras, a produção de armas e contra a injustiça social que nega o trabalho, a assistência médica, destrói o meio ambiente e qualquer espiritualidade baseada no reconhecimento mútuo como irmãos e irmãs com um único Mãe Terra para amar e defender”. A pandemia de covid-19 foi “um sinal forte para toda a humanidade – escrevem os organizadores -. Ele nos disse claramente que não somos onipotentes e que precisamos uns dos outros para construir uma vida digna de ser vivida. É preciso superar todas as discriminações e afirmar sempre que "todos os cidadãos têm igual dignidade social e são iguais perante a lei, sem distinção de sexo, raça, língua, religião, opiniões políticas, condições pessoais e sociais" (art. 3º Constituição). . Precisamos parar a guerra e a produção de armamentos". Nesta página é possível ler o apelo completo, enviar subscrições e relatórios ou consultar as marcações para este aniversário. A Jornada nasceu da iniciativa de um grupo de intelectuais, religiosos e professores universitários que, em 2001, após a tragédia das Torres Gêmeas, decidiram lançar um apelo ao diálogo com o Islã. "Nós, cristãos de várias confissões e leigos, que há anos estamos engajados no árduo processo de diálogo com os muçulmanos italianos ou no trabalho cultural sobre o Islã - recitou o primeiro apelo - acreditamos que o horrendo atentado em Nova York e Washington constitui uma desafio não apenas contra o Ocidente, mas também contra aquele Islã, majoritariamente em todo o mundo, que se baseia nos valores da paz, da justiça e da convivência civil”. Os promotores pretendiam evitar "um alarme preocupante", nomeadamente que o sucedido poderia "pôr em causa ou travar o diálogo com os nossos irmãos muçulmanos, companheiros de viagem no caminho da construção de uma sociedade pluralista, acolhedora, respeitadora dos direitos humanos e dos valores democráticos ”. Esse convite deu vida ao primeiro dia nacional do Diálogo Cristão-Islâmico na sequência de dois documentos, o conciliar da "Nostra Aetate" e o da "Charta Oecumenica" assinado apenas alguns meses antes em Estrasburgo pelos cristãos europeus. Um Dia que este ano chega à sua décima sétima edição e que, já há alguns anos, se realiza a 27 de Outubro "no espírito de Assis": o primeiro e grande encontro mundial das Religiões pela Paz, desejado pelo Papa João Paulo II em 1986 na cidade úmbria. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.