Em Milão, uma oração ecumênica para anunciar a ressurreição

Em Milão, uma oração ecumênica para anunciar a ressurreição

Roma (NEV), 11 de abril de 2020 – “Para homenagear as vítimas da epidemia e, ao mesmo tempo, transmitir uma mensagem de esperança às suas famílias e a todas as várias comunidades além das diferenças confessionais”. Este é o significado da oração ecumênica que aconteceu esta manhã às 12h no monumental cemitério de Milão.

Três vozes que ressoam no silêncio: a do arcebispo de Milão, mons. Mário Delpinida pastora valdense Daniela DiCarlo e do pai ortodoxo Traian Valdman, vigário emérito da diocese italiana da Igreja Ortodoxa Romena. O vice-prefeito também esteve presente Anna Scavuzzoe o vereador dos serviços cívicos Robert Coco.

“Estamos aqui, cristãos de diversas confissões, para dizer palavras que ainda hoje parecem um absurdo”, disse Mons. Mário golfinhos referindo-se à história do Evangelho em que as piedosas mulheres que anunciam a ressurreição são acusadas de “delirar” (Lucas 24:11). “Neste momento trágico para a cidade e para todo o planeta – continuou Delpini – encontramos o anúncio essencial, a verdade que nos une, e nos faz dizer juntos uma palavra inaceitável e necessária, escandalosa e libertadora: Morte, foste derrotada !”

Pastor DiCarlo

Que este período de isolamento forçado “seja uma oportunidade para repensar e avaliar nossa sociedade, nossos estilos de vida, nossa bela cidade e também o trabalho de nossas igrejas”, disse o pároco Daniela Por Charles. Claro, “como cristãos não podemos dizer uma palavra definitiva, hoje, sobre o motivo da pandemia”, precisou o pastor, que citou tanto “o uso predatório e perverso da natureza” quanto “as mutações devastadoras da vida de vírus que vão além da manipulação humana.

“Como cristãos – continuou Di Carlo – somos sempre capazes de anunciar a graça que temos em Cristo. Portanto, não percamos a alegria da fé que é aprender a viver com a despedida que dissemos aos que nos deixaram por causa da pandemia, com a oração por aqueles que estão nos hospitais por trabalho ou porque estão doentes, e com a possibilidade de comunicação entre nós de novas maneiras.”

“Celebramos a Páscoa do Senhor, a maior festa cristã; fortaleçamos a esperança e vivamos como ressuscitados”, foi a exortação do padre Traian Valdman que continuou: “Mesmo durante a pandemia do Coronavírus, o dia da Ressurreição é um dia de alegria, de reconciliação, de esperança, de solidariedade”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Amizades judaico-cristãs na Itália.  Vozes e Raízes

Amizades judaico-cristãs na Itália. Vozes e Raízes

Roma (NEV), 28 de fevereiro de 2020 - A amizade judaico-cristã nasceu em Florença em 1951 pela vontade de Arrigo Levasti, Giorgio La Pira, Ines Zilli, Giorgio Spini, Giacomo Devoto, Angelo Orvieto e Aldo Neppi Modona. Em 1988 foi fundada em Camaldoli a "Federação das amizades judaico-cristãs na Itália" (FEDERAEC), que também faz parte da "Conselho Internacional de Cristãos e Judeus” (ICCJ). A FEDERAEC, que reúne vários grupos de Amizade, entre eles os de Alto Garda, Nápoles, Roma, Ravena, Turim, Camaldoli e Livorno, tem como objetivo promover e desenvolver o conhecimento, a compreensão, o respeito e a amizade entre judeus e cristãos numa perspectiva de abertura e o diálogo com as religiões, a fim de "criar uma convivência humana da qual seja excluída para sempre qualquer forma de incompreensão e ódio", como afirma seu site. Também tem entre seus propósitos combater o anti-semitismo, o racismo e a intolerância. No rescaldo da Semana da Liberdade 2020 promovida pela Federação das Igrejas Protestantes em Itália (FCEI), a Agência NEV entrevistou Francisco Moscoupastor adventista das igrejas de Turim e Torre Pellice, vice-presidente da FEDERAEC. Como começou sua experiência dentro da Federação de amizades judaico-cristãs na Itália? Francisco Moscou. Foto tirada de Esta experiência nasceu durante o meu ministério pastoral em Turim, a partir de 2006. Ainda antes, meu predecessor, pároco Giampiero Vassallo, participou das iniciativas e me passou o bastão. Eu fazia parte do grupo de Amizade de Turim, que estava envolvido há mais de trinta anos, sendo seu presidente por cinco anos. Agora sou vice-presidente da Federação, que reúne várias "amizades judaico-cristãs" em diferentes cidades italianas. Cada local é autônomo. A Federação é um órgão de ligação entre as várias “Amizades”, que gostaríamos de poder expandir também a outras cidades. EU'Antissemitismo foi o tema escolhido pela FCEI para a Semana da Liberdade 2020. Voltamos alegremente ao tema desta semana. Como adventistas em Turim promovemos dois momentos de reflexão. Um primeiro momento durante uma pregação na nossa comunidade e, no sábado seguinte, com a participação do presidente da Amizade Judaico-Cristã de Turim, Dr. Maria Ludovica Chiambrettono âmbito de uma das iniciativas dedicadas à Júlio Isaacpioneiro da Amizade, às suas obras relativas ao estudo do antijudaísmo cristão e ao tema da suspeita, ao conhecimento das raízes históricas do antissemitismo e das relações entre cristãos e judeus. Por ocasião do "Sínodo dos Jornalistas" que será aberto amanhã em Roma, com o tema "Palavras não pedras", está prevista a inauguração no Largo Pórtico d'Ottavia de um Banco Memorial, dedicado aos jornalistas e impressores judeus romanos que foram vítimas de deportação. O que você acha da relação entre jornalismo e história? A comunicação é fundamental. Precisamos manter viva a memória e levar as iniciativas e insights sobre essas questões ao conhecimento da opinião pública e dos próprios jornalistas. Procuramos contribuir com conferências, eventos e divulgação. Como pedras de tropeço, que causam sensação ao serem rasgadas, mas que devemos preservar na memória coletiva e pessoal. A imprensa pode ajudar muito e nós mesmos estamos empenhados em tomar a palavra para envolver a consciência das pessoas, para dar voz à memória. Em 2019 você celebrou o 40º aniversário das conversações judaico-cristãs em Camaldoli. Quais são os principais eventos em andamento e para o futuro? É crucial que a amizade judaico-cristã continue a funcionar em chave inter-religiosa. As conversações de Camaldoli são o ponto de encontro do trabalho do Amicizie, durante o qual há sempre um momento de assembleia para o qual convergem quase todos os grupos. Em Florença, alguns dias atrás, nos encontramos com don Juliano Savina, diretor do Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI), juntamente com muitos outros irmãos católicos, evangélicos e judeus para organizar o próximo encontro, previsto para dezembro. Enquanto isso, os cursos de hebraico e outras iniciativas regulares continuam, desde o Dia do Conhecimento do Judaísmo até apresentações da Bíblia da Amizade, conferências do ciclo histórico e outros projetos locais. Em Turim, o Rabino Chefe também está muito envolvido Ariel Di Porto. Nestes caminhos de diálogo recordamos também que as nossas raízes e as Escrituras se baseiam no judaísmo. ...

Ler artigo
Protestantes na Feira do Livro de Turim

Protestantes na Feira do Livro de Turim

Roma (NEV), 18 de maio de 2022 – A Fundação Centro Cultural Valdense (Fccv) estará presente na XXXIV Feira Internacional do Livro de Turim, que começa amanhã, 19 de maio, com um espaço expositivo dedicado, no estande Claudiana Editrice (Pavilhão 3 Estandes R106-S105). Aqui o calendário de apresentações: 19 de maio, apresentação das atividades gerais da Fccv no stand; Dia 20 de maio, reunido às 16h na área de mídia da RBE do estande de Claudiana Editrice do livro "As coleções bíblicas das Bibliotecas Valdenses de Torre Pellice e Roma", será ilustrado o importante trabalho de catalogação e estudo dos ricos acervos de Torre Pellice e da Faculdade Valdense de Teologia em Roma (cerca de 5.000 espécimes). O encontro será presencial para o público da Mostra e será transmitido ao vivo nos canais da RBE radiovisão e em streaming na página da Fbc e no canal do Youtube da Fccv; 21 de maio, apresentação da atividade do Museu Valdense da Torre Pellice na secção histórica, etnográfica e exposições temporárias, no stand; 23 de maio, apresentação das atividades da Fccv no estande. Além disso, ainda na Feira do Livro de Turim, quinta-feira, 19 de maio, às 14h, o pároco metodista Pedro Ciaccio (no link) fala sobre seu novo volume eGospel, iGod e Jesus Pessoal; às 16h30 ele intervém Maria Teresa Milãoautor juntamente com Lucas Margarita De Viver as palavras. Na sexta-feira, 20 de maio, às 13h, haverá um encontro com Bruna Peyrot e seu livro Ser terra; aos 14 Ilaria Valenzi (conectando), Paulo Naso E Gian Mario Gillio afeta o volume O populismo religioso entre a teologia e a política; aos 17 Lydia Maggi, Ângelo Reginato apresentar seu último volume Andar na água. No próximo dia 20 de maio, na Feira Internacional do Livro de Turim, apresentaremos este volume, tão ágil quanto "pesado" devido à sua atualidade #libroshop #polulismo #religião @rbe_radio_tv @nev_it @Riforma_it pic.twitter.com/n5YC3gjRLh — Ilaria Valenzi (@IlariaValenzi) 17 de maio de 2022 Também na sexta-feira, 20 de maio, na Sala Verde, em colaboração com o Turin Migration Festival e Reforma-L'Eco dos vales valdensesàs 18h15 o encontro com Antonella Nápolesautor de Mais forte que o medo, histórias de inocência quebrada e'juramento de um embaixadordedicado à Luke Attanasio; com Benedetto Della Vedova, Gian Mario Gillio e Jean Leonard Touadi. No domingo, dia 22 de maio, às 15h30, no referido espaço da Editora Claudiana e da Rbe, haverá um encontro com Brunetto Salvarani, sobre seu último trabalho Olhando para a teologia do futuro. Todos os eventos citados serão realizados no estande da'Editora Claudiana e Rádio Evangélica Beckwith, que ficará no Pavilhão 3, e terá a numeração R106 – S105. O programa completo da revista que se intitula "Wild Hearts" e abrirá na quinta-feira, 19 de maio, com a lectio inaugural do escritor indiano Amitav Ghoshwww.salonelibro.it. ...

Ler artigo
A igreja valdense de Florença ao lado dos trabalhadores Gkn

A igreja valdense de Florença ao lado dos trabalhadores Gkn

Roma (NEV), 12 de dezembro de 2022 - “A vocação e a defesa dos trabalhadores e a sua dignidade coincidem”. Para Francisco Marfe, pastor da Igreja Valdense de Florença, que sediou uma votação no referendo convocado pelos operários no fim de semana, apoio à luta dos trabalhadores do ex-Gkn "não é notícia": "O contrário seria estranho - declara -, se não houvesse estávamos manifestados do lado desta gente” que há mais de um ano e meio pede direitos e trabalho, depois da chegada dos famosos emails de despedimento. Desde o início do protesto, a igreja evangélica local se posicionou ao lado dos trabalhadores. Uma escolha natural, portanto, “em continuidade e no espírito do documento do Sínodo sobre questões trabalhistas, aprovado em agosto passado na Torre Pellice (aqui o texto publicado por chiesavaldese.org), entre outras coisas”, acrescenta o pároco. A decisão de sediar também uma cadeira no referendo que os trabalhadores promoveram, dirigido aos florenenses, é apenas o último passo de um processo iniciado meses atrás, perto das 422 demissões, quando "muitos evangélicos participaram da grande manifestação" lançada pelos trabalhadores. Era 18 de setembro de 2021 e mais de 15 mil desfilaram em Florença, “Vamos nos levantar” lia-se em seus estandartes. Um caminho de solidariedade, aquele desejado pela igreja evangélica florentina, muito concreto e participativo: "A primeira coisa que fizemos como igreja, uma vez que decidimos como Consistório nos comprometer, foi pedir uma reunião na fábrica operária Gkn Coletivo, para entender como e a quem poderíamos ajudar”, explica Patrícia Barbanotti, membro do consistório da igreja valdense da capital toscana. E os trabalhadores responderam a partir das necessidades do povo, indicando não a si mesmos, mas outros colegas de indústrias afins, afetados pela falta de salário. “Duas famílias, um núcleo paquistanês, que ficaram durante a noite sem rendimentos”, a quem a igreja protestante florentina pagou a renda da casa. “Optamos por destinar recursos da Diaconia Comunitária para ajuda concreta no apoio a essas famílias. Ao mesmo tempo temos dedicado outros recursos a várias formas de apoio, pagando contas e serviços públicos, cobrindo outras despesas, garantindo alimentos. E depois da ajuda concreta, o diálogo continuou. “Realizamos uma reunião sobre questões trabalhistas em março passado, convidando os trabalhadores a falar”, continua Barbanotti. Até hoje, com a adesão ao referendo, uma consulta popular autogerida e a instalação de uma mesa de voto dentro das dependências da igreja. “Nos encheu de alegria poder contribuir também com este momento, que é importante do ponto de vista democrático e de conscientização dos cidadãos para a disputa, foi uma experiência positiva e mais de cinquenta pessoas votaram”, acrescenta o representante do Consistório. Qual o significado desta iniciativa? “Um impacto de testemunho – conclui Barbanotti -. Queremos dizer aos trabalhadores que estamos aqui e estaremos lá”. A luta continua. Última atualização (13/12 às 13) sobre os resultados da consulta, Checchino Antonini no pop-off Para saber mais: rádio de ondas de choquesobre o referendo convocado pelos trabalhadores O posterDe Ricardo Chiari"Em Florença, votamos no ex-Gkn" o postoDe Ângelo Mastrandrea“E o Gkn?” As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.