Igrejas reformadas em todo o mundo: renovando a imaginação e a esperança

Igrejas reformadas em todo o mundo: renovando a imaginação e a esperança

Martin Junge traz saudações da Federação Luterana Mundial (FLM). foto CMCR

Roma (NEV), 11 de junho de 2021 – O Comitê Executivo da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR-WCRC) se reuniu pela primeira vez em dois anos devido à pandemia de covid-19. Os trabalhos foram realizados digitalmente no final de maio.

O Comitê definiu um plano de trabalho para o futuro. Criou grupos de trabalho para a sustentabilidade e para a próxima Assembleia Geral. Além disso, definiu uma política de justiça de gênero. Por fim, agradeceu ao Secretário-Geral cessante Chris Ferguson por seu serviço.

O presidente Najla Kassab convidou a Comunhão a uma “imaginação renovada” para os vários desafios e a uma “esperança radical”.

“Quando a vida de Jesus se manifesta em nós, ficamos na esperança. Como Comunhão, renovamos nossa imaginação, que se inspira na esperança de ver nosso Senhor continuar caminhando conosco para um amanhã melhor”, disse ele.

A mensagem do Comitê Executivo

O Comitê Executivo emitiu uma mensagem (disponível em inglês, francês, alemão e espanhol) em consonância com as palavras de Kassab.

“A pandemia revelou injustiças, sejam elas sociais, políticas ou econômicas. Expôs a desigualdade, a exploração e a opressão que estão enraizadas nos sistemas econômicos. Ele destacou como a dignidade das pessoas, os cuidados de saúde e outros direitos fundamentais são garantidos apenas para aqueles que podem pagar. Quase em todo o mundo os mais vulneráveis, pobres e marginalizados são os mais afetados pela doença e suas medidas de controle”. Lê-se no comunicado final do CMCR.

Nesta situação, o Comitê pede a toda a Comunhão e a todas as pessoas de boa vontade que “se unam a nós para discernir ‘O que Deus quer de nós’ (Miquéias 6:8)? Este processo buscará estabelecer uma compreensão teológica renovada da crise atual. Esperamos que esta prática comum de discernimento leve toda a Comunhão – local, regional e global – a uma resposta teológica profética e a ações específicas de testemunho que falam a verdade ao poder e pedem justiça”.

justiça de gênero

Ao adotar sua Política de Justiça de Gênero, o Comitê Executivo procurou promover a visão e o engajamento nas igrejas e na sociedade. Precisamos “enfrentar as desigualdades e injustiças de gênero na Comunhão e nas igrejas membros”, recomenda o próprio Comitê.

Um ano de transição

Chris Fergusoncujo mandato termina em 31 de agosto, expressou “agradecimento ao nosso presidente e dirigentes, membros do Executivo e todos aqueles com quem tive o prazer de colaborar no serviço nas regiões, redes e comitês”.

Atualmente não há candidatos para o cargo de Secretário-Geral. A Comissão Executiva aprovou assim um período transitório, a partir de 1 de setembro, com um colégio provisório. Os três atuais Secretários Executivos (Hans Lessing da Igreja Evangélica de Vestfália. Felipe Pavãoda Igreja do Norte da Índia. Phil Tanis da Igreja Reformada da América.) assumirá as funções e responsabilidades do secretário geral, juntamente com o presidente e os comitês diretores. Trata-se de “um novo modelo de responsabilidade compartilhada no qual será vital o envolvimento de executivos e líderes regionais”, comentou o presidente Kassab.

No período de transição, parte do trabalho também se concentrará no planejamento da próxima Assembleia Geral, prevista para 2024. E na escolha de um candidato a secretário até maio de 2022.

O próximo Comitê Executivo será realizado no final de novembro.


Para mais informações, leia o relatório do delegado italiano Cláudio Páscoa sobre Chiesavaldese.org

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dois novos hinos para o Tempo da Criação

Dois novos hinos para o Tempo da Criação

Foto Michael C/Unsplash Roma (NEV), 16 de setembro de 2022 – Para o Tempo da Criação 2022, o Ministério de Música da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) propõe dois novos hinos. Criado por Virgínia Mariani, integram o Dossiê da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Intitulado “Empatia. Escuta, dúvida, misericórdia”, o Dossiê GLAM contém ideias homiléticas, meditações, liturgias, materiais e insights. Os dois hinos propostos por Virginia Mariani são intitulados "E Deus vê" e "Sua criação". Entrevistamos o autor para descobrir como surgiram os hinos e aprender mais sobre o ministério de música. Quem é Virgínia Mariani? Eu sou um moça 50 anos que cresceu entre escola, piano, igreja batista e também igreja valdense na província de Taranto. Uma cidade esplêndida, que eu mesmo estou aprendendo a conhecer cada vez mais e que, infelizmente, continua degradada, feia, poluída, maculada pela indústria siderúrgica, que monopolizou sua economia desde os anos 60. Taranto não é valorizado. Poderia ser, por exemplo, como a última cidade espartana e, portanto, a Magna Grécia. Assim como Mottola, uma cidade no topo de uma colina onde moro agora. Aqui ensino Literatura há 21 anos. Também dedico aulas, projetos, iniciativas e reuniões públicas ao território, ao meio ambiente e à Criação, ao respeito por todas as criaturas, tendo como referência primeiro a Agenda 2020 agora 2030. [L’Agenda 2030 è l’attuale quadro di riferimento globale delle Nazioni Unite. Essa definisce 17 Obiettivi di sviluppo sostenibile da raggiungere entro il 2030, articolati in 169 sotto-obiettivi, ndr]. “E Deus vê”: sobre o que é este hino? "E Deus vê" nasceu durante a pandemia, graças ao concurso organizado pela Mesa Valdense. Nesse contexto, o hino recebeu menção especial. Canta uma humanidade que esqueceu que recebeu toda a Criação como dom e sob custódia, uma humanidade que ainda não cresce em responsabilidade e brinca com as vidas. Fala também de Deus que, vendo então que tudo era "bom e belo", ainda vê sempre o que somos e o que fazemos ou deixamos de fazer. A música termina com a exortação para discernir agora e em todos os momentos o que é certo fazer. Louvar, sim, com cantos e orações, mas antes de tudo com nossas existências individuais e com nosso testemunho. Baixe aqui o texto e a partitura: E Deus vê “Sua criação”. Aqui a música é livremente inspirada no Minueto 1 de Bach, o “músico teólogo”como definiu o jurista e musicólogo Gianni Long em 1997. Porquê esta escolha? Esse Minueto é uma das primeiras peças que você aprende ao estudar piano. Com o tempo, percebi que muitas vezes isso tocava em minha mente. Então, como na Reforma as melodias das canções populares se tornaram hinos, pensei, com a colaboração de M° Iannitti Piromallo na adaptação, transformar uma peça de Bach, precisamente o "músico teólogo" protestante, numa curta canção dedicada a Deus e à sua Criação, citando os elementos da natureza, quase como uma novela de Francisco de Assis. A ideia é transmitir confiança em Jesus e no poder inspirador do Espírito Santo, por exemplo, na gestão dos conflitos e desafios da vida quotidiana. Baixe o texto e a partitura aqui: Sua Criação Há muito tempo o Ministério de Música da UCEBI está empenhado em trazer a música para o dia a dia, não só na igreja, nas liturgias, mas também em outros contextos. Agora ele traz sua contribuição para o Tempo da Criação 2022. Podemos dizer que este é o começo de uma jornada, também para o futuro? Comecei uma certa colaboração com o Ministério desde o seu início, antes mesmo de participar das reuniões do Grupo de Animação Teológica (GRANT) e do Grupo de Música Evangélica (GRUME) com Charles Lella. Não sou músico, no entanto gosto muito de animar momentos de culto ou momentos dedicados às crianças. Também trago essa paixão pela música e pelo canto para a escola, por exemplo. Então, sim, tenho certeza que nesse futuro, que sempre já está presente no olhar que devemos ter ao viver a promessa e a presença do Reino dos Céus, o caminho continuará também na experimentação musical. O Ministério da Música da UCEBI O Ministério de Música da UCEBI tem uma longa história, que passa também pela esfera federativa (Federação das Igrejas Evangélicas da Itália -FCEI-) para depois se tornar, em 2012, um Ministério específico instituído pela Assembleia Geral da UCEBI. Existe agora uma verdadeira descrição do trabalho, que inclui, entre outras coisas, visitas e seminários de atualização em igrejas de música cristã e litúrgica, cursos de formação, multimédia, eventos e colaborações. Dentre elas, destacamos as atividades com a Comissão Batista-Metodista e Valdense de Culto e Liturgia (CCL). Temporada da Criação 2022 Para a Temporada da Criação, além do Dossiê, a GLAM também produziu uma série de insights sobre a água, a seca e o entorno. Todos os materiais podem ser baixados nas páginas dedicadas ao Tempo da Criação 2022. Eles podem ser usados ​​por todas as pessoas interessadas em celebrar este período litúrgico ecumênico que acontece em todo o mundo entre 1º de setembro e 4 de outubro. ...

Ler artigo
Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Roma (NEV), 20 de junho de 2023 – A 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) terminou hoje. Inaugurado em 14 de junho em Tallinn, Estônia, foi intitulado: "Sob a bênção de Deus - moldando o futuro". Abaixo, uma seleção de notícias da Assembleia. Amor, esperança, fé. A trajetória do CEC nas palavras do novo presidente Nikitas A conferência de imprensa final da 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias acaba de terminar. o arcebispo Nikitas de Thyateira e Grã-Bretanha do Patriarcado Ecumênico, recém-eleito presidente do CEC, compartilharam uma mensagem de esperança. “Esta Assembléia nos encontra em um mundo em guerra, onde as armas nucleares ainda estão em ação. Onde vemos devastação e destruição, onde nossa terra é queimada e destruída por mãos humanas, vemos pobreza, injustiça, escuridão e sombras de pecado. Neste contexto, o CEC quer trazer a esperança e a luz de Cristo, como mensageiro de paz e solução para os nossos problemas”, disse Nikitas. O que somos chamados a fazer como cristãos, acrescentou, é "alimentar os pobres, vestir os nus, cuidar dos necessitados" e sublinhou a grande contribuição das novas gerações, "que vieram corrigir, talvez a nossa visão . Trocar os óculos, para que vejamos com o olhar de Jesus Cristo”. Esperança, fé e amor em Jesus são as palavras recorrentes neste último dia: "Hoje somos um pouco diferentes, a Assembleia escolheu ser representada por representantes de diferentes comunidades cristãs e esta é a demonstração de que apesar das diferenças podemos estar juntos e fazer as coisas juntos, em unidade […] Rezemos juntos pela paz porque a graça do Senhor pode fazer milagres” concluiu Nikitas. Assista a coletiva de imprensa completa: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=q_EAo13WFjA[/embed] CEC eleita nova direção Em 19 de junho, a Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa elegeu seus novos líderes. o arcebispo Nikitas de Tiateira e Grã-Bretanha do Patriarcado Ecumênico foi eleito presidente. os pastores Inverno de Dagmar E Frank Kopania vice-presidentes foram eleitos. Para saber mais, leia o artigo em italiano em Riforma.it Foto CEC / Albin Hillert Hartmut Rosa: As igrejas podem oferecer um modelo diferente ao desejo de crescimento permanente da Europa Hartmut Rose, um sociólogo alemão e orador principal na Assembleia Geral da CEC de 2023, refletiu sobre o papel das igrejas em oferecer um modelo diferente ao desejo da Europa de crescimento e aceleração permanentes. A sociedade europeia está "em um impasse", disse Rosa. A vida se concentrou no crescimento destrutivo, para manter o status quo. Tomando o exemplo da indústria alimentícia, onde as enzimas são colocadas em refeições prontas para reduzir a sensação de saciedade e satisfação, ele disse: “O problema é que simplesmente temos que continuar crescendo em todos os setores, porque senão os empregos que eles não poderiam ser preservada, mesmo que objetivamente não faça mais sentido crescer. Vivemos em um sistema que precisa crescer para permanecer o mesmo. Sem esse crescimento, o sistema entra em colapso.” As consequências são poluição, problemas ambientais, agressão e esgotamento. Rosa se referiu ao aumento dos problemas de saúde mental e do suicídio entre os jovens, que não conseguem lidar com o estresse do excesso de velocidade. E denunciou o tom cada vez mais agressivo da política e a ascensão do populismo, com o risco de “com este modelo perdermos o nosso futuro e o nosso passado”. Finalmente, Rosa propôs um modelo alternativo de "ressonância". Referindo-se à história bíblica do rei Salomão, Rosa falou de um “coração que escuta” e de “bem viver”. Ressonância é quando você sai desse modo de aceleração porque algo o toca e você reage a isso. Nesse processo somos transformados, não permanecemos os mesmos”. Leia em 2023cecasssembly.org, em inglês Rowan Williams, encontrando coragem para abraçar o risco O ex-arcebispo de Canterbury Rowan Williams levou a uma reflexão a partir da pergunta: "Que bênção traz a igreja de Cristo?". O que significa "bem-aventurados" ou "afortunados", também em relação à ação das Igrejas no tempo presente? Leia sobre a Igreja Luterana Foto CEC / Albin Hillert Patriarca Bartolomeu: Na Europa, as pessoas não se identificam mais com as igrejas nacionais O Patriarca Ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu, falou na Assembleia da CEC com um discurso fundamental para “celebrar e afirmar o espírito ecumênico entre as diferentes igrejas, comunhões e confissões”. Por outro lado, a retórica das chamadas “guerras culturais” comprometeu seriamente qualquer potencial de diálogo, ferindo o próprio cerne do ecumenismo. Falando de um "novo ecumenismo" num contexto destrutivo, onde a guerra pôs em evidência a fragilidade dos progressos realizados até agora, Bartolomeu falou da "justificação da Igreja russa para esta guerra, vista como a salvação da Ucrânia da suposta sedução de um ímpio ocidental, secular e liberal”. Leia o artigo em italiano e a tradução completa do discurso de Bartolomeu no site da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Podemos nos preparar para a paz? A Assembleia da CEC cedeu espaço a alguns testemunhos cristãos da Ucrânia, Rússia e outros países próximos às zonas de conflito. “Um forte lembrete de que a guerra na Ucrânia não está apenas entrelaçada com a divisão teológica, mas também com pessoas morrendo todos os dias, enquanto as igrejas estão cada vez mais frustradas sobre como contribuir para a paz”, escreve o CEC. O painel discutiu a propaganda, a geopolítica, os meios de comunicação de massa e os riscos de exploração, inclusive no âmbito ecumênico. Leia aqui, em inglês. Ucrânia. Ser igreja no meio da guerra Durante a Assembleia da Conferência das Igrejas da Europa, entre outras coisas, foi realizada uma reunião pública na qual os líderes religiosos ucranianos ilustraram a situação de suas igrejas no país. Eles também falaram sobre como dão testemunho do Evangelho e como é um grande desafio encontrar as palavras certas diante de uma violência indescritível. Leia em Riforma.it Foto CEC / Albin Hillert A Assembleia da Juventude traz uma nova esperança de unidade, a começar pela amizade Pontes construídas, amizades e uma caminhada de quatro quilômetros na bela floresta nos arredores de Tallinn, na Estônia. O testemunho da Assembleia da Juventude, um dia antes da abertura da Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias. Leia mais: Leia mais Juventude se une no #cecasassembly 2023! - YouTube Para saber mais: Todas as fotos da Assembleia KEK 2023 Canal CEC no YouTube: Conferência das Igrejas Europeias – YouTube Transmissões ao vivo: Assembleia Geral CEC 2023 – Tallinn – YouTube ...

Ler artigo
Resolução da ONU sobre violência sexual: violação grave de direitos

Resolução da ONU sobre violência sexual: violação grave de direitos

Roma (NEV), 3 de maio de 2019 – AObservatório inter-religioso sobre a violência contra a mulher manifesta sua indignação com a resolução adotada pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre violência sexual em conflitos armados (nº 2.467 de 23 de abril de 2019). "O que aconteceu na ONU é uma violação gravíssima dos direitos de todas as mulheres do mundo - as mulheres do Observatório (cristãs protestantes - luteranas, metodistas, valdenses, batistas, adventistas, pentecostais -, católicas, ortodoxas, judias, islâmicas , hindu, budista) –. Não ter escrito expressamente que após um estupro de guerra a mulher tem direito à proteção da saúde e a possibilidade legal de aborto é intolerável”. O comunicado recorda ainda a necessidade de fiscalizar as leis sobre a matéria: “tanto no julgamento de Nuremberga como no de Tóquio, embora a violação já tivesse sido estabelecida como crime, não foi processada; de facto, nem sempre é suficiente que existam leis, mas é também necessário que exista um contexto cultural capaz de as transpor e aplicar”. A condenação da violência, explicam as mulheres do Observatório, está muito articulada no texto da resolução: "de fato, ela recomenda a todas as comunidades, inclusive religiosas, que desempenhem um papel mais ativo na defesa contra a violência sexual nos conflitos, evitar a marginalização e a estigmatização dos sobreviventes e suas famílias, e comprometer-se a auxiliá-los em sua reintegração social e econômica". Por exemplo, o documento reconhece a importância de apoiar e promover "organizações de mulheres, guias religiosas e lideranças comunitárias, para uma mudança do estigma da violência sexual da figura da vítima para a do agressor", mas revela-se completamente insuficiente no que diz respeito à proteção da saúde sexual e reprodutiva das mulheres violentadas, sobre o que, continua o Observatório, "a Resolução nos decepciona e nos ofende com suas reticências". Mais uma vez, os corpos das mulheres se tornam objeto de discórdia. O Observatório explica ainda: "Para evitar o incumprimento total do acordo, a linha pretendida pelo Donald Trumpde acordo com qual as mulheres estupradas na guerra não têm direito ao aborto; a referência à saúde reprodutiva teria sido um sinal verde para o aborto. Aliás, notamos que foi retirado do texto o estabelecimento de um mecanismo formal para monitorar e denunciar atrocidades cometidas na guerra, contra Estados Unidos, Rússia e China, três das nações mais poderosas do mundo”. O secretário-geral da ONU António Guterres ela disse: “Apesar de muitos esforços, a violência sexual continua a ser uma característica horrível dos conflitos em todo o mundo e é usada deliberadamente como uma arma de guerra. Devemos reconhecer que o estupro na guerra afeta em grande medida as mulheres porque está ligado à questão da discriminação de gênero”. Apesar disso, o veto dos EUA negou a dignidade e o respeito humanos. “Como mulheres de fé, dizemos que o veto dos EUA também nega o misericórdia para mulheres horrivelmente ofendidas e violentadas – conclui o Observatório -. O estupro de guerra tem uma longa história nas culturas patriarcais; tem muitos significados, inclusive para humilhar o país inimigo e consolidar o pacto criminoso homofóbico entre os agressores. É um ato brutal, muitas vezes vivenciado no silêncio e na vergonha da vítima; um acto de crueldade feroz, cujas consequências dilacerantes para a integridade da pessoa são gravíssimas. Se, além disso, a mulher também é ferida pela humilhação de ter engravidado pelo agressor voraz, então outro vexame se junta a um vexame. É desumano impor-lhe este 'peso', forçá-la a acolher a presença de um feto nas suas entranhas que só pode ser um sinal dessa terrível desgraça. Cada uma então será livre para escolher seu próprio destino, mas precisamente: ela terá o direito de escolhê-lo. E apoio não deve faltar para ela seja qual for a sua escolha”. O Observatório nasceu em março passado com um Memorando de Entendimento e suas atividades incluem iniciativas culturais, de conscientização e vigilância sobre o tema da violência contra as mulheres. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.