Ísquia.  Compromisso concreto e espiritual, com o Exército de Salvação

Ísquia. Compromisso concreto e espiritual, com o Exército de Salvação

Foto EdS tirada de armyofsalvezza.org/donations

Roma (NEV), 28 de novembro de 2022 – Ischia está em estado de emergência após o deslizamento de terra de 26 de novembro em Casamicciola. 7 vítimas confirmadas, 5 desaparecidos, centenas de deslocados, este é o balanço provisório.

O Exército de Salvação (SE) está presente na ilha com uma instalação. declara o major Cinzia Walzer-Carpagnanotambém em nome do Chefe do Comando EdS Itália & Grécia, Tenente Coronel André Morgan: “Assim que recebemos a informação sobre o deslizamento, entramos em contato com o Tenente Auxiliar Ilaria Castaldoa nossa referência na ilha”.

“A ilha está em estado de choque – diz a própria Castaldo, que também é responsável pela Casa Concordia em Forio d’Ischia – Nossa estrutura não foi danificada, mas esta tragédia preocupa a todos nós. Como os edifícios são declarados inabitáveis, o número de pessoas deslocadas está aumentando. As pessoas que ficaram em casa tiveram que abandoná-las. As pessoas são acomodadas em hotéis e pousadas, mas nem todos podem fornecer refeições. Uma rede de solidariedade já está sendo ativada, e mensagens de pedidos de ajuda continuam chegando”.

Exército de Salvação – Casa Concordia em Forio d’Ischia

A major Cinzia Walzer-Carpagnano continua: “À primeira vista, a gente se sente desarmado. Agradecemos à Protecção Civil e ao Governo por terem acionado de imediato. Queremos fazer a nossa parte, principalmente no médio prazo, quando a atenção será menor, mas as situações incômodas permanecerão. Podemos contar com contactos e redes já activadas anteriormente, com igrejas, paróquias, associações locais. Já estamos presentes na ilha há algum tempo e isso possibilita uma ajuda mais concreta”. E acrescenta: “Agradecemos também a disponibilidade e perspicácia do nosso Tenente no local. Ajudar meninos e meninas, tentando oferecer apoio às famílias, é a nossa pequena forma de ajudar a superar o trauma vivido”.

O espírito é o do projeto internacional “Angel Tree”, que envolve o Exército de Salvação há anos. “É um projeto para presentear meninos e meninas de famílias carentes com presentes de Natal. Exige uma longa preparação, e neste caso não há tempo para a realizar como habitualmente, mas ainda assim tentaremos contactar as famílias da zona, através das nossas redes, para saber a idade das crianças e trazer um presente de Natal para eles, mesmo nessas condições difíceis. Novas portas se abrirão e o Exército de Salvação, como potência nacional, apóia financeiramente esse tipo de emergência com a ajuda das igrejas locais. Devemos pensar imediatamente nas necessidades das pessoas”, continua Walzer-Carpagnano.

Assim como o Exército de Salvação, Castaldo continua: “Pretendemos focar no que não é considerado essencial, portanto brinquedos, giz de cera, fraldas. Como já fizemos no passado, juntamente com a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Estamos orientados a trazer um presente tangível para quem não tem mais nada do que tinha, principalmente quando se pensa na infância”.


Oração para Ischia

A corrente de solidariedade está ativa, assim como a proximidade e as condolências às vítimas. Entre as mensagens dessas horas, o convite à oração do pároco batista Abril Máximo, que compartilhou nas redes sociais uma espécie de proposta litúrgica “pessoal e ecumênica”. Inicia com a seguinte invocação: “Obrigado, Senhor, pela extraordinária riqueza desta magnífica ilha. Na sua particular constituição morfológica, foi e continua a ser muito generoso, oferecendo a quem lá vive muitas oportunidades de trabalho, e a quem vem visitar, para refrescar o corpo e a alma, com as suas inúmeras termas, com a beleza do seu mar , e com muitas oportunidades para excursões históricas e cênicas. Obrigado por esta terra que carrega paixão e fogo em suas veias, mas que também é frágil e, portanto, carente de proteção e respeito. Obrigado pelos jardins de La Mortella e pelo castelo aragonês, pelo Monte Epomeo e pelo Lacco Ameno, por Casamicciola e Ischia Porto, por Forio e pelos muitos spas”. Na confissão do pecado, lemos: “Confessamos a você que cometemos um grave pecado contra esta terra: estupro em série”. A liturgia continua com palavras de consolo e perdão, de esperança e consciência, de bênção.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Younan: chegar em 2017 a uma declaração católica luterana sobre a Eucaristia

Younan: chegar em 2017 a uma declaração católica luterana sobre a Eucaristia

Roma (NEV), 15 de dezembro de 2010 – O presidente da Federação Luterana Mundial (FLM), bispo Munib Younan, está em Roma nestes dias para uma visita ao Vaticano e à Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). “A ocasião desta viagem – explicou Younan – é o encontro anual entre o pessoal da nossa Federação e o Pontifício Conselho para a promoção da unidade dos cristãos para discutir as linhas gerais e prioridades de diálogo e colaboração ecumênica entre nossas Igrejas. Isso acontecerá amanhã de manhã e incluirá uma audiência da delegação com o Papa Bento XVI. “Em nossa conversa com o Papa, destacaremos a importância do diálogo entre nossas igrejas e do trabalho diaconal comum em favor dos últimos e dos desfavorecidos. No entanto, apresentaremos também uma de nossas propostas: chegar em 2017, ano do 500º aniversário da Reforma Protestante, com uma declaração conjunta católica luterana sobre a hospitalidade eucarística”. Mas a visita de Younan não se limita ao Vaticano: “Claro que também aproveitei esta viagem para conhecer os luteranos italianos”. O dia de hoje é dedicado a uma série de encontros com os membros do CELI. “Estamos muito felizes com esta visita – disse o pastor Holger Mikau, reitor do CELI -. Sentimos que temos um vínculo especial com a FLM, pois há sessenta anos foi a federação mundial que deu apoio decisivo para o nascimento do CELI. Além disso, estamos felizes em conhecer oficialmente o novo presidente da FLM”. Younan, bispo da Igreja Evangélica Luterana na Terra Santa, foi de fato eleito presidente dos luteranos mundiais durante a Assembleia Geral realizada em Stuttgart (Alemanha) em julho passado. Alex Malasusa, reuniu-se na sede do Reitor do CELI com o reitor Milkau, o pastor Jens-Martin Kruse da igreja luterana de Roma, o pastor Paolo Poggioli da igreja luterana de Torre Annunziata e com dois alunos do Centro de estudos ecumênicos "Filipo Melanchthon". “Foi uma oportunidade de oferecer uma visão geral da situação de nossas igrejas – explicou Milkau – desde o ecumenismo até o trabalho social apoiado por nossas igrejas. Nesse sentido, também participou do encontro Franca Di Lecce, diretora do Serviço de Refugiados e Migrantes da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Além de falar sobre nossa igreja, pedimos a Younan que nos mostrasse caminhos para estarmos próximos das igrejas de sua terra, o Oriente Médio”. No passado, o CELI promoveu o programa "Note di pace", organizado pela revista "Confronti" e que consistia em receber na Itália um grupo de jovens músicos palestinos e israelenses. “Seria bom – acrescentou Milkau – poder repropor no futuro um programa semelhante, voltado para o encontro de jovens que, apesar das feridas de um conflito grave, aprendam a se reconhecer como amigos”. Esta tarde, Younan visitará a Christuskirche e se encontrará com a comunidade luterana da via Toscana, onde à noite conduzirá uma meditação do Advento. Amanhã Younan estará no Vaticano para se encontrar com o cardeal Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. O presidente da FLM será acompanhado por uma delegação composta, além dos bispos já citados, pelo secretário geral da FLM, pároco Martin Junge, e pela bispa da igreja luterana da Noruega, Helga Byfuglien. ...

Ler artigo
O Pacto de Silêncio de Laura Wandel vence o Prêmio Tertio Millennio

O Pacto de Silêncio de Laura Wandel vence o Prêmio Tertio Millennio

Um frame do filme "O pacto do silêncio" de Laura Wandel, vencedor da XXVI edição do Tertio Millennio Film Fest Roma (NEV), 21 de novembro de 2022 – Encerrou a XXVI edição do Tertio Millennio Film Fest (TMFF), festival de cinema de diálogo inter-religioso. O TMFF conta com o patrocínio de três Dicastérios da Santa Sé e de várias entidades e organizações, entre as quais a Associação de Cinema Protestante "Roberto Sbaffi". O festival envolve as comunidades católica, protestante, judaica, islâmica, hindu e budista. Título desta edição: "A volta de Caim?". Os prémios do TMFF "A Aliança do Silêncio" por Laura Wandel é o melhor filme. “Lili Alone” de Zou Jing é o melhor curta-metragem. Menção especial para “Aqueles dois – Edda e Galeazzo Ciano” de Wilma Labate e para “Warsha” de Dania Bdeir. Também foram premiados o Prêmio da Crítica e o Prêmio do Júri New Sguardi (clique aqui para ler todos os prêmios). COMPETIÇÃO DE LONGA-METRAGEM O júri das longas-metragens é presidido por Susanna Nicchiarelli e é composto por: Thomas TorelliDelegado da União Budista Italiana. Marina PipernoDelegado da União das Comunidades Judaicas Italianas (UCEI). Wael FarouqDelegado da Comunidade Religiosa Islâmica Italiana (COREIS), Adam AntonacciDelegado da Associação de Cinema Protestante. Prêmio Tertio Millennio Film Fest de melhor longa-metragem para "O Pacto do Silêncio", de Laura Wandel. Motivação: “Por nos ter mergulhado no mundo de uma menina, por nos ter contado como a infância pode ser atormentada e por nos ter oferecido, no final, um vislumbre de luz, uma luz necessária”. Menção especial para “Quei due – Edda e Galeazzo Ciano” de Wilma Labate: “Pela habilidade e inventividade com que cruza a história pessoal e a memória coletiva, narrando as personagens num crescendo dramático de circunstâncias de grande relevância e interesse”. COMPETIÇÃO DE CURTAS O júri da curta-metragem é presidido por Cyrus De Caro e é composto por: Vittorio Emanuele AgostinelliDelegado Pátio dos Gentios. jade brunoDelegado da União Budista Italiana. Adam BerardiDelegado da Comunidade Religiosa Islâmica Italiana (COREIS). Naomi Evelyn HondreaDelegado da Associação de Cinema Protestante. Prêmio Tertio Millennio Film Fest de melhor curta-metragem para “Lili Alone” de Zou Jing. Motivação: “Por ter conseguido contar com delicadeza, respeito e amor por uma personagem feminina forte e frágil ao mesmo tempo, pela pureza do olhar cinematográfico com que destaca as sombras até nos aspectos mais concretos de um distante e no ao mesmo tempo realidade muito próxima; por ter tirado corajosamente e sem julgamento o véu de um assunto que pode ser divisivo, colocando no centro a mesma pessoa que muitas vezes – em situações em que as mulheres se veem vendendo seus corpos – se perde. Por fim, por nos fazer refletir sobre os diferentes valores dados à vida e sobre as respostas de uma única mulher com quem não podemos fazer nada além de simpatizar; decidimos premiar Lili Alone como melhor curta-metragem: uma obra que, graças ao realismo do olhar, à crueza da direção e ao rigor com que o autor a encena, nos faz viver um drama sem querer consolar ou absolver , mas tem o mérito de nos deixar inquietos e cheios de dúvidas”. Menção especial para “Warsha” de Dania Bdeir: “Por conseguir mostrar uma visão bem-sucedida da rotina de um dia típico de um protagonista que esconde sua verdadeira essência até se ver dominando a cidade do alto de um perigoso guindaste e se abandonando ao chamado da música. Pela habilidade com que o curta-metragem consegue prender o espectador desde os primeiros quadros, com um ritmo crescente que o mantém colado por toda a duração. E porque a narrativa fala ao discurso atual sobre a fluidez do género ao colocá-lo num contexto em que é visto como um pecado ou uma coisa proibida, queremos recompensar Warsha com uma menção. Mohammed é um sírio que vive no Líbano, um trabalhador que adoraria se maquiar e dançar de macacão justo e salto agulha; isso não compromete sua devoção a Deus, demonstrada com a oração no guindaste, no final do curta. É o retrato de todos nós, cada um com as suas nuances, compromissos e aparentes contradições”. ...

Ler artigo
Migrantes, eu era estrangeiro: são necessários canais de entrada acessíveis

Migrantes, eu era estrangeiro: são necessários canais de entrada acessíveis

Roma (NEV), 7 de março de 2023 – A campanha Eu era estrangeiro, à qual também adere a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), intervém sobre a tragédia de Cutro. “Nos últimos dias houve apelos, com diferentes tons, à necessidade de gerir os fluxos migratórios e garantir a possibilidade de chegar a Itália de forma segura – lê-se numa nota hoje divulgada -. Como campanha fui estrangeiro, hoje sentimos a necessidade de esclarecer, na grande confusão de títulos, declarações, análises apressadas a que assistimos, sublinhando alguns pontos firmes da nossa visão quanto ao tema da entrada para trabalho que é o área com a qual lidamos.O primeiro ponto fixo é a obrigação – nacional, europeia, internacional – de garantir às pessoas que fogem canais seguros e dedicados que lhes permitam ser acolhidas e encontrar proteção. Por outro lado, no que diz respeito aos fluxos de trabalho, desde 2017, pedimos uma alteração profunda ao atual sistema de entrada, mais de vinte anos após a sua introdução, uma vez que não funciona, é de difícil acesso para homens e mulheres trabalhadoras, não consegue satisfazer as exigências do mundo produtivo - como sublinham as associações patronais de muitos sectores - e continua a criar e alimentar irregularidades e trabalho não declarado. Este é o segundo ponto fixo: hoje só pode entrar na Itália quem já tem contrato e exclusivamente dentro das cotas e setores de trabalho definidos pelo decreto de fluxo, não com base nas necessidades concretas das empresas. Na prática, o empregador deve enviar o trabalhador do exterior já com o compromisso de contratá-lo, mesmo que – presumivelmente – nunca o tenha visto. Além disso, não há como contratar e legalizar uma pessoa já presente na Itália, mas sem documentos, com quem talvez você já tenha uma relação de trabalho informal (como costuma acontecer no cuidado e no trabalho doméstico). Outro ponto fixo de nossa análise: o verdadeiro método de recrutamento e estabilização na Itália foi e continua sendo o recurso às anistias periódicas, como vimos a partir de 2002. Uma negação de facto das escolhas políticas feitas até agora e uma admissão de impotência”.Face a tudo isto, “pensamos que não são suficientes os ajustamentos mínimos feitos recentemente ao decreto de fluxos que, embora confirmem o aumento de quotas já previsto no ano passado, não põem em causa o mecanismo excessivamente rígido. Já a campanha Eu era um estranho propõe uma abordagem pragmática, que parte do que acontece na realidade. Identificamos duas intervenções de reforma: a introdução de canais de entrada mais flexíveis (como a introdução da figura do patrocinador ou de uma autorização de procura de emprego) que sejam verdadeiramente acessíveis aos trabalhadores de países terceiros e que, ao mesmo tempo, respondam a as necessidades do nosso mundo produtivo. Outra intervenção fundamental: a possibilidade de regularizar as pessoas já presentes na Itália se tiverem disponibilidade de trabalho, com um mecanismo de regularização individual, sem necessidade de nova anistia. Acreditamos que estes são os únicos caminhos a seguir para tentar limitar o uso de viagens com risco de vida e devolver a dignidade a quem, mesmo sem autorização de residência, contribui para o progresso social e económico do país. Oferecemos ao governo e a todo o parlamento essas ferramentas, resultado de anos de trabalho conjunto de inúmeras organizações e de discussões com os territórios e o mundo produtivo. Além das restrições às licenças: o objetivo comum só pode ser, finalmente, aquela reforma evocada por todos, mas nunca perseguida até o fim”. A campanha Eu era estrangeiro é promovida por: Radicais Italianos, Fundação Casa da Caridade “Angelo Abriani”, ARCI, ASGI, Centro Astalli, CNCA, A Buon diritto, CILD, Fcei – Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, Oxfam Italia, ActionAid Italia, ACLI , Legambiente Onlus, ASCS – Agência Scalabriniana de Cooperação para o Desenvolvimento, AOI, com o apoio de numerosos prefeitos e dezenas de organizações. Para informações e contactos: [email protected] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.