Presbiterianos americanos visitando a Itália

Presbiterianos americanos visitando a Itália

Roma (NEV), 6 de fevereiro de 2020 – Uma reunião com alguns expoentes da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos (PCUSA) aconteceu hoje em Roma, na sede da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália.

Na verdade, hoje em dia o valdense está na Itália Luciano Kovacscoordenador da área Europa e Oriente Médio da Missão Mundial da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos (PCUSA), pároco Elmarie ParkerPCUSA responsável pelo Iraque, Síria, Líbano e Irã e Burkhard Paetzoldpessoa de contato da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos para a Europa Central e Oriental.

Durante a manhã, os três representantes do PCUSA se reuniram com o presidente da FCEI, pastor Luca Maria NegroFCEI Coordenador do Programa de Migrantes e Refugiados, Mediterranean Hope, Paulo Nasodiretor da revista e centro de estudos Comparisons Cláudio Paravatio pastor Luca Barattosecretário executivo da FCEI, Fiona Kendall E Júlia Gorioperadoras da Mediterranean Hope.

No centro do encontro, uma comparação e troca de boas práticas sobre alguns temas particularmente caros à igreja dos EUA, incluindo paz, comércio justo e sustentável, igrejas minoritárias, migrações, que também serão objeto de outros compromissos internacionais durante 2020.

Amanhã a delegação dos Estados Unidos partirá para Palermo e outras cidades da Sicília, onde conhecerá comunidades e experiências eclesiais, incluindo, mais uma vez, o trabalho de Mediterranean Hope, com o Marta Bernardini.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Otto per mille aos valdenses e metodistas, compromisso e esperança

Otto per mille aos valdenses e metodistas, compromisso e esperança

Roma (NEV), 4 de maio de 2021 – A campanha Otto per mille está em andamento para as igrejas valdenses e metodistas. No centro está o tema da mudança: “Mudar o mundo, mudar a terra... e ninguém vai ficar no chão” é o slogan principal, ilustrado pelo cartunista e designer gráfico Takoua Ben Mohamed. O narrador é de Lella Costa e a campanha foi criada pela Web&Com di Sérgio Veludo. “Num momento tão difícil, marcado pela pandemia e exposto ao risco de miopia, miopia, queremos passar uma mensagem de esperança e empenho, que sabe olhar longe, com confiança, no espaço e no tempo – explica Alessandra Trotta, moderador da Mesa Valdense, em nota publicada hoje no site chiesavaldese.org -. Acreditamos que mudar o olhar sobre os outros e sobre as coisas é o primeiro passo para ajudar a mudar o mundo para melhor. No comercial de rádio e televisão, algumas mulheres testemunham o poder transformador da confiança na mudança, o motor do compromisso em favor dos outros. No final, a imagem, leve mas cheia de esperança, de uma criança pendurada num balão que o levanta, enquanto o slogan remete para a responsabilidade de todos perante o mundo”. Em 2020 o Otto per mille atribuído à Igreja Evangélica Valdense - União das Igrejas Metodistas e Valdenses, com base nas assinaturas dos contribuintes, atingiu a cifra de 42,8 milhões de euros. Cerca de 800 projetos na Itália e 450 no exterior foram financiados com esse recurso. Oito milhões de euros foram alocados para financiar intervenções de saúde para terapias ou ações para combater a propagação do COVID 19 e apoiar a recuperação do país a partir das necessidades dos sujeitos mais desfavorecidos ou vulneráveis. Crescem as participações investidas em “projectos de promoção de modelos de partilha e solidariedade humana como os da habitação social; e o apoio a projetos de integração de pessoas com deficiência e de apoio às suas famílias, entre as mais afetadas nos últimos anos pela redução dos recursos sociais”, explicam os promotores. Mantém-se também o “significativo compromisso de apoio ao projeto dos corredores humanitários”, promovido pela Junta Valdense com a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e a Comunidade de Sant'Egidio, e outros projetos em favor dos refugiados e migrantes, “na direção do desenvolvimento de sociedades abertas e inclusivas”. A parcela destinada a intervenções culturais também é expressiva. “Devido à pandemia, o setor da cultura está entre os que mais sofrem – continua Trotta -. Sentimos assim particularmente a responsabilidade de apoiar projetos teatrais e artísticos, de investigação e divulgação sobre temas importantes de compromisso civil e social. Valdenses e metodistas, por outro lado, possuem uma longa tradição de compromisso no campo da educação, salvaguardando e valorizando o patrimônio histórico e cultural e sempre afirmaram que a cultura é um recurso essencial também para o crescimento civil e democrático e para o crescimento econômico e desenvolvimento social do país". A campanha Otto per mille de 2021 para as Igrejas valdenses e metodistas termina com um apelo aos contribuintes: "Sua assinatura é a diferença". “Queremos sublinhar – conclui Trotta – que quem assina pelos valdenses e metodistas também apoia uma forma particular de gestão dos fundos Otto per mille, que podemos definir como transparente, laica e participativa: qualquer pessoa, com um simples acesso ao site www.ottopermillevaldese .org, pode verificar a quem se destinam os valores recebidos do Estado; nenhum euro é destinado ao culto; todos os anos centenas de associações, ONGs, comunidades de vários tipos nos oferecem projetos que financiamos, acompanhamos e monitoramos, porque nos sentimos parte de uma comunidade global de homens e mulheres que nos cinco continentes fazem o possível para mudar o mundo, como construtores de paz, justiça e desenvolvimento sustentável. Uma meta ambiciosa, mas é isso que nossa fé e nossa tradição nos sugerem”. Os custos totais da campanha são inferiores a 5% dos valores recebidos. Além da publicidade nos principais jornais, estão previstos comerciais de rádio e televisão e cartazes afixados em algumas cidades italianas. ...

Ler artigo
Conferência das Igrejas Europeias.  Simone De Giuseppe entra para o Conselho

Conferência das Igrejas Europeias. Simone De Giuseppe entra para o Conselho

Simone De Giuseppe Roma (NEV), 21 de junho de 2023 – A 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) foi encerrada ontem em Tallinn, Estônia. Entre as novidades, o novo Conselho Deliberativo, que conta também com o pastor batista Simone De Giuseppe, delegado da União das Igrejas Evangélicas Batistas da Itália (UCEBI). Fizemos algumas perguntas a ele. Entretanto, parabéns pela sua eleição para o Conselho de Administração da CEC. Quem está no Conselho além de você e quais são os compromissos de curto e médio prazo nos quais você estará envolvido? Foto Ulf Tjärnström / KEK Obrigado. Para mim é realmente uma honra poder servir e contribuir para o Conselho de Administração da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). O Conselho é composto por 20 pessoas: o novo presidente eleito, o arcebispo ortodoxo Nikitas de Tiateira e Grã-Bretanha do Patriarcado Ecumênico. Em seguida, a vice-presidência, formada por Inverno de DagmarBispo Anglicano de Huntingdon, da Igreja da Inglaterra, e pelo pastor protestante Frank Kopania, que vem da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). A Direcção é composta segundo uma lógica de equilíbrios. Assim, procura-se um equilíbrio entre homens e mulheres, entre diferentes confissões ou denominações cristãs, entre leigos e ordenados, entre as diferentes regiões de origem das igrejas que fazem parte da CEC na Europa e também entre as diferentes idades , de modo a ter uma pluralidade que reflita tanto quanto possível as igrejas pertencentes à CEC. Quanto aos compromissos, certamente voltaremos a nos encontrar em novembro. Serão estabelecidos papéis e áreas de competência dentro do Conselho e então tentaremos começar a discutir e trabalhar o que foi deliberado pela Assembleia: estratégias, objetivos, cuidado com as relações com instituições e igrejas. A CEC é um organismo que reúne igrejas diferentes entre si pela confissão e tradição, mas também pela consistência numérica (minoria/maioria), ou pela localização geográfica que inevitavelmente influencia as prioridades do testemunho evangélico. Se é fácil apontar as diferenças, o que representou a unidade dos cristãos europeus nesta Assembleia? Certamente existem muitas diferenças entre as igrejas pertencentes à CEC, mas o que realmente as une é a perspectiva ecumênica comum de viver a fé. Portanto, há uma abertura ao diálogo e ao confronto entre diferentes tradições e teologias. Ao mesmo tempo, existe a consciência de fazer parte do único corpo de Jesus Cristo, no qual cada membro, cada igreja, é parte fundamental. Nenhum corpo pode funcionar perfeitamente se uma parte, mesmo que escondida e pequena, não funcione. Todo o corpo seria afetado. Esta consciência de fazer parte do único corpo de Cristo é o que verdadeiramente une as igrejas CEC. O documento sobre questões públicas fala sobre: ​​justiça climática, Ucrânia, migrantes. Você pode nos dizer algo mais? No que diz respeito à justiça climática, ela foi trazida ao conhecimento da Assembleia, sobretudo pelas gerações mais jovens, que escreveram uma moção sobre o assunto. A moção destaca a urgência de enfrentar a crise climática a partir da consciência de que ela é causada pela ação humana, pelas injustiças e pelo sistema econômico que atualmente rege a lógica mundial. A CEC comprometeu-se nesta Assembleia a reduzir o seu impacto ambiental, pelo menos nas suas atividades, nos próximos cinco anos. Quanto à guerra na Ucrânia, esse foi um assunto muito discutido na Assembleia. Houve duas sessões plenárias para ouvir as vozes das pessoas que estão na Ucrânia, ou que fugiram da guerra, ou que vivem em países vizinhos. Foi votada uma declaração condenando a agressão militar russa em território ucraniano. O KEK manifestou solidariedade e apoio à população ucraniana, com o compromisso de levar por diante um caminho de diálogo para poder encontrar uma paz justa o mais rapidamente possível e encorajar todas as iniciativas que visem a reconciliação entre os sujeitos envolvidos . Finalmente, o tema das migrações. Logo no início da Assembléia houve outro trágico naufrágio na costa da Grécia, matando mais de 500 pessoas. Isso tocou muito as pessoas que compareceram à Assembleia da CEC, que quiseram se expressar com uma declaração específica. A CEC pretende continuar a apoiar as Organizações que trabalham com a questão da migração, trabalhar em parceria tanto quanto possível e continuar a reflexão com as igrejas constituídas sobretudo por migrantes de outros continentes, comunidades que já fazem parte da geografia das igrejas europeias. Foto Ulf Tjärnström / KEK O lema da Assembleia foi “Moldar o futuro”. Que forma de futuro emergiu da Assembléia? O lema da assembléia foi "sob a bênção de Deus dando forma ao futuro" e, portanto, que forma de futuro emergiu da assembléia na realidade sem forma, de fato, tentamos desmantelar o conceito de que, como igrejas cristãs, é possível controlar o futuro da 'Europa. em vez disso, queríamos dar uma mensagem contra a maré a respeito de uma sociedade que através das tecnologias torna-se cada vez mais capaz de controlar a vida das pessoas e a organização de tudo e, em vez disso, colocar tudo de volta nas mãos de Deus ouvindo o que o Senhor pode comunicar ao igrejas para permanecer abertos ao novo, para mudar sabendo que o futuro pertence a Deus e somente a Deus e que somente sob sua bênção pode se concretizar a partir do testemunho das igrejas. Na coletiva de imprensa final, o recém-eleito presidente Nikitas usou três palavras-chave: fé, esperança e amor. Em seguida, acrescentou uma mensagem de grande fé nas novas gerações. Na sua opinião, como podemos dar corpo e alma a um pacto intergeracional que dê verdadeiramente voz e liberdade de ação às gerações mais novas? A Assembleia contou com uma boa participação das gerações mais jovens, que também encontraram voz durante os trabalhos. No entanto, essa voz ainda não é forte o suficiente para afetar as políticas e a vida do CEC. E, portanto, o que fazer para realmente dar voz e liberdade de ação às novas gerações? Certamente uma coisa que pode ser feita é garantir uma participação para eles nas principais comissões do CEC, a começar pela Diretoria. Ao mesmo tempo, o KEK precisa fortalecer as relações e aproveitar as experiências e atividades das várias organizações cristãs europeias que já realizam um grande trabalho durante o ano. E que tratam de questões mais próximas da sensibilidade das gerações mais novas. Veja todas as fotos oficiais da Assembleia KEK 2023. Leia todos os novos insights sobre o KEK. ...

Ler artigo
Para uma liturgia doméstica, um dom de Hospitalidade Eucarística

Para uma liturgia doméstica, um dom de Hospitalidade Eucarística

"A Ceia do Senhor" do artista ucraniano Vladimir Sakhnenko Roma (NEV), 24 de dezembro de 2020 – Este é um presente de Natal. “Hospitalidade Eucarística” é um boletim cujas páginas refletem sobre a aceitação recíproca da “Santa Ceia Protestante” e da “Eucaristia Católica”. A edição de dezembro está disponível em pdf, no rodapé desta página, cortesia dos editores Margarida Ricciuti (valdense) e Pedro Urciuoli (Católico). Editado por alguns membros do grupo ecumênico "Partindo o Pão", que inclui crentes protestantes e católicos, o folheto explora experiências e práticas ecumênicas. O grupo, nascido no campo ecumênico em 2011 em Turim, envolve igrejas, mosteiros e paróquias e produziu um interessante questionário sobre o tema em 2017. Esta edição da "Hospitalidade Eucarística" constrói-se "nesta conjuntura imprevisível" com as questões que trouxe à tona como "o encerramento preventivo de muitos locais de culto com inevitáveis ​​repercussões na partilha da Ceia do Senhor, e as medidas pessoais recomendado pela prudência que aconselha a evitar sair – lê-se na apresentação -. Estas precauções tornaram a (re)descoberta da liturgia doméstica mais atual do que nunca; uma modalidade que, como nos conta em seu depoimento Fredo Olivero, um padre católico de Turim, também graças à tecnologia, em sua opinião, pode permitir que as pessoas participem de serviços religiosos, reduzindo também a distância entre católicos e outros cristãos. O pastor valdense Gênero Gianni e o bispo católico Derio Olivero enviou-nos as suas comunicações às duas comunidades católica e valdense de Pinerolo e dos vales circundantes, tendo criado um verdadeiro laboratório ecuménico por ocasião da pandemia, tanto mais significativo quanto diz respeito precisamente aos lugares onde, nos séculos passados, os principais conflitos entre as duas comunidades. Este número também traz a narração da primeira apresentação do livro 'Hospitalidade eucarística: a caminho da unidade dos cristãos'”. O livro citado trata do tema da hospitalidade eucarística a partir do documento A Ceia do Senhor, assinado por Paulo rico E João Cereti, onde se expressam as razões que sustentam esta prática. Também inclui contribuições sobre o assunto de perspectivas católicas, ortodoxas, luteranas, batistas, metodistas, valdenses, adventistas, anglicanas e pentecostais. “O termo 'hóspede' indica tanto aquele que oferece hospitalidade como aquele que a recebe, pois ambos os sujeitos, embora com papéis diferentes, estão unidos por um valor superior: a hospitalidade – lê-se no subtítulo da folha -. Assim, a 'hospitalidade eucarística' é uma forma de dizer que somos todos hóspedes do único Senhor que nos acolhe e acolhe com todas as nossas diferenças. A Ceia pertence ao Senhor, não às Igrejas”. Baixe a edição clicando aqui: OE – N 23 – Dezembro 2020 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.