Quinta-feira, 14 de maio, a oração anti-covid mundial

Quinta-feira, 14 de maio, a oração anti-covid mundial

Foto Albin Hillert – CEC 2019

Roma (NEV), 8 de maio de 2020 – O secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), padre Ioan Sauca, convida todas as igrejas-membro a observar o dia global de oração na quinta-feira, 14 de maio. Esta é uma iniciativa conjunta do Comitê Superior para a Fraternidade Humana, do qual o CMI faz parte, para pedir a Deus “orações e súplicas” para acabar com a pandemia do COVID-19. O apelo é dirigido a todos os líderes religiosos e povos de todo o mundo.

“Muitas pessoas estão experimentando medo e incerteza, além de trauma, separação, isolamento e até morte em suas famílias ou em suas comunidades eclesiais”, disse Sauca.

“Enquanto continuamos passando por esta crise global de saúde, a unidade do mundo através da oração reflete nossa disposição de cuidar uns dos outros – continuou o secretário interino -. As igrejas membros do CMI podem, cada uma de acordo com sua tradição e onde se encontram, apoiar umas às outras, cuidar das necessidades dos outros e fortalecer nossa única família humana”.

Na chamada mundial de orações, o comitê disse: “Todos, onde quer que estejam e de acordo com os ensinamentos de sua religião ou fé, devem implorar a Deus que nos livre e ao mundo inteiro desta pandemia, que nos salve desta adversidade”.

A convocação do comitê também destaca a importância de pedir a Deus “que inspire os cientistas a encontrar uma cura que possa reverter esta doença e salvar o mundo inteiro das repercussões sanitárias, econômicas e humanas desta grave pandemia”.

A comissão também sugere dedicar um dia “aos jejuns, às obras de misericórdia, às orações e às súplicas, pelo bem de toda a humanidade”.

O Comitê Superior para a Fraternidade Humana foi criado no ano passado como uma resposta concreta ao Documento de mesmo nome assinado em Abu Dhabi em fevereiro de 2019 por Papa Francisco e o Grande Imam, Ahmad Al-Tayyebna conclusão do fórum inter-religioso no Memorial do Fundador, que também contou com a presença do secretário cessante do CMI, pároco Olav Fykse Tveit.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Munib Younan: Ore para que os cristãos permaneçam na Terra Santa

Munib Younan: Ore para que os cristãos permaneçam na Terra Santa

Munib Younan Roma (NEV), 22 de dezembro de 2010 – Nos dias 15 e 16 de dezembro, o presidente da Federação Luterana Mundial (FLM), bispo Munib Younan, liderou uma delegação da FLM a Roma em visita à Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) e ao Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. No Vaticano, a delegação luterana teve uma audiência com o Papa Bento XVI. Durante sua estada em Roma, entrevistamos Younan, que também é bispo da Igreja Evangélica Luterana na Terra Santa. Nas palestras realizadas no Vaticano, que temas o senhor abordou? Antes de mais, gostaria de recordar que no verão passado a Assembleia Geral da FLM elegeu o seu novo Conselho, que agora inclui vários novos membros, incluindo eu próprio. Foi, portanto, para muitos, a primeira visita ao Vaticano na qualidade de conselheiros da FLM. Por isso, no encontro que tivemos com o Papa Bento XVI, primeiro confirmamos as boas relações entre nossas igrejas e reafirmamos a importância do diálogo entre luteranos e católicos. Diálogo que deu seu maior fruto na Declaração Conjunta sobre a Justificação pela Fé de 1999, e que claramente queremos continuar. Também destacamos a boa cooperação entre nossas igrejas em matéria de diaconia e defesa dos direitos dos mais fracos. Pessoalmente, apreciei a maneira como Bento XVI abordou a questão da recessão global, enfatizando como suas repercussões mais graves afetam os pobres do mundo. Por fim, levantamos um tema polêmico: o da Eucaristia. Nossa esperança como luteranos é que em 2017, ano em que celebramos os 500 anos da Reforma Protestante, tenhamos uma declaração conjunta sobre a hospitalidade eucarística. Além de ser presidente mundial dos luteranos, o senhor também é bispo da Igreja Luterana na Terra Santa. Com base em sua experiência, quais são os desafios enfrentados pelos cristãos no Oriente Médio hoje e o que outras igrejas cristãs podem fazer para ajudá-los? Quando se trata do Oriente Médio, não se pode fazer um pacote de tudo. Cada nação tem problemas específicos. No momento, a situação que mais preocupa é a dos cristãos no Iraque, que são perseguidos por pertencerem à sua fé. No entanto, também estou muito preocupado com o que está acontecendo no Egito e no Sudão. Na Terra Santa, incluindo a Jordânia, existe, ao contrário, liberdade religiosa da qual também nós, cristãos, desfrutamos. Acima de tudo, peço às igrejas cristãs do mundo que rezem para que os cristãos permaneçam na Terra Santa. Uma Terra Santa sem cristãos não teria sentido. Então nos ajude a ficar! De fato, há algumas coisas que podem fortalecer os cristãos na Palestina e no Oriente Médio. Acima de tudo, as igrejas podem nos ajudar a formar nossos jovens, garantir-lhes uma educação. A educação pode transformar o mundo de um lugar de conflito e extremismo para um lugar de paz e moderação. Também pedimos às igrejas cristãs do mundo que encorajem a moderação em tempos de extremismo. Não precisamos de pessoas que inflamem ainda mais os conflitos em que vivemos. Finalmente, é essencial que os cristãos falem sempre pela justiça e pela paz, pela reconciliação e pelo perdão. Durante sua viagem à Itália, ele também se reuniu com representantes da Igreja Evangélica Luterana na Itália. Que mensagem isso trouxe para eles? Como presidente da Federação Luterana Mundial, era natural para mim visitar os irmãos e irmãs luteranos na Itália. Nós os encontramos e ouvimos seus testemunhos: agradeço pessoalmente ao Senhor por seu compromisso ecumênico e por seu compromisso em favor dos direitos dos migrantes, realizado através de seu apoio à Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI). Nesses dois caminhos, quero incentivá-los a continuar e a serem um exemplo para outras igrejas minoritárias. Mesmo que os luteranos na Itália sejam uma pequena minoria, quero dizer-lhes que a força da igreja nunca está nos números, nas propriedades que possui, nas contas bancárias ou no poder político que pode ter, mas sempre reside em ser testemunhas de coisas vivas de nosso Senhor Jesus. ...

Ler artigo
igrejas européias.  Os desafios para os direitos humanos em tempos de coronavírus

igrejas européias. Os desafios para os direitos humanos em tempos de coronavírus

Roma (NEV), 6 de julho de 2020 - Haverá também o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negroentre os palestrantes da 7ª edição da "Escola de verão" sobre direitos humanos organizada pela Conferência das Igrejas da Europa (KEK) juntamente com a Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). O título desta edição, que decorrerá de 7 a 10 de julho de 2020 em modo online, é: “Os desafios para os direitos humanos em tempo de covid-19”. O Presidente Negro participará da primeira sessão do segundo dia, quarta-feira, 8 de julho, sobre o tema dos desafios para as igrejas da CEC no momento do coronavírus, especificamente na área de liberdade de religião ou crença e outras direitos fundamentais. “Nos países democráticos da Europa – lê-se no programa da manhã – a democracia, os direitos humanos e o estado de direito são administração ordinária. Em tempos normais, o direito à liberdade de religião ou crença é um dado adquirido pela maioria das pessoas na Europa. Durante a pandemia, os governos europeus reagiram de várias maneiras, limitando o direito à liberdade de religião ou crença. Algumas tradições, como a ortodoxa (relativa à prática milenar da "colher compartilhada" para receber a comunhão), levantaram questões sobre se a comunhão é uma fonte de saúde ou doença. Em algumas tradições protestantes, a adaptação a novas formas de culto tem se mostrado difícil”. Em 3 webinars, diferentes igrejas do CEC apresentarão suas experiências e reações, em relação à liberdade de religião ou crença, e como vários países europeus tentaram derrogar as normas de direitos humanos, para investigar as consequências. O pároco da EKD moderará o debate Patrick Schnabel com Kieryn Wurtsda Federação Batista Europeia (EBF). Além do pastor Luca Negro, que participará pela Itália, estará presente o pastor Christian KriegerPresidente do CEC, da França; Emanuel-Pavel Tavala Da Romênia; o bispo da Igreja Evangélica Católica Apostólica Lusitana de Portugal Jorge Pina CabralPresidente do Conselho Português das Igrejas Cristãs (COPIC), o pároco Daniel Topalskida Igreja Metodista Unida na Bulgária. A Escola de Verão CEC sobre Direitos Humanos ocorre em um local europeu diferente a cada ano. Este ano decorrerá em modo online devido à pandemia de covid-19. Esta escola de verão é implementada com contribuições das igrejas membros do CEC e apoiada pela Arquidiocese Ortodoxa Grega de Tiateira e Grã-Bretanha. Baixe o programa completo aqui: ...

Ler artigo
“A Terra Desconhecida”.  2º encontro do Galo Verde em Milão e online

“A Terra Desconhecida”. 2º encontro do Galo Verde em Milão e online

Foto Hossam M. Omar / Unsplash Roma (NEV), 8 de abril de 2022 – O segundo encontro do ciclo promovido pelo Centro Cultural Protestante e o Galo Verde da Igreja Valdense de Milão acontece na sexta-feira, 8 de abril, às 18h. Título da exposição: "O grito da Criação: Ciência, Teologia e Responsabilidade". Especialistas seculares, jornalistas, filósofos, estudiosos das Sagradas Escrituras discutem essas questões. “A terra desconhecida” é o tema de hoje, com duas sessões de aprofundamento. A primeira, "A terra está viva", conta com a participação de Paolo Pilari, professor de planejamento urbano e design no Politecnico di Milano. “Em uma colher de chá de terra existem nove bilhões de existências microscópicas, entre raízes, fungos, larvas, bactérias... sufocadas pelo asfalto e pelo concreto”, escrevem os organizadores. A segunda sessão é, em vez disso, "Guardiões do jardim, não mestres". Uma meditação sobre o dom do divino com Gabriel Arósiopastor da Igreja Evangélica Batista de Bollate e educador profissional. No rodapé da página todas as informações para participar. A revisão terminará na segunda-feira, 9 de maio, com uma reunião sobre "O sopro verde da vida". A sessão anterior, com Francesca Dalrì, Isabella d'Isola e Daniela di Carlo, teve como título “Animais como nós”. A gravação está disponível no YouTube abaixo. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=XLq41b-c5vI[/embed] Informações e reservas A apresentação da iniciativa diz: “Queimamos florestas envenenando o ar, aprisionamos os animais de que nos alimentamos em jaulas que tornamos invisíveis aos olhos. Selamos o solo sob concreto e asfalto. A que futuro condenamos hoje tão rapidamente, e com tempo irreversível, as gerações vindouras?”. E ainda: “Por um lado falaremos de uma fé que encontra inspiração e razão de agir nas dificuldades do presente em suas antigas raízes. Por outro lado, há competências científicas que se opõem à narrativa agora negada, assente numa ideia de progresso sem limites, até à catástrofe”. As reuniões são realizadas na sala Claudiana do templo valdense de Milão, na via Francesco Sforza 12/a, às 18h. . Na presença, obrigatoriedade do uso de máscara Ffp2 e Passe Verde reforçado. Online, será possível acompanhar a live pelo canal do YouTube neste link ou na página do Facebook do Centro Cultural Protestante. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.