Quinta-feira, 14 de maio, a oração anti-covid mundial

Quinta-feira, 14 de maio, a oração anti-covid mundial

Foto Albin Hillert – CEC 2019

Roma (NEV), 8 de maio de 2020 – O secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), padre Ioan Sauca, convida todas as igrejas-membro a observar o dia global de oração na quinta-feira, 14 de maio. Esta é uma iniciativa conjunta do Comitê Superior para a Fraternidade Humana, do qual o CMI faz parte, para pedir a Deus “orações e súplicas” para acabar com a pandemia do COVID-19. O apelo é dirigido a todos os líderes religiosos e povos de todo o mundo.

“Muitas pessoas estão experimentando medo e incerteza, além de trauma, separação, isolamento e até morte em suas famílias ou em suas comunidades eclesiais”, disse Sauca.

“Enquanto continuamos passando por esta crise global de saúde, a unidade do mundo através da oração reflete nossa disposição de cuidar uns dos outros – continuou o secretário interino -. As igrejas membros do CMI podem, cada uma de acordo com sua tradição e onde se encontram, apoiar umas às outras, cuidar das necessidades dos outros e fortalecer nossa única família humana”.

Na chamada mundial de orações, o comitê disse: “Todos, onde quer que estejam e de acordo com os ensinamentos de sua religião ou fé, devem implorar a Deus que nos livre e ao mundo inteiro desta pandemia, que nos salve desta adversidade”.

A convocação do comitê também destaca a importância de pedir a Deus “que inspire os cientistas a encontrar uma cura que possa reverter esta doença e salvar o mundo inteiro das repercussões sanitárias, econômicas e humanas desta grave pandemia”.

A comissão também sugere dedicar um dia “aos jejuns, às obras de misericórdia, às orações e às súplicas, pelo bem de toda a humanidade”.

O Comitê Superior para a Fraternidade Humana foi criado no ano passado como uma resposta concreta ao Documento de mesmo nome assinado em Abu Dhabi em fevereiro de 2019 por Papa Francisco e o Grande Imam, Ahmad Al-Tayyebna conclusão do fórum inter-religioso no Memorial do Fundador, que também contou com a presença do secretário cessante do CMI, pároco Olav Fykse Tveit.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Suíço.  Primeira mulher presidente da Igreja Evangélica Reformada

Suíço. Primeira mulher presidente da Igreja Evangélica Reformada

Rita Famos, recém-eleita presidente do ESRB Roma (NEV/voceevangelica.ch), 2 de novembro de 2020 – a pastora Rita Famosa ela é a primeira mulher a liderar uma grande comunidade de fé na Suíça. O sínodo da Igreja Evangélica Reformada na Suíça (ESRB) elegeu esta manhã seu presidente durante sua sessão ordinária de outono. Famos, candidato apresentado pela Igreja Reformada de Zurique, obteve 47 votos (a maioria absoluta foi de 40 votos) no primeiro turno. O novo presidente permanecerá no cargo até 2022 e poderá se reeleger por mais quatro anos. Para o teólogo evangélico romano Isabelle Graesslé, outro candidato, recebeu 25 preferências. O Sínodo do ESRB ocorreu digitalmente em cumprimento às medidas anti-Covid. Rita Famos, 54, concorreu à presidência há dois anos. Ativa na igreja reformada por quase trinta anos, ela também presidiu a cerimônia ecumênica que reafirmou o reconhecimento mútuo do batismo por todas as igrejas cristãs na Suíça (Riva San Vitale, abril de 2014). Na época, Rita Famos era presidente da Comunidade Operária de Igrejas Cristãs na Suíça. De 2013 até o presente, ele chefiou o departamento que coordena o setor de cuidado pastoral da igreja cantonal reformada de Zurique. Para mais informações, leia o artigo de Paulo Tognina em voceevangelica.ch ...

Ler artigo
“Desenvolvendo uma religião de liberdade”

“Desenvolvendo uma religião de liberdade”

Detalhe da capa do livro "Os pentecostais na Itália. Leituras, perspectivas, experiências", editado por Carmine Napolitano para as edições Claudiana - Roma (NEV), 6 de março de 2023 – Terceiro episódio do Especial liberdade religiosa da Agência NEV, para retomar os temas da conferência "Pluralismo religioso, fundamentalismos, democracias” realizada recentemente em Roma. A conferência foi promovida pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Centro de Estudos e Revisão Confronti, a Biblioteca Legal Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Após as primeiras entrevistas, um Paulo Naso está em Ilaria Valenzié a vez do presidente Federação das Igrejas Pentecostais (FCP), pároco carmim napolitano. Na conferência "Pluralismo religioso, fundamentalismos, democracias”, realizada recentemente em Roma, falou-se da liberdade religiosa como questão cultural. O que você acha? Acredito que a liberdade religiosa na Itália sempre foi principalmente uma questão cultural. Em nosso país, é muito difícil imaginar formas de cultura e prática religiosa diferentes da maioria e mesmo quando isso é reconhecido, a confissão religiosa majoritária é considerada como parâmetro de avaliação jurídica inclusive das demais confissões religiosas. A conferência destacou como é complicado, em todos os níveis, chamar a atenção política e cultural para o pluralismo religioso que já constitui um fato vivenciado diariamente em diferentes contextos, como escolas; e isso favorece um sério atraso também na aplicação da legislação ligada ao direito à liberdade religiosa, apesar das amplas e claras disposições constitucionais. Os meios de comunicação de massa e as academias correm o risco de retratar os fenômenos religiosos de maneira superficial ou abstrata ou, em todo caso, distante da realidade? Por que, na sua opinião? Exatamente pelos motivos citados. A defasagem cultural na compreensão e legitimação da diversidade religiosa produz desinteresse e estrabismo na leitura do pluralismo religioso. Você acha que em um artigo científico de um ano atrás em uma renomada revista jurídica eu li que Lutero era um heresiarca! E em um manual de história moderna ler que o princípio da cuius regio eius et religio sancionado com a paz de Augusta em 1555 deve ser considerado o primeiro ato jurídico de liberdade religiosa na Europa moderna. Se essas mensagens são transmitidas nas universidades onde se formam as classes dominantes, o que queremos esperar que digam os alunos que ouviram essas coisas quando se tornarem operadores dos meios de comunicação de massa ou divulgadores científicos e culturais? Em suma, muitas vezes falta uma abordagem séria e qualificada para a leitura do pluralismo religioso e acabamos falando dele por boatos, por slogans e usando terminologia ultrapassada e ofensiva. Quantas comunidades a Federação das Igrejas Pentecostais representa? Atualmente existem mais de 400 comunidades locais ligadas à Federação por diversos motivos; muitos deles fazem parte de redes nacionais e algumas dessas redes também têm reconhecimento legal. Mas a Federação representa apenas uma parte do mundo pentecostal na Itália, que é muito mais amplo e estima-se que cerca de 500.000 pessoas adiram a ela, se levarmos em conta também as comunidades formadas por imigrantes. Que tipo de dificuldades as Igrejas pentecostais encontram para professar sua fé, do ponto de vista jurídico e prático? Na Itália sempre houve um 'caso pentecostal' quando se tratava de medir a profundidade ou o progresso da liberdade religiosa. Os pentecostais foram uma 'chance' quando tiveram que enfrentar o regime fascista em uma luta desigual e solitária; foram quando, depois da guerra, tiveram que sofrer a discriminação dos primeiros governos republicanos, fornecendo muito material para a batalha relativa à liberdade religiosa que naqueles anos era travada nos meios de comunicação, nos tribunais e no Parlamento; são hoje porque não conseguem ver reconhecida a sua pluralidade e diversidade. Em suma, é difícil compreender a sua articulação múltipla Se considerarmos a vastidão do movimento, a sua difusão pelo mundo e a pluralidade de experiências eclesiais anteriores que nele convergiram dada a sua transversalidade como movimento de despertar, compreendemos que configura-se como um mundo variado de grupos, organizações e sujeitos eclesiais que deram vida a um denominacionalismo pentecostal específico; neste mundo existem referências culturais e teológicas homogêneas, mas também posições às vezes marcadamente diferentes umas das outras. E tudo isso não é superado pelo fato de algumas organizações pentecostais também terem conquistado reconhecimentos jurídicos de outros perfis; porque há muitos mais esperando. O que você sugeriria à política para ampliar o horizonte da liberdade religiosa na Itália, especialmente diante do que Paolo Naso chama de “político” dos “tempos que não estão maduros” e das “outras prioridades”? Concordo plenamente com a análise de Paolo Naso; a política está terrivelmente atrasada em relação aos desafios e exigências do pluralismo religioso neste país, tanto em termos quantitativos (já somos 10% da população que professa uma fé religiosa diferente da maioria) como em termos de qualidade, dado o recente a pesquisa realizada por Naso juntamente com outros na Lombardia sobre a relação entre imigração e locais de culto leva a considerar as comunidades religiosas como capital social. Mas o despreparo da política diante dessas mudanças é desarmante; é urgente lançar mão de uma lei de liberdade religiosa que seja capaz de implementar adequadamente os princípios constitucionais sobre a matéria. Por mais de trinta anos, porém, esse desejo não foi realizado. Acredito que para criar uma norma devemos nos referir a um princípio e para ter um princípio devemos nos referir a um valor; em outras palavras: uma lei sobre liberdade religiosa exige a crença no direito à liberdade religiosa e esse direito deve ser fundamentado na concepção da liberdade como um valor. Em suma, a liberdade religiosa só pode ser verdadeiramente concebida e realizada numa sociedade e numa cultura que saibam desenvolver uma religião de liberdade. Consulte todos os insights do Especial liberdade religiosa. ...

Ler artigo
O Sínodo dos Luteranos de 28 de abril a 1º de maio

O Sínodo dos Luteranos de 28 de abril a 1º de maio

Roma (NEV), 26 de abril de 2022 - A 23ª sessão do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) acontecerá em Roma de 28 de abril a 1º de maio de 2022, no hotel Villa Aurelia, Via Leone XIII, 459. O mais alto órgão de soberania do CELI regressa assim à presença que, este ano, assistirá à eleição de um novo Reitor e à despedida do anterior P. Heiner Bludau que guiou a Igreja durante a pandemia. Composto por mais de 50 membros deliberativos, o Sínodo também receberá vários convidados do mundo protestante italiano e europeu. Como de costume, o Sínodo terá um tema de referência que, para a sessão de 2022, será: “Liberdade e responsabilidade”. “A partir da admoestação do apóstolo Paulo, os cristãos são chamados à liberdade para permanecer livres: Cristo libertou-nos para a liberdade. Um compromisso antigo que hoje assume características novas e significativas não só depois de um período em que as liberdades individuais tiveram de se readaptar progressivamente às regras de contenção do contágio; mas, ainda mais, num momento histórico em que a liberdade dos povos, as liberdades coletivas, correm o risco de ser silenciadas pelas guerras, antigas e novas, pelo desespero, pela morte”, lê-se na apresentação da nomeação evangélica. A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) nasceu logo após a Segunda Guerra Mundial, mas as comunidades que permitiram seu nascimento já estavam presentes na Itália desde 1650. Hoje existem 15 comunidades luteranas na Itália: "uma presença enraizada no país de norte a sul, realizada não só através do testemunho de fé que caracteriza esta confissão de protestantismo histórico, mas também e sobretudo através do compromisso civil e laical de apoiar ao próximo, cultural e social juntos”, continua o comunicado de lançamento do evento. Para mais informações: FACTSHEET A Igreja Evangélica Luterana na Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.