4 de dezembro, domingo da Diaconia para os corredores universitários

4 de dezembro, domingo da Diaconia para os corredores universitários

Foto ACNUR/Valerio Muscella

Roma (NEV), de 16 de novembro de 2022 a 4 de dezembro de 2022 será o “Domingo da Diaconia”. A nomeação anual dedicada à arrecadação da arrecadação para a Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD-Waldensian Diaconia) envolve todas as igrejas metodistas e valdenses, por ocasião do culto dominical. Quem quiser apoiar a iniciativa pode ir a todas as igrejas metodistas ou valdenses da Itália e participar do culto no domingo, 4 de dezembro.

Este ano a arrecadação irá apoiar o projeto “corredores universitários”, UNIversity CORridors for REfugees (UNICORE), dedicado ao direito dos refugiados ao estudo.

Foto ACNUR/Michele Cirillo

Ainda esta manhã, o grupo de beneficiários da quarta edição do projeto “corredores universitários” chegou a Fiumicino. São 13 alunas e 38 alunas, refugiadas residentes nos Camarões, Malawi, Moçambique, Níger, Nigéria, África do Sul, Zâmbia e Zimbabwe, que tiveram a oportunidade de chegar a Itália de forma regular e segura para continuarem os seus estudos em 33 universidades italianos.

A seleção parte das próprias universidades com base no mérito acadêmico e na motivação. A chamada, publicada em abril de 2022, oferece agora a possibilidade de frequentar um programa de mestrado de dois anos. 8 alunos são acolhidos pela Diaconia Valdense, juntamente com outros 12 alunos que chegarão nas próximas semanas.

“Desde 2019, a Diaconia Valdense, por meio dos Serviços de Inclusão, vem colaborando com o Ministério das Relações Exteriores, ACNUR – Agência da ONU para Refugiados, Caritas Italiana, Gandhi Charity, Centro Astalli e algumas universidades italianas em um projeto em favor de estudantes refugiados – lemos no comunicado de imprensa referente ao Domingo da Diaconia -. Além disso, uma vasta rede de parceiros locais assegura o apoio necessário durante os dois anos do mestrado, promovendo a integração de estudantes e alunas na vida universitária e social da área em que são acolhidos”.

Graças a este projeto, explica a Diaconia Valdense, “os estudantes que não têm possibilidade de continuar seus estudos no país em que encontraram proteção, podem aproveitar uma via de entrada regular e segura na Itália, obtendo um visto por motivos de estudo, e podem encontrar apoio e apoio para a entrada na vida académica e orientação para os serviços locais”.

A UNICORE continua o objetivo da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) de fortalecer os canais regulares de entrada de refugiados. O objetivo é alcançar uma taxa de matrícula de 15% em programas de ensino superior em países de primeiro asilo e países terceiros até 2030.

alguns números

Nascido em 2019, o projeto envolveu um total de 71 alunos e mais de 20 universidades. O primeiro ano, em fase “piloto”, envolveu 6 alunos e 2 universidades. Em 2020, participaram 20 estudantes de ambos os sexos e 11 universidades. Em 2021, os números mais que dobraram: 45 participantes e 24 universidades.

Para o ano de 2022, a UNICORE envolve 33 universidades italianas e mais de 50 estudantes masculinos e femininos.

“Além de organizar todos os aspectos logísticos, desde a pré-partida até a formatura, a Diaconia Valdese apoia estudantes e alunas em toda a sua jornada, dando suporte para a inclusão social e para enfrentar este desafio completamente novo e altamente desafiador – conclui o comunicado de imprensa -. Com a coleta coletada no domingo, 4 de dezembro, as igrejas poderão apoiar e fortalecer o compromisso da Diaconia Valdense em favor de jovens e alunas que vêm de uma história de conflito e desenraizamento, para dar um pouco de novo vigor a essa chama que alimenta as esperanças de um futuro de trabalho e paz através do estudo nas universidades italianas”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

#siamosale, a campanha Otto per mille da Igreja Luterana está em andamento

#siamosale, a campanha Otto per mille da Igreja Luterana está em andamento

Roma (NEV), 5 de maio de 2023 – “Tu és o sal da terra”, este é o versículo que, com a hashtag #siamosale, animará a campanha dos oito por mil da Igreja Luterana. Uma campanha que começou com uma viagem à descoberta das comunidades luteranas: o #saledellaterratour. As comunidades alcançadas por esta primeira viagem foram: Gênova, Ispra-Varese, Milão, Nápoles e Torre Annunziata. Uma jornada que continuará nos próximos meses com uma nova história. Comunidades, as luteranas, que se “identificam por um empenho particular e característico – como afirma a nota de lançamento da campanha -. Temas como natureza, convívio, hospitalidade, música, escuta, generosidade. Características que, como grãos de sal, dão sabor através do empenho possível também graças às assinaturas para a Igreja Evangélica Luterana na Itália”. "Antes de tudo, queríamos falar a linguagem da realidade - explica o gerente de comunicação da Igreja Luterana, Gianluca Fiusco – e queríamos fazê-lo partindo de dois elementos que são essenciais para o CELI: transparência e comprometimento. Transparência significou dizer as Comunidades como elas são: sem nenhuma intermediação que não fosse dada pelos rostos, pela voz, pelas palavras de quem vive, anima e constrói essas Comunidades. Por outro lado, o empenho envolveu um trabalho de descoberta que nos convenceu a não partir de um assunto elaborado e escrito no escritório; tanto quanto ouvir as histórias, os testemunhos, as pequenas e grandes histórias que caracterizam a vida real das comunidades luteranas na Itália”. A campanha será dividida em seis clipes que, a partir do dia 8 de maio, estarão disponíveis no canal do YouTube da Igreja Evangélica Luterana. A isso será adicionada uma página de destino www.ottopermilleluterano.org que conterá todas as informações sobre como apoiar e se inscrever no CELI; informações da campanha e materiais produzidos para a campanha. "Ser sal da terra (Mateus 5) – conclui Fiusco – significa muitas coisas. Significa tentar dar sabor tanto aos gestos que fazemos como ao empenho com que trabalhamos. Um sabor que, como o sal, se dissolve na realidade, na sociedade, não encobre seu sabor, suas identidades. Ele não os assimila mudando sua natureza. Torna-os vivos, belos, ricos: de vozes, de experiências, de escuta, de participação”. A história estará disponível no CeliPOD a partir do dia 5 de maio e nas redes sociais dos Luteranos, Facebook e Instagram. ...

Ler artigo
Celibato, obrigação ou escolha?  Paolo Ricca intervém no casamento de padres

Celibato, obrigação ou escolha? Paolo Ricca intervém no casamento de padres

Foto de Unsplash.com, por Karl Fredrickson @kfred Roma (NEV), 14 de janeiro de 2020 - A Agência NEV entrevistou o teólogo valdense Paulo rico sobre o celibato eclesiástico e os recentes pedidos do Sínodo da Amazônia para a abertura à ordenação de homens casados. Padres casados, qual é a posição dos protestantes? A posição é a escolhida pelos reformadores do século 16, que sustentavam que não havia razões bíblicas ou outras razões pelas quais os ministros, e particularmente os pastores comunitários, eram solteiros. Assim, os próprios reformadores, sem exceção, se casaram. O próprio Lutero, embora na verdade tenha se casado muito tarde, foi marido, tornando-se mais tarde pai de seis filhos e filhas. Joseph Ratzinger pediu a retirada da assinatura do livro do prelado guineense Robert Sarah, lançado na França com o título "Das profundezas de nossos corações". No volume há um ensaio introdutório do papa emérito que supostamente escreveu "Não posso ficar calado", pedindo a um Papa Francisco não permitir a ordenação sacerdotal de homens casados ​​proposta pelo Sínodo da Amazônia. O que você acha? Acho que o celibato é uma possibilidade, tanto para qualquer cristão, o cristão leigo, como para o cristão encarregado de um ministério, seja sacerdotal, pastoral, diaconal, doutoral ou outra forma de ministério apostólico. É uma possibilidade de que a Bíblia fala. Jesus aparentemente não era casado, mas a ideia de que existe uma incompatibilidade entre casamento e ministério de qualquer tipo na igreja, e estou falando de ministério masculino e feminino, porque isso obviamente também se aplica às mulheres, é uma ideia que tem sem raízes bíblicas. Se alguém se sente chamado a uma vida de solteiro, como dizem hoje, de solteiro, ótimo. Ninguém o proíbe. Também está previsto na carta aos Coríntios no capítulo 7, dedicado a esses assuntos. É uma possibilidade que, para ser autêntica, penso que deve permanecer livre. No momento em que se torna lei, torna-se obrigatório e afirma, como creio que Ratzinger sustenta, que existe uma relação ontológica, isto é, de substância, entre o celibato e o ministério sacerdotal ou pastoral (o que seria questionado, aliás negado ou em qualquer caso irreparavelmente comprometido pelo fato de ter uma relação conjugal ou matrimonial), esta afirmação é absolutamente, a meu ver, desprovida de qualquer fundamento bíblico e, portanto, com todo o respeito, desprovida de verdade e autoridade cristã. Não é algo que a fé cristã deva aceitar, esse é o ponto. Não é algo que deve ser obedecido em nome da fé. Naturalmente todas as posições são dignas de serem meditadas, nada nem ninguém é desprezado, mas não me apetece dizer mais nada. É uma opinião respeitável, como todas as outras, mas nada mais. Uma opinião que não tem nada específica e autoritariamente cristã. Na sua opinião, o celibato eclesiástico deveria ser abolido? O que deve ser abolido não é o celibato, mas a obrigação do celibato. A obrigação é o que trai a própria natureza do celibato. Não que alguém seja forçado a casar, mas o celibato também é uma violação dos direitos humanos. Quem aceita esta lei o faz de bom grado, de bom grado, por mil motivos espirituais, religiosos ou não religiosos. No entanto, assim como o celibato é um direito humano, o casamento também é um direito humano. Amar uma pessoa é um direito, não um crime. Todo mundo sabe que existe atração entre os sexos. E é uma coisa sacrossanta, a única coisa graças à qual a humanidade sobrevive. Sem isso, sem atração, não haveria futuro. O casamento pode complicar ou resolver problemas, como todas as situações humanas da vida. Não há mística do casamento, nem mística do celibato. O que aconteceria se o celibato fosse abolido? Se a obrigação do celibato fosse abolida, seria uma libertação. Seria entendido em todo o mundo que o ministério e o casamento (amor conjugal e familiar) podem ou não coexistir, mas não podem ser escolhas impostas. É claro que uma vida familiar infeliz, seja de pároco ou de sacerdote, pode repercutir negativamente no exercício do ministério, mas isso não justifica impor uma escolha. Ratzinger argumentaria em seu ensaio que no Antigo Testamento os padres tinham que prometer abster-se de qualquer ato sexual com suas esposas, vivendo como irmão e irmã. Eu não sabia, é muito estranho para mim acreditar, mas seria uma lei injusta. Por trás de tudo isso está a suspeita, para não dizer a crença, de que a sexualidade é pecaminosa em si mesma, de que qualquer que seja o ato sexual em que você se envolva, você peca. Porque o pecado está em algum lugar, misteriosamente. É uma ideia muito antiga, difundida também no cristianismo e, talvez, uma das razões pelas quais a renúncia à sexualidade foi entendida como o primeiro passo para a santidade. Mas essas são teorias fora da sagrada escritura. Não tenho sabedoria além do pouco que posso entender da Bíblia, onde nada disso existe. Pensemos no Cântico dos Cânticos. É um manifesto da sexualidade como graça divina, um dos dons mais belos que a humanidade pode experimentar. Paolo Ricca, teólogo, pastor valdense, professor emérito da Faculdade de Teologia Valdense, publicou numerosos ensaios e volumes, incluindo o livro “De monge a marido. Dois escritos sobre o casamento (1522 e 1530) de Martinho Lutero”, publicado por Claudiana. ...

Ler artigo
“A Terra Desconhecida”.  2º encontro do Galo Verde em Milão e online

“A Terra Desconhecida”. 2º encontro do Galo Verde em Milão e online

Foto Hossam M. Omar / Unsplash Roma (NEV), 8 de abril de 2022 – O segundo encontro do ciclo promovido pelo Centro Cultural Protestante e o Galo Verde da Igreja Valdense de Milão acontece na sexta-feira, 8 de abril, às 18h. Título da exposição: "O grito da Criação: Ciência, Teologia e Responsabilidade". Especialistas seculares, jornalistas, filósofos, estudiosos das Sagradas Escrituras discutem essas questões. “A terra desconhecida” é o tema de hoje, com duas sessões de aprofundamento. A primeira, "A terra está viva", conta com a participação de Paolo Pilari, professor de planejamento urbano e design no Politecnico di Milano. “Em uma colher de chá de terra existem nove bilhões de existências microscópicas, entre raízes, fungos, larvas, bactérias... sufocadas pelo asfalto e pelo concreto”, escrevem os organizadores. A segunda sessão é, em vez disso, "Guardiões do jardim, não mestres". Uma meditação sobre o dom do divino com Gabriel Arósiopastor da Igreja Evangélica Batista de Bollate e educador profissional. No rodapé da página todas as informações para participar. A revisão terminará na segunda-feira, 9 de maio, com uma reunião sobre "O sopro verde da vida". A sessão anterior, com Francesca Dalrì, Isabella d'Isola e Daniela di Carlo, teve como título “Animais como nós”. A gravação está disponível no YouTube abaixo. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=XLq41b-c5vI[/embed] Informações e reservas A apresentação da iniciativa diz: “Queimamos florestas envenenando o ar, aprisionamos os animais de que nos alimentamos em jaulas que tornamos invisíveis aos olhos. Selamos o solo sob concreto e asfalto. A que futuro condenamos hoje tão rapidamente, e com tempo irreversível, as gerações vindouras?”. E ainda: “Por um lado falaremos de uma fé que encontra inspiração e razão de agir nas dificuldades do presente em suas antigas raízes. Por outro lado, há competências científicas que se opõem à narrativa agora negada, assente numa ideia de progresso sem limites, até à catástrofe”. As reuniões são realizadas na sala Claudiana do templo valdense de Milão, na via Francesco Sforza 12/a, às 18h. . Na presença, obrigatoriedade do uso de máscara Ffp2 e Passe Verde reforçado. Online, será possível acompanhar a live pelo canal do YouTube neste link ou na página do Facebook do Centro Cultural Protestante. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.