4 de dezembro, domingo da Diaconia para os corredores universitários

4 de dezembro, domingo da Diaconia para os corredores universitários

Foto ACNUR/Valerio Muscella

Roma (NEV), de 16 de novembro de 2022 a 4 de dezembro de 2022 será o “Domingo da Diaconia”. A nomeação anual dedicada à arrecadação da arrecadação para a Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD-Waldensian Diaconia) envolve todas as igrejas metodistas e valdenses, por ocasião do culto dominical. Quem quiser apoiar a iniciativa pode ir a todas as igrejas metodistas ou valdenses da Itália e participar do culto no domingo, 4 de dezembro.

Este ano a arrecadação irá apoiar o projeto “corredores universitários”, UNIversity CORridors for REfugees (UNICORE), dedicado ao direito dos refugiados ao estudo.

Foto ACNUR/Michele Cirillo

Ainda esta manhã, o grupo de beneficiários da quarta edição do projeto “corredores universitários” chegou a Fiumicino. São 13 alunas e 38 alunas, refugiadas residentes nos Camarões, Malawi, Moçambique, Níger, Nigéria, África do Sul, Zâmbia e Zimbabwe, que tiveram a oportunidade de chegar a Itália de forma regular e segura para continuarem os seus estudos em 33 universidades italianos.

A seleção parte das próprias universidades com base no mérito acadêmico e na motivação. A chamada, publicada em abril de 2022, oferece agora a possibilidade de frequentar um programa de mestrado de dois anos. 8 alunos são acolhidos pela Diaconia Valdense, juntamente com outros 12 alunos que chegarão nas próximas semanas.

“Desde 2019, a Diaconia Valdense, por meio dos Serviços de Inclusão, vem colaborando com o Ministério das Relações Exteriores, ACNUR – Agência da ONU para Refugiados, Caritas Italiana, Gandhi Charity, Centro Astalli e algumas universidades italianas em um projeto em favor de estudantes refugiados – lemos no comunicado de imprensa referente ao Domingo da Diaconia -. Além disso, uma vasta rede de parceiros locais assegura o apoio necessário durante os dois anos do mestrado, promovendo a integração de estudantes e alunas na vida universitária e social da área em que são acolhidos”.

Graças a este projeto, explica a Diaconia Valdense, “os estudantes que não têm possibilidade de continuar seus estudos no país em que encontraram proteção, podem aproveitar uma via de entrada regular e segura na Itália, obtendo um visto por motivos de estudo, e podem encontrar apoio e apoio para a entrada na vida académica e orientação para os serviços locais”.

A UNICORE continua o objetivo da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) de fortalecer os canais regulares de entrada de refugiados. O objetivo é alcançar uma taxa de matrícula de 15% em programas de ensino superior em países de primeiro asilo e países terceiros até 2030.

alguns números

Nascido em 2019, o projeto envolveu um total de 71 alunos e mais de 20 universidades. O primeiro ano, em fase “piloto”, envolveu 6 alunos e 2 universidades. Em 2020, participaram 20 estudantes de ambos os sexos e 11 universidades. Em 2021, os números mais que dobraram: 45 participantes e 24 universidades.

Para o ano de 2022, a UNICORE envolve 33 universidades italianas e mais de 50 estudantes masculinos e femininos.

“Além de organizar todos os aspectos logísticos, desde a pré-partida até a formatura, a Diaconia Valdese apoia estudantes e alunas em toda a sua jornada, dando suporte para a inclusão social e para enfrentar este desafio completamente novo e altamente desafiador – conclui o comunicado de imprensa -. Com a coleta coletada no domingo, 4 de dezembro, as igrejas poderão apoiar e fortalecer o compromisso da Diaconia Valdense em favor de jovens e alunas que vêm de uma história de conflito e desenraizamento, para dar um pouco de novo vigor a essa chama que alimenta as esperanças de um futuro de trabalho e paz através do estudo nas universidades italianas”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Escuta, diagnóstico e tratamento

Escuta, diagnóstico e tratamento

Imagem retirada do flyer do curso "Escuta, diagnóstico e tratamento" com o pároco valdense Sergio Manna, organizado e promovido em colaboração com o Conselho das Igrejas Evangélicas do território romano - maio de 2023 Roma (NEV), 18 de maio de 2023 – Acaba de terminar em Roma o curso “Escuta, diagnóstico e tratamento” com o pastor valdense Sérgio Maná. Especialista em "Educação pastoral clínica" (CPE), Manna é capelão clínico e supervisor certificado no Faculdade de Supervisão Pastoral e Psicoterapia. O curso, que decorreu nas instalações da igreja valdense na via IV novembro - a mais antiga da capital, fundada após o rompimento da Porta Pia - foi organizado e promovido em colaboração com o Conselho das Igrejas Evangélicas do território romano. “É um módulo de três dias que venho propondo há vários anos – explica Sergio Manna -. Existem cursos no hospital, obrigatórios para os nossos alunos de teologia (os pertencentes ao CPE), mas há algum tempo surgiu a necessidade de organizar cursos dirigidos aos leigos das comunidades, a pessoas que tenham a intenção de realizar um trabalho voluntário serviço, aos chamados visitantes locais, aos diáconos... Pensemos, por exemplo, nos Consistórios. Outrora, na visão reformada, o Consistório era imaginado mais do que um órgão administrativo como um colégio de anciãos e anciãs com a função de cuidar da comunidade. Um papel que ainda hoje pode e deve ser valorizado”. O curso decorre cerca das 9h às 17h, com intervalo para almoço, durante três dias. Isso é treinamento básico. Primeiro dia: o que é ouvir? O primeiro dia é inteiramente dedicado ao tema da escuta. “O que é a escuta empática? Como as palavras e emoções nos ajudam a entender e reconhecer o que a pessoa está vivenciando? O primeiro passo é simplesmente ouvir. Depois, a gente se aprofunda no assunto para entender como aprender a arte de curar”, diz o pastor. Por exemplo, trabalhamos em verbatim. Uma espécie de transcrição anônima, em forma de linguagem direta e com total respeito à privacidade das pessoas envolvidas, de uma visita pastoral efetivamente realizada. A situação é relida, reproduzida, analisada. “Proponho 7 casos – diz Sergio Manna -. Em cada um deles, há uma pessoa dizendo uma determinada frase. Portanto, convido você a discutir o que essa pessoa está dizendo e sentindo, trabalhamos cada palavra, tentando parafrasear e devolver o conteúdo emocional. A segunda parte do exercício consiste em escolher, com base na sua própria interpretação, o que pode dizer à pessoa em questão. Proponho respostas possíveis, que são muitas. Se nenhuma das frases for convincente, peço que outras sejam propostas”. Pontualmente, Manna nos conta novamente, “acontece que quem participa do curso se identifica com a situação em questão e responde com base no que sente, ao invés de reconhecer as emoções e palavras da pessoa cujas necessidades estamos analisando” . Um caso clássico é o de uma pessoa que fica zangada porque os filhos não a visitam. Quando perguntado: "Como essa pessoa se sente?" alguns respondem: “ele se sente culpado”. Não, diz Manna, “essa pessoa está com raiva. É uma emoção mais difícil de administrar e reconhecer, mas na verdade é raiva. Devemos entender que a raiva é uma das emoções básicas dos seres humanos e devemos tentar descobrir o que fazer com ela. Tenha raiva e não peque, diz o apóstolo Paulo, como que para nos lembrar que essa emoção não deve ser reprimida, mas controlada”. Segundo dia: diagnóstico pastoral e espiritual O segundo dia de formação centra-se no tema do diagnóstico: “Todo mundo fala de pastoral e de cuidado espiritual, mas quase ninguém fala de diagnóstico, pastoral ou espiritual. Eu trabalho neste conceito porque é uma coisa muito importante. Tudo bem se um médico nos desse uma cura sem fazer um diagnóstico? Não. A mesma coisa vale no cuidado das almas”, afirma o pároco. São referidos dois modelos, um dos quais desenvolvido pela psicóloga Paul Willem Pruyser em meados dos anos 70. Pruyser, autor entre outras coisas do livro “O ministro como diagnosticador”, fala de pastores e sacerdotes em um “novo cativeiro babilônico”, retomando a linguagem de Lutero. “O risco é de imitar as línguas. Algumas variáveis ​​têm como conotação termos que derivam da espiritualidade, com origem bem mais antiga que o nascimento da psicanálise e da psiquiatria – argumenta Manna -. Alguns psiquiatras tratam a questão da fé como se pertencesse a uma patologia. Em um registro médico de um paciente que pode ter revelado sua fé, observou-se que este paciente tinha 'a estranha fantasia' de que Jesus era seu 'salvador pessoal'. Os psiquiatras subestimam a contribuição positiva da fé no processo de cura, assim como os capelães às vezes não levam suficientemente a sério os aspectos psicológicos". Outro elemento importante do curso é representado pela análise das ferramentas de cuidado. Ferramentas de cuidado que são “nossas e dos pacientes – especifica o pároco -. Recursos espirituais, orações, leituras, escrituras. E muitos outros, que talvez pertençam a um universo religioso que não é necessariamente o meu, por exemplo os ícones para um crente ortodoxo, mas que devem ser valorizados”. Terceiro dia: cuidado espiritual dos moribundos A terceira parte enfoca o cuidado espiritual dos moribundos, seus familiares e queridos doadores. Também esta seção do curso consiste em uma parte teórica e depois de um trabalho sobre textualmente ligado a experiências concretas. Uma experiência a repetir O curso contou com a participação de 25 pessoas das diversas comunidades pertencentes à Consulta que, recordamos, congrega valdenses, metodistas, batistas, adventistas, luteranas e a comunidade evangélica francófona de Roma. Entre eles, visitantes, alguns simpatizantes das igrejas e também dois psicólogos. “Temos recebido um feedback muito positivo”, comentou o pastor Winfrid Pfannkuche que, juntamente com sua esposa Nadia Delli Castellicuidou da logística e hospitalidade da igreja valdense na via IV novembro. “Acho que é uma experiência a ser repetida, e talvez repetida ciclicamente – continuou Pfannkuche – especialmente em uma cidade como Roma. A ideia era nos encontrarmos, no pós-covid, para sair do egocentrismo, dos entrincheiramentos. Reabrir aos outros, fazê-lo juntos também em chave ecumênica, pelo menos entre os protestantes, e recuperar a atenção para o que está ao nosso redor, no território, na cidade. Há muito a ser feito para refazer os laços comunitários. As visitas têm prioridade, mas tem se tornado difícil realizá-las, às vezes até atrapalhadas. Dez, vinte anos atrás, as pessoas esperavam a visita do pastor, ela era considerada fundamental. Agora algo mudou, na confiança, na confidência, nos hábitos. Encontros como este, podemos realmente dizer, são… maná no deserto”. O interesse por este curso demonstra a capacidade e o desejo de ser comunidade, de querer ser e (re)construir-se como povo protestante em Roma. “Roma é a cidade mais protestante da Itália – repetiu o pastor Pfannkuche, parafraseando Paulo rico -. Roma, porém, vive uma fase de forte desintegração e abandono. Vemos também um forte reflexo do que acontece a nível social nas igrejas, cujo potencial nem sempre é bem aproveitado. Da transformação da mentalidade em relação à evangelização, à fuga da cidade; do turismo de massas ao desamor por um centro histórico agora pano de fundo de tudo menos do passado. Ir à igreja longe de casa tornou-se cansativo. Por isso, como equipe pastoral valdense e metodista, estamos trabalhando para criar relacionamentos, mesmo na diáspora, mesmo no esforço 'elitista' de ser uma minoria. Dar vida a uma formação transversal que une as realidades de diferentes igrejas em Roma é algo excepcional. Temos que caminhar nessa direção”. Este curso é gratuito para as comunidades e está disponível para todas as igrejas da Itália. Já foram realizadas edições, por exemplo, na Puglia, Roma, Bérgamo e Milão. Ao final do treinamento é emitido um certificado. O flyer do curso: brochura CPE VISITORS Roma2023def Para informações: [email protected] ...

Ler artigo
Protestantes?  Viajando.  Um especial do protestantismo

Protestantes? Viajando. Um especial do protestantismo

Roma (NEV), 19 de agosto de 2020 – Quem são os protestantes na Itália hoje? Como vivem e testemunham a sua fé e qual é a sua contribuição como cidadãos? Para responder a essas perguntas, o Protestantismo, coluna de cultura e informação religiosa editada pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e transmitida pela RAI2, decidiu embarcar em uma viagem por nossa península em um trailer. Da Sicília ao Piemonte conheceu comunidades, igrejas e atividades diaconais, ouviu as dificuldades e visitou os projetos, entrelaçou relações e contou histórias e história. Por toda a Itália livre do bloqueio, de Roma a Scicli, de Matera a Ventimiglia, o autor e diretor Paulo Emílio Landi reuniu-se com evangélicos italianos para saber quem são, no que acreditam e o que está no centro de sua ação na sociedade italiana. Uma viagem de 3.000 km em um trailer, acompanhado pela equipe de televisão, pelo pastor valdense José Platãopelo jornalista Nadia Angelucci e depois de Stephanie Scuderi. História, Bíblia, oração, obras sociais e muitos quilômetros para compor o retrato de uma significativa minoria que todos já ouviram falar, mas poucos conhecem. Os dois especiais serão transmitidos nos dias 23 de agosto e 2 de setembro, às 9h20, com reprises posteriores. ...

Ler artigo
a consagração é baseada na felicidade e no otimismo da graça

a consagração é baseada na felicidade e no otimismo da graça

Pastor Luca Anziani, presidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) Roma (NEV), 24 de maio de 2023 – Entrevista com o presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Luke Elders, no encerramento da Consulta Metodista. A reunião habitual das igrejas metodistas da Itália, com mais de 100 delegados de toda a Itália, foi realizada no fim de semana passado no centro Ecumene (Velletri). Quais foram os pontos fortes e fracos desta Consulta Metodista? A Consulta Metodista tem a grande vantagem de não ser uma assembléia decisória. Portanto, não há atas, atos a serem aprovados, eleições a serem realizadas. Em suma, é um momento importante para nossas igrejas em que é possível, em liberdade, discutir aqueles assuntos para os quais a Comissão Permanente solicita, de fato, uma consulta. Foi uma ocasião de adoração, reflexão e celebração. A reflexão centrou-se em três tópicos. Cinquenta anos do pacto de integração entre as igrejas metodistas e valdenses, que se completam em 2025. A ação social da igreja. O papel do centro de formação Ecumene. Todos esses três pontos estão ligados entre si pelo tema mais amplo da vocação. A noite de sábado foi de festa, com o coro nacional de Gana. Depois das dificuldades de encontro devido ao covid, foi lindo e significativo estarmos juntos novamente para orar, discutir e conviver. O limite… é que haja apenas uma Consulta por ano. Quais são os próximos compromissos e compromissos para a OPCEMI? Estamos no período de aproximação do Sínodo, que será realizado em agosto, e por isso estamos trabalhando no relatório anual. Em junho participaremos da Conferência das Igrejas Metodistas da Grã-Bretanha. Com a nova Comissão Permanente também estamos preparando um itinerário com um bispo da Igreja Metodista de Gana que visitará a Itália em novembro. Apresentaremos o projeto Being the Church Together (ECI), falaremos sobre a importância social e política de programas como o Mediterranean Hope e o projeto Rosarno realizado dentro da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI). Qual é a sua mensagem pastoral neste momento caracterizado, por um lado, pela fragilidade e impermanência devido à guerra e às tantas crises em curso e, por outro lado, pelo desejo de paz, confiança, renovação e compromisso no presente? Como todos os anos, o culto de encerramento da Consulta foi um culto litúrgico da Renovação da Aliança, como aquele que fazemos em nossas igrejas no primeiro domingo do ano. Teologicamente, a Renovação da Aliança é uma renovação da própria consagração, ou seja, dizer sim à aliança que Deus fez, como se dissesse "estamos ao Seu serviço". Isso tem sido feito por todas as gerações de crentes. As igrejas metodistas também o construíram do ponto de vista litúrgico. O que significa consagrar a vida ao Senhor em tempos difíceis? Partindo do princípio que nunca houve momentos fáceis... o mais importante na minha opinião é entender que a tua relação com Deus não depende de como vão as coisas no mundo, por isso se as coisas correrem bem Deus está presente, e se as coisas correrem Deus errado está em silêncio. Deus não evita situações difíceis, mas é nessas situações que Ele se revela. A presença de Deus não é Apesar de mal, mas precisamente no mal, por isso numa época em que temos de lidar com velhos monstros que reaparecem, como a guerra, ou com novas dificuldades, a nossa consagração assenta na felicidade. Sobre o otimismo da graça. Ao saber que no árduo caminho Deus não é um hóspede ausente, mas uma presença constante. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.