COP27.  Clima, a situação é difícil.  O que podemos “dar em troca”?

COP27. Clima, a situação é difícil. O que podemos “dar em troca”?

Foto FLM/Albin Hillert

Roma (NEV), 17 de novembro de 2022 – No site da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), Peter Pavlovic* assinar um estudo sobre justiça econômica e ecológica. Reproduzimos a tradução abaixo.


O relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) confirma que as emissões totais de gases de efeito estufa aumentaram, apesar de todos os esforços, no período 2010-2019, mais do que em qualquer década anterior.

A Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP27), em andamento no Egito, visa colmatar a lacuna de credibilidade no processo decorrente do Acordo de Paris e a falta de confiança entre países desenvolvidos e em desenvolvimento para empreender esse processo. Ambos os lados estão olhando para a mudança climática de diferentes perspectivas. Os países desenvolvidos o veem como uma oportunidade de mudança, os países em desenvolvimento o veem como o momento em que os países ricos devem reconhecer que seu bem-estar foi amplamente alcançado nas costas do mundo pobre e menos desenvolvido. Eles esperam que os países ricos paguem um preço justo pelo bem-estar de que desfrutam e que contribuam significativamente, compensando financeiramente o sofrimento que os impactos das mudanças climáticas trouxeram para as partes do mundo que não os causaram e, finalmente, para permitir um caminho em direção a uma futuro justo, equitativo e sustentável para todos.

O aquecimento global em curso e os impactos cada vez mais devastadores das mudanças climáticas fornecem ampla razão para admitir que o tempo está se esgotando. Como expressou um dos líderes mundiais: “O objetivo de manter o aquecimento global abaixo de 1,5 grau, conforme acordado em Paris, ainda está vivo, mas está em terapia intensiva”.

Em resposta aos impactos devastadores das mudanças climáticas que afetam pessoas vulneráveis ​​em todo o mundo, a presidência da COP27 lançou uma “Agenda de Adaptação” de Sharm El Sheikh, com o objetivo de melhorar a resiliência dos 4 bilhões de pessoas que vivem nas comunidades mais vulneráveis.

Este é o primeiro plano global para um conjunto de ações compartilhadas necessárias até o final desta década para reduzir o impacto das mudanças climáticas.

Ao mesmo tempo, é cada vez mais reconhecido que uma parte significativa do esforço para reduzir a mudança climática deve depender da diminuição da demanda do consumidor nos países desenvolvidos. Os relatórios do IPCC sugerem que a mudança comportamental precisa ser mais estudada. A ciência estima que as estratégias nessa área (a da demanda do consumidor) têm o potencial de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 40-70%.

Igrejas e religiões têm um papel a desempenhar. Para a maioria das pessoas no mundo, a religião é um dos principais fatores que determinam seus padrões de vida. O papel das igrejas em enfatizar o conceito do mundo como uma criação, que não é nossa propriedade, é mais importante do que nunca. À luz das alterações climáticas, as palavras do Salmo 24: “Ao Senhor pertence a terra e tudo o que nela existe, o mundo e os que nele habitam”, a propósito da pergunta suscitada no Salmo 116: “O que retribuo ao Senhor toda a sua generosidade para comigo?” eles exigem uma nova compreensão de justiça e equidade. As igrejas devem elaborar esse entendimento com novo vigor e determinação.


*Peter Pavlovic é pastor, faz parte do CEC e da European Christian Network for the Environment (ECEN). Além disso, ele é membro da equipe ecumênica liderada pelo Conselho Mundial de Igrejas (CEC) na COP27 no Egito.


Foto Valter Hugo Muniz/CEC

Ainda hoje, durante a COP27, foi realizada uma oração ecumênica entre outras coisas. Hospedado pelo Patriarcado Copta Ortodoxo, Diocese de South Sinai, foi realizado na Catedral do Céu em Sharm el-Sheikh. Tema: “Ó Senhor, contempla a obra das tuas mãos”. Na foto, o Metropolitano Seraphim Kykkotis Zimbábue.

Além disso, o Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC) lançou recentemente uma Declaração sobre a COP27, chamando-a de “uma oportunidade crítica” para revisar o roteiro para um amanhã sustentável. Na Declaração, o CMI observa que existem comunidades e nações que já lidam com os impactos catastróficos da mudança climática, mas cujos apelos urgentes não foram atendidos por outros membros da comunidade internacional.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A FCEI adere à manifestação de 5 de novembro

A FCEI adere à manifestação de 5 de novembro

A bandeira da paz no Festival dos Direitos Humanos - imagem de arquivo festivaldirittiumani.it Roma (NEV), 3 de novembro de 2022 - A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália aceitou o convite de sua Assembleia Geral (29 de outubro a 1º de novembro de 2022) "para participar com discernimento em iniciativas de apoio a um processo de paz justo na Ucrânia , denunciando a responsabilidade da Federação Russa pela agressão a um país soberano como a Ucrânia; com este perfil … para se juntar à iminente manifestação pela paz em 5 de novembro.” Os evangélicos que desejarem participar juntos da procissão com o estandarte da Federação podem se reunir às 12h30 em frente à Igreja Metodista na via XX Settembre. A Diaconia Valdense também comunicou esta manhã, com nota, sua adesão à manifestação de 5 de novembro em Roma: “A Diaconia Valdense – lê-se no comunicado -, desde fevereiro de 2022 ao lado das crianças, mulheres, famílias ucranianas vítimas da invasão, experiências todos os dias, mesmo apoiando os que fogem de outras guerras esquecidas, que a violência leva à violência, que o uso das armas multiplica as desigualdades e que não há paz sem justiça; partilha a moção da Federação das Igrejas Evangélicas em Itália do passado 1 de Novembro e adere à manifestação de 5 de Novembro em Roma (esperando que o mais rapidamente possível as armas possam ser silenciadas e uma paz justa e duradoura possa ser construída, na Ucrânia como em outro lugar”. ...

Ler artigo
Interconectados?  Fé e ecologia na era digital

Interconectados? Fé e ecologia na era digital

Roma (NEV), 15 de outubro de 2019 – A conferência “Inter-connecti? Fé e ecologia na era digital”, em colaboração entre a Igreja Evangélica Batista de Cagliari, a Pontifícia Faculdade Teológica da Sardenha e o Departamento diocesano de Pastoral Social e Trabalhista. "Queríamos fazer esta pergunta para incitar os palestrantes a encontrar uma visão comum - disse o pastor e teólogo batista Elizabeth Green à Agência NEV –. O que acontece quando estamos interconectados? O significado é criar a ocasião para um olhar recíproco. Combinar ecumenismo e ecologia, essa é a aposta. Aqui e em Sulcis estamos trabalhando essas questões, de baixo, de forma ecumênica. Acho interessante uma discussão com quem trabalha de cima, numa troca em pé de igualdade com quem é academicamente engajado”. Abaixo está o programa. Faça o download do pôster INTER CONNECTED aqui. Sexta-feira, 18 de outubro, às 16h30 Saudação e apresentação: Francesco Maceri SJ, decano da Pontifícia Faculdade Teológica da Sardenha. Moderado: Elizabeth Greenpastor e teólogo da Igreja Evangélica Batista 17h00 Reportagem: Separe e conecte. sabedoria bíblica – Ângelo Reginatopastor e biblista, membro do Departamento de Teologia da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) 17h45 Intervalo 18h00 Reportagem: Laudato si': uma abordagem de sistemas complexos – Mauro Bossi SJ, editor da revista Updates Sociali 18h45: Discussão 19h15: Apresentação da exposição fotográfica: Terra para habitar, beleza para manter, editado pela Coordenação Regional para o projeto cultural da Conferência Episcopal da Sardenha. A exposição estará patente na Faculdade até 31 de Outubro Sábado, 19 de outubro, às 9h30 Moderador: Pe. Mário FarciPontifícia Faculdade Teológica da Sardenha Relação: Tecendo redes: ecúmeno e ecologia? Simone Morandiniprofessor do Instituto San Bernardino de Estudos Ecumênicos – Veneza 10.15 Discussão Quebrar 11h00 Mesa Redonda: Moderada pelo Pe. José TiloccaPontifícia Faculdade Teológica da Sardenha Caixas de som: Excelentíssimo Dr. Gianni LampisConselheiro para a Defesa do Meio Ambiente - Região da Sardenha) dr. Charles MiliaPresidente do Eco-instituto do Mediterrâneo) Dr. Daniela Ducatoreferência em produção industrial circular La Casa Verde CO2.0 Conclusões: Mons. Arrigo MiglioArcebispo de Cagliari, Grão-Chanceler da Pontifícia Faculdade Teológica da Sardenha. A conferência será realizada na Aula Magna da Pontifícia Faculdade Teológica da Sardenha, na via Enrico Sanjust, 13 – Cagliari. ...

Ler artigo
Culto da Reforma na Eurovisão de Prali (Turim)

Culto da Reforma na Eurovisão de Prali (Turim)

Roma (NEV), 30 de outubro de 2019 – O protestantismo especial para o culto evangélico da Reforma será transmitido no domingo, 3 de novembro, às 10h, no RAIDUE, em Eurovisão, da igreja valdense de Prali, nos vales valdenses do Piemonte. O culto da Reforma, no domingo da Reforma Protestante, é presidido pelos párocos e diáconos das comunidades do Val Germanasca e centra-se na relevância dos princípios fundadores da Reforma: só graça, só escritura, só fé , somente Cristo. Era Martinho Lutero, o reformador e professor de Bíblia em Wittenberg, que definiu a ideia da justificação pela fé segundo a qual a salvação é dada por Deus somente em Cristo (Solus Christus) somente pela graça de Deus (Sola Gratia) à qual o ser humano responde com fé (Sola-fé). Estas são as três afirmações fundamentais da Reforma, às quais se acrescenta uma quarta: a autoridade fundadora de cada afirmação da Igreja está somente na Bíblia (Sola Scriptura). A liturgia do culto é animada pelos jovens das comunidades de Prali, Perrero, Riclaretto e Pomaretto e pelas crianças da catequese. Participando, entre outras coisas, do grupo coral Eiminal dirigido por Pierpaolo Masselos coros valdenses do vale de Germanasca e os solistas Serena Civra na flauta e Valentina Ferrero no violoncelo. ao órgão, malte dahme. A procissão de entrada, que serpenteia desde o antigo templo de Prali, construído em 1556 – o único que não foi destruído durante as perseguições do século XVII – é acompanhada ao som do Semitùn, instrumento tradicional occitano desta vale alpino. Em todo o mundo, no dia 31 de outubro, são realizadas iniciativas e serviços para celebrar o dia da Reforma Protestante. Em 31 de outubro de 1517 Martinho Lutero afixou no portal da igreja do Castelo de Wittenberg suas 95 teses, evento que se convencionou considerar como o início da Reforma. Há dois anos foi celebrado o 500º aniversário da Reforma. Para rever os episódios do protestantismo visite o site VÍDEOProtestantismo no Facebook [email protected] [email protected] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.