Direitos legais desde a concepção.  Alterar o artigo 1º do Código Civil?

Direitos legais desde a concepção. Alterar o artigo 1º do Código Civil?

Um quadro do vídeo da rede MYA que fotografou o tecido em diferentes estágios da gravidez. Aqui, espero em seis semanas

Roma (NEV), 21 de outubro de 2022 – Com a lei nº 165 “Alteração do artigo 1º do Código Civil sobre o reconhecimento da capacidade jurídica do filho concebido” a iniciativa política da recém-formada XIX Legislatura é inaugurada em meio a polêmica.

Pedimos ao advogado um comentário do ponto de vista jurídico. Ilaria Valenziconsultor jurídico da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).

Valenzi disse:

“A recém-empossada legislatura abriu com a apresentação de um projeto de lei que causa muita discussão. Trata-se da modificação do artigo 1º do código civil, ou seja, do dispositivo que identifica o momento em que o sujeito adquire capacidade jurídica. Ou seja, adquire a capacidade de ser titular de direitos e deveres. Atualmente esta disposição prevê que o nascimento é o momento em que se adquire a capacidade jurídica e prevê que todos os direitos que a lei reconhece ao concebido sejam subordinados ao evento do nascimento. Por exemplo, o nascituro pode herdar ou receber indenização pelos danos sofridos, mas todos esses direitos estão condicionados à sua própria vinda ao mundo. A modificação proposta vai no sentido diametralmente oposto e propõe antecipar a aquisição da capacidade jurídica para o momento da concepção.

A questão certamente não é nova e diz respeito à questão mais ampla de determinar quando a vida humana começa.

Nesse sentido, essa proposta de modificação teria um efeito irreprimível porque acabaria equiparando os direitos dos concebidos com os direitos dos já nascidos e entre estes, em particular, com os da mãe. O resultado poderia, portanto, ser que um ato de livre escolha da mulher, como por exemplo o de levar ou não uma gravidez, poderia integrar uma conduta ilícita em relação a um verdadeiro e próprio sujeito de direito, isto é, um verdadeiro e próprio sujeito, um pessoa que tem direito à sua plena integridade física.

A batalha pelos direitos do feto voltou a ser central com o ressurgimento do debate em torno da aplicação do direito à interrupção voluntária da gravidez e com a difusão na Itália, como no resto do mundo, de movimentos que propõem um novo paradigma de direitos humanos. Nesse sentido, devemos nos preocupar com a forma como os conflitos que caracterizam o embate entre civilizações passaram do nível das ideias para o nível dos direitos. A recente decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos sobre o aborto é um exemplo disso, mas também o é o projeto de lei que estamos comentando hoje.

Fazer dos direitos um campo de batalha nunca é uma vitória e marca um possível retrocesso dos processos democráticos dos Estados. Neste sentido, todos somos chamados e chamados a fazer com que a proteção dos direitos e liberdades fundamentais da pessoa continue a ser assegurada”.


Para saber mais:

Polêmica no início do mandato, no ranews.

No Reino Unido, uma emenda para criar “zonas tampão” (zonas tampão) em torno de clínicas de aborto em todo o país. A emenda torna ilegal interferir “na decisão de qualquer pessoa de acessar, fornecer ou facilitar a prestação de serviços de aborto naquela área” e é punível com até dois anos de prisão. Organizações pró-vida protestaram. Leia em christiantoday.

Como é uma gravidez antes de 10 semanas – imagens fornecidas pela rede MYA de médicos e ativistas. A rede nasceu no início da pandemia, quando alguns estados americanos tentaram considerar o aborto uma assistência médica “não essencial”. As fotos mostram como o tecido realmente se parece em diferentes pontos nas primeiras nove semanas de gravidez. Leia sobre o guardião.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Sínodo Luterano.  Vamos, em um futuro próximo

Sínodo Luterano. Vamos, em um futuro próximo

Roma (NEV/CELI), 2 de maio de 2023 – A quarta sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) foi concluída com o serviço religioso de 1º de maio em Catania.Um Sínodo participativo e animado que reacendeu a percepção de como é importante para os luteranos na Itália não apenas debater sobre o fato de serem igreja hoje, mas também sobre o papel que o CELI deve ter no espaço público, diante de pequenas e grandes temas que preocupam as sociedades modernas: a mudança climática, a relação com o meio ambiente, a violência das guerras. Durante uma sugestiva meditação de frente para o mar de Siracusa, o Decano do CELI, pároco Carsten Gerdes, questionou: “Em todo o mundo, cada vez mais pessoas vivem em cidades, em centros industriais. Entre o asfalto e o concreto, circulam em caixas de lata climatizadas e, das garagens subterrâneas, passam direto para o shopping. Quem conhece a esteira apenas como um movimento e, após meia hora de uso, está sempre na mesma academia, percebe menos as mudanças no ambiente natural. Será que as pessoas deveriam voltar a viver em aldeias, no interior, a cultivar pequenas hortas, para ver claramente o quanto a Natureza à nossa volta mudou?” Os Sínodos, por mais complexos, ricos e envolventes, buscam não apenas respostas para a Igreja hoje, mas questões que possam levá-la adiante, em um futuro próximo.Não há respostas simples, fáceis e definitivas para um Sínodo. Carsten Gerdes explicou: “Acho que sempre é preciso que as pessoas façam perguntas para fazer uma mudança. […] Acho que isso dá certo sobretudo quando muitas dessas pessoas, anteriormente, já fizeram perguntas na mesma direção, questionaram posições, ficaram inquietas”. A variedade das intervenções, as numerosas participações de convidados e delegações, a própria escolha de organizar um Sínodo nacional não só em Roma, mas também nos territórios, e este ano na Sicília, é expressão da vontade de pesquisar, de questões que merecem encontrar tempo e espaço para serem ouvidos e compartilhados. Leia a entrevista com o Reitor: Carsten Gerdes. Fé e esperança para o futuro da Igreja Luterana Leia a entrevista com o vice-reitor: Kirsten Thiele. Sonhos, ações e imaginação para viver bem Curiosidade: a campanha oito por mil da Igreja Evangélica Luterana na Itália foi apresentada durante o Sínodo. A campanha terá como tema principal o lema do capítulo 5 do Evangelho de Mateus: “vós sois o sal da terra”. A hashtag será de fato #siamosale e a campanha estará acessível a partir de 8 de maio no site www.ottopermilleluterano.org. O CELI usa os oito por mil para iniciativas sociais e humanitárias, principalmente voltadas para a Itália. Participa, com projetos próprios, no desenvolvimento social e cultural dos territórios onde se situam as suas comunidades e, através do apoio a projetos online, apoia iniciativas a favor das pessoas mais fragilizadas, minorias discriminadas, migrantes. Para saber mais: O especial do NEV sobre o Sínodo Luterano 2023. Os materiais oficiais do CELI: comunicados de imprensa, fotos, vídeos, etc…, ainda disponíveis aqui por alguns dias (Sínodo 2023). FORMA. A Igreja Evangélica Luterana na Itália. ...

Ler artigo
Fés, pluralismo religioso e os novos ministros da religião

Fés, pluralismo religioso e os novos ministros da religião

"O balanço global desta experiência é muito positivo - afirma Paolo Naso, que também é coordenador do Conselho para as relações com o Islão - porque evidencia o dinamismo das comunidades religiosas que operam em Itália, num contexto em que é mais urgente e necessário garantir o adequado reconhecimento jurídico dos sujeitos religiosos e das confissões religiosas cada vez mais relevantes a nível cultural e social. A recente nomeação da Comissão de Acordos e Liberdade Religiosa para a presidência do Conselho - prossegue Naso -, após quatro anos de férias, é mais um sinal positivo; a esperança é que finalmente se abra uma nova época para os direitos em matéria de liberdade religiosa e o reconhecimento do pluralismo confessional que é cada vez mais evidente também na Itália”. A reunião será encerrada pelo Subsecretário do Interior, Ivan Scalfarotto. O curso O curso, financiado com fundos europeus para a integração, foi dividido em 8 sessões realizadas na Universidade La Sapienza de Roma e na Universidade Estatal de Milão. Entre os temas abordados, a legislação sobre liberdade religiosa, a reorganização do chamado terceiro setor, a dimensão cívica do diálogo inter-religioso, o direito de família com referência específica às questões de gênero. O curso de formação faz parte de um projeto mais amplo promovido pelo Conselho para as relações com o Islã italiano, criado no Ministério do Interior. Em particular, conclui Naso, “foram organizados encontros com mais de uma centena de jovens muçulmanos que tiveram a oportunidade de se encontrar directamente com o Ministro do Interior e com altos responsáveis ​​do ministério. Por fim, na próxima segunda-feira, na Universidade Insubria de Como, serão apresentados novos documentos sobre o tema do pluralismo religioso, fruto de uma comparação direta entre alguns especialistas e representantes de várias comunidades de fé”. ...

Ler artigo
Amos Luzzatto judeu do diálogo

Amos Luzzatto judeu do diálogo

Roma (NEV/Riforma.it), 11 de setembro de 2020 – Em 9 de setembro, aos 92 anos, faleceu Amós Luzzatto: médico, escritor, exegeta, mas sobretudo um expoente máximo do judaísmo italiano e, de 1998 a 2006, presidente da União das Comunidades Judaicas Italianas (UCEI). Nesses anos também colaborou com a revista Comparar que passou a ser credenciado como o mastro de referência para o diálogo inter-religioso na Itália e para a batalha política e cultural para reconhecer e valorizar o novo pluralismo religioso que também se consolidou em nosso país. […] Amigo do mundo protestante, em 2003 Luzzatto participou de uma mesa redonda realizada na clássica noite de "segunda-feira" do Sínodo das igrejas Valdenses e Metodistas. No templo da Torre Pellice lotado de gente, ele lançou uma ideia que ainda soa atual, a de um "fórum permanente para as religiões..." Continue lendo em Riforma.it a memória de Paulo Naso. artigo anteriorChile, 11 de setembro. Entre a memória e o futuroPróximo artigoCarta aberta da igreja valdense de Colleferro Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.