Direitos legais desde a concepção.  Alterar o artigo 1º do Código Civil?

Direitos legais desde a concepção. Alterar o artigo 1º do Código Civil?

Um quadro do vídeo da rede MYA que fotografou o tecido em diferentes estágios da gravidez. Aqui, espero em seis semanas

Roma (NEV), 21 de outubro de 2022 – Com a lei nº 165 “Alteração do artigo 1º do Código Civil sobre o reconhecimento da capacidade jurídica do filho concebido” a iniciativa política da recém-formada XIX Legislatura é inaugurada em meio a polêmica.

Pedimos ao advogado um comentário do ponto de vista jurídico. Ilaria Valenziconsultor jurídico da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).

Valenzi disse:

“A recém-empossada legislatura abriu com a apresentação de um projeto de lei que causa muita discussão. Trata-se da modificação do artigo 1º do código civil, ou seja, do dispositivo que identifica o momento em que o sujeito adquire capacidade jurídica. Ou seja, adquire a capacidade de ser titular de direitos e deveres. Atualmente esta disposição prevê que o nascimento é o momento em que se adquire a capacidade jurídica e prevê que todos os direitos que a lei reconhece ao concebido sejam subordinados ao evento do nascimento. Por exemplo, o nascituro pode herdar ou receber indenização pelos danos sofridos, mas todos esses direitos estão condicionados à sua própria vinda ao mundo. A modificação proposta vai no sentido diametralmente oposto e propõe antecipar a aquisição da capacidade jurídica para o momento da concepção.

A questão certamente não é nova e diz respeito à questão mais ampla de determinar quando a vida humana começa.

Nesse sentido, essa proposta de modificação teria um efeito irreprimível porque acabaria equiparando os direitos dos concebidos com os direitos dos já nascidos e entre estes, em particular, com os da mãe. O resultado poderia, portanto, ser que um ato de livre escolha da mulher, como por exemplo o de levar ou não uma gravidez, poderia integrar uma conduta ilícita em relação a um verdadeiro e próprio sujeito de direito, isto é, um verdadeiro e próprio sujeito, um pessoa que tem direito à sua plena integridade física.

A batalha pelos direitos do feto voltou a ser central com o ressurgimento do debate em torno da aplicação do direito à interrupção voluntária da gravidez e com a difusão na Itália, como no resto do mundo, de movimentos que propõem um novo paradigma de direitos humanos. Nesse sentido, devemos nos preocupar com a forma como os conflitos que caracterizam o embate entre civilizações passaram do nível das ideias para o nível dos direitos. A recente decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos sobre o aborto é um exemplo disso, mas também o é o projeto de lei que estamos comentando hoje.

Fazer dos direitos um campo de batalha nunca é uma vitória e marca um possível retrocesso dos processos democráticos dos Estados. Neste sentido, todos somos chamados e chamados a fazer com que a proteção dos direitos e liberdades fundamentais da pessoa continue a ser assegurada”.


Para saber mais:

Polêmica no início do mandato, no ranews.

No Reino Unido, uma emenda para criar “zonas tampão” (zonas tampão) em torno de clínicas de aborto em todo o país. A emenda torna ilegal interferir “na decisão de qualquer pessoa de acessar, fornecer ou facilitar a prestação de serviços de aborto naquela área” e é punível com até dois anos de prisão. Organizações pró-vida protestaram. Leia em christiantoday.

Como é uma gravidez antes de 10 semanas – imagens fornecidas pela rede MYA de médicos e ativistas. A rede nasceu no início da pandemia, quando alguns estados americanos tentaram considerar o aborto uma assistência médica “não essencial”. As fotos mostram como o tecido realmente se parece em diferentes pontos nas primeiras nove semanas de gravidez. Leia sobre o guardião.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

igrejas européias.  Entrelaçamento entre segurança, inteligência artificial e direitos

igrejas européias. Entrelaçamento entre segurança, inteligência artificial e direitos

Roma (NEV), 27 de junho de 2022 – “Segurança, inteligência artificial e direitos humanos. O que os desenvolvimentos sociais e tecnológicos nessas três áreas significam para o futuro de sociedades livres, porém seguras?” Esta é a pergunta que pessoas de toda a Europa tentaram responder na 9ª Edição da Summer School on Human Rights da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Realizada de 13 a 16 de junho em Malmö, Suécia e parcialmente online, a escola de verão explorou diferentes aspectos. Das implicações morais e éticas da tecnologia aos riscos à privacidade individual. Do reconhecimento facial em locais públicos ao risco de discriminação. O último, potencialmente, pode acontecer no acesso a serviços sociais e cuidados de saúde se for deixado muito espaço para os algoritmos fazerem o trabalho. Finalmente, falou-se de ligações entre questões teológicas, antropológicas e éticas da inteligência artificial. Neste momento, porém, não existe um quadro regulamentar europeu que salvaguarde os direitos humanos e a dignidade neste domínio cada vez mais complexo e em rápida transformação. Relatório “Temos que ajudar as pessoas a entender as novas realidades que colocam questões éticas. Acima de tudo, mantendo o princípio cristão como chave do debate", sublinhou Johan Arvid Tyberg, Bispo de Lund da Igreja da Suécia, em seu discurso de abertura. E convidou as igrejas a se manterem atualizadas sobre os assuntos relacionados à inteligência artificial. “Os Estados europeus devem responsabilizar seus cidadãos. Deve ser possível se opor às decisões relacionadas à inteligência artificial, se forem discriminatórias e potencialmente capazes de violar os direitos humanos”, disse o presidente do CEC, pastor Christian Krieger. Durante a escola de verão, o espaço foi também dedicado à segurança das comunidades religiosas e à proteção dos locais de culto. Danny Choueka do Centro de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu realizou uma sessão de formação sobre gestão de crises. Dentro do projeto inter-religioso Safer and Stronger Communities in Europe (SASCE), ficou claro que as legislações nacionais são muito diferentes umas das outras. Não é possível adotar uma abordagem comum em toda a Europa. Isso se aplica, por exemplo, às leis que regem o uso de câmeras de CFTV em espaços públicos e em propriedades privadas abertas ao público. O SASCE é financiado pela União Europeia e o KEK participa ativamente nele. A anual Human Rights Summer School é organizada pelo CEC Human Rights Focus Group, este ano pela primeira vez em cooperação com o Bioethics Focus Group. Organizado pela Igreja da Suécia, foi financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia. O diálogo inter-religioso e a cooperação no campo dos direitos humanos são as principais áreas de interesse desta experiência. ...

Ler artigo
2 de abril é o Dia da Conscientização do Autismo.  O compromisso valdense e metodista

2 de abril é o Dia da Conscientização do Autismo. O compromisso valdense e metodista

O Dia Mundial de Conscientização do Autismo (WAAD) é celebrado todos os anos em 2 de abril, um evento que vê o compromisso concreto do Otto per Mille da Igreja Valdense em primeiro plano: na verdade, existem mais de 100 projetos que são apoiados financeiramente todos os anos graças às assinaturas dos contribuintes italianos. “Como uma Igreja Valdense, União das Igrejas Metodista e Valdense, e como crentes, ele comenta Manuela Vinay, chefe do Escritório Otto per Mille da Mesa Valdense, estamos empenhados em estar a serviço dos mais vulneráveis: os fundos Otto per Mille nos permitem, portanto, apoiar muitas associações (muitas vezes compostas por pais) que agem para oferecer crianças e para as meninas, uma chance de uma vida melhor. Os projetos dedicados a crianças e adolescentes autistas preocupam-se principalmente com a possibilidade de oferecer oportunidades de socialização para aumentar a autoestima e fortalecer o caminho para a autossuficiência, começando pelas pequenas coisas do dia a dia”. Entre as iniciativas mais significativas relacionadas com o mundo do autismo, o Centro BUM em Pinerolo, na província de Turim, também com sede em Grugliasco, é gerido diretamente pela Diaconia Valdense: "Em acordo e em rede com a ASL e os Serviços Sociais , explica Loretta Costantino, Responsável do Centro, oferecemos projetos de intervenção multidisciplinares para crianças e jovens dos seis aos 12 anos. Graças ao Otto per Mille, podemos ajudar financeiramente as famílias que utilizam serviços não contratados, garantindo o acompanhamento específico dos vários projetos e promovendo a formação contínua e fundamental do pessoal. O apoio de Otto per Mille também nos permite implementar redes territoriais para a criação de novos projetos voltados para a conscientização de uma comunidade inclusiva e aberta à convivência das diferenças”. A Igreja Valdense, a União das Igrejas Metodistas e Valdenses, contribui, como outras confissões religiosas, para a distribuição dos fundos Otto per Mille e optou por alocar todas as contribuições para apoiar intervenções sociais, assistenciais, humanitárias e culturais, na Itália e em o mundo. O Otto per Mille pode ser doado por todos os contribuintes a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tenha assinado um acordo, ou ao próprio Estado. O Otto per Mille na verdade funciona como um voto, pois é dividido proporcionalmente ao número de escolhas feitas. ...

Ler artigo
13 de outubro.  Conferência sobre a revolução digital e a involução comunicativa

13 de outubro. Conferência sobre a revolução digital e a involução comunicativa

Foto Andrew Guan / Unsplash Roma (NEV), 12 de outubro de 2022 – O Centro Cultural Evangélico de Sondrio propõe a conferência sobre “iGod e Infochiesa. A nova coesão dos crentes”. Marcação às 17h de quinta-feira, 13 de outubro, via Malta 16 ou online. “A revolução digital perturbou os pontos de referência tradicionais – escrevem os organizadores -. O ser humano conectado à internet é diferente do animal social de que falava Aristóteles? Como pensar o impacto do digital na natureza humana? Entre oportunidades e riscos, entre informações e embustes, nos perguntamos sobre a relação entre o desenvolvimento da mídia e a fase atual do capitalismo? Que margens de liberdade restam à iniciativa humana?”. O debate partirá destas questões e tentará encontrar respostas… “Na perspectiva cristã da vocação para estar presente neste mundo como testemunhas intelectualmente honestas da realidade – continua o convite – a discussão estará aberta”. Convidados, o filósofo católico Matteo Bergamaschi e o pastor protestante Pedro Ciaccioapresentado pelo pastor, filósofo e médico, especialista em bioética, Ilenya Goss. Moderar o diretor do Centro Emanuele Campagna. Na véspera do encontro, o próprio Campagna convida a participar e ilustra os temas, que vão do ponto de vista sociológico e filosófico, a partir dos dois livros dos palestrantes: INFOIGREJA. Os desafios da infoesfera para o pensamento crente - por Matteo Bergamaschi. eGospel, iGod e Jesus Pessoal. Desembaraçando redes sociais, tecnologia e liquidez - por Peter Ciaccio. Campagna diz: “O pastor Ciaccio se pergunta quem é uma pessoa famosa, um influenciador, um amigo segundo o FB, ele se pergunta sobre os acontecimentos de 6 de janeiro de 2021 em todo o fenômeno de estado profundo (teorias da conspiração) e nos julgamentos de envergonhar E tempestade de merda. Bergamaschi se pergunta sobre a relação entre comunicação e capitalismo, sobre a liberdade como incógnita aleatória da comunicação após o advento da máquina de Turing. Na verdade, da leitura dos dois livros, cada um iluminador em si mesmo, parece-me que a abordagem de Bergamaschi emerge fortemente ao se colocar como um crente diante desse fenômeno e da importância de ter que recuperar o terreno perdido, enquanto Ciaccio é mais o intelectual que observa o desenvolvimento de um fenômeno a partir de uma perspectiva sociológica, mas não exclusivamente. Frequentemente chama a atenção para a história do folclore (protestante), mas também da arte e da fruição do cinema. […] Ambos os autores abordam a questão de saber se o homo sapiens sapiens ainda é o mesmo que dominou o Neandertal com o advento da tecnologia de comunicação. Ciaccio menciona a filosofia do Cyberpunk. Citação também Bruno Mastroianni e sua “Disputa Feliz”. Bergamaschi veste as roupas de um filósofo e pensa a tecnologia não como uma prótese, mas como órgãos instrumentais (ou possivelmente massa cancerígena, quando mata) do ser humano de hoje”. Dos livros, dos autores, do debate, pode-se esperar, portanto, uma imersão no mundo da informação, da manipulação, da vida, da fé e da confiança. Por fim, da liberdade entendida, conclui Campagna, “como uma libertação conquistada por muitos como um valor hacker. E isso leva às perguntas: a rede promove a colaboração, o desenvolvimento da criatividade e a cooperação para além dos limites da autoridade?”. Marcação quinta-feira 13 de outubro às 17:00 - na via Malta 16 em Sondrio e nos canais YOUTUBE e página do Facebook. Para mais informações: leia também o NEV especial sobre Ódio e perigos online ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.