Federação das Igrejas Protestantes para um processo de paz justo na Ucrânia

Federação das Igrejas Protestantes para um processo de paz justo na Ucrânia

Foto Sunyu / Unsplash

Roma (NEV), 4 de novembro de 2022 – Publicamos o ato integral aprovado pelo II Assizes da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) sobre a necessidade de um processo de paz justo na Ucrânia.


O Assizes confessa o pecado de sua própria inadequação em promover o paz e O desarmamento.

Exorta a FCEI a participar com discernimento nas iniciativas de apoio a um processo de paz justo na Ucrânia, denunciando a responsabilidade da Federação Russa pela agressão a um país soberano como a Ucrânia; com este perfil, convida a FCEI a se juntar à iminente manifestação pela paz no dia 5 de novembro.

Ao mesmo tempo, reitera que a paz anda de mãos dadas com a justiça, lembrando que o estado de saúde dos direitos se mede em particular na proteção, valorização e respeito das minorias.

Convida a FCEI a apoiar qualquer ação ecumênica voltada para facilitar e acompanhar um processo de paz, com a consciência de que o caminho para a resolução de conflitos não requer soluções fáceis ou pré-estabelecidas, mas abertura, escuta e criatividade.

Exorta a FCEI a encontrar recursos para promover programas de educação para a paz, fazendo uso das ferramentas e comissões disponíveis.

Reitera também que a comunidade internacional e os organismos supranacionais têm a responsabilidade de se empenhar com todos os recursos e energias para que uma trégua seja rapidamente estabelecida como primeiro passo para um processo de paz justo.

Por fim, apela às igrejas-membro para que apoiem os projetos de reconstrução na Ucrânia, nos quais a própria FCEI está disposta a colaborar, e convida as igrejas a um dia de oração para confiar ao Senhor o nosso pedido de paz, justiça e respeito pelos direitos humanos direitos na Ucrânia, na Rússia e em todo o mundo.


Esta moção foi aprovada pelos Assizes que se reuniram recentemente em Sassone (Roma), com o título “Sentinela, em que ponto é a noite…?” (Isaías 21,11) O que vemos, o que devemos dizer? Liberdade e Democracia; trabalho e ambiente; globalização e paz”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Prêmio ACNUR para a casa de repouso GB Taylor

Prêmio ACNUR para a casa de repouso GB Taylor

A partir da esquerda, Rosa Manfredi e Silvia Zerbinati, respectivamente Diretora e assistente social do GB Taylor Institute em Roma Roma (NEV), 14 de junho de 2022 – Pelo segundo ano consecutivo, o GB Taylor Rest Home em Roma recebeu o reconhecimento do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) por seu compromisso com os processos de integração laboral de beneficiários de proteção internacional. A cerimônia de premiação aconteceu ontem no Campidoglio na presença do Prefeito Roberto Gualtieri e o Ministro do Trabalho André Orlando. O diretor esteve presente para o Taylor Rosa Manfredi e a assistente social Silvia Zerbinati. “Nossa missão é representar uma presença evangélica em nosso bairro – comentaram Manfredi e Zerbinati -. Este é o caminho que seguimos e, ao longo do tempo, oferecemos a muitos imigrantes e refugiados uma oportunidade de formação e um contrato de trabalho que restaurou a dignidade e a auto-estima. Permitindo também reconstituir famílias separadas”. O ACNUR concedeu o logotipo 'Bem-vindo' a 107 empresas. Graças ao programa Welcome, lê-se no comunicado de imprensa, "nos últimos 5 anos mais de 10.000 refugiados foram colocados no mundo do trabalho". Além do Taylor, foram premiados pequenas e grandes empresas, cooperativas, organizações sem fins lucrativos, fundações, associações comerciais, sindicatos, serviços de emprego e entidades locais que, por diversos motivos, têm colaborado para a inclusão dos requerentes de asilo no mercado de trabalho e beneficiários de proteção internacional. casa taylor A Taylor Rest Home, lê-se no site da instituição, “é um local onde todos os idosos que necessitam de companhia e de interagir com os outros podem encontrar ajuda e conforto válidos. A casa de repouso oferece aos idosos a possibilidade de uma vida comunitária, respeitando a sua autonomia, estimulando as suas capacidades residuais, favorecendo a sua relação com o meio”. A Taylor faz parte das estruturas pertencentes à União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). O instituto também oferece serviços de assistência religiosa, respeitando a liberdade de culto de cada hóspede. Foto Silvia Zerbinati O programa Bem-vindo. Trabalhando pela Integração de Refugiados “Nascido em 2017 como um prêmio para empresas que contratam refugiados, hoje Bem-vindo. Trabalhando pela Integração de Refugiados é um programa amplo que inclui treinamento e acompanhamento para empresas e operadores do mercado de trabalho e apoio específico para empresas que pretendem contratar refugiados. O ACNUR, com os seus parceiros, apoia as empresas na co- planificação de cursos de formação e colocação profissional, juntamente com as associações e realidades que acolhem os refugiados na zona”, escreve o ACNUR. “Os refugiados são médicos, professores, operários, agricultores, engenheiros, chefs, atletas, comerciantes, artistas. Através do trabalho eles readquirem, reforçando-o, seu próprio capital social como sujeitos ativos que podem determinar sua própria existência. Ao mesmo tempo, sua inclusão gera um desenvolvimento econômico positivo e generativo em benefício de toda a comunidade”, afirmou. Clara Cardolettirepresentante do ACNUR para Itália, Santa Sé e San Marino. Esta experiência, segundo a organização, traz um valor acrescentado em termos de enriquecimento, criatividade e novas energias, “transformando a diversidade numa grande vantagem para as empresas”. O comunicado de imprensa continua: “Uma vez fora de perigo, os refugiados precisam de oportunidades para superar traumas, fazer bom uso de seus talentos, treinar, trabalhar e contribuir para o país que os acolheu. A criação de oportunidades concretas de integração é tarefa e responsabilidade de todos, instituições, sociedade civil e setor privado. Somente trabalhando em sinergia, os refugiados podem ter a oportunidade de colocar suas habilidades e seu desejo à disposição para reconstruir suas vidas”. Bem-vindo projeto. Trabalhar para a integração de refugiados é apoiado pelo Ministério do Trabalho, Confindustria e Global Compact Network Itália. Também conta com o apoio da Tent Foundation. Para maiores informações: ...

Ler artigo
Arcediago reconfirmado presidente da União Batista da Itália

Arcediago reconfirmado presidente da União Batista da Itália

João Paulo Arcediago - foto Pietro Romeo (Reforma) Roma (NEV/CS11), 26 de abril de 2022 – João Paulo Arquidiácono foi reconfirmado presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). Foi eleito pelos cerca de 100 delegados presentes em Pomezia (Roma) para a 46ª Assembleia Geral. O pastor também foi reconfirmado José Miglio como vice-presidente. O Comitê Executivo vê as pastoras juntas novamente Antonella Scuderio pastor Carmine Bianchi, Emmanuela Banfo, Marta D'Auria e o pastor Alessandro Spano. Recém eleito: Stephanie Polo E Stephen Meloni. As igrejas batistas italianas voltaram a se reunir presencialmente após uma parada de dois anos devido à pandemia. Esta edição da Assembleia Geral, realizada de 22 a 25 de abril, foi acompanhada pelos versículos bíblicos: “Não temais, pequeno rebanho, porque a vosso Pai agradou dar-vos o seu Reino” (Lucas 12, 32 ) / "Porque andamos por fé e não por vista" (II Coríntios 5:7). O movimento programático Pandemia e guerra “Nos últimos meses, a tragédia e o horror da guerra na Ucrânia se somaram ao cansaço e ao luto da pandemia – lê-se na moção programática votada pela Assembleia -. Nossas igrejas trabalharam desde o primeiro dia, de acordo com os métodos e com a energia que já aprendemos com o trabalho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) com a Esperança do Mediterrâneo”. Esse compromisso, segundo a UCEBI, representa um caminho que “não pode ser só nosso, pelo contrário, o Espírito nos exorta a buscar companheiros de viagem, de ‘toda tribo, língua, povo e nação’ (Apocalipse 5:9)”. Ecumenismo e embaixada da paz No documento, é dada particular ênfase ao ecumenismo, entendido como um trabalho coletivo sobre “todo compromisso compartilhado”. Neste momento, escrevem os Batistas, "o esforço pela paz exige favorecer o diálogo inter-religioso com todas as religiões vivas e com aqueles movimentos que perseguem objetivos de paz entre os povos e de desarmamento". A proposta é constituir um grupo de embaixadores da paz “que se possam empenhar na organização de eventos e iniciativas dentro e fora das igrejas, contra o massacre evidente na Ucrânia e contra todos os que se ocultam aos nossos olhos”. Organização interna No que diz respeito à organização interna da União, a moção programática traça algumas linhas de intervenção e fortalecimento: desde o trabalho do "Centro Evangélico de Rocca di Papa" e do "Centro de Estudos Martin Luther King", até o da Comissão Histórica . Desde Departamentos e Ministérios existentes, até à promoção de outros mais específicos (por exemplo, no campo da pastoral juvenil, da proteção da criação, do aconselhamento e da “igreja digital”). Até às várias obras presentes nos territórios, às associações regionais e às convenções. Além disso, a Assembleia da UCEBI destaca a importância do Departamento de Teologia e dá continuidade ao mandato do Ministério Bíblico Teológico Itinerante. Oito por mil e projetos No Otto per mille, a Assembleia Geral deu o mandato de apoiar em particular o compromisso territorial social e diaconal, para as igrejas membros, também em colaboração com pequenas ONGs/associações. Além disso, a missão de solidariedade no Zimbábue é considerada prioritária. O combate à pobreza e a solidariedade com os menos favorecidos estão entre as diretrizes da UCEBI. Este projeto, ativo desde 2006, permitiu apoiar, entre outras coisas: o Hospital Sanyati e as clínicas rurais do distrito de Gokwe. Um programa de patrocínio. Projetos de educação. Apoio a famílias sem rendimentos. intercultura Finalmente, a moção fala de "intercultura". E traça uma linha interpretativa para o futuro trabalho das igrejas e nas igrejas. É necessário “reconhecer e respeitar os limites individuais; desenvolver empatia para com os outros; ouvir; construir juntos um projeto baseado em regras compartilhadas e com respeito à diferença”, diz o documento. As obras e os convidados Durante a Assembleia também foi realizada uma mesa redonda intitulada: "Igrejas e visões do mundo: 'O arco do universo moral é longo, mas se inclina para a justiça' (Martin Luther King)". moderado por Alberto Annarillia mesa redonda contou com a presença Alexandre Portelli, Igiaba Scego, Raffaele Volpe E Silvia Rapisarda. Para ler a reportagem ou assistir ao vídeo gravado, clique aqui. Entre os convidados da Assembleia, o pároco Antonio Santana Hernández da Fraternidade das Igrejas Batistas de Cuba (FIBAC), com a qual a UCEBI mantém relações de geminação há vários anos, e Ingeborg te Loocoordenador do Redes de Aprendizagem doCentro Internacional de Estudos Teológicos Batista em Amsterdã. Para mais informações, acesse o especial do NEV sobre a 46ª Assembleia Geral da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). Para informações: [email protected][email protected] ...

Ler artigo
Sínodo Luterano.  Continuidade, mudança, futuro.  E misericórdia

Sínodo Luterano. Continuidade, mudança, futuro. E misericórdia

Wolfgang Prader, foto de arquivo - CELI Roma (NEV/CELI), 24 de março de 2021 – A 2ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) será realizada de 29 de abril a 1º de maio. O título desta sessão, que decorrerá online, é: “Continuidade, mudança, futuro – A Misericórdia como responsabilidade da Igreja”. Continuidade, mudança, futuro “Sede, tornai-vos misericordiosos, como vosso Pai é misericordioso”. Misericórdia é a palavra do ano de 2021 e a misericórdia está no centro da 2ª sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália. Os trabalhos do Sínodo decorrerão sob o tema “Continuidade, mudança, futuro. Misericórdia como responsabilidade da Igreja". “Ainda há muita incerteza sobre o futuro nesta difícil situação ligada à pandemia.”, diz o reitor do CELI, Heiner Bludau, explicando a escolha do tema. “Isso também se aplica à nossa igreja. A reflexão sobre esta situação será uma parte importante da agenda do nosso Sínodo. Devemos nos perguntar que contribuição podemos dar, neste momento, para a sociedade como um todo. A igreja, porém, reitera o reitor, não deve ser considerada apenas uma instituição social. “É a comunidade daqueles que acreditam no Deus trino”. O Sínodo on-line O presidente do Sínodo, Wolfgang Prader e seu vice Ingrid Pfrommer, juntamente com o Consistório do CELI, para proteger a segurança de todos os participantes, decidiram realizar o Sínodo online em vez de presencial. Portanto, faltará um dos aspectos importantes de um Sínodo. Em outras palavras, a possibilidade de encontro, de troca recíproca. No entanto, o Sínodo estará acessível online e de casa pela primeira vez. Não apenas a todos os membros do CELI, espalhados em 15 comunidades em toda a Itália, desde o Passo do Brenner até a Sicília, mas também a todos os interessados ​​que se inscreverem (para registrar-se em www.chiesaluterana.it). “A pandemia está determinando os preparativos para o Sínodo deste ano”, sublinha Prader. Todas as possibilidades técnicas devem ser exploradas, as plataformas disponíveis devem ser examinadas e testadas para poder garantir aos sinodais um andamento regular dos trabalhos, em conformidade com o Estatuto. “Espero que possamos discutir os temas mais importantes e urgentes de forma intensa, mesmo que online, para que possamos tomar boas decisões e olhar para o futuro.” O convidado de honra, Martin Junge O convidado de honra da segunda sessão do XXIII Sínodo, na sexta-feira, 30 de abril, será o secretário geral da Federação Luterana Mundial, pároco Martin Junge. A Igreja Evangélica Luterana na Itália espera importantes impulsos de seu relatório. Assim como pelos seis grupos de trabalho que serão realizados no segundo dia do Sínodo, também na sexta-feira, 30 de abril. São eles os temas: gênero; digitalização; jovem; ambiente; as consequências da pandemia e a diaconia. Há apenas seis meses, de 9 a 11 de outubro de 2020, aconteceu em Roma a 1ª Sessão do XXIII Sínodo (embora com vários meses de atraso devido à Covid). Esta sessão elegeu o novo Presidium Sinodal com Wolfgang Prader como presidente e Ingrid Pfrommer como vice-presidente. Leia o press release completo no site do CELI. A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) reúne 15 comunidades distribuídas por toda a península. “Uma comunidade na diáspora que conta com alguns milhares de membros e não possui grandes bens móveis e imóveis – escrevem os luteranos -. No entanto, ser pequeno não significa ser irrelevante. Pelo contrário, a Igreja Evangélica Luterana na Itália é muito ativa em muitos campos sociais, solidários e culturais com vários projetos e programas que vão muito além do território de cada comunidade”. Desde a ajuda imediata a migrantes e pessoas carenciadas, à sensibilização para questões como a igualdade de oportunidades, a protecção do ambiente, o combate à discriminação, "é uma Igreja que faz ouvir a sua voz na sociedade, que não se detém e intervém também questões atuais de natureza política, ética e religiosa". Numerosos contribuintes italianos alocam seu Otto por mil para o CELI a cada ano. O CELI é membro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). www.chiesaluterana.it – [email protected] Gerente de comunicação CELI/Kommunikations-Beauftragte ELKI: Nicole Dominique Steiner ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.