Liberdade religiosa, onde está a Itália?

Liberdade religiosa, onde está a Itália?

Nathan Dumlao, unsplash

Roma (NEV), 16 de novembro de 2022 – “Dar plena regulamentação às realidades e sujeitos religiosos presentes na Itália, para que possam viver em pé de igualdade com os outros”, superando discriminações e obstáculos.

Esta será uma das questões centrais do debate desta tarde, a partir das 16h00, em Roma, na Fundação Basso, no Dia da Consciência e da Liberdade e em particular no encontro intitulado “Liberdade religiosa e consciência na Itália. Agenda para a nova legislatura”.

ele fala sobre isso Ilaria Valenziassessor jurídico da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), antecipando o conteúdo de seu discurso na mesa redonda de hoje.

Ao longo de seu relatório, a advogada Valenzi ilustrará antes de tudo “em que situação de fato nos encontramos: um novo pluralismo religioso, novas presenças, mas também presenças históricas que ainda não encontram uma posição jurídica plena, ou melhor, encontram uma, mas esta colocação muitas vezes e voluntariamente não responde à necessidade de proteger todos os direitos dessas realidades. É o caso, por exemplo, de algumas realidades evangélicas de segunda e terceira geração, portanto não do protestantismo histórico, como algumas das igrejas pentecostais que também têm sede na CCERS, a Comissão das igrejas evangélicas para as relações com o Estado (da qual Valenzi é chefe do escritório jurídico e, nessa função, participará da iniciativa de hoje, ed). E não encontram um lugar, porque muitas vezes o sistema os coloca, mas esse lugar não satisfaz suas necessidades, e corre o risco de criar uma espécie de discriminação com outras figuras de outras realidades religiosas que, ao contrário, tinham a capacidade de responder primeiro aos pedidos que o Estado sempre fez para com eles, ou seja, eles se conformaram mais facilmente. Isso não acontece sobretudo para realidades religiosas de presença mais recente na Itália, fora do cristianismo: o Islã, por exemplo, tem um estatuto que ainda não foi reconhecido pelo ordenamento jurídico italiano, seguimos uma política também meritória de acordos, convenções, com tabelas, até a nível ministerial, mas isto não esgota o problema central que é dar plena regulamentação aos sujeitos religiosos que possam viver plenamente a sua condição como os outros”.

Segundo Valenzi, “esses “maus funcionamentos do sistema” correm o risco de se agravar neste momento histórico. Vimos isso no período da pandemia, durante as chamadas religiões minoritárias, porque não havia instrumento para regulá-las. Como, por exemplo, a questão dos enterros rituais para os fiéis da religião islâmica ou a assistência espiritual em prisões e hospitais. Temas e problemas que ressurgiram, se possível de forma mais forte durante a crise pandémica e que têm uma componente jurídica mas também expressam uma vontade política: a de não regulamentar ou de deixar uma série de realidades numa espécie de limbo perene porque isso significa não os legitimam”.

Segundo Valenzi, um dos riscos mais concretos que enfrentamos é, portanto, “que os direitos de liberdade religiosa sejam o espelho do que acontece em termos políticos com as minorias, de todas as minorias, no caso dessas minorias religiosas. Uma defesa da identidade cultural deste país, com argumentos populistas que conhecemos bem, que é usada de forma muito forte contra o que se percebe como arriscado para a manutenção desta identidade religiosa: os símbolos, as raízes culturais…”

Um desses símbolos é o crucifixo mas não é o único: “falamos sempre do crucifixo e está certo mas culturalmente não percebemos a importância de alguns símbolos religiosos, pois são religiosos também para outras religiões. Por exemplo, não consideramos o véu, o kirpan para os crentes da religião sikh, como necessário. E muitas vezes leva a um choque cultural”.

Por fim, a questão da laicidade, principalmente na escola. A aula de religião, mas também em geral “o reconhecimento da escola como lugar onde se vive a partilha e a integração entre pessoas e não entre culturas. Na escola, a possibilidade da diversidade é vivida num plano de igualdade e isso corre o risco de ser usada como uma gazua para alunos que vêm de diferentes culturas, contextos e origens migratórias. Corre o risco de se tornar mais um campo de batalha que, se fomentado do ponto de vista político, pode ser explosivo”.

Aqui o programa completo do evento.


Os Dias de Consciência e Liberdade acontecerão na quarta-feira, 16 de novembro de 2022, às 16h, no salão da Fundação Lelio e Lisli Basso, na Via della Dogana Vecchia n. 5 em Roma. Entrada gratuita sem reserva.

Eles também serão transmitidos na página do Facebook Consciência e Liberdade e no site www.hopemedia.it.


Para saber mais:

A FCEI inaugura a Secretaria Escolar do Pluralismo Laico

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

#Kairos vence o prémio Tertio Millennio 2018

#Kairos vence o prémio Tertio Millennio 2018

Roma (NEV), 17 de dezembro de 2018 – “Kairós”, De Paulo Barakat, é o vencedor da XXII edição do Tertio Millennio Film Fest, um festival de diálogo inter-religioso que este ano teve como tema “Os dias da revolta. Guerra, revolução e redenção". Para o documentário "Fortaleza Mãe”De Maria Luísa ForenzaMenção especial. A cerimônia de premiação foi realizada no sábado, 15 de dezembro, em Roma, no cinema Trevi. Os prêmios foram atribuídos pelo júri inter-religioso presidido por Claudia DiGiovanni. “O filme é sobre Danny, um menino com síndrome de Down, ex-campeão de ginástica artística, que limpa uma academia de boxe, mas sonha em entrar no ringue – diz Elena Ribet, no júri da Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi” -. Um segredo mudará seu destino. Filme xamânico, inovador, desafiador, onde o protagonista é interpretado por Chris Buntonator que sofre de trissomia 21, e onde a dimensão do tempo é suspensa em kairosna fronteira entre o momento supremo e o infinito, onde há amor e vida”. O XXII Tertio Millennio Film Fest, organizado pela Fondazione Ente dello Spettacolo (FEdS), representa uma oportunidade de diálogo inter-religioso e intercultural entre as comunidades católica, protestante, ortodoxa, judaica e islâmica. “Foram 9 filmes em competição, vindos de lugares muito distantes. Abordaram temas candentes sobre os quais muitas vezes estamos divididos: guerra, fundamentalismo religioso, família, hospitalidade, diálogo. São temas sobre os quais o festival quis antes promover um diálogo para passar uma mensagem importante: o cinema aproxima-nos”, lê-se no comunicado final da iniciativa. Leis aqui todas as tramas dos 9 filmes em competição. Estas são as razões do júri: Kairóspor Paulo Barakat. Drama, Austrália; 2018 – 87' Kairós destrói o estereótipo da síndrome de Down como uma limitação física, mental, psicológica, relacional e social. Mas Kairos também nos mostra os diferentes níveis de amor e amizade, com todas as distorções que a fraqueza humana traz consigo. Por fim, ele nos revela como só se pode amar o próximo amando a si mesmo primeiro: a verdadeira força existencial está na coragem de ser fiel aos próprios valores e visões, em aceitar as derrotas e aprender com elas, no amor próprio que leva a evoluir, a se redimir, a se aprimorar e a ser um bom exemplo de vida para os outros. Mãe Fortaleza, por Maria Luísa Forenza. Documentário, Itália, Síria; 2018 – 78' Neste documentário, emerge a habilidade do diretor em criar passagens de luz no drama da guerra na Síria. Apesar do tempo das bombas, da violência, da agonia dos sobreviventes diante dos mortos e da morte, apesar de tudo, os reflexos do espírito estão vivos, do desespero que se torna esperança, do horror que se torna perdão, da resignação inerte que se torna obstinação por um projeto maior de partilha, redenção de amor, paz, fraternidade e irmandade. Parabéns a Paul Barakat por seu prêmio de Melhor Filme na exibição de estreia mundial de 'Kairos' no Tertio Millenio Film Festival em Roma. @Lisa_Wilkinson @MRowlandMP #australianfilm #inclusividade pic.twitter.com/tXt1AgyTfl — Stephen Hope (@shoppe52) 16 de dezembro de 2018 ...

Ler artigo
Naufrágio de Crotone, luteranos: “Não podemos nos calar”

Naufrágio de Crotone, luteranos: “Não podemos nos calar”

Desenho de Francesco Piobbichi, operador da Mediterranean Hope - FCEI Roma (NEV), 1º de março de 2023 – “Como Igreja, sabemos como é complexo lidar com a questão da migração. No entanto, essa complexidade não pode ser traduzida em silêncio ou, pior, em negação”. A igreja luterana na Itália escreve isso em uma nota. “A Igreja Evangélica Luterana na Itália – lê-se no comunicado de imprensa divulgado hoje – expressa suas condolências pelas vítimas do naufrágio ocorrido na costa da Calábria. As mais de sessenta vítimas recuperadas até agora, entre muitos meninos e meninas, somam-se a outras pessoas que, nos últimos anos, se lançaram ao encontro da Europa. Como cristãos, sentimos faltar-nos as palavras pela crueldade com que estas buscas de encontro, estes pedidos de ajuda, muitas vezes ficam suspensos, senão mesmo rompidos. Consideramos estas mortes, e as que as precederam, o sinal do pecado que nos diz respeito. Não no abstrato, mas no concreto. Podemos nós, como os justos do Evangelho de Marcos, perguntar: Senhor, quando te vimos como estrangeiro e te acolhemos? Podemos, olhando para estes nossos irmãos e irmãs, responder afirmativamente a esta pergunta? As viagens dos migrantes sinalizam a fragilidade de nossa sociedade. E da política muitas vezes até interessada em fazer dessas mortes a responsabilidade de quem morreu. É inadmissível que o pedido de dignidade humana, de encontro no caminho da solidariedade se simplifique a números, quotas, admissões. A complexidade não é uma equação a ser reduzida ao mínimo, nem as pessoas são variáveis ​​intercambiáveis. Nas nossas praias, essas mesmas praias para onde iremos daqui a alguns meses para refrescar o verão, o nosso tormento acende-se”. O CELI, prossegue o texto, “juntamente com as suas profundas condolências deseja também manifestar o seu encorajamento para que o nosso país não se deixe desumanizar, não se acostume com estas como com as outras mortes que as precederam. Como cristãos, temos o dever de fazer parte dessa complexidade. Enfrentá-lo juntos, ecumenicamente. Acreditamos que a gestão dos fluxos migratórios é necessária e que, mesmo neste caso, a complexidade não pode e não deve ser reduzida ou banalizada dentro das típicas polarizações e explorações políticas. O que aconteceu diante de Cutro é um grito muito alto: ao céu, mas sobretudo à terra. E chama-nos cristãos a dar conta de sermos armas que acolhem, mas também vozes que intervêm, falam claramente tanto à sociedade como à política. A santidade da vida humana se aplica a todos os seres humanos em todos os lugares. Tanto na costa da Calábria como nos campos de migrantes. Campos que, também graças às políticas contraditórias implementadas nos últimos anos, continuam a fazer vítimas e a gerar desespero após desespero”. A Igreja Evangélica Luterana na Itália espera, portanto, “com vigor, que pelo menos os cristãos, as pessoas de fé saibam falar juntas, em uma voz que contém uma pluralidade de tons. Harmonioso. Porque o Deus da Paz e da Vida nos deu voz para falar quando necessário”. ...

Ler artigo
19 de julho de 1620 – 19 de julho de 2020. Culto para recordar o “Sagrado Matadouro”

19 de julho de 1620 – 19 de julho de 2020. Culto para recordar o “Sagrado Matadouro”

A fachada da igreja valdense na via IV novembro em Roma. Foto da Wikipédia Roma (NEV), 15 de julho de 2020 - Um serviço de comemoração presidido pelo pároco valdense será realizado em Roma no domingo, 19 de julho Rio Emanuelexatamente 400 anos após o massacre conhecido como o "Sagrado Matadouro de Valtellina". “Relembraremos este episódio da nossa história durante o culto” escreveu o pastor Fiume na primeira página do boletim julho-agosto “Protestantes em Roma”, enviado aos membros e simpatizantes da comunidade valdense que se reúne na via IV novembro 107 em Roma . O culto do próximo dia 19 de julho, que como todos os domingos do período de verão acontecerá às 11h junto com a comunidade francófona, será realizado respeitando as medidas sanitárias e de segurança indicadas pela Junta Valdense e pelas autoridades. A agência de notícias NEV publicou um arquivo intitulado O "matadeiro sagrado" de Valtellina (19 de julho de 1620), editado pelo próprio Emanuele Fiume, no qual o pastor e estudioso refaz as etapas históricas do extermínio religioso de centenas de protestantes ocorrido em julho de 1620. Acesse o CARD. Para mais informações sobre o culto e sobre a igreja valdense na via IV de novembro em Roma clique AQUI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.