Mulheres e a Bíblia.  Curso de Teologia no Zoom

Mulheres e a Bíblia. Curso de Teologia no Zoom

Foto do pôster da FDEI – detalhe. Imagem de Silvia Gastaldi – aquarela Esther

Roma (NEV), 10 de fevereiro de 2021 – A Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) está organizando um curso de teologia bíblica intitulado “Violência e poder: mulheres e a Bíblia”. O curso será ministrado pelo biblista corinne lanoir e o teólogo Letizia Tomassone.

Os encontros decorrerão no Zoom de 14 de março a 9 de maio de 2021. Para se inscrever basta enviar um email para: [email protected] até 10 de março de 2021.

As pessoas inscritas no curso receberão referências bíblicas e bibliografia aprofundada para cada encontro, bem como o link para se conectar à plataforma zoom. Os não inscritos ainda podem acompanhar o curso em vídeo-aula diferida na página do Facebook da igreja valdense em Florença, neste link.

Segue abaixo o calendário de reuniões.

Baixe o cartaz do curso de Teologia Bíblica em pdf


1ª REUNIÃO

Como lemos a Bíblia. Até as matriarcas sofrem violência de gênero

14 de março das 17:00 às 19:00 zoom

2ª REUNIÃO

Histórias de violência e patriarcado

28 de março das 17:00 às 19:00 zoom

3ª REUNIÃO

O silêncio das mulheres

18 de abril das 17:00 às 19:00 zoom

4ª REUNIÃO

Violência econômica e de poder

9 de maio das 17:00 às 19:00 zoom


A Federação de Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) é um movimento de mulheres pertencentes às igrejas batista, metodista, valdense e outras organizações de mulheres na área evangélica (luteranas, adventistas, Exército de Salvação e Igreja Reformada do Ticino). Organiza e participa em iniciativas conjuntas com organizações de mulheres protestantes a nível internacional e mantém relações com organizações de mulheres católicas e seculares a nível nacional e local.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Pluralismo religioso, fundamentalismos, democracias – Nev

Pluralismo religioso, fundamentalismos, democracias – Nev

Milada Vigerova, antiespalhamento Roma (NEV), 3 de fevereiro de 2023 – A conferência está agendada para sexta-feira, 17 de fevereiro, das 9h30 às 16h30 no Salão da Igreja Valdense na via Marianna Dionigi, 59 em Roma e sábado, 18 de fevereiro, das 9h30 às 12h30 na Biblioteca Jurídica Central da Palácio da Justiça (entrada pela Piazza Cavour), também em Roma. Promovido pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Confronti Review and Study Centre, a Central Legal Library, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. “Perguntamo-nos se é verdade que a nossa legislação ainda não está alinhada com a europeia (e com as nossas próprias disposições constitucionais), no que diz respeito aos direitos e liberdades que devem ser reconhecidos às religiões, e às convicções morais e filosóficas”, explicam os organizadores da iniciativa. Entre os palestrantes: Giuliano Amato, Kristina Stoeckl, Alberto Melloni, Daniele Garrone, Roberto ZaccariaE Valdo Spini. Participarão da mesa política com os parlamentares para tratar do tema da lei de liberdade religiosa: Elena BonettiAção-IV, Maria Domingas CastelloneMovimento 5 estrelas, Alexandre CattaneoVai Italia, Cecília D'EliaPartido Democrático, José De CristofaroEsquerda italiana, Ricardo Mageu, +Europa, Lúcio MalanIrmãos da Itália. O programa completo abaixo: Na sexta-feira, 17 de fevereiro, no Salão da Igreja Valdense, as saudações iniciais são confiadas a necessidades de jacintoPresidente de Seção, Corte de Cassação ea Daniele GarronePresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (Fcei). O contexto internacional verá as intervenções de Frank Hippolytuspresidente da Fundação Lelio e Lisli Basso, Paulo Naso FCEI, Centro de Estudos Comparados, Universidade Sapienza, e Kristina StoecklUniversidade de Innsbruck. O segundo painel, 'Fé e religião: uma dialética crescente', será confiado a Fausto Tortoravice-presidente da Fundação Lelio e Lisli Basso, Giancarlo GaetaProfessor de História do Cristianismo Antigo, Universidade de Florença, Simone Gaboriaupresidente honorário do Tribunal de Apelações de Paris, James Marramaoprofessor emérito de filosofia da Uni Roma 3, coordenador do comitê científico da Fundação Lelio e Lisli Basso.Após o almoço continuaremos com o terceiro painel, 'A União Europeia e o caso italiano', confiado a Giovanni I. GiannoliConselho de Curadores da Fundação Lelio e Lisli Basso, Ilaria ValenziCentro de Estudos Comparados e Fundação Bruno Kessler, Pamela HarrisUniversidade John Cabot e Maurizio AmbrosiniUniversidade de Milão. O dia será encerrado com o painel 'A laicidade procurada no cotidiano', organizado por Cláudio Paravatidiretor do Centro de Comparações de Revisão e Estudo, Tobias ZeviConselheiro para Políticas de Patrimônio e Habitação de Roma e Carla Fermariellovereador da cidade de Roma. Seguem-se as intervenções dos representantes das confissões religiosas. Convidou os representantes das Igrejas membros da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, Alexandre BenedettiBahá'í, Fabrício D'AgostinoIgreja da Cientologia, Noemi Di SegniUnião das Comunidades Judaicas Italianas, Maria Ângela FalaMesa Inter-religiosa de Roma, Daniela GenanFederação Italiana para o Judaísmo Progressista, Hamsananda GiriUnião Hindu Italiana, Yassine LaframUnião das Comunidades Islâmicas na Itália, carmim napolitanoFederação das Igrejas Pentecostais, Adele Orioli, União dos Ateus e Agnósticos Racionalistas, Yahya PallaviciniComunidade Religiosa Islâmica Italiana, Joshua PapagnaObra das Igrejas Cristãs dos Irmãos, Ricardo PlatiSoka Gakkai Instituto Budista Italiano, Abdellah RedouaneCentro Cultural Islâmico da Itália, David RomanoIgreja Adventista do Sétimo Dia, Philip SciannaUnião Budista Italiana, Remo SicardiA Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Siluan ȘpanBispo da Diocese Ortodoxa Romena da Itália, representante da Comunidade Sikh. Os trabalhos prosseguem no sábado, 18 de fevereiro, na Biblioteca Jurídica Central do Palácio da Justiça, com a apresentação de Frank Hippolytus, Presidente da Fundação Lelio e Lisli Basso. Continuamos com o primeiro painel A lei que não existe? editado por Julian Amatopresidente emérito do Tribunal Constitucional, Alexandre FerrariUniversidade de Insubria, Júlia Pasquali CerioliUniversidade de Milão, Albert Melloneu, secretário do FSCIRE, Valdo Spinipresidente da Fundação Irmãos Rosselli e Roberto Zaccaria, constitucionalista, presidente do Conselho Italiano para os Refugiados. Moderado Ilaria ValenziCentro de Estudos e Revista Confronti e Fundação Bruno Kessler. Será obrigatório ser credenciado para acesso ao Palácio da Justiça, um esse link. Seguir-se-á o painel 'A lei a votar', onde intervirão, Elena BonettiAção-IV, Maria Domingas CastelloneMovimento 5 estrelas, Alexandre CattaneoVai Italia, Cecília D'EliaPartido Democrático, José De CristofaroEsquerda italiana, Ricardo Mageu, +Europa, Lúcio Malan, Irmãos da Itália. Moderado Cláudio Paravatidiretor Comparações revista e centro de estudos. AQUI o flyer do evento Para participar na conferência de 18 de fevereiro no Palácio da Justiça, é necessário inscrever-se neste link: Para mais informações: FACTSHEET 17 de fevereiro para os valdenses ...

Ler artigo
Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Roma (NEV), 20 de junho de 2023 – A 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) terminou hoje. Inaugurado em 14 de junho em Tallinn, Estônia, foi intitulado: "Sob a bênção de Deus - moldando o futuro". Abaixo, uma seleção de notícias da Assembleia. Amor, esperança, fé. A trajetória do CEC nas palavras do novo presidente Nikitas A conferência de imprensa final da 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias acaba de terminar. o arcebispo Nikitas de Thyateira e Grã-Bretanha do Patriarcado Ecumênico, recém-eleito presidente do CEC, compartilharam uma mensagem de esperança. “Esta Assembléia nos encontra em um mundo em guerra, onde as armas nucleares ainda estão em ação. Onde vemos devastação e destruição, onde nossa terra é queimada e destruída por mãos humanas, vemos pobreza, injustiça, escuridão e sombras de pecado. Neste contexto, o CEC quer trazer a esperança e a luz de Cristo, como mensageiro de paz e solução para os nossos problemas”, disse Nikitas. O que somos chamados a fazer como cristãos, acrescentou, é "alimentar os pobres, vestir os nus, cuidar dos necessitados" e sublinhou a grande contribuição das novas gerações, "que vieram corrigir, talvez a nossa visão . Trocar os óculos, para que vejamos com o olhar de Jesus Cristo”. Esperança, fé e amor em Jesus são as palavras recorrentes neste último dia: "Hoje somos um pouco diferentes, a Assembleia escolheu ser representada por representantes de diferentes comunidades cristãs e esta é a demonstração de que apesar das diferenças podemos estar juntos e fazer as coisas juntos, em unidade […] Rezemos juntos pela paz porque a graça do Senhor pode fazer milagres” concluiu Nikitas. Assista a coletiva de imprensa completa: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=q_EAo13WFjA[/embed] CEC eleita nova direção Em 19 de junho, a Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa elegeu seus novos líderes. o arcebispo Nikitas de Tiateira e Grã-Bretanha do Patriarcado Ecumênico foi eleito presidente. os pastores Inverno de Dagmar E Frank Kopania vice-presidentes foram eleitos. Para saber mais, leia o artigo em italiano em Riforma.it Foto CEC / Albin Hillert Hartmut Rosa: As igrejas podem oferecer um modelo diferente ao desejo de crescimento permanente da Europa Hartmut Rose, um sociólogo alemão e orador principal na Assembleia Geral da CEC de 2023, refletiu sobre o papel das igrejas em oferecer um modelo diferente ao desejo da Europa de crescimento e aceleração permanentes. A sociedade europeia está "em um impasse", disse Rosa. A vida se concentrou no crescimento destrutivo, para manter o status quo. Tomando o exemplo da indústria alimentícia, onde as enzimas são colocadas em refeições prontas para reduzir a sensação de saciedade e satisfação, ele disse: “O problema é que simplesmente temos que continuar crescendo em todos os setores, porque senão os empregos que eles não poderiam ser preservada, mesmo que objetivamente não faça mais sentido crescer. Vivemos em um sistema que precisa crescer para permanecer o mesmo. Sem esse crescimento, o sistema entra em colapso.” As consequências são poluição, problemas ambientais, agressão e esgotamento. Rosa se referiu ao aumento dos problemas de saúde mental e do suicídio entre os jovens, que não conseguem lidar com o estresse do excesso de velocidade. E denunciou o tom cada vez mais agressivo da política e a ascensão do populismo, com o risco de “com este modelo perdermos o nosso futuro e o nosso passado”. Finalmente, Rosa propôs um modelo alternativo de "ressonância". Referindo-se à história bíblica do rei Salomão, Rosa falou de um “coração que escuta” e de “bem viver”. Ressonância é quando você sai desse modo de aceleração porque algo o toca e você reage a isso. Nesse processo somos transformados, não permanecemos os mesmos”. Leia em 2023cecasssembly.org, em inglês Rowan Williams, encontrando coragem para abraçar o risco O ex-arcebispo de Canterbury Rowan Williams levou a uma reflexão a partir da pergunta: "Que bênção traz a igreja de Cristo?". O que significa "bem-aventurados" ou "afortunados", também em relação à ação das Igrejas no tempo presente? Leia sobre a Igreja Luterana Foto CEC / Albin Hillert Patriarca Bartolomeu: Na Europa, as pessoas não se identificam mais com as igrejas nacionais O Patriarca Ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu, falou na Assembleia da CEC com um discurso fundamental para “celebrar e afirmar o espírito ecumênico entre as diferentes igrejas, comunhões e confissões”. Por outro lado, a retórica das chamadas “guerras culturais” comprometeu seriamente qualquer potencial de diálogo, ferindo o próprio cerne do ecumenismo. Falando de um "novo ecumenismo" num contexto destrutivo, onde a guerra pôs em evidência a fragilidade dos progressos realizados até agora, Bartolomeu falou da "justificação da Igreja russa para esta guerra, vista como a salvação da Ucrânia da suposta sedução de um ímpio ocidental, secular e liberal”. Leia o artigo em italiano e a tradução completa do discurso de Bartolomeu no site da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Podemos nos preparar para a paz? A Assembleia da CEC cedeu espaço a alguns testemunhos cristãos da Ucrânia, Rússia e outros países próximos às zonas de conflito. “Um forte lembrete de que a guerra na Ucrânia não está apenas entrelaçada com a divisão teológica, mas também com pessoas morrendo todos os dias, enquanto as igrejas estão cada vez mais frustradas sobre como contribuir para a paz”, escreve o CEC. O painel discutiu a propaganda, a geopolítica, os meios de comunicação de massa e os riscos de exploração, inclusive no âmbito ecumênico. Leia aqui, em inglês. Ucrânia. Ser igreja no meio da guerra Durante a Assembleia da Conferência das Igrejas da Europa, entre outras coisas, foi realizada uma reunião pública na qual os líderes religiosos ucranianos ilustraram a situação de suas igrejas no país. Eles também falaram sobre como dão testemunho do Evangelho e como é um grande desafio encontrar as palavras certas diante de uma violência indescritível. Leia em Riforma.it Foto CEC / Albin Hillert A Assembleia da Juventude traz uma nova esperança de unidade, a começar pela amizade Pontes construídas, amizades e uma caminhada de quatro quilômetros na bela floresta nos arredores de Tallinn, na Estônia. O testemunho da Assembleia da Juventude, um dia antes da abertura da Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias. Leia mais: Leia mais Juventude se une no #cecasassembly 2023! - YouTube Para saber mais: Todas as fotos da Assembleia KEK 2023 Canal CEC no YouTube: Conferência das Igrejas Europeias – YouTube Transmissões ao vivo: Assembleia Geral CEC 2023 – Tallinn – YouTube ...

Ler artigo
Luteranos alemães ao Papa Francisco para “caminhar juntos”

Luteranos alemães ao Papa Francisco para “caminhar juntos”

A delegação do Comitê Nacional Alemão da Federação Luterana Mundial com Mons. Mathias Turco. A primeira da esquerda é Cordelia Vitiello da Igreja Evangélica Luterana na Itália (Foto: DNK/LWB) Roma (NEV), 4 de junho de 2018 - "Nunca devemos voltar a 2017". Ele disse para Papa Francisco o bispo luterano Gerhard Ulrichchefe da delegação do Comitê Nacional Alemão (CNT) da Federação Luterana Mundial (FLM) recebeu hoje em audiência no Vaticano. Referindo-se ao 500º aniversário da Reforma Protestante iniciada pelo monge agostiniano Martinho Lutero, por ocasião da qual a FLM e o Papa Francisco assinaram uma declaração conjunta em Lund (Suécia), Dom Ulrich admitiu que "há questões eclesiológicas que ainda preciso esclarecer, mas já hoje diante do mundo podemos dar juntos respostas diaconais”, como, por exemplo, o compromisso comum a favor dos migrantes e dos explorados, e no campo da promoção da paz e salvaguarda da Criação. Para o bispo, “o Jubileu da Reforma é um dos maiores dons de Deus do nosso tempo”. Sobre a recente abertura da Conferência Episcopal Alemã sobre a possibilidade de admitir à Eucaristia os cônjuges protestantes de fiéis católicos, Ulrich disse que observava o debate em curso com "atenção e grande esperança". Sua esperança é que uma solução "unânime e aceitável" seja encontrada sobre o assunto. O tema surgiu também em Lund e foi retomado na declaração final, onde a FLM e a Igreja Católica expressaram como responsabilidade pastoral conjunta a de "responder à sede e à fome espiritual" de muitos de seus membros "que desejam receber a Eucaristia na mesma mesa, como expressão concreta da plena unidade”. Para o Papa Francisco, católicos e luteranos devem continuar em suas relações recíprocas "não com o entusiasmo de correr para alcançar objetivos cobiçados, mas caminhando juntos com paciência, sob o olhar de Deus" - conforme relata Vaticano Insider – porque “nenhum diálogo ecumênico pode avançar se ficarmos parados”. Alguns temas – continuou o Papa, citando os três elementos teológicos mais divisores das tradições católica e evangélica (a concepção do termo “igreja”, a Eucaristia e o ministério eclesial) – “merecem reflexões pontuais e bem compartilhadas. O ecumenismo pede também para não ser elitista, mas para envolver na fé o maior número possível de irmãos e irmãs, crescendo como comunidade de discípulos que rezam, amam e anunciam”. Portanto, para Papa Bergoglio, a ideia é continuar garantindo o apoio mútuo também continuando o diálogo teológico. O encontro foi concluído com a oração do Pai Nosso. Ele também fez parte da delegação Cordelia Vitiellovice-presidente do Consistório da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) e membro do Conselho da FLM. Ontem, domingo, 3 de junho, a delegação do Comitê Nacional Alemão da FLM teve sua reunião oficial com o CELI. Bispo Ulrich, pregando durante o culto de domingo no igreja de cristo da via Sicilia em Roma, sublinhou a importância do pluralismo das tradições: “A diversidade é uma vantagem, não um obstáculo. Pelo contrário: a diversidade reconciliada é uma pré-condição para uma comunidade bem-sucedida”. Para Ulrich, a Igreja de Jesus Cristo é aquela da unidade vivida na diversidade. "Vielfalt ist Reichtum, nicht Störung. Freiheit im Glauben gibt es nicht ohne Vielfalt."Zum Auftakt der Begegnungsreise des DNK/LWB predigt unser Vorsitzender LB Ulrich in der Christuskirche in Rom. #ökumene #EinheitinVielfalt #freiheit @nordkirche_de @VELKD_Presse pic.twitter.com/A7YfaaXJ12 —DNK/LWB (@DNKLWB) 3 de junho de 2018 A visita italiana do Comitê Nacional Alemão (CNT) da FLM segue até 7 de junho. (Para mais informações sobre a visita consulte o nosso artigo aqui). (gc) ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.