não à violência e exploração da religião

não à violência e exploração da religião

Refugiados rohingya deslocados de Mianmar – foto da Wikimedia

Roma (NEV), 30 de dezembro de 2019 – Após a resolução da Assembleia Geral das Nações Unidas condenando a República da União de Mianmar pelas violações dos direitos humanos da minoria muçulmana Rohingya, a União Budista Italiana (UBI) divulgou um comunicado à imprensa. emitido no último sábado.

“A União Budista Italiana reafirma a sua firme condenação de qualquer forma de violência e qualquer exploração da religião para interesses políticos, ideológicos ou nacionais que nada tenham a ver com os ensinamentos do Buda – lê-se no comunicado de imprensa -. A UBI recorda ainda que os ensinamentos budistas visam diminuir o sofrimento de todos os seres vivos, sem distinção de religião, cultura ou origem. Pelo contrário, qualquer comportamento que cause dor ou discriminação está em total contradição com o que é a mensagem do próprio budismo e, portanto, não pode ser aceito”.

A UBI, referindo-se à tradição de respeito pelos direitos humanos e à proteção de cada comunidade expressa nos valores da coexistência democrática da cultura europeia, também declara: “é uma responsabilidade precisa como budistas italianos e europeus se distanciar de qualquer forma de exploração de toda expressão religiosa, assim como de toda forma de violência”.

Os budistas italianos expressam “mais uma vez sua mais profunda proximidade com a comunidade islâmica, convencidos da firme necessidade de potencializar o diálogo entre religiões e culturas como oportunidade de paz, respeito e convivência e compreensão recíproca, além de preconceitos e divisões” .

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Para uma liturgia doméstica, um dom de Hospitalidade Eucarística

Para uma liturgia doméstica, um dom de Hospitalidade Eucarística

"A Ceia do Senhor" do artista ucraniano Vladimir Sakhnenko Roma (NEV), 24 de dezembro de 2020 – Este é um presente de Natal. “Hospitalidade Eucarística” é um boletim cujas páginas refletem sobre a aceitação recíproca da “Santa Ceia Protestante” e da “Eucaristia Católica”. A edição de dezembro está disponível em pdf, no rodapé desta página, cortesia dos editores Margarida Ricciuti (valdense) e Pedro Urciuoli (Católico). Editado por alguns membros do grupo ecumênico "Partindo o Pão", que inclui crentes protestantes e católicos, o folheto explora experiências e práticas ecumênicas. O grupo, nascido no campo ecumênico em 2011 em Turim, envolve igrejas, mosteiros e paróquias e produziu um interessante questionário sobre o tema em 2017. Esta edição da "Hospitalidade Eucarística" constrói-se "nesta conjuntura imprevisível" com as questões que trouxe à tona como "o encerramento preventivo de muitos locais de culto com inevitáveis ​​repercussões na partilha da Ceia do Senhor, e as medidas pessoais recomendado pela prudência que aconselha a evitar sair – lê-se na apresentação -. Estas precauções tornaram a (re)descoberta da liturgia doméstica mais atual do que nunca; uma modalidade que, como nos conta em seu depoimento Fredo Olivero, um padre católico de Turim, também graças à tecnologia, em sua opinião, pode permitir que as pessoas participem de serviços religiosos, reduzindo também a distância entre católicos e outros cristãos. O pastor valdense Gênero Gianni e o bispo católico Derio Olivero enviou-nos as suas comunicações às duas comunidades católica e valdense de Pinerolo e dos vales circundantes, tendo criado um verdadeiro laboratório ecuménico por ocasião da pandemia, tanto mais significativo quanto diz respeito precisamente aos lugares onde, nos séculos passados, os principais conflitos entre as duas comunidades. Este número também traz a narração da primeira apresentação do livro 'Hospitalidade eucarística: a caminho da unidade dos cristãos'”. O livro citado trata do tema da hospitalidade eucarística a partir do documento A Ceia do Senhor, assinado por Paulo rico E João Cereti, onde se expressam as razões que sustentam esta prática. Também inclui contribuições sobre o assunto de perspectivas católicas, ortodoxas, luteranas, batistas, metodistas, valdenses, adventistas, anglicanas e pentecostais. “O termo 'hóspede' indica tanto aquele que oferece hospitalidade como aquele que a recebe, pois ambos os sujeitos, embora com papéis diferentes, estão unidos por um valor superior: a hospitalidade – lê-se no subtítulo da folha -. Assim, a 'hospitalidade eucarística' é uma forma de dizer que somos todos hóspedes do único Senhor que nos acolhe e acolhe com todas as nossas diferenças. A Ceia pertence ao Senhor, não às Igrejas”. Baixe a edição clicando aqui: OE – N 23 – Dezembro 2020 ...

Ler artigo
Casas e pensões valdenses “respondem” ao Covid

Casas e pensões valdenses “respondem” ao Covid

A pousada de Torre Pellice (Turim) Roma (NEV), 3 de dezembro de 2020 - As casas e pensões valdenses não estão fechando devido à Covid, mas estão "relançando". De fato, as estruturas foram convertidas, em muitos casos, nas últimas semanas, justamente para se adaptar à nova situação ligada à emergência sanitária, às restrições de viagens, mas também para reagir ao colapso do setor do turismo. Contribuindo ativamente para ajudar as pessoas mais vulneráveis. Eles escreveram e explicaram Elisa Ambrosoni E Daniel del Priore dias atrás em um post no site e redes sociais das pousadas e casas valdenses. As casas valdenses, como também havíamos noticiado aqui no NEV, haviam reaberto em junho. Após o verão, em virtude das várias DPCMs, da segunda onda, do lockdown e da divisão da Itália em zonas, uma nova parada para o setor de turismo. Daniele Del Priore, diretora da área de acolhimento da Diaconia Valdense, não nega o momento de extraordinária dificuldade: “Os funcionários dos albergues e pousadas estão em fundo de demissão, antecipado pela Diaconia Valdense. O orçamento deste ano é fortemente negativo. E lembramos que as receitas das pensões apoiam a atividade solidária da Diaconia”. Mas diante da crise, "resiliência". “Como também no primeiro bloqueio, nos ouvimos. A vontade de ouvir as necessidades dos territórios e das pessoas faz parte da nossa missão”. Daí, portanto, a escolha de reformular a oferta. “O Foresteria Valdese de Torre Pellice, em colaboração com o ASL Torino 3, será utilizado como um hotel de saúde que acolhe pessoas positivas, assintomáticas e autónomas. A Waldensian Foresteria em Florença colocou à disposição do Gould Institute uma ala do Palazzo Salviati para que os menores que testem positivo para Covid-19, ou que apresentem sintomas, possam usufruir de um amplo espaço dedicado”, lê-se no detalhe no site do casas valdenses. No que diz respeito à Casa Cares, na Toscana, “estão em curso negociações com a Cruz Vermelha Italiana para que a estrutura possa acolher os migrantes que entram no nosso país, que necessitam de passar por um período de quarentena antes de serem assumidos pelo Estado italiano”. A Vallecrosia House Vallecrosia “reservou alguns quartos e uma parte do grande parque privado para migrantes em trânsito para a França: são principalmente famílias, em todo caso pessoas que precisam extremamente de descanso. Esta iniciativa nasceu da colaboração entre as casas valdenses e a Área de Migrantes da Diaconia Valdense, com o apoio e apoio das Igrejas Valdenses de Ponente Ligure. Mesmo em Florença, antecipa del Priore, “estamos pensando em destinar nossa estrutura a um local onde menores em situação de dificuldade, acolhidos nas comunidades protegidas da cidade, possam passar quaisquer períodos de quarentena”. Tudo isso sob a égide de uma necessidade de socialização e sociabilidade. “O desejo – conclui a pessoa de contacto – é o regresso à normalidade, para todos, não só para as pessoas que são sempre faladas nos media. Penso nos mais novos, por exemplo, na necessidade de estarem juntos, de estarem próximos. A mensagem que queremos dar é de esperança: o distanciamento físico não exclui a proximidade social”. Para quem deseja informações sobre as estruturas individuais e sua disponibilidade, é aconselhável entrar em contato diretamente com a casa ou pousada, usando os dados de contato disponíveis no site casevaldesi.it e nas redes sociais. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Proteger a criação construindo a paz.  Dia do Diálogo Cristão-Islâmico

Proteger a criação construindo a paz. Dia do Diálogo Cristão-Islâmico

Roma (NEV), 19 de junho de 2023 – A convocação para o XXII Dia Ecumênico do Diálogo Cristão-Islâmico, tradicionalmente celebrado em 27 de outubro, tem como título “Guardar a Criação Construindo a Paz”. Os promotores convidam "todas as mulheres e os homens de boa vontade a organizar iniciativas no dia 27 de outubro para celebrar o XXII Dia Ecumênico do diálogo cristão-islâmico", diz o comunicado divulgado hoje. Já em 2022 a comissão promotora havia sublinhado a necessidade do desarmamento para alcançar a paz. Este ano, à luz das Escriturassagradas religiões islâmica e cristã, a encíclica Laudato si' e a Declaração de AbuDhabi, o Comitê “propõe uma reflexão sobre a guarda humana da criação. Mudançascorrentes ecológicas – aumento das temperaturas e dos mares, desertificação, eventoscondições climáticas extremas – mostram o impacto negativo das ações humanas – guerras,poluição, exploração extrema de recursos – no planeta”. E convida «a um desarmamento dos corações, a uma conversão ecológica que renove a nossa vocação a ser guardiões da obra de Deus. As religiões, assim como a política, a escola e os meios de comunicação de massa são responsáveis ​​pela educação para a paz e o cuidado». Opomo-nos à bênção dos exércitos em nome de Deus, à transferência de fundos da saúde e da educação para o setor militar. Por fim, nos opomos à linguagem da guerra que vê o outro como inimigo. Pedimos uma reconversão da indústria de armas”. Também este ano o Dia é comemorado em memória de John Sarubbientrepromotores desta iniciativa e fundador do periódico online ildialogo.org. Nascido após o atentado terrorista de 11 de setembro de 2001, na esteira da preocupação com um "choque de civilizações" no conceito desenvolvido pelo cientista político Samuel Huntingtono Dia do Diálogo Cristão-Muçulmano reuniu homens e mulheres desde o seu inícioreligião cristã e islâmica. “O diálogo é o único futuro possível da humanidade e do cosmos” repetem os organizadores.Na celebração do primeiro dia, na última sexta-feira do Ramadã em 2002, neoutros vinte se seguiram – a partir de 2008 celebrados na data fixa de 27 de outubro pararecordar o encontro inter-religioso de Assis em 1986 – e a iniciativa ano após anoenvolveu grupos, comunidades e associações que praticam localmente o "diálogo da vida". Leia o Apelo para o XXII Dia do Diálogo 2023 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.