#SPUC 2020. Variações da filantropia

#SPUC 2020. Variações da filantropia

O encontro na Golden Gate de Giotto (c. 1303-1305), afresco na Capela Scrovegni em Pádua, escolhido para acompanhar o tema da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2020 “Eles nos trataram com bondade”. Imagem wikipedia

Roma (NEV), 18 de janeiro de 2020 – Trataram-nos com bondade: este é o tema da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), que acontece, como acontece todos os anos há mais de meio século, de 18 a 25 Janeiro, promovido mundialmente pelo Conselho Mundial das Igrejas (CEC) e pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Eles nos trataram com gentileza (talvez seja melhor traduzir: “com humanidade”). É uma citação do livro dos Atos dos Apóstolos no capítulo 28.2, quando o apóstolo Paulo escapa de uma terrível tempestade e naufraga na ilha de Malta, junto com alguns de seus companheiros, os soldados que o levaram prisioneiro para Roma e para marinheiros. Quem é que trata Paolo e os outros náufragos com bondade (ou humanidade, se preferir)? São os habitantes de Malta, que acolhem, refrescam e aquecem os náufragos frios e húmidos. E por que escolher tal texto para a Semana da Unidade? A resposta das igrejas cristãs de Malta, que prepararam os materiais para a Semana, é que este texto é mais atual do que nunca. “Em várias partes do mundo – lê-se na introdução – muitas pessoas enfrentam jornadas igualmente perigosas, por terra e por mar, para escapar de desastres naturais, guerras e pobreza. Também a sua vida está à mercê de forças imensas e altamente indiferentes, não só naturais, mas também políticas, económicas e humanas. A indiferença humana assume muitas formas: a indiferença de quem vende lugares em barcos inseguros a pessoas desesperadas; a indiferença das pessoas que decidem não enviar botes salva-vidas; a indiferença de quem rejeita os barcos dos migrantes. Esta história interpela-nos como cristãos que enfrentam juntos a crise migratória: somos coniventes com as forças indiferentes ou acolhemos com a humanidade, tornando-nos assim testemunhas da amorosa providência de Deus para com cada pessoa?».

A narração dos Atos dos Apóstolos desenvolve boa parte do linguagem de boas vindas que encontramos no Novo Testamento. Existem três verbos acolhedores: acolher, receber, hospedar. Os malteses são definidos como “bárbaros” (porque não pertencem ao mundo da cultura grega), mas são bárbaros hospitaleiros que literalmente acolhem os náufragos com uma “filantropia fora do comum”. Ainda em Malta, o notável Públio “amigo” acolhe Paulo e seus seguidores (28,7): a palavra grega é filofronosoutro termo que, como filantropiaé composto com filia, amizade. Com efeito, no Novo Testamento, o vocabulário do acolhimento está intimamente ligado ao conceito de filiaamizade: se é filantropiaisto é, de amizade e humanidade para com todos os seres humanos, ou do Filadélfiao amor entre irmãos, ou mesmo dos filoxenia, amizade para o estrangeiro, são apenas variações do mesmo conceito. E contrastar essas diferentes formas de amizade/amor (por exemplo, afirmar que o amor pelos nossos conterrâneos vem em primeiro lugar) não faz sentido: certamente não do ponto de vista da mensagem cristã.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Despatriarcar o nome de Deus

Despatriarcar o nome de Deus

Roma (NEV), 29 de julho de 2021 – A sessão ecumênica de Camaldoli está na metade de seu curso. A Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) dá a notícia em nota à imprensa. Na noite de terça-feira no claustro da igreja do mosteiro celebrou-se o culto de Santa Cena com a pregação da pastora Ilenya Goss, da Igreja Valdense de Mântua, animada por pastores, pastores e leigos e leigas de várias igrejas reformadas italianas. Estiveram presentes na assembleia os monges da comunidade camaldulense que acolhem a sessão na casa de hóspedes do mosteiro. "A Palavra nos constitui como uma assembléia que escuta", disse Goss em seu sermão sobre a passagem final do Evangelho de Mateus em que Jesus convoca os discípulos antes de se separarem definitivamente, com a promessa "estou sempre com vocês, até o fim do idade "presente". No mandato dado aos discípulos, geralmente definido como missionário e voltado para a conversão, na realidade existe um espírito completamente diferente, disse o pároco. "Jesus diz" vá para discípulo”: viver a vida de discípulo e chamar os outros a viver como discípulos, a entrar em relação com o Mestre. Fazer discípulos passa de discípulos para discípulos, mas apenas um é o Mestre. Somos chamados a compartilhar o dom recebido sem possuí-lo". No final, uma arrecadação foi arrecadada e doada a um projeto para crianças em dificuldade em Burkina Faso através do irmão Enzo Biemmi. A entrevista em streaming foi realizada na quarta-feira por sabina baralde Turim, com o teólogo valdense Paulo ricoligado de Roma, e o teólogo católico da Coordenação Teológica Italiana (Cti) Christine Simonelli, presente em Camaldoli na Sala del Landino. As perguntas iam além do título do encontro "Pai nosso que estais no céu": como dizer Deus hoje": qual é a relação entre a crescente necessidade de serenidade e paz e a busca de Deus, como resolver a dicotomia entre a dramática acontecimentos do mundo e o desejo de felicidade, o que significa fazer teologia nas periferias existenciais, qual a maior contribuição que as teologias femininas podem trazer à busca de Deus. Para Paolo Ricca “buscar a Deus significa buscar a paz e a serenidade. Não devemos acreditar que a busca da paz seja evasiva, uma operação egoísta, mas vital. Claro que a busca de Deus não é só isso, mas também é isso. Não precisamos ter medo de buscar a Deus buscando essas coisas.” O pastor disse considerar o desejo de felicidade compatível na perspectiva reconciliada do mundo destinado à transfiguração. Nos tempos modernos, a felicidade foi incluída como um direito na Declaração de Independência dos Estados Unidos de 1776. Na Bíblia, a felicidade é uma dádiva, não um direito. O Sermão da Montanha que diz "bem-aventurados", isto é, felizes, está ligado ao Reino de Deus. A busca da felicidade em meio aos dramas cotidianos é legítima porque em tudo isso o Reino se aproximou. Para Cristina Simonelli, ex-presidente do CTI, viver, como viveu por vinte e cinco anos, em um acampamento cigano “foi uma expansão de fronteiras. Reconhecer a todos como filhos, filhas, pais e mães. Não vivi como alternativa, não consigo distinguir minha vida, a graça que recebi por ter meus pés ali e a teologia da mulher. Um dos motivos de eu ter ido foi: “Quero testar se o 'Pai Nosso' vale”. Não me fiz a pergunta do pai e da mãe, mas do 'nosso'. Eu vivi como uma promessa cumprida. Esse aspecto da oração do 'Pai Nosso' foi importante, uma palavra profética”. A contribuição das teologias femininas em busca de Deus Simonelli a define com três elementos emprestados de um livro de sua colega Elisabeth Green: adulteração, profundidade, respeito. “A adulteração não é apenas perturbadora, mas também liberta as pessoas e as Escrituras. Respeito profundo pela Tradição sem deixar nada firme, capotando. Por respeito e obediência a adulteração, ou seja, abrir tudo e tentar liberar tudo. Liberte-se, passe pelos tratados teológicos e pela Escritura”. Da oração do "Pai Nosso" o teólogo sublinhou que na versão de Mateus ela é introduzida pelo convite a não fazer como os pagãos, a não desperdiçar palavras. Uma poluição de palavras ocorreu na nomeação do pai que tem sido usada ao longo dos séculos para justificar o poder e o patriarcado. “Todo o poder no céu e na terra foi dado a Jesus, não a nós.” A palavra pai pode ser mantida, mas acompanhada de mãe. “É importante despatriarcar. A proclamação do evangelho eAbba falado por Jesus diz como entender pai e mãe. Pai não é o nome de Deus, mas é figura de relação, origem da vida e guarda, paterna e materna. Não queremos substituir a mãe pelo pai. Mantemos ambos, mantemos a complexidade das diferenças entre homens e mulheres e também entre confissões. Poderemos afirmar a riqueza da comunhão como diferenças reconciliadas e reconvertidas pelo verme originário da hierarquia”. À tarde, os participantes da sessão subiram até a Sagrada Ermida para uma visita guiada pelo prior. A noite foi dedicada à memória do fundador do Sae, Maria Vingianicom depoimentos da neta Francesca Vingiani e de colaboradores e colaboradoras. ...

Ler artigo
30 anos após a Assembleia Ecumênica Mundial em Seul

30 anos após a Assembleia Ecumênica Mundial em Seul

foto WCC Por ocasião do trigésimo aniversário da Convocação Ecumênica de Seul (5 a 12 de março de 1990) sobre "Justiça, paz e proteção da criação", publicamos uma prévia do texto do pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), que será transmitido no próximo domingo, 22 de março, no programa de rádio "Culto evangelico" da Radio1 RAI. Roma (NEV), 17 de março de 2020 – “Chegou a hora de confirmar nossa aliança com Deus, que também nos une uns aos outros. Vivemos um momento único na história. Toda a vida na terra está ameaçada pela injustiça, pela guerra, pela destruição da criação porque quebramos a aliança com Deus”. Assim começa a mensagem final da Assembleia Ecumênica Mundial sobre "Justiça, Paz e Integridade da Criação", realizada há trinta anos em Seul, Coreia do Sul, de 5 a 12 de março de 1990. Mais de mil pessoas, pertencentes a todas as confissões cristãs, participaram deste grande encontro promovido pelo Conselho Ecumênico de Igrejas; cerca de oitenta italianos, a maioria católicos, apesar de o Vaticano ter recusado o convite para ser co-convidador do evento e ter limitado sua presença oficial a vinte consultores. A Assembléia concluiu com quatro “Atos de Aliança” e com dez afirmações. Os Atos do Pacto diziam respeito: 1) ao compromisso com uma ordem econômica justa; 2) pela desmilitarização das relações internacionais e por uma cultura de não violência; 3) preservar a dádiva da atmosfera terrestre e combater o efeito estufa; 4) e, finalmente, para erradicar o racismo. E aqui estão as dez afirmações, todas muito oportunas: 1) devemos prestar contas a Deus de todo exercício de poder; 2) Deus faz uma escolha em favor dos pobres; 3) todos os povos e raças têm o mesmo valor; 4) homens e mulheres são criados à imagem de Deus; 5) a verdade é o fundamento de uma comunidade de seres livres; 6) Jesus Cristo traz paz; 7) a criação é amada por Deus; 8) a terra pertence a Deus; 9) a dignidade e o compromisso dos jovens devem ser reconhecidos; 10) Os direitos humanos são um dom de Deus. Recordando o aniversário da Assembléia em Seul nestes dias, o pároco Martin Robraengajada há décadas no Conselho Ecumênico de Genebra precisamente no setor "Justiça, paz e proteção da criação", sublinhou o caráter profético da prioridade dada ao tema da mudança climática, tema que há trinta anos não era de forma alguma moda, muito menos entre as igrejas cristãs. E recordou a imagem do culto final, com o seu significativo gesto simbólico: participantes de todos os continentes reunidos em torno de uma cruz, segurando nas mãos um grande globo terrestre, "sinal de reconciliação, cura e bênção, mantendo-o unido num equilíbrio frágil". Cristãos que se comprometem a apoiar conjuntamente o frágil equilíbrio da terra, portanto: uma imagem e um compromisso sempre presentes, especialmente nestes tempos em que, devido ao coronavírus, vivemos de maneira particular nossa vulnerabilidade em um mundo globalizado. ...

Ler artigo
Ajuda à população ucraniana, dois jovens acolhidos na Itália para o verão

Ajuda à população ucraniana, dois jovens acolhidos na Itália para o verão

Markus Spiske, unsplash Roma (NEV), 5 de agosto de 2022 – “Somos todos seres humanos, devemos ajudar uns aos outros”. Esta é a mensagem de Olha, 19, e Anzhela, 18, duas jovens ucranianas que acabam de chegar à Itália vindas da Polônia, por iniciativa das igrejas evangélicas, para um período de férias de verão. As duas meninas foram acolhidas pela igreja reformada de Lodz, na Polônia, liderada pelo pastor Semko Koroza, “a pessoa mais legal que já conhecemos, somos muito gratos a ele”. Outros ucranianos acolhidos pela mesma comunidade já regressaram da Polónia ao seu país, mas “não é fácil recomeçar” para eles, enquanto o conflito continua, os prejuízos são enormes, tudo mudou obviamente. Primeiro, para as duas meninas, há quatro anos, a transferência para a Polónia por motivos de estudo, depois o regresso a Kiev, devido à covid, depois a guerra. “Fugi no dia 14 de fevereiro, dia dos namorados”, lembra Olha. “No ônibus, junto com muitas outras pessoas, muitos conhecidos. Fiquei com medo e percebi que a situação estava piorando. Foi a melhor escolha da minha vida deixar a Ucrânia” poucos dias antes da escalada militar. Hoje a vontade deles é continuar estudando. Reencontro com as famílias, com a mãe que está na Alemanha, no caso da Olha. Entretanto, chegaram pela primeira vez a Itália – “mal podemos acreditar que estamos aqui, estamos muito gratos por esta oportunidade” – e nas próximas semanas passarão férias no Centro Ecumene de Velletri. Para saber mais: Rádio Beckwith entrevista com o ministro polonês da religião Semko Koroza: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.