Uma amizade islâmica-cristã.  Primeiros passos institucionais em Florença

Uma amizade islâmica-cristã. Primeiros passos institucionais em Florença

Roma (NEV), 28 de janeiro de 2020 – O encontro “Fraternidade humana pela paz mundial e a coexistência comum será realizado na quinta-feira, 30 de janeiro, em Florença. Seguindo os passos de Abu Dhabi no sinal de amizade entre cristãos e muçulmanos”.

Com este encontro, os promotores pretendem “destacar a partilha do Documento de Abu Dhabi entre componentes cristãs e islâmicas, com o desejo de dar vida a um caminho para uma relação mais estruturada entre as duas realidades religiosas, para uma Amizade Islâmica-Cristã em Florença”, lê-se no cartaz da iniciativa.

Igrejas protestantes locais também foram convidadas, para as quais ele participará Letizia Tomassonepastor da igreja valdense em Florença.

O Documento de Abu Dhabi foi assinado em conjunto pelo papa Francisco e pelo Grande Imam Aḥmad Muhammad Aḥmad al-Ṭayyib de Al-Azhar sob o conferência global da fraternidade humana, conferência internacional inter-religiosa em Abu-Dhabi, Emirados Árabes Unidos, em fevereiro de 2019. Organizada pelo Conselho Muçulmano de Anciãos como parte do Ano Internacional da Moderação, contou com a presença de líderes religiosos de todo o mundo, incluindo o secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CE) Olav Fykse Tveit.

O Documento também foi examinado em detalhe em maio de 2019 durante o Conferência “Promovendo a Paz Juntos”, durante a qual foi lançado oficialmente o Documento “Educação para a Paz em um Mundo Multirreligioso: Uma Perspectiva Cristã”, elaborado conjuntamente pelo Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso e pelo Conselho Mundial de Igrejas (CEC).

O encontro marcado para esta iniciativa piloto de “amizade islâmica-cristã” é quinta-feira, 30 de janeiro, às 17h45, na Sala Teatina, na Via De’ Pescioni 3, em Florença.

Descarregue aqui o PROGRAMA: convite 30 de janeiro de 2020

O encontro foi promovido pela Fundação e Centro Internacional Giorgio La Pira, juntamente com a comunidade islâmica de Florença e Toscana e o Instituto Universitário Sophia, em colaboração com diversas realidades religiosas e seculares da região.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A série de TV dedicada à primeira advogada italiana, Lidia Poët

A série de TV dedicada à primeira advogada italiana, Lidia Poët

Roma (NEV), 23 de janeiro de 2023 - Lei de Lídia Poëtcom o protagonista Matilda DeAngelischega em 15 de fevereiro à Netflix. A série conta a história da mulher valdense Lídia Poeta, o primeiro advogado italiano inscrito na Ordem Profissional. Nascida em 1855 em Traverse di Perrero, na província de Turim, só em 1920, após uma vida de batalhas, conseguiu obter a inscrição no Registo. Aqui está o trailer da série: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=g_9laHOQOkg[/embed] Para saber mais: aqui é possível ouvir o episódio do ciclo "Vidas que não são tuas - Espíritos livres", realizado pela revista e centro de estudos Confronti para a Rádio Rai Tre, editada pela Marzia Coronatique conta a história da valdense Lidia Pöet. Lídia Poët, de família valdense, nasceu em Traverse, povoado de Perrero em Val Germanasca (TO), em 1855. Formou-se professora em 1878 e matriculou-se, contra a vontade do pai, na Faculdade de Direito da Universidade de Turim. Formou-se em 1881 com uma tese sobre a condição da mulher na sociedade, com especial atenção à questão do voto feminino. Ela é a primeira mulher na Itália a se formar em direito. Ele passa nos exames para se tornar procurador-geral e se inscreve para ser admitido na Ordem dos Advogados. A Ordem dos Advogados de Turim se divide, mas permite que Poët se registre. Decisão impugnada pelo procurador do Rei no Tribunal da Relação, que, invocando razões legais devido à falta de regras sobre o exercício da profissão pelo sexo feminino, bloqueia tudo. O recurso de Poët foi indeferido, mas ela exerceu a profissão, mais ou menos informalmente, em Pinerolo com o irmão advogado, dedicando-se sobretudo à defesa dos menores e nunca deixando de travar as batalhas pela emancipação feminina. Os anos passam, a Grande Guerra estoura, os homens deixam suas casas vazias e os deveres públicos descobertos. Para as mulheres, esta trágica circunstância torna-se uma oportunidade para afirmar a sua centralidade na sociedade e, em 1919, a lei que abre as carreiras profissionais às mulheres fotografa uma realidade já em curso. Em 1920, Lidia Poët, agora com sessenta e quatro anos, tornou-se a primeira advogada da Itália. ...

Ler artigo
Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Foto Albin Hillert/CEC Roma (NEV), 14 de outubro de 2022 – Estas são as últimas notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Junte-se à equipe de comunicação para a KEK Assembly 2023 em Tallinn Foto Albin Hillert/CEC A CEC convida candidaturas para fazer parte da equipa de comunicação da próxima Assembleia Geral em Tallinn, Estónia. A assembleia será realizada de 14 a 20 de junho de 2023. O convite é dirigido aos que colaboram no setor de comunicação das Igrejas membros da CEC. Em particular, o CEC incentiva mulheres e jovens a se inscreverem. Requer-se: experiência no campo ecumênico, inglês fluente e possivelmente conhecimento de outras línguas, especialmente francês e alemão. Para mais informações, clique aqui. Petr Kratochvíl: minorias, hospitalidade universal e o mandamento do amor Prof. Petr Kratochvíl – Photo Institute of International Relations Praga Petr Kratochvil é membro do conselho executivo da CEC e vem da Igreja Evangélica dos Irmãos Tchecos. Em uma análise aprofundada, Kratochvíl fala sobre otimismo e o papel das igrejas na política europeia e na defesa dos direitos humanos. “É verdade que as igrejas cristãs precisam aprender a aceitar seu status de minoria nas sociedades europeias, mas como minha igreja tem sido uma igreja minoritária desde o início, sei que ser uma minoria não significa que sua voz não pode ser ouvida”, escreve Kratochvil . E acrescenta: “Não somos mais uma maioria que poderia impor suas opiniões aos outros, mas também não devemos sucumbir à tentação de nos tornar uma minoria moralizadora que menospreza as sociedades seculares. A singularidade da Igreja cristã reside, a meu ver, na radical abertura ao outro, na hospitalidade universal e no mandamento do amor, aconteça o que acontecer”. Neste momento de crise, devido à guerra e à emergência climática, “as sociedades tendem a fechar-se – diz Kratochvíl -. Infelizmente, os cristãos às vezes também são atraídos para as armadilhas do nacionalismo e do conservadorismo fanático". E sublinhando o valor da CEC, conclui: “A nossa comunhão eclesial está aqui para demonstrar que não podemos ter medo: não é esconder-se com medo no passado, mas derrubar todos os muros e quebrar todos os jugos que nos libertarão a todos”. . Leia o artigo completo aqui. Berit Hagen Agøy: “Juntos, nossas vozes ficam mais altas” Berit Hagen. Foto Ghermund Øystese Berit Hagen Agøy, diretor internacional da Igreja da Noruega, reflete sobre por que chegou a hora de as igrejas falarem abertamente sobre solidariedade e como a Conferência das Igrejas da Europa contribui para esse fim. “As igrejas devem ser explícitas sobre fraternidade, solidariedade e preocupação com os mais vulneráveis. Nunca devemos aceitar discriminação e exclusão”, diz Agøy. O KEK tem um papel crucial a nível europeu, sendo essencial o diálogo com as instituições europeias. Entre os objetivos identificados por Agøy, o fortalecimento da cooperação ecumênica e inter-religiosa, bem como os vínculos entre as igrejas e outras organizações da sociedade civil. “Este é o momento de compartilhar nossa esperança cristã e lembrar que somos uma humanidade”, diz Agøy. E, sobre as questões de acolhimento de refugiados, justiça social e justiça climática, ele diz: “Um testemunho cristão comum é crucial. As igrejas precisam aprofundar como entendem os valores cristãos. Alguns políticos tendem a explorar o termo sem refletir teologicamente”. O secretário-geral da CEC compartilha impressões sobre a recém-concluída Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) em Karlsruhe “As igrejas europeias são intrinsecamente parte de uma comunidade ecumênica global” diz o secretário-geral do CEC, Jørgen Skov Sørensen, em um comentário em vídeo sobre a 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas. Veja abaixo: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=ZiUz3QvrHZQ[/embed] Assembléia CEC na Estônia: Moldando o futuro com a bênção de Deus A Conferência das Igrejas Europeias realizará sua 16ª Assembleia Geral de 14 a 20 de junho de 2023 em Tallinn, Estônia. Título da Assembleia: “Sob a bênção de Deus – moldando o futuro”. A Assembléia será organizada pelas igrejas membros da CEC na Estônia, a Igreja Evangélica Luterana da Estônia e a Igreja Ortodoxa da Estônia. Para saber mais, clique aqui. ...

Ler artigo
Armênia, lugares sagrados e identidade

Armênia, lugares sagrados e identidade

Mosteiro de Geghard, Armênia (Foto de Barbara Battaglia) Roma (NEV), 10 de setembro de 2021 - Uma cúpula ecumênica na Armênia para a salvaguarda de igrejas e santuários, do patrimônio religioso, histórico e cultural como lugar de identidade para a população e os crentes. Vários expoentes protestantes participam do encontro que está acontecendo na Catedral e Santa Sé de Etchmiadzin, entre eles Jim Winkler, presidente do Conselho Nacional de Igrejas de Cristo nos EUA (NCCCUSA) e secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), Pe. Ioan Sauca. “Estamos na terra que foi proclamada o primeiro estado cristão na história da humanidade. No entanto, estamos reunidos no contexto de mais uma tragédia na vida do povo desta terra, o povo armênio”, disse Sauca, conforme comunicado divulgado no site do CMI. Um povo que "ao longo da história pagou um preço muito alto pela preservação de sua fé cristã. Essa história está escrita hoje em milhares de igrejas e santuários." Daí a necessidade de proteger este património artístico e cultural que é também um precioso testemunho do passado, da memória. “O compromisso com a liberdade de religião ou crença como direito humano fundamental e sua estreita ligação com a promoção e garantia da paz entre nações e comunidades fazem parte do DNA do movimento ecumênico”, acrescentou Sauca. “Ao proteger os espaços físicos utilizados para o culto, protegemos os fiéis. A importância dos locais de patrimônio religioso para indivíduos e comunidades, para a realização prática da liberdade de religião e crença e para a promoção e proteção da paz é cada vez mais reconhecida. Como pessoas de fé, nossas identidades humanas estão de fato intimamente ligadas aos nossos locais sagrados e locais de adoração. Isso é algo que temos em comum, em diferentes religiões. Devemos nos esforçar para nos tornar vizinhos em paz, respeitando e protegendo os lares uns dos outros. O povo armênio demonstrou ao longo da história seu compromisso com a justiça, a paz, o diálogo e o respeito mútuo, apesar das circunstâncias e desafios. Creio que é através destes valores que as gentes desta terra vão continuar a dar testemunho da sua fé”, concluiu o dirigente do CEC. Winkler e Sauca, depois da cúpula da Armênia, estarão nos próximos dias na Itália, em Bolonha, para participar do fórum inter-religioso do G20. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.