A reforma encontra Nápoles – Nev

A reforma encontra Nápoles – Nev

Roma (NEV), 29 de janeiro de 2021 – “A reforma encontra Nápoles” é o novo livro, publicado há algumas semanas por Claudiana Editrice, editado pelo vice-presidente da FCEI, Christiane Groeben. Uma viagem a Nápoles que foi uma das capitais do pensamento reformado, entre a arte, a arquitetura e a Reforma, e que também tem entre suas paradas o famoso museu Capodimonte. Conversamos sobre isso com a curadora, que nesta jornada reuniu duas de suas grandes paixões: o compromisso de tornar viva a memória e a cidade de Nápoles.

“A Reforma encontra Nápoles” é um projeto promovido pela comunidade luterana da capital da Campânia como parte do 500º aniversário da Reforma Protestante: como surgiu a ideia deste livro especificamente, uma longa viagem pelos lugares napolitanos de a Reforma?

Temos caminhado em várias direções, conseguindo envolver grupos muito diferentes: desde os cidadãos, com passeios, às escolas, com a criação de um vídeo, até ao mundo do entretenimento, ao mundo académico e a um público de marcado interesse histórico e cultural. O livro é a conclusão natural de tudo isso, uma coleção final das muitas iniciativas promovidas em Nápoles, que queríamos coletar para ter rastros e memórias de todo esse trabalho sobre a Reforma.

Você conta uma anedota muito particular relacionada à Capela do tesouro de San Gennaro da Catedral de Nápoles, com uma pintura em que a mãe de Jesus “encontra” os reformadores Lutero e Calvino, depois fala do Cristo crucificado por Giorgio Vasari em a igreja de San Giovanni in Carbonara “em perfeita solidão”. Que papel desempenhou Nápoles na iconografia da época da Reforma?

Ao longo do percurso fomos compreendendo e descobrindo também que nesta cidade houve e sempre houve uma abertura geral a outras formas de expressão. Nápoles sempre foi uma cidade que se opôs ao poder, à cultura dominante, sempre foi contra a maré. Há, portanto, vestígios da Reforma em muitas obras de arte, nem sempre traços positivos. Por exemplo, por volta de 1540, os seguidores locais de Valdés, segundo testemunhos contemporâneos, haviam caiado os ternos decorados da igreja da cidade de San Paolo Maggiore que lhes foi confiada. Se pensarmos na Reforma, as cidades italianas associadas a este período são outras, como Veneza, enquanto esta obra demonstra que a capital da Campânia também teve grandes influências, demonstradas pelos sinais ainda hoje visíveis, daquele momento histórico, desse pensamento teológico.

Foto: Caixa de rapé dos heresiarcas. Lid, os Heresiarcas – Museu Nacional de Cerâmica Duca di Martina, Nápoles (inv. n.º 2836). Cortesia do Ministério do Patrimônio e Atividades Culturais – Campania Museum Complex. Fotógrafos Luciano Basagni e Alessandra Cardone.

A última parte do volume é dedicada à tabaqueira dos heresiarcas, manufacturada por Ginori a partir de 1760, objecto único, segundo afirma, “pelo seu equilíbrio entre a mensagem iconográfica e a verbal”. Você pode explicar por quê?

O que o torna particular é que as figuras não são apenas identificadas e classificadas como “boas e más”, através de citações do Inferno de Dante. Mas o grupo dos reformadores, muito específico – o que significa que quem criou a relíquia conhecia a fundo o assunto – se opõe aos “drudes amorosos” (a referência é ao décimo segundo canto do Paraíso de Dante, ed.). Abrindo a tabaqueira, os “hereges” estão de cabeça para baixo… É um objeto raro, que deixa em aberto muitas questões sobre a atualidade da Reforma ainda no período seguinte, 200 anos depois daquela virada, demonstrando o quanto ela animou os napolitanos debate cultural e não só”.

O volume “A Reforma encontra Nápoles”, editado por Christiane Groeben, vice-presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, é editado por Claudiana, à venda aqui, no site da editora.


Christiane Groeben, filóloga e arquivista de origem alemã, é membro da Comunidade Luterana de Nápoles. De 1969 a 2010 foi responsável pelo arquivo histórico da Estação Zoológica Anton Dohrn e publicou numerosos ensaios no campo da história da ciência e sobre a história da Estação Zoológica e de Nápoles em particular.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A necessidade de construir uma nova igreja e um novo mundo

A necessidade de construir uma nova igreja e um novo mundo

Foto Dimitri Karastelev - Unsplash Roma (NEV), 27 de abril de 2020 - Ao final do "culto via Zoom" (ZoomWorship) de ontem, após a pregação do presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negroe a pastora Dorothea Mülller, membro da Mesa Valdense, os quase trezentos participantes puderam compartilhar algumas orações. Dentre elas, destacamos a invocação de Irene Grassimembro da igreja valdense de Pisa, que lida com comunicação e arrecadação de fundos na vida. "Deus de amor,venha visitar-nos nas casas das quais não podemos sair – ou das quais olhamos rapidamente, cautelosamente, com os rostos tapados. Venham abraçar-nos um a um, positivos e negativos, doentes e assintomáticos, trabalhadores essenciais e mães trabalhadoras inteligentes, desempregados e contribuintes, raparigas e rapazes com o nariz encostado à janela. Venha nos recolher do sofá, ou do chão, apertar nossas mãos com força, sacudir, soprar.Floresça nele. Venha e sente-se em nossas bolhas de quase dois metros e prepare-nos para quando, em breve, encontraremos as glicínias murchas e nossos companheiros a uma distância segura. Venha puxar nossos cabelos quando esquecemos que os outros não são nossos vizinhos, nós somos seus vizinhos: o corredor, a policial, a enfermeira, o traficante, a moradora de rua, o presidente Conte. Venha desvendar nossas Bíblias e nos mostrar a Palavra que pensávamos conhecer. Vem tomar-nos pela mão e levar-nos para fora, para combater a injustiça, a violência, a opressão, e depois a solidão, a angústia, a dor, respeitando a distância física, e por isso com mais força, com mais audácia, com mais firmeza. Venha e sente-se em nosso lugar na igreja, quando voltarmos à igreja, para que possamos ser forçados a vagar procurando um novo lugar; para nos convencer da necessidade de construir uma nova igreja, um novo mundo, um gosto – totalmente melhorável! – daquele dia em que o Teu Reino virá, quando finalmente seremos curados. Até lá, que o Teu Espírito nos guie e perfure todas as máscaras." Detalhe dos vitrais de Paolo Paschetto na igreja valdense na Piazza Cavour em Roma ...

Ler artigo
31 de outubro.  Dia da Reforma em nome da solidariedade global

31 de outubro. Dia da Reforma em nome da solidariedade global

Martinho Lutero e Katharina von Bora Roma (NEV), 30 de outubro de 2020 - 31 de outubro de 1517 Martinho Lutero afixou suas 95 teses no portal da igreja do Castelo de Wittenberg, evento que se convencionou considerar o início da Reforma Protestante. Ainda hoje, as igrejas protestantes pedem uma igreja "sempre reformanda". Daniele Garronepároco valdense e membro do Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), diz: "Recordar a Reforma não é vangloriar-se de um legado, mas sempre ouvir de novo uma vocação, que é a do evangelho da graça" . Em todo o mundo, por volta do dia 31 de outubro, várias iniciativas acontecem. Este ano, o aniversário da Reforma ocorre durante a pandemia do coronavírus "que trouxe morte, sofrimento físico e revelou injustiças globais - escreve a Federação Luterana Mundial (FLM) -, mas também ocorre em um momento de solidariedade global". “Neste tempo de pandemia e agitação social, estamos cientes de que defender reformas em direção a uma paz justa, para as pessoas e para o planeta, requer um certo grau de raiva contra a injustiça e a coragem de confiar na obra transformadora de Deus”, declara o pastor Chad Rimmerdiretor do Programa FLM no Departamento de Teologia, Missão e Justiça. Comemorando o Dia da Reforma, Rimmer continua, "nos lembra que a Reforma não é olhar para trás em um momento histórico, mas olhar para frente, com esperança, para a reforma em curso na igreja, na sociedade e em toda a Terra habitada". A Juventude Luterana Mundial conduzirá a “Oração Global pelo Dia da Reforma” com o lema “Um Corpo, Um Espírito, Uma Esperança”. A liturgia (em inglês, espanhol, francês e alemão) se concentra na reconciliação do batismo com Deus e com toda a criação. Encontro no sábado, 31 de outubro, às 15h (GMT + 1) no Zoom e em transmissão ao vivo no Facebook. Outras iniciativas: Domingo, 1º de novembro. Culto da Reforma na eurovisão de Lugano às 10h no RAIDUE – protestantismo especial. Sábado 31 de outubro. “Um passo adiante para a Bíblia Reformada”, tarde dedicada à apresentação da revisão do Novo Testamento da Sociedade Bíblica da Itália. Alemanha. Um selo para as Mulheres da Reforma ...

Ler artigo
Além do inverno ecumênico.  Entrevista com o Pastor Martin Robra

Além do inverno ecumênico. Entrevista com o Pastor Martin Robra

foto Roma (NEV), 1º de junho de 2018 – “Até alguns anos atrás, costumávamos falar de um 'inverno ecumênico'. No entanto, nosso secretário geral, pastor Olav Fykse Tveit, que vem da Noruega, gosta de dizer que não há nada de errado com o inverno: você só precisa de luvas e roupas que o mantenham aquecido. Mas me parece que com Papa Francisco e suas iniciativas deixem uma nova primavera chegar” assim responde o pároco Martin Robrachefe de relações com a Igreja Católica do Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), ad Anthony Spadarodiretor de “La Civiltà Cattolica”, em intensa entrevista publicada ontem. Em 21 de junho, o Papa Francisco visitará pela primeira vez a sede do CMI em Genebra, na Suíça. Pastor Martin Robra e Antonio Spadaro (foto retirada do site CEC/Céline Fossati) “Igrejas ao redor do mundo celebraram juntas a cura das memórias feridas da Reforma. Não esqueçamos quantas guerras alimentou", disse também Robra, quando questionado sobre as metas alcançadas e os desafios futuros do ecumenismo, bem como sobre as questões da cooperação entre as igrejas, o compromisso comum com a justiça, a paz e o salvaguarda da criação, discipulado e o conceito de unidade na diversidade. “No entanto, a realidade ainda é muito fragmentada e marcada pela competição por poder e riqueza. Até agora, as identidades opostas foram sustentadas pelas culturas e, em parte, também pela religião – continua Robra -. Ainda há um longo caminho a percorrer até que possamos vislumbrar um terreno comum global em que culturas e religiões interajam pacificamente: uma realidade, ou seja, profundamente diferente dessa camada muito fina e superficial que nos é proposta pela atual cultura do consumo e pela mídia global que a apoia”. A entrevista, publicada em colaboração entre CEC e Civiltà Cattolica, está disponível em inglês, alemão, espanhol e italiano. O CMI representa 348 igrejas de tradições anglicanas, protestantes e ortodoxas e também inclui várias igrejas pentecostais e africanas independentes. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.