Bem-estar.  Habilitando projeto de lei de não autossuficiência, trabalho em andamento

Bem-estar. Habilitando projeto de lei de não autossuficiência, trabalho em andamento

Imagem de arquivo

Roma (NEV), 3 de outubro de 2022 – O Subsecretário da Presidência do Conselho de Ministros, Roberto Garofoli, disse que o texto da proposta de lei da não auto-suficiência será aprovado pelo actual governo antes da tomada de posse do novo executivo, para que possa ser discutido na nova legislatura sem desperdício do trabalho feito até agora. Confartigianato.it relata isso em um relatório sobre o XVI Itinerário da Segurança Social, realizado há alguns dias em Bari e no qual Garofoli esteve presente.

Dias antes, 52 entidades do “Pacto pela Nova Previdência pela Não Autossuficiência”, que também inclui a Diaconia Valdese CDS, haviam solicitado ao governo cessante a primeira aprovação de seu texto, justamente para não frustrar o trabalho de reforma feito sobre o tema.

Queremos abrir mão de melhorar a assistência aos idosos não autossuficientes?” pergunte às organizações.

“A assistência a idosos não autossuficientes é um setor particularmente fraco de nosso bem-estar. Para o saber não é necessário conhecer os infinitos estudos e dados que o demonstram, basta viver concretamente a realidade quotidiana da não autossuficiência. Em nosso país, cerca de 10 milhões de pessoas o fazem, entre idosos, familiares e pessoas que os auxiliam profissionalmente. Para que as coisas mudem, essa extensa e esquecida faixa da sociedade italiana precisa de boa política”, diz o site da Diaconia Valdense.

A lei é aguardada há trinta anos. A legislação ad hoc já está em vigor em todos os países europeus, o que fortaleceu o bem-estar e criou empregos.

O texto é “o resultado de meses de trabalho preparatório para o qual o Pacto deu uma contribuição substancial”, escrevem os promotores. Sublinhando, entre outras coisas, que se trata de uma reforma prevista pelo PNRR. E concluem: “A sua aprovação em Conselho de Ministros já foi várias vezes anunciada, sempre sem resultado. Portanto, todas as realidades do Pacto vivem dias de grande preocupação. O novo Governo e o novo Parlamento terão de continuar o caminho de elaboração da reforma e levá-la à sua conclusão, tal como previsto no PNRR. Eles serão, portanto, chamados a redigir a versão definitiva: a meta deve ser um texto ambicioso, à altura das expectativas dos idosos e das famílias. Para o Pacto, isso significa uma reforma coerente com sua proposta de ‘Sistema Nacional de Assistência ao Idoso’ (recentemente sintetizada no ‘Manifesto para a nova legislatura’ do Pacto). O esforço a desenvolver será considerável, quer na definição dos conteúdos das intervenções, quer na procura dos novos financiamentos necessários, aspecto até agora não abordado. A condição para o sucesso é clara: a não autossuficiência deve se tornar uma prioridade política. Esse, para o Pacto, é o tema básico da nova Legislatura”.

Para saber mais:

Arquivo de Texto Iter DDL S. 1967 “Estabelecimento do Fundo para não auto-suficiência e delegação ao Governo em licença parental”


Políticas de não autossuficiência e deficiência


A plataforma do Pacto por um Novo Bem-Estar na Não Autossuficiência

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

batistas europeus.  A reunião anual na Escócia chegou ao fim

batistas europeus. A reunião anual na Escócia chegou ao fim

Roma (NEV/Riforma.it), 2 de outubro de 2019 – O semanário Riforma publica um relatório detalhado, assinado pelo pároco batista Cristina Arquidiácona, na Assembleia Anual da Federação Baptista Europeia (EBF), que decorreu em Glasgow (Escócia) de 24 a 28 de setembro, e que contou com a presença de cerca de 170 representantes das diversas uniões da região da Europa, Médio Oriente e Ásia Central. Também esteve presente na Assembleia o presidente da União Cristã Evangélica Batista na Itália (UCEBI), John Archdeacon, que cumprimentou a EBF. Em seu discurso, Arcidiacono destacou a necessidade de uma lei sobre liberdade religiosa na Itália; falou sobre o projeto apoiado financeiramente pela UCEBI esperança médica, um projeto da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) que oferece assistência médica às pessoas mais vulneráveis ​​que não podem enfrentar a jornada pelos corredores humanitários dos campos de refugiados do Líbano; pediu o estreitamento das relações com os institutos de formação teológica a nível europeu. Entre os temas debatidos na Assembleia, justiça social e justiça climática, liberdade e consciência religiosa, teologia da hospitalidade, relação entre igrejas, fé e nacionalismos, numa era de "polarização e fragmentação", como disse o secretário-geral da EBF Tony Peck no discurso de abertura. A Assembléia foi organizada pela União das Igrejas Batistas da Escócia, que este ano comemora seu 150º aniversário. Leia a reportagem completa no Riforma.it ...

Ler artigo
Valdenses: Reforma, Responsabilidade, Participação – Nev

Valdenses: Reforma, Responsabilidade, Participação – Nev

Torre Pellice (TO), (NEV/Confronti.net), 24 de agosto de 2020 – A mesa redonda acontecerá esta noite, às 21h, por ocasião da noite pública organizada pela Mesa Valdense, na Torre Pellice e ao vivo no Facebook em a página da Igreja Valdense. Endereço de saudação esperado via mensagem de vídeo de David SassoliPresidente do Parlamento Europeu, e as intervenções dos convidados da mesa redonda: Vittorio Cogliati Dezza (Fórum de Desigualdade na Diversidade, Legambiente), Elly Schlein (Vice-presidente da Região Emilia Romagna, via link de vídeo), Valdo Spini (Presidente da Fundação Circolo Fratelli Rosselli, ex-Ministro do Meio Ambiente); a noite será moderada por Cláudio Paravati E Ilaria Valenzi (Centro Studi e Rivista Confronti) e enriquecido pela música do maestro Alessandro Sgobbioantes das conclusões confiadas ao moderador do Tavola Valdese, o diácono Alessandra Trotta. Segue abaixo o resumo da fala de Valdo Spini, que será divulgado com antecedência: “Apenas no dia 20 de agosto, oDia de ultrapassagem, o dia em que a natureza esgotou seus recursos de comida, água e espaço disponíveis para a humanidade no ano atual. O que significa que a partir de agora, até 31 de dezembro, consumiremos os recursos do futuro. O confinamento para o Covid-19 atrasou esse prazo em 3 semanas em relação ao ano passado, porque tínhamos que poluir menos. É claro que não devemos esperar contar com tais eventos, mas isso constitui uma indicação do novo modelo de desenvolvimento que respeita o meio ambiente que devemos perseguir. Neste contexto, é sem dúvida um elemento positivo que a União Europeia esteja a preparar-se para enfrentar as consequências do pós-Covid com um Fundo de Recuperação que tem entre os seus parâmetros fundamentais o Green Deal, ou seja, a política ambiental. Acho que seria muito apreciado por fundadores como Altiero Spinelli e Mario Alberto Rollier, falecido há quarenta anos, se a União Europeia desta vez entrasse em campo e criasse instrumentos financeiros comuns para a recuperação pós-Covid e que uma parte deles foram financiados com títulos da dívida europeia. A Europa é, portanto, o ponto de referência necessário e indispensável para a Itália. Vamos receber mais de 190 mil milhões de euros de Fundo de Recuperação, dos quais cerca de 80 não reembolsáveis. Além disso, seria desejável que também usássemos a ESM para fortalecer o sistema público de saúde e a saúde preventiva na área. Estes fundos europeus são uma oportunidade única para a Itália. O nosso país encontra-se numa encruzilhada: ou prossegue uma verdadeira reforma da Itália, ou recai nas velhas feridas e males que travaram o seu desenvolvimento económico e social e, em última análise, civil. Precisamente de um lugar como Torre Pellice nos apetece lançar um apelo a esta verdadeira Reforma Italiana baseada no trabalho, nos negócios, no ambiente, na formação, na educação e na coesão social. Seria preciso uma mistura de ética de trabalho protestante evocada por Max Weber, ecologia integral bem descrita por Louvado seja você do Papa Francisco; De estado de bem-estar à la Lord Beveridge, e o espírito de inovação de um Bill Gates. No entanto, tudo isto tem um pressuposto: que a sociedade civil demonstre a sua capacidade para voltar a impulsionar e motivar a participação política e, em particular, dos jovens. O pressuposto é uma política feita de valores e princípios, e capaz de suscitar não profissões, mas vocações reais – por outro lado, o famoso termo Beruf pode ser traduzido de duas formas: profissão ou vocação –. Cabe à política consolidar e perdurar aquele espírito de solidariedade e coesão que nos permitiu enfrentar a fase mais dura da confinamento. Apelamos às consciências do nosso país para que mantenham este espírito, quer na necessária fase de prevenção e prudência que deve evitar uma recaída da pandemia, quer no espírito que deve animar a reconstrução económica e social. Estamos conscientes de que as consequências da covid 19 serão sentidas em particular pelos mais fracos e marginalizados (mas não só!), e não podemos permitir diferenças insustentáveis ​​de desigualdade no nosso país. Nesse sentido, colocamos no centro desta reflexão a justiça social e ambiental na recuperação econômica e produtiva de nosso país”. ...

Ler artigo
16 dias para superar a violência, 9º dia.  Direito à felicidade para todos

16 dias para superar a violência, 9º dia. Direito à felicidade para todos

Imagem de Shamsia Hassani, artista afegã. Retirado do arquivo FDEI 16 dias contra a violência 2022 Roma (NEV), 3 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 9: 3 DE DEZEMBRO Direito à felicidade para todos SOLICITARdiscutirO que significa, emnossa vida, o direito defelicidade? ceu sou mulher, e mulheres: aquelas que chegamo primeiro, o último e o infinitomultidão dos que estão no meio,sem nome. Os primeiros são sempre demaispoucos (estatísticas desanimadoras sobre o númerode gerentes, políticos, cientistas), eles recebemmas visibilidade e satisfação. Interessepouco para saber o quanto de si eles deixaram in-atrasa pra chegar, quanta incompletude simeles guardam dentro. Este último pode serignorado, escarnecido, mas também lamentado, ajudadotates, erguido como um símbolo da maldade docient, quando se trata de migrantes, mulheres,sempre vítimas de outro mundo, tambémquando são vítimas de homens destenosso mundo, porque é difícil admitirque os violentos estejam entre nós. Mulheresno meio, o penúltimo, trabalho para o homemmanter, muitas vezes forçado a tempo parcial Paranecessidades da família, demitido com mais facilidadedos homens, pague menos. Pelas dificuldadesque eles encontram desistir de desejos, pro-jatos, aspirações pessoais. O método deIgualdade de oportunidades não teve resultados satisfatóriosdesfeito, influenciando apenas no topo daramo social, em um período histórico em queo elevador social está bloqueado.Neste panorama qual mulher é, nãoDigo mais feliz, que é uma palavra grande, mas mais umaconfortável em sua própria mente e corpoum pouco de mulher, com a liberdade de estar ali? deve-ser universalmente claro que decolaraspirações, sonhos, ideias, projetos, transformaçõesEu dou a vida em uma pista de obstáculos, onde se você cairvocê mal se levanta, é violência.É demais esperar um tempo de novas so-roridade entre os primeiros, que têm mais poder deato, o último e o penúltimo, sabendo queninguém está sem poder e liberdade? VERSÍCULO BÍBLICO E todas as viúvas vieram a ele tristemente.gendo, mostrando-lhe todas as túnicas e vestidos que Gazelle fez enquanto ele estava com eles. Mas Pedro, tirando todos para fora, ajoelhou-se e orou; e, voltando-se para o corpo, disse: “Tabita, levanta-te” (At 9, 39-40). COMENTE Grande deve ter sido a felicidade deviúvas em re-abraçar sua queridavivo de novo. Tabita não era uma rebelde, masmulher corajosa sim. Na verdade, ele havia abraçado o cristianismo em uma época de perseguição.E fê-lo da forma mais coerente possível, tanto que foi definida como discípula”, a primeira e única mulher a receber esta denominação no Novo Testamento. Tabita era uma mulher ocupada, cuidando dos últimos e mais frágeis da época: as viúvas. Com eles, ele criou fortes laços de irmandade. Ele fez vestes e roupas para eles. Eram ternos feitos sob medida, porque ele considerava as viúvas comopessoas, não como uma categoria indistinta. EntãoTabitha adoeceu e morreu. Pietro foi chamado para intervir e quando chegou as mulheres já estavam lá.Os papéis haviam se invertido. Não era mais Tabitapara agir em auxílio das viúvas, foram elas que mostraram a Pedro o bem tangível do discípulo, pedindo-lhe o impossível. No seguimento de Jesus anulam-se as diferenças, estreitam-se as relações, a nova irmandade transcende os tempos e torna-se real e possível. E neste cenário, Tabitha volta à vida. ORAÇÃO Senhor, ajude-nos a ser seudiscípulos, nunca indiferentesà violência, sempre prontofazer o bem. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.