Bem-estar.  Habilitando projeto de lei de não autossuficiência, trabalho em andamento

Bem-estar. Habilitando projeto de lei de não autossuficiência, trabalho em andamento

Imagem de arquivo

Roma (NEV), 3 de outubro de 2022 – O Subsecretário da Presidência do Conselho de Ministros, Roberto Garofoli, disse que o texto da proposta de lei da não auto-suficiência será aprovado pelo actual governo antes da tomada de posse do novo executivo, para que possa ser discutido na nova legislatura sem desperdício do trabalho feito até agora. Confartigianato.it relata isso em um relatório sobre o XVI Itinerário da Segurança Social, realizado há alguns dias em Bari e no qual Garofoli esteve presente.

Dias antes, 52 entidades do “Pacto pela Nova Previdência pela Não Autossuficiência”, que também inclui a Diaconia Valdese CDS, haviam solicitado ao governo cessante a primeira aprovação de seu texto, justamente para não frustrar o trabalho de reforma feito sobre o tema.

Queremos abrir mão de melhorar a assistência aos idosos não autossuficientes?” pergunte às organizações.

“A assistência a idosos não autossuficientes é um setor particularmente fraco de nosso bem-estar. Para o saber não é necessário conhecer os infinitos estudos e dados que o demonstram, basta viver concretamente a realidade quotidiana da não autossuficiência. Em nosso país, cerca de 10 milhões de pessoas o fazem, entre idosos, familiares e pessoas que os auxiliam profissionalmente. Para que as coisas mudem, essa extensa e esquecida faixa da sociedade italiana precisa de boa política”, diz o site da Diaconia Valdense.

A lei é aguardada há trinta anos. A legislação ad hoc já está em vigor em todos os países europeus, o que fortaleceu o bem-estar e criou empregos.

O texto é “o resultado de meses de trabalho preparatório para o qual o Pacto deu uma contribuição substancial”, escrevem os promotores. Sublinhando, entre outras coisas, que se trata de uma reforma prevista pelo PNRR. E concluem: “A sua aprovação em Conselho de Ministros já foi várias vezes anunciada, sempre sem resultado. Portanto, todas as realidades do Pacto vivem dias de grande preocupação. O novo Governo e o novo Parlamento terão de continuar o caminho de elaboração da reforma e levá-la à sua conclusão, tal como previsto no PNRR. Eles serão, portanto, chamados a redigir a versão definitiva: a meta deve ser um texto ambicioso, à altura das expectativas dos idosos e das famílias. Para o Pacto, isso significa uma reforma coerente com sua proposta de ‘Sistema Nacional de Assistência ao Idoso’ (recentemente sintetizada no ‘Manifesto para a nova legislatura’ do Pacto). O esforço a desenvolver será considerável, quer na definição dos conteúdos das intervenções, quer na procura dos novos financiamentos necessários, aspecto até agora não abordado. A condição para o sucesso é clara: a não autossuficiência deve se tornar uma prioridade política. Esse, para o Pacto, é o tema básico da nova Legislatura”.

Para saber mais:

Arquivo de Texto Iter DDL S. 1967 “Estabelecimento do Fundo para não auto-suficiência e delegação ao Governo em licença parental”


Políticas de não autossuficiência e deficiência


A plataforma do Pacto por um Novo Bem-Estar na Não Autossuficiência

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O dia em que o mundo disse não à guerra

O dia em que o mundo disse não à guerra

A bandeira da paz no Festival dos Direitos Humanos - imagem de arquivo festivaldirittiumani.it Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2023 – “As manifestações antiguerra deste fim de semana nos dizem que podem restar duas superpotências no planeta: os Estados Unidos e a opinião pública mundial”. Foi assim que o New York Times descreveu a onda de 110 milhões de pessoas que saíram às ruas em 15 de fevereiro de 2003 em todo o mundo, de acordo com seu próprio fuso horário, para se manifestar contra a guerra iminente no Iraque. “Uma superpotência de que o mundo ainda precisa”, disse ele Alfio Nicotraco-presidente da associação "Un ponte per", na abertura da conferência "Deserto a terceira guerra mundial em pedaços" - realizada em Roma na igreja metodista na via XX Settembre por iniciativa de "Un ponte per" e o “Rete paz e desarmamento” – que com exatos vinte anos quis relembrar aquelas manifestações para tentar refletir sobre o presente. Chris Nineham “Depois o movimento pacifista viu-se em ligação com a maioria da população mundial, propondo uma análise partilhada da realidade e uma clara rejeição da guerra”, recordou Chris Nineham, por Stop the War Coalition, via link de vídeo de Londres. Um contexto muito diferente do atual em que “a análise da guerra na Ucrânia é controversa e não há consciência de que o Ocidente segue uma política de guerra que se faz passar por uma luta de libertação”. “As manifestações de 2003 não impediram a guerra, mas certamente a detiveram. Os governos sabiam que estavam sob o escrutínio da opinião pública”, destacou. Piero Bernocchi Porta-voz do COBAS, recordando o papel crucial desempenhado pelo I Fórum Social Europeu realizado em Florença em 2002, do qual nasceu a ideia de um dia mundial de mobilização contra a intervenção no Iraque. Se aquela experiência rendeu frutos, a rede que hoje a sustentava encontra-se dispersa pela crise económica que mudou as pautas da opinião pública, pelo vício de duas décadas de guerras permanentes, mas também pela dificuldade de identificar um antagonista claro se opor: “Em 2003, o poder de oposição era claro: os Estados Unidos; enquanto deve ser dito que o anti-imperialismo e a hostilidade à guerra sempre funcionaram menos bem quando a URSS ou a Rússia lideravam as guerras”. Na realidade, voltou a sublinhar Bernocchi, "hoje existem muitos 'bandidos'" porque o mundo está repleto de conflitos regionais que podem ser percebidos como distantes, mas todos potencialmente capazes de gerar um efeito em cadeia e desencadear um conflito global . Bernocchi não tem ilusões sobre o cessar-fogo na Ucrânia: “Terminará quando os Estados Unidos decidirem que não podem mais apoiar esse oneroso apoio militar à Ucrânia. A essa altura, o desafio será definir um acordo negocial que não humilhe a Ucrânia e não recompense a Rússia, distinguindo os agredidos dos agressores”. Também segundo Raffaela Bolini, chefe de relações internacionais da ARCI, "o mundo de hoje não pode ser interpretado com as velhas visões", é preciso saber relê-lo. Nisso, porém, “a experiência de vinte anos atrás ainda pode nos ensinar muito. Antes de tudo a capacidade de não sucumbir à narrativa dominante, mas de desconstruí-la”. Em 2003 significou, por exemplo, resistir ao chamado daqueles que "identificavam o Islã como o inimigo"; hoje, pode ser afirmando que na "Ucrânia não se deve buscar a vitória, mas a paz". A tarefa do movimento pacifista, então como agora, é, segundo Bolini, "estar do lado das vítimas e do direito internacional, não do lado dos governos" e promover uma "segurança comum compartilhada: somente quando meu inimigo se sente seguro, estou seguro também." Filadélfia Bennis Muitas contribuições internacionais propuseram diferentes pontos de vista sobre a guerra na Ucrânia: o dos EUA Phyllis Bennis, do Instituto de Estudos Políticos, recordou os gravíssimos custos colaterais da guerra: a crise alimentar em várias partes do mundo, o drástico recuo das políticas ambientais, a crise energética que provoca uma maior utilização dos combustíveis fósseis, o perigo de um conflito nuclear. São consequências que devem pesar ao se pensar no conflito na Ucrânia. da América do Sul Edgardo Landerdo Transnational Institute and Global Dialogue, convidado a distinguir a guerra travada na Ucrânia, cuja responsabilidade recai sobre a Rússia, da guerra geopolítica global travada pelos EUA no confronto com a China de que também faz parte o conflito na Ucrânia. o iraquiano Ismaeel Daewoodda Iniciativa de Solidariedade da Sociedade Civil Iraquiana deu seu testemunho sobre as consequências de longo prazo da guerra no Iraque. No link do vídeo, Alexandre Belikdo Movimento Russo de Objetores de Consciência, contou como as autoridades russas não respeitam o direito à objeção de consciência e reprimem as "manifestações de luto" pelas vítimas da guerra. Eles também participaram Marga FerréTransformar a Europa; Moussa ThangariEspaço Alternativo Citoyens; Ada DonnoAssociação de Mulheres da Região do Mediterrâneo; Emanuele Genovesesextas-feiras para o futuro; Parisa Nazariativista iraniano; Sérgio Bassoli, Europa para a Paz. Ele moderou a reunião Fábio AlbertiUma ponte para. A reunião aconteceu na igreja metodista na via XX Settembre em Roma, em nome da qual o pároco cumprimentou Mirella Manocchio. ...

Ler artigo
Religiões pela Paz.  A 10ª Assembleia Mundial será realizada na Alemanha em agosto de 2019

Religiões pela Paz. A 10ª Assembleia Mundial será realizada na Alemanha em agosto de 2019

Roma (NEV), 14 de agosto de 2018 – Religiões pela Paz (RfP) convocará sua décima assembleia mundial em Lindau (Alemanha), de 20 a 23 de agosto de 2019. Título do evento, “Cuidando de nosso futuro comum” e verá o participação de cerca de 700 representantes religiosos - mulheres, homens e jovens, incluindo as mais altas autoridades institucionais e religiosas, até ativistas de base. “Os desafios atuais de conflito violento e extremismo, violações dos direitos humanos, pobreza e ameaças à terra ocorrem em meio a uma crescente crise de confiança nas instituições políticas e econômicas. Até a noção de 'verdade' é contestada e a comunicação é muitas vezes manipulada para fins comerciais ou políticos", lê-se no comunicado de imprensa da RfP, que sublinha o papel fundamental da ação multirreligiosa na resolução de conflitos violentos, para uma cidadania inclusiva e a proteção da terra. A RfP é uma organização multirreligiosa com sede em Nova York que opera em 90 países ao redor do mundo. ...

Ler artigo
Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2022 – Estas são as últimas notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Está em curso a pré-assembleia regional europeia A pré-assembleia regional europeia da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) abre amanhã. Dois dias de trabalho online sobre o tema "O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade". O evento deveria ter sido realizado em Varsóvia, mas a continuação da emergência da covid levou os organizadores a optarem pela modalidade digital. Organizada em conjunto com o Conselho Ecumênico Polonês e em colaboração com o Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), a Pré-Assembléia representa um momento preparatório para a 11ª Assembleia do CMI agendada para Karlsruhe. Os temas em discussão são: o papel das igrejas para a reconciliação em sociedades europeias cada vez mais seculares e pluralistas. O chamado de Cristo ao discipulado. O movimento ecumênico global: questões, desafios e prioridades. Entre os oradores, pela Itália, o pastor Michael Charbonnier. Reivindicar e salvaguardar a fé como elemento legítimo do discurso político europeu “A Europa caracteriza-se por sociedades cada vez mais seculares e pluralistas. Nossas Igrejas encontram analfabetismo religioso e ignorância entre os tomadores de decisão e políticos. O que podemos fazer para mitigar esse desenvolvimento?” Em sua mensagem em vídeo, o secretário-geral do CEC, Jørgen Skov Sørensen, reafirma o papel das igrejas e comunidades de fé na sociedade, enfatizando que a CEC deve resgatar e salvaguardar a fé como elemento legítimo de um discurso político europeu. Sørensen convida a falar sobre o grande trabalho realizado pelas igrejas em nível local e anuncia os temas da pré-assembléia regional que será realizada a partir de amanhã. Histórias de esperança e coragem “são a demonstração do que as igrejas da CEC fazem pelo bem comum em todos os cantos da Europa”. Assista o vídeo. Assembléia CEC na Estônia: Moldando o futuro com a bênção de Deus A Conferência das Igrejas Europeias realizará sua 16ª Assembleia Geral de 14 a 20 de junho de 2023 em Tallinn, Estônia. Título da Assembleia: “Sob a bênção de Deus – moldando o futuro”. A Assembléia será organizada pelas igrejas membros da CEC na Estônia, a Igreja Evangélica Luterana da Estônia e a Igreja Ortodoxa da Estônia. Para saber mais, clique aqui. Reflexões sobre o tema da Assembleia da CEC “A fé cristã se expressa em um duplo movimento. A da liberdade e a da responsabilidade”. Assim escreve o pároco Anders Gadegaard da Igreja Evangélica Luterana na Dinamarca, refletindo sobre o tema da Assembleia KEK agendada para 2023. “Devemos fazer o nosso melhor para contribuir para o bem comum” continua o pároco, sublinhando a importância de trabalhar para que ele seja alcançado no mundo e na Europa justiça social e económica, através de uma "distribuição justa de recursos". Leia aqui. Como amplificar a voz coletiva das igrejas O Bispo de Leeds Nick Bainesda Igreja da Inglaterra é membro do conselho do CEC. Aqui, uma reflexão sobre como as igrejas podem unir suas vozes na arena pública. O complexo ambiente sócio-político de hoje, de acordo com Baines, torna essencial que as igrejas tragam sua voz profética de fé. Para saber mais, clique aqui. Estão abertas as inscrições para o curso sobre o combate aos crimes de ódio contra os cristãos De 8 a 10 de março, o Escritório de Instituições Democráticas e Direitos Humanos da OSCE (ODIHR) está organizando um curso online sobre como lidar com crimes de ódio contra cristãos. A OSCE cooperou anteriormente com o CEC durante a Escola de Verão de Direitos Humanos. A todos os interessados, o CEC informa as igrejas-membro da possibilidade de se inscreverem. Para todas as informações, clique AQUI. (Nota: os links detalhados levam à notícia original em inglês) ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.