…e o calendário do Advento da Federação da Juventude Evangélica

…e o calendário do Advento da Federação da Juventude Evangélica

Roma (NEV), 1º de dezembro de 2020 – Calendário do Advento para jovens evangélicos. O FGEI publica a partir de hoje, obviamente, 1 de dezembro, no seu site e nas suas redes sociais.

Depois da Igreja Valdense de Turim, outro calendário protestante para a aproximação do Natal.

“Hoje Dezembro começa – lemos no boletim divulgado pelos jovens evangélicos -, estamos nos preparando para o Natal, que certamente será diferente dos anos anteriores. E então pensamos: por que não tornar este período do Advento um pouco mais especial? Tentaremos juntos tornar este Natal mágico mantendo-nos unidos e unidos, mesmo que distantes! hoje poderemos abrir juntos uma caixinha do nosso calendário virtual do advento todos os dias. Nós o intrigamos? Vamos abrir a primeira caixa juntos!”

Aqui o calendário, com a caixinha do primeiro dia do mês (que contém um vídeo para deixar algo bem natalino…mas não queremos “estragar” o conteúdo).

No mesmo número da newsletter do FGEI, há um encontro marcado (online) para o próximo sábado dia 5 de dezembro, pelas 17h30, sobre questões de privacidade, no âmbito do projeto Geração Multimédia, criado pelo FGEI com o apoio da Otto per Mil da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense.

Pelas 17h30 a introdução e apresentações, a atividade temática terá início às 18h e prolongar-se-á até às 20h. “A atividade – explicam os promotores – não é um webinar, nem uma conferência, vamos tentar propor algo mais semelhante a um FGEI campo, ainda que em edição COVID-19”. As inscrições são bem-vindas escrevendo para [email protected].

Segue abaixo o flyer do encontro.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O pastor japonês que ajuda migrantes na Islândia

O pastor japonês que ajuda migrantes na Islândia

Roma (NEV), 18 de fevereiro de 2020 - Toshiki Toma, 62, é um migrante que ajuda migrantes. Pastor luterano de origem japonesa, tornou-se “famoso” na Islândia, onde é passado por pessoas que, ao longo dos anos, escolheram a pequena ilha perto do Ártico como destino. Eu meu mim meu O site da Federação Luterana Mundial (FLM) conta essa história singular em uma entrevista com o pastor, que reproduzimos abaixo, traduzida. Toshiki Toma na Islândia "A Islândia aprecia as pessoas", diz Toshiki Toma, sacerdote de serviço especial para a comunidade imigrante na Islândia. Veja nosso vídeo principal sobre o Dia da Soberania da Islândia aqui: Íslands Publicado por RÚV English na segunda-feira, 10 de dezembro de 2018 “Primeiro, conte-nos sobre suas origens no Japão e por que você queria se tornar um pastor. Eu sou o único cristão na minha família, pois a maioria dos meus parentes são budistas ou xintoístas. Fui pela primeira vez a uma pequena igreja luterana no meu bairro de Tóquio quando tinha 18 ou 19 anos e estava procurando um propósito para minha vida. Na universidade, formei-me em ciências políticas e atuei no partido social-democrata e na minha igreja local. Depois de formado, trabalhei na secretaria de educação de um sindicato, onde pude constatar como as pessoas sempre se preocupavam com o futuro, com a velhice ou com os problemas familiares. Percebi que os direitos humanos e o trabalho político podem criar um terreno fértil para o bem-estar das pessoas, mas na verdade não podem criar felicidade, então decidi que queria trabalhar na igreja para ajudar as pessoas a encontrar a verdadeira felicidade. Como sua família reagiu à sua decisão de ser ordenado? Meu pai foi muito aberto sobre essa ideia. Quando lhe disse que queria largar meu emprego e ir para o seminário, ele respondeu: "É melhor trabalhar para Deus do que por dinheiro." Minha mãe não foi tão positiva no início, mas não se opôs à minha decisão e assim fui consagrada há 30 anos, em março de 1990, na Igreja Evangélica Luterana do Japão (JELC). Por que você se mudou para a Islândia? Durante meu último ano de seminário em 1989, fiz um curso de dois meses em Jerusalém, ministrado pela Igreja da Suécia. Lá conheci e me apaixonei por uma pastora islandesa e nos casamos após a minha consagração. Ela veio morar no Japão por dois anos, mas nossa igreja é muito pequena, então não havia possibilidade dela trabalhar como pastora e decidimos nos mudar para a Islândia em 1992. Nos divorciamos em 1999. Eu queria servir como pastor na igreja islandesa, mas não sabia falar o idioma, não conhecia ninguém, exceto a família de minha esposa, e tive que fazer alguns cursos na escola de teologia para me tornar pastor da Igreja Evangélica Luterana. da Islândia. Demorou cinco anos, então trabalhei meio período e aprendi o idioma enquanto procurava outras oportunidades. Agora você trabalha como pastor para imigrantes: que apoio você oferece? Não havia ninguém fazendo esse trabalho antes de mim, mas logo depois que cheguei, em meados dos anos 1990, a imigração começou a crescer, incluindo mulheres da Ásia – Filipinas, Tailândia, Vietnã – que se casaram com homens islandeses. Como mulheres asiáticas, muitas vezes eram tímidas demais para falar sobre seus problemas, mas achavam mais fácil falar comigo, vendo-me como alguém que entendia sua cultura. Muitos não eram cristãos, então, em vez de trabalhar como pastor, comecei como conselheiro para eles, pois não havia outro serviço de apoio em nível estadual ou municipal. Ajudei-os a encontrar trabalho e moradia e tentei ajudá-los a lidar com a discriminação que sofriam com pessoas que não estavam acostumadas a ter contato com estrangeiros. Se alguém não falasse seu idioma, geralmente para os islandeses isso era um sinal de grosseria ou desrespeito para com eles, então um limite nas habilidades linguísticas poderia torná-lo um cidadão de segunda categoria. A Islândia é um país tão pequeno e seu povo tem um forte apego ao idioma. É visto como um símbolo de unidade nacional e eles temem que, se perderem sua língua, perderão sua identidade. Quem são as pessoas que vêm até você para pedir ajuda e isso mudou ao longo dos anos? As coisas mudaram por volta de 2004, quando a Polônia e outros países do Leste Europeu aderiram à UE. A Islândia faz parte do Espaço Econômico Europeu e do Acordo de Schengen e tem feito um grande esforço para oferecer um melhor acolhimento aos imigrantes, por isso, ao longo dos anos, tive a oportunidade de retornar ao meu trabalho normal como pastor, como havia planejado inicialmente . Em 2008 tivemos a grande crise econômica, mas aos poucos as coisas voltaram ao normal por volta de 2012. Alguns anos depois, houve um novo fluxo de requerentes de asilo, vindos da África, América do Sul, Leste Europeu e Oriente Médio. Há entre 800 e 1.000 inscrições por ano e agora trabalho principalmente com elas. Na minha igreja (Breidholts Church International Congregation), 70 por cento das pessoas são do Irã, Iraque e Afeganistão, então eles seriam de origem muçulmana, mas ainda querem assistir aos nossos cultos de domingo e nós os batizamos, se assim o desejarem. Mesmo que não peçam asilo ou que seus pedidos sejam rejeitados, tentamos apoiá-los o máximo possível. Quão receptivos são os islandeses hoje, com os "novos" migrantes? Os islandeses querem ajudar, especialmente famílias com crianças, mas muitas vezes são menos empáticos com os rapazes, então eu os acolho especialmente. Sendo um país tão pequeno, os islandeses também valorizam as pessoas como indivíduos, de uma forma muito diferente do meu Japão, por isso espero que continuem a abraçar o valor único de cada indivíduo. Quando comecei este trabalho, a igreja não entendia totalmente meu ministério e me perguntavam: "Por que devemos ajudar os budistas ou outros?" Agora o bispo da Islândia me apóia muito e até diz que a igreja poderia fazer muito mais. Depois que uma de nossas delegações esteve em Genebra em setembro passado, também estabelecemos um grupo de trabalho para propor mais apoio aos requerentes de asilo no próximo sínodo da igreja. É uma grande mudança em relação a 10 anos atrás e estou muito feliz com isso." ...

Ler artigo
Oração ecumênica de encerramento do Tempo da Criação

Oração ecumênica de encerramento do Tempo da Criação

Foto Riccardo Chiarini / Unsplash Roma (NEV), 1º de outubro de 2020 - Já são quase mil os inscritos no serviço ecumênico online de oração para o encerramento do Tempo da Criação, o período litúrgico que envolve cristãos de todo o mundo todos os anos, de 1º de setembro a 4 de outubro e de todas as tradições rezar e agir para proteger o meio ambiente Líderes cristãos de todo o mundo conduzirão uma celebração ecumênica pelos frutos da estação e refletirão juntos sobre os próximos passos no "cuidado da casa comum". O pastor participará da oração Martin JungeSecretário Geral da Federação Luterana Mundial (WLF), John Chryssavgisrepresentante do Patriarca Ecumênico HAH Bartolomeu Ia pastora Jeannette Ada Maina(FLM), o pastor Christian KriegerPresidente da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), Sr. Sheila KinseyCo-Secretária Executiva da Comissão Justiça, Paz e Integridade da Criação (JPIC) da União Geral Internacional das Superioras, Bispo Griselda Delgado del CarpiaCuba, a pastora Najla KassabPresidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR), Ef TenderoSecretário Geral da Aliança Evangélica Mundial e Agnes AbuomModerador do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CEC). Para participar clique AQUI No dia 3 de outubro, ligada a partir de Turim, no final do Tempo da Criação, a iniciativa "Frágil mas interligada", promovida pela associação Triciclo em colaboração ecuménica com várias realidades protestantes, católicas e seculares (incluindo a igreja valdense, as igrejas baptistas no Piemonte, Hospitalidade Eucarística e Comissão de Globalização e Meio Ambiente - GLAM - da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália - FCEI). No programa, presencial e via web, uma reflexão com o ecoteólogo Marcelo Barros: “Guardiões, não mestres da criação”. Para a Temporada da Criação, a GLAM preparou também um Dossier dedicado aos oceanos e intitulado: “Águas do mar, fonte de vida”. O Dossiê, que pode ser baixado aqui, contém materiais bíblicos, litúrgicos e homiléticos, além de fichas informativas, vídeos e artigos. ...

Ler artigo
Pisa, ameaças às instituições e à Igreja Valdense

Pisa, ameaças às instituições e à Igreja Valdense

Roma, (NEV/Reforma), 28 de janeiro de 2019 – No mês de dezembro demos conta do apoio que a igreja valdense de Pisa deu à hipótese de construção de uma mesquita. Nos últimos dias, uma carta anônima expressou ameaças dirigidas a um círculo Pd, a diocese e a própria igreja valdense, que responde da seguinte forma: “Quando nos posicionamos a favor da liberdade de culto para todos e, portanto, também a favor da construção da mesquita em Pisa, sabíamos que nem todos gostariam de nossa opinião. No entanto, não esperávamos, e nos preocupamos, que alguém pensasse em responder com uma carta anônima ameaçando explodir o círculo Pisanova-Cisanello Pd, o conselho pastoral diocesano e nossa Igreja por causa das posições expressas em favor da liberdade de expressão adorar. Somos solidários com o círculo Pd e o conselho pastoral diocesano que foram ameaçados junto conosco - e retribuímos sua solidariedade, assim como agradecemos a ACLI, Agesci, a Rede de estudantes do ensino médio, a União Universitária, o Prefeito, Una città in Comune, Sinistra per e os muitos concidadãos que expressaram sua solidariedade conosco. Naturalmente este episódio não muda o nosso compromisso com a liberdade de culto, tanto dos muçulmanos como de todos os outros, que, além de ser um princípio essencial para a nossa forma de viver a fé cristã, é garantida pela Constituição do nosso país. Não vivemos e não viveremos com medo, apesar das ameaças, não porque nos sintamos fortes ou poderosos, mas porque confiamos no Deus da paz e do diálogo. Como diz o Salmo 27: “O Senhor é minha luz e minha salvação, a quem temerei? O Senhor é o baluarte da minha vida, de quem terei medo?”. Estamos à disposição para discutir o assunto com quem discordar de nós, tiver a coragem de suas declarações e estiver disposto a se confrontar civilizadamente. Em vez disso, vamos apresentar queixa contra aqueles que, esgotados os argumentos, recorreram às ameaças. O Conselho da Igreja Evangélica Valdense de Pisa – 27 de janeiro de 2019 Palavras de solidariedade vieram, entre outras coisas, do prefeito de Pisa Michele Conti e da ANPI. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.