Em Palermo, novos projetos de La Noce para jovens e adolescentes

Em Palermo, novos projetos de La Noce para jovens e adolescentes

Roma (NEV), 10 de outubro de 2022 – Nasceu em Palermo um novo serviço ambulatorial de diagnóstico e tratamento que garantirá intervenção precoce, acolhimento imediato, terapias adequadas e prevenção de patologias relacionadas ao vício em smartphones e outros dispositivos.

Há poucos dias foi inaugurada a primeira clínica de psicoterapia do projeto In-Addiction apoiado pela Fondazione con il Sud nos espaços do Centro Diaconal “La Noce”. “Estamos muito felizes em oferecer este serviço – declarou o Diretor do Centro Diaconal “A Nogueira”, Ana Ponente – que a partir de dois bairros importantes como Noce e Ballarò chegará ao resto da cidade. Podem aceder ao ambulatório raparigas e rapazes, raparigas e rapazes entre os 9 e os 17 anos: esta é uma iniciativa importante para esta faixa etária e faremos o possível para responder às necessidades que vão sendo manifestadas pelas escolas, serviços sociais e de saúde, fazendo-o de forma contínua”.

Hoje, segunda-feira, 10 de outubro, às 16h, está previsto o corte da fita no bairro Ballarò, onde em vicolo Infermeria dei Cappuccini 3, o Instituto Don Calabria lançará o serviço de escuta e treinamento para adolescentes e pais, abrindo as portas da segunda clínica também na Albergaria.

“Para nós não é simplesmente um projeto, é uma missão que não teríamos levado em consideração se não tivéssemos em mente um projeto de longo prazo para oferecer à comunidade”, comentou o Diretor da Ópera Don Calabria Social Área, Roberto Manhã – Uma iniciativa de proximidade e rede que nos permitirá identificar bolsões de desconforto e intervir gratuitamente sobre eles”.

O Conselheiro de Atividades Sociais do Município de Palermo também esteve presente no corte inaugural Rosa Penino.

Os dois ramos estarão abertos ao público 3 vezes por semana e geridos em sinergia pelos especialistas e psicoterapeutas do Centro Diaconal “La Noce” (via Evangelista di Blasi, 16; informações e contactos 375 7083456 ou escrevendo para [email protected]) e do Instituto Don Calabria (Casa San Francesco in vicolo Infermeria dei Cappuccini, 3; 3898528698, [email protected]). O serviço, explicam os promotores da iniciativa, “vai oferecer apoio a adolescentes e pré-adolescentes que expressem o seu desconforto por desenvolverem comportamentos problemáticos relacionados com a utilização da rede e dispositivos associados ou que possam interferir no seu percurso de desenvolvimento, e oferece aconselhamento psicológico para fenômenos como prevaricações digitais, cyberbullying ou difamação, manifestações não ligadas ao vício, mas relacionadas a uma exposição incorreta e protegida da rede que pode ter repercussões no desenvolvimento psicológico de meninos e meninas”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A educação cristã no centro do Sínodo da Iglesia Valdense del Rio de la Plata

A educação cristã no centro do Sínodo da Iglesia Valdense del Rio de la Plata

Roma (NEV), 3 de fevereiro de 2020 - A 57ª Assembleia Sinodal da Igreja Evangélica Valdense do Rio da Prata, que reúne representantes das comunidades valdenses do Uruguai e da Argentina, juntamente com pastores e representantes dos trabalhos diaconais que a igreja realiza nas duas nações, iniciou suas atividades na tarde de sábado, dia 1º de fevereiro, com o tema “Reconhecendo-nos no contexto: uma abordagem de nossas práticas educativas comunitárias” no centro. O pastor Ariel Charbonnier – como a mais velha – deu as boas-vindas a todos os participantes e fez o credenciamento dos deputados e pastoras com direito a voto, bem como do moderador da área italiana, Alessandra Trotta. 59 são as reuniões sinodais com voz e voto. Como em todas as edições, as pessoas com direito à palavra foram apresentadas uma a uma; entre estes, os conselheiros das obras diaconais, as comissões sinodais e o delegado fraterno da American Waldensian Society, David Stubbs. A Mesa Sinodal, encarregada de moderar os trabalhos da assembléia, é composta por: Sérgio Bertinatpároco da Colônia Belgrano, presidente; mabel gonnetde Montevidéu, vice-presidente; marta garnierda comunidade de San Gustavo, secretário e pároco Hugo Armand Pilon como conselheiro. Por se tratar de um sínodo temático, os dois primeiros dias de trabalho foram dedicados ao tema escolhido, a educação cristã, e somente a segunda-feira será dedicada a questões administrativas e à eleição dos cinco membros da Mesa Valdense. Abaixo, uma galeria de fotos das obras. ...

Ler artigo
Confie em uma “temporada de direitos civis”.  Entrevista com Fausto Tortora

Confie em uma “temporada de direitos civis”. Entrevista com Fausto Tortora

Aaron Blanco Tejedor, unsplash Roma (NEV), 14 de março de 2023 - O "Especial de Liberdade Religiosa" da Agência NEV continua com a voz de Fausto Maria Tortora, vice-presidente da Fundação Lelio e Lisli Basso, que promoveu a conferência “Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias”. Entre os parceiros da iniciativa, também a Revista Confronti e Centro de Estudos, a Biblioteca Jurídica Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Para ver o especial completo, clique AQUI. Entrevista com Fausto Tortora. A Fundação da qual o senhor é vice-presidente organizou recentemente a conferência intitulada: “Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias”. Que equilíbrio você gostaria de fazer em termos de participação e conteúdo? A conferência a que se refere e da qual a Fundação Lelio e Lisli Basso foi uma das organizadoras, a partir de uma solicitação que nos foi enviada por um grupo de Magistrados altamente qualificados, foi sem dúvida um sucesso. Em primeiro lugar, após a pandemia e os consequentes métodos de encontro que todos sofremos, ver salas cheias, estilos de interlocução não mediados por telas de computador, foi emocionante. Mas, ao lado desses dados (que não são puramente quantitativos), eu diria que conseguimos uma conversa de primeira, que foi recebida por um público generoso e atento. Acredito que acima de tudo temos evidenciado a necessidade e uma vontade coletiva de repropor o grande tema da liberdade religiosa neste país, sem tabus nem timidez. Todas as confissões religiosas que convidamos sabiam e quiseram aproveitar para reconhecer o local da Conferência como um lugar para relançar uma batalha pela civilização e pela liberdade. E a amplitude, mesmo internacional, dos oradores deu um forte prestígio a toda a iniciativa. Na sua opinião, quais são as principais resistências da política em relação à questão da liberdade religiosa? Ignorância e preguiça intelectual: estes são os dois pólos que explicam a estagnação da política italiana nesta matéria. Gostaria de fazer um questionário entre os nossos parlamentares: deputados e senadores, para saber quantos deles sabem se movimentar no "mundo das religiões", além dos boatos. No entanto, a realidade da Itália, país de imigração, obrigaria qualquer figura que ocupe um cargo público a saber para decidir, pelo menos para questionar além dos clichês. E, no entanto, testemunhas do pluralismo religioso habitam nossas próprias casas, os bairros de nossas cidades: do lojista ao "pizzettaro", da empregada à auxiliar de idosos ou à enfermeira que encontramos nos mesmos hospitais públicos. Digo também preguiça intelectual porque para muitos políticos o lema "quieto não se mexa” parece ser o imperativo válido para qualquer temporada. Também por isso, que mesmo sob o impulso do atual pontificado poderia permitir que os “católicos” obedientes ousassem alguma manifestação de secularismo, ou melhor, de liberdade e, talvez, de maior fidelidade aos valores e à mensagem do Evangelho. Do ponto de vista, porém, da sociedade italiana: na sua opinião, existe o medo do pluralismo religioso? Ou estamos diante de uma incapacidade coletiva e mútua de reconhecer as próprias identidades e as dos outros? Também neste caso eu falaria de ignorância: medo resultante da desconfiança ou desconhecimento do outro. O que é certo é que, se a política não fizer o seu trabalho, principalmente educacional, e fomentar a competição em vez do espírito de coesão, os fechamentos culturais em vez da curiosidade sobre a diversidade que cada um de nós traz, os problemas conflitantes estão destinados a aumentar e, talvez, , alguém poderia obter uma vantagem política mesquinha e míope. Claro que, deste ponto de vista, a escola é a instituição fundamental, e não só para as crianças e jovens, mas também para as famílias e as comunidades: também assim se derrubam os muros e se cria a cultura comunitária. Ele acha que esse assunto pode ser tratado considerando todos os aspectos da questão, incluindo: o estado laico; símbolos religiosos, edifícios e roupas; ensino da religião católica nas escolas públicas; disponibilidade e transparência na aplicação dos recursos (oito por mil in primis)? Se eu não confiasse que não só deveria, mas poderia dar conta do assunto, aproveitando inclusive a "janela histórica" ​​oferecida pela atitude de um papa da Igreja Católica que vem do "fim do mundo ", certamente não teria me comprometido com a Fundação onde trabalho. Em vez disso, sinto um novo interesse na temporada dos direitos civis e, portanto, no declínio dos privilégios anti-históricos que a denominação majoritária tem desfrutado há alguns séculos. Neste contexto, não considero tabu discutir publicamente os 8 por mil e a sua utilização, mas acima de tudo gostaria de uma discussão pública sobre o privilégio do ensino (e dos professores) da religião católica nas escolas e sobretudo sobre o escândalo dos capelães militares: padres empregados nas fileiras do exército na época da terceira guerra mundial em pedaços. ...

Ler artigo
Informação, caminho para a paz entre os povos.  Escrevendo a história com o coração

Informação, caminho para a paz entre os povos. Escrevendo a história com o coração

Roma (NEV), 30 de junho de 2023 – O seminário gratuito promovido pela Federação Nacional da Imprensa Italiana (FNSI) e pela Ordem dos Jornalistas do Lácio intitulado “Informação, um caminho para a paz entre os povos. Escrever a história com o coração”. O curso "analisará a contribuição fundamental que as confissões religiosas podem dar às relações humanas significativas e à linguagem da paz que não é a linguagem da guerra", escrevem os organizadores. Aberto a todos os interessados, o seminário também concederá três créditos para jornalistas. Entre os palestrantes, também o jornalista Elena Ribeteditor da agência de notícias NEV. Atendimento das 10 às 13 na sala Walter Tobagi da FNSI, no Corso Vittorio Emanuele II 349. “Até a informação é uma forma de contribuir para a construção da paz e da harmonia entre os povos. Quem trabalha com informação e comunicação profissional, de fato, tem a responsabilidade de usar a palavra depois de tê-la pensado, ponderado e escolhido. Ele é o responsável pelos efeitos de cada palavra que sai da caneta, do rádio, da TV, dos jornais online e até do uso privado das redes sociais. A fala pode se tornar a arma mais perigosa se for distorcida, hostil e fonte de instigação à violência.O objetivo do curso é ajudar as pessoas a saberem ler e reler nosso tempo 'juntos', vivenciar mudanças 'juntos' com sabedoria e apoiar o uso responsável das palavras” continua no site da FNSI. Plano Apresentação e saudações Alexandra Constant (secretário-geral da FNSI), Guido D'Ubaldo (Presidente Odg Lazio) e Vicente Varagonapresidente da União da Imprensa Católica Italiana (UCSI). Os palestrantes, moderados por Maurizio Di Schino (membro do conselho da Fnsi), são: França Eckert Coen (vice-presidente de “Religiões pela paz Itália”); Asmae Dachan (jornalista, fotógrafo e escritor ítalo-sírio, professor contratado na Universidade de Macerata de Árabe Multimídia e Árabe para Cooperação Internacional); Michael Lipori (jornalista, editor-chefe Confronti); Elena Ribet (jornalista, agência de notícias Nev-Evangelical News/Federação de Igrejas Evangélicas na Itália); David Meghnagi (Professor de Psicologia Clínica e Dinâmica na Universidade Roma Tre); Paulo Ruffini (jornalista, prefeito do Dicastério para a Comunicação da Santa Sé), Ivano Maiorella (membro do Conselho de Disciplina da Ordem dos Jornalistas do Lácio). ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.