Irpinia, uma história que nos pertence

Irpinia, uma história que nos pertence

Roma (NEV), 18 de novembro de 2020 – O terremoto de Irpinia de 40 anos atrás veio com uma violência para a qual ninguém estava preparado. Em poucas horas ficou claro que uma vasta região do sul da Itália foi totalmente destruída e que o país teve que mobilizar todas as suas energias para enfrentar uma tragédia sem precedentes na história do pós-guerra.
Nessa conjuntura, a Federação das Igrejas Evangélicas também quis fazer a sua parte organizando os primeiros socorros; os jovens da Federação Juvenil Evangélica (FGEI) se deslocaram, mas também várias comunidades locais, responsáveis ​​de centros juvenis, numerosas obras diaconais.
Foi um esforço coral inédito que, em suma, possibilitou várias operações de resgate, algumas das quais se enraizaram e se estenderam para além da primeira emergência: gosto de lembrar a “tenda” de Senerchia onde durante meses foram servidas refeições quentes aos desabrigados ou o trabalho desenvolvido em Ruvo del Monte onde dezenas de voluntários evangélicos da Itália e de todo o mundo animaram um programa voltado para crianças que, além de casa, também perderam a escola.
Mas essa foi apenas a primeira fase de uma intervenção que – ficou logo claro – queríamos prolongar no tempo: e o Serviço de Acção Social (SAS) foi criado precisamente para dar coerência e continuidade ao empenho. As igrejas irmãs de vários países europeus estavam prontas para acompanhar a FCEI e suas igrejas componentes em projetos de longo prazo. A ideia orientadora foi a de que não só as casas mas também o tecido económico, social e cultural daquela zona deveriam ser reconstruídos. E com o apoio da Federação, nasceram cooperativas agrícolas, vilas residenciais, centros de reunião. Recordamos a de Monteforte Irpino, perto de Avellino; e de Nápoles Ponticelli, onde ainda hoje se encontra a Casa Mia – centro social Emilio Nitti. Outras iniciativas se esgotaram com o tempo, outras se transformaram. Mas a intenção clara da FCEI era dar continuidade a esta aposta no Sul na esperança de que, precisamente a partir da tragédia do terramoto, pudessem crescer as sementes de uma nova sociedade civil, liberta da chantagem da clientela e das superstições, capaz de promover negócios sustentáveis ​​e produzir uma nova qualidade de desenvolvimento. A crítica explícita era ao modelo decadente das “catedrais do deserto” com as quais o Mezzogiorno – essa era a linguagem da época – havia sido recompensado pelo atraso no desenvolvimento. Iniciou-se assim uma terceira fase de análise e estudo, que deu origem a conferências, livros e um afinamento das várias intervenções.
Difícil fazer um balanço dessa época, muito importante para a vida do FCEI. A balança econômica daquela empresa está decididamente no vermelho: algumas iniciativas, principalmente econômicas, fracassaram; outros não cresceram; apenas alguns, ao longo do tempo, conseguiram se reinterpretar e ainda hoje são capazes de oferecer um serviço valioso. Mas também há a avaliação ética desses meses, e as coisas ficam diferentes. Naquela conjuntura, talvez como nunca antes, os evangélicos italianos fizeram algo juntos e puderam contribuir efetivamente para um grande projeto de reconstrução nacional. Muitos jovens daquela época formados entre as tendas de Irpinia e as igrejas que compõem a Federação entenderam a importância de estar juntos e dar ferramentas comuns de trabalho. Para a FCEI foi também uma ocasião de testemunho e pregação ao país na crença de que uma verdadeira reconstrução não diz respeito apenas às pedras, mas deve envolver os corações e as consciências. E essa lição inesquecível permanece viva hoje.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Luteranos alemães ao Papa Francisco para “caminhar juntos”

Luteranos alemães ao Papa Francisco para “caminhar juntos”

A delegação do Comitê Nacional Alemão da Federação Luterana Mundial com Mons. Mathias Turco. A primeira da esquerda é Cordelia Vitiello da Igreja Evangélica Luterana na Itália (Foto: DNK/LWB) Roma (NEV), 4 de junho de 2018 - "Nunca devemos voltar a 2017". Ele disse para Papa Francisco o bispo luterano Gerhard Ulrichchefe da delegação do Comitê Nacional Alemão (CNT) da Federação Luterana Mundial (FLM) recebeu hoje em audiência no Vaticano. Referindo-se ao 500º aniversário da Reforma Protestante iniciada pelo monge agostiniano Martinho Lutero, por ocasião da qual a FLM e o Papa Francisco assinaram uma declaração conjunta em Lund (Suécia), Dom Ulrich admitiu que "há questões eclesiológicas que ainda preciso esclarecer, mas já hoje diante do mundo podemos dar juntos respostas diaconais”, como, por exemplo, o compromisso comum a favor dos migrantes e dos explorados, e no campo da promoção da paz e salvaguarda da Criação. Para o bispo, “o Jubileu da Reforma é um dos maiores dons de Deus do nosso tempo”. Sobre a recente abertura da Conferência Episcopal Alemã sobre a possibilidade de admitir à Eucaristia os cônjuges protestantes de fiéis católicos, Ulrich disse que observava o debate em curso com "atenção e grande esperança". Sua esperança é que uma solução "unânime e aceitável" seja encontrada sobre o assunto. O tema surgiu também em Lund e foi retomado na declaração final, onde a FLM e a Igreja Católica expressaram como responsabilidade pastoral conjunta a de "responder à sede e à fome espiritual" de muitos de seus membros "que desejam receber a Eucaristia na mesma mesa, como expressão concreta da plena unidade”. Para o Papa Francisco, católicos e luteranos devem continuar em suas relações recíprocas "não com o entusiasmo de correr para alcançar objetivos cobiçados, mas caminhando juntos com paciência, sob o olhar de Deus" - conforme relata Vaticano Insider – porque “nenhum diálogo ecumênico pode avançar se ficarmos parados”. Alguns temas – continuou o Papa, citando os três elementos teológicos mais divisores das tradições católica e evangélica (a concepção do termo “igreja”, a Eucaristia e o ministério eclesial) – “merecem reflexões pontuais e bem compartilhadas. O ecumenismo pede também para não ser elitista, mas para envolver na fé o maior número possível de irmãos e irmãs, crescendo como comunidade de discípulos que rezam, amam e anunciam”. Portanto, para Papa Bergoglio, a ideia é continuar garantindo o apoio mútuo também continuando o diálogo teológico. O encontro foi concluído com a oração do Pai Nosso. Ele também fez parte da delegação Cordelia Vitiellovice-presidente do Consistório da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) e membro do Conselho da FLM. Ontem, domingo, 3 de junho, a delegação do Comitê Nacional Alemão da FLM teve sua reunião oficial com o CELI. Bispo Ulrich, pregando durante o culto de domingo no igreja de cristo da via Sicilia em Roma, sublinhou a importância do pluralismo das tradições: “A diversidade é uma vantagem, não um obstáculo. Pelo contrário: a diversidade reconciliada é uma pré-condição para uma comunidade bem-sucedida”. Para Ulrich, a Igreja de Jesus Cristo é aquela da unidade vivida na diversidade. "Vielfalt ist Reichtum, nicht Störung. Freiheit im Glauben gibt es nicht ohne Vielfalt."Zum Auftakt der Begegnungsreise des DNK/LWB predigt unser Vorsitzender LB Ulrich in der Christuskirche in Rom. #ökumene #EinheitinVielfalt #freiheit @nordkirche_de @VELKD_Presse pic.twitter.com/A7YfaaXJ12 —DNK/LWB (@DNKLWB) 3 de junho de 2018 A visita italiana do Comitê Nacional Alemão (CNT) da FLM segue até 7 de junho. (Para mais informações sobre a visita consulte o nosso artigo aqui). (gc) ...

Ler artigo
Comunidade e idoso: que perspectivas?

Comunidade e idoso: que perspectivas?

Roma (NEV), 17 de maio de 2023 - Amanhã a conferência nacional promovida pela Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD-Waldensian Diaconia) intitulada "Comunidade e idoso: que perspectivas? Encontros, debates e vivências sobre envelhecimento, demência e Parkinson”. Dois dias de estudo e experiência entre Pinerolo (Hotel Barrage e Castello di Miradolo) na quinta-feira 18 de maio e sexta-feira 19 de maio de 2023. É um evento formativo credenciado pela Região Piemonte ECM e confere 20 créditos formativos, em colaboração com as realidades que fazem parte da Pinerolese Dementia Network - Asl TO3, Ciss Pinerolo, Unione Montana Valli Chisone e Germanasca e Ama (Mutuo Aid Association) . O congresso abre na quinta-feira, 18 de maio, às 9h, com uma primeira parte de saudações institucionais de Francisco Sciottopresidente da CSD – Diaconia Valdese; Alessandra Trottamoderador do Tavola Valdese; Louis IcardiConselheiro de Saúde da Região Piemonte. Seguem-se dois dias de trabalho com intervenções cruzadas que vão destacar experiências, testemunhos e boas práticas, com o envolvimento, entre outras coisas, das estruturas da Diaconia Valdese Valli (DVV). Do Refúgio Re Carlo Alberto em Luserna San Giovanni no Núcleo de Decaimento Cognitivo Janavel com uma abordagem diferente da demência e foco no Projeto da Comunidade Amiga das Pessoas com Demência. Depois, os chefes do asilo dos velhos de San Germano Chisone, da Casa Valdese delle Diaconesse, da Casa di Riposo Il Gignoro de Florença (Diaconia Valdese Fiorentina) e outros. Falamos sobre território, comunidade, pessoas, gestão da fragilidade na RSA, como reduzir internações hospitalares, experiências inovadoras na Itália e no exterior e muito mais. "Os idosos são um componente importante e devem encontrar o seu espaço", disse Gianluca Barbanottisecretário executivo da diaconia valdense. Mais informações: ouça a entrevista na Rádio Beckwith (RBE) a Daniel Massamembro do CSD – Diaconia Valdense, que propõe uma palestra sobre o tema “Pacto pela não autossuficiência“. Na Itália, a lei de habilitação sobre o tema foi aprovada recentemente, ficando para trás em comparação com outros países europeus. Massa explica na entrevista “Trata-se de reorganizar este setor de intervenção, que afeta diretamente cerca de 4 milhões de pessoas, mas se somarmos também famílias e operadores, chegamos a cerca de 10 milhões de pessoas. A lei aprovada não é insignificante, é uma oportunidade para o nosso país que não podemos perder. Acreditamos que os idosos precisam de ter respostas em todos os percursos e necessidades que têm nas suas vidas, desde os cuidados domiciliários aos acolhimentos residenciais. As pessoas têm o direito de escolher o que querem fazer da vida a qualquer momento. A outra necessidade é quebrar as desigualdades: os serviços não podem ser destinados apenas às pessoas que têm recursos, mas devem ser acessíveis a todos”. Programa sintético dos dois dias (para ver o programa completo clique aqui) QUINTA-FEIRA, 18 DE MAIO – 8h30 | 17h · Políticas sócio-saúde, RSA e território · Estruturas Residenciais para Idosos contam experiências e projetos específicos SEXTA-FEIRA 19 DE MAIO – 8h30 | 17h30 · Demência e tecnologia: projetos inovadores · Oficinas temáticas · Mesas Redondas O evento é organizado com o apoio 'não condicional' de Generali Arredamenti e Storello Ausili. Parceiro de mídia, Rádio Beckwith Evangelica (RBE). ...

Ler artigo
Alemanha.  Um selo para as Mulheres da Reforma

Alemanha. Um selo para as Mulheres da Reforma

Roma (NEV), 28 de outubro de 2020 – O Ministério das Finanças alemão emitiu um selo especial “Mulheres da Reforma”. “Muitos associam Martinho Lutero à Reforma. No entanto, foi moldado por muitos, incluindo mulheres”, disse ela. Nikolaus Schneiderex-presidente do conselho da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). Em um artigo de Eske Wollrad do Centro Evangélico para Mulheres e Homens em Hanover, em bundesfinanzministerium.de, lemos sobre as mulheres que desempenharam um papel decisivo na formação da Reforma, desde Elisabeth von Calenberg-Göttingen para Elisabeth von Rochlitz. “A palavra de Deus não está ligada a um mediador, encarnado por um sacerdote, mas torna-se acessível através do estudo da Bíblia. Assim, a Reforma também foi um movimento para as mulheres, motivando-as a se tornarem teologicamente ativas”, escreve Wollrad. Entre as mulheres da Reforma também Argula von Grumbach, Baronesa da Francônia, uma das mais famosas autoras de panfletos do movimento e conhecida muito além das fronteiras da Francônia. E então Katharina Zell, que defendeu publicamente, com base bíblica, seu casamento com um padre da catedral de Estrasburgo. “A mensagem da Reforma era, para as mulheres, mas não só, a liberdade – conclui Wollrad -. Não há necessidade de qualquer autoridade para interpretar a Escritura como ensino infalível da igreja. Todo cristão, e a igreja como um todo, pode ler as Sagradas Escrituras. Desta intuição teológica chegamos, ainda que nem sempre de forma linear, aos valores modernos de uma sociedade democrática, assim como à liberdade de expressão e pensamento”. O selo especial e o primeiro dia de cancelamento foram desenhados por Susann Stefanizen. O selo tem um valor de 370 cêntimos e está disponível desde 1 de outubro de 2020 nas estações de correios da Deutsche Post. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.