Jørgen Skov Sørensen novo secretário-geral da Conferência das Igrejas Europeias

Jørgen Skov Sørensen novo secretário-geral da Conferência das Igrejas Europeias

Jørgen Skov Sørensen

Roma (NEV/Riforma.it), 22 de novembro de 2019 – Dr. Jørgen Skov Sørensen foi nomeado novo Secretário Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Nascido em Kolding, Dinamarca, aos 55 anos, chega ao CEC com vasta experiência em teologia, missão, ecumenismo, liderança, comunicação e gestão.

O conselho da CEC anunciou a decisão em 21 de novembro em uma reunião em Bruxelas. Skov Sørensen assumirá o cargo em janeiro de 2020.

“É com grande prazer que anunciamos a nomeação do Dr. Jørgen Skov Sørensen como o novo Secretário Geral da CEC,” disse o Presidente da CEC, Pastor Christian Krieger. “Estamos confiantes de que ele conduzirá a Conferência no caminho que visa acompanhar suas Igrejas e organizações em parceria, trabalhando juntos na esperança e no testemunho, servindo a Europa e promovendo a paz e a unidade da Igreja”.

“Agradeço ao conselho de administração da CEC por me confiar a responsabilidade de liderar a Conferência das Igrejas da Europa em tempos de mudança em nosso continente – disse Skov Sørensen -. Acredito que o cristianismo definiu nosso continente como o conhecemos e que nossa herança desempenhará um papel na formação de nosso futuro comum. A CEC ocupa uma posição única entre as igrejas e a sociedade em geral que estou ansioso para explorar.”

Skov Sørensen é PhD em Missiologia, Teologia Ecumênica e Sistemática pela University of Birmingham, Reino Unido, e PhD em Teologia Ecumênica pela Aarhus University, Dinamarca.

Ele serviu como secretário geral da Danmission, a maior e mais antiga organização missionária da Dinamarca, e também liderou a Igreja Evangélica Luterana na Dinamarca (ELCD) em vários níveis. Ele ocupou vários cargos acadêmicos na Universidade de Aarhus e no United College of the Ascension, Reino Unido, e ocupou cargos na Sociedade Missionária Dinamarquesa e na Igreja Dinamarquesa no Exterior – Hong Kong.

Skov Sørensen atuou em várias diretorias e conselhos dinamarqueses e internacionais, incluindo Dan Church Aid, Lutheran World Federation (FLM) Endowment Fund, Center for the Study of Religion and Society, University of Aarhus, Danish Church Abroad, Eksistensen Christian Think Tank, Amphlett Scholarship Foundation e Areopagos Foundation.

Ele é autor de numerosos artigos e publicações sobre questões internacionais e ecumênicas. Além das línguas escandinavas, ele fala inglês, alemão, francês e chinês mandarim.

O conselho expressou gratidão ao ex-secretário geral, padre Heikki Huttunenpelos serviços prestados à CEC, contribuição e empenho.

O CEC é uma comunidade de 114 igrejas ortodoxas, protestantes, anglicanas e católicas antigas de todos os países da Europa, bem como 40 conselhos nacionais de igrejas e organizações parceiras. A CEC foi fundada em 1959. Tem escritórios em Bruxelas e Estrasburgo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Jesus precisa de muitos “Pedros”.  Primeira vez na história

Jesus precisa de muitos “Pedros”. Primeira vez na história

Uma colagem de quadros do vídeo do Vatican Media sobre a Lectio Petri em 22 de novembro de 2022 Roma (NEV), 24 de novembro de 2022 – Um fato histórico. Um pastor valdense teve liberdade de expressão em São Pedro pela primeira vez na história da Basílica. Ele é o teólogo Paulo ricoconvidado pelo cardeal Gianfranco Ravasi por ocasião de um Lectio Petri. Com Ricca, também o teólogo leigo ortodoxo, Dimitrios Keramidas e o católico Dario Vitali. O teólogo Cettina Militello moderou a reunião, realizada no último dia 22 de novembro. Paolo Ricca falou sobre a interpretação do versículo bíblico: “sobre esta pedra edificarei a minha igreja”. O "Tu es Petrus", diz o teólogo, está junto com o "Tu es Christus" do versículo 16.você é Petrus é o eco de Tu es Christus que Pedro acaba de pronunciar a respeito de Jesus.Estas duas declarações, afirma Paolo Ricca, são inseparáveis. "O Tu es Christus é a mãe de Você é Petrus. Pedro na verdade se chamava Simão. Jesus muda de nome (como Jacó, cujo nome Deus muda para Israel). Jesus diz: 'agora o teu nome será Pedro, porque tu és uma rocha e sobre esta pedra quero edificar a minha igreja'. Pedra? Peter? – Ricca se pergunta – Mas você conhece Pietro? Era tudo menos uma pedra. Generoso, sim. Impulsivo, mas que terá que chorar amargamente por si mesmo, porque ele mesmo negará seu mestre a quem tanto amou três vezes. Pedra? Sim rocha, com suas contradições, como nós, com nossas contradições fomos chamados para uma tarefa maior que nós, como a de Pedro. Jesus transforma este jovem, que não era uma rocha, em uma rocha. E porque? Porque ele é o primeiro de todos, na verdade Matteo o chama protos, em grego. A primeira em que sentido?” Em que sentido, então, Pedro é o primeiro? Ricca responde: “ele é o primeiro a dizer Tu es Christus. Ninguém havia dito isso. Ninguém havia notado, talvez ninguém tivesse coragem de dizê-lo. Essa é a primazia, se quisermos chamar assim". E conclui dizendo: “Peter é o primeiro, mas não é o único. O Jesus ressuscitado chamará Paulo, que fundará muitas igrejas sobre o mesmo fundamento de Pedro, isto é, sobre Tu es Christus. E eu me pergunto se Jesus não quer fazer muitos pequenos 'Pedros' de nós também. Jesus precisa de muitos 'Pedros', um não é suficiente. E talvez esta noite queira fazer de nós também pequenos 'Pedros', pedrinhas domésticas sobre as quais Ele, Jesus, quer construir a sua Igreja. A igreja cristã não nasceu nas basílicas, nasceu nos lares, a primeira forma da igreja cristã é a igreja doméstica. E então esta poderia ser a Lectio Petri. Um ensinamento. Jesus precisa de muitos pequenos 'Pedros' para a sua Igreja numa Europa largamente secularizada, e também nesta cidade”. Estas são as palavras do teólogo, que falou "diante do altar que carrega as relíquias de Pedro, que com certa arrogância arquitetônica nos lembra a primazia" disse Militello apresentando Ricca. Que começou com um agradecimento solene, cujas palavras foram: "Queridos irmãos e irmãs, não posso começar este discurso sem agradecer a fundação do fundo do meu coração Fratres Omnes pelo convite para participar deste Lectio Petri. Certamente é a primeira vez na história milenar desta Basílica que um pastor da igreja valdense, como eu, fala aqui, recebe a palavra, em liberdade e fraternidade. Isso nunca havia acontecido na história. É um fato absolutamente novo, uma daquelas novidades de que fala o profeta Isaías, que Deus cria na história do seu povo. Uma daquelas primícias do Espírito mencionadas pelo apóstolo Paulo. E o que não vemos aqui hoje. E o que é essa novidade? É a Igreja ecumênica que avança e se forma hoje, também aqui, nesta Basílica tão significativa de todos os pontos de vista para toda a cristandade. Aqui mesmo a igreja ecumênica, ou seja, a igreja de todos os cristãos, toma forma. Torne-se visível. É uma coisa extraordinária, algo que só podemos agradecer a Deus que não se cansa de criar coisas novas, mesmo e precisamente no nosso tempo. É realmente a igreja do fratres omnes acima de todos os cristãos. Sempre fomos, fratres omnesmas só em nosso tempo estamos percebendo, aos poucos, e alguns ainda não perceberam". Diferentes comentários nas redes sociais, com centenas de compartilhamentos e interações. Entre as postagens, destacamos a de Paulo Sassi“querido amigo da Comunidade de Sant'Egidio”, como o próprio Ricca o chama. “Entre a cadeira de Pedro e o pálio de Bernini, Paolo Ricca falou 'em liberdade e fraternidade', com paixão e emoção” comentou em sua página no Facebook. Aqui o vídeo completo da Lectio. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=PaEdjtbRvj8[/embed] ...

Ler artigo
Sínodo da Amazônia.  Trabalhamos por uma ecologia integral

Sínodo da Amazônia. Trabalhamos por uma ecologia integral

foto wiki Roma (NEV), 3 de outubro de 2019 – No domingo, 6 de outubro, às 10h, o Sínodo para a Amazônia começará oficialmente em Roma, na Basílica de São Pedro. Até o dia 27 de outubro, a assembléia debaterá os diversos temas que emergem do documento norteador "Amazônia: novos caminhos para a igreja e para uma ecologia integral" e as questões a eles interligadas: destruição extrativista, proteção dos povos indígenas, migração e urbanização, saúde e educação, inculturação e interculturalidade, biodiversidade, luta contra a pobreza, justiça social, proteção das florestas e da natureza. Alguns temas espinhosos já estão sobre a mesa, desde o papel da mulher no celibato, até as acusações de heresia e apostasia feitas pelo cardeal Raymond Burke e pelo bispo Athanasius Schneider. Também participarão dos trabalhos 6 representantes de outras igrejas e comunidades eclesiais presentes e atuantes na região amazônica: Pedro Arana Quirozpároco da Igreja Presbiteriana do Peru, Moab César Carvalho Costada Assembleia de Deus do Brasil, Edgar Castanopresidente do Conselho Evangélico Colombiano, Daniel dos Santos Limada Comunidade Anglicana de Manaus da Igreja Anglicana Episcopal do Brasil, o pároco Cláudio Correa de MirandaVice-coordenador CAIC Igreja Anglicana do Brasil e pastor luterano Nicolau Nascimento de PaivaCoordenador do CAIC, da Igreja Evangélica Luterana no Brasil. Durante uma coletiva de imprensa lotada no Vaticano, o Sínodo para a Amazônia foi apresentado esta manhã pelo Cardeal Lorenzo Baldisserisecretário geral do Sínodo dos Bispos, pelo cardeal brasileiro Cláudio Hummes, presidente da REPAM e relator geral do Sínodo para a Amazônia, e pelo subsecretário do Sínodo dos Bispos, Fábio Fabeneque ilustrou o documento aos jornalistas presentes Instrumentum laboriselaborada ad hoc para este Sínodo, e a composição da assembléia sinodal. "EU'Instrumentum laboris trata-se essencialmente da coleta e sistematização por tema do material produzido durante a fase de consulta, período de dois anos em que a igreja na Amazônia ouviu todos os componentes do Povo de Deus interessados ​​no tema (cerca de 80.000 pessoas). Não é um documento pontifício, mas um texto oferecido como ponto de referência para a discussão durante os trabalhos da Assembleia Sinodal" disse Baldisseri que depois, respondendo a perguntas, esclareceu que não é sequer um traço modificável de um documento definitivo, que ao contrário surgem do texto elaborado pela assembléia sinodal e depois ratificado pelo papa. São 184 membros sinodais, dos quais 136 participam do escritório; destes, 113 provêm das diversas circunscrições eclesiásticas pan-amazônicas. 28 cardeais, 29 arcebispos, 62 bispos residenciais, 7 auxiliares, 27 vigários apostólicos e 10 bispos prelados, 21 membros não bispos, incluindo diocesanos e religiosos. Também participam do Sínodo 6 representantes ecumênicos, 12 convidados especiais escolhidos por sua alta competência científica ou que realizam atividades de caráter humanitário ou voltados para a proteção do meio ambiente, 25 especialistas, 55 auditores, incluindo 10 religiosos, 17 representantes de diferentes origens indígenas e etnias indígenas, incluindo 9 mulheres. O número total de mulheres participantes nos trabalhos sinodais é de 35: 2 são convidadas especiais, 4 especialistas (das quais 2 religiosas) e 29 auditoras (18 religiosas). “O contexto deste Sínodo é a grave crise ambiental e social que vive a Amazônia – disse Hummes -. Uma crise climática, que se manifesta no aquecimento global; uma crise ecológica, devido à poluição e devastação; uma crise social que se manifesta na pobreza e na miséria e que atinge a maioria dos seres humanos e, na Amazônia, em particular os indígenas, os pequenos agricultores e os que vivem nas periferias das cidades amazônicas". ...

Ler artigo
17 de fevereiro: “Cidadania, liberdade e cuidado em tempo de covid” – Semana da Liberdade promovida pela FCEI

17 de fevereiro: “Cidadania, liberdade e cuidado em tempo de covid” – Semana da Liberdade promovida pela FCEI

@jan_huber, unsplash Roma (NEV CS/03), 16 de fevereiro de 2021 – Em 17 de fevereiro de 1848, o rei da Sardenha Carlo Alberto concedeu, com a Carta Patente, direitos civis a seus súditos protestantes, os valdenses. No mês seguinte, 29 de março de 1848, ele fez o mesmo pelos judeus. A decisão do rei em favor dos protestantes foi recebida com entusiasmo e saudada pelos valdenses ao redor de grandes fogueiras. Desde então, para os valdenses e para todos os evangélicos, esta data é um dia de festa, e há muitos anos a Federação das Igrejas Evangélicas (FCEI) promove uma "Semana da Liberdade" por volta do dia 17 de fevereiro para refletir sobre os temas da liberdade , não só religiosa e não só de evangélicos: liberdade de consciência, pensamento e religião para todos. Este ano, face às restrições relacionadas com a Covid-19, a FCEI, para além das iniciativas locais, propõe um evento nacional único para o dia 17 de fevereiro, o webinar “Cidadania, liberdade e cuidado em tempos de covid”. “Este 17 de fevereiro será certamente diferente de todos os anteriores mas provavelmente, precisamente pela pandemia e pela crise que atravessamos, ainda mais significativo e simbolicamente importante – declara o pároco Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) - . A prevenção e o combate à emergência sanitária colocam questões éticas como nunca antes, também em termos de liberdades individuais e coletivas, no sentido mais alto e amplo do termo. Para isso acreditamos ser necessário, como igrejas protestantes, refletirmos juntos sobre o significado daquele caminho percorrido em 1848 e sobre como podemos contribuir proativamente para um futuro sustentável. Porque esse importante passo para valdenses e judeus não diz respeito apenas a nós, crentes, mas a todos que se preocupam com a questão dos direitos, liberdade de religião e expressão. Temas que infelizmente, mesmo depois de 173 anos, continuam dramaticamente atuais e não resolvidos”. Em 2020, a Semana da Liberdade, coincidindo com o dia 17 de fevereiro, foi dedicada ao tema da luta contra o antissemitismo. A FCEI vai assim celebrar o Dia da Liberdade 2021 com um encontro online, em colaboração com a revista e centro de estudos Confronti, intitulado “Cidadania, liberdade e cuidado em tempos de covid”, agendado para amanhã, quarta-feira, 17 de fevereiro, das 17h00 às 18h30. PM. Na reunião, após as saudações do presidente Luca Maria Negroeles vão intervir Alberto Mantovanidiretor científico do instituto clínico Humanitas, Elena Bein Richprofessor de filosofia, Daniele Garroneteólogo e membro do Conselho da FCEI, Abril Máximopastor batista, Francesco Piobbichi da Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália. A nomeação será moderada pelo advogado Ilaria Valenzi da Comissão de Estudos da FCEI. O webinar acontecerá ao vivo no zoom no endereço e na página do Facebook da revista Comparação e centro de estudos. Aqui o evento fb. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.