Migrantes e religiões, primeiro dia da conferência ecumênica

Migrantes e religiões, primeiro dia da conferência ecumênica

Roma (NEV), 19 de novembro – A fé dos migrantes, além dos estereótipos e das notícias falsas. Foi o que se discutiu ontem, segunda-feira, 18 de novembro, na sessão de abertura da conferência ecumênica promovida pelo Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI), dedicado este ano justamente ao tema do entrelaçamento das religiões e dos fenômenos migratórios.

monsenhor Stefano Russosecretário-geral da Conferência Episcopal Italiana (CEI) motivou a decisão de dirigir um olhar ecumênico aos imigrantes, como “uma questão muito atual: é preciso sair da forma demagógica de abordar essas questões, ir ao coração das pessoas , de famílias , que fazem percursos de vida e que chegam a esta península no coração do Mediterrâneo e que, infelizmente, muitas vezes são representadas e vivem como “descartadas pela sociedade”.

E o Mediterrâneo é de alguma forma o fio condutor do debate posterior, que abriu os trabalhos do congresso, apresentado por Monsenhor Ambrogio Spreaficopresidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da CEI, que contou com a presença de Andrew Riccardifundador da comunidade de S.Egidio e Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope, o programa para migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália.

“As migrações nos mudam – começou Riccardi -, terras que antes eram homogêneas se descobrem misturadas. O impacto da mudança às vezes leva ao pânico, parece “o fim do mundo”: é assim que é representado e evocado por alguns. O “medo da história” alastra-se e a reação é “fechar a porta”, uma reação instintiva mas verdadeiramente inadequada para uma sociedade que ambiciona ter futuro. Nossa sociedade é esquecida, confunde emoção com realidade. Olhando para a história, nem sempre a homogeneidade foi característica dos países europeus”. Assim, as migrações como motor e fator chave do mundo globalizado.

“O imigrante – continuou o fundador de Sant’Egidio – é uma figura do mundo distante e global que se instala à sua porta. Mas essa angústia, esse medo merecem proteção e defesa. Italianos, europeus, sentem que precisam de alguma forma reinventar suas identidades. A questão, porém, é que o drama italiano não são os migrantes, o drama não é a invasão’, o drama italiano é a fuga de muitos jovens forçados a emigrar, a perda da atratividade da Itália e o medo dos outros, portanto, o resultado de um processo de introversão”.

Que papel tem a Igreja, neste caso a Igreja Católica, neste quadro? “Ele tem o dever de proteger os perdidos. Antes do Papa Francisco, outros papas também lembraram o dever de hospitalidade, mas nossa cultura é emocional e sem memória. Portanto, é necessário dialogar com o medo do povo. A pergunta é: podemos fazer isso? Acho que devemos olhar para a escolha soberana de muitos cristãos, porque ainda não a analisamos. Muitas vezes nos vemos acima dos partidos, mas não é uma questão política, é uma questão pastoral: as escolhas de uma parte do povo contradizem não apenas os discursos do Papa, mas uma visão cristã do outro. Não é incoerência, é uma verdadeira crise cultural e por isso surge uma grande responsabilidade para a Igreja: comunicar a esperança.

Em essência, os migrantes pressionam por uma renovação pastoral séria e abrangente e não por uma pastoral dos migrantes. Nós somos o problema, o problema são as pessoas comuns: é necessário

uma igreja que sabe fazer germinar uma visão de futuro em sinal de esperança para esses italianos pessimistas e revoltados. Os migrantes nos chamam a uma solidariedade ecumênica para superar o medo”.

E o ecumênico – “nascido da amizade e de um ecumenismo ecumênico contagiante” – é também um dos projetos humanitários mencionados pelo professor Riccardi e no centro do primeiro dia da conferência, o dos corredores humanitários, que ele vê na primeira fila para implementá-los, já há quase quatro anos, a Comunidade de Sant’Egidio, a Tavola Valdese e a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália.

Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI, conferencista e coautora, entre outros, do livro ‘O deus dos migrantes’, apresentou dez “teses” sobre o tema que está no centro do debate, dez imagens, dez chaves de leitura para colocar na “caixa de ferramentas” para ler a realidade.

“A primeira destas “fotografias” – explicou Naso – é uma gruta que se ergue na ilha de Lampedusa, um antigo abrigo para barcos, onde se guarda um estojo com objectos religiosos encontrados nas embarcações”. Objectos que não é óbvio transportar, objectos evidentemente vitais para quem se vê obrigado a fazer o percurso marítimo, para quem os põe na mochila antes de entrar num barco e atravessar o Mediterrâneo.

“A segunda é na zona de Castelvolturno, em San Giuliano, a presença anómala de igrejas evangélicas pentecostais com nomes mais excêntricos, uma rede generalizada de pequenas igrejas pentecostais, frequentadas essencialmente por crentes imigrantes, num local de privação, pequenas igrejas como faróis no deserto… Estas duas primeiras imagens falam-nos da intensidade da religião em tantas pessoas que migram”. Uma intensidade também quantitativa: os números falam de um futuro cada vez mais “migrante” para as religiões.

“Nos últimos 30 anos passamos de um antigo e consolidado pluralismo religioso – confirmou o expoente valdense – a um novo pluralismo: em 1931 o ISTAT pesquisou 157 mil não católicos na Itália, são 400 mil 30 anos depois e em 2019 eles vivem em nosso País 5 milhões de não católicos. Por isso, talvez fosse oportuno fazer uma certa revisão da linguagem: começando pelos termos ‘maioria’ e ‘minoria’, por exemplo”.

O que é certo é que a maioria, sim, neste caso, dos migrantes – a segunda tese do raciocínio de Paolo Naso – “é cristã, mas não católica: entre os imigrantes há 2,7 milhões de cristãos, a maioria ortodoxos, quase um milhão de católicos, 300- 400 mil protestantes, budistas são 120 mil, sikhs 80 mil. Não há islamização”.

E o futuro? O futuro não é eurocêntrico…

“Nos próximos anos – acrescentou o professor – a porcentagem de cristãos diminuirá na Europa, aumentará na América Latina e nos Estados Unidos, explodirá na África, crescerá na Ásia. O ‘centro de gravidade’, por assim dizer, será a Nigéria: o típico cristão do século XXI será o negro! E em 2050 um cristão branco será um oxímoro ou uma hipótese remota, um pouco como um budista sueco”.

O elemento da religião tem múltiplos valores, particularmente para as populações migrantes. Segundo Naso, os migrantes “nas igrejas, nas comunidades de fé, encontram um refúgio, ou seja, a dimensão social é sempre agregada ao culto, que é também um lugar para quem migra encontrar e ter respeito”. E como essas pessoas forçadas a deixar seu país de origem vivem sua fé? “Os migrantes trazem uma religiosidade viva, dinâmica e carismática que se encaixa em um quadro global pós-secular, que na Itália talvez tenhamos dificuldade de entender”.

Novas gerações que devem sofrer em primeira mão as banalizações da mídia: “o termo ‘fundamentalismo’, por exemplo – explicou Naso – é um tique que nos chega da mídia, uma gigantesca fake news. Um cristão ou muçulmano tradicionalista não é um fundamentalista; outra coisa é o radicalismo”.

Em suma, a complexidade parece ser aquela que muitas vezes escapa à representação do fenómeno migratório feita pelos meios de comunicação: “os migrantes perseguem formas de agregação muito diversas: assimilação para alguns, hospitalidade, integração (um percurso dinâmico), identidade nacional, fecho; todas essas opções não são equivalentes”. O que é certo é o fosso entre as religiões da Série A e da Série B: “as comunidades de fé dos imigrantes não têm acesso às proteções legislativas mais sólidas previstas pelo ordenamento jurídico italiano, para a grande maioria, eles realmente operam como associações: devemos perguntamo-nos se esta lacuna legislativa – que se refere sobretudo a uma lei de 1929 – ainda faz sentido. Que a liberdade religiosa não tenha a amplitude da dos italianos é certamente um problema”.

Finalmente, também neste caso, o papel essencial das igrejas. “A penúltima imagem é a película dourada nas portas das igrejas, a manta térmica que tem sido colocada sobre muitos edifícios religiosos, sugerida por um artista, para simbolizar que as igrejas têm sido o principal reduto da onda xenófoba e racista que atravessa a Europa . Tenho orgulho disso no meu ‘pequeno’ espiritual, mas acho isso uma falha gravíssima, a maior, de uma cultura secular que não tem desempenhado essa função. A história dos corredores humanitários faz parte deste capítulo. E queremos reiterar que nunca aceitamos o raciocínio que criminaliza as ONGs: se um cristão não tenta simular um bom samaritano, que cristão ele é?”.

Por fim – a décima “tese” do valdense Paolo Naso -, o tema do diálogo inter-religioso: “é hora de abrir uma temporada não só sobre como vivemos, mas também sobre a prática da justiça, por que não abrir um laboratório de diálogo inter-religioso justamente na justiça?”. Faça a coisa certa, ‘faça a coisa certa’, para colocar tudo Spike Leeou como o

grande líder afro-americano e pastor batista Martin Luther King, concluiu a coordenadora do MS, “A covardia pergunta: é seguro? A oportunidade pergunta: é conveniente? Vainglory pergunta: é popular? Mas a consciência pergunta: está certo?”.

O mesmo apelo ecumênico para um compromisso comum em favor dos direitos dos refugiados veio da Grécia, por meio das palavras do bispo Gabriel de Nea Ionia e Filadélfia, da Igreja Ortodoxa da Grécia, que interveio com uma mensagem em vídeo dirigida à assembléia. Em seguida, como último orador do primeiro dia da conferência, Dom Viktor de Baryshev, da Igreja Ortodoxa Ucraniana (Patriarcado de Moscou).

O encontro ecumênico continua hoje, terça-feira, 19 de novembro, com 14 oficinas temáticas durante a manhã, incluindo uma sobre como “Construir hospitalidade”, realizada pela operadora MH marta bernardini e de Daniela Pompeia de S.Egídio, vários testemunhos e uma oração ecumênica à tarde. As conclusões, com o pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, acontecerá amanhã, quarta-feira, 20 de novembro. [BB]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Armas e bilhões.  O “negócio principal”

Armas e bilhões. O “negócio principal”

Detalhe da capa do livro Futura D'Aprile "Crises globais e assuntos de liderança" (SEB27) Roma (NEV), 30 de março de 2023 – A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) relança a declaração do Observatório sobre os gastos militares italianos (MIL€X). Os Estados-Maiores das Forças Armadas pediram investimentos extraordinários para novos armamentos. "O custo dos investimentos extraordinários em novos armamentos será de pelo menos 25 mil milhões de euros - escreve MIL€X - se o ministro da Defesa Guido Crosetto implementará as propostas que os Chefes do Estado-Maior do Exército, da Marinha e da Aeronáutica apresentaram em suas audiências programáticas às Comissões de Defesa da Câmara e do Senado". Um programa de rearmamento, prossegue o Observatório, “impressionante, que teria um impacto considerável nos orçamentos dos Estados, justificado pelos militares com o risco real de guerra provocado pelo conflito na Ucrânia, mas que suscita mais do que uma perplexidade. Também em atenção ao recorde de aprovações de programas de compras militares ocorridas na última Legislatura”. Sobre o tema das armas e sistemas de guerra made in Italy, esta noite em Turim (18h00 no Circolo dei Lettori), Riforma – Eco delle valli valdesi juntamente com a Ordem dos Jornalistas do Piemonte e a editora SEB27 promovem um debate. “A política e as indústrias italianas no mercado de armas de guerra: como contribuem para a persistência dos conflitos bélicos, para a repressão de regimes autoritários, para as migrações; por que o setor de Defesa, cujos lucros nunca diminuem, é considerado estratégico e quanto contribui para o PIB e o emprego". É o que lemos na página do Círculo de Leitores dedicada ao evento, que conta com a participação de abril futuroespecialista em assuntos internacionais e armamentos e colaborador do jornal Domani; Albert Perducaex-procurador-chefe de Asti, assessor jurídico do Tribunal Penal Internacional por crimes cometidos na ex-Iugoslávia e depois da agência antifraude de Bruxelas Olaf, e chefe da missão Eulez, moderada por David De Michelisjornalista profissional, autor e realizador de documentários televisivos. Futura D'Aprile é, entre outras coisas, autora do livro "Crises globais e assuntos de liderança" (SEB27), com prefácio de Alex Zanotelli, volume no qual apresenta um panorama da indústria de defesa italiana, as leis utilizadas para regular o comércio de material bélico e a prática de contorná-las. “O negócio de armas nunca está em declínio na Itália como no resto do mundo – escreve Riforma citando o volume – «Seus lucros crescem tanto durante conflitos geopolíticos quanto em caso de crises econômicas, como a causada pela pandemia do COVID-19. O Estado, considerando estratégico o setor de defesa, apóia-o e protege-o da exposição à volatilidade do mercado. A escalada do conflito bélico à margem da União Europeia levou os parlamentos a votarem renúncias às exportações para zonas de guerra e ao aumento das despesas militares, de modo que enquanto na Ucrânia, como no Iémen ou na Líbia, os civis sofrem as terríveis consequências da a guerra, os lucros das holdings ao redor do mundo continuam subindo sem serem perturbados". > reserve aqui o seu lugar no Clube de Leitores de Turim. ...

Ler artigo
O pré-sínodo das mulheres

O pré-sínodo das mulheres

Roma (NEV), 11 de agosto de 2023 – Na véspera do Sínodo Valdense, vários encontros estão agendados na Torre Pellice, na província de Turim. Entre eles, no sábado, 19 de agosto, o pré-sínodo organizado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) em colaboração com a Federação das Mulheres Evangélicas Valdenses e Metodistas (FFEVM). Este ano, o pré-sínodo tem como título “Mulheres – protagonistas de uma sociedade em mudança”. “Será uma oportunidade de focar nossa atenção no papel da mulher na sociedade atual entre saltos, abordagens originais e contradições, com o olhar voltado para aspectos temáticos relacionados como a violência contra a mulher em suas diversas formas (física, psicológica, econômica) e a dependência econômica que não permite que muitos se emancipem de situações violentas e restritivas”, escreve o pastor Mirella Manocchiopresidente da FDEI, no comunicado de convite à iniciativa.“Partilharemos estímulos e reflexões que nos advirão do trabalho e das experiências pessoais dos nossos três bem-vindos – continua a nota -: Bárbara Oliveri Tornozelopresidente do Hospital Evangélico Internacional de Gênova (OEIGE); Sara Rossi Guidicelliescritor e jornalista; Antonella Visintinmembro da Comissão GLAM (Globalização e Meio Ambiente) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI)”.Moderar a reunião Alberto Corsani, diretor da Riforma-Eco delle Valli. Segue-se uma discussão com o público. Descarregue o cartaz: PRESINODE 19 23 de agosto A nomeação é para sábado 19 às 15 no salão Filippo Scroppo da Civica Galleriad'Arte Contemporanea, na via R. D'Azeglio 10, na Torre Pellice, ou online ao vivo no YouTube e no Facebook nestes links ...

Ler artigo
O sonho de uma Itália protestante

O sonho de uma Itália protestante

O webinar, organizado pela Comissão Batista-Metodista-Valdense (BMV) que trabalha para a Assembleia-Sínodo, tem como título: “O sonho de uma Itália protestante. História e atualidade de um percurso comum. Reconhecimento mútuo entre as igrejas batista, metodista e valdense cem anos após a Primeira Conferência das Igrejas Evangélicas Italianas". Émile Florio, professor de história e filosofia, fará uma retrospectiva histórica das relações entre as Igrejas BMV cem anos após o 1º Congresso Evangélico Italiano. “Aquela reunião realizada em novembro de 1920 – recorda Florio – foi julgada pela maioria como um fracasso: houve subestimação da complexidade dos problemas, não houve respostas definitivas e não se conseguiu a constituição de uma única igreja evangélica nacional. No entanto, é interessante ver como o mundo evangélico italiano, substancialmente sob a pressão dos leigos, questionou algumas questões, que em parte ainda nos questionam hoje: como falar à Itália como evangélicos? O que é liberdade religiosa? Qual relação entre as igrejas evangélicas é mais útil para fazer tudo isso?”. deexcursão historiador então, com a ajuda de três palestrantes (Gianna Urzio, Cláudio Paravati E John Bremner), será oferecido um vislumbre dos desafios futuros e das potencialidades do caminho comum. A última Assembléia-Sínodo foi realizada em Roma em novembro de 2007. Desde então parece ter diminuído o interesse entre nossas igrejas no caminho da colaboração e comunhão entre as igrejas batistas, metodistas e valdenses. É assim mesmo? Quais podem ser as razões? Três dos seis membros da Comissão de Trabalho da BMV para a Assembleia-Sínodo responderam a essas e outras perguntas. “Acho que houve uma queda no interesse – diz o pastor metodista Pedro Ciaccio – e que tem vários fatores contribuintes, que levaram a uma mudança de prioridades na agenda. Entre eles destaco três: o fenômeno migratório, no qual se concentra um grande empenho das igrejas valdenses e metodistas; o chamado da Comunhão das igrejas protestantes na Europa para esclarecer a contradição entre o reconhecimento mútuo dos membros e das igrejas sem que haja o reconhecimento mútuo do batismo; o enfraquecimento da Federação Juvenil Evangélica da Itália (FGEI), forja da “BMV”». “Acho que o BMV encalhou na questão do batismo – continua o pastor valdense David Rostan – um problema que ainda não entendo. Realizei a maior parte do meu ministério em igrejas batistas e valdenses no contexto de projetos de colaboração territorial e, na prática pastoral, encontrei-me enfrentando a questão do batismo ou da confirmação com uma abordagem mais sociológica e simbólica do que teológica. Mais do que apenas discussões teológicas, tenho visto prevalecer, tanto do lado batista quanto do lado valdense e metodista, um apego à identidade que tem muito pouco a ver com a realidade da pastoral e com os problemas reais de nossas igrejas”. . “Acho – acrescenta o pastor batista Daniel Podesta – que a diminuição do interesse pelo BMV se deve também ao fato de que hoje vivemos uma época em que cada vez mais somos levados a nos retirarmos para o próprio quintal, e nossas igrejas não estão imunes a essa tendência. Mesmo as igrejas da mesma denominação, em nível regional ou na mesma cidade, estão encontrando cada vez mais dificuldade para colaborar, com algumas exceções. A questão certamente não será resolvida por webinars de 21 de novembro, mas esperamos que dê início a uma reflexão que leve a uma nova visão de uma hipótese de trabalho comum". – Então, onde recomeçar o relacionamento e a comunhão de nossas igrejas? “Recomecemos da vocação comum – responde Ciaccio -, que é servir ao Senhor na cidade onde Deus nos chamou a viver, levando adiante as respectivas tradições, histórias e teologias. Isso é suficiente para reviver o BMV? Não sei, deveria ser." “Talvez – diz Rostan – possamos recomeçar considerando as colaborações territoriais não como um 'plug-gap' para responder à falta de recursos econômicos e pastorais, mas uma ferramenta para racionalizar nossos recursos e lançar projetos missionários”. Sobre a necessidade de recomeçar a partir das igrejas locais, Podestà continua: “Mais do que nos documentos oficiais, que também são importantes, devemos nos concentrar naqueles projetos de colaboração territorial nos quais os membros da igreja possam se sentir direta e ativamente envolvidos”. O pastor cita a experiência dos cultos online preparados durante o confinamento das igrejas evangélicas de Milão, ou a experiência de adoração de zoom, no qual estiveram envolvidos vários pastores e pastoras das igrejas BMV. “Devemos esperar essas novas formas de colaboração, pois elas podem ampliar nosso escopo de trabalho comum.” Os executivos incentivaram uma ampla participação no webinars, especialmente por aqueles que se juntaram recentemente a uma de nossas igrejas. “Numa época em que estamos totalmente afogados em agendas de coisas para fazer, – diz Ciaccio -, este webinars é uma boa oportunidade para tirar algum tempo para fazer perguntas que são importantes para nossas igrejas”. “Para aqueles que recentemente participaram da vida de uma de nossas igrejas – sugere Rostan – eu diria: 'caro irmão, irmã, seja qual for a igreja protestante histórica que você escolheu para frequentar, você não está sozinho, existem outros protestantes que têm histórias diferentes; venha e veja o que o protestantismo fez neste país'”. “Eu começaria pelo título de webinars, 'O sonho de uma Itália protestante' – conclui Podestà -. Em uma sociedade dividida, onde cada vez mais muros de separação estão sendo construídos, acho importante reiterar a necessidade de se apegar ainda hoje a esse sonho de unidade e, portanto, gostaria de encorajar as pessoas a participar da reunião para entender como eles pode fazer parte da realização desse sonho”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.