Migrantes e religiões, primeiro dia da conferência ecumênica

Migrantes e religiões, primeiro dia da conferência ecumênica

Roma (NEV), 19 de novembro – A fé dos migrantes, além dos estereótipos e das notícias falsas. Foi o que se discutiu ontem, segunda-feira, 18 de novembro, na sessão de abertura da conferência ecumênica promovida pelo Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI), dedicado este ano justamente ao tema do entrelaçamento das religiões e dos fenômenos migratórios.

monsenhor Stefano Russosecretário-geral da Conferência Episcopal Italiana (CEI) motivou a decisão de dirigir um olhar ecumênico aos imigrantes, como “uma questão muito atual: é preciso sair da forma demagógica de abordar essas questões, ir ao coração das pessoas , de famílias , que fazem percursos de vida e que chegam a esta península no coração do Mediterrâneo e que, infelizmente, muitas vezes são representadas e vivem como “descartadas pela sociedade”.

E o Mediterrâneo é de alguma forma o fio condutor do debate posterior, que abriu os trabalhos do congresso, apresentado por Monsenhor Ambrogio Spreaficopresidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da CEI, que contou com a presença de Andrew Riccardifundador da comunidade de S.Egidio e Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope, o programa para migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália.

“As migrações nos mudam – começou Riccardi -, terras que antes eram homogêneas se descobrem misturadas. O impacto da mudança às vezes leva ao pânico, parece “o fim do mundo”: é assim que é representado e evocado por alguns. O “medo da história” alastra-se e a reação é “fechar a porta”, uma reação instintiva mas verdadeiramente inadequada para uma sociedade que ambiciona ter futuro. Nossa sociedade é esquecida, confunde emoção com realidade. Olhando para a história, nem sempre a homogeneidade foi característica dos países europeus”. Assim, as migrações como motor e fator chave do mundo globalizado.

“O imigrante – continuou o fundador de Sant’Egidio – é uma figura do mundo distante e global que se instala à sua porta. Mas essa angústia, esse medo merecem proteção e defesa. Italianos, europeus, sentem que precisam de alguma forma reinventar suas identidades. A questão, porém, é que o drama italiano não são os migrantes, o drama não é a invasão’, o drama italiano é a fuga de muitos jovens forçados a emigrar, a perda da atratividade da Itália e o medo dos outros, portanto, o resultado de um processo de introversão”.

Que papel tem a Igreja, neste caso a Igreja Católica, neste quadro? “Ele tem o dever de proteger os perdidos. Antes do Papa Francisco, outros papas também lembraram o dever de hospitalidade, mas nossa cultura é emocional e sem memória. Portanto, é necessário dialogar com o medo do povo. A pergunta é: podemos fazer isso? Acho que devemos olhar para a escolha soberana de muitos cristãos, porque ainda não a analisamos. Muitas vezes nos vemos acima dos partidos, mas não é uma questão política, é uma questão pastoral: as escolhas de uma parte do povo contradizem não apenas os discursos do Papa, mas uma visão cristã do outro. Não é incoerência, é uma verdadeira crise cultural e por isso surge uma grande responsabilidade para a Igreja: comunicar a esperança.

Em essência, os migrantes pressionam por uma renovação pastoral séria e abrangente e não por uma pastoral dos migrantes. Nós somos o problema, o problema são as pessoas comuns: é necessário

uma igreja que sabe fazer germinar uma visão de futuro em sinal de esperança para esses italianos pessimistas e revoltados. Os migrantes nos chamam a uma solidariedade ecumênica para superar o medo”.

E o ecumênico – “nascido da amizade e de um ecumenismo ecumênico contagiante” – é também um dos projetos humanitários mencionados pelo professor Riccardi e no centro do primeiro dia da conferência, o dos corredores humanitários, que ele vê na primeira fila para implementá-los, já há quase quatro anos, a Comunidade de Sant’Egidio, a Tavola Valdese e a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália.

Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI, conferencista e coautora, entre outros, do livro ‘O deus dos migrantes’, apresentou dez “teses” sobre o tema que está no centro do debate, dez imagens, dez chaves de leitura para colocar na “caixa de ferramentas” para ler a realidade.

“A primeira destas “fotografias” – explicou Naso – é uma gruta que se ergue na ilha de Lampedusa, um antigo abrigo para barcos, onde se guarda um estojo com objectos religiosos encontrados nas embarcações”. Objectos que não é óbvio transportar, objectos evidentemente vitais para quem se vê obrigado a fazer o percurso marítimo, para quem os põe na mochila antes de entrar num barco e atravessar o Mediterrâneo.

“A segunda é na zona de Castelvolturno, em San Giuliano, a presença anómala de igrejas evangélicas pentecostais com nomes mais excêntricos, uma rede generalizada de pequenas igrejas pentecostais, frequentadas essencialmente por crentes imigrantes, num local de privação, pequenas igrejas como faróis no deserto… Estas duas primeiras imagens falam-nos da intensidade da religião em tantas pessoas que migram”. Uma intensidade também quantitativa: os números falam de um futuro cada vez mais “migrante” para as religiões.

“Nos últimos 30 anos passamos de um antigo e consolidado pluralismo religioso – confirmou o expoente valdense – a um novo pluralismo: em 1931 o ISTAT pesquisou 157 mil não católicos na Itália, são 400 mil 30 anos depois e em 2019 eles vivem em nosso País 5 milhões de não católicos. Por isso, talvez fosse oportuno fazer uma certa revisão da linguagem: começando pelos termos ‘maioria’ e ‘minoria’, por exemplo”.

O que é certo é que a maioria, sim, neste caso, dos migrantes – a segunda tese do raciocínio de Paolo Naso – “é cristã, mas não católica: entre os imigrantes há 2,7 milhões de cristãos, a maioria ortodoxos, quase um milhão de católicos, 300- 400 mil protestantes, budistas são 120 mil, sikhs 80 mil. Não há islamização”.

E o futuro? O futuro não é eurocêntrico…

“Nos próximos anos – acrescentou o professor – a porcentagem de cristãos diminuirá na Europa, aumentará na América Latina e nos Estados Unidos, explodirá na África, crescerá na Ásia. O ‘centro de gravidade’, por assim dizer, será a Nigéria: o típico cristão do século XXI será o negro! E em 2050 um cristão branco será um oxímoro ou uma hipótese remota, um pouco como um budista sueco”.

O elemento da religião tem múltiplos valores, particularmente para as populações migrantes. Segundo Naso, os migrantes “nas igrejas, nas comunidades de fé, encontram um refúgio, ou seja, a dimensão social é sempre agregada ao culto, que é também um lugar para quem migra encontrar e ter respeito”. E como essas pessoas forçadas a deixar seu país de origem vivem sua fé? “Os migrantes trazem uma religiosidade viva, dinâmica e carismática que se encaixa em um quadro global pós-secular, que na Itália talvez tenhamos dificuldade de entender”.

Novas gerações que devem sofrer em primeira mão as banalizações da mídia: “o termo ‘fundamentalismo’, por exemplo – explicou Naso – é um tique que nos chega da mídia, uma gigantesca fake news. Um cristão ou muçulmano tradicionalista não é um fundamentalista; outra coisa é o radicalismo”.

Em suma, a complexidade parece ser aquela que muitas vezes escapa à representação do fenómeno migratório feita pelos meios de comunicação: “os migrantes perseguem formas de agregação muito diversas: assimilação para alguns, hospitalidade, integração (um percurso dinâmico), identidade nacional, fecho; todas essas opções não são equivalentes”. O que é certo é o fosso entre as religiões da Série A e da Série B: “as comunidades de fé dos imigrantes não têm acesso às proteções legislativas mais sólidas previstas pelo ordenamento jurídico italiano, para a grande maioria, eles realmente operam como associações: devemos perguntamo-nos se esta lacuna legislativa – que se refere sobretudo a uma lei de 1929 – ainda faz sentido. Que a liberdade religiosa não tenha a amplitude da dos italianos é certamente um problema”.

Finalmente, também neste caso, o papel essencial das igrejas. “A penúltima imagem é a película dourada nas portas das igrejas, a manta térmica que tem sido colocada sobre muitos edifícios religiosos, sugerida por um artista, para simbolizar que as igrejas têm sido o principal reduto da onda xenófoba e racista que atravessa a Europa . Tenho orgulho disso no meu ‘pequeno’ espiritual, mas acho isso uma falha gravíssima, a maior, de uma cultura secular que não tem desempenhado essa função. A história dos corredores humanitários faz parte deste capítulo. E queremos reiterar que nunca aceitamos o raciocínio que criminaliza as ONGs: se um cristão não tenta simular um bom samaritano, que cristão ele é?”.

Por fim – a décima “tese” do valdense Paolo Naso -, o tema do diálogo inter-religioso: “é hora de abrir uma temporada não só sobre como vivemos, mas também sobre a prática da justiça, por que não abrir um laboratório de diálogo inter-religioso justamente na justiça?”. Faça a coisa certa, ‘faça a coisa certa’, para colocar tudo Spike Leeou como o

grande líder afro-americano e pastor batista Martin Luther King, concluiu a coordenadora do MS, “A covardia pergunta: é seguro? A oportunidade pergunta: é conveniente? Vainglory pergunta: é popular? Mas a consciência pergunta: está certo?”.

O mesmo apelo ecumênico para um compromisso comum em favor dos direitos dos refugiados veio da Grécia, por meio das palavras do bispo Gabriel de Nea Ionia e Filadélfia, da Igreja Ortodoxa da Grécia, que interveio com uma mensagem em vídeo dirigida à assembléia. Em seguida, como último orador do primeiro dia da conferência, Dom Viktor de Baryshev, da Igreja Ortodoxa Ucraniana (Patriarcado de Moscou).

O encontro ecumênico continua hoje, terça-feira, 19 de novembro, com 14 oficinas temáticas durante a manhã, incluindo uma sobre como “Construir hospitalidade”, realizada pela operadora MH marta bernardini e de Daniela Pompeia de S.Egídio, vários testemunhos e uma oração ecumênica à tarde. As conclusões, com o pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, acontecerá amanhã, quarta-feira, 20 de novembro. [BB]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Roma.  Luteranos e católicos convergem 500 anos após a excomunhão de Lutero

Roma. Luteranos e católicos convergem 500 anos após a excomunhão de Lutero

Roma (NEV), 21 de junho de 2021 - De 23 a 27 de junho, uma delegação de luteranos alemães estará em Roma para uma série de encontros e palestras ecumênicas. O anúncio foi feito pela Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) e pela Igreja Evangélica Luterana Unida da Alemanha (VELKD). A ocasião, desta vez, é para o 500º aniversário da excomunhão de Lutero. No entanto, é uma série de compromissos que fazem parte de um caminho comum de longa data. Teve uma de suas etapas importantes na comemoração conjunta católico-luterana da Reforma, realizada em 2016 em Lund, na Suécia. A Comemoração fazia parte das comemorações mundiais do 500º aniversário da Reforma Protestante. A delegação, que chegará a Roma nos próximos dias, representa o Comitê Nacional Alemão da Federação Luterana Mundial (FLM) e o VELKD. É composto pelo bispo Frank-Otfried julho (presidente da seção alemã FLM) e pelos bispos VELKD Ralph Meister E Karl-Hinrich Manzke (este último, responsável pelas relações com a Igreja Católica). Quinta-feira, 24 de junho, os bispos se reunirão Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Além disso, estão programados encontros com representantes da comunidade de Sant'Egidio, do Movimento dos Focolares, do CELI e com o enviado da Embaixada da Alemanha à Santa Sé. A viagem terminará com um culto na Igreja Luterana no domingo, 27 de junho, no qual a Santa Ceia será presidida por Dom Ralf Meister e o sermão será proferido pelo Cardeal Koch. “Com a viagem a Roma continuamos uma longa série de diálogos baseados na confiança e na abertura ecumênica e nos relacionamos com os encontros anteriores – declarou o bispo Manzke -. São conversas que, neste momento, são particularmente necessárias. Falar sobre a Igreja Evangélica Luterana na Alemanha e no mundo e ouvir nossa igreja católica irmã leva à compreensão mútua e fortalece as relações ecumênicas”. Entre os temas que a delegação abordará estão os desafios e a situação do diálogo ecumênico internacional e as possibilidades de ações comuns. Além disso, os estudos do grupo de trabalho ecumênico "Juntos à mesa do Senhor", sobre o qual o VELKD formulou um parecer. Finalmente, a excomunhão de Lutero em 1521 e seu significado para a situação ecumênica hoje. Sobre este assunto, o Vaticano e a Federação Luterana Mundial anunciaram uma declaração conjunta. Vá para a guia NEV: FORMA. Martinho Lutero (1483-1546) ...

Ler artigo
Dia de Martin Luther King Justiça racial, antimilitarismo, reconciliação

Dia de Martin Luther King Justiça racial, antimilitarismo, reconciliação

Roma (NEV), 13 de janeiro de 2023 – Em 15 de janeiro de 1929 nasceu Martin Luther King: Pastor batista, líder dos direitos civis, vencedor do Prêmio Nobel da Paz. Nos Estados Unidos, o Dia de Martin Luther King ocorre todos os anos na terceira segunda-feira de janeiro, justamente para lembrar sua figura e seus ideais. Entre os principais temas do chamado MLK Day estão a não violência e o antirracismo. Na comemoração do Igreja Batista Ebenézer em Atlanta, onde o próprio King foi pastor, o famoso cantor gospel estará presente Yolanda Adams. É também o momento de relançar a campanha #Nonviolence365, para um compromisso civil 365 dias por ano. “Seja um rei”, ele twittou Berenice Kingfilha mais nova de MLK, advogada, pastora, ativista, chefe do Centro que leva o nome do pai. Um apelo ao compromisso pessoal, como a mãe de Berenice, Coretta Scott Kingele definiu o comunidade amada: “uma visão realista de uma sociedade viável“. Uma cultura de “justiça, bondade e justiça que começa com cada um de nós no momento em que decidimos nos envolver com amor, dignidade e compaixão”. E ainda: "Na #BelovedCommunity, o cuidado e a compaixão orientam as políticas e práticas para a eliminação da pobreza, da fome e de todas as formas de fanatismo e violência em todo o mundo". “Na Amada Comunidade, o cuidado e a compaixão impulsionam as políticas políticas que apoiam a eliminação mundial da pobreza e da fome e de todas as formas de fanatismo e violência.” #CorettaScottKing pic.twitter.com/n9CxQDq3wP — Seja um Rei (@BerniceKing) 10 de janeiro de 2023 O mundo precisa de tantos MLKs? Precisamos de heróis? Para onde um Martin Luther King moderno levaria seu olhar, sua luta, seu corpo? Pedimos um comentário Paulo Nasoautor entre outras coisas do livro "Martin Luther King, uma história americana" (ed. Laterza). Paulo Naso escreve: “Pode ser que tenhamos que nos arrepender nesta geração. Não apenas pelas palavras mordazes das pessoas más e pelas ações violentas das pessoas más, mas pelo terrível silêncio e indiferença das pessoas boas que se sentam e dizem: “Espere na hora.” #MLK pic.twitter.com/hvNXW6UIFd — Seja um Rei (@BerniceKing) 12 de janeiro de 2023 Para saber mais: Acesse o NEV FACTSHEET sobre Martin Luther King e o movimento pelos direitos civis. Nesta página do Spotify, uma série de comícios e discursos públicos do pastor batista, ganhador do Prêmio Nobel da Paz. Aqui a entrevista de 15 de janeiro de 2021 a Paulo Nasopor ocasião da publicação do livro "Martin Luther King, uma história americana" (ed. Laterza). Paolo Naso é professor de Ciência Política na Universidade de Roma La Sapienza e coordenador do Conselho para as relações com o Islã no Ministério do Interior. Entre suas funções, também a de consultor de relações institucionais do Mediterranean Hope - Programa para Refugiados e Migrantes da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) e Coordenador da Comissão de Estudos do Diálogo de Integração da FCEI. ...

Ler artigo
Lutero e a Santa Ceia.  História, ontologia e atualidades

Lutero e a Santa Ceia. História, ontologia e atualidades

Roma (NEV), 4 de junho de 2021 – Uma conferência sobre Lutero e a Santa Ceia. Esta é a proposta da Academia de Estudos Luteranos da Itália (ASLI) para os dias 4 e 5 de junho. A conferência, aberta a todos, ocorre eletronicamente no Zoom. Estão previstos 11 relatórios. O tema será abordado sob diferentes perspectivas, a histórico-teológica e a ontológico-ecumênica. Entre os temas: a teologia da Ceia para Lutero. O aprofundamento das questões sacramentais, teológicas, eclesiológicas e terapêuticas. O “sacrifício de intercessão”. Os “desafios” à ontologia dados pelas opções “virtuais” da Santa Ceia. A crítica de Martinho Lutero à doutrina da transubstanciação. Também falaremos sobre Dietrich Bonhoeffer como intérprete da teologia do Sacramento do Altar de Lutero, da Disputa de Marburg (1529) revisitada à luz do Acordo de Leuenberg (1973), e muito mais. Aqui está o programa (para a versão em pdf para impressão clique aqui). Sexta-feira, 4 de junho, 15h Saudações: Frank Buzzi – Presidente da ASLI Italo Pons – membro do Conselho Valdense, Milão Heiner Bludau – Decano da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) Roberto M. Pagani – Responsável pelo serviço Ecumenismo e Diálogo da Diocese de Milão Introdução ao tema: Lubomir Žak – Diretor Científico da ASLI Relações: Johannes SchillingA Gênese e Desenvolvimento da Teologia da Ceia de Lutero Paulo ricoA disputa de Marburg (1529) revisitada à luz do Acordo de Leuenberg (1973) A discussão segue. Retoma às 17h30 Moderador: Michael Cassese Relações: Antonio Sabetta, o realismo sacramental de Lutero. Significado e importância Dieter KampenA Santa Ceia como encontro com o sagrado A discussão segue. Sábado, 5 de junho, 9h Moderador: Markus Krienke Relações: Ângelo MaffeisA crítica de Martinho Lutero à doutrina da transubstanciação Sérgio RostagnoA identificação com Cristo e o crente na Ceia A discussão segue. Ele recomeça às 11 Moderador: Frank Buzzi Relações: Lubomir Žak, O Sacramento do Altar no contexto dos Catecismos de Lutero. Uma leitura teológico-fundamental Michael CasseseA eficácia da Santa Ceia em Lutero: seu valor eclesiológico e terapêutico Markus KrienkeD. Bonhoeffer como intérprete da teologia do Sacramento do Altar de Lutero A discussão segue. Recomeça às 15h30 Moderador: Antonio Sabetta Relações: Mário Galzignato, o vere sacrificium propiciatorium de Trento e o "sacrifício de intercessão" no BEM. As razões para uma equivalência Dietrich KorschÉ possível participar de forma virtual da celebração da Santa Ceia? Desafios à ontologia da Santa Ceia Segue-se uma discussão e uma pausa. Retoma às 17h30 Conclusões: Dieter Kampen e Lubomir Žak (perspectiva histórico-teológica) Paolo Ricca e Franco Buzzi (perspectiva ontológico-ecumênica) ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.