Migrantes, SAE: “Revogar os acordos Itália-Líbia”

Migrantes, SAE: “Revogar os acordos Itália-Líbia”

Desenho de Francesco Piobbichi, operador do “Mediterrâneo Esperança”, programa de refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália

Roma (NEV), 13 de outubro de 2022 – “Não podemos aceitar que nosso país mantenha vivos acordos que de fato favorecem a interceptação e captura de migrantes, repulsão, negação do direito de asilo e detenção arbitrária nos campos de concentração líbios onde a violência, o estupro e torturas são perpetradas, e onde muitos e muitos morrem justamente por causa do tratamento desumano. Por esta razão, pedimos ao governo italiano que revogue imediatamente o Memorando de Entendimento entre a Itália e a Líbia, estipulado por Minniti-Gentiloni em 2 de fevereiro de 2017 e tacitamente renovável a cada três anos”. A SAE, Secretaria de Atividades Ecumênicas informa em nota.
“Este acordo – prossegue o texto –, no seu segundo triénio, voltará a expirar em fevereiro de 2023 e, não havendo ato de revogação até ao próximo dia 2 de novembro, será tacitamente renovado de novo”.

O Conselho de grupos locais da Secretaria de Atividades Ecumênicas da SAE reuniu-se em Roma no dia 9 de outubro de 2022 e votou por unanimidade duas moções: uma dirigida ao Presidente da República e ao Presidente do Conselho de Ministros, a outra a Monsenhor Erio Castellucci, presidente do Comitê Nacional do Caminho Sinodal da Igreja Católica na Itália, e para informação ao Cardeal Matteo Zuppi, presidente da CEI, e a Monsenhor Derio Olivero, presidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo da CEI. A moção enviada ao Estado é a relativa ao Memorando de Entendimento entre a Itália e a Líbia. A moção enviada à Igreja Católica constata “a completa ausência de referências ao caminho ecumênico na Síntese nacional da fase diocesana do Caminho Sinodal da Igreja Católica na Itália, que contém apenas referências limitadas a pessoas de outras fés ou religiões” ; pede atenção a este tema e oferece a sua colaboração para criar “momentos e ocasiões em que se viva e tematize a dimensão ecuménica da Igreja”.

Quanto aos acordos com a Líbia, prossegue o documento, “não podemos ficar indiferentes face à perpetuação de uma situação de grave injustiça que vê de um lado o bem-estar económico, a sociedade da abundância e do desperdício, e
do outro, a desnutrição, a miséria e a fome – declaram -. Animados e animados pelo sentido da justiça e pelo espírito de solidariedade, denunciamos estes graves desequilíbrios que levam à morte tantas mulheres e homens, raparigas e rapazes, forçados a atravessar fronteiras clandestinamente ou amontoados em barcos para escapar à pobreza, à perseguição e à das guerras”.

Seguem os textos das duas moções aprovadas pela SAE.


A SAE é uma associação leiga e interconfessional, que em 1966 foi formalmente constituída como associação sob a presidência da fundadora Maria Vingiani. Desde 1964 organiza uma sessão anual de verão de formação ecumênica, da qual são publicados os Atos. Geralmente é acompanhado por uma conferência anual de primavera mais curta. Ele foi um dos promotores da época para o judaísmo (1989) e do documento para casamentos inter-religiosos entre católicos e valdenses-metodistas (1998). Em setembro de 2021, foi eleita Erica Sfreddavaldense, primeiro presidente evangélico da associação, que tomou posse oficialmente em janeiro de 2022.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Igrejas reformadas suíças.  Um Sínodo extraordinário em setembro

Igrejas reformadas suíças. Um Sínodo extraordinário em setembro

Foto ESRB-Flickr Roma (NEV), 17 de junho de 2020 – O primeiro Sínodo da Igreja Evangélica Reformada na Suíça (ESRB) foi encerrado no Kursaal em Berna. Participaram 26 igrejas-membro, representadas por 81 pessoas, das quais 75 com direito a voto. Entre as decisões mais salientes do Sínodo, a de planejar um Sínodo extraordinário em setembro e a fusão dos dois organismos protestantes suíços de ajuda humanitária "Pão para todos" e "Ajuda das Igrejas Evangélicas Suíças" (ACES - Hilfswerk Evangelischer Kirchen Schweiz - HEKS) . A fusão oficial entrará em vigor a partir de 1º de janeiro de 2022, sujeita à aprovação dos estatutos da nova fundação pelo Conselho Federal de Supervisão de Fundações. Foto ESRB-Flickr Os trabalhos foram condicionados pela recente demissão do presidente Gottfried Locher e o vereador Sabine Brandlin. O Sínodo criou uma comissão temporária de inquérito, encarregada de conduzir uma investigação interna e externa sobre um suposto assédio do ex-presidente contra um ex-funcionário da Igreja. Para completar as discussões deixadas em aberto sobre estratégias futuras, foram agendadas mais três sessões: além do Sínodo extraordinário em setembro, que ainda está sendo definido, o Sínodo se reunirá novamente de 1 a 3 de novembro de 2020 em Berna e depois em junho e em novembro de 2021, em Sion e Berna, respectivamente. O primeiro Sínodo da CERS, antiga Federação das Igrejas Evangélicas Suíças (FCES), foi realizado em um único dia e em modo distanciado após a emergência do coronavírus e foi aberto com um discurso do presidente do Sínodo, pároco Pierre de Salisque falou de um "Sínodo de crise em tempos de crise". Para mais informações: leia o relatório final no site do ESRB (em alemão ou francês) leia o artigo sobre Voce evangelica Sínodo de crise em tempos de crise ...

Ler artigo
O Grande Catecismo de Lutero.  Ferrario no Festival de Literatura Histórica

O Grande Catecismo de Lutero. Ferrario no Festival de Literatura Histórica

Roma (NEV), 6 de abril de 2023 - Fulvio Ferrariopastor valdense (professor de teologia sistemática na Faculdade de Teologia Valdense de Roma), será o convidado da primeira edição do Festival de Literatura Histórica de Legnano, intitulado "A história nas entrelinhas". Por ocasião da reimpressão do Grande Catecismo de Lutero para a editora ClaudianaFerrario ilustrará a história de Lutero, a Reforma e suas implicações no mundo contemporâneo. "Dê-me um martelo. Lutero e a Reforma” é o título da sessão dedicada ao reformador. A nomeação é em Legnano (MI) para Sábado, 15 de abril, às 19h. Não há nenhum livro meu em que eu me reconheça verdadeiramente, exceto talvez aquele sobre eu sirvo a vontade e a Catecismo. Martinho Lutero “A reforma do século XVI é, fundamentalmente, um poderoso esforço de alfabetização bíblica – lê-se na apresentação ao Catecismo Maior -. EU'Enquirídio ou Pequeno Catecismo e a catecismo alemão ou Grande Catecismo, ambos de 1529, são concebidos nesta perspectiva. EU'Enquirídioatravés de um rigoroso compromisso de síntese e de uma acurada arquitetura interna, apresenta em poucas páginas o que um cristão e uma cristã devem saber: Mandamentos, Credo, Pai Nosso, significado do batismo, confissão dos pecados e Ceia do Senhor”. Poucos textos como este "contribuíram para moldar a fé evangélica - continua o texto -. Já no século XVI foi traduzido para muitas línguas, inclusive o italiano. Em 1555 olímpia morato (ou morata), nobre italiana de sentimentos evangélicos, pediu Pier Paolo Vergério traduzir o livro para o italiano, para que seja de grande utilidade «para os nossos italianos, especialmente para os jovens». Vergerio não pôde conceder o pedido, nem outros depois dele. O que apresentamos é a primeira (e por enquanto única) tradução para a nossa língua”. O apresentado por Claudiana é a segunda edição atualizada com a adição do texto original em alemão. FORMA. Martinho Lutero (1483-1546) Para saber mais: ...

Ler artigo
Tempo da Criação: a economia global deve reverter o curso

Tempo da Criação: a economia global deve reverter o curso

Roma (NEV), 5 de outubro de 2020 - St.O Tempo da Criação encerrou ontem com uma oração ecumênica, um período litúrgico que todos os anos, de 1º de setembro a 4 de outubro, compromete os cristãos de todo o mundo e de todas as tradições a rezar e agir para proteger o meio ambiente. Moderador do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) Agnes Abuom trouxe sua reflexão sobre a justiça econômica e social e sobre a proteção da biodiversidade: “A recente pandemia desmascarou e agravou desigualdades e injustiças – disse Abuom -. O Tempo da Criação nos ajudou a entender melhor cinco conceitos-chave: descanso, restauração, plenitude/sustento, reconciliação, restituição (em inglês expresso com '5 R': descanso, restauração, reabastecimento, reconciliação, restituição, ed)”. Cuidar da Criação, continuou Abuom, “também significa exigir que a economia global reverta seu curso. Uma rota, a atual, que é muito perigosa. Significa pedir o retorno de uma produção ligada ao consumo, portanto, às necessidades reais. O fim da ganância. O estado ecológico do nosso planeta, a situação socioeconómica das nossas comunidades, o bem-estar da criação, a subsistência e a dignidade das pessoas, a saúde mental e física e a segurança das pessoas, especialmente as mais vulneráveis, a soberania e a segurança alimentar que as pessoas gostam, estão todos conectados – continuou Abuom -. A economia global deve fornecer espaços para a participação da comunidade; espaços de participação individual em diversos setores da sociedade”. Em tempos de pandemia, o “Jubileu da Terra”, segundo Abuom, consiste entre outras coisas em “respeitar e conservar as florestas, proteger a diversidade da Criação e os povos indígenas, guardiões da Criação”. Este é o momento de discutir e questionar o paradigma econômico, concluiu o moderador do CMI: “Um paradigma centrado na exploração e no sofrimento humano. Hoje é mais necessário do que nunca fazer ouvir nossas vozes, como cidadãos individuais e como comunidades de igrejas. Muitas comunidades foram deixadas de fora das mesas e processos de tomada de decisão. Mesas onde devemos voltar a fazer ouvir a nossa voz, expressando a nossa denúncia contra aqueles que continuam a roubar, matar e destruir. O atual sistema econômico não tem cura para nenhuma forma de vida. O único interesse econômico hoje é a maximização do lucro”. Leia o discurso completo de Agnes Abuom em inglês ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.