O desaparecimento de Giovanni Mottura

O desaparecimento de Giovanni Mottura

O de Panzieri e seu grupo – entre eles muitos evangélicos – era um socialismo “libertário”; certamente atento ao papel da classe trabalhadora, mas não estritamente operário; “pragmática”, no sentido de vincular teoria e compromisso, método e experimentação. O cadernos vermelhos eles constituíram uma referência importante para uma geração de evangélicos que, em alguns casos, assumiriam papéis importantes na vida da Igreja Valdense. Eles também foram uma escola que posteriormente levou Giovanni a se medir contra os tumultuados fenômenos sociais da década de 1960, começando com a imigração para Turim e as lutas dos trabalhadores e dos estudantes. Fê-lo a partir de dentro, com participação militante e compromisso. Em anos que correram muito rápido, a perspectiva de mudança social e política foi muito concreta e, em um país que se polarizava, até as igrejas evangélicas foram atravessadas por debates e tensões.

Foram os anos de estudo da imigração em Turim onde chegaram as “Nápoles”, da colaboração com juventude evangélica e outras revistas como Investigação, uma revista que combinava compromisso político e análise social; trocas intelectuais com Vittorio Rieser e Enrico Pugliese, Maria Imaculada Macioti mas também Mario Miegge, Giorgio Bouchard e outros expoentes do protestantismo italiano. Com a atenção cautelosa, mas benevolente dos anciãos, uma nova geração de intelectuais leigos, teólogos e pastores assumiu o tema da mudança social e até mesmo da “revolução” como uma questão teológica. Revista juventude evangélicadirigido por Giorgio Bouchard primeiro e Marco Rostan mais tarde, tornou-se o centro de uma linha teológica e política para a qual Mottura também deu uma importante contribuição. A sua foi, por exemplo, uma formulação destinada a perdurar no tempo e a desencadear uma enxurrada de reações contrárias e escandalizadas: “Nós nos confessamos cristãos, nos declaramos marxistas”.

Para alguns, essa fórmula reduzia a fé a uma ideologia política temporária, pregando um fundamentalismo de “esquerda” pouco compartilhado na base das igrejas. Na realidade, essa frase – à qual Giovanni frequentemente voltava em várias entrevistas, mesmo décadas depois – significava outra coisa. Em outras palavras, ele pretendia afirmar e reiterar a alteridade entre o nível teológico da confissão de fé e o nível histórico e político da declaração política; não invocou a síntese, mas, ao contrário, enfatizou uma distinção tipicamente barthiana entre o nível absoluto da revelação cristã e o nível relativo e contingente da opção política e ideológica. Os vestígios dessa época permanecem num volume de Gabriel De Ceccocom prefácio de Giovanni, publicado pela Claudiana em 2011, e uma longa entrevista em vídeo produzido pela Sérgio Veludo intitulado “Aqueles que fizeram isso”.

Nos anos seguintes, sua carreira acadêmica, enriquecida por estudos e viagens aos Estados Unidos, trouxe Giovanni de Portici para a escola de sociologia agrícola em Manlio Rossi Doria, onde produziu importantes estudos sobre a agricultura meridional. Na Universidade de Modena e Reggio, onde concluiu a sua carreira académica, Giovanni foi dos primeiros a lidar com os imigrantes e, em particular, com as parcelas do mercado de trabalho que abrangem: funcionais à produção mas rejeitadas a nível social.

Não poucas vezes Giovanni colocou suas habilidades à disposição das igrejas evangélicas: isso aconteceu nos anos de intervenção da Federação das igrejas evangélicas na Itália (FCEI) após o terremoto de Irpinia, quando uma frutífera reflexão sobre o Sul e o novo desafios que colocou; mais recentemente em várias conferências da FCEI sobre imigração, a última na Calábria – em Rosarno – em outubro de 2019. Na ocasião, as igrejas evangélicas lançaram um projeto de trabalho original para combater a contratação ilegal, apoiar a economia ecológica e legal, restaurar as condições sociais e habitacionais dignidade aos migrantes engajados na cadeia agrícola. João estava lá.

Leia em Riforma.it

mottura.jpeg

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Copa do Mundo do Catar, entre a lavagem esportiva e o silêncio

Copa do Mundo do Catar, entre a lavagem esportiva e o silêncio

O logotipo da copa do mundo de futebol 2022 Roma (NEV), 21 de novembro de 2022 – A Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) fez duras acusações contra a organização da Copa do Mundo no Catar por meio do presidente e comissário de esportes da Igreja Evangélica na Renânia, Thorsten Latzel: “A Fifa acredita que essas Copas do Mundo estão unindo o mundo. No entanto, em muitos países, os direitos dos trabalhadores, das mulheres, das minorias sexuais, da liberdade de imprensa, de religião e de opinião não são realmente respeitados”. A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) o relança em um artigo. A Igreja alemã, informa o CELI, denuncia uma espécie de “lavagem esportiva” com a qual, por meio da competição esportiva, pretende reabilitar a imagem de regimes que são tudo menos tolerantes com as minorias, a diversidade e os direitos das pessoas. Estes Campeonatos do Mundo, preparados e iniciados no meio de polémica, já estão no Twitter com quase um milhão de tweets, um dia após o "pontapé inicial". Nestas primeiras vinte e quatro horas de Copa do Mundo,A seleção iraniana não cantou o hino em protesto, a inglesa se ajoelhou contra o racismo e, com outras seis seleções europeias, teve que abrir mão da banda arco-íris da campanha "One Love" em apoio à comunidade LGBTQIA+. É sobre Inglaterra, País de Gales, Bélgica, Dinamarca, Alemanha, Holanda e Suíça, conforme consta na fanpage, que recuaram por medo das sanções da Fifa. Na Itália, o semanário das igrejas evangélica batista, metodista e valdense "Riforma" optou pelo silêncio, como afirma o editorial assinado pela redação: “Milhares de trabalhadores mortos no trabalho, direitos humanos negados, corrupção não pode ser varrida para debaixo do tapete”. A escolha de não falar sobre a Copa do Mundo no Catar, lemos no Riforma, é “uma forma modesta e limitada de denunciar essas injustiças, das quais continuaremos falando. Como escreveu o editor do jornal francês 'Christianisme aujourd'hui' David Metreauque anunciou uma escolha semelhante, 'o tempo economizado por não assistir a esses jogos poderia ser gasto rezando e pedindo justiça por esses 'desgraçados oprimidos' e 'pobres que gemem', porque, diz o Senhor 'Pela opressão dos pobres, por o clamor do necessitado, agora me levantarei' (Salmo 12:5)”. #InglaterraIrã – A lição de Alex Scott para jogadores de futebol em campo #QatarWorldCup2022 — Fanpage.it (@fanpage) 21 de novembro de 2022 A Copa do Mundo no Catar. O Irã contra o regime não canta o hino. Inglaterra de joelhos contra o racismo, mas com outras seis seleções europeias deve abrir mão da faixa do arco-íris pic.twitter.com/0i28JoG6DK — Tg3 (@Tg3web) 21 de novembro de 2022 ...

Ler artigo
A educação cristã no centro do Sínodo da Iglesia Valdense del Rio de la Plata

A educação cristã no centro do Sínodo da Iglesia Valdense del Rio de la Plata

Roma (NEV), 3 de fevereiro de 2020 - A 57ª Assembleia Sinodal da Igreja Evangélica Valdense do Rio da Prata, que reúne representantes das comunidades valdenses do Uruguai e da Argentina, juntamente com pastores e representantes dos trabalhos diaconais que a igreja realiza nas duas nações, iniciou suas atividades na tarde de sábado, dia 1º de fevereiro, com o tema “Reconhecendo-nos no contexto: uma abordagem de nossas práticas educativas comunitárias” no centro. O pastor Ariel Charbonnier – como a mais velha – deu as boas-vindas a todos os participantes e fez o credenciamento dos deputados e pastoras com direito a voto, bem como do moderador da área italiana, Alessandra Trotta. 59 são as reuniões sinodais com voz e voto. Como em todas as edições, as pessoas com direito à palavra foram apresentadas uma a uma; entre estes, os conselheiros das obras diaconais, as comissões sinodais e o delegado fraterno da American Waldensian Society, David Stubbs. A Mesa Sinodal, encarregada de moderar os trabalhos da assembléia, é composta por: Sérgio Bertinatpároco da Colônia Belgrano, presidente; mabel gonnetde Montevidéu, vice-presidente; marta garnierda comunidade de San Gustavo, secretário e pároco Hugo Armand Pilon como conselheiro. Por se tratar de um sínodo temático, os dois primeiros dias de trabalho foram dedicados ao tema escolhido, a educação cristã, e somente a segunda-feira será dedicada a questões administrativas e à eleição dos cinco membros da Mesa Valdense. Abaixo, uma galeria de fotos das obras. ...

Ler artigo
a visita do Papa Francisco ao Concílio Ecumênico

a visita do Papa Francisco ao Concílio Ecumênico

A partir da esquerda, Olav Fykse Tveit, secretário geral do WCC, e Andrzej Choromanski do PCPCU. Foto Albin Hilert/WCC Roma (NEV), 15 de maio de 2018 - "Caminhando, rezando, trabalhando juntos", este é o lema que acompanhará a "peregrinação ecumênica" - esta é a redação oficial da visita - do Papa Francisco a Genebra, na sede da o Conselho Ecumênico das Igrejas (CEC), no próximo dia 21 de junho, por ocasião do 70º aniversário do nascimento do organismo ecumênico mundial. O anúncio foi feito esta manhã ao meio-dia pelo secretário geral do CMI, pastor Olav Fykse Tveitdurante coletiva de imprensa para apresentação do evento. Juntamente com a Tveit, estiveram presentes na conferência de imprensa, que foi transmitida no youtube, fr. Andrzej Choromanskirepresentando o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPUC), e Mons. Charles Morerodbispo católico de Lausanne, Genebra e Friburgo. Segundo televisão, a visita do Papa Francisco, no 70º aniversário do CMI, constituirá “um marco na busca da unidade entre os cristãos e na cooperação entre as Igrejas. De fato, será um forte testemunho da fé cristã que compartilhamos e do compromisso comum pela paz e pela justiça no mundo”. Pe. Choromanski – interveio para substituir o presidente do PCPUC, cartão. Kurt Kochausente por motivos de saúde -, sublinhou que a visita do Papa se qualifica como uma visita ecumênica para expressar gratidão pela contribuição que o CMI ofereceu ao movimento ecumênico nos últimos 70 anos, e também pelas muitas formas de colaboração que existem entre o CMI e a Igreja Católica Romana”, a partir do grupo de trabalho conjunto que se reúne há mais de cinquenta anos e que hoje trabalha essencialmente nas questões da paz e das migrações. Por fim, o bispo suíço Morerod recordou como Genebra, e a Suíça em geral, aguardam com alegria esta visita que se realiza numa cidade aberta ao diálogo. Quanto ao programa do dia: no dia 21 de junho, o Papa Francisco será recebido no aeroporto de Genebra pelas autoridades federais suíças. Em seguida, ele irá para a sede do CMI, onde participará de uma oração ecumênica; almoçará no Instituto Ecumênico de Bossey, a poucos quilômetros de Genebra e depois retornará ao Centro Ecumênico onde fará um discurso e se encontrará com os membros do Comitê Central do CMI, reunidos em Genebra para sua reunião bienal. Aqui a visita terminará, enquanto o dia de Francisco continuará com a celebração de uma missa no Pala Expo em Genebra. (Libra). O Conselho Mundial de Igrejas é um órgão global estabelecido em 1948. Hoje ele reúne 348 igrejas anglicanas, ortodoxas e protestantes em mais de 120 países ao redor do mundo, representando aproximadamente 560 milhões de pessoas. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=HZfvMGJbpR4[/embed] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.