“Os custos da guerra são pagos pela população”

“Os custos da guerra são pagos pela população”

Roma (NEV), 17 de outubro de 2019 – Ajudar milhares de refugiados sírios, um número cada vez maior que a escalada militar só pode aumentar exponencialmente: este é o primeiro objetivo e compromisso do pastor Riad Jarjoursírio de Aleppo, criado em Homs, presidente do Fórum de Desenvolvimento, Cultura e Diálogo de Beirute (FDCD).

A situação em toda a área é, obviamente, cada vez mais dramática. “Tentamos ajudar as pessoas, os deslocados (internamente pessoas deslocadas, idp, um acrônimo para indicar pessoas deslocadas, que não cruzaram as fronteiras de seu próprio país, ao contrário dos refugiados, mas que estão, portanto, entre as categorias mais vulneráveis, ed) para sobreviver, antes de tudo, e viver em condições dignas, com dignidade em abrigos adequados. E também tentamos ajudar a sociedade síria a se reconstruir: porque os valores desmoronam com a guerra”. A guerra destrói casas, estradas, aldeias, vidas pessoais, mas também sociedades inteiras, ou o que deveria manter uma sociedade unida. As Igrejas, portanto, segundo Jarjour, devem “trazer confiança entre as pessoas, criar caminhos de reconciliação entre as comunidades, promovendo os valores da igualdade e da cidadania. E prevenir a violência, o extremismo religioso”.

E na Europa, o que as igrejas e a sociedade civil podem fazer agora? “Pedir que as pessoas estejam no centro de todas as negociações, de tudo, olhando a realidade do ponto de vista das pessoas. Porque são eles, os povos, que pagam o preço da guerra, o custo das sanções impostas aos seus Estados”. “E continuar a apoiar as vozes da sociedade civil síria – acrescenta Mireille Hamouchedas FDCD – , partilham com ações de advocacia em todos os países europeus o que têm feito as muitas realidades da sociedade civil síria, que nos últimos 7 anos conseguiram reconstruir um tecido muito ativo, para voltar, nesse contexto, a querer ser protagonista da vida do seu país, da reconstrução depois da guerra”.

Rev. Dr. Riad Jarjour e Mireille Hamouche (FDCD) com Paolo Naso, coordenador do Mediterranean Hope, programa de refugiados e migrantes da FCEI

Com sede em Beirute, Líbano, o Fórum para o Desenvolvimento, Cultura e Diálogo (FDCD) organiza seminários, conferências e sessões ad hoc, para implementar o diálogo social e a não-violência.
Fundado em 2004, o FCDD pretende “alcançar um mundo árabe esclarecido, no qual as diferentes opiniões políticas, etnias e religiões estejam inseridas numa cultura profundamente diversificada de paz e diálogo, respeitando e promovendo os direitos de todos os cidadãos. Promovemos a construção da paz, cidadania igualitária e direitos humanos no mundo árabe, criando espaços comuns de diálogo e desenvolvendo a capacidade de comunidades e grupos da sociedade civil serem catalisadores da paz. Respeitamos a dignidade de cada ser humano, valorizamos a diversidade de culturas na região, incentivamos o diálogo e o entendimento como meio de resolução de conflitos e percebemos a justiça como um valor na base da paz duradoura”. [BB]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Trabalhamos com boas práticas locais e internacionais”

“Trabalhamos com boas práticas locais e internacionais”

Roma (NEV), 28 de maio de 2020 - A Consulta Metodista, momento habitual de encontro e discussão das comunidades metodistas, ocorreu este ano em modo telemático devido ao coronavírus. O presidente da Comissão Permanente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Mirella Manocchiocontou à agência NEV suas impressões sobre o trabalho realizado e estratégias futuras. “Fizemos uma tentativa de reflexão e troca que deu um feedback muito positivo – declarou o presidente Manocchio -. Certamente sentimos falta de estarmos juntos pessoalmente, e também a possibilidade de um amplo debate devido aos tempos limitados foi um pouco reduzida. A dimensão virtual tornou aqueles momentos extras de convívio entre irmãos e irmãs saudosos, aquelas situações de partilha gratuita e de oração em que estamos próximos e que sempre vivíamos nas Consultas, antes do coronavírus. No entanto, conseguimos fazer da necessidade uma virtude e obtivemos resultados inesperados em termos de propostas”. Muitas ideias e perspectivas futuras surgiram da Consulta, que representou também uma oportunidade para fazer o balanço de alguns projetos existentes e outros que estão por iniciar. Um projeto envolvendo jovens, sobre questões ambientais, terá início em setembro e envolverá vários países como Zâmbia, Argentina e Itália. Mirella Manocchio “Também estamos trabalhando em projetos musicais e sociais, que envolverão nossas igrejas – continuou Mirella Manocchio -. O objetivo é o de uma maior partilha e leitura do território, na rede entre associações, entidades e comunidades, também em colaboração com a Diaconia Valdense (CSD) que tem as suas competências específicas. Estamos a trabalhar no desenvolvimento e divulgação de boas práticas tanto a nível local como internacional”. Não faltaram reflexões sobre a pandemia do coronavírus: "A Covid-2019 nos mudou individualmente, como igrejas e como sociedade e precisamos refletir sobre isso para o futuro - concluiu o pastor Manocchio -. Também devemos continuar a nos questionar sobre o uso das tecnologias e das redes sociais. Quais são os horizontes que enfrentamos? O uso sábio dessas ferramentas nem sempre é fácil e é essencial não substituir o trabalho e o encontro entre os crentes, mas implementá-lo”. A Comissão Permanente, juntamente com os participantes, irmãs e irmãos das igrejas locais, conselheiros e membros efetivos engajados nas igrejas metodistas, diretores e diretoras, membros das comissões de obras, discutiram, durante o dia 24 de maio, sobre diversos temas . Do testemunho no contexto pós-secularizado ou pós-moderno, do qual o crescente não-denominacionalismo é uma característica, ao futuro do cristianismo, da globalização à individualização, das novas pobrezas ao compromisso ecumênico. No relatório anual, que representa não apenas o estado da arte do trabalho metodista, mas também uma espécie de documento programático para a elaboração do trabalho dos próximos meses, os temas de capacitação profissional, apoio a start-ups ambientalmente sensíveis e quequerem assumir categorias desfavorecidas, de compromisso social. As iniciativas metodistas vão desde a escola de língua italiana para estrangeiros até o apoio à agricultura sustentável, veja o "Progetto Rosarno", até as Obras e os centros diaconais. As relações internacionais, inclusive ecumênicas, e as colaborações em nível global (com o Conselho Metodista Mundial e a Conferência Metodista Mundial) estão muito vivas. A OPCEMI é membro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). As igrejas metodistas nasceram no século XVIII na Inglaterra a partir de um movimento de renascimento religioso, que mais tarde se espalhou para a América e outros países. Na Itália, grupos metodistas foram formados por pregadores ingleses e americanos no século XIX, no contexto do despertar cultural do Risorgimento. Durante os vinte anos de fascismo, a missão americana, duramente atingida pelo regime, foi incorporada à britânica. Em 1961 nasceu a Conferência Metodista da Itália, emancipada da Conferência Britânica. Atualmente existem cerca de 5.000 metodistas italianos, espalhados por todo o país, e fazem parte do Conselho Metodista Mundial, que tem cerca de 70 milhões de fiéis em 130 países. Os metodistas também são membros do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), da Conferência das Igrejas Européias (KEK) e da Comunhão das Igrejas Protestantes Européias (CCPE-Concord of Leuenberg). Desde 1979 os valdenses e metodistas estão unidos em um pacto de integração que deu origem à Igreja Evangélica Valdense (União das Igrejas Metodista e Valdense). As duas igrejas têm em comum a organização sinodal-representativa, a administração (Mesa Valdense) e o corpo pastoral; por outro lado, a representação ecumênica, a gestão patrimonial e as relações internacionais com as igrejas irmãs permanecem distintas. As relações com o Estado italiano são reguladas pelo Acordo de 1984. ...

Ler artigo
Mirella Manocchio é a nova presidente da Federação de Mulheres Evangélicas

Mirella Manocchio é a nova presidente da Federação de Mulheres Evangélicas

Saiu a recém-eleita presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), a pastora metodista Mirella Manocchio. A pastora batista Gabriela Lio, à direita. Roma (NEV), 27 de março de 2023 – O pastor metodista Mirella Manocchio ela é a nova presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). Manocchio recebe o bastão do pastor batista Gabriela Liopresidente cessante. A eleição ocorreu no âmbito do XIII Congresso da FDEI que terminou ontem em Florença. Em breve, uma análise aprofundada e a entrevista do NEV com Mirella Manocchio. Mirella Manocchio é pastora da igreja metodista na via XX Settembre em Roma. Graduado em Ciência Política e Teologia. Ex-presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), entre suas funções está também a de coordenadora da Comissão Batista, Metodista e Valdense (BMV) para culto e liturgia e membro da Comissão (Metodista e Valdense)” famílias, casamento, casais, parentalidade”. Nascida em 1976 a partir de um Congresso interdenominacional dos movimentos de mulheres das igrejas batista, metodista e valdense, a Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) é um movimento de mulheres empenhadas em “dar testemunho da libertação de Cristo para toda criatura humana, com particular referência à condição da mulher na Igreja e na sociedade” (Estatuto, art. 2). Lá FDEI baseia-se no trabalho voluntário e visa levar a reflexão sobre o papel da mulher para as igrejas e estimular a participação da mulher evangélica na vida da igreja e da sociedade.Em 1998 o FDEI decidiu expandir para outras organizações de mulheres na área evangélica (Luterana, Adventista, Exército de Salvação e Igreja Reformada do Ticino). O órgão de ligação entre os grupos da FDEI é o "News", publicado a cada três meses como encarte do semanário evangélico "Reforma". Lá FDEI produz também os "Quaderni", onde são publicadas as actas das conferências nacionais e regionais e das colónias de férias. Por ocasião da transição do segundo para o terceiro milênio, o FDEI ela elaborou o "Manifesto da Mulher Protestante", um documento para o diálogo entre mulheres e homens. Em 2000 inaugurou o Arquivo Feminino no arquivo do Centro Cultural de Torre Pellice (Turim).Por alguns anos o FDEI publica o caderno dos "16 dias de combate à violência", leituras, reflexões, dados e propostas de ação para cada dia de 25 de novembro, Dia Mundial contra a Discriminação Feminina, a 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. ...

Ler artigo
Prêmio Interfedi ao filme “Sonhos moram nas árvores” de Marco Della Fonte

Prêmio Interfedi ao filme “Sonhos moram nas árvores” de Marco Della Fonte

Detalhe do cartaz do filme "Sonhos moram nas árvores" de Marco Della Fonte Roma (NEV), 5 de dezembro de 2022 – O júri da Interfedi concedeu ao filme o “Prêmio pelo respeito às minorias e pelo secularismo” “Sonhos habitam árvores”. estréia do diretor Marcos Della Fonteconvidado do 40º Festival de Cinema de Turim (25 de novembro – 3 de dezembro de 2022), o longa-metragem recebe assim o reconhecimento da nona edição deste júri especial. O Júri Interfedi é de fato promovido, desde 2013, pela Igreja Valdense e pela Comunidade Judaica de Turim, com o patrocínio do Comitê Interfedi da Cidade de Torino. Este é o raciocínio: júri 2022 O Júri Interfedi 2022 é composto por Walter Nuzzo (representando o Comitê Inter-religioso). Nino Pennacchia (Igreja Valdense). Daniel Segre (comunidade judaica). Prêmio Interreligioso “O reconhecimento, estabelecido em 2013 por iniciativa da Igreja Valdense e da Comunidade Judaica de Turim, com a participação do Comitê Inter-religioso da Cidade de Turim, visa premiar e chamar a atenção para filmes que contribuam para dar voz a todos tipos de minorias, para promover o respeito pelas mesmas, o reconhecimento dos direitos, a integração, a superação da discriminação e que afirmem os valores da laicidade, a cultura da tolerância, o respeito pela autonomia, a liberdade e a responsabilidade individual" lê-se no comunicado de imprensa do Prémio. Este Prémio pretende reafirmar “os valores que constituem os fundamentos de toda a sociedade verdadeiramente democrática e pluralista”, denunciando toda a intolerância e racismo, propaganda anti-semita e discriminação contra as comunidades de fé, em primeiro lugar a islâmica. De fato, afirma "acolhida, partilha, solidariedade, respeito mútuo, dignidade humana, aceitação das diversidades étnicas, culturais e religiosas como fundamentos de uma sociedade justa e inclusiva, multiétnica, multiconfessional, multicultural, na qual os direitos e as liberdades do indivíduo sejam preservadas". O Comitê Inter-religioso da cidade de Turim reúne representantes do cristianismo (católicos, protestantes e ortodoxos), judaísmo, hinduísmo, islamismo, budismo e mundo mórmon. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.