Síria.  Oração pela paz

Síria. Oração pela paz

Roma (NEV), 16 de outubro de 2019 – “Bem-aventurados os que trabalham pela paz, porque serão chamados filhos de Deus!” (Mt 5.9). Com este versículo as igrejas evangélicas de Roma convocam uma vigília de oração pela situação síria: “os ventos da nova guerra na Síria, as muitas guerras escondidas e esquecidas estão questionando as irmãs e irmãos das igrejas evangélicas de Roma”.

A angústia pelo que está acontecendo e o ressurgimento da violência levaram as igrejas a convocar um momento de oração comum pela paz: “Vivemos um momento de grande preocupação. As ações militares não atingem apenas os mais fracos, não apenas destroem cidades e povos, mas alimentam a semente da violência e da força em toda a humanidade, criando desequilíbrios que se propagam no futuro com novas formas de pobreza, migrações… Deus da paz para nos dar a paz”.

O compromisso é para a próxima sexta-feira, 18 de outubro, a partir das 19h30, na igreja valdense da Piazza Cavour.

“Vigiai porque ouviremos juntos a Palavra como crentes no mesmo Senhor da paz, oração para que a paz nos seja dada”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

fortalecer e ampliar os corredores humanitários

fortalecer e ampliar os corredores humanitários

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) Karlsruhe (NEV), 7 de setembro de 2022 // h18:30 // – “Pedimos às Igrejas e aos Estados que fortaleçam e ampliem projetos para passagens seguras como os “corredores humanitários” e iniciativas de busca e salvamento no Mediterrâneo”*. Esta é uma das passagens do texto que está sendo discutido nestas horas em Karlsruhe pela Assembléia Geral do Conselho Mundial de Igrejas, um documento público - um declaraçãoou seja, declaração – ​​sobre “Guerra na Ucrânia, paz e justiça na região europeia” ainda aberta a alterações, mas que deve ser aprovada e divulgada nas próximas horas. Os corredores humanitários são um projeto realizado pela Federação das Igrejas na Itália, com a Junta Valdense e a Diaconia Valdense, com a contribuição do Otto per mille Valdensian, desde 2016, que depois foi exportado para outros países europeus como França e Andorra. Graças a esta iniciativa, vários milhares de pessoas chegaram à Europa com segurança e dignidade, da Síria via Líbano, da Líbia e – num primeiro voo no final de julho – também do Afeganistão. Se a afirmação for confirmada, o pastor valdense declara Luca Barattoobservador em Karlsruhe, seria "um sinal importante e também um reconhecimento do trabalho realizado por nossas igrejas, pela Federação das igrejas protestantes na Itália, promotoras deste modelo virtuoso de acolhida aos migrantes". No texto, aliás, um forte compromisso contra a marginalização, a estigmatização, a discriminação e uma afirmação da "dignidade de todos os refugiados e migrantes". Nas próximas horas, aqui no NEV e no site do WCC/CEC, todos os textos aprovados e definitivos e o resultado da discussão sobre este declaração. * em inglês, o texto original: “Pedimos às igrejas e aos Estados que fortaleçam e ampliem os projetos de passagem segura, como as iniciativas do “corredor humanitário” e os serviços de busca e salvamento no Mediterrâneo”. ATUALIZAÇÃO 8 DE SETEMBRO ÀS 10h15 O documento foi aprovado. Para saber mais: As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Uma noite em um jantar com Desmond Tutu

Uma noite em um jantar com Desmond Tutu

Roma (NEV), 2 de janeiro de 2022 - 27 de maio de 1988 Desmond Tutu ele era um convidado da Faculdade Valdense de Teologia. O arcebispo anglicano da Cidade do Cabo esteve em Roma juntamente com uma delegação sul-africana que incluía algumas das figuras mais importantes na luta contra o apartheid: o pároco Frank Chicanena época Secretário-Geral do Conselho Sul-Africano de Igrejas (SACC), o Metodista Virgínia Gcabashevice-presidente da SACC, o pároco Sol Jacob. A delegação, recebida anteriormente no Vaticano, reuniu-se com alunos, professores e representantes das igrejas evangélicas italianas da Faculdade Valdense. O professor fez as honras na ocasião Paulo rico que, em entrevista concedida ao programa de rádio Culto evangélico neste domingo, 2 de janeiro, relembrou aquele acontecimento. Abaixo, uma versão da entrevista preparada para a agência NEV/Notícias Evangélicas. Professor Ricca, o que você aprendeu dessa reunião? Paulo rico Lembro-me de muitas coisas, principalmente da alegria que acompanhou todo o encontro. O que me pressionava naquele momento era que nossos estudantes de teologia conhecessem pessoalmente esse protagonista da fé cristã de nosso tempo. E isso certamente aconteceu durante o encontro oficial com os representantes das igrejas evangélicas italianas, mas sobretudo aconteceu à noite na Faculdade, quando convidamos Tutu para jantar. Ele veio e jantou com professores e alunos. Foi um grande jantar que, recordo, terminou com uma canção: levantamo-nos e cantámos juntos Nós devemos superar o hino de Martin Luther King. Foi um grande jantar e uma grande festa; uma alegria, poder encontrar um homem daquela estatura que mostrava claramente como é possível estar plenamente inserido nas lutas do mundo, proclamando uma clara confissão da fé cristã. Qual foi a mensagem que Tutu e os outros membros da delegação sul-africana trouxeram? Um cartaz dos tempos do apartheid na África do Sul Sublinharam essencialmente dois aspetos: a necessidade de justiça social e o fim do apartheid como sistema iníquo. Ainda me lembro de Sol Jacob, que foi um dos presentes, que disse que o apartheid não podia ser corrigido, tinha que ser abolido. Aqui, esta foi de certa forma a mensagem geral da reunião. Existem distorções na sociedade que não podem ser corrigidas, devem ser abolidas. O único remédio é radical, como em certas doenças que não se curam com canudos; em vez disso, precisamos intervir de forma radical. E assim é também no corpo da sociedade contemporânea. E esta mensagem foi sustentada por uma confissão de fé muito viva. Uma luta pela afirmação dos direitos humanos, mas partindo da mensagem da liberdade que Cristo dá ao ser humano. Deus é o libertador que nos liberta não só do apartheid, mas de todos os pecados, de todos os males internos e sociais. Na sua opinião, que legado Desmond Tutu deixa? A biblioteca da Faculdade Valdense O maior legado, a meu ver, está na proposta que Tutu fez de criar, após a queda do regime do apartheid, uma comissão chamada 'Verdade e Reconciliação' para reunir as vítimas e perpetradores dos terríveis anos de segregação. O que significou o estabelecimento dessa comissão? Ele quis dizer que não existe perdão barato. O perdão costuma ser tratado como uma mercadoria barata; em vez disso, o barato não é perdão 'criativo', ou seja, um perdão que criar Nova Condição. Perdão criativo é apenas o que passa pelo arrependimento e reconhecimento de culpa. Se não reconheces a tua culpa, não há perdão possível, pelo menos ao nível das relações pessoais. Assim, a ideia de que não há perdão barato parece-me ser o grande contributo de Desmond Tutu para todo o enorme problema das faltas sociais ou políticas, e da necessária reconciliação que, no entanto, tem um preço: o reconhecimento da culpa. Tutu foi muito firme em manter este ponto após a tragédia do apartheid que ceifou inúmeras vidas. Não há pecado, seja social ou pessoal, que não possa ser perdoado, tudo pode ser perdoado desde que haja reconhecimento de culpa. ...

Ler artigo
Otto per mille valdense e metodista, a lista de 1557 projetos

Otto per mille valdense e metodista, a lista de 1557 projetos

Roma, 15 de setembro de 2022 – A lista completa dos projetos financiados este ano com recursos Otto per Mille (OPM) destinados pelos contribuintes italianos à Igreja Evangélica Valdense foi publicada hoje no site www.ottopermillevaldese.org – União das Igrejas Metodistas e Valdenses. As escolhas para a distribuição dos fundos receberam a aprovação do Sínodo, Assembleia que constitui a mais alta autoridade humana das Igrejas valdenses e metodistas, que aconteceu de 21 a 26 de agosto em Torre Pellice (Turim). São exatamente 1557 - 1107 na Itália e 450 no exterior - os projetos aos quais foram alocados ativos totais de aproximadamente 45 milhões, adquiridos em virtude de mais de 570 mil assinaturas (3,3% do total de escolhas expressas pelos contribuintes). Manuela Vinay “O elemento distintivo deste ano, da convocatória de 2022 – explica Manuela Vinay, responsável pelo Otto per mille – é o maior número de projetos mas também o montante – 45 milhões já atribuídos: nosso recorde”. Como isso foi possível? “Graças ao maior número de assinaturas, ou seja, de contribuintes que optaram pelas igrejas valdenses e metodistas”. Recorde-se que é feita referência ao exercício fiscal de 2018 e às declarações fiscais assinadas em 2019, portanto antes da pandemia. Como esse registro pode ser explicado? “Colhemos os frutos da nossa consistência ao longo do tempo, feita de transparência e abertura total a todas as realidades. Para nós é um ponto forte estar presente em muitos territórios, mesmo com pequenas associações e projetos locais” que dificilmente têm possibilidade de acesso a fundos e empréstimos de outras instituições ou entidades. “Semear nas mais diversas realidades, mesmo com quantidades mínimas, significa para nós dar uma resposta aos “pequenos” e aos “poucos”, às realidades que estão bem conscientes das necessidades dos territórios onde trabalham e trabalham para outros", acrescenta Vinay . Diferentes perspectivas futuras. De fato, o número de assinaturas nas declarações fiscais diz que haverá uma queda significativa nas contribuições (para todas as igrejas). “Durante os anos da pandemia, os contribuintes olharam para o Estado com outros olhos, menos desanimados. Daí a decisão de transferir a cota do Otto per mille das confissões religiosas para o Estado”, disse o chefe do OPM. “Sabemos que vamos ter uma quebra de assinaturas e teremos de ser ainda mais criteriosos e criteriosos na gestão dos fundos – conclui – e vamos tentar privilegiar como sempre a qualidade das intervenções”. Projetos Otto per mille: todos os números No que diz respeito às iniciativas apoiadas em Itália, conforme refere o comunicado de imprensa do OPM, o maior número (21% do total) insere-se na categoria “Melhoria das condições de vida das pessoas com deficiência física e mental”. Entre eles, muitos dizem respeito ao tema do "depois de nós" (ou seja, a proteção das pessoas com deficiência deixadas sem apoio familiar), que se faz sentir particularmente hoje. Seguem-se as categorias de “Promoção do bem-estar e crescimento de crianças e jovens” (17%), “Atividades culturais” (16%); luta contra a pobreza, privação social e precariedade laboral (9%), proteção da saúde (8%), acolhimento de refugiados e migrantes (7%), prevenção e combate à violência de género (7%), reabilitação de reclusos e ex- reclusos (4%), educação para a cidadania (4%), proteção ambiental (4%), idosos (3%). Os projetos internacionais são divididos da seguinte forma: cuidados de saúde e intervenções de proteção à saúde (19%), educação (19%), proteção à criança (12%), treinamento profissional e atividades geradoras de renda (11%), direitos humanos (9%) , desenvolvimento rural e segurança alimentar (9%), promoção do papel da mulher e igualdade de género (9%), ajuda humanitária de emergência (5%), acesso a água e saneamento (3%), luta contra a malnutrição (3%) , proteção ambiental (1%). A maioria dos projetos está concentrada na África e no Oriente Médio, além da América Latina. As palavras do moderador “Mesmo num ano ainda muito difícil, pelo prolongamento das consequências da pandemia, que acentuou as já profundas desigualdades no acesso a serviços e direitos essenciais a uma vida com dignidade, segurança e liberdade, – explica Alessandra Trotta, Moderador da Mesa Valdense, – temos a possibilidade de não faltar o nosso apoio a essa parte da cidadania ativa que trabalha todos os dias ao lado e no apoio aos menos e mais necessitados. A maior receita recebida, graças ao aumento das assinaturas dos contribuintes a favor da nossa Igreja, permitiu-nos de facto não só garantir a continuidade de pequenos e grandes projectos levados a cabo por associações e organizações que já tinham entrado na nossa 'comunidade' nos últimos anos alargado', mas também para apoiar muitas novas iniciativas: propostas que este ano receberão pela primeira vez o nosso contributo, para serem investidas, num pacto de confiança, na solidariedade, no desenvolvimento, na cultura, na protecção do ambiente". Aqui a lista completa O Otto per Mille pode ser doado por todos aqueles que fazem uma declaração de imposto a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tem um acordo ou ao próprio Estado para os fins estabelecidos por lei. Outros fundos são 5×1000, que podem ser atribuídos a investigação científica ou associações e organizações sem fins lucrativos, e 2×1000, que só podem ser atribuídos a partidos políticos. No entanto, apenas 8×1000 são atribuídos anualmente pelo Ministério das Finanças (uma vez que já está “incluído” na tributação), e funciona efetivamente como uma votação, em que os que se abstêm contribuem para o valor do voto maioritário. Oito por mil de todos os rendimentos declarados são, em qualquer caso, divididos entre o Estado e todas as entidades religiosas responsáveis ​​por recebê-los, na proporção das escolhas efetivamente recebidas por cada organismo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.