Turim.  Encontro de hospitalidade eucarística com católicos e protestantes

Turim. Encontro de hospitalidade eucarística com católicos e protestantes

Roma (NEV), 9 de dezembro de 2019 – Católicos e protestantes compartilham há vários anos o momento da “Santa Ceia”, no contexto dos encontros de hospitalidade eucarística organizados pelo grupo ecumênico “Spezzare il pane”. As reuniões acontecem cerca de uma vez por mês em diferentes igrejas, mosteiros e paróquias, envolvendo valdenses, batistas, luteranos e católicos.

O grupo de acolhida eucarística é formado por evangélicos, protestantes e católicos que consideram prioritário vivenciar juntos o momento de comunhão e não divididos devido aos diferentes significados que as diversas confissões atribuem à própria comunhão, a começar pelo modo de chamá-la : “Santa Ceia” para os protestantes e “Eucaristia” para os católicos.

O próximo encontro com hospitalidade eucarística será no domingo, 15 de dezembro, às 10h, na Comunidade Evangélica Luterana da via Evangelista Torricelli, 66 em Turim. A pregação será do reitor da Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI), pároco Heiner Bludau.

A prática da hospitalidade eucarística tem implicações teológicas, litúrgicas, pastorais e jurídicas. O debate sobre este tema, desde a acolhida mútua até as experiências e práticas ecumênicas, tem um espaço na folha intitulada “Hospitalidade Eucarística” editada por alguns membros do grupo ecumênico. Recentemente, através das páginas do livreto, o documento intitulado “A Ceia do Senhor” escrito por teólogos Paulo rico E João Cereti, respectivamente valdenses e católicos. Vários pastores, pastoras, teólogos e padres aderiram ao documento, que define os pontos de convergência essenciais a respeito da Ceia do Senhor.

O grupo “Spezzare il pane” nasceu no âmbito ecumênico em 2011 em Turim. Em 2017 um questionário interessante sobre o assunto. Para comunicações e informações sobre a “Hospitalidade Eucarística” e o Jantar da “Fresa do Pão”: Turim Group – Margarida Ricciuti, Igreja Valdense. Mail: [email protected] Grupo de Avellino/Salerno – Pedro Urciuoli, Igreja Católica. E-mail: [email protected]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Doença e fé que salva

Doença e fé que salva

Roma (NEV), 26 de maio de 2021 - Bíblia e arredores, o podcast editado pelo Serviço de Educação e Educação em colaboração com Nev-Evangelical News - Agência de imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália e a revista infantil "L'Amico do crianças". Continue a jornada dentro da Bíblia. Jesus, em sua longa jornada de Nazaré a Jerusalém, conheceu muitas pessoas e suas vidas nunca mais foram as mesmas depois desse encontro. O protagonista deste terceiro episódio é a história do episódio em que Jesus encontra uma mulher doente, conforme narrado em Lucas, capítulo 8, versículos 43 a 48.A história proposta é retirada do número 2 - dezembro de 2020 da revista "Catequese". A música, sem direitos autorais, foi composta por Ilaria Castaldo. A voz é de Sara Tourn. artigo anteriormaio de livros. Revistas durante a pandemia, uma exposição virtualPróximo artigoDdl Zan: uma lei contra o ódio que não tira a liberdade de ninguém Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Prêmio ACNUR para a casa de repouso GB Taylor

Prêmio ACNUR para a casa de repouso GB Taylor

A partir da esquerda, Rosa Manfredi e Silvia Zerbinati, respectivamente Diretora e assistente social do GB Taylor Institute em Roma Roma (NEV), 14 de junho de 2022 – Pelo segundo ano consecutivo, o GB Taylor Rest Home em Roma recebeu o reconhecimento do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) por seu compromisso com os processos de integração laboral de beneficiários de proteção internacional. A cerimônia de premiação aconteceu ontem no Campidoglio na presença do Prefeito Roberto Gualtieri e o Ministro do Trabalho André Orlando. O diretor esteve presente para o Taylor Rosa Manfredi e a assistente social Silvia Zerbinati. “Nossa missão é representar uma presença evangélica em nosso bairro – comentaram Manfredi e Zerbinati -. Este é o caminho que seguimos e, ao longo do tempo, oferecemos a muitos imigrantes e refugiados uma oportunidade de formação e um contrato de trabalho que restaurou a dignidade e a auto-estima. Permitindo também reconstituir famílias separadas”. O ACNUR concedeu o logotipo 'Bem-vindo' a 107 empresas. Graças ao programa Welcome, lê-se no comunicado de imprensa, "nos últimos 5 anos mais de 10.000 refugiados foram colocados no mundo do trabalho". Além do Taylor, foram premiados pequenas e grandes empresas, cooperativas, organizações sem fins lucrativos, fundações, associações comerciais, sindicatos, serviços de emprego e entidades locais que, por diversos motivos, têm colaborado para a inclusão dos requerentes de asilo no mercado de trabalho e beneficiários de proteção internacional. casa taylor A Taylor Rest Home, lê-se no site da instituição, “é um local onde todos os idosos que necessitam de companhia e de interagir com os outros podem encontrar ajuda e conforto válidos. A casa de repouso oferece aos idosos a possibilidade de uma vida comunitária, respeitando a sua autonomia, estimulando as suas capacidades residuais, favorecendo a sua relação com o meio”. A Taylor faz parte das estruturas pertencentes à União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). O instituto também oferece serviços de assistência religiosa, respeitando a liberdade de culto de cada hóspede. Foto Silvia Zerbinati O programa Bem-vindo. Trabalhando pela Integração de Refugiados “Nascido em 2017 como um prêmio para empresas que contratam refugiados, hoje Bem-vindo. Trabalhando pela Integração de Refugiados é um programa amplo que inclui treinamento e acompanhamento para empresas e operadores do mercado de trabalho e apoio específico para empresas que pretendem contratar refugiados. O ACNUR, com os seus parceiros, apoia as empresas na co- planificação de cursos de formação e colocação profissional, juntamente com as associações e realidades que acolhem os refugiados na zona”, escreve o ACNUR. “Os refugiados são médicos, professores, operários, agricultores, engenheiros, chefs, atletas, comerciantes, artistas. Através do trabalho eles readquirem, reforçando-o, seu próprio capital social como sujeitos ativos que podem determinar sua própria existência. Ao mesmo tempo, sua inclusão gera um desenvolvimento econômico positivo e generativo em benefício de toda a comunidade”, afirmou. Clara Cardolettirepresentante do ACNUR para Itália, Santa Sé e San Marino. Esta experiência, segundo a organização, traz um valor acrescentado em termos de enriquecimento, criatividade e novas energias, “transformando a diversidade numa grande vantagem para as empresas”. O comunicado de imprensa continua: “Uma vez fora de perigo, os refugiados precisam de oportunidades para superar traumas, fazer bom uso de seus talentos, treinar, trabalhar e contribuir para o país que os acolheu. A criação de oportunidades concretas de integração é tarefa e responsabilidade de todos, instituições, sociedade civil e setor privado. Somente trabalhando em sinergia, os refugiados podem ter a oportunidade de colocar suas habilidades e seu desejo à disposição para reconstruir suas vidas”. Bem-vindo projeto. Trabalhar para a integração de refugiados é apoiado pelo Ministério do Trabalho, Confindustria e Global Compact Network Itália. Também conta com o apoio da Tent Foundation. Para maiores informações: ...

Ler artigo
Testamento vital.  Um contador na igreja metodista de Pádua

Testamento vital. Um contador na igreja metodista de Pádua

Roma (NEV), 2 de fevereiro de 2011 – Também nas dependências da Igreja Evangélica Metodista de Pádua abre uma agência para depositar o testamento vital. Dentro da União das Igrejas Metodistas e Valdenses, é a sexta administrada diretamente pelas comunidades locais, depois de Turim, Milão, Trieste, Nápoles e Roma, enquanto outras comunidades, como a Metodista de Udine, estão engajadas em projetos de coleta junto com o Associação Luca Coscioni e Associação Per Eluana (ver NEV 4/11). A iniciativa, apresentada ao público ontem à noite, contou com a participação da pároca da comunidade, Caterina Griffante, que comentou a noite da seguinte forma: "Pelo número de pessoas, pela qualidade das intervenções no debate e pelo ambiente geral, o tema responde evidentemente a uma necessidade concreta do povo, crente e não crente. Pareceu-me uma boa forma de testemunho, em linha com o que já foi aprovado pelo nosso Sínodo em 2007”. A noite contou com a presença de Daniele Busetto, membro da Comissão de Bioética da Mesa Valdense; o pastor Gianni Genre, ex-moderador da Mesa Valdense; e a psicóloga Germana Englaro, prima de Eluana e sobrinha de Beppino Englaro. As implicações legais foram esclarecidas pelo advogado Giorgio Favaro, enquanto o pároco Griffante destacou a laicidade da iniciativa. Durante a noite, o Pr. Genre quis recordar como existe há algum tempo um acordo conjunto entre as igrejas católica e evangélica na Alemanha sobre a oportunidade de expressar as próprias provisões para o fim da vida (ver notícias a seguir). “Somente a Igreja Católica italiana ainda insiste que a vida biográfica é equivalente à vida biológica. Como igrejas valdenses e metodistas, não expressamos uma posição diferente da Conferência Episcopal Alemã. Um fato que ao menos deveria fazer refletir nossos deputados, que nos próximos dias se preparam para discutir o projeto de lei de Calabrò”. Um projeto de lei definido pelo próprio Genre como “assustador”: “O proposto pelo texto de Calabrò é um passe para a obstinação terapêutica. Uma lei coercitiva que espero nunca ver a luz do dia. Neste ponto é preferível manter o vácuo legislativo e remeter para os precedentes jurisprudenciais que também existem, e que têm garantido proteção adequada aos pacientes em questão”. O balcão abrirá de 25 de fevereiro às 17 a cada três semanas na igreja metodista no Corso Milano em Pádua. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.