Turim.  Encontro de hospitalidade eucarística com católicos e protestantes

Turim. Encontro de hospitalidade eucarística com católicos e protestantes

Roma (NEV), 9 de dezembro de 2019 – Católicos e protestantes compartilham há vários anos o momento da “Santa Ceia”, no contexto dos encontros de hospitalidade eucarística organizados pelo grupo ecumênico “Spezzare il pane”. As reuniões acontecem cerca de uma vez por mês em diferentes igrejas, mosteiros e paróquias, envolvendo valdenses, batistas, luteranos e católicos.

O grupo de acolhida eucarística é formado por evangélicos, protestantes e católicos que consideram prioritário vivenciar juntos o momento de comunhão e não divididos devido aos diferentes significados que as diversas confissões atribuem à própria comunhão, a começar pelo modo de chamá-la : “Santa Ceia” para os protestantes e “Eucaristia” para os católicos.

O próximo encontro com hospitalidade eucarística será no domingo, 15 de dezembro, às 10h, na Comunidade Evangélica Luterana da via Evangelista Torricelli, 66 em Turim. A pregação será do reitor da Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI), pároco Heiner Bludau.

A prática da hospitalidade eucarística tem implicações teológicas, litúrgicas, pastorais e jurídicas. O debate sobre este tema, desde a acolhida mútua até as experiências e práticas ecumênicas, tem um espaço na folha intitulada “Hospitalidade Eucarística” editada por alguns membros do grupo ecumênico. Recentemente, através das páginas do livreto, o documento intitulado “A Ceia do Senhor” escrito por teólogos Paulo rico E João Cereti, respectivamente valdenses e católicos. Vários pastores, pastoras, teólogos e padres aderiram ao documento, que define os pontos de convergência essenciais a respeito da Ceia do Senhor.

O grupo “Spezzare il pane” nasceu no âmbito ecumênico em 2011 em Turim. Em 2017 um questionário interessante sobre o assunto. Para comunicações e informações sobre a “Hospitalidade Eucarística” e o Jantar da “Fresa do Pão”: Turim Group – Margarida Ricciuti, Igreja Valdense. Mail: [email protected] Grupo de Avellino/Salerno – Pedro Urciuoli, Igreja Católica. E-mail: [email protected]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Montagem CEC.  Testemunhas de reconciliação ao longo das pontes do Danúbio

Montagem CEC. Testemunhas de reconciliação ao longo das pontes do Danúbio

A procissão ao longo do Danúbio com o memorial do massacre de 1942. Foto CEC. Novi Sad (NEV), 4 de junho de 2018 – Uma longa procissão nas margens do Danúbio entre as pontes Varadinsky E Žeželj para comemorar todos aqueles que sofreram as atrocidades da violência e da guerra. Assim, ontem à noite, 3 de junho, em Novi Sad (Sérvia), os mais de 400 participantes da Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) quiseram oferecer seu testemunho de paz e amizade. Foto CEC. Um momento de oração, canções e reflexão que teve a sua primeira paragem no memorial às vítimas da incursão levada a cabo em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, pelas forças de ocupação húngaras que vitimaram 1.245 pessoas - entre as quais mais de 800 judeus - lançando o cadáveres no Danúbio. “CEC acredita na reconciliação entre pessoas e culturas – disse o bispo anglicano Christopher Hill, presidente cessante do CEC -. E hoje isso inclui não só a complexidade de uma Europa ecumênica, mas também inter-religiosa, e onde pessoas de fé e pessoas que não professam nenhuma fé religiosa podem falar umas com as outras”. Foto CEC. A procissão continuou passando sob a ponte Varadinski para chegar à ponte Žeželj, ambas bombardeadas pelos bombardeios da OTAN de 1999 e depois reconstruídas em 2000, a primeira, e só este ano, a segunda. No final da procissão, quatro "árvores da justiça" foram plantadas nos jardins perto da ponte Žeželj como sinal de esperança de reconciliação. Esta é a oração pronunciada: "Como um grande rio você nos alimenta, você nos transforma em solo fértil para nos tornarmos árvores de justiça que oferecem sombra e refrigério e dão frutos. E o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio (Gálatas 5)”. ...

Ler artigo
Sondrio.  educação para a paz

Sondrio. educação para a paz

Detalhe do cartaz da conferência "Educação para a paz", 4 de junho de 2022, Sondrio Roma (NEV), 1 de junho de 2022 - A conferência intitulada "Educação para a paz" será realizada em 4 de junho em Sondrio. O dia representa uma oportunidade para refletir juntos sobre a escola secundária inferior e fazer um balanço dos aspectos pedagógicos, sociais, educativos e culturais do nosso tempo. A conferência é organizada pelo Centro Cultural Evangélico de Sondrio juntamente com a Ópera Nacional Montessori e o Milanese Comprehensive Institute "Ricardo Massa”. “2022 é um excelente ano para falar de escola – escreve o presidente do Centro Evangélico, Emanuele Campagna –, pois são 60 anos da extensão da escolaridade obrigatória ao ensino médio”. Falaremos sobre inovação na escola e também sobre o método Montessori. É uma oportunidade, continua Campagna, “de falar da reforma escolar concebida por Maria Montessori (cf. O Erdkinder. Os filhos da terra – para uma reforma do ensino secundário), dado que este ano marca o 70º aniversário da sua morte”. O presidente conclui: “A nossa intenção é muito ambiciosa porque queremos propor uma forma de identificar a função educativa da idade desenvolvimentista (11-13 anos) na construção da personalidade e na autoconfiança”. Eles conversam sobre isso juntos Milena Piscozzo (Nas dobras da história escolar). Gianpaolo Bovio (O mundo claro-escuro da escola). Elizabeth Nigris (Escola e atualidades). Antonella Binago (Educação para a paz na escola). Às 12 horas, o debate foi aberto. Conclusões do Diretor de Sondrio Fábio Molinari. Marcação a partir das 9h45 na sala "Fabio Besta", gentilmente cedida pela Banca Popolare di Sondrio. Ao vivo, acesse pelo link abaixo: Leia AQUI as biografias dos oradores. Para mais informações, clique aqui. Baixe o FLYER. ...

Ler artigo
24 de agosto de 1572: o massacre dos huguenotes

24 de agosto de 1572: o massacre dos huguenotes

Foto: Dea / Scala, Florença - tirada de Torre Pellice (NEV), 24 de agosto de 2023 – Em 24 de agosto de 1572 “Paris acordou – supondo que qualquer um dos seus habitantes pudesse ter dormido – num banho de sangue. De facto, durante a noite começou uma terrível carnificina que continuaria durante os três dias seguintes e que em pouco tempo se espalharia por outras cidades do reino de França”. José Javier Ruiz Ibáñez escreve na National Georaphic Storica. A rainha-mãe, a católica Caterina de' Medici, foi responsabilizada pelo massacre, também conhecido como "massacre de San Bartolomeo". Perguntamos ao pastor Rio Emanuelque entre outras coisas possui doutorado em história da igreja em Zurique, para comentar este dramático momento histórico. O contexto do massacre é o de dois lados opostos, o católico da família Guise e o calvinista em torno de Antonio di Borbone-Vendôme e do almirante Gaspard de Coligny. Catarina concorda em casar sua filha Margarida de Valois com o jovem protestante Henrique de Bourbon, rei de Navarra, na esperança de dar estabilidade à Coroa. Nos dias de festa, Coligny é ferido numa tentativa de assassinato. Na mesma noite os portões da cidade são fechados e o massacre começa. Coligny é morto, seu cadáver jogado pela janela, decapitado e arrastado pela rua. O Papa Gregório XIII, após o massacre, canta uma Te Deum ação de graças a São Luís dos Franceses. “Um dos elementos mais evidentes é representado pela traição da hospitalidade – disse Fiume -. A festa de casamento que se torna um massacre. Segue-se um banho de sangue, com os habitantes da cidade procurando os huguenotes para matá-los. Como na Conspiração Pazzi, ou em outros momentos históricos, por um dia a cidade está pingando sangue, mas no dia anterior e no dia seguinte tudo continua igual. É o que Sandro Pertini descreve como “indigno” do ser humano. O massacre de San Bartolomeo é uma expressão da bestialidade e do fracasso da diplomacia. Medo, sentimentos monárquicos e antimonárquicos se entrelaçam e afundam qualquer tentativa de conciliação – veja-se os Colóquios de Poissy, com a rainha regente que compara o general jesuíta Giacomo Laynez, sucessor de Santo Inácio, e Teodoro de Beza. Este episódio de hoje diz-nos que, antes de mais, não devemos esquecer. Se aconteceu, pode acontecer, temos visto episódios de massacres populares, ainda na ex-Iugoslávia. Certa fúria da multidão não se supera, sejamos cautelosos. O massacre dos huguenotes é uma página pouco conhecida, mas os massacres ainda estão aí, estão noutros lugares, mas acontecem. Poderíamos dizer que não foi apenas um conflito de religião, mas também um confronto entre diferentes formas e concepções de poder, numa época em que a reforma calvinista não era a verdadeira novidade, ou seja, o absolutismo, mas queria em certo sentido preservar de privilégios locais num sentido mais “federalista”, com a França de parlamentos locais. É uma textura cultural internacional que o calvinismo, tendo provocado imediatamente um deslocamento das elites devido à perseguição, criou muito cedo. Pode-se ver nele um projeto já europeu, que é percebido como uma ameaça, porque traz uma outra forma de ver as coisas. Do outro lado estava uma dinastia enfraquecida, que resistia à decadência. Um Valois casando-se com um Bourbon torna-se o momento crítico, após o qual, enquanto a paz é feita, a guerra é feita. Numa visão da realidade reconciliada teria então existido um rei protestante... mas a história diz-nos, em vez disso, vemos isso na iconografia de pessoas despedaçadas e atiradas ao Sena, no início dos pogroms locais, que se repete em Lyon e outros lugares, com a caça aos huguenotes. Portanto, ainda hoje precisamos estar vigilantes, porque a história nos ensina como é fácil passar da paz à guerra, da celebração ao derramamento de sangue”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.