“Um sonho transformado em pesadelo”.  O livro de Paolo Naso sobre Martin Luther King

“Um sonho transformado em pesadelo”. O livro de Paolo Naso sobre Martin Luther King

foto @Unseen Histories, de um splash

Roma (NEV), 15 de janeiro de 2021 – Em 15 de janeiro de 1929, nasceu em Atlanta Martin Luther King, o pastor batista que liderou o movimento pelos direitos civis. E nestes dias, publicado pela Laterza, “Martin Luther King. Uma história americana”, escrito pela professora de ciências políticas e coordenadora do Mediterranean Hope, o programa de refugiados e migrantes da FCEI, Paulo Naso.

O cartaz da nomeação de 15 de janeiro

Hoje, às 18h, ao vivo na página da histórica editora no Facebook, o autor vai dialogar com Alexandre Portelliem reunião moderada por Jose Laterza.

Com Paolo Naso conversamos sobre o volume e sobretudo sobre o valor da vida e do ensinamento do “MLK”.

O livro surge em um momento dramático na vida política americana. Existe uma conexão entre o que estamos testemunhando e a história humana e política de King?

Obviamente não é uma conexão intencional, mas existe. Por trás das insígnias da soberania e do pior populismo subversivo dos partidários do Donald Trump é fácil ver as bandeiras confederadas, hoje símbolo de uma América violentamente nostálgica que não sabe como corrigir seu pecado original: o racismo.

Nos dias que antecederam a manifestação de 6 de janeiro, os Proud Boys de Trump evadiram, vandalizaram algumas igrejas negras exibindo a insígnia do Black Lives Matter e invocaram uma América antiga e, em sua opinião, feliz, na qual os negros permaneciam nas plantações e não tinham permissão para entrar no instalações para “os brancos”. O racismo contra o qual King passou sua vida continua sendo um demônio que afeta a América, até hoje.

Em 1993 editou a publicação “O outro Martin Luther King”, editada pela Claudiana. Um volume que continha, entre outras coisas, textos inéditos em italiano. Subseqüentemente ele editou outras publicações sobre o mesmo personagem. Então, por que outro livro novo sobre Martin Luther King?

Por ser um personagem chave do século 20, que merece uma biografia rigorosa e não hagiográfica. Infelizmente, ao longo dos anos, testemunhamos um adoçamento interessado de King, reduzido a um ícone agora inofensivo. da América lutando contra o racismo: uma interpretação verdadeira e tranquilizadora, mas também muito parcial. Rei é um personagem complexo que, nos poucos anos que viveu, soube apreender e interpretar novos desafios enfrentavam a América naqueles anos: não apenas o legado da escravidão e da segregação, mas também o militarismo e a pobreza cada vez mais generalizada no país que se apresentava como o mais rico do mundo. Nesta perspetiva, mais do que um ícone, quis reconstruir um percurso, enfatizando a evolução da análise de King sobre os males da América e as várias estratégias de luta que foi capaz de desenvolver de tempos a tempos.

Em suma, nenhum “beatificação” do Prêmio Nobel MLK. Com efeito, ela revela alguns elementos, biográficos mas não só, que contam as contradições. Quais eram as sombras desse personagem complexo?

Como protestante, King não teria gostado das beatificações, especialmente quando eram artificiais e narcóticas. King foi morto no momento em que estava mais isolado politicamente; quando as relações com o presidente Johnson, que também reconhecera o direito de voto aos afro-americanos, ficaram mais tensas; numa época em que muitos súditos – por exemplo a grande imprensa liberal – que o haviam apoiado quando ele marchava pelos direitos dos negros, o criticavam e o abandonavam porque ele havia tomado partido contra a intervenção militar no Vietnã e denunciava as distorções sociais do capitalismo americano . King foi o primeiro a saber que era um homem, com as fraquezas e fragilidades de cada um. No volume reconstruo momentos difíceis em que, apesar do vínculo muito sólido com sua esposa Coretta – ele teve casos extraconjugais que o FBI documentou em uma tentativa – essencialmente fracassada – de desacreditá-lo. Assim como não é mistério que King e sua organização, apesar de grandes e muito relevantes exceções, tinham um caráter predominantemente masculino. Foi um erro porque personagens como Ella Baker, Septima Clark, Diana Nash eles tinham qualidades de liderança do mais alto nível. Mas tudo isto faz parte da dimensão humana da personagem e, a meu ver, não diminui a sua extraordinária capacidade de marcar o tempo em que viveu e de prestar um grande serviço à causa dos direitos humanos, da justiça social e da paz .

No livro surge uma figura carismática também e talvez sobretudo do ponto de vista teológico. Você pode explicar a importância de King como evangélico e como teólogo?

Com razão, King é considerado o “líder do movimento pelos direitos civis”, mas raramente é o caso. foco na origem do seu pensamento que está indissoluvelmente ligado à palavra bíblica e ao que eu definiria como a sua raiz “puritana”. Não há expressão de King e da liderança do Movimento, pelo menos até sua morte em 4 de abril de 1968, que não tenha raízes nas Escrituras: desde a identificação dos afro-americanos com Israel sob as correntes do Faraó antes e depois no caminho para a terra prometida, nas parábolas evangélicas de serviço aos que sofrem e são marginalizados. King é filho da melhor teologia protestante daqueles anos que estudou e internalizou. Ao mesmo tempo, sua visão se encaixa perfeitamente na história americana, no conceito de vocação que exige que a América seja uma “cidade sobre uma colina”, um exemplo de moralidade civil e virtudes cristãs. E este é exatamente o núcleo do puritanismo, o histórico e real, não a tosca caricatura que dele fazem em círculos que nunca o compreenderam em sua dimensão central que, antes de ser ética, é principalmente teológica.

Existe uma história, uma anedota ou um aspecto da vida de MLK que você “descobriu” e que particularmente o impressionou?

Entre as muitas, gostaria de recordar a circunstância em que ele escreveu a carta da prisão de Birmingham. Era 1963 e ele foi preso após uma ação de protesto contra a segregação. Enquanto ele estava preso, seis dos líderes religiosos da cidade – todos brancos – escreveram uma carta aberta criticando a mobilização popular de King e minando a ordem pública. O caminho para a justiça – era a tese deles – passava pelos tribunais e, portanto, King teria feito melhor cuidando de sua paróquia e lendo seus sermões. King se sentiu traído por aqueles pastores e homens de fé que liam a mesma Bíblia e pregavam o mesmo evangelho. E ele quis responder, escrevendo rapidamente um texto escrito em folhas encontradas aqui e ali, inclusive um rolo de papel higiênico. Esse documento é um dos textos-chave do movimento não violento, da mobilização antirracista daqueles anos, mas também da radicalidade do testemunho cristão do século XX.

Você argumenta que, em vez de nos perguntarmos quem matou MLK, deveríamos perguntar “o quê”. Bem, o que acabou com a vida do líder afro-americano, na sua opinião?

A morte de King permanece um mistério. O homem condenado pelo assassinato de uma das pessoas mais conhecidas e controladas dos Estados Unidos naqueles anos era um criminoso com um perfil muito diferente do de um terrorista político; depois do atentado, então, conseguiu fugir para a Inglaterra e só foi preso na volta. Como ele poderia deixar o país? Por que ele voltou? Perguntas sem resposta, ainda hoje. Essa linha de investigação, no entanto, nos leva a terrenos escorregadios e hipóteses refutáveis. No entanto, um fato permanece: King foi morto enquanto denunciava a guerra no Vietnã e a incapacidade do capitalismo americano de lidar com o nó da crescente pobreza, tanto de brancos quanto de negros. Em suma, ele estava atacando o “coração” do sistema, ainda por cima em situação de isolamento e fragilidade. Mais do que “quem” matou King, em conclusão, parece-me interessante pensar em “o quê”, em que mecanismo fez um atentado contra sua vida.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Afeganistão.  As histórias do povo

Afeganistão. As histórias do povo

Roma (NEV), 29 de novembro de 2022 – A vida após 15 de agosto de 2021 tornou-se um "pesadelo". Mohammad repete isso várias vezes enquanto fala sobre como o Afeganistão mudou com o retorno do Talibã. Ele os chama de "monstros". Ele tem dois livros na mesa de cabeceira do quarto onde mora com sua família, um é um livro de medicina, seu trabalho em Cabul, o outro é "Italiano para leigos", para aprender o básico do italiano, tendo em vista a partida . Não há livros, mas folhas para desenhar na casa da segunda família que encontramos: são dois filhos pequenos, um casal, uma irmã adulta. Outros parentes moram nas proximidades. São um grande núcleo, vêm da província de Bamiyan, no centro do Afeganistão, onde em 2001 as estátuas de dois Budas foram destruídas pelos talibãs. Eles nos oferecem um chá de açafrão. Pergunto-lhe como é que os pais se conheceram: “somos primos”, eles respondem, coram e sorriem, “ela passava por baixo da minha janela e reparei nela”. Será o único momento em que a história deles não será tensa, difícil, dura. Eles são da etnia hazara, assim como outro grande núcleo que encontramos em um apartamento a alguns quilômetros de distância, em Islamabad. Marido, esposa e filha de poucos meses, avô e avó, ambos muito pequenos, e mais quatro filhos, pouco mais que adolescentes. É ciclista mas também fotógrafo (com 12.000 seguidores no instagram): vendeu a bicicleta, quer saber quando poderá voltar a correr. Não era possível praticar esportes sob o Talibã. E não era possível ou seguro para ele continuar morando no Afeganistão, porque ele treinou as meninas. A mãe sempre esteve envolvida na política, a nível local e regional. Toda a família tem uma história de engajamento e ativismo. Em uma mala, ao se preparar para o voo para a Itália, trouxeram toda uma louça. Foto de Niccolo Parigini O Sr. Sediqi, nascido em 1956 e com vários problemas de saúde, viajou de carroça para cruzar a fronteira. Ele foi jardineiro anos atrás e reencontra a família que já está na Itália. Tem sido acompanhado nos últimos meses – superando obstáculos de todo o tipo e várias vicissitudes – por um rapaz de apenas 17 anos, que essencialmente se encarregou dele. “Viramos uma família”, disse, olhando para o smartphone, como qualquer adolescente. Ele abraçou sua mãe, que havia conseguido partir em julho passado com o primeiro vôo dos corredores humanitários, em Fiumicino, alguns dias depois de nosso encontro, ela trouxe para ele uma poinsétia. Ele vem de Bamiyan - que era "famosa pelos direitos humanos, pela participação das pessoas na vida pública, um dos centros mais democráticos e avançados do país" - HS, jornalista, fotojornalista, ativista de direitos humanos, também trabalhou como intérprete e fixadores. Ele conta de muitos colegas que ficaram lá e não conseguiram se comunicar. “Depois de 2001 eu tinha esperança de que nosso país pudesse ser um lugar de liberdade e eu estava fazendo todo o possível, como ativista, para que isso acontecesse, mas com a chegada do Talibã perdemos tudo, tudo o que conquistamos em termos de direitos. ", explica. As mulheres não podem “participar da vida pública, ir à escola, não podem fazer nada”, as minorias “são alvos, constantemente em perigo”. Quem protesta é. Ele fala de "tortura pública", julgamentos sumários, negação de todos os direitos. “O Afeganistão será um problema para o mundo inteiro se as coisas continuarem assim: precisamos acabar com essa ditadura, apoiar verdadeiramente os valores dos direitos, e não com slogans”, conclui. Foto de Niccolo Parigini Nisar, que ensinava inglês para meninas em Cabul, também fala de mulheres e por isso teve que fugir. Mora com a mãe, ela gostaria de se colocar à disposição dos outros, trabalhou em salão de beleza quando era mais nova, diz saber costurar e cozinhar, principalmente o Bor pilau, prato feito com arroz e carne. “Tive que me esconder, mudei de casa e de endereço constantemente, até conseguir chegar ao Paquistão”, explica o filho. Porque "ninguém sabe o que realmente está acontecendo naquele país, agora", acrescenta Hakim Bawar, um jovem que partirá com seu irmão para Roma, que trabalhou durante anos com organizações locais e internacionais, ONGs, pelos direitos humanos. “Acredite ou não, às vezes penso que teria sido melhor morrer no Afeganistão, com meu povo, do que fugir. Existem milhões de pessoas que não têm escolha, têm que ficar lá. Mulheres. Que hoje elas não têm chance, senão de sofrer, senão de serem submetidas à violência”. E ele aponta o dedo para os governos ocidentais. “As pessoas se sentiram traídas. Mulheres, milhões de mulheres, foram entregues nas mãos do Talibã, é um inferno para elas. O Oeste? Vieram há vinte anos e prometeram-nos democracia, prosperidade e, em vez disso, trouxeram-nos o Talibã”. O que deveriam, poderiam, os países europeus, o Ocidente, de fato, fazer? "É tarde demais. Não confiamos mais neles." O projeto dos corredores humanitários do Afeganistão é realizado por: Federação de Igrejas Evangélicas (FCEI), Tavola Valdese, Arci, Caritas, Sant'Egidio, OIM. Os corredores humanitários das igrejas evangélicas são financiados pelo Otto per mille das igrejas metodistas e valdenses; o acolhimento dos beneficiários é administrado e executado pela Diaconia Valdense e pela FCEI. Para maiores informações: do Programa de Migrantes e Refugiados da Federação das Igrejas Protestantes na Itália, Mediterrâneo Esperança) e Nota do editor, os nomes das pessoas entrevistadas foram alterados, aparecem apenas como siglas ou não estão completos com nome e sobrenome por motivos relacionados à sua segurança e à vulnerabilidade de suas situações, de suas famílias e daqueles que permaneceram no Afeganistão. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Vozes jovens na Secretaria de Atividades Ecumênicas.  Fé é concretude

Vozes jovens na Secretaria de Atividades Ecumênicas. Fé é concretude

foto Laura Caffagnini Roma (NEV), 28 de julho de 2022 – São as vozes dos jovens católicos, protestantes e judeus que ressoam nos trabalhos da 58ª Sessão de Formação da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE). Em andamento em Assis, tem como título “Em tempos sombrios, ousar esperar. As Palavras de Fé na Sucessão das Gerações – Uma Busca Ecumênica”. Terça-feira de manhã sediou a mesa redonda sobre "Fé: um tesouro para os jovens?". Participou: David Morsellide Roma, estudante de doutorado em matemática, membro fundador e primeiro vice-presidente da amizade judaico-cristã para jovens. Emanuele DeBettinibolsista de ciências históricas em Turim, atuante na Federação Italiana da Juventude Evangélica (FGEI). Emmanuel Gittoformado em ciências internacionais e diplomáticas, vice-presidente da juventude da Ação Católica, em diálogo com Donatella Saroglia da comissão executiva da SAE. Nadia Bouzekrivice-presidente da União das Comunidades Islâmicas na Itália (UCOII), ausente por motivo de força maior, compartilhou os preparativos do evento. Retomamos a seguir o resumo da fala de Emanuele De Bettini conforme noticiado pela SAE. Na parte inferior, o link para o comunicado de imprensa completo. De Bettini (na foto, segundo à esquerda) vive a fé como um fato concreto e como uma descoberta inesgotável. Ele expressou a necessidade de concretude dos jovens, mesmo dentro de suas próprias comunidades, que muitas vezes não estão em seu ritmo. Segundo o membro do FGEI, a rarefação da presença juvenil nas igrejas está ligada à própria modalidade frontal da transmissão da fé. “A fé me veio de uma série de experiências concretas de vida: o encontro com os irmãos e as irmãs e a oração”. Um valor da nossa associação, prosseguiu, é um percurso formativo entre pares, entre quem organiza os programas e quem participa; o limite é que o FGEI seja percebido como parte separada de nossas igrejas e não como parte integrante. Os jovens discutem entre os jovens. A virada deve vir de uma mudança de paradigma, de um encontro com outras gerações. Os jovens compartilham as crises do presente com os adultos, seus problemas não são radicalmente diferentes. Você pode falar como iguais. Momentos vitais também são relacionamentos fora do próprio círculo. “As relações com os outros são também relações com Deus.Participar de um coro judaico em Turim foi para mim uma oportunidade de entrar em contato com um mundo de novos significados religiosos ligados à fé. Cantar nesse sentido para mim significava redescobrir um tesouro”. Durante a mesa redonda, escreve a SAE, “emergiram consonâncias e traços comuns em torno da realidade da fé. A importância da oração e do cuidado da vida espiritual, a formação e o impulso que a vida associativa oferece ao desenvolvimento do caminho pessoal, a necessidade de discussão e partilha entre gerações, o acolhimento do outro e do outro como espaço que nos faz conhecer novas perspectivas, a vitalidade do diálogo inter-religioso". Por fim, falou-se de reciprocidade, de compreensão das próprias tradições e de diálogo, mesmo com o ateísmo. Para saber mais, acesse o site da SAE. Para ler o comunicado de imprensa completo sobre a mesa redonda sobre juventude e fé, clique AQUI. A 58ª Sessão de Formação do Secretariado de Atividades Ecumênicas conta com a presença em Assis, nestes dias, de vários representantes do mundo protestante. ...

Ler artigo
Em 9 de outubro, o primeiro episódio da Rádio GLAM.  Do ego ao eco

Em 9 de outubro, o primeiro episódio da Rádio GLAM. Do ego ao eco

Roma (NEV), 5 de outubro de 2022 – Tudo está pronto para o primeiro episódio da Rádio GLAM. Encontro no zoom, domingo, 9 de outubro, às 18h. O tema deste primeiro encontro é: como passar do ego ao eco… “Estávamos sozinhos e formulamos algo juntos. Assim nasce uma ecocomunidade", diz o coordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), Maria Elena Lacquaniti. A Radio GLAM coleta vozes em torno do meio ambiente e da globalização. Neste primeiro episódio haverá uma conexão com a igreja batista na via dei Bastioni em Civitavecchia, promovida como uma "eco-comunidade autônoma". Além disso, falaremos sobre os compromissos de novembro. Uma ecocomunidade autônoma é aquela que, de baixo para cima, decide levar a sério os pedidos coletivos. E reúne escolhas individuais e coletivas a serviço da comunidade e do meio ambiente. Assim, portanto, a igreja de Civitavecchia e seus membros optam por usar energia fotovoltaica. Promover o uso de lâmpadas de baixo consumo. Eles dizem não ao plástico. E, novamente, eles separam, reciclam e reutilizam. Eles decidem abrir uma conta corrente "ética" excluindo bancos armados. Eles fazem viagens sustentáveis. Eles cultivam jardins e estudam como criar jardins compartilhados sustentáveis. Para participar da Radio GLAM envie um e-mail para o seguinte endereço de e-mail comissã[email protected] ou entre em contato com os representantes da comunidade ecológica. A igreja anfitriã da Rádio GLAM Está localizado em Civitavecchia na via dei Bastioni 18. Pastor: Italo Benedetti. Está presente na área há 120 anos e conta com 50 associados. É uma comunidade ecológica desde 2017. Entre as práticas virtuosas contamos: instalação de painéis fotovoltaicos, adoção de iluminação economizadora de energia, abolição total do plástico, sensibilização na escolha do banco, celebração do Tempo da Criação, organização de conferências sobre questões ambientais, convênios com escolas para a elaboração de "corredores ecológicos e ecumênicos para insetos polinizadores". Foto Alex Blajan – Unsplash Mais algumas informações: Quem ouve Rádio GLAM? Todos aqueles que têm interesse em fazer parte desta comunidade, que questiona e une numa eco-comunidade ou que olha com curiosidade para conhecer, para propor, para participar até com um contributo criativo, música, leitura, partilha de materiais. Por que o nome Radio GLAM? Porque usa a linguagem direta e imediata do rádio, uma linguagem simples na qual jovens e adultos podem se reconhecer e se expressar. Quando Rádio GLAM? Todos os meses, um encontro de uma hora durante o qual haverá testemunhos e/ou informações de eco comunidades, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais… Como assinar a Rádio GLAM? Envie um e-mail para o seguinte endereço de e-mail [email protected] ou entre em contato com os representantes da comunidade ecológica. Até breve nessas frequências! ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.