“Um sonho transformado em pesadelo”.  O livro de Paolo Naso sobre Martin Luther King

“Um sonho transformado em pesadelo”. O livro de Paolo Naso sobre Martin Luther King

foto @Unseen Histories, de um splash

Roma (NEV), 15 de janeiro de 2021 – Em 15 de janeiro de 1929, nasceu em Atlanta Martin Luther King, o pastor batista que liderou o movimento pelos direitos civis. E nestes dias, publicado pela Laterza, “Martin Luther King. Uma história americana”, escrito pela professora de ciências políticas e coordenadora do Mediterranean Hope, o programa de refugiados e migrantes da FCEI, Paulo Naso.

O cartaz da nomeação de 15 de janeiro

Hoje, às 18h, ao vivo na página da histórica editora no Facebook, o autor vai dialogar com Alexandre Portelliem reunião moderada por Jose Laterza.

Com Paolo Naso conversamos sobre o volume e sobretudo sobre o valor da vida e do ensinamento do “MLK”.

O livro surge em um momento dramático na vida política americana. Existe uma conexão entre o que estamos testemunhando e a história humana e política de King?

Obviamente não é uma conexão intencional, mas existe. Por trás das insígnias da soberania e do pior populismo subversivo dos partidários do Donald Trump é fácil ver as bandeiras confederadas, hoje símbolo de uma América violentamente nostálgica que não sabe como corrigir seu pecado original: o racismo.

Nos dias que antecederam a manifestação de 6 de janeiro, os Proud Boys de Trump evadiram, vandalizaram algumas igrejas negras exibindo a insígnia do Black Lives Matter e invocaram uma América antiga e, em sua opinião, feliz, na qual os negros permaneciam nas plantações e não tinham permissão para entrar no instalações para “os brancos”. O racismo contra o qual King passou sua vida continua sendo um demônio que afeta a América, até hoje.

Em 1993 editou a publicação “O outro Martin Luther King”, editada pela Claudiana. Um volume que continha, entre outras coisas, textos inéditos em italiano. Subseqüentemente ele editou outras publicações sobre o mesmo personagem. Então, por que outro livro novo sobre Martin Luther King?

Por ser um personagem chave do século 20, que merece uma biografia rigorosa e não hagiográfica. Infelizmente, ao longo dos anos, testemunhamos um adoçamento interessado de King, reduzido a um ícone agora inofensivo. da América lutando contra o racismo: uma interpretação verdadeira e tranquilizadora, mas também muito parcial. Rei é um personagem complexo que, nos poucos anos que viveu, soube apreender e interpretar novos desafios enfrentavam a América naqueles anos: não apenas o legado da escravidão e da segregação, mas também o militarismo e a pobreza cada vez mais generalizada no país que se apresentava como o mais rico do mundo. Nesta perspetiva, mais do que um ícone, quis reconstruir um percurso, enfatizando a evolução da análise de King sobre os males da América e as várias estratégias de luta que foi capaz de desenvolver de tempos a tempos.

Em suma, nenhum “beatificação” do Prêmio Nobel MLK. Com efeito, ela revela alguns elementos, biográficos mas não só, que contam as contradições. Quais eram as sombras desse personagem complexo?

Como protestante, King não teria gostado das beatificações, especialmente quando eram artificiais e narcóticas. King foi morto no momento em que estava mais isolado politicamente; quando as relações com o presidente Johnson, que também reconhecera o direito de voto aos afro-americanos, ficaram mais tensas; numa época em que muitos súditos – por exemplo a grande imprensa liberal – que o haviam apoiado quando ele marchava pelos direitos dos negros, o criticavam e o abandonavam porque ele havia tomado partido contra a intervenção militar no Vietnã e denunciava as distorções sociais do capitalismo americano . King foi o primeiro a saber que era um homem, com as fraquezas e fragilidades de cada um. No volume reconstruo momentos difíceis em que, apesar do vínculo muito sólido com sua esposa Coretta – ele teve casos extraconjugais que o FBI documentou em uma tentativa – essencialmente fracassada – de desacreditá-lo. Assim como não é mistério que King e sua organização, apesar de grandes e muito relevantes exceções, tinham um caráter predominantemente masculino. Foi um erro porque personagens como Ella Baker, Septima Clark, Diana Nash eles tinham qualidades de liderança do mais alto nível. Mas tudo isto faz parte da dimensão humana da personagem e, a meu ver, não diminui a sua extraordinária capacidade de marcar o tempo em que viveu e de prestar um grande serviço à causa dos direitos humanos, da justiça social e da paz .

No livro surge uma figura carismática também e talvez sobretudo do ponto de vista teológico. Você pode explicar a importância de King como evangélico e como teólogo?

Com razão, King é considerado o “líder do movimento pelos direitos civis”, mas raramente é o caso. foco na origem do seu pensamento que está indissoluvelmente ligado à palavra bíblica e ao que eu definiria como a sua raiz “puritana”. Não há expressão de King e da liderança do Movimento, pelo menos até sua morte em 4 de abril de 1968, que não tenha raízes nas Escrituras: desde a identificação dos afro-americanos com Israel sob as correntes do Faraó antes e depois no caminho para a terra prometida, nas parábolas evangélicas de serviço aos que sofrem e são marginalizados. King é filho da melhor teologia protestante daqueles anos que estudou e internalizou. Ao mesmo tempo, sua visão se encaixa perfeitamente na história americana, no conceito de vocação que exige que a América seja uma “cidade sobre uma colina”, um exemplo de moralidade civil e virtudes cristãs. E este é exatamente o núcleo do puritanismo, o histórico e real, não a tosca caricatura que dele fazem em círculos que nunca o compreenderam em sua dimensão central que, antes de ser ética, é principalmente teológica.

Existe uma história, uma anedota ou um aspecto da vida de MLK que você “descobriu” e que particularmente o impressionou?

Entre as muitas, gostaria de recordar a circunstância em que ele escreveu a carta da prisão de Birmingham. Era 1963 e ele foi preso após uma ação de protesto contra a segregação. Enquanto ele estava preso, seis dos líderes religiosos da cidade – todos brancos – escreveram uma carta aberta criticando a mobilização popular de King e minando a ordem pública. O caminho para a justiça – era a tese deles – passava pelos tribunais e, portanto, King teria feito melhor cuidando de sua paróquia e lendo seus sermões. King se sentiu traído por aqueles pastores e homens de fé que liam a mesma Bíblia e pregavam o mesmo evangelho. E ele quis responder, escrevendo rapidamente um texto escrito em folhas encontradas aqui e ali, inclusive um rolo de papel higiênico. Esse documento é um dos textos-chave do movimento não violento, da mobilização antirracista daqueles anos, mas também da radicalidade do testemunho cristão do século XX.

Você argumenta que, em vez de nos perguntarmos quem matou MLK, deveríamos perguntar “o quê”. Bem, o que acabou com a vida do líder afro-americano, na sua opinião?

A morte de King permanece um mistério. O homem condenado pelo assassinato de uma das pessoas mais conhecidas e controladas dos Estados Unidos naqueles anos era um criminoso com um perfil muito diferente do de um terrorista político; depois do atentado, então, conseguiu fugir para a Inglaterra e só foi preso na volta. Como ele poderia deixar o país? Por que ele voltou? Perguntas sem resposta, ainda hoje. Essa linha de investigação, no entanto, nos leva a terrenos escorregadios e hipóteses refutáveis. No entanto, um fato permanece: King foi morto enquanto denunciava a guerra no Vietnã e a incapacidade do capitalismo americano de lidar com o nó da crescente pobreza, tanto de brancos quanto de negros. Em suma, ele estava atacando o “coração” do sistema, ainda por cima em situação de isolamento e fragilidade. Mais do que “quem” matou King, em conclusão, parece-me interessante pensar em “o quê”, em que mecanismo fez um atentado contra sua vida.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Fé é resistência à opressão.  Seminário do Instituto Global de Teologia

Fé é resistência à opressão. Seminário do Instituto Global de Teologia

Roma (NEV), 4 de janeiro de 2020 – Vivendo juntos e aprendendo como uma comunidade global. Com esse intuito, o Global Institute of Theology (GIT), programa da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR), reunirá jovens de todo o mundo no Union Theological Seminary em Dasmariñas, Filipinas, de 15 a junho 29 de 2020. É uma oportunidade única, ecumênica e teológica, mas também de encontro e intercâmbio. Há tempo até 15 de janeiro para requerer a inscrição nesta nomeação, que se intitula “Agitar a Palavra”, isto é, perturbar, bagunçar a Palavra. “Vários conflitos do século 21 têm uma dimensão religiosa. Em muitas partes do mundo estamos testemunhando o nascimento do autoritarismo. O 'sagrado' foi politizado e explorado para justificar a exclusão e a violência. Nenhuma das principais religiões do mundo parece estar imune a essa tendência. A religião politizada revigora as estruturas de poder tradicionais e legitima a opressão das mulheres e das minorias vulneráveis. A religião é utilizada para constituir fronteiras intransponíveis para quem é percebido como o outro, seja ela racial, étnica, cultural ou moral”, explicam os organizadores do seminário mundial. A intenção é explorar o potencial da tradição cristã como elemento capaz de “perturbar essas estruturas de poder”. De fato, em muitos desses conflitos as pessoas encontram inspiração no testemunho bíblico. Num mundo cheio de injustiças e inimizades, muitos são inspirados por Deus, e especialmente pelo Deus dos últimos, dos pobres e oprimidos (Confissão de Belhar). A história da Igreja está repleta de exemplos onde a fé no Deus da justiça garantiu a resistência às estruturas de opressão dos excluídos e explorados. A teologia, explicam os organizadores, pode fornecer a linguagem para recolocar o poder nas margens: conforta e tranquiliza os marginalizados, fornece as ferramentas para a crítica radical e dá visão de uma vida plena (João 10:10) que supera a exclusão, exploração e violência. O GIT 2017. Foto CMCR O GIT tem entre seus objetivos específicos o de construir uma comunidade global de aprendizado e fé com abordagens bíblicas e teológicas contemporâneas, em uma dimensão inter-religiosa, intercultural e inter-religiosa ao mesmo tempo. Sua perspectiva é cristã reformada, envolvendo estudantes e professores de teologia, obreiros da igreja, instituições teológicas e comunidades. Estudantes e pastores ou teólogos em início de ministério de todos os continentes, pessoas que se preparam para o ministério cristão em uma escola teológica vinculada a uma igreja membro da CMCR ou recém-formados em teologia que pretendem continuar podem se inscrever para o seminário global. em seus primeiros anos de ministério recomendado pelas igrejas-membro. Entre os temas abordados pelo GIT estão: injustiça econômica, destruição ambiental, justiça de gênero, solidariedade inter-religiosa, renovação espiritual, inclusão e aceitação nas igrejas e unidade cristã. As inscrições completas para o GIT devem ser enviadas até 15 de janeiro de 2020. As admissões serão comunicadas pela comissão examinadora em meados de fevereiro de 2020. Todos os detalhes logísticos (inscrições, documentos necessários, passagens, vistos) serão acordados e comunicados após a admissão. Para mais informações, clique aqui. ...

Ler artigo
Vozes diferentes, desafios comuns.  Igrejas evangélicas italianas votam em novos líderes

Vozes diferentes, desafios comuns. Igrejas evangélicas italianas votam em novos líderes

Roma (NEV/CS27), 28 de outubro de 2021 – A Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) elege seu novo Presidente e novo Conselho, que chegaram ao fim de seu mandato de três anos. A Assembleia reunirá nos dias 29 e 30 de outubro, com duas etapas: a XIX e a XX Assembleia. Normalmente essa etapa é acompanhada da convocação de uma Assise, adiada por conta da pandemia. A FCEI, entre as duas assembleias, está assim a organizar este ano uma mesa redonda intitulada “Diferentes vozes, desafios comuns”. A marcação, presencial e online, é aberta ao público e realiza-se no sábado, dia 30 de outubro (mediante reserva e green pass). Eleições de novos dirigentes na tarde de 30 de outubro. A mesa redonda incluirá: Emanuela Del ReRepresentante Especial da UE para o Sahel. Daniele GarroneFaculdade Valdense de Teologia. Shahrzad Houshmand Zadehteólogo muçulmano. marco impagliazzopresidente da Comunidade de S. Egídio. Yassine Laframpresidente da União das comunidades e organizações islâmicas na Itália (UCOII). Marco Tarquíniodiretor da Avvenire. Lia Tagliacozzo, escritor e jornalista (vídeo mensagem). Moderado Cláudio ParavatiDiretor de Comparar. Na abertura, os vários chefes de serviços e comissões da FCEI apresentam brevemente o trabalho dos últimos três anos. O evento público de 30 de outubro é inspirado no versículo de Jeremias 1, 11 "O que você vê?" e conclui com uma meditação com curadoria do pároco Luca Maria Negro, presidente cessante da FCEI. Descarregue aqui o folheto da FCEI. Para participar na mesa redonda do dia 30 de outubro presencialmente (lugares limitados) é necessário fazer reserva por escrito para [email protected] – A participação online é aberta a todos* nas páginas do Facebook do NEV – notícias evangélicas e Confronti. Este é o calendário de eventos em Roma: sexta-feira 29, de 15 a 18, presencialmente, na igreja metodista na via XX Settembre, última sessão da XIX Assembleia da FCEI. (Acesso restrito). sábado 30, dos 10 aos 13, mesa redonda intitulada "Diferentes vozes, desafios comuns". Igreja Metodista na via XX Settembre, esquina com a via Firenze, e ao vivo pelo Zoom e Facebook. (Participação gratuita. Reserva obrigatória e passe verde para acesso às instalações). sábado 30, a partir das 15 horas, presencialmente, na igreja luterana da via Sicilia: eleições, constituição da XX Assembleia da FCEI e, posteriormente, primeira reunião do novo Conselho da FCEI. (Acesso restrito). O Conselho cessante é formado por Luca Maria Negro (presidente), Christiane Groeben (vice-presidente), Richard Kofi Ampofo, Stefano Bertuzzi, Ilaria Castaldo, Daniele Garrone, Roberto Mellone (tesoureiro). Para saber mais Baixe o relatório trienal 2019-2021 sobre as atividades da FCEI no site www.fcei.it ...

Ler artigo
Roma, novas luzes para o Templo Valdense

Roma, novas luzes para o Templo Valdense

Roma, templo valdense, praça Cavour Roma (NEV), 9 de março de 2023 – Como parte dos "Dias da Herança Cultural Metodista e Valdense" (10 a 12 de março de 2023), o "complexo protestante" da Piazza Cavour em Roma (a igreja, a livraria Claudiana, o atividades e a Faculdade de Teologia com sua biblioteca) viverão momentos marcados pela gratidão e pela visibilidade. Entre outros, intervirá o Moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trottao Presidente da FCEI Daniele Garroneo professor. Paulo rico. Os eventos da sexta-feira, dia 10, serão centrados no agradecimento. Graças ao contributo da ACEA (que se fará representar pelo seu Chief Executive Officer Dr. Fabrício Palermo e outros dirigentes), a fachada e os torreões da igreja estão agora iluminados por dentro e por fora. O apoio da Urban Vision permitiu o restauro recente de todas as fachadas e janelas artísticas da igreja (o seu Presidente, Dr. Fábio Mazzoni). Serão envolvidas empresas e técnicos que contribuam para a conservação, funcionamento e valorização da igreja da Piazza Cavour, com os seus vitrais Paulo Paschetti. No sábado vou focar-me na visibilidade, com visitas guiadas que lhe vão permitir conhecer a história dos valdenses, a sua cultura, o património artístico e o património literário do complexo. “O olhar não se volta apenas para o passado e para o belo. Forçado à invisibilidade por séculos; perseguido quando em campo aberto; obrigado hoje por fazer parte do ágorae de um ágora iluminados, os valdenses - e com eles os outros evangélicos italianos - não se esquecem de quantos e quais "invisíveis" existem ainda hoje e se sentem chamados a fazer a sua parte para que também eles recebam um pouco de luz”, declara Daniele Garrone. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.