79º Festival de Cinema.  Em Veneza Júri INTERFILM para o diálogo inter-religioso

79º Festival de Cinema. Em Veneza Júri INTERFILM para o diálogo inter-religioso

Roma (NEV), 31 de agosto de 2022 – Começa o 79º Festival Internacional de Cinema de Veneza.

É uma edição particular, pois comemora 90 anos de atividade. O festival de cinema mais antigo do mundo, aliás, teve início em 7 de agosto de 1932, com a exibição de “Dr. Jekyll e Mr. Hyde”. É, aliás, a Exposição que entrega aos Catherine Deneuve o primeiro Leão de Ouro de sua carreira.

Além disso, a Bienal de Veneza anunciou duas iniciativas de solidariedade para diretores, cineastas e artistas presos ou encarcerados em todo o mundo no ano passado, com o objetivo de conscientizar a mídia, governos e organizações humanitárias.

São 73 novos longas na Seleção Oficial. 16 curtas-metragens e 2 séries de TV. Muitos eventos paralelos, filmes restaurados, documentários, com uma representação total de 56 países.

O Júri Internacional INTERFILM

Também este ano está presente em Veneza o Júri Internacional INTERFILM, que reúne as associações europeias de cinema protestante e vai atribuir o “Prémio para a promoção do diálogo inter-religioso”. O pastor e “teólogo pop” Pedro Ciaccio, Presidente da Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi” – membro italiano da INTERFILM – faz parte do Júri. Com ele também Alina Gabriela Birzache (Reino Unido), Robert K. Johnston (EUA), Jolyon Mitchell (Escócia/Reino Unido, Presidente), Daria Pezzoli-Olgiati (Suíço).

Ciaccio diz: “Chegamos à 11ª edição deste Prêmio para o diálogo religioso. A Associação de Cinema Protestante teve um papel fundamental para dar vida a este prémio, pela sua fundação. É um fato muito importante porque em Veneza, ao contrário de outras festas, não há júri ecumênico”.

Como a Associação “Roberto Sbaffi”, ainda recorda Ciaccio, costuma-se organizar uma iniciativa na cidade. “Parece um pouco alienante – diz o pároco – porque uma Veneza mais habitual corresponde a um Lido decorado com luzes e tapetes vermelhos para o Festival de Cinema. Em vez disso, a cidade vive, quase Apesar de A exibição”.

Esta é a exibição habitual organizada pela Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi”, juntamente com a Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) de Veneza, a Igreja Valdense e Metodista de Veneza, a União da Diáspora das Igrejas Metodistas e Valdenses.

CENTO E OITO

O filme que está sendo assistido é “CENTOOTTO”, de José Bellasalma, Michael Lipori E Cláudio Paravati. Marcação para quarta-feira, 7 de setembro de 2022, às 17h00, na Casa del Cinema, no Palazzo Mocenigo San Stae 1990 (Sestiere S. Croce Veneza). Segue-se uma discussão com o diretor Giuseppe Bellasalma. Apresentar e coordenar Alessandra Cecchetto (SAE Veneza).

Produzido pela Fai Cisl, organização sindical do setor agroalimentar, e pela ConfrontiKino, o filme acompanha o sequestro em 2020 pelas autoridades líbias de 18 pescadores de Mazara del Vallo. Eles serão libertados após 108 dias de cativeiro.

Diz o convite: “Apresentado no ano passado na Exposição do Lido, mas pouco difundido nos circuitos oficiais, o documentário assenta nas vozes dos protagonistas e das suas famílias, que esperavam angustiados pela libertação dos seus entes queridos. Uma das muitas histórias que evidenciam as muitas contradições entre as duas margens do Mediterrâneo”.

Entrada gratuita até durarem os lugares. Reserva recomendada em 041 2747140.

Para informações sobre o filme: [email protected]

INTERFILM

Fundado em 1955 por inúmeras associações de cinema protestantes na Europa, atualmente inclui membros protestantes, ortodoxos e anglicanos, além de judeus. Em colaboração com seu parceiro católico SIGNIS, organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes, como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno (www.inter-film.org).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Misericórdia no centro de cada ação”

“Misericórdia no centro de cada ação”

Roma (NEV/CELI), 28 de abril de 2021 – Às vésperas do Sínodo Luterano, o decano da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) Heiner Bludau nos convida a "Seguir o chamado de Jesus, mesmo que o caminho não seja seguro". Heiner Bludau é reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália há sete anos. A 2ª Sessão do XXIII Sínodo marca o início de seu último ano como decano e também de sua estada na Itália. O título do Sínodo, "Continuidade, mudança e futuro - a Misericórdia como responsabilidade da Igreja", tem para ele um profundo significado teológico: a misericórdia como expressão de toda ação cristã, a partir da percepção - e consequente aceitação - da outro. Faltam poucos dias para o Sínodo, o primeiro Sínodo online da história do CELI. Como ele se sente? Devo admitir que, a longo prazo, estar sempre no escritório, à secretária, com a maior parte dos contactos limitados ao ecrã ou ao telefone - e agora também com o Sínodo nesta modalidade - é desgastante. Além disso, este é meu penúltimo sínodo. Na verdade, devo aposentar-me já em fevereiro de 2022, mas espero, também de forma voluntária, poder manter-me no cargo até ao verão de 2022. A 2ª Sessão do XXIII Sínodo tem um título ambicioso: "Continuidade, mudança, futuro: a misericórdia como responsabilidade da Igreja". Um título que aponta diretamente para a sociedade, mas que ao mesmo tempo tem um forte significado teológico. Depois de 15 meses de pandemia, acho muito importante fazer um balanço. Onde estamos? Onde estamos indo? Talvez também: Quem somos nós (nos tornamos)? Nesta situação extrema da vida humana, a relação consigo e com os outros mudou, por vezes até profundamente. Muitas pessoas estão sob forte estresse. Muitos se encontram em uma situação de vida muito diferente. Você tem que estar ciente disso e saber como percebê-lo. E é aqui que entra a misericórdia? Exatamente. A misericórdia é muito mais do que apenas apoio diaconal e financeiro aos necessitados. Misericórdia significa perceber o próximo como um todo. Esteja aberto para perceber todas as outras pessoas como tal! Como igreja, somos uma instituição aberta à sociedade, mas firmemente enraizada em seu próprio centro. E este centro é fundamental como base de todos os impulsos que damos. Tem um forte impacto em todas as áreas, incluindo, claro, aquelas que vamos explorar durante o Sínodo nos grupos de trabalho: justiça de gênero, meio ambiente, diaconia, gestão da pandemia, juventude e digitalização. A misericórdia é um critério importante em todos os lugares. A fortiori diz respeito à questão da justiça de gênero e ao documento do CELI que o Sínodo é chamado a discutir e adotar… Isto é verdade. Com a questão de gênero é importante, ainda mais do que em outros campos, prestar atenção à vida conjunta da igreja, bem como à sociedade. A igualdade de todas as pessoas é para nós uma questão de fé. Eu percebo o outro como ele é! Estou muito feliz que antes do Sínodo este tema tenha sido levado às nossas comunidades e que todos tenham tido a oportunidade de contribuir com o documento. E a misericórdia em relação ao meio ambiente? Aqui a perspectiva muda novamente. Aqueles que veem Deus como Criador têm uma abordagem diferente daqueles que consideram a evolução como resultado do acaso. Nossas contribuições nascem em nosso centro que mencionei anteriormente, de um senso de responsabilidade pelo outro e pela criação. Isso também é misericórdia. Você acha que, apesar do formato online do Sínodo, um verdadeiro debate pode se desenvolver e, acima de tudo, pode levar a resultados válidos? A comparação com o outro é a base de nossas ações. Aqui vejo dois efeitos decorrentes da pandemia. Por um lado, uma grande dificuldade em manter vivo o diálogo, o confronto direto entre as pessoas. Por outro lado, também há aspectos positivos. Por exemplo, nós pastores do CELI e também os presidentes das comunidades nos aproximamos de certa forma por meio de frequentes reuniões online, estamos mais em contato uns com os outros do que antes. Isso certamente é uma consequência positiva, e vamos continuar nesse caminho. Por outro lado, temo que o formato digital exclua muito o elemento pessoal. Ainda somos uma igreja, não uma empresa. Um sínodo é sempre uma ocasião para um debate muito aberto, para uma discussão acalorada e comprometida, até mesmo para expressar críticas... Espero muito que tudo isso seja possível. Com o secretário geral da Federação Luterana Mundial (FLM) Martin Junge, o CELI tem um convidado de honra muito especial… Este convite e seu entusiasmo em aceitá-lo são fruto de uma colaboração mundial nascida com as comemorações dos 500 anos da excomunhão de Lutero. Achei muito positivo que a FLM tenha nos contatado explicitamente como igreja nacional italiana a respeito das celebrações planejadas com o Vaticano. A próxima reunião do Conselho FLM também deveria ter sido realizada em Roma, mas devido à Covid no final optaram por uma solução online. Aqui também a misericórdia entra em jogo novamente no sentido da percepção recíproca. Imagino que a fala de Junge será muito útil para nossa reflexão sobre continuidade, mudança e futuro. Seu último ano começa com o Sínodo. Não só como decano, mas também como pároco da sua comunidade de Turim e da sua permanência na Itália. Já está começando a olhar para trás? Sim, fui reitor por sete anos e no verão fará onze anos que moro na Itália e que cheguei à pequena Comunidade de Turim, que na época acabava de nascer. Devo dizer que esses onze anos foram mais emocionantes do que qualquer coisa que já vivi em minha vida profissional. Gosto muito de morar na Itália e sou muito apegada ao CELI. A Igreja sempre foi muito importante para mim, mas nunca me senti tão envolvida emocionalmente como com esta pequena Igreja na Diáspora. As coisas são possíveis aqui que funcionam de maneira diferente em outros lugares. A colaboração é mais próxima, o compromisso pessoal mais forte. Antes de chegar ao CELI eu jamais poderia me imaginar em um cargo de responsabilidade dentro da igreja. Mas, claro, cabe aos outros julgar. Eu tentei enfrentar esse desafio com todas as minhas forças. Estou em paz comigo mesmo. Fui acompanhado pela mesma imagem bíblica que me inspirou quando fui eleito reitor, uma imagem pela qual vivo: Jesus caminha sobre as águas e Pedro diz-lhe: Senhor, chama-me e eu seguir-te-ei… por um caminho que às vezes nem mesmo perceptível, que até parecerá inacessível, mas que emerge passo a passo olhando para Jesus. Leia a entrevista de Nicole Steiner com Heiner Bludau no site do CELI ...

Ler artigo
A FCEI adere à manifestação de 5 de novembro

A FCEI adere à manifestação de 5 de novembro

A bandeira da paz no Festival dos Direitos Humanos - imagem de arquivo festivaldirittiumani.it Roma (NEV), 3 de novembro de 2022 - A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália aceitou o convite de sua Assembleia Geral (29 de outubro a 1º de novembro de 2022) "para participar com discernimento em iniciativas de apoio a um processo de paz justo na Ucrânia , denunciando a responsabilidade da Federação Russa pela agressão a um país soberano como a Ucrânia; com este perfil … para se juntar à iminente manifestação pela paz em 5 de novembro.” Os evangélicos que desejarem participar juntos da procissão com o estandarte da Federação podem se reunir às 12h30 em frente à Igreja Metodista na via XX Settembre. A Diaconia Valdense também comunicou esta manhã, com nota, sua adesão à manifestação de 5 de novembro em Roma: “A Diaconia Valdense – lê-se no comunicado -, desde fevereiro de 2022 ao lado das crianças, mulheres, famílias ucranianas vítimas da invasão, experiências todos os dias, mesmo apoiando os que fogem de outras guerras esquecidas, que a violência leva à violência, que o uso das armas multiplica as desigualdades e que não há paz sem justiça; partilha a moção da Federação das Igrejas Evangélicas em Itália do passado 1 de Novembro e adere à manifestação de 5 de Novembro em Roma (esperando que o mais rapidamente possível as armas possam ser silenciadas e uma paz justa e duradoura possa ser construída, na Ucrânia como em outro lugar”. ...

Ler artigo
Igrejas e armas na Ucrânia – Nev

Igrejas e armas na Ucrânia – Nev

Roma (NEV), 10 de abril de 2022 – Contribuição de Luca Maria Negro para o culto de rádio - coluna "O caminho para a unidade", exibida no programa "Culto evangélico", na Rádio RAI 1, nesta manhã, domingo, 10 de abril de 2022 - Em março, em nossa nota mensal sobre o caminho para a unidade dos cristãos, destacamos como a guerra na Ucrânia representa um retrocesso dramático para o movimento ecumênico, já que as várias igrejas às vezes têm avaliações diametralmente opostas. Ele se expressou em termos semelhantes no jornal A República de 21 de março, o fundador da comunidade monástica de Bose, Enzo Bianchi: “Com esta guerra, o ecumenismo entre as Igrejas, que já atravessa um inverno, fica ainda mais ferido e desmentido»”. “O que já não pensávamos ser possível para os cristãos – escreve Bianchi – aconteceu: uma guerra foi sagrada e a religião foi invocada como justificativa para o conflito. Em frentes opostas, as Igrejas sucumbiram à tentação do nacionalismo e quando religião e nacionalismo se cruzam, a mistura é explosiva”. Hoje continuamos no mesmo tema, citando algumas das recentes posições assumidas pelas igrejas sobre o conflito. A primeira é positiva: é a declaração conjunta do Conselho das Conferências Episcopais (Católicas) da Europa (CCEE) e da Conferência das Igrejas Europeias (KEC), que inclui protestantes, anglicanos e ortodoxos (mas não os russos ortodoxos, que suspenderam sua participação por anos). “A religião – lê-se no texto – não pode ser usada como meio para justificar esta guerra. Todas as religiões, e nós como cristãos, estamos unidos para condenar a agressão russa, os crimes cometidos contra o povo da Ucrânia e a blasfêmia que representa o uso indevido da religião neste contexto”. O segundo texto é mais problemático: é a Declaração da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CPCE). Embora com aspectos muito equilibrados, este documento inclina-se para a questão do fornecimento de armas à Ucrânia, afirmando: "Reconhecemos as decisões que os Estados tomaram para oferecer apoio à Ucrânia através do fornecimento de equipamento defensivo"; o que quase soa como uma inoportuna "bênção protestante" do trabalho dos governos ocidentais. Nestes dias, um grupo de evangélicos italianos está lançando um apelo pedindo ao CPCE que reconsidere esta posição. Por fim, acaba de ser divulgado um dossiê muito útil, porque compara as diferentes posições que existem, dentro das igrejas, justamente sobre a questão de saber se é ou não apropriado fornecer armas à Ucrânia. Publicado por Com Nuovi Tempi e editado pelo prof. Fulvio Ferrario da Faculdade Valdense, o dossiê “Guerra, paz, justiça”, como explica o curador, “visa ajudar aqueles que buscam o mandamento de Deus rezando e pensando; quer estimular quem não se contenta com citações bíblicas usadas como chave de fenda para atingir quem pensa diferente, mas sabe que a Escritura deve ser questionada com paciência, mesmo que a história avance muito rápido; quer acompanhar quem se sente ensurdecido pela sloganmas sente sua vontade chantagista e pretende resistir a ela". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.