79º Festival de Cinema.  Em Veneza Júri INTERFILM para o diálogo inter-religioso

79º Festival de Cinema. Em Veneza Júri INTERFILM para o diálogo inter-religioso

Roma (NEV), 31 de agosto de 2022 – Começa o 79º Festival Internacional de Cinema de Veneza.

É uma edição particular, pois comemora 90 anos de atividade. O festival de cinema mais antigo do mundo, aliás, teve início em 7 de agosto de 1932, com a exibição de “Dr. Jekyll e Mr. Hyde”. É, aliás, a Exposição que entrega aos Catherine Deneuve o primeiro Leão de Ouro de sua carreira.

Além disso, a Bienal de Veneza anunciou duas iniciativas de solidariedade para diretores, cineastas e artistas presos ou encarcerados em todo o mundo no ano passado, com o objetivo de conscientizar a mídia, governos e organizações humanitárias.

São 73 novos longas na Seleção Oficial. 16 curtas-metragens e 2 séries de TV. Muitos eventos paralelos, filmes restaurados, documentários, com uma representação total de 56 países.

O Júri Internacional INTERFILM

Também este ano está presente em Veneza o Júri Internacional INTERFILM, que reúne as associações europeias de cinema protestante e vai atribuir o “Prémio para a promoção do diálogo inter-religioso”. O pastor e “teólogo pop” Pedro Ciaccio, Presidente da Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi” – membro italiano da INTERFILM – faz parte do Júri. Com ele também Alina Gabriela Birzache (Reino Unido), Robert K. Johnston (EUA), Jolyon Mitchell (Escócia/Reino Unido, Presidente), Daria Pezzoli-Olgiati (Suíço).

Ciaccio diz: “Chegamos à 11ª edição deste Prêmio para o diálogo religioso. A Associação de Cinema Protestante teve um papel fundamental para dar vida a este prémio, pela sua fundação. É um fato muito importante porque em Veneza, ao contrário de outras festas, não há júri ecumênico”.

Como a Associação “Roberto Sbaffi”, ainda recorda Ciaccio, costuma-se organizar uma iniciativa na cidade. “Parece um pouco alienante – diz o pároco – porque uma Veneza mais habitual corresponde a um Lido decorado com luzes e tapetes vermelhos para o Festival de Cinema. Em vez disso, a cidade vive, quase Apesar de A exibição”.

Esta é a exibição habitual organizada pela Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi”, juntamente com a Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) de Veneza, a Igreja Valdense e Metodista de Veneza, a União da Diáspora das Igrejas Metodistas e Valdenses.

CENTO E OITO

O filme que está sendo assistido é “CENTOOTTO”, de José Bellasalma, Michael Lipori E Cláudio Paravati. Marcação para quarta-feira, 7 de setembro de 2022, às 17h00, na Casa del Cinema, no Palazzo Mocenigo San Stae 1990 (Sestiere S. Croce Veneza). Segue-se uma discussão com o diretor Giuseppe Bellasalma. Apresentar e coordenar Alessandra Cecchetto (SAE Veneza).

Produzido pela Fai Cisl, organização sindical do setor agroalimentar, e pela ConfrontiKino, o filme acompanha o sequestro em 2020 pelas autoridades líbias de 18 pescadores de Mazara del Vallo. Eles serão libertados após 108 dias de cativeiro.

Diz o convite: “Apresentado no ano passado na Exposição do Lido, mas pouco difundido nos circuitos oficiais, o documentário assenta nas vozes dos protagonistas e das suas famílias, que esperavam angustiados pela libertação dos seus entes queridos. Uma das muitas histórias que evidenciam as muitas contradições entre as duas margens do Mediterrâneo”.

Entrada gratuita até durarem os lugares. Reserva recomendada em 041 2747140.

Para informações sobre o filme: [email protected]

INTERFILM

Fundado em 1955 por inúmeras associações de cinema protestantes na Europa, atualmente inclui membros protestantes, ortodoxos e anglicanos, além de judeus. Em colaboração com seu parceiro católico SIGNIS, organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes, como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno (www.inter-film.org).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

55 anos após a morte de Martin Luther King

55 anos após a morte de Martin Luther King

Roma (NEV), 4 de abril de 2023 – Há 55 anos, em 4 de abril de 1968, em Memphis, no estado do Tennessee, foi assassinado o pastor afro-americano Martin Luther King, líder do movimento pelos direitos civis. Nascido em uma América ainda segregada, em que havia espaços apenas para brancos e outros apenas para negros, em um país que de fato impedia o voto dos afro-americanos, em uma época ainda marcada pelo mais violento racismo, King morreu em um país que estava mudando. A lei de 1965 finalmente reconheceu aos negros também o pleno direito de voto; formalmente as leis de segregação haviam caducado e, pelo menos em algumas áreas, foi lançada uma reflexão crítica sobre o pecado original da América: o racismo, com seus trágicos corolários do tráfico, comércio e uso de escravos para o avanço da economia nacional. Era uma página imoral e até blasfema porque, com raríssimas exceções, igrejas e comunidades cristãs nos Estados Unidos aceitavam a escravidão como um fato natural, uma variável possível das relações sociais e econômicas. King's foi um movimento político, claro, mas acima de tudo ele montou uma frente de consciências: em um país também dividido por barreiras confessionais, ele soube unir católicos e protestantes, judeus e muçulmanos, seculares e agnósticos e, em alguns casos, , mesmo conservadores e progressistas. Foi um tempo de esperanças excepcionais, perfeitamente expressas no famoso discurso que King fez no Lincoln Memorial em Washington em 28 de agosto de 1963. Um discurso memorável, feito de improviso, no qual aquele pregador negro delineou o verdadeiro sonho americano: que de um país reconciliado, que busca justiça e quebra as barreiras da cor da pele e da etnia. No entanto, em poucos meses, esse sonho se transformou em pesadelo. Algumas semanas após o grande encontro em Washington, de fato, um ataque racista da Ku Klux Klan matou 4 meninas negras em Birmingham, Alabama. Eles estavam assistindo a uma aula da Escola Dominical na Igreja Batista da Rua 16 quando, às 10h30, uma bomba letal explodiu. Não foi o último. No que o próprio King chamou de jornada no deserto para a terra prometida, haveria outras dificuldades, outras vítimas, outras lutas. Como aquela que King liderava às vésperas de seu assassinato: a organização de uma grande marcha contra a pobreza, uma mobilização que reuniria brancos e negros afetados por uma crise econômica causada em grande parte por investimentos militares para financiar a guerra do Vietnã. Esta foi a última batalha de King antes de ser morto: a denúncia do entrelaçamento de racismo, militarismo e pobreza, faces de um único mal que atacava a consciência da América. E é nessa denúncia que deve ser buscada a chave de seu assassinato que, segundo as investigações, não teria mandato mas apenas um modesto executor criminal de baixo perfil. Depois de tantos anos, a condenação do responsável por aquele ataque parece fraca e cheia de questionamentos. Cinquenta e cinco anos depois, a América mudou muito, também teve um presidente negro e o próprio King é uma espécie de herói nacional. No entanto, o racismo americano não está morto. Muitos afro-americanos na prisão, muitos vivendo abaixo da linha da pobreza, muitas vítimas negras inocentes mortas pela polícia, muitos bairros só para negros, cada vez mais degradados e marginais. Tampouco parou a corrida armamentista, contra a qual King passou os últimos anos de sua vida, pedindo a conversão dos gastos de guerra em investimentos sociais. E então, mais do que os monumentos que celebram o pregador negro, precisamos olhar para os movimentos que interpretam sua herança moral, política e espiritual. Paz, desarmamento, direitos, inclusão social: é só raciocinando e agindo sobre essas questões que podemos entender a relevância e a força desse legado que Martin Luther King nos deixou. ...

Ler artigo
Igreja Batista OPM, “Multiplicar a esperança por mil”

Igreja Batista OPM, “Multiplicar a esperança por mil”

Roma (NEV), 22 de abril de 2023 – "Multiplicar a esperança por mil": este é o lema da campanha Otto per mille Baptist 2023. Estamos falando do compromisso da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) para fins de saúde , humanitário, social. Todos os anos, a UCEBI continua a aplicar 100% dos fundos recebidos "com extremo rigor, destinando-os - até ao último cêntimo - exclusivamente a intervenções sociais, assistenciais, humanitárias e culturais, em Itália e no estrangeiro", lê-se no site da batistas. Entre os projetos ativos, financiados com os recursos do Otto per mille, podemos ajudar idosos, mulheres vítimas de violência, meninos e meninas. Entre as atividades realizadas pela UCEBI com os fundos Otto per mille, um projeto dos Médicos Sem Fronteiras contra a violência contra as mulheres, a casa de repouso GB Taylor em Roma, apoio às atividades da Associação Italiana de Pessoas com Síndrome de Down (AIPD) – Onlus de Pisa e o projeto Medical Hope da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) para assistência médica a refugiados sírios no Líbano e na Itália. Quem são os batistas? “Para explicar de forma simples podemos dizer: os cristãos da igreja de Martin Luther King”. É o que afirma o site da UCEBI, membro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Fundada em 1956, recolhe o legado da União Batista Apostólica Cristã (UCAB), fundada em 1884 pelas missões inglesas e americanas que chegaram à Itália na década de 1860, por sua vez herdeiras dos anabatistas e da chamada Reforma Radical da Inglaterra de 1600. Aqui todas as informações da Receita Federal em 2, 5 e 8 por mil. As imagens escolhidas para a campanha publicitária Otto per mille battista: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=4G4eh_lWwIc[/embed] ...

Ler artigo
carta de jovens protestantes e católicos

carta de jovens protestantes e católicos

Roma (NEV), 25 de janeiro de 2021 – A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) termina hoje. A Federação Juvenil Evangélica da Itália (FGEI) e a Federação Universitária Católica Italiana (FUCI) assinam um documento que representa o caminho comum dos jovens, em nível ecumênico. “Os desafios que tivemos de enfrentar ao longo do ano passado e no limiar deste recém-começado nos lembram o chamado que Jesus Cristo nos dirige a sermos unidade e agirmos juntos com uma urgência cada vez maior” escrevem FGEI e FUCI. Agradecendo "pelos frutos e passos partilhados no caminho do caminho ecuménico", os jovens e as jovens dos dois movimentos cristãos sublinham a alegria da partilha, que "nos leva a olhar em frente com esperança e com uma visão mais ampla, reconhecendo que aindahá muitos passos a dar: ainda há muitas motivações, os momentos que levam a uma separação ou a uma comunhão de forma, mas não de espírito. O encontro que lança as bases do diálogo teológico e da cooperação como trabalhadores na vinha do Senhor ainda precisa ser trabalhado e vivido”. O tema da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, «permanecei no meu amor: dareis muito fruto» (Jo 15,5-9), continua a carta, «convida-nos a reconhecer, para além do teológico, histórico e eclesiológico que nos caracterizam, a unidade do batismo como comumfonte da fé.Por isso, de fato, nos sentimos desafiados e desafiados a um chamado comum ao discipulado, vendo na comunhão fraterna e na troca de lugar para amadurecê-la e confirmá-la diariamente”. O documento enfoca a Palavra, a conversão, o acolhimento e o apoio mútuo. E, novamente, a criação: “poder cuidar dela, percebendo que fazemos parte de um projeto maior que nós”. O documento conclui com estas palavras: “O ritmo que marca estes oito dias nos convida a olhar e tomar consciência dessa parte desconhecida e inesperada que a pandemia do Covid-19 colocou diante de nós: a morte, o sofrimento, a desconfiança e o medo invadiram nossas vidas, mas sabemos que não podemos isolá-los, mas que devemos reconectá-los a todos aqueles aspectos de impotência e dificuldade real que foram expostos. Nossas comunidades têmredescobriu a fragilidade da existência, mas também a vulnerabilidade dos vínculos sociais, a precariedade dos sistemas econômicos e de saúde, a fragilidade das estruturas políticas e sociais.Limites estruturais diante dos quais não queremos encalhar, mas que queremos trazer para a força transformadora da oração, começando por reconhecer o nosso papel nesta crise. Mas confiamos que podem ser também os lugares de onde partir para uma nova realidade para viver e uma nova consciência da proteção do bem supremo. Como ramos da única videira na qual somos chamados e somos chamados a viver, para juntos podermos dar fruto e vivê-lo em vista da reciprocidade e da caridade. Este poderia ser outro trecho de estrada para compartilhar? Concordamos em responder 'sim'”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.