É hora de twittar contra a violência.  #ThursdaysInBlack no Kirchentag

É hora de twittar contra a violência. #ThursdaysInBlack no Kirchentag

Roma (NEV), 19 de junho de 2019 – Em 20 de junho, durante o Kirchentag, o festival da igreja protestante na Alemanha, #ThursdaysInBlack, a campanha global por um mundo sem estupro e violência, subirá ao palco durante a apresentação do meio-dia.

O 37º Kirchentag acontecerá em Dortmund de 19 a 23 de junho e atrairá mais de 100.000 pessoas. Mais de dois mil eventos serão realizados em 200 localidades ao longo de cinco dias.

O Secretário-Geral Adjunto do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Isabel Apawo Phiri, compartilhará seu compromisso pessoal e ecumênico pela superação da violência de gênero. Estarão com ela palestrantes da Argentina, Índia e Alemanha. A música dos Oybele Feschthall Singers, conduzida pelo Kapellmeister Johannes Helleracompanhará a mobilização.

Durante o evento, o CMI convida todas as pessoas de boa vontade a twittar seu apoio e expressar solidariedade em massa.

Podemos atingir nosso objetivo de um número recorde de tweets #ThursdaysinBlack em uma hora?

#ThursdaysinBlack é uma campanha nascida da Década das Igrejas em Solidariedade com as Mulheres (1988-1998), na qual elas trabalharam para tornar visíveis histórias sobre estupro como arma de guerra, injustiça de gênero, abuso, violência.

O estande do WCC no Kirchentag 2019 está localizado no Halle 7

Redes Sociais CEC:

Twitter: @oikoumene

facebook.com/worldcouncilofchurches

Instagram: @worldcouncilofchurches

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Fronteira polaco-ucraniana, igrejas católicas e protestantes pedem paz

Fronteira polaco-ucraniana, igrejas católicas e protestantes pedem paz

Foto COMECE / Alessandro Di Maio Roma (NEV), 10 de abril de 2022 – O pastor Christian Krieger e o cardeal Jean-Claude Hollerich, respectivamente presidentes da Conferência das Igrejas Européias (KEK) e da Comissão das Conferências Episcopais da União Européia (COMECE), divulgaram uma mensagem especial de Páscoa conjunta da fronteira entre a Polônia e a Ucrânia. Aqui, os dois religiosos visitaram algumas estruturas que acolhem e apoiam refugiados que fogem da Ucrânia devido à invasão russa iniciada em 24 de fevereiro de 2022. No centro da mensagem dos líderes religiosos das Igrejas Protestante e Católica europeia estão a oração e a ação pela paz na Ucrânia e além: "Continuemos a rezar e trabalhar pela justiça, reconciliação e paz entre os povos, culturas e nações". Os dois presidentes, segundo um comunicado conjunto divulgado na sexta-feira passada, ficaram perturbados "pela tragédia humana refletida nos olhos dos refugiados" que conheceram durante a visita. Eles também expressaram sincero agradecimento a todos os operadores, voluntários, autoridades nacionais e religiosas pela solidariedade concreta realizada para acolher e apoiar as pessoas que perderam tudo devido à guerra. "Mais de 2 milhões de pessoas, a maioria mulheres e crianças, cruzaram a fronteira polonesa-ucraniana desde o início da guerra", diz o comunicado. É daqui, da passagem de fronteira Dorohusk-Yahodyn entre a Polônia e a Ucrânia, que o pastor Krieger e o cardeal Hollerich invocaram a oração e a ação pela paz na Ucrânia e além, antes das festividades da Páscoa. "O mistério pascal de Cristo nos leva ao coração da injustiça, da violência e do sofrimento - escrevem ainda os religiosos - A história da paixão e morte de Cristo ecoa no sofrimento humano e nas tragédias vividas em muitas partes do nosso mundo, não Ucranianos em seu próprio país e onde quer que os caminhos do exílio os levem. Em Cristo, Deus se une à nossa humanidade, tomando sobre si nossas limitações e nosso ódio, transformando nossa lealdade, nossa indignação, nossos sentimentos de desgraça e melancolia em esperança por meio da confiança Nele. Essa transformação ocorre no ser humano e no mundo que Deus ama”. Para esta Páscoa, pedem aos presidentes da KEK e da COMECE, “convidamos todos a continuar a acreditar no horizonte que a graça de Deus, manifestada em Cristo, abre diante dos nossos olhos”. Durante sua visita de dois dias à Polônia, os presidentes também visitaram igrejas locais de várias denominações, para conhecer seus projetos humanitários e de acolhimento de refugiados no país. Os presidentes da CEC e COMECE foram recebidos pelo Conselho Ecumênico Polonês e pelo bispo católico de Łódź, Monsenhor Grzegorz Ryś. Leia a mensagem de Páscoa conjunta KEK-COMECE Clique aqui para fotos em alta resolução Visite a página sobre intervenção das igrejas na Ucrânia [embed]https://www.youtube.com/watch?v=vcn8hQJ23GQ[/embed] ...

Ler artigo
Ceia do Senhor aberta a todos

Ceia do Senhor aberta a todos

Ilustração retirada do número 9 da "Hospitalidade Eucarística" Roma (NEV), 26 de junho de 2019 - O grupo ecumênico que redigiu o boletim "Hospitalidade Eucarística" propôs um documento intitulado "A Ceia do Senhor", escrito pelo pároco e teólogo valdense Paulo rico juntamente com o padre católico e teólogo João Ceretipara definir os pontos de convergência essenciais a respeito da Ceia do Senhor. O documento - datado de 25 de maio e co-assinado por párocos, pastores, teólogos e sacerdotes - propõe alguns pontos comuns sobre a compreensão da Ceia do Senhor, com base nos quais os redatores acreditam que "é possível para todo cristão batizado, em a obediência à própria consciência e a plena solidariedade com a própria Igreja, para sermos acolhidos como convidados em todas as mesas cristãs onde se celebra a Ceia do Senhor». A Ceia do Senhor que, na esfera católica, é definida principalmente como a Eucaristia e, na esfera protestante e evangélica, a Santa Ceia. Entre os pontos salientes do texto, o conceito de que a Ceia pertence precisamente ao Senhor e não às igrejas e, portanto, é Jesus quem a convida e preside; a consideração de que "as diferentes doutrinas de interpretação dos gestos, palavras e presença de Jesus na Ceia têm todas o seu significado e valor próprios, mas não são constitutivas da Ceia"; o fato de que representa "um momento de união entre os cristãos e, portanto, não pode ser ocasião de divisão". Aqui estão os nomes dos co-signatários: maria bonafedepastora valdense; Daniele Garroneteólogo valdense e conselheiro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), André Grilloteólogo católico; Lydia Maggipastor batista; Carlos Molariteólogo católico; Fredo OliveroPadre católico; Emmanuel Paschettopastor batista; José Platãopastor valdense, Antonieta Poderosateólogo católico; Felice ScaliaPadre católico; Antonio Squitieripastor metodista; Kirsten Thielepastor luterano. É possível aderir à Declaração Conjunta divulgada na folha "Hospitalidade Eucarística" pelos dois teólogos, enviando um e-mail para [email protected] especificando sobrenome e nome, estado civil ou religioso, igreja cristã de referência, município de residência, endereço de e-mail para o qual as comunicações devem ser enviadas (que não serão publicadas em nenhum caso). Você pode especificar o pedido de anonimato no e-mail pelo nome e possivelmente pela ordem religiosa; a adesão neste caso constará apenas no total numérico dos recebidos. Baixe o documento completo aqui Ceia do Senhor. O folheto "Hospitalidade Eucarística" é editado por Margarida Ricciuti (valdense) e Pedro Urciuoli (católico), como parte do grupo ecumênico "Partir o pão" nascido em 2011 em Turim, que inclui indivíduos protestantes e católicos. O grupo envolve também igrejas, mosteiros e paróquias e está aberto a todos os interessados ​​em praticar a recepção recíproca da “Santa Ceia Protestante” e da “Eucaristia Católica” nas igrejas; em 2017 também propôs um questionário sobre o tema. ...

Ler artigo
todas as tramas dos filmes em competição

todas as tramas dos filmes em competição

A entrada do Cinema Trevi em Roma, em vicolo del Puttarello Roma (NEV), 7 de dezembro de 2018 – A XXII edição do Tertio Millennio Film Fest (TMFF), o festival de cinema do diálogo inter-religioso, abre na terça-feira, 11 de dezembro, em Roma. Muitos filmes e eventos colaterais estão programados até 15 de dezembro, dia da entrega do prêmio por um júri inter-religioso, que reúne representantes do cristianismo (protestante, católico e ortodoxo), judaísmo e islamismo. São 9 filmes em competição, dos quais apresentamos os enredos abaixo. A cerimônia de premiação do filme vencedor será realizada no sábado, dia 15, às 17h30, no Cinema Trevi. Os dias e horários das exibições também estão indicados abaixo, que sempre será realizado no Cinema Trevi no vicolo del Puttarello 25. A entrada é gratuita com reservas sujeitas a disponibilidade. Informações e reservas: 06 96519200 – [email protected] Para o catálogo completo de todos os filmes em cartaz, clique aqui. Um pássaro azul no coração, de Jérémie Guez. Drama, Bélgica, França; 2018 – 85' (quinta-feira, 13, às 15h) Danny é um homem em liberdade condicional tentando reconstruir uma vida honesta e mora em um motel administrado por uma mãe solteira. A filha Clara, uma menina que cresceu sem o pai preso, frequenta um traficante. Nasce entre Clara e Danny um laço de amizade que levará o homem a vingar uma violência sofrida pela jovem, marcando ambos para sempre. Dayan, de Behrouz Noorani Pour. Drama, Irã; 2018 – 81' (quarta-feira, 12, às 17h30) A atmosfera apocalíptica de estupros, inocentes executados, violência, abuso e tráfico de órgãos, em uma paisagem distópica, lunar, feroz e surreal. Em vez disso, é um hiper-realismo cru e desesperado, que denuncia o que pode acontecer aos refugiados curdos na fronteira entre a Turquia, a Síria e o Curdistão iraquiano, imediatamente após o início da guerra. Duvidoso, de Eliran Elya. Teatro, Israel; 2017 – 88' (quinta-feira, 13, às 17h) Um diretor um tanto indeciso ensina a fazer vídeos para um grupo de crianças em prisão domiciliar. Será difícil enfrentar as provocações, desestabilizar a desconfiança e encontrar uma oportunidade de redenção. A autonarrativa e a partilha com os outros trarão amizade e ilusões, mas trarão à tona toda a fragilidade e drama da vida à margem. Baseado em uma história real. Fatwa, de Mahmoud Ben Mahmoud. Drama, Tunísia, Bélgica; 2018 – 102' (quinta-feira, 13, às 21h) Brahim retorna da Europa para a Tunísia para o funeral de seu filho Marouane, que morreu em um misterioso acidente. Na tentativa de reconstruir os últimos dias de vida do menino e as memórias de um relacionamento há muito perdido, o homem é dilacerado pelos conflitos culturais, familiares e religiosos que pensava ter deixado para trás. A interação com duas mulheres aparentemente opostas traz à tona verdades desconfortáveis. O céu sem gente, de Lucien Bourjeily. Drama, Líbano; 2017 – 90' (sexta-feira 14h00 às 15h00) Um almoço no Líbano durante a Páscoa. Os membros da família de Josephine finalmente se reuniram depois de muito tempo; cada um com sua própria história, suas ideias políticas e religiosas, seus segredos. Uma descoberta surpreendente desperta velhos e novos desentendimentos que trazem à tona o pior de cada um. Mal-entendidos e conflitos parecem insolúveis. Em As Garras de um Século Querendo, de Jewel Maranan. Documentário, Filipinas; 2017 – 120' (quarta-feira, 12, às 15h) Documentário filmado nas Filipinas, no distrito de Tondo. favelas do porto de Manila. Um programa do governo intervém com demolições e realocações para abrir espaço para atividades comerciais. Famílias, crianças, homens e mulheres vivem, sobrevivem, trabalham, cozinham, adoecem, curam, discutem entre lixo, chapas e mercadorias, na fronteira contraditória entre a lentidão e o caos. Kairós, de Paul Barakat. Drama, Austrália; 2018 – 87' (quinta-feira, 13, às 19h) Danny é um Down boy, ex-campeão de ginástica artística, que limpa a academia de boxe de John, um treinador em busca de uma redenção humana e esportiva. Um segredo irá prendê-los, enquanto Danny iniciará sua jornada pessoal de consciência, afundando no fogo do "Kairos", dimensão do "momento supremo", o aqui e agora onde tomar decisões extremas. Lysis, de Rick Ostermann. Teatro, Alemanha; 2018 – 91' (terça-feira, 11, às 15h) A viagem catártica de pai e filho que, após a morte da mãe, tentam recuperar uma relação e memória indescritíveis. Entre riachos de montanha e bosques remotos, as divergências de objetivos, linguagens e intenções são cada vez mais prementes. Dois atores, numa improvisação narrativa, interpretam a hostilidade e a dor numa viagem real, registada por três câmaras, duas das quais subjetivas. Fortaleza Mãe, de Maria Luisa Forenza. Documentário, Itália, Síria; 2018 – 78' Documentário, rodado entre 2014 e 2017 à beira da guerra na Síria, conta tanto a "fortaleza mãe", o Mosteiro de São Tiago mutilado em Qarah na Síria, quanto a "fortaleza mãe", madre Agnes, que com os monges e freiras carmelitas de diferentes origens levam ajuda moral e material à população civil ainda sitiada pela guerra e pelos escombros. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.