Ele perguntou a eles em face da riqueza, da pobreza e dos bens da terra

Ele perguntou a eles em face da riqueza, da pobreza e dos bens da terra

Roma (NEV), 23 de julho de 2019 – A 56ª sessão de formação ecumênica da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) foi aberta ontem em Assis. Cerca de 200 participantes de toda a Itália estão reunidos até 27 de julho sobre o tema “As igrejas diante da riqueza, da pobreza e dos bens da terra”.

“O abismo que separa pobres e ricos é cada vez mais profundo. Quem vai preenchê-lo? Este compromisso comum dos cristãos aliviará nossas divisões”, escreveu o monsenhor Ambrogio Spreaficobispo de Frosinone-Veroli-Ferentino, em mensagem lida pelo presidente da SAE, Pedro Stefanina abertura da reunião. O bispo recordou a experiência dos corredores humanitários, “nascidos e criados em fraterna colaboração ecumênica”.

A SAE dedicou duas sessões ao tema da relação das igrejas com a riqueza e a pobreza: “É um tema que divide as igrejas pelas escolhas que fazem para lidar com isso. Muitas vezes ações antitéticas comparadas ao mesmo Evangelho ouvido. E as igrejas muitas vezes falaram dos pobres, mas não ouviram sua voz, não abriram espaços inclusivos”, diz o comunicado da SAE. Citando o economista Luigino Bruni, Stefani recordou que “não só os pobres precisam de ajuda, como escreve o proponente da ‘economia de comunhão’, mas precisam ser levados a sério como sujeitos e como pessoas pensantes” e falou sobre como fazer uma “escolha preferencial a favor dos pobres”. Apenas em Assis no próximo ano haverá uma grande conferência desejada pelo Papa Francisco, por sugestão do próprio Luigino Bruni, “Economia de Francesco”.

Ontem vi os relatórios de Hans Gutiérrez Salazarda Faculdade de Teologia Adventista, que falou da divisão intransponível entre o norte e o sul do mundo que “não é apenas um fosso económico cada vez mais radicalizado”, mas também um fosso de visão, entre “uma forma ‘europeia’, nascida na modernidade e com o mito do progresso a todo custo, que exclui outras civilizações consideradas primitivas e da natureza, e uma sociedade de equilíbrio, que valoriza as pessoas, que prefere cuidar dos relacionamentos à aceleração e hipertrofia do ego” . Vicente I. Ifeme, delegado do ecumenismo da diocese de San Benedetto del Tronto-Ripatransone-Montalto, trouxe o testemunho de “um homem entre dois mundos, Itália e Nigéria, partindo da discriminação econômica, da falta de justiça, de um neocolonialismo generalizado disfarçado, pela corrupção dos governantes. A África como o paradoxo de um continente rico afundando na pobreza e no qual os conflitos tribais e políticos são muitas vezes confundidos com conflitos religiosos”. Mesmo as igrejas, observa Ifeme, têm a responsabilidade de não estarem do lado dos pobres. Mas a África “também é bonita, forte, resiliente, espiritual. A resposta para seus muitos problemas deve vir de suas qualidades mais positivas. À tarde, o monge falou Guido Dotti e o pastor luterano Eva Guldanova.

Os trabalhos prosseguem até 27 de julho e incluem, além de inúmeras reportagens, reflexões, debates e momentos de oração, também oficinas sobre ricos e pobres no cinema, sobre justiça, paz e proteção da criação, sobre velhas e novas pobrezas , novas formas econômicas, justiça e vida das mulheres. Muitas propriedades protestantes, incluindo a de Gianna Urziojornalista valdense; Luciano Zappellaestudioso bíblico valdense; William Jourdanpastor valdense; Cláudio Garroneauditor ambiental valdense; Dorothee Mackpastora valdense; Ulrike Jourdanpastor metodista; Gabriela Liopastor batista e presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI); Erica Sfreddapregador valdense; Giuseppina Bagnatopastora valdense; David Romanopastor adventista; Elizabeth Ribetteólogo valdense.

Quinta-feira 25 de julho um dia sobre “O Deus dos pobres” com a mesa redonda “Somos mendigos isso é verdade”, com Anna Foada Universidade “La Sapienza” de Roma, Yassine Laframpresidente da União das Comunidades Islâmicas da Itália (UCOII), Stephanie Monti do mosteiro capuchinho Clarisse de Fiera di Primiero e o teólogo valdense Paulo rico.

Baixe a programação completa clicando AQUI.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dois territórios, uma igreja.  Alessandra Trotta no Sínodo do Rio de La Plata

Dois territórios, uma igreja. Alessandra Trotta no Sínodo do Rio de La Plata

Roma (NEV), 4 de fevereiro de 2020 – “Três novos membros foram eleitos para a Mesa Valdense na Itália e, de sete membros, cinco são mulheres. Esta é uma grande transformação. Até meu sotaque – talvez alguém perceba – é uma grande mudança. Para nossa igreja na Itália, ter um moderador siciliano, uma mulher, um diácono e um metodista é um grande desafio. Com isso quero dizer que estamos em meio a grandes transformações e que nossa Igreja está tentando entender como elas são vividas”. Alessandra Trottamoderadora da Mesa Valdense, que participa do Sínodo da Igreja Valdense do Rio de La Plata, transmitiu sua saudação aos sinodais com um discurso que abrangeu desde as linhas comuns, até as transformações e desafios atuais que os dois áreas da Igreja Evangélica Valdense estão enfrentando. “Já estamos vivendo uma transformação, nossa igreja está mudando. Às vezes não percebemos que compartilhamos esse desafio de mudar com vocês, mas devemos repensar nossa relação mesmo nas transformações que a igreja está vivendo, repensar os modelos, as estruturas, as prioridades, as coisas mais importantes”, disse Trotta. O moderador italiano referiu-se ainda a alguns esquemas comuns de trabalho que são discutidos pelos órgãos executivos de cada área, como a intensificação das trocas – “porque faz diferença quando, por um tempo, você pode andar na roupa do outro . Assim compreenderemos melhor o contexto em que se forma o seu testemunho, compreenderemos as suas preocupações, os seus sonhos, mas também o que está a viver, as ações em que põe o seu corpo, os recursos que põe em jogo: isto seria muito bom”, continuou. Continuando com as preocupações compartilhadas pelas duas áreas da igreja valdense, Trotta se referiu ao tema que a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália decidiu desenvolver nas atividades de 17 de fevereiro: o anti-semitismo. “Esses discursos de ódio atingem tudo o que não é 'conforme': os judeus, mas com a mesma força, violência e agressão, – pelo menos na Itália – também imigrantes, mulheres emancipadas, homossexuais. O projeto é o mesmo e acho que as igrejas, que têm uma sensibilidade particular, devem se responsabilizar por fazer soar o alarme”. ...

Ler artigo
Pequenos valdenses crescem – Nev

Pequenos valdenses crescem – Nev

Torre Pellice (NEV), 24 de agosto de 2023 – “Gostaríamos de uma igreja com escorregas e plantas no interior. Gostaríamos que todos pudessem dar a sua opinião, eliminação dos trabalhos de casa, cidades mais coloridas”. O “Sínodo para as crianças” reunido recentemente em Torre Pellice apresentou os seus pedidos precisos à assembleia homóloga dos adultos no final da tarde de 24 de Agosto. Sobre o que é isso? A carta com os pedidos do Sínodo das Crianças Traversari Gesine, coordenadora do grupo de trabalho para a organização do Sínodo sobre as crianças, nomeada pelo Conselho Valdense por mandato do Sínodo do ano passado, e mãe de três crianças que participaram no projeto, explica: “O grupo de trabalho era composto por 5 pessoas. A ideia surgiu do fato de uma menina, num sínodo passado, ter perguntado aos seus pais: “Mas onde está o meu sínodo?”. Daí a vontade de responder e organizar o Sínodo das Crianças. Procurámos, portanto, pensar no que poderia ser, promover um percurso que fosse mais do que babysitting, mas sim uma atividade pensada na perspetiva das crianças. Foram-lhes propostos temas como a participação democrática, falavam de direitos e liberdades, e também da comunhão entre eles. Para nós, adultos, que participamos no Sínodo Valdense é também um momento em que nos reencontramos e estamos juntos todos os anos, portanto paralelamente a iniciativa para os mais pequenos é um investimento nas relações entre eles e, mais importante ainda, neles gostam muito". Dezesseis crianças de toda a Itália, com idades entre 5 e 13 anos, participam do Sínodo para as crianças, pela manhã há "cultini", ou momentos de oração, depois visitas e itinerários: foram convidados da Rádio Beckwith, em Villa Holland, participou de diversas oficinas, visitou o museu valdense, jogou jogos e realizou inúmeras atividades práticas. Fizemos algumas perguntas aos pequenos participantes desta versão reduzida do corpo executivo das igrejas valdenses. O que é o Sínodo? “Um momento em que os adultos se encontram e discutem coisas importantes na igreja”, explica Matteo, 10 anos, de Veneza. Quem é Jesus? “Ele é o Filho de Deus, é como um amigo e nos protege e morreu por nós, para que sejamos livres”. Do que você gostou mais? “Encontrar as outras crianças”, acrescenta outro pequeno sinodal. Para Martina, 9 anos, de Verona, o Sínodo das crianças está indo “bem”, ela não sabe do que menos gostou porque “tudo é lindo”. Sobre os adultos, ele sabe que “eles trocam informações, escolhem se querem mudar algumas coisas ou não... Os bancos deveriam ser trocados, porque são assentos do século XIX”. Quem são os valdenses? “Outra religião que não tem Papa, não tem padres, a mulher pode fazer tudo... Uma pastora é como um padre, só mulher, e pode casar”. Voltando ao mundo dos adultos, “propusemos atividades adaptadas à idade das crianças, paralelamente ao Sínodo dos adultos, procurando seguir os temas propostos pela assembleia dos “grandes”, e os mais pequenos mostraram que saiba como se sentir bem todos juntos. É uma experiência muito positiva”, afirma Miriam Bufapsicoterapeuta, um dos animadores do Sínodo dos pequenos, junto com um grupo de voluntários. «No Sínodo anterior, em 2022, foi aprovado um ato em que era solicitada a organização deste espaço – acrescenta Daniele Parisiprofessora e membro do grupo de trabalho que idealizou a iniciativa - que já não se tratava apenas de uma babá para permitir que deputados, párocos e pastoras com crianças participassem no Sínodo, mas também uma forma de devolver às crianças e às meninas um momento central na vida da nossa igreja”. No final da tarde de quinta-feira, 24 de agosto, os meninos e meninas do Sínodo foram recebidos na sala sinodal, onde apresentaram a sua carta repleta de propostas. Resultado? Uma ovação de pé e uma moção votada em tempo recorde: o Sínodo das Crianças estará lá novamente no próximo ano. Para saber mais: Um Sínodo “amigo das crianças”, Reforma28/07/2023 As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Rádio GLAM, compromisso dia 29 de janeiro

Rádio GLAM, compromisso dia 29 de janeiro

Roma (NEV), 24 de janeiro de 2023 – Está no ar o terceiro episódio da Rádio GLAM, uma iniciativa da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Encontro domingo, 29 de janeiro de 2023, de 18 a 19. Desta vez, o tema é: "Urgência climática: conscientização nas igrejas e ações concretas". Caixas de som: Igreja Evangélica Metodista de Novara, com seus membros e pároco Andreas Koehn. Ilaria CastaldoTenente Auxiliar do Exército de Salvação (EdS) que serve em Ischia. Para marcar participação escreva para:[email protected] Para comunicações urgentes ligue: 335/7263374 A Rádio GLAM foi criada para coletar "Testemunhos e/ou informações de comunidades ecológicas, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e à proteção da criação que a GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais…” Quem ouve Rádio GLAM? Todos aqueles que têm interesse em fazer parte desta comunidade, que se questiona e se une numa eco-comunidade ou que olha com curiosidade para conhecer, propor, participar até com um contributo criativo, música, leitura, partilha de materiais . Por que o nome Radio GLAM? Porque usa a linguagem direta e imediata do rádio, uma linguagem simples na qual jovens e adultos podem se reconhecer e se expressar. Quando Rádio GLAM? Todos os meses, um encontro de uma hora durante o qual haverá testemunhos e/ou informações de eco comunidades, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais… Como assinar a Rádio GLAM? Envie um e-mail para o seguinte endereço de e-mail [email protected] ou entre em contato com os representantes da comunidade ecológica. Até breve nessas frequências! ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.