Ele perguntou a eles em face da riqueza, da pobreza e dos bens da terra

Ele perguntou a eles em face da riqueza, da pobreza e dos bens da terra

Roma (NEV), 23 de julho de 2019 – A 56ª sessão de formação ecumênica da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) foi aberta ontem em Assis. Cerca de 200 participantes de toda a Itália estão reunidos até 27 de julho sobre o tema “As igrejas diante da riqueza, da pobreza e dos bens da terra”.

“O abismo que separa pobres e ricos é cada vez mais profundo. Quem vai preenchê-lo? Este compromisso comum dos cristãos aliviará nossas divisões”, escreveu o monsenhor Ambrogio Spreaficobispo de Frosinone-Veroli-Ferentino, em mensagem lida pelo presidente da SAE, Pedro Stefanina abertura da reunião. O bispo recordou a experiência dos corredores humanitários, “nascidos e criados em fraterna colaboração ecumênica”.

A SAE dedicou duas sessões ao tema da relação das igrejas com a riqueza e a pobreza: “É um tema que divide as igrejas pelas escolhas que fazem para lidar com isso. Muitas vezes ações antitéticas comparadas ao mesmo Evangelho ouvido. E as igrejas muitas vezes falaram dos pobres, mas não ouviram sua voz, não abriram espaços inclusivos”, diz o comunicado da SAE. Citando o economista Luigino Bruni, Stefani recordou que “não só os pobres precisam de ajuda, como escreve o proponente da ‘economia de comunhão’, mas precisam ser levados a sério como sujeitos e como pessoas pensantes” e falou sobre como fazer uma “escolha preferencial a favor dos pobres”. Apenas em Assis no próximo ano haverá uma grande conferência desejada pelo Papa Francisco, por sugestão do próprio Luigino Bruni, “Economia de Francesco”.

Ontem vi os relatórios de Hans Gutiérrez Salazarda Faculdade de Teologia Adventista, que falou da divisão intransponível entre o norte e o sul do mundo que “não é apenas um fosso económico cada vez mais radicalizado”, mas também um fosso de visão, entre “uma forma ‘europeia’, nascida na modernidade e com o mito do progresso a todo custo, que exclui outras civilizações consideradas primitivas e da natureza, e uma sociedade de equilíbrio, que valoriza as pessoas, que prefere cuidar dos relacionamentos à aceleração e hipertrofia do ego” . Vicente I. Ifeme, delegado do ecumenismo da diocese de San Benedetto del Tronto-Ripatransone-Montalto, trouxe o testemunho de “um homem entre dois mundos, Itália e Nigéria, partindo da discriminação econômica, da falta de justiça, de um neocolonialismo generalizado disfarçado, pela corrupção dos governantes. A África como o paradoxo de um continente rico afundando na pobreza e no qual os conflitos tribais e políticos são muitas vezes confundidos com conflitos religiosos”. Mesmo as igrejas, observa Ifeme, têm a responsabilidade de não estarem do lado dos pobres. Mas a África “também é bonita, forte, resiliente, espiritual. A resposta para seus muitos problemas deve vir de suas qualidades mais positivas. À tarde, o monge falou Guido Dotti e o pastor luterano Eva Guldanova.

Os trabalhos prosseguem até 27 de julho e incluem, além de inúmeras reportagens, reflexões, debates e momentos de oração, também oficinas sobre ricos e pobres no cinema, sobre justiça, paz e proteção da criação, sobre velhas e novas pobrezas , novas formas econômicas, justiça e vida das mulheres. Muitas propriedades protestantes, incluindo a de Gianna Urziojornalista valdense; Luciano Zappellaestudioso bíblico valdense; William Jourdanpastor valdense; Cláudio Garroneauditor ambiental valdense; Dorothee Mackpastora valdense; Ulrike Jourdanpastor metodista; Gabriela Liopastor batista e presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI); Erica Sfreddapregador valdense; Giuseppina Bagnatopastora valdense; David Romanopastor adventista; Elizabeth Ribetteólogo valdense.

Quinta-feira 25 de julho um dia sobre “O Deus dos pobres” com a mesa redonda “Somos mendigos isso é verdade”, com Anna Foada Universidade “La Sapienza” de Roma, Yassine Laframpresidente da União das Comunidades Islâmicas da Itália (UCOII), Stephanie Monti do mosteiro capuchinho Clarisse de Fiera di Primiero e o teólogo valdense Paulo rico.

Baixe a programação completa clicando AQUI.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ucrânia: impotência ecumênica – Nev

Ucrânia: impotência ecumênica – Nev

Moscou, Rússia, Rogozhsky Old-Believers Settlement. Foto de Yura Timoshenko (unsplash.com) Roma (NEV), 13 de março de 2022 – Contribuição de Luca Maria Negro para o culto de rádio - coluna "O caminho para a unidade", exibida no programa "Culto evangélico", na Rádio RAI 1, domingo, 13 de março de 2022 - A guerra na Ucrânia representa uma tragédia não só para o povo ucraniano, para o povo russo e para os povos de toda a região, aliás de toda a Europa: representa também um retrocesso dramático para o movimento ecuménico. De fato, na Ucrânia e na Rússia, as igrejas não fazem parte da possível solução do conflito, mas do problema. Em primeiro lugar, a Ortodoxia na Ucrânia parece radicalmente dividida internamente, entre a parte (até agora a maioria) encabeçada pelo Patriarcado de Moscou e a Igreja Ortodoxa autocéfala, ou seja, independente, cuja autonomia foi reconhecida em 2018 pelo Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, não sem forte pressão de políticos nacionalistas ucranianos e, diz-se, do próprio presidente dos Estados Unidos, Trump, que teria visto nesse movimento um enfraquecimento da esfera de influência russa na Ucrânia. Mas mesmo a mesma parte da Igreja que é fiel a Moscou parece cada vez mais dividida internamente, devido à posição ambígua expressa pelo Patriarca de Moscou, Kirill, que no início do conflito expressou preocupação com a situação, mas sem exagerar e, acima de tudo, sem lançar um apelo claro para a cessação das hostilidades, ao contrário do Metropolita de Kiev Onuphry que, apesar de ser ele próprio do Patriarcado Moscovita, expressou uma clara condenação da agressão russa. A princípio, Kirill parecia apoiar seu metropolita de Kiev, mas com o passar dos dias ficou cada vez mais claro o quão próximo o patriarca russo está intimamente ligado a Putin: o sermão de 6 de março, definido por muitos como "alucinante", com o qual Kirill justificou a guerra como um choque de civilizações entre a Rússia autenticamente cristã e o Ocidente pró-gay que gostaria de exportar o Orgulho Gay para todo o lado. O resultado da postura pró-Putin de Kirill, ao que parece, é que vários bispos ucranianos do Patriarcado de Moscou decidiram não mencionar Kirill novamente nas liturgias divinas: o que equivale a um cisma de fato. E as outras confissões? Os vários organismos ecumênicos e também organizações protestantes internacionais, como luteranas, metodistas e reformadas, condenaram a agressão russa em termos inequívocos e instaram o Patriarca Kirill a se posicionar contra a guerra – até agora em vão, como vimos. Os batistas ucranianos, que são a principal denominação protestante do país, pediram para rezar pela paz e estão fazendo esforços concretos para mostrar solidariedade às pessoas afetadas pelo conflito. O Papa tem repetidamente condenado a guerra, e o Secretário de Estado, Cardeal Parolin, tem dado ao Vaticano a disponibilidade para a mediação: mas de alguma forma a Igreja Católica também é parte, por causa da velha questão dos "Uniatas" ou Católicos Gregos , ou seja, aqueles ortodoxos ucranianos que se juntaram a Roma ao longo dos séculos e alguns dos quais, mesmo recentemente, expressaram posições ultranacionalistas. Neste quadro de real impotência ecumênica há pelo menos uma pequena luz, que vem das bases da Igreja: é a carta aberta de 233 sacerdotes e diáconos da Igreja Ortodoxa Russa, que pediram a cessação imediata desta " guerra fratricida" e convidaram ao diálogo, porque "só a capacidade de escutar o outro pode dar esperança a uma saída do abismo em que nossos países foram lançados em poucos dias". ...

Ler artigo
É hora de twittar contra a violência.  #ThursdaysInBlack no Kirchentag

É hora de twittar contra a violência. #ThursdaysInBlack no Kirchentag

Roma (NEV), 19 de junho de 2019 – Em 20 de junho, durante o Kirchentag, o festival da igreja protestante na Alemanha, #ThursdaysInBlack, a campanha global por um mundo sem estupro e violência, subirá ao palco durante a apresentação do meio-dia. O 37º Kirchentag acontecerá em Dortmund de 19 a 23 de junho e atrairá mais de 100.000 pessoas. Mais de dois mil eventos serão realizados em 200 localidades ao longo de cinco dias. O Secretário-Geral Adjunto do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Isabel Apawo Phiri, compartilhará seu compromisso pessoal e ecumênico pela superação da violência de gênero. Estarão com ela palestrantes da Argentina, Índia e Alemanha. A música dos Oybele Feschthall Singers, conduzida pelo Kapellmeister Johannes Helleracompanhará a mobilização. Durante o evento, o CMI convida todas as pessoas de boa vontade a twittar seu apoio e expressar solidariedade em massa. Podemos atingir nosso objetivo de um número recorde de tweets #ThursdaysinBlack em uma hora? #ThursdaysinBlack é uma campanha nascida da Década das Igrejas em Solidariedade com as Mulheres (1988-1998), na qual elas trabalharam para tornar visíveis histórias sobre estupro como arma de guerra, injustiça de gênero, abuso, violência. O estande do WCC no Kirchentag 2019 está localizado no Halle 7 Redes Sociais CEC: Twitter: @oikoumene facebook.com/worldcouncilofchurches Instagram: @worldcouncilofchurches ...

Ler artigo
Jørgen Skov Sørensen novo secretário-geral da Conferência das Igrejas Europeias

Jørgen Skov Sørensen novo secretário-geral da Conferência das Igrejas Europeias

Jørgen Skov Sørensen Roma (NEV/Riforma.it), 22 de novembro de 2019 – Dr. Jørgen Skov Sørensen foi nomeado novo Secretário Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Nascido em Kolding, Dinamarca, aos 55 anos, chega ao CEC com vasta experiência em teologia, missão, ecumenismo, liderança, comunicação e gestão. O conselho da CEC anunciou a decisão em 21 de novembro em uma reunião em Bruxelas. Skov Sørensen assumirá o cargo em janeiro de 2020. “É com grande prazer que anunciamos a nomeação do Dr. Jørgen Skov Sørensen como o novo Secretário Geral da CEC,” disse o Presidente da CEC, Pastor Christian Krieger. “Estamos confiantes de que ele conduzirá a Conferência no caminho que visa acompanhar suas Igrejas e organizações em parceria, trabalhando juntos na esperança e no testemunho, servindo a Europa e promovendo a paz e a unidade da Igreja”. “Agradeço ao conselho de administração da CEC por me confiar a responsabilidade de liderar a Conferência das Igrejas da Europa em tempos de mudança em nosso continente - disse Skov Sørensen -. Acredito que o cristianismo definiu nosso continente como o conhecemos e que nossa herança desempenhará um papel na formação de nosso futuro comum. A CEC ocupa uma posição única entre as igrejas e a sociedade em geral que estou ansioso para explorar." Skov Sørensen é PhD em Missiologia, Teologia Ecumênica e Sistemática pela University of Birmingham, Reino Unido, e PhD em Teologia Ecumênica pela Aarhus University, Dinamarca. Ele serviu como secretário geral da Danmission, a maior e mais antiga organização missionária da Dinamarca, e também liderou a Igreja Evangélica Luterana na Dinamarca (ELCD) em vários níveis. Ele ocupou vários cargos acadêmicos na Universidade de Aarhus e no United College of the Ascension, Reino Unido, e ocupou cargos na Sociedade Missionária Dinamarquesa e na Igreja Dinamarquesa no Exterior – Hong Kong. Skov Sørensen atuou em várias diretorias e conselhos dinamarqueses e internacionais, incluindo Dan Church Aid, Lutheran World Federation (FLM) Endowment Fund, Center for the Study of Religion and Society, University of Aarhus, Danish Church Abroad, Eksistensen Christian Think Tank, Amphlett Scholarship Foundation e Areopagos Foundation. Ele é autor de numerosos artigos e publicações sobre questões internacionais e ecumênicas. Além das línguas escandinavas, ele fala inglês, alemão, francês e chinês mandarim. O conselho expressou gratidão ao ex-secretário geral, padre Heikki Huttunenpelos serviços prestados à CEC, contribuição e empenho. O CEC é uma comunidade de 114 igrejas ortodoxas, protestantes, anglicanas e católicas antigas de todos os países da Europa, bem como 40 conselhos nacionais de igrejas e organizações parceiras. A CEC foi fundada em 1959. Tem escritórios em Bruxelas e Estrasburgo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.