Novas indicações da Tabela Valdense para cultos e atividades

Novas indicações da Tabela Valdense para cultos e atividades

Roma (NEV), 9 de novembro de 2020 – Em 6 de novembro, o Conselho Valdense enviou uma carta às igrejas (para pastores e pastores, diáconos e diáconos da comunidade, membros de consistórios e conselhos de igrejas, conselhos de circuito e comissões executivas distritais) no qual moderador Alessandra Trotta dá indicações explicativas e práticas quanto aos procedimentos a seguir para a realização dos cultos e atividades afins, na sequência das mais recentes decisões governamentais. O site churchvaldese.org deu a notícia esta manhã. Em cumprimento ao Dpcm de 3 de novembro, a Mesa Valdense “recomenda, portanto, o seguimento de uma série de procedimentos destinados a conter o risco de contágio, desde que seja permitido o culto ‘presencial’”.

“É cada vez mais evidente – escreve o moderador – que atravessamos uma verdadeira “crise global”. Para muitas das gerações vivas, esta é a primeira experiência percebida de uma crise global; mas apesar de tudo pode-se dizer que é a primeira experiência de uma crise global desta qualidade e dimensão. Perante esta realidade, a Igreja deve desenvolver a sua própria “sabedoria”, que passa também da educação (particularmente importante para quem desempenha funções de liderança) para enfrentar as emergências sem se deixar abater pelas emoções (próprias e alheias), mas procurando uma racionalidade partilhada assente na objectividade dos factos e dos dados que os descrevem, a recolher e avaliar com paciência e confiança, mas que no entanto sabe sempre ver, por detrás dos dados, as pessoas de carne e osso sobre quem recaem as escolhas em seu contexto específico”.

Perante este estado de grave necessidade, não faltam as raízes bíblicas das nossas escolhas: em particular aquela “inteligência do coração, que – nas palavras de Salomão – pedimos ao Senhor que nos conceda de mãos cheias, enquanto renovamos um forte apelo ao responsabilidade, em dois sentidos fundamentais: por um lado, para os conselhos/consistórios eclesiásticos, a necessidade, mas também a serenidade de fazer escolhas que (obviamente dentro dos espaços de “possibilidade” oferecidos pelos regulamentos em vigor) tenham devidamente em conta a contexto local, a composição da comunidade, a presença de pessoas particularmente expostas ao risco, as formas como as pessoas vão à igreja, sem medo de julgamentos ou tentação de entrar em lógicas competitivas em relação às escolhas de outras igrejas, próximas e distante. Por outro lado, a necessidade de fiscalizar com extremo rigor o cumprimento efectivo das medidas de protecção e distanciamento no interior dos recintos e durante as actividades eclesiásticas (…), mas também de fomentar uma auto-responsabilidade mais geral por parte de todos, adultos e filhos, em todos os âmbitos da vida e das relações também fora da Igreja, como forma de educação certamente não desvinculada das tarefas de uma comunidade evangélica”.

Após as indicações práticas, o moderador conclui com uma palavra de esperança: “Não duvidemos de que o Senhor manterá firme o nosso coração e guiará os nossos passos neste clima, dando-nos forças renovadas, amor criativo, clareza de visão!”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Novo corredor humanitário do Líbano

Novo corredor humanitário do Líbano

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) Roma (NEV), 25 de março de 2022 – Enquanto o drama da guerra na Ucrânia está em curso, os corredores humanitários continuam a salvar os refugiados vítimas de outro conflito que dura mais de 11 anos, o da Síria. Um caminho de salvação que se mostra ainda mais importante neste momento diante da atual e grave crise internacional. 85 refugiados sírios que vivem há muitos anos em campos de refugiados no Vale do Bekaa e no norte do Líbano e que nos últimos meses sofreram um agravamento das suas condições de vida não só devido à pandemia mas também à gravíssima situação política, económica e social crise que este país atravessa. A este primeiro grupo juntar-se-ão mais 20 pessoas, cuja chegada está prevista para 28 de março, num total de 105 pessoas. Entre eles, 38 são menores de idade: algumas crianças doentes para as quais o tratamento não é mais garantido no Líbano e jovens que nunca puderam frequentar a escola nos últimos anos. Antes da partida, todos os refugiados receberam a vacina anti-Covid 19 graças ao corpo médico e de enfermagem da Defesa, que trabalham no país sob a coordenação do Comando Operacional da Cúpula de Forças Conjuntas (COVI).. Sua entrada na Itália foi possível através dos corredores humanitários promovidos pela Comunidade de Sant'Egidio, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e a Tavola Valdese, em acordo com os Ministérios do Interior e das Relações Exteriores, que desde fevereiro de 2016 trouxeram em nosso país mais de 2150 pessoas. Ao todo, mais de 4.400 requerentes de asilo chegaram à Europa pelos corredores humanitários. As famílias que chegaram esta manhã serão também acolhidas por associações, freguesias, comunidades e cidadãos individuais em várias regiões italianas (Piemonte, Lombardia, Vêneto, Emília, Toscana, Lazio, Sicília) e será lançado em um caminho de integração: para menores através de matrícula imediata na escola e para adultos, imediatamente com'aprendizagem da língua italiana e, uma vez obtido o estatuto de refugiado, entrada no mundo do trabalho. Os corredores humanitários, inteiramente autofinanciados (a partir da arrecadação de Sant'Egidio e dos 8 por mil da Mesa Valdense) e criados graças a uma ampla rede de acolhimento, representam um Melhores Práticas para todos aqueles que são forçados a deixar suas casas para escapar do horror das guerras que combinam solidariedade e segurança. Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, declarou: “Novas emergências e abertura de novas frentes não eliminam as consequências de outras tragédias e não atenuam a necessidade de apoiar aqueles que buscam em outro lugar novas chances de vida ou mesmo de sobrevivência. Este é o sentido da chegada de refugiados da Síria, pelo sempre ativo corredor humanitário do Líbano”. ...

Ler artigo
Anne Frank e Etty Hillesum, dois diários comparados

Anne Frank e Etty Hillesum, dois diários comparados

Roma (NEV), 23 de janeiro de 2023 – Os diários de dois extraordinários escritores e testemunhas da Shoah, Anne Frank E Etty Hillesum, estará no centro de uma iniciativa para o Dia da Memória, que se celebra a 27 de janeiro. A sessão pública, que contará com a presença do Prof. Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, e Lia Tagliacozzoescritor, acontecerá em Roma, na igreja metodista na via XX Settembre 122, às 18h30. Para saber mais: ...

Ler artigo
Política, rumo às eleições, valdenses: que prevaleça “o bem das cidades”

Política, rumo às eleições, valdenses: que prevaleça “o bem das cidades”

O culto de abertura do Sínodo 2022. Foto de Daniele Vola Torre Pellice (TO), 26 de agosto de 2022 – A um mês das eleições políticas, o Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense, reunido em Torre Pellice (Turim), manifesta sua preocupação com a tendência à radicalização entendida como recusa ao diálogo e a demonização do adversário político e hoje aprovou uma moção para expressar uma "oração pelo bem da cidade" (Jeremias 29). O Sínodo não se pronuncia sobre o mérito do voto - segundo a sua tradição secular e respeitando as distintas áreas entre Igreja e Estado - e ao mesmo tempo espera dos eleitores e eleitores, especialmente dos cristãos, que a sua livre escolha na urna nasce de um discernimento responsável. Por fim, os Valdenses, conscientes de que muitos não votam porque não têm cidadania, têm pedido a favor do alargamento do direito à cidadania, conscientes de que as escolhas pessoais também recaem sobre aqueles que (ainda) não têm direito à escolher. AQUI O TEXTO COMPLETO do Ato do Sínodo_elections_text.docx ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.