Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade

Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade

Foto: Amber – Unsplash

Roma (NEV) 30 de agosto de 2022 – Após a introdução sobre “Água, seca e arredores” assinada por Maria Elena Lacquaniticoordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), continua o ciclo de insights sobre esse recurso fundamental para a existência.

A nova contribuição do GLAM intitula-se “Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade” e é editada por Antonella Visintin. No documento, a partir de alguns dados sobre a precipitação, sobre o aumento das temperaturas e sobre os fenómenos de seca em Itália, são recolhidas algumas propostas operacionais. Eles dizem respeito não apenas aos campos agrícola e industrial, mas também aos domésticos e pessoais.

Além da crise da água

Uma das palavras de ordem do GLAM é “consciência”. Falar sobre a crise hídrica pode ser uma das formas de conscientizar as pessoas, contra o desperdício e pelo consumo responsável de água, alimentos e recursos em geral.

“A crise hídrica ocorreu num contexto económico extremamente crítico, com empresas já experimentadas pelos fortes aumentos dos custos de produção decorrentes do conflito na Ucrânia, mas não só: energia, fertilizantes, rações, gasóleo, sementes, produtos fitofarmacêuticos” lê-se no documento.

Um ponto delicado é o que diz respeito à gestão da água: quase um bilhão de metros cúbicos de água escapam todos os anos devido a vazamentos no abastecimento de água público e privado. Além disso, poderia melhorar o armazenamento da água da chuva, promover o uso racional nos setores agrícola e industrial, conscientizar a população sobre o uso responsável da água “como um bem comum a ser preservado para as gerações futuras”.

Um ponto de partida, diz GLAM, “poderia ser o plano de adaptação climática desenvolvido em 2018 pelo então Ministro do Ambiente Gianluca Galletti (nunca aprovado), que enumerava as emergências dos territórios, os riscos repartidos por macrorregiões, as infraestruturas a construir, os tempos e o compromisso financeiro”.

O documento faz parte de uma série de reflexões editadas pelo GLAM por ocasião do “Tempo da Criação”, período litúrgico ecumênico mundial que começa todos os anos em 1º de setembro e termina em 4 de outubro, e que deu seus primeiros passos com a União Europeia Assembléia Ecumênica em Graz (Áustria) em 1997.

Baixe aqui:

Água e arredores – INTRODUÇÃO

Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Religiões do G20, Kitanovic (KEK): “Mais e mais casos de violação da liberdade religiosa”

Religiões do G20, Kitanovic (KEK): “Mais e mais casos de violação da liberdade religiosa”

Elle Leontiev, antisplash Roma (NEV), 23 de setembro de 2021 – Elizabeta Kitanovićsecretário executivo para os direitos humanos da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) é o protagonista da terceira e última entrevista realizada à margem do G20 das religiões, em Bolonha. A Conferência das Igrejas Europeias, juntamente com o Centro de Segurança e Crise (SACC) do Congresso Judaico Europeu (EJC), Faith Matters e a União Budista Europeia, recebeu uma subvenção de 3 milhões de euros da Comissão Europeia para a Proteção de locais de culto na Europa em maio passado. O CEC está muito comprometido com a questão da liberdade religiosa. Qual é a situação na Europa? Quais projetos estão em andamento? O nosso principal compromisso, graças ao contributo da Comissão Europeia, é dar formação sobre segurança nos locais de culto, para sensibilizar os cidadãos, através de diversas atividades de literacia religiosa. Dentro desse programa tão amplo, produzimos um guia para as agências de aplicação da lei: um documento dirigido aos "insiders", de advogados a policiais, para tentar explicar como o cristianismo, o budismo, o 'slam e o judaísmo, nos vários países, como comunidades vivem e se organizam. O segundo passo, novamente em termos de advocacia e informação, foi produzir orientações para líderes religiosos e fiéis sobre a proteção de locais de culto. Não importa se você é crente ou não, porque ter mais informação e consciência pode salvar a sua vida e salvar a vida de outras pessoas. Construímos então um website, www.sasce.eu, e promovemos centenas de cursos de formação. Os dirigidos aos líderes das igrejas, para os ajudar a tomar consciência dos riscos: isto significa que as igrejas e símbolos eclesiásticos em edifícios religiosos devem ter planos específicos de segurança. E também significa que os líderes religiosos devem manter relações muito estreitas e constantes com as forças da ordem, para prevenir qualquer ataque e episódio de possível risco. Além disso, no âmbito deste projeto, produzimos e enviamos mensalmente à Comissão Europeia um relatório sobre episódios de violação da liberdade religiosa. Uma questão particularmente importante é a da incitação ao ódio na esfera pública, com base religiosa, alarme que infelizmente registramos em constante crescimento. Queremos garantir, desta forma, que a União Europeia esteja a par das informações e denúncias que recebemos, dos relatórios que nos chegam das igrejas de todo o continente. E em maio de 2021, pela primeira vez, o executivo da comunidade produziu um guia real sobre segurança em locais de culto. Então, as violações da liberdade religiosa estão aumentando na Europa? Infelizmente, há um aumento dramático nas violações da liberdade religiosa na Europa, em todas as comunidades. Um fenómeno que, infelizmente, muitas vezes conduz ao anti-semitismo e à islamofobia, a formas gravíssimas de discriminação e, por vezes, de forma dramática, a atentados terroristas que causam mortos e feridos. Mas agora temos uma nova consciência, uma abordagem inter-religiosa para tais violações. Até recentemente, parecia que cada comunidade tendia mais a se proteger e, de fato, um mecanismo de "competição" foi acionado de alguma forma entre as vítimas. Trabalhamos em sentido ecumênico justamente para dizer que toda violação do direito de professar a própria fé conta, que todos devemos lidar com ela juntos, independentemente da confissão a que pertençamos. Este é o grande desafio que nos espera”. O projeto SASCE visa aumentar a segurança dentro e fora dos locais de culto, bem como entre as comunidades. As quatro organizações desenvolverão ferramentas para fortalecer a conscientização sobre segurança e o gerenciamento de crises. Uma rede coordenará cursos de treinamento e briefings para comunidades religiosas. Campanhas de comunicação também serão ativadas. Por fim, o projeto pretende promover a confiança e a cooperação entre a sociedade civil e as autoridades nacionais e é financiado pelo Fundo de Segurança Interna da Comissão Europeia “ISF-P” e terminará em 2023. Para saber mais sobre o tema: Outras entrevistas do G20 das religiões: Jim Winkler, presidente do Conselho Nacional de Igrejas de Cristo nos EUA (NCCCUSA) Philip Vinod PavãoSecretário Geral Interino para Programas da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) ...

Ler artigo
Culto evangélico.  Garrone sobre o anti-semitismo e a Semana da Liberdade

Culto evangélico. Garrone sobre o anti-semitismo e a Semana da Liberdade

Foto de Luca Rüegg - Unsplash Roma (NEV), 12 de janeiro de 2020 - A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália elegeu o antissemitismo como tema principal da Semana da Liberdade 2020 - evento realizado todos os anos por volta de 17 de fevereiro, data em que, em 1848, os direitos civis aos valdenses e, alguns dias depois, aos judeus. Conversamos sobre essa escolha com Daniele Garrone, professor de Antigo Testamento na Faculdade de Teologia Valdense e membro do Conselho da Federação Evangélica. O anti-semitismo será o tema da próxima Semana da Liberdade que os protestantes italianos celebram em fevereiro. Porquê este tema e porquê este ano? Daniele Garrone As palavras e atos de ódio contra os judeus estão aumentando, especialmente na Itália na web, em outros lugares da Europa e do mundo, inclusive com ataques físicos, às vezes assassinatos, profanação de cemitérios e outros ultrajes. Tudo isto num quadro que vê tons cada vez mais virulentos, muitas vezes ultrajantes, no confronto no espaço público, e em que frustrações, mal-estar e medos se vertem sobre supostos inimigos. É um terreno fértil desse tipo que viu a propagação do anti-semitismo nas últimas décadas do século XIX e início do século XX. Os sinais de anti-semitismo devem ser levados a sério antes de tudo por solidariedade com aqueles que são objeto dessa infâmia, mas também em defesa de nossas democracias constitucionais parlamentares, que quiseram reagir à época do ódio. Quais são as responsabilidades das igrejas e o que elas podem fazer para se opor ao crescente anti-semitismo em todo o mundo? A tradição cristã contribuiu durante séculos para difundir uma visão negativa do judaísmo. Após o Holocausto, iniciou-se um processo de denúncia de visões polêmicas do judaísmo e reconhecimento de suas consequências. As igrejas, também como lugares de formação, devem cultivar esta memória crítica de sua própria história e promover uma relação não conflituosa com o povo judeu. Recentemente, você supervisionou a publicação de um livro intitulado “L'ebraismo. Guia para não-judeus” Do que se trata? O título original do volume, publicado na Alemanha e distribuído em mais de 100.000 exemplares, era: “O que todos devem saber sobre o judaísmo”. Assim como durante séculos o "qualquer cristão" trazia na bagagem toda uma série de preconceitos e visões negativas em relação aos judeus, agora trata-se de enfrentar esse passado, de conhecer o judaísmo em sua realidade e de conceber a identidade cristã em termos não polêmicos. Com informações básicas, reconstrução histórica e teológica, o volume pretende contribuir, em linguagem acessível a todos, para desenvolver uma relação entre cristãos e judeus baseada no conhecimento, respeito e solidariedade O que você espera desta Semana da Liberdade 2020? Que os judeus da Itália sintam a proximidade de nossas igrejas nestes tempos sombrios, que nossas igrejas mantenham uma alta vigilância com relação à degradação do discurso de ódio e façam da "Semana" uma ocasião para refletir sobre como lidar com responsabilidade e decisão deste passagem histórica. A entrevista pode ser ouvida aqui, a partir do minuto '12 “20. ...

Ler artigo
Mulheres em igrejas e comunidades de fé: algo para mudar?

Mulheres em igrejas e comunidades de fé: algo para mudar?

Reconstrução feminina do "Quarto Stato" de Giuseppe Pellizza da Volpedo realizada por professores e alunos do instituto técnico comercial "Giovanni Caboto" de Chiavari - segunda-feira, 15 de janeiro de 2018 Roma (NEV), 5 de fevereiro de 2020 - A Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) - grupo de Milão e o Centro Cultural Protestante de Milão apresentam o seminário "Mulheres nas igrejas e comunidades de fé: algo para mudar?". É um ciclo de 4 encontros, que será aberto na segunda-feira, 10 de fevereiro, para explorar o papel das mulheres nas comunidades judaica e islâmica, nas igrejas evangélicas e na Igreja Católica Romana. “Nas igrejas e nas comunidades de fé existem diferentes ideias sobre a posição que a mulher deve ou pode ter – lê-se no cartaz -. Em algumas tradições religiosas houve notáveis ​​evoluções nos papéis aos quais eles têm acesso. De fato, dentro de sua religião, as mulheres podem ter uma importante função crítica ou proativa: onde assumiram cargos de responsabilidade, ocorreram mudanças significativas na vida e na prática da fé das comunidades. O tempo, as experiências e as reflexões espalhadas pelas diferentes confissões têm questionado as imagens consolidadas e os papéis estereotipados. Uma viagem está, portanto, em andamento. Na maioria das vezes, porém, ainda é uma jornada acidentada e com evidente resistência das comunidades em aceitar o pedido dooutra metade do céu ser mais presentes, mais responsáveis, mais protagonistas”. Os promotores também citam Susan Frederick Gray, presidente da Unitarian Universalist American Association (UUA): “O declínio não é responsabilidade das mulheres. E talvez sejamos a esperança para o futuro”. A perspectiva inicial do seminário, portanto, é que "a liderança feminina é essencial em uma época de declínio para muitas religiões". As reuniões serão coordenadas por Elza Ferrario da SAE e contará com a participação de estudiosos que desenvolverão problemáticas e perspectivas das diversas tradições religiosas. Abaixo está o programa. Baixe o cartaz Mulheres nas igrejas. segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020 Mulheres em comunidades judaicas Miriam Camerini, diretor de teatro, estudioso do judaísmo, Milão – Jerusalém segunda-feira, 9 de março de 2020 Mulheres em comunidades islâmicas Marisa Iannucci, Islamologista, presidente da Life Association, Ravenna Segunda-feira, 20 de abril de 2020 Mulheres nas Igrejas Cristãs Evangélicas Elizabeth Greenteólogo e pastor da Igreja Evangélica Batista, Cagliari segunda-feira, 11 de maio de 2020 Mulheres na Igreja Católica Romana Maria Soave BuscemiBiblista, Centro Ecumênico de Estudos Bíblicos, Brasil Os encontros serão das 18h às 19h30 na Livraria Claudiana – Via Francesco Sforza 12/a – 20122 Milão – entrada livre ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.