Redefinir nossas dívidas conosco

Redefinir nossas dívidas conosco

Foto de Ehud Neuhaus, de unsplash.com

Roma (NEV), 12 de outubro de 2020 – Você se endividou devido à crise econômica ligada à emergência de saúde da Covid? Perdeu o emprego, não consegue mais pagar o aluguel ou as contas? “Redefinir a dívida” (“redefinir” a dívida) é a nova campanha lançada no Reino Unido há alguns dias por igrejas protestantes, grupos religiosos e organizações seculares em conjunto. O pedido é dirigido ao governo do Reino Unido e, como se depreende do próprio nome da iniciativa, trata-se precisamente do cancelamento das dívidas que as pessoas estão contraindo ou já acumularam nos últimos meses.

Segundo os iniciadores da campanha, na Grã-Bretanha, 19% das famílias, ou seja, quase uma em cada cinco, pediram dinheiro emprestado para comprar alimentos ou outros bens essenciais. Seis milhões de pessoas seriam deixadas para trás com pagamentos de aluguel, impostos municipais e contas domésticas. E 174.000 inquilinos foram ameaçados de despejo durante o bloqueio. Em suma, a crise econômica resultante da emergência sanitária não é igual para todos e afetou especialmente as camadas já mais vulneráveis ​​da população. “Para o quinto mais pobre das famílias”, lê-se no relatório produzido pela rede “Redefinir a dívida”, “em média, os rendimentos caíram 15 por cento, ou £ 160 por mês”, nos últimos meses.

Daí a proposta de convocar um “jubileu”, para anular estas dívidas que se vão acumulando e que obviamente terão também impacto no futuro da sociedade inglesa. A referência é ao jubileu bíblico, durante o qual as dívidas eram perdoadas e as terras eram devolvidas aos que as haviam perdido.

O projeto foi notavelmente promovido pela União Batista, a Igreja da Escócia, a Rede Ecumênica de Ação da Igreja contra a Pobreza, a Igreja Metodista e a Igreja Reformada Unida.

“Pedimos ao Chanceler (ou seja, ao Ministro das Finanças, ed) que crie um Fundo do Jubileu, para reembolsar e anular a inevitável dívida Covid das famílias no Reino Unido”, lê-se no portal da iniciativa.

Para os cidadãos britânicos, a campanha pede participação ativa. Como? “Escreva para o seu deputado hoje e peça-lhe para escrever para o chanceler. Ele levanta essas preocupações sobre a dívida doméstica da Covid-19 e seu impacto nas famílias mais pobres. Descubra como o governo pretende abordar esta questão premente. Precisamos garantir que todos tenham uma base sólida para enfrentar o futuro.”

O portal dedicado a esta iniciativa inclui também vários vídeos curtos nos quais são contadas e exemplificadas histórias pessoais de cidadãos britânicos que sofreram as consequências do bloqueio. Empregados de limpeza demitidos ou deixados em casa por suas empresas, motoristas desempregados, trabalhadores precários que não conseguem sobreviver.

“Cabe ao governo resolver os problemas estruturais da nossa economia que geram injustiça e pobreza – explicam os promotores da campanha #ResetTheDebt no site – . E o que estamos vivendo é exatamente essa situação”.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

todas as tramas dos filmes em competição

todas as tramas dos filmes em competição

A entrada do Cinema Trevi em Roma, em vicolo del Puttarello Roma (NEV), 7 de dezembro de 2018 – A XXII edição do Tertio Millennio Film Fest (TMFF), o festival de cinema do diálogo inter-religioso, abre na terça-feira, 11 de dezembro, em Roma. Muitos filmes e eventos colaterais estão programados até 15 de dezembro, dia da entrega do prêmio por um júri inter-religioso, que reúne representantes do cristianismo (protestante, católico e ortodoxo), judaísmo e islamismo. São 9 filmes em competição, dos quais apresentamos os enredos abaixo. A cerimônia de premiação do filme vencedor será realizada no sábado, dia 15, às 17h30, no Cinema Trevi. Os dias e horários das exibições também estão indicados abaixo, que sempre será realizado no Cinema Trevi no vicolo del Puttarello 25. A entrada é gratuita com reservas sujeitas a disponibilidade. Informações e reservas: 06 96519200 – [email protected] Para o catálogo completo de todos os filmes em cartaz, clique aqui. Um pássaro azul no coração, de Jérémie Guez. Drama, Bélgica, França; 2018 – 85' (quinta-feira, 13, às 15h) Danny é um homem em liberdade condicional tentando reconstruir uma vida honesta e mora em um motel administrado por uma mãe solteira. A filha Clara, uma menina que cresceu sem o pai preso, frequenta um traficante. Nasce entre Clara e Danny um laço de amizade que levará o homem a vingar uma violência sofrida pela jovem, marcando ambos para sempre. Dayan, de Behrouz Noorani Pour. Drama, Irã; 2018 – 81' (quarta-feira, 12, às 17h30) A atmosfera apocalíptica de estupros, inocentes executados, violência, abuso e tráfico de órgãos, em uma paisagem distópica, lunar, feroz e surreal. Em vez disso, é um hiper-realismo cru e desesperado, que denuncia o que pode acontecer aos refugiados curdos na fronteira entre a Turquia, a Síria e o Curdistão iraquiano, imediatamente após o início da guerra. Duvidoso, de Eliran Elya. Teatro, Israel; 2017 – 88' (quinta-feira, 13, às 17h) Um diretor um tanto indeciso ensina a fazer vídeos para um grupo de crianças em prisão domiciliar. Será difícil enfrentar as provocações, desestabilizar a desconfiança e encontrar uma oportunidade de redenção. A autonarrativa e a partilha com os outros trarão amizade e ilusões, mas trarão à tona toda a fragilidade e drama da vida à margem. Baseado em uma história real. Fatwa, de Mahmoud Ben Mahmoud. Drama, Tunísia, Bélgica; 2018 – 102' (quinta-feira, 13, às 21h) Brahim retorna da Europa para a Tunísia para o funeral de seu filho Marouane, que morreu em um misterioso acidente. Na tentativa de reconstruir os últimos dias de vida do menino e as memórias de um relacionamento há muito perdido, o homem é dilacerado pelos conflitos culturais, familiares e religiosos que pensava ter deixado para trás. A interação com duas mulheres aparentemente opostas traz à tona verdades desconfortáveis. O céu sem gente, de Lucien Bourjeily. Drama, Líbano; 2017 – 90' (sexta-feira 14h00 às 15h00) Um almoço no Líbano durante a Páscoa. Os membros da família de Josephine finalmente se reuniram depois de muito tempo; cada um com sua própria história, suas ideias políticas e religiosas, seus segredos. Uma descoberta surpreendente desperta velhos e novos desentendimentos que trazem à tona o pior de cada um. Mal-entendidos e conflitos parecem insolúveis. Em As Garras de um Século Querendo, de Jewel Maranan. Documentário, Filipinas; 2017 – 120' (quarta-feira, 12, às 15h) Documentário filmado nas Filipinas, no distrito de Tondo. favelas do porto de Manila. Um programa do governo intervém com demolições e realocações para abrir espaço para atividades comerciais. Famílias, crianças, homens e mulheres vivem, sobrevivem, trabalham, cozinham, adoecem, curam, discutem entre lixo, chapas e mercadorias, na fronteira contraditória entre a lentidão e o caos. Kairós, de Paul Barakat. Drama, Austrália; 2018 – 87' (quinta-feira, 13, às 19h) Danny é um Down boy, ex-campeão de ginástica artística, que limpa a academia de boxe de John, um treinador em busca de uma redenção humana e esportiva. Um segredo irá prendê-los, enquanto Danny iniciará sua jornada pessoal de consciência, afundando no fogo do "Kairos", dimensão do "momento supremo", o aqui e agora onde tomar decisões extremas. Lysis, de Rick Ostermann. Teatro, Alemanha; 2018 – 91' (terça-feira, 11, às 15h) A viagem catártica de pai e filho que, após a morte da mãe, tentam recuperar uma relação e memória indescritíveis. Entre riachos de montanha e bosques remotos, as divergências de objetivos, linguagens e intenções são cada vez mais prementes. Dois atores, numa improvisação narrativa, interpretam a hostilidade e a dor numa viagem real, registada por três câmaras, duas das quais subjetivas. Fortaleza Mãe, de Maria Luisa Forenza. Documentário, Itália, Síria; 2018 – 78' Documentário, rodado entre 2014 e 2017 à beira da guerra na Síria, conta tanto a "fortaleza mãe", o Mosteiro de São Tiago mutilado em Qarah na Síria, quanto a "fortaleza mãe", madre Agnes, que com os monges e freiras carmelitas de diferentes origens levam ajuda moral e material à população civil ainda sitiada pela guerra e pelos escombros. ...

Ler artigo
A Agenda de Paz 2023 – Nevada

A Agenda de Paz 2023 – Nevada

Roma (NEV), 11 outubro de 2022 – A Agenda de Paz 2023 da Confronti é dedicada a um mundo livre de armas.“Na verdade, pensamos que, especialmente após a eclosão do conflito entre a Rússia e a Ucrânia, é importante chamar a atenção para o quão profundamente enraizada ainda está a ideia de resolver disputas por meio de conflitos armados. Uma prática que gera morte, alimenta a desigualdade e enfatiza a tensão, a divisão e o ódio, representando a antítese da paz.Na elaboração da Agenda de Paz 2023, reformulamos alguns artigos e dados que são fruto da atividade editorial e de planejamento da Cooperativa Com Nuovi Tempi, da qual são expressão o Mensal Confronti e o Centro Studi Confronti. Pela Agenda da Paz 2023, o centro de estudos e revista Confronti agradece ao centro LIBREXPRESSÃO (Fundação Giuseppe Di Vagno), centro euro-mediterrânico para a promoção da liberdade de expressão e sátira política, pela concessão das ilustrações. A Agenda da Paz 2023 chega em anexo à edição de outubro da revista para todos* os que já assinaram Comparar. Em alternativa, é possível adquirir a Agenda de Paz 2023 diretamente na loja online, ao custo de 7 euros, neste link. Confronti saiu em maio de 1989 seguindo o legado de “Com-Nuovi tempi”, uma das primeiras publicações ecumênicas em que católicos, protestantes, crentes “não religiosos” e pessoas que pesquisam questões de fé colaboraram por quinze anos. Hoje o Confronti é frequentado por cristãos de várias denominações, judeus, muçulmanos, budistas, hindus e leigos interessados ​​no mundo das religiões, da política e da sociedade. ...

Ler artigo
Trazendo a mensagem do reino celestial de Deus para a Terra

Trazendo a mensagem do reino celestial de Deus para a Terra

Antes do Sínodo, foi realizada a consulta ecumênica organizada pelo Departamento Ecumênico da EKvW. Entre seus convidados, a pastora Rita Famos, presidente da Igreja Evangélica Reformada na Suíça e membro do Conselho da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CPCE), Zoltán Balog, bispo da Igreja Reformada na Hungria, abaixo assinado como coordenador da Mediterranean Hope , o programa para refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Protestantes da Itália, e Christoph Picker, diretor da Academia Evangélica da Renânia-Palatinado. A conferência intitulada “Como funciona a paz? Perspectivas da Igreja sobre a democracia e a paz na Europa” abriu com algumas reflexões de Picker que deram impulso aos trabalhos do dia. As igrejas protestantes podem ajudar a fortalecer as democracias europeias, continuando a promover uma cultura de paz e tolerância, garantindo a pluralidade, a atenção às diferenças e às minorias. Questões críticas também foram expressas, como o risco de certas reflexões permanecerem nas academias, em um nível ideal, sem encontrar a prática e ativar uma participação mais ampla no processo democrático que deveria envolver membros da igreja e da política. Nos dias seguintes, durante o Sínodo, parece-me que também emergiram outros temas que se tornaram centrais no debate: a guerra na Ucrânia e a busca de uma "paz justa"; mudança climática e a tentativa de se tornarem igrejas de “impacto zero”; o envolvimento com os migrantes em termos de acolhimento, proteção de direitos e preocupação com a tendência para políticas nacionais e europeias de encerramento, expulsão e criminalização; a "saúde" das igrejas com relação a graves declínios no número de membros, frequência e finanças; relações ecumênicas com outras comunidades de fé e compromisso com a missão dentro e fora da igreja. Independentemente de sermos igrejas majoritárias ou minoritárias, fazemos as mesmas perguntas que os crentes evangélicos e os evangélicos? Temos consciência do impacto que temos na sociedade e na política e, sobretudo, dos instrumentos de que dispomos? Ao visitar alguns prédios históricos das igrejas da região da Vestfália, sua beleza sóbria e orgulhosa me impressiona e percebo o pesar daqueles que me acompanham e me falam das dificuldades em mantê-los, em manter as comunidades unidas, em continuar o precioso trabalho de testemunho evangélico na cidade. As palavras da presidente da EKvW (e da EKD) Annette Kurschus no primeiro dia de trabalho do Sínodo me impressionam: “Não devemos lidar apenas com os problemas internos da igreja, mas também com os importantes em nossa sociedade . Devemos manter a terra aberta para o céu e vice-versa: levar a mensagem do reino celestial de Deus de forma tangível à terra”. Por isso é tão importante que a Igreja ainda se faça ouvir sobre questões que dizem respeito a todos, como as abordadas pelo Sínodo da EKvW. Também sinto que não falta uma atenção particular aos que fugiram ou ainda fogem das guerras e perseguições, seja da Ucrânia ou do outro lado do Mediterrâneo. Da Itália aproximo um pouco mais o Mediterrâneo da Alemanha, contando o que está acontecendo nas “nossas” fronteiras e o empenho das Igrejas. Mas a sensação é que já está perto: está presente nas palavras para lembrar os que perdem a vida na travessia marítima, no reconhecimento da importância de não esquecer nomes, de não baixar a atenção aos direitos, de trabalhar incansavelmente junto às instituições e sociedade civil para garantir práticas de acolhimento e solidariedade, acompanhamento em percursos educativos, proteção no mercado de trabalho. Trago a voz de uma igreja pequena, mas que sempre soube que isso não significa ser uma igreja sozinha ou sem possibilidade de fazer a sua parte. E é certamente também nas alianças ecumênicas e nas relações com as igrejas em nível internacional que esse potencial se concretiza. Desafios difíceis, em tempos difíceis mas se os partilharmos, talvez possamos continuar a estar onde mais se necessita - aqui e agora - cuidando da terra para que se abra ao céu. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.