Sínodo Luterano.  Wolfgang Prader segue Georg Schedereit

Sínodo Luterano. Wolfgang Prader segue Georg Schedereit

Wolfgang Prader, foto de arquivo – CELI

Roma (NEV CS/42), 10 de outubro de 2020 – Wolfgang Prader, membro da comunidade de Bolzano da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), é o novo presidente do Sínodo Luterano. Prader foi eleito durante a 1ª sessão do XXIII Sínodo, aberta ontem em Roma e que se encerrará no domingo, 11 de outubro.

Um sínodo presencial, que reúne cerca de 50 sinodais das 15 comunidades do CELI no cumprimento dos regulamentos anti-covid, com programa reduzido e sem convidados externos.

foto CELI

Após o relatório de despedida do presidente cessante Georg Schedereitque renunciou a uma segunda candidatura por motivos de saúde, o Sínodo elegeu a nova presidência na pessoa de Wolfgang Prader, ex-vice-presidente do CELI. Ingrid Pfrommerpresidente da Comunidade de Turim e tesoureiro cessante do CELI, assumiu a vice-presidência.

Wolfgang Prader, como especialista em TI, pretende desenvolver o tema da igreja digital, um dos temas em discussão durante o curto Sínodo 2020. Os membros do Sínodo também falarão sobre a pandemia, a queda de assinaturas para o Otto por mil luteranos efetivos membros do CELI, da possibilidade de viver, ou reviver, a igreja como “comunidade e partilha, também graças às novas tecnologias. Uma tarefa emocionante e exigente aguarda a nova presidência”, declaram os luteranos.

No dia 10 de outubro, os membros sinodais elegem também os três membros leigos do Consistório. O representante legal do CELI, Cordelia Vitielloconcorre a uma renomeação, enquanto os outros dois membros leigos do consistório, Ingrid Pfrommer e Ângelo Ruggierieles não reaplicaram.

“Vejo o Sínodo como uma espécie de confederação – afirma o presidente cessante, Georg Schedereit -; Não vejo o CELI como uma igreja compacta com uma única doutrina e uma única visão. Muitas pessoas que decidiram ingressar neste nosso mundo luterano ao longo dos anos não são 100% luteranas. O CELI vive dessa multiplicidade evangélica que transcende fronteiras e doutrinas. Temos entre nossos membros sul-americanos, holandeses, suíços, reformados, luteranos, calvinistas, seguidores de Zuínglio, ex-católicos… ‘Ser cristão não significa falar de Jesus Cristo, mas viver como ele viveu’, disse Zwingli. A cada um do seu jeito. E por falar em ‘Escolher = Wählen’ (título desta sessão do Sínodo, ed.), direi também no meu relatório – conclui Schedereit -: penso que somos chamados a escolher entre a esperança e o desespero, a confiança e a desconfiança, filantropia e misantropia, veracidade e hipocrisia, auto-ironia e auto-elevação, humor e narcisismo, fechamento e abertura ao mundo, fé e medo”.

Leia a entrevista completa com o presidente cessante no site do CELI: “Uma faculdade de vida protestante aplicada”.

Para mais informações clique aqui.


www.chiesaluterana.it – [email protected] – Chefe de Comunicação CELI/ Kommunikations-Beauftragte ELKI: Nicole Dominique Steiner – Mob. +39 335 7053215

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Natal do trabalhador, dedicado aos trabalhadores da antiga Ilva

Natal do trabalhador, dedicado aos trabalhadores da antiga Ilva

Foto Creative Common Zero Roma (NEV), 25 de dezembro de 2019 – Publicamos o texto do sermão do pastor Raffaele Volpe foi ao ar na manhã desta quarta-feira, 25 de dezembro, durante o programa "Culto Evangélico" da Radiouno RAI. O Natal é o nascimento de Jesus, o Filho de Deus, mas também o filho de José, o carpinteiro, operário e trabalhador. E é precisamente aos trabalhadores, e em particular aos da ex-Ilva, que o Pr. Volpe dedica este Natal de 2019, valendo-se tanto das passagens bíblicas como da sua experiência pessoal. Caro ouvinte e querida ouvinte, Feliz Natal! Somos guardiães e testemunhas de um milagre: a gruta de Belém é o lugar onde Deus decidiu nos chamar. Devemos deixar nossas casas, nossas moradas aquecidas, nossos lugares seguros e caminhar rumo ao grande milagre da história da humanidade: na gruta de Belém, o próprio Deus se fez humano. Oremos: Senhor, decidiste encontrar-nos na carne e no sangue daquele menino chamado Jesus. Ali quiseste dizer-nos que as nossas misérias, as nossas angústias, as nossas tentações, o nosso pecado, toda a nossa humanidade não está abandonada a si mesma, mas se tornou seu. Assumiste as nossas fragilidades para que pudéssemos encontrar neste gesto de amor a força para sermos mais humanos. Amém. Agora vamos ouvir a leitura do texto bíblico para a meditação de hoje: "Não é este o filho do carpinteiro? Sua mãe não se chama Maria e seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas?“, (Mateus 13:55) O Natal é a festa dos filhos e filhas. Celebração das famílias, mesmo diferentes. Festa para os pais que sonham em construir o futuro dando a vida. A passagem do Evangelho de Mateus que ouvimos nos lembra que Jesus também era um filho. Imediatamente pensamos em Jesus como o Filho de Deus e nos esquecemos de Jesus, filho do carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, José, Simão e Judas. Filho de uma família da classe trabalhadora. Aquela que vive pensando no futuro dos filhos. Compras no supermercado tentando economizar dinheiro. Em uma família da classe trabalhadora você luta de manhã à noite, mas os filhos e filhas não precisam saber disso; você luta para avançar, peça por peça, passo a passo. O Italsider de Bagnoli Meu pai era um simples trabalhador em Olivetti. Ele havia perdido quatro dedos de uma das mãos no canteiro de obras da estação central de Nápoles. Tinha sido sua sorte, disse ele, porque lhe permitiu ter um pouco de deficiência e encontrar um emprego na Olivetti. Cresci em uma família da classe trabalhadora, aprendendo a respeitar o próximo e a viver com o essencial, nada mais, mas nunca menos. E nunca tive vergonha de não ter dinheiro suficiente no bolso aos domingos com os amigos. Em neste dia de Natal, como filho de um trabalhador, gostaria de dedicar este culto aos trabalhadores da antiga Ilva de Taranto. O pastor trabalhador Umberto Delle Donne Lembro-me da sensação de calor quando meu pastor, Umberto Delle Donne, um trabalhador da Italsider em Bagnoli, me levou em frente ao quarto alto-forno. Era tudo um brilho de chamas, uma luz intensa, toda concentrada naquela boca do forno e escuridão ao redor. Não foi o inferno, mas apenas graças àqueles trabalhadores que alimentaram o forno, mexeram como uma panela. ele disse bem Pier Paolo Pasolini: “O que permanece original no trabalhador é o que não é verbal: por exemplo, sua fisicalidade, sua voz, seu corpo. O corpo: aqui está uma terra ainda não colonizada pelo poder”. Uma fábrica não é um inferno graças aos corpos de trabalhadores e trabalhadoras. Ainda que muitas vezes até os corpos não colonizados pelo poder sucumbam à lógica do poder. José, o pai de Jesus, também era trabalhador. E Jesus foi apelidado: filho do carpinteiro. Aí esse apelido sumiu e chamaram de Jesus"o carpinteiro, filho de Maria, e irmão de Tiago e de José, de Judas e de Simão", (Marcos 6:3). O pai, Giuseppe, desapareceu repentinamente. Os Evangelhos não nos dizem onde foi parar José, mas conhecendo a vida de um trabalhador não é descabido imaginá-lo esmagado sob o peso de uma longa trave de madeira, essa mesma trave onde se encontrava o seu filho, e também o Filho de Deus, então subirá esmagando a ganância do mundo sob o peso de seu corpo. Muitos se perguntam: o que Jesus fez em seus trinta anos antes do início de sua peregrinação da Galiléia a Jerusalém anunciando a esperança aos desabrigados de que Deus estava ali perto deles? Muitos têm levantado esta questão. E mais uma vez que resposta mais simples e natural do que pensar que depois da morte de José, Jesus trabalhou como carpinteiro na mesma carpintaria. Jesus, trabalhador, filho de trabalhador. Então, a quem dedicar este Natal senão a vocês, trabalhadores e trabalhadoras da antiga Ilva de Taranto? Você que certamente sabe mais sobre José e Jesus do que eu. Gostaria de dedicá-lo a vocês, a vocês que trabalham dia e noite, muitas vezes juntos, deixando seus filhos com os avós. Para vocês, especialistas em orçamento mensal. Para você que sussurra uma oração: Senhor, deixe-me voltar para casa hoje também. A você que, por outro lado, reivindica em voz alta o direito ao trabalho e o direito à saúde ao mesmo tempo. Mesmo que mecanismos diabólicos tenham tornado essa afirmação antinatural. Taranto e Ilva Dedico a vocês este Natal, trazendo-lhes uma boa notícia: Jesus, o carpinteiro, filho de carpinteiro, também era o Filho de Deus, aquele Deus dos profetas que chamou os governantes a juízo; que denunciaram aqueles que constroem suas casas pisoteando os pobres; aquele Deus que no monte Sião fez do respeito à lei o fundamento de toda liberdade; aquele Deus que não parou no julgamento, mas se fez trabalhador em Jesus até sua morte e morte de cruz. Este Deus está do seu lado! O Natal está do seu lado! O Filho de Deus está com você! Feliz Natal então. Adriano Olivetti Então, depois das férias, será necessário recomeçar um projeto simples: tornar novamente humano o trabalho de um trabalhador. “Ao trabalhar todos os dias entre as paredes da fábrica e as máquinas e bancadas e outros homens para produzir algo que vemos correr pelas ruas do mundo e nos devolver em salários que são pão, vinho e casa, participamos todos os dias na pulsante vida da fábrica, nas suas pequenas coisas e nas suas grandes coisas, acabamos por amá-la, apegando-nos a ela e então ela torna-se verdadeiramente nossa, a obra vai-se tornando aos poucos parte da nossa alma, portanto torna-se uma imensa força espiritual”, assim ele se expressou Adriano Olivetti. A partir daqui, depois das férias, teremos que recomeçar. Enquanto isso, no entanto, muitas felicidades e que Deus os abençoe e proteja. Amém Oremos: Senhor neste dia extraordinário, neste dia de Natal, quero rogar-te pelos trabalhadores da antiga Ilva. Eu quero orar a você por todos os trabalhadores. Proteja-os, Senhor, proteja suas famílias e suas vidas. Amém! ...

Ler artigo
O Concílio das Igrejas Cristãs estabelecido em Florença

O Concílio das Igrejas Cristãs estabelecido em Florença

Florence, foto de Jeff Ackley, unsplash Roma (NEV), 18 de janeiro de 2021 – Ontem, domingo, 17 de janeiro, foi realizada uma reunião no Batistério de Florença entre dez igrejas cristãs da cidade para formar o Conselho das Igrejas Cristãs de Florença (CCCF). “A escolha do Batistério – explicam os promotores da iniciativa ecumênica –, além da importância que este local tem na cidade, está ligada ao vínculo comum em torno da obra de Jesus, que se realiza no batismo dos crentes”. Concretamente, participaram do encontro representantes das seguintes Igrejas: Apostólica Italiana, Batista, Católica, Episcopal, da Inglaterra, Luterana, Ortodoxa Grega, Ortodoxa Romena, Reformada Suíça e Valdense. “Este evento – lê-se numa nota dos promotores – insere-se numa experiência ecuménica que já se vive há muito tempo no estrangeiro e foi inaugurada em Itália pelas Igrejas de Veneza em 1993. Desde então até hoje em Itália os Conselhos de Igrejas foram estabelecidas em Milão, Modena, Verona, Perugia, Reggio Calabria e Pádua, e Conselhos de Igrejas regionais na Campânia, Úmbria e Marcas. Os Conselhos de Igrejas, tanto municipais como regionais, têm como objectivos fundamentais o aprofundamento das relações entre os representantes das várias igrejas cristãs aderentes; a organização conjunta de atividades ecumênicas, como encontros de oração, atividades de formação e estudo mútuo; planejamento e implementação conjunta de atividades pastorais específicas; testemunhar à cidade a importância do acolhimento e da escuta, também através dos meios de comunicação de massa. O Concílio de Florença é o resultado de um longo caminho de relações entre as Igrejas fundadoras, durante o qual as Igrejas aprofundaram o conhecimento mútuo, adaptaram as línguas, aperfeiçoaram o método de trabalho e, sobretudo, desenvolveram uma fraternidade sincera e eficaz em referência comum a Jesus Cristo, nosso Salvador. Fruto deste clima é também a redacção conjunta do Estatuto do Concílio, que foi depois aprovado por cada Igreja segundo o seu próprio ordenamento jurídico. A atividade do Concílio das Igrejas Cristãs de Florença - concluem os promotores - será desenvolvida tanto para a intensificação das relações ecumênicas entre as Igrejas florentinas, com a intenção de oferecer um espaço comum a quem o constituiu, como também a quem o fará deseja ingressar no futuro, como membros ou observadores; e em colaboração para realizar iniciativas pastorais comuns sobre aspectos da vida da cidade. Em espírito de amizade, estará aberta ao diálogo inter-religioso com as comunidades não cristãs, em particular com as judaicas e islâmicas”. A Ata Constitutiva e o Estatuto foram assinados em especial pelos seguintes representantes, ontem presentes na cerimónia: Past. Samuel Trebbi (Igreja Apostólica Italiana), Past. Carmine Bianchi (Igreja Batista), Card.José Betori (Igreja Católica), Diac. Giampaolo Pancetti (Igreja da Inglaterra), Rev. Ricardo Easterling (Igreja Episcopal), Passado. Annette Hermann Winter (Igreja Luterana)Arquim. Nikolaos Papadopoulos (Igreja Ortodoxa Grega) Padre Ionut Coman (Igreja Ortodoxa Romena), Passado. Raffaele Volpe (Igreja Reformada Suíça), Passado. Letizia Tomassone (Igreja Valdense). artigo anteriorO Comitê Inter-religioso de Turim torna-se um dos órgãos consultivos da cidadePróximo artigo22 de janeiro. O Tratado para a Proibição de Armas Nucleares está em vigor. É a Itália? Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Reimaginando o ecumenismo em um mundo atingido por uma pandemia

Reimaginando o ecumenismo em um mundo atingido por uma pandemia

Foto retirada de cwmission.org Roma (NEV), 13 de fevereiro de 2022 – O Secretário Geral do Conselho para a Missão (CWM – Council for World Mission), pároco Joseop Keumexortou os líderes cristãos mundiais a repensar o ecumenismo. Convidado pelo Global Christian Forum (GCF), o pastor Keum lançou uma mensagem desafiadora sobre como revisitar o ecumenismo neste mundo atingido pela pandemia. A iniciativa faz parte de uma série de encontros preparatórios em vista do próximo Fórum Global, previsto para 2024. Entre eles, também houve o encontro de facilitadores realizado de forma híbrida de 5 a 9 de fevereiro na Domus Romana Sacerdotalis em Roma, que também contou com a presença do bispo Rosemarie Wenner (foto abaixo, terceiro da esquerda) do Conselho Metodista Mundial. Nos mesmos dias, entre outras coisas, a delegação religiosa se encontrou com o presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Mirella ManocchioE Papa Francisco. Ecumenismo transformador Em seu discurso durante a sessão de abertura, o pastor Jooseop Keum expressou sua preocupação com as injustiças sociais, políticas e econômicas reveladas pela pandemia global de Covid-19. Também destacou a ganância sistêmica que não está apenas explorando a vida de pessoas vulneráveis, mas também destruindo o meio ambiente. “A pandemia de Covid-19 não é um desastre natural nem acidental”, disse Keum. É um desastre ecológico causado pelo homem devido ao genocídio da ecodiversidade e invasão humana em lares de animais selvagens.” Neste mundo atingido pela pandemia, com desafios internos ao movimento ecumênico, Keum também convocou os membros do Fórum Cristão a reinventar um ecumenismo transformador. É preciso desmantelar as estruturas que servem apenas aos privilegiados, recebendo o Espírito Santo, redescobrindo a fé à margem e derrotando a cultura do ódio com a força do amor, declarou Keum. O pastor destacou a necessidade de uma transformação radical no movimento ecumênico, também em seus espaços. “Revisar o ecumenismo requer uma mudança de lugar – tanto em termos hermenêuticos quanto geográficos: das câmaras do conselho para as ruas, e do dogma para a vida. A vida e as vidas importam, por isso revisitar o ecumenismo é um apelo à celebração da vida em sua plenitude, com as pessoas, em seus contextos reais e em comunidades concretas”. No final de seu discurso, ele sugeriu sete direções para o futuro do ecumenismo: Status confessionis sobre mudanças climáticas e justiça ecológica. Desenvolva a economia da vida em vez de servir a "mammon", o "deus" do dinheiro. Reimaginar o ecumenismo como um movimento a partir das margens, além das instituições. Cultive uma espiritualidade da interconectividade da vida e da solidariedade da esperança. Promova parcerias e explore teologias entre os vulneráveis. Mudando o foco do ecumenismo do eurocêntrico para o cristianismo global. Promover uma liderança ecumênica baseada em valores de fé, não eclesiais. O pastor Casley EssamuahSecretário-Geral do GCF, e outros participantes expressaram gratidão a Keum por seu discurso, que "ajudará a discernir o caminho a seguir em vista da reunião global de 2024". Foto tirada da página do Global Christian Forum no Facebook. Delegação em audiência com o Papa Francisco, fevereiro de 2022 Fórum Cristão Global (GCF) O GCF é um fórum global de líderes cristãos de diferentes tradições, regiões, culturas e nações. Proposto pela 8ª Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) em 1998 em Harare, o GCF nasceu, após um processo de consultas, para reunir várias tradições eclesiásticas num caminho comum de reflexão rumo à unidade das igrejas globais, sobre igualdade de condições e respeito mútuo. Inclui representantes evangélicos, pentecostais e católicos, juntamente com as igrejas membros do CMI. Obrigado Antonella Visintincoordenadora da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pelos relatórios e pelo apoio à tradução. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.