Sínodo Luterano.  Wolfgang Prader segue Georg Schedereit

Sínodo Luterano. Wolfgang Prader segue Georg Schedereit

Wolfgang Prader, foto de arquivo – CELI

Roma (NEV CS/42), 10 de outubro de 2020 – Wolfgang Prader, membro da comunidade de Bolzano da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), é o novo presidente do Sínodo Luterano. Prader foi eleito durante a 1ª sessão do XXIII Sínodo, aberta ontem em Roma e que se encerrará no domingo, 11 de outubro.

Um sínodo presencial, que reúne cerca de 50 sinodais das 15 comunidades do CELI no cumprimento dos regulamentos anti-covid, com programa reduzido e sem convidados externos.

foto CELI

Após o relatório de despedida do presidente cessante Georg Schedereitque renunciou a uma segunda candidatura por motivos de saúde, o Sínodo elegeu a nova presidência na pessoa de Wolfgang Prader, ex-vice-presidente do CELI. Ingrid Pfrommerpresidente da Comunidade de Turim e tesoureiro cessante do CELI, assumiu a vice-presidência.

Wolfgang Prader, como especialista em TI, pretende desenvolver o tema da igreja digital, um dos temas em discussão durante o curto Sínodo 2020. Os membros do Sínodo também falarão sobre a pandemia, a queda de assinaturas para o Otto por mil luteranos efetivos membros do CELI, da possibilidade de viver, ou reviver, a igreja como “comunidade e partilha, também graças às novas tecnologias. Uma tarefa emocionante e exigente aguarda a nova presidência”, declaram os luteranos.

No dia 10 de outubro, os membros sinodais elegem também os três membros leigos do Consistório. O representante legal do CELI, Cordelia Vitielloconcorre a uma renomeação, enquanto os outros dois membros leigos do consistório, Ingrid Pfrommer e Ângelo Ruggierieles não reaplicaram.

“Vejo o Sínodo como uma espécie de confederação – afirma o presidente cessante, Georg Schedereit -; Não vejo o CELI como uma igreja compacta com uma única doutrina e uma única visão. Muitas pessoas que decidiram ingressar neste nosso mundo luterano ao longo dos anos não são 100% luteranas. O CELI vive dessa multiplicidade evangélica que transcende fronteiras e doutrinas. Temos entre nossos membros sul-americanos, holandeses, suíços, reformados, luteranos, calvinistas, seguidores de Zuínglio, ex-católicos… ‘Ser cristão não significa falar de Jesus Cristo, mas viver como ele viveu’, disse Zwingli. A cada um do seu jeito. E por falar em ‘Escolher = Wählen’ (título desta sessão do Sínodo, ed.), direi também no meu relatório – conclui Schedereit -: penso que somos chamados a escolher entre a esperança e o desespero, a confiança e a desconfiança, filantropia e misantropia, veracidade e hipocrisia, auto-ironia e auto-elevação, humor e narcisismo, fechamento e abertura ao mundo, fé e medo”.

Leia a entrevista completa com o presidente cessante no site do CELI: “Uma faculdade de vida protestante aplicada”.

Para mais informações clique aqui.


www.chiesaluterana.it – [email protected] – Chefe de Comunicação CELI/ Kommunikations-Beauftragte ELKI: Nicole Dominique Steiner – Mob. +39 335 7053215

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A crise do ecumenismo europeu

A crise do ecumenismo europeu

Foto Hilert. Roma (NEV), 17 de julho de 2023 – De 14 a 20 de junho, o XVI Assembleia da Conferência das Igrejas Europeias, conhecido pela sigla alemã KEK. Esta é a organização ecumênica regional fundada em 1959 para promover o diálogo entre as igrejas da Europa Ocidental e Oriental, então divididas pela Cortina de Ferro. O CEC inclui 114 igrejas pertencentes a diferentes famílias confessionais: protestantes de várias denominações, anglicanos, ortodoxos e católicos antigos. Na Itália há membros batistas, luteranos, metodistas e valdenses, e há uma colaboração estruturada com a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Da década de 1980 até a primeira década do séc.zo milênio o KEK desempenhou um papel ecumênico de destaque na Europa, graças às três Assembleias Ecumênicas Europeias de Basel 1989, Graz 1997 e Sibiu 2007, promovidas conjuntamente pela mesma Conferência e pelo Conselho das Conferências Episcopais Católicas da Europa (CCEE) . Desde então, por várias razões, seu papel parece ter sido reduzido. Um downsizing devido, além das crescentes dificuldades econômicas das igrejas, à decisão, já tomada há vários anos, de concentrar os trabalhos da Conferência sobre o relacionamento com a União Européia, fechando os escritórios em Genebra e Estrasburgo e deixando apenas a sede em Bruxelas. Mas também o impasse nas relações ecumênicas com a Igreja Católica após a difícil Terceira Assembleia Ecumênica de Sibiu, na Romênia. A Assembleia de Tallinn parece ter confirmado a tendência de enxugamento, a começar pela ausência de cerca de cinquenta igrejas membros (pela terceira vez consecutiva a Igreja Ortodoxa Russa esteve ausente, o que congelou a sua participação precisamente por causa de uma disputa envolvendo uma das duas Igrejas Ortodoxas de Estônia; os ortodoxos sérvios também estão ausentes). um momento da Assembleia. Foto Hilert. Foi confirmada a dissociação da CEC de duas importantes redes ecumênicas europeias, a que trata dos migrantes, a Comissão de Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME), e a de ecologia, a Rede Cristã Europeia para o Meio Ambiente (ECEN). Havia alguma esperança de que a convocação de uma quarta Assembleia Ecumênica Européia fosse anunciada, mas isso não aconteceu. Mesmo sobre a guerra na Ucrânia, a declaração final decepcionou muitos delegados devido à posição considerada muito pró-OTAN e à falta de insistência em encontrar soluções pacíficas para o conflito. No entanto, os delegados italianos destacaram os pontos positivos da Assembleia: o debate sobre o acolhimento dos migrantes; a presença ativa de jovens que viram uma boa moção sobre o clima aceito; a renovação do Comitê Diretivo no qual também foi eleito um jovem pároco italiano, o Batista Simone De Giuseppe. O novo presidente do KEK é ortodoxo, o arcebispo Nikitas de Thyateira e Grã-Bretanha, que no final do encontro partilhou uma mensagem de esperança: “Esta Assembleia encontra-nos num mundo em guerra, em que as armas nucleares ainda estão a funcionar… Neste contexto, a CEC deseja trazer esperança e luz de Cristo, como mensageira da paz e da solução dos nossos problemas". ...

Ler artigo
a Personalidade do Ano é o Voluntário Desconhecido

a Personalidade do Ano é o Voluntário Desconhecido

Roma (NEV), 24 de dezembro de 2019 - A Agência NEV propõe uma série de entrevistas com os mais altos cargos das igrejas protestantes italianas. Hoje entrevistamos o Tenente Coronel Massimo Tursiatualmente no comando do Exército de Salvação (EdS) da Itália e Grécia. Tenente Coronel Tursi, o que tem corrido bem no último ano do ponto de vista do Exército de Salvação? Quanto ao Exército de Salvação, o ano de 2019 caracterizou-se por um grande dinamismo, não só no sentido do ativismo do movimento, mas pela força que surgiu nas diferentes comunidades e nos nossos centros. Sempre procuramos novas formas de tornar o nosso serviço mais eficaz, de responder às necessidades e expectativas das pessoas e de alargar os horizontes das próprias pessoas. E o que deu errado e poderia ser melhorado? O que tem se saído menos bem, na minha opinião, é nossa capacidade de encontrar recursos. A nossa é uma realidade pequena no mundo evangélico e no cristianismo italiano, estamos conscientes disso e não permitimos que seja motivo de desânimo. No que diz respeito às igrejas em geral, tenho percebido que questões da sociedade como injustiça, exclusão, desigualdade são muitas vezes apropriadas. Temos feito nossos esses temas, mas tenho a sensação de que temos dificuldade em levar a mensagem da salvação em Jesus Cristo para a sociedade e isso me entristece um pouco. Aproveitamos a onda de protestos, por exemplo, em relação à proteção da criação, um tema com o qual nós, como protestantes, temos lidado há décadas, mas toda vez que esse assunto volta à moda, parece que nós o acompanhamos. Acho que ao invés de acompanhar devemos despertar o interesse da sociedade pela nossa mensagem principal. Imagem retirada do site army ofsalvation.org O que está acontecendo na sociedade e na política, na sua opinião? Há um forte sinal de preguiça. As pessoas sabem o que devem fazer, mas não o fazem e cuidam da própria vida. A indiferença cresce, e quem mais levanta a voz dita regras e diretrizes. Lamento muito o individualismo em nossos partidos políticos, para os quais os objetivos importam menos que as correntes e a estrela do momento aponta o caminho, enquanto as pessoas se envolvem menos, arriscando um populismo fruto da ignorância para vencer. Quais podem ser as soluções para essa indiferença e as estratégias propostas pelo Exército de Salvação para 2020? O problema do individualismo não deixa imunes nem mesmo as organizações que, por natureza ou vocação, são chamadas a servir o próximo, a socorrer as pessoas em momentos de dificuldade. Precisamos trabalhar online. Já vi associações falarem do que fazem, esquecendo-se de referir que não o fizeram sozinhas, mas atingiram determinados objetivos com o apoio de outras organizações. Uma estratégia que adotamos há algum tempo e que tem dado frutos é trabalhar em conjunto, reconhecer que podemos fazer melhor e mais se o fizermos online. Alargando a nossa oferta não tanto, porque não queremos criar dependência, mas alargando a resposta às necessidades das pessoas. Se alguém sabe fazer melhor do que nós, colaboramos, oferecendo nosso conhecimento e nossos recursos. Devemos combater a tendência ao individualismo, lembrando que não somos melhores que os outros e que com apoio mútuo, inclusive financeiro e de competências, podemos alcançar objetivos melhores, além de nós mesmos. Como melhores objetivos podem ser alcançados? Ao participar de licitações e projetos, organizações e até igrejas são cada vez mais solicitadas a estabelecer uma rede. Quanto maior a rede, maior a chance de sucesso. Em alguns casos, competimos com outras associações, escrevemos cartas de intenção e realizamos projetos em colaboração ampliada. Graças a essas redes, é possível fazer muito, sem desperdiçar recursos. Podemos fazê-lo sempre porque não estamos sozinhos, porque não queremos lucrar com isso e porque há outros que também estão comprometidos conosco. É preciso gerir os projetos de forma virtuosa, sem privar os beneficiários de seus direitos. O lucro não é um objetivo: não é otimizado nos direitos das pessoas. Greta Thunberg ela foi, de acordo com a Time, Pessoa do Ano. Quem você elegeria a pessoa do ano? Eu poderia dar a impressão de estar indo contra a maré. Greta Thunberg está bem porque você está procurando um símbolo para apoiar uma ideia, e isso também é importante. Mas para mim a pessoa do ano deveria ser um herói, uma heroína, e aí penso em alguém como o capitão Carola Rackete que realizou apenas uma ação. Carola Rackete não fez campanha durante semanas, percorrendo o mundo inteiro, mas fez algo que considerou eticamente correto, sem medo das consequências. Para mim ela é a pessoa do ano, pela coragem que demonstrou, por ter tirado de uma situação dramática pessoas que já haviam sofrido demais. Imagem retirada do site army ofsalvation.org Quem você acha que merece esse reconhecimento na área da saúde? Há alguns dias visitei o monumento ao soldado desconhecido em Roma. Naquela ocasião, pensei nos muitos soldados que deram uma forte contribuição e disse a mim mesmo que talvez desse um reconhecimento ao "Voluntário Desconhecido". Muitos voluntários fazem uma contribuição fundamental para a sociedade todos os dias. Temos muitos voluntários, não só na Itália, mas em todo o mundo, cujos nomes não são necessariamente conhecidos por todos, talvez sejam conhecidos apenas por aqueles com quem estiveram em contato próximo; seja depois de um tsunami, depois de um terremoto, na entrega da tigela de sopa quente. Sem eles não poderíamos fazer tudo isso. Seus nomes são escritos para mim e são reconhecidos e apreciados. Haverá algumas novidades no Exército de Salvação em 2020. Sim. Haverá uma mudança em relação ao EdS na Itália e na Grécia. Eu e minha esposa, o tenente-coronel Anne-Florence Cachelin, estaremos nos mudando para Londres a partir de 1º de fevereiro. Os cônjuges chegarão à Itália Jacques e Claude-Evelyne Donze, da Suíça, que consolidará os muitos objetivos alcançados nos últimos anos e, como é habitual no Exército de Salvação, responderá de uma nova forma aos desafios que se apresentam. Aproveito para saudar e agradecer aos nossos leitores e aos nossos apoiantes que nos têm acompanhado ao longo dos anos e também aos jornalistas que têm dado espaço às nossas iniciativas. Aguardo vocês no dia 25 de janeiro, data em que poderemos nos despedir durante a inauguração do espaço recém reformado em um de nossos prédios e destinado a receber dublinenses ou beneficiários de corredores humanitários em colaboração com a Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) . Leia também A entrevista com a pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (OPCEMI): "Indo além da desertificação material e espiritual". A entrevista com o reitor Heiner Bludau da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI): "A Igreja não deve se tornar um partido". ...

Ler artigo
O Concílio das Igrejas Cristãs estabelecido em Florença

O Concílio das Igrejas Cristãs estabelecido em Florença

Florence, foto de Jeff Ackley, unsplash Roma (NEV), 18 de janeiro de 2021 – Ontem, domingo, 17 de janeiro, foi realizada uma reunião no Batistério de Florença entre dez igrejas cristãs da cidade para formar o Conselho das Igrejas Cristãs de Florença (CCCF). “A escolha do Batistério – explicam os promotores da iniciativa ecumênica –, além da importância que este local tem na cidade, está ligada ao vínculo comum em torno da obra de Jesus, que se realiza no batismo dos crentes”. Concretamente, participaram do encontro representantes das seguintes Igrejas: Apostólica Italiana, Batista, Católica, Episcopal, da Inglaterra, Luterana, Ortodoxa Grega, Ortodoxa Romena, Reformada Suíça e Valdense. “Este evento – lê-se numa nota dos promotores – insere-se numa experiência ecuménica que já se vive há muito tempo no estrangeiro e foi inaugurada em Itália pelas Igrejas de Veneza em 1993. Desde então até hoje em Itália os Conselhos de Igrejas foram estabelecidas em Milão, Modena, Verona, Perugia, Reggio Calabria e Pádua, e Conselhos de Igrejas regionais na Campânia, Úmbria e Marcas. Os Conselhos de Igrejas, tanto municipais como regionais, têm como objectivos fundamentais o aprofundamento das relações entre os representantes das várias igrejas cristãs aderentes; a organização conjunta de atividades ecumênicas, como encontros de oração, atividades de formação e estudo mútuo; planejamento e implementação conjunta de atividades pastorais específicas; testemunhar à cidade a importância do acolhimento e da escuta, também através dos meios de comunicação de massa. O Concílio de Florença é o resultado de um longo caminho de relações entre as Igrejas fundadoras, durante o qual as Igrejas aprofundaram o conhecimento mútuo, adaptaram as línguas, aperfeiçoaram o método de trabalho e, sobretudo, desenvolveram uma fraternidade sincera e eficaz em referência comum a Jesus Cristo, nosso Salvador. Fruto deste clima é também a redacção conjunta do Estatuto do Concílio, que foi depois aprovado por cada Igreja segundo o seu próprio ordenamento jurídico. A atividade do Concílio das Igrejas Cristãs de Florença - concluem os promotores - será desenvolvida tanto para a intensificação das relações ecumênicas entre as Igrejas florentinas, com a intenção de oferecer um espaço comum a quem o constituiu, como também a quem o fará deseja ingressar no futuro, como membros ou observadores; e em colaboração para realizar iniciativas pastorais comuns sobre aspectos da vida da cidade. Em espírito de amizade, estará aberta ao diálogo inter-religioso com as comunidades não cristãs, em particular com as judaicas e islâmicas”. A Ata Constitutiva e o Estatuto foram assinados em especial pelos seguintes representantes, ontem presentes na cerimónia: Past. Samuel Trebbi (Igreja Apostólica Italiana), Past. Carmine Bianchi (Igreja Batista), Card.José Betori (Igreja Católica), Diac. Giampaolo Pancetti (Igreja da Inglaterra), Rev. Ricardo Easterling (Igreja Episcopal), Passado. Annette Hermann Winter (Igreja Luterana)Arquim. Nikolaos Papadopoulos (Igreja Ortodoxa Grega) Padre Ionut Coman (Igreja Ortodoxa Romena), Passado. Raffaele Volpe (Igreja Reformada Suíça), Passado. Letizia Tomassone (Igreja Valdense). artigo anteriorO Comitê Inter-religioso de Turim torna-se um dos órgãos consultivos da cidadePróximo artigo22 de janeiro. O Tratado para a Proibição de Armas Nucleares está em vigor. É a Itália? Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.