Tudo começou com Jerry Maslo, morto em 25 de agosto de 1989

Tudo começou com Jerry Maslo, morto em 25 de agosto de 1989

Roma (NEV/Riforma.it), 21 de agosto de 2019 – Há trinta anos, em 25 de agosto de 1989, ele faleceu Jerry Essan Masslo, um refugiado sul-africano de 30 anos, morto em Villa Literno (Ce) por uma quadrilha de criminosos que roubaram os frutos de alguns meses de trabalho como operário na colheita de tomate. Trinta anos depois daquele assassinato, sentimos que podemos dizer que “tudo” começou com aquela história dramática. Com este “tudo” queremos dizer que antes daquele assassinato, a Itália não compreendia a extensão do fenômeno da imigração.

Não só a Itália da política, mas também a dos estudiosos e iniciados que pareciam não compreender a extensão da novidade que se espalhava pela sociedade italiana: o país, historicamente um país de emigração, já havia se tornado um destino para centenas de milhares de imigrantes que se inseriram em alguns “interstícios” do mercado de trabalho nacional. Estes incluem o trabalho agrícola no Sul, com pa

ghe baixo e vivendo na precariedade de vistos para “turismo”. Na época, poucos – gostaria de citar nomes de sociólogos como Giovanni Mottura e Enrico Pugliese – compreenderam a dimensão estrutural e permanente daquele fenômeno. Principalmente se dizia que era um processo contingente e reversível porque a Itália, quase por destino e fatalidade, “não era um país para imigrantes”. Sabemos que não foi assim e hoje, com 8% de população imigrante, o nosso está entre os países com maior densidade imigratória da Europa.
Ao contrário do que aconteceu nos anos seguintes, o assassinato de Jerry Masslo não passou despercebido e, a pedido da CGIL, foi-lhe concedido um funeral de Estado. As imagens oficiais que nos chegam dessa cerimónia falam de uma Itália que ainda sabe chorar um imigrante e que consegue ouvir o seu pranto. Como aquele que poucos dias antes de sua morte Jerry havia lançado das câmeras de Nonsolonero, um programa da Rai2 sobre imigração que hoje é difícil até mesmo imaginar na programação da TV pública: «Ter pele negra neste país é um limite para a cidadania coexistência Jerry disse. O racismo está aqui também… Nós do terceiro mundo estamos contribuindo para o desenvolvimento do seu país, mas parece que isso não tem peso. Mais cedo ou mais tarde, alguns de nós serão mortos e então perceberemos que existimos».
Outras coisas, entretanto, não foram mencionadas, como o fato de Jerry ser um pregador batista. No entanto, talvez pelo preconceito segundo o qual na Itália o cristão é “naturalmente” católico ou pela lógica institucional de um funeral de Estado que parecia ser celebrado apenas no rito católico, Masslo não teve o funeral evangélico que teria apreciado. Foi um péssimo acidente para o ecumenismo, bem denunciado pelos líderes das igrejas batistas. Mas na história de Jerry também havia um gesto ecumênico, o dos jovens da Comunidade de Sant’Egidio que o conheceram, seguiram sua história e, conhecendo sua fé evangélica, entregaram-lhe um exemplar da Bíblia no Versão padrão em inglês. Quem quiser pode encontrá-lo junto com outros em um altar na igreja de Trastevere, onde fica a Comunidade de Sant’Egidio, e folheando-o você encontrará notas e sublinhados.
Com Jerry, idealmente, também começa outro processo, aquele geralmente definido como “Estar juntos na igreja” e que trouxe milhares de irmãos e irmãs imigrantes aos bancos das igrejas evangélicas italianas.
Aquele assassinato e uma ampla mobilização pelos direitos dos imigrantes também abriram um processo político que, em poucos meses, levou à aprovação da primeira lei orgânica da imigração, a famosa “Martelli”, dispositivo que se comparava às posteriores ainda hoje ela nos parece inovadora e corajosa.
O aniversário da morte de Jerry Masslo nos obriga a refletir sobre o que nos tornamos, como povo e como Igrejas, nos últimos anos. Chamemo-lo de “balanço ético” da nossa civilização política e do nosso testemunho evangélico para com os imigrantes.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A contagem regressiva que vem dos oceanos

A contagem regressiva que vem dos oceanos

Foto NEV/er Roma (NEV), 26 de julho de 2023 – Pedimos ao coordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), Maria Elena Lacquanitipara compartilhar uma reflexão sobre o que está acontecendo na Itália, mas também na Grécia e no Mediterrâneo. O convite é ouvir o grito "do irmão e da irmã que fogem da sede insuportável, do fogo do sol, da água na garganta". Publicamos abaixo na íntegra a contribuição de Maria Elena Lacquaniti, coordenadora do GLAM. Se pensávamos que a Agenda 2030 era o limite para iniciar mudanças sustentáveis ​​para a proteção do planeta e de seus habitantes, estávamos enganados. A contagem regressiva vem dos oceanos e, salvo engano, 2025 será o ano da loucura oceânica que terá seu ponto de destruição total em meados do século e cujo ensaio geral está em andamento na Itália com inundações, granizo e trombas d'água. destruir cidades, campos e aqueles que vivem e trabalham lá. Onde a água é louca e onde o fogo é dominante, com o sul queimado pelo ar fervente e pelas chamas que atingem as periferias das cidades maiores, Palermo, Catania, Reggio Calabria e a turística San Cataldo in Puglia. Seja água ou fogo, o vento varre multidões derrubando árvores, atirando pedras de granizo do tamanho de bolas de tênis e comendo tudo em seu caminho com línguas de fogo infernais. Revista "naturezas”, que anunciou ontem o colapso dos oceanos até 2025 (na fanpage um artigo em italiano sobre o assunto, ed), especifica - talvez em uma tentativa extrema de dar maior peso ao alerta - que isso "afetaria todos os habitantes da Terra", porque o AMOC (Atlantic meridional overturning circulation), sistema de correntes oceânicas que inclui também o do Golfo, devido ao aquecimento global está desaparecendo. A falta de AMOC produzirá eventos catastróficos para todo o planeta, representando aquele complexo emaranhado de movimentos oceânicos que transportam água quente dos trópicos para o Atlântico Norte, resfriando-a e fazendo-a cair no fundo do oceano. Esta ação, que não é casual nem improvisada, tem como objetivo fundamental equilibrar os movimentos marinhos de onde se originam os ventos que sopram no planeta, as temperaturas e as chuvas. Ainda não compreendemos que esta sofisticação irrepetível, como irrepetível é toda a ordem do universo, só tem um inimigo, o homem, com a sua ação constante, violenta e destrutiva, sem saber, porém, que o planeta resiste procurando novos equilíbrios e alavancando pontos de inflexão que certamente será hostil ao existente, mas que o planeta usará para sacudir o que agora se tornou um perigo insuportável, o homem e seu modo de vida. Na loucura humana poderia resistir um sentimento de superioridade e o pensamento de que alguém será capaz de se salvar e permanecer uma testemunha da espécie. Provavelmente, mas talvez fosse desejável hoje, pelo menos como crentes, que o olhar e a audição cheguem longe, para ver o drama e ouvir o grito de quem já vive este apocalipse prefigurado. Deus ouviu o clamor de seu povo escravizado no Egito e nós ouvimos o do irmão e da irmã que fogem da sede insuportável, do fogo do sol, da água na garganta? Deveríamos fazê-lo, e se isso não bastasse pelo amor de Deus, pelo menos para saber como isso terminará em alguns anos. ...

Ler artigo
11 de junho.  Culto Educacional e Educacional Domingo

11 de junho. Culto Educacional e Educacional Domingo

Detalhe de uma imagem para a "Escola Dominical", revista editada pelo Serviço de Educação e Educação (SIE) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) Roma (NEV), 7 de junho de 2023 – No próximo dia 11 de junho é o domingo dedicado à Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). O acervo arrecadado durante os cultos das igrejas Valdenses e Metodistas presentes na Itália irá para o sustento das atividades do Serviço de Educação e Educação (SIE). A SIE se ocupa da educação bíblica e da formação das novas gerações por meio de materiais, conferências, seminários e colaborações na Itália e no exterior, com enfoque não confessional e interdisciplinar. Entre outras coisas, a SIE edita a revista "La scuola Domenicale", para apoiar o ensino nas escolas dominicais italianas e também nas escolas públicas da Suíça de língua italiana. “Queremos agradecer a todas as pessoas que apoiaram e apoiam o trabalho teológico, pedagógico e intercultural da SIE. Nosso serviço coloca meninos e meninas no centro, cria um diálogo intergeracional ativo e atento aos valores universais, conecta pessoas e ideias, nas igrejas como na vida cotidiana - disse o coordenador do SIE, Gian Mario Gillio -. Obrigado, portanto, àqueles que nos apoiarão indo aos cultos nas igrejas metodista e valdense no próximo domingo, mas também àqueles que nos ajudam dia a dia na elaboração e compartilhamento de conhecimento, como aconteceu no recente encontro de formação em Igrejas e intercultura". A SIE também desenvolve ferramentas para a participação ativa de meninos e meninas em momentos de canto, oração e reflexão bíblica. Trata da formação bíblica e atualização em metodologias de ensino bíblico para meninos e meninas. Finalmente, mantém contato com as igrejas da FCEI e com outras realidades do mundo evangélico, na Itália e no exterior. A "Catequese" é uma revista semestral que abrange uma faixa etária de 3 a 13 anos e busca narrar a história bíblica com metodologias que possam acolher e estimular os questionamentos de meninos e meninas sobre Deus, o mundo, sobre a vida e a fé, respeitando as diferenças presentes nas diversas fases do desenvolvimento cognitivo. Para mais informações, clique aqui. ...

Ler artigo
Igrejas protestantes na Alemanha, Annette Kurschus à frente do EKD

Igrejas protestantes na Alemanha, Annette Kurschus à frente do EKD

Roma (NEV), 11 de novembro de 2021 – Annette Kurschus ela é a nova presidente da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD), as igrejas protestantes alemãs. A mulher de 58 anos é vice-presidente do Conselho da EKD desde 2015 e, como o foco evangélico explica neste artigo, ela é a segunda mulher a liderar a EKD em sua história após Margot Kässmann. Ele sucede o bispo luterano Heinrich Bedford-Strohmque ocupa o cargo desde 2014. Bedford-Strohm é conhecido na Itália e na Europa por seu compromisso com os direitos dos migrantes, ao lado de ONGs como Sea Watch e tem se manifestado repetidamente a favor dos corredores humanitários e da atividade das igrejas evangélicas na Itália nesta área. Ela estava vindo em 2017 para #Lampedusa para conhecer o projeto @Medhope_FCEI – parabéns #Kurschus — Gaëlle Courtens (@gaelle14juillet) 10 de novembro de 2021 Na sessão de ontem, 10 de novembro, em Bremen, o Sínodo da EKD e a Conferência da Igreja elegeram Annette Kurschus, presidente da Igreja da Igreja Evangélica da Vestfália, presidente do Conselho da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) com uma maioria de 126 votos de 140. “Estamos muito satisfeitos porque, com Annette Kurschus, elegemos uma excelente teóloga que tem experiência de liderança e é muito acessível”, disse o presidente do Sínodo EKD, Anna-Nicole Heinrich. "Juntamente com os membros do Conselho, Annette Kurschus, como presidente, fará ouvir a voz da Igreja Protestante nas questões sociais mais prementes", acrescentou Anna-Nicole Heinrich. Annette Kurschus nasceu em 1963 em Rotenburg an der Fulda e cresceu em uma casa pastoral em Obersuhl (Hesse) e Siegen (North Rhine-Westphalia). Ele estudou teologia desde 1983 em Bonn, Marburg, Münster e Wuppertal. A partir de 1989 ela recebeu treinamento ministerial e depois serviu como pastora em várias igrejas locais em Siegen. Em 2005, ela se tornou superintendente distrital da igreja de Siegen. Desde 2012, Präses Annette Kurschus é a presidente da Igreja Evangélica da Vestfália, a quarta maior igreja regional da Alemanha. Em 2019, a Universidade de Münster concedeu-lhe o doutorado honorário de sua Faculdade de Teologia Protestante. Desde novembro de 2015 é vice-presidente do Conselho EKD e desde 2016 também seu representante especial para as relações com as igrejas polonesas. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=SN42BabbROk[/embed] O Sínodo da EKD, com o Conselho e a Conferência da Igreja, é um dos três órgãos dirigentes da EKD. Reúne-se de 7 a 10 de novembro em Dresden. De acordo com a constituição da EKD, o XIII Sínodo tem 120 membros. As tarefas do Sínodo incluem redigir declarações e decisões sobre questões contemporâneas e acompanhar o trabalho do Conselho EKD através da emissão de diretrizes. O Sínodo também discute e adota o orçamento e as leis eclesiásticas. O Sínodo é presidido por um corpo de moderadores (presidium), sob a presidência de Anna-Nicole Heinrich. Ele também é membro do Conselho EKD de 15 pessoas. A presidente do Conselho EKD é Annette Kurschus. A EKD é uma comunidade de 20 igrejas regionais luteranas, reformadas e unidas na Alemanha. 20,2 milhões de protestantes pertencem a uma das 13.200 igrejas locais. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.