Tudo começou com Jerry Maslo, morto em 25 de agosto de 1989

Tudo começou com Jerry Maslo, morto em 25 de agosto de 1989

Roma (NEV/Riforma.it), 21 de agosto de 2019 – Há trinta anos, em 25 de agosto de 1989, ele faleceu Jerry Essan Masslo, um refugiado sul-africano de 30 anos, morto em Villa Literno (Ce) por uma quadrilha de criminosos que roubaram os frutos de alguns meses de trabalho como operário na colheita de tomate. Trinta anos depois daquele assassinato, sentimos que podemos dizer que “tudo” começou com aquela história dramática. Com este “tudo” queremos dizer que antes daquele assassinato, a Itália não compreendia a extensão do fenômeno da imigração.

Não só a Itália da política, mas também a dos estudiosos e iniciados que pareciam não compreender a extensão da novidade que se espalhava pela sociedade italiana: o país, historicamente um país de emigração, já havia se tornado um destino para centenas de milhares de imigrantes que se inseriram em alguns “interstícios” do mercado de trabalho nacional. Estes incluem o trabalho agrícola no Sul, com pa

ghe baixo e vivendo na precariedade de vistos para “turismo”. Na época, poucos – gostaria de citar nomes de sociólogos como Giovanni Mottura e Enrico Pugliese – compreenderam a dimensão estrutural e permanente daquele fenômeno. Principalmente se dizia que era um processo contingente e reversível porque a Itália, quase por destino e fatalidade, “não era um país para imigrantes”. Sabemos que não foi assim e hoje, com 8% de população imigrante, o nosso está entre os países com maior densidade imigratória da Europa.
Ao contrário do que aconteceu nos anos seguintes, o assassinato de Jerry Masslo não passou despercebido e, a pedido da CGIL, foi-lhe concedido um funeral de Estado. As imagens oficiais que nos chegam dessa cerimónia falam de uma Itália que ainda sabe chorar um imigrante e que consegue ouvir o seu pranto. Como aquele que poucos dias antes de sua morte Jerry havia lançado das câmeras de Nonsolonero, um programa da Rai2 sobre imigração que hoje é difícil até mesmo imaginar na programação da TV pública: «Ter pele negra neste país é um limite para a cidadania coexistência Jerry disse. O racismo está aqui também… Nós do terceiro mundo estamos contribuindo para o desenvolvimento do seu país, mas parece que isso não tem peso. Mais cedo ou mais tarde, alguns de nós serão mortos e então perceberemos que existimos».
Outras coisas, entretanto, não foram mencionadas, como o fato de Jerry ser um pregador batista. No entanto, talvez pelo preconceito segundo o qual na Itália o cristão é “naturalmente” católico ou pela lógica institucional de um funeral de Estado que parecia ser celebrado apenas no rito católico, Masslo não teve o funeral evangélico que teria apreciado. Foi um péssimo acidente para o ecumenismo, bem denunciado pelos líderes das igrejas batistas. Mas na história de Jerry também havia um gesto ecumênico, o dos jovens da Comunidade de Sant’Egidio que o conheceram, seguiram sua história e, conhecendo sua fé evangélica, entregaram-lhe um exemplar da Bíblia no Versão padrão em inglês. Quem quiser pode encontrá-lo junto com outros em um altar na igreja de Trastevere, onde fica a Comunidade de Sant’Egidio, e folheando-o você encontrará notas e sublinhados.
Com Jerry, idealmente, também começa outro processo, aquele geralmente definido como “Estar juntos na igreja” e que trouxe milhares de irmãos e irmãs imigrantes aos bancos das igrejas evangélicas italianas.
Aquele assassinato e uma ampla mobilização pelos direitos dos imigrantes também abriram um processo político que, em poucos meses, levou à aprovação da primeira lei orgânica da imigração, a famosa “Martelli”, dispositivo que se comparava às posteriores ainda hoje ela nos parece inovadora e corajosa.
O aniversário da morte de Jerry Masslo nos obriga a refletir sobre o que nos tornamos, como povo e como Igrejas, nos últimos anos. Chamemo-lo de “balanço ético” da nossa civilização política e do nosso testemunho evangélico para com os imigrantes.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Marrocos.  10 anos de atividade do Instituto Ecumênico de Teologia Al Mowafaqa

Marrocos. 10 anos de atividade do Instituto Ecumênico de Teologia Al Mowafaqa

Imagem retirada de www.almowafaqa.com Roma (NEV), 17 de março de 2023 – O Instituto Ecumênico de Teologia Al Mowafaqa (que em árabe significa "o acordo") celebra dez anos de vida este ano. O Instituto nasceu por iniciativa das Igrejas Evangélica e Católica de Marrocos e é apoiado pela Faculdade de Teologia Protestante da Universidade de Estrasburgo e pelo Institut Catholique de Paris. Nos últimos anos, a colaboração também se expandiu para a Universidade Católica da África Central em Yaoundé, Camarões. O Instituto formou mais de 350 alunos de trinta países, tanto na perspectiva ecumênica quanto na de diálogo com o Islã. Para este aniversário, entre ontem e hoje, decorre em Rabat uma conversa sobre o tema “Minorias religiosas no Mediterrâneo e na África subsaariana. O desafio, a força e a graça de ser minoria”. O professor de ética está presente de Estrasburgo Frédéric Rognon. Pedimos à pastora Elizabeth Ribetdoutor em teologia protestante na Universidade de Estrasburgo, onde leciona teologia prática e ética, seu comentário sobre a história deste Instituto. “É uma experiência verdadeiramente única no seu género – diz-nos o Pr. Ribet -. A Faculdade de Teologia Protestante colabora ativamente na vida da universidade, financeiramente e certificando diplomas. O reconhecimento na França e, portanto, na Europa, da qualificação garante que as trocas lucrativas possam ser ativadas. Um professor de Estrasburgo é membro do Conselho Científico, e outros viajam para lá todos os anos para liderar as sessões de treinamento ao lado de um colega católico. Além disso, os alunos do Al Mowafaqa têm acesso a cursos online em Estrasburgo. Esses interlocutores representam um verdadeiro diálogo. Podemos olhar para o mundo graças aos estudantes da África subsariana, com estágios e mestrados que ligam o Quénia a Estrasburgo, só para dar um exemplo”. Em suma, conclui Ribet, trata-se de um contexto interessante e "verdadeiramente intercultural e ecumênico". O site do Instituto fala de uma “abordagem ecumênica de aprendizado”, mas também de perspectivas Norte-Sul e da possibilidade de uma descoberta do Islã em uma sociedade muçulmana. O Instituto Ecumênico de Teologia Al Mowafaqa oferece formação universitária para o Bacharelado em Teologia na Faculdade de Teologia Protestante de Estrasburgo ou no Instituto Católico de Paris. Os temas de estudo vão desde as ciências bíblicas até a exegese do Antigo e do Novo Testamento, línguas bíblicas (hebraico e grego), teologia sistemática (dogmática, eclesiologia), mas também filosofia, ética, história e teologia prática. Além disso, fala-se de “formação ecumênica original”, como define o próprio Instituto. De fato, a maioria dos cursos de teologia são ministrados por dois professores juntos, um católico e outro protestante, em uma única sessão. Os alunos são protestantes (de todas as Igrejas) e católicos. Cada aluno segue toda a aula também ouvindo a voz da outra confissão. O encontro destes dois dias prevê as conclusões do arcebispo de Rabat, o cardeal Cristobal López Romerodo que com a pastora Karen Smith, Presidente da Igreja Evangélica no Marrocos, juntos ocupam a Presidência do Instituto. Em vez disso, o pastor é o diretor do Al Mowafaqa Jean Kulagna. Para saber mais Sobre o significado de ser uma minoria religiosa na África mediterrânea e subsaariana, leia também o artigo de Alessandro Di Bussolo em Vaticannews.va. Abaixo, o tweet de lançamento da iniciativa e a gravação de parte da entrevista. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=2jAAXHQHf9w[/embed] ...

Ler artigo
2 de janeiro.  Celebração Ecumênica no zoom

2 de janeiro. Celebração Ecumênica no zoom

Detalhe do cartaz da celebração ecumênica "As nações caminharão no sopro da tua luz", 2 de janeiro de 2022 Roma (NEV), 30 de dezembro de 2021 - A celebração ecumênica "As nações caminharão no sopro da tua luz", inspirada nos versículos bíblicos do profeta Isaías, acontecerá no domingo, 2 de janeiro de 2022, às 15h30. O encontro, via zoom, é promovido pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) e pelos Grupos Populares de Leitura da Bíblia com Soave Buscemi. Além disso, está prevista a participação de mulheres das comunidades de base de várias cidades. Finalmente, as mulheres da Igreja Ortodoxa Romena de Parma trazem sua contribuição com duas canções. Esta celebração centra-se no momento litúrgico do Natal. Já no período de Pentecostes, mulheres de diferentes religiões cristãs quiseram se reunir. É uma das numerosas ocasiões em que as mulheres crentes partilham o seu caminho e os seus dons espirituais. O convite para participar parte do presidente da FDEI, pároco Gabriela Lio. Para solicitar o link: Ao vivo no canal do YouTube: ...

Ler artigo
Nascem corredores para insetos polinizadores

Nascem corredores para insetos polinizadores

Aaron Burden, desobstruir Roma (NEV), 1º de abril de 2022 – Os “corredores ecológicos” para insetos polinizadores estão ganhando vida. "Caminhos ecumênicos para polinizadores", este é o nome do projeto com o qual algumas igrejas evangélicas da Itália (luterana de Nápoles, batista Centocelle, batista Civitavecchia, adventista de Bolonha, metodista de Milão), participaram do concurso "Roman Juriga" da Comunidade Cristã Rede para o ambiente (ECEN). A ideia nasceu dentro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Os corredores tornaram-se realidade nos dias de hoje, com um primeiro encontro em Bolonha há alguns dias. Em particular, os batedores Aisa da capital emiliana já participaram do projeto "Corredores ecológicos para insetos polinizadores" proposto pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (Glam) da FCEI, conforme afirma este artigo de Monica DePaolis no site Hopemedia.it. "Na tarde de sábado, 26 de março - lê-se no texto -, juntamente com o clube Aisa de Modena, tivemos a oportunidade de nos encontrar Paul Versari, professor da escola agrícola de Castelfranco Emilia e conhecedor do mundo das borboletas. Aprendemos a conhecer um mundo que precisa ser protegido e defendido de perto. Os insetos polinizadores são fundamentais dentro do nosso ecossistema. Ao transportar o pólen de uma flor para outra, de fato, permitem a polinização e a formação do fruto. A nossa horta comunitária vai tornar-se um lugar importante, um “jardim de borboletas”, um projeto para proteger o meio ambiente e dar testemunho do nosso bairro”. Neste vídeo, feito por Monica De Paolis e Maria Elena Lacquanitium tutorial sobre polinizadores:[embed]https://www.youtube.com/watch?v=89fGzHW9rpU[/embed] A Comissão GLAM está a serviço das comunidades e indivíduos que desejam abordar essas questões a partir de uma perspectiva de fé. O trabalho busca a rede dentro e fora das igrejas, nacional e internacionalmente. Um dos focos da GLAM é o trabalho de construção da rede comunidade ecológica. Existem ecocomunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais relativas ao culto e outros momentos litúrgicos, trabalhos de manutenção visando a poupança de energia, eliminação do plástico, educação, implementação de comportamentos virtuosos na administração, nas compras, na utilização da energia, mobilidade e gestão de resíduos, até verificação da ética dos bancos onde estão localizadas as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.