um documento ecumênico com uma incrível força motriz

um documento ecumênico com uma incrível força motriz

Martin juge. Foto FLM/Albin Hillert

Roma (NEV), 28 de junho de 2019 – Em 26 de junho foi realizada em Roma uma oração ecumênica de ação de graças pelo 20º aniversário da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação (JDDJ), documento assinado em 31 de outubro de 1999 em Augsburg (Alemanha) por representantes da Federação Luterana Mundial (WLF) e da Igreja Católica Romana, e posteriormente adotada pelo Conselho Metodista Mundial (2006), pela Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (2017) e pela Comunhão Anglicana (2017). Entre os participantes da cerimônia estava o pároco Martin Jungeatual secretário-geral da FLM, a quem fizemos algumas perguntas.

Qual é o conteúdo e significado da Declaração Conjunta sobre a Justificação pela Fé?

A Declaração Conjunta (JDDJ) recompôs a maior controvérsia teológica que há séculos divide católicos e luteranos, a respeito da doutrina da justificação pela graça mediante a fé. Claro que houve também outros fatores políticos, econômicos e sociais que levaram à divisão do cristianismo ocidental no século XVI. No entanto, a questão de como a salvação chega aos seres humanos por meio de Jesus Cristo foi aquela em torno da qual a divisão ficou mais clara. Com o JDDJ, luteranos e católicos encontraram uma base consensual e retiraram as sentenças com as quais se acusaram no passado. Podemos afirmar que o JDDJ é um marco no caminho para a unidade dos cristãos.

No discurso que proferiu durante a celebração ecumênica, o senhor também falou do método de diálogo utilizado para redigir o JDDJ, o “consentimento diferenciado”. Sobre o que é isso?

O “consenso diferenciado” é um método de diálogo que permite definir um consenso de base sólido, sem contudo silenciar ou ignorar as diferenças que ainda persistem. A JDDJ expressa o consenso de católicos e luteranos em torno de “verdades básicas” cuja afirmação nos permite dizer que as condenações do passado não podem ser aplicadas ao ensino atual das duas confissões sobre a doutrina da justificação. Ao mesmo tempo, o JDDJ destaca o que ainda divide as duas confissões sobre o mesmo tema, sem comprometer o consenso alcançado. Quanto mais conscientes estivermos da amplitude da base comum sobre a qual repousa a nossa fé cristã, mais será possível encarar a diversidade do outro como um desafio à nossa própria identidade e ao nosso modo de ser Igreja.

Na sua opinião, vinte anos depois, quais são os resultados mais importantes alcançados por este documento?

Acho que ninguém que o assinou há vinte anos teria imaginado a incrível força motriz por trás desse documento. Sem o JDDJ, por exemplo, nunca teria sido possível continuar o diálogo até a redação, em 2013, do documento “Do conflito à comunhão”, no qual católicos e luteranos olham para sua história para deixar os conflitos para trás e progredir o caminho de ‘unidade. Sem a JDDJ nunca teríamos chegado à comemoração conjunta dos 500 anos da Reforma Protestante que reuniu em Lund (Suécia), em 2016, o Papa Francisco e os expoentes da FLM. No entanto, não há apenas isso, mas ainda mais.

O que?

O fato de que este documento, nascido em 1999 como texto bilateral, se tornou hoje um documento multilateral que constitui a base teológica para o diálogo e o testemunho comum de católicos, luteranos, metodistas, reformados e anglicanos. Estas cinco confissões cristãs se reuniram em março passado na Universidade de Notre Dame (EUA) para elaborar uma declaração na qual reafirmam “as verdades básicas sobre a doutrina da justificação contidas no JDDJ, enfatizando como a mensagem da graça de Deus é mais urgente e necessárias no mundo em que vivemos”. Espero que os frutos que o JDDJ nos permitirá colher ainda sejam muitos.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Concílio Ecumênico perguntou, discurso do moderador

Concílio Ecumênico perguntou, discurso do moderador

Mme Agnes Abuom, moderadora do Comité central du Conseil œcuménique des Églises Foto: Ivars Kupcis/COE Roma (NEV), 10 de fevereiro de 2022 – Em seu discurso de abertura na sessão do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) ontem, 9 de fevereiro, a moderadora Agnes Abuomrefletiu sobre os destaques dos últimos oito anos, lembrando as vítimas relacionadas ao COVID-19 e celebrando a esperança gerada pela 11ª Assembleia do Conselho, a ser realizada em Karlsruhe, na Alemanha.“No que diz respeito ao movimento ecumênico, houve uma ampliação e aprofundamento do diálogo” – disse -. Aprofundamos os diálogos bilaterais, que são uma intercomunhão, mas também ampliamos o número de grupos com os quais nos relacionamos, como o movimento pentecostal”. O moderador então analisou o caminho percorrido pelas igrejas diante e durante a pandemia. “A maioria das pessoas, graças a Deus, entendeu a necessidade de continuarmos nossas atividades online. Temos tomado decisões online e, a meu ver, essa mudança está nos levando a uma direção muito positiva."Abuom disse que encontrou um espírito de coesão, trabalho em equipe, coleguismo e apoio nas comunidades e igrejas evangélicas. “A pandemia dividiu as pessoas e certamente exacerbou os conflitos existentes. Por isso o tema “O amor de Cristo conduz o mundo à reconciliação e à unidade” é divino”, concluiu. artigo anteriorEntrevista com Daniele Garrone, Presidente da Federação das Igrejas Protestantes na ItáliaPróximo artigoFrança. Candidatos ao Eliseu pressionados pelos protestantes Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
O papel da fé nas Nações Unidas

O papel da fé nas Nações Unidas

Roma (NEV), 7 de setembro de 2020 – Por ocasião das comemorações do 75º aniversário das Nações Unidas, no dia 8 de setembro será realizada uma iniciativa sobre o papel da fé. O Conselho Mundial de Igrejas (CMI) está envolvido com as Nações Unidas desde a elaboração da Declaração Universal dos Direitos Humanos no final da década de 1940. Hoje, eles se juntam a mais de 40 líderes globais que representam o mesmo número de organizações religiosas no Conselho Multifé. O Conselho Multi-Religioso das Nações Unidas (Conselho Consultivo Multi-religioso das Nações Unidas – MFAC) foi criada em 2018 pela agência das Nações Unidas para religião e desenvolvimento. O Conselho tem funções consultivas sobre questões religiosas para 22 órgãos das Nações Unidas que lidam com direitos humanos, paz, segurança e desenvolvimento sustentável. Será "uma oportunidade para compartilhar mensagens-chave de esperança e solidariedade entre comunidades de fé em todo o mundo e para aumentar a conscientização sobre a colaboração entre organizações religiosas e agências das Nações Unidas", diz a apresentação da iniciativa, que destaca a importância da cooperação para o desenvolvimento sustentável desenvolvimento. Para a Agenda 2030 das Nações Unidas, existem 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (Metas de desenvolvimento sustentável – ODS) a serem alcançados: do fim da pobreza e das desigualdades econômicas e de gênero, ao desenvolvimento social, do combate às mudanças climáticas, até a construção de sociedades pacíficas até o ano de 2030. O evento estará disponível em streaming neste link Clique para mais informações e inscrições AQUI ...

Ler artigo
A primeira edição do Festival de Cinema de Rosarno está em andamento

A primeira edição do Festival de Cinema de Rosarno está em andamento

Roma, 7 de outubro de 2022 – A primeira edição do “Rosarno Film Festival – fuori dal ghetto” será realizada na próxima semana, de 14 a 16 de outubro. Um festival sobre os temas da dignidade, dos trabalhadores e do território da Piana di Gioia Tauro. “Um festival-laboratório – explica Francesco Piobbichi, operadora do Mediterranean Hope, programa de migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, uma das promotoras da revista - que fala sobre redenção e quer demonstrar que é possível construir práticas de solidariedade e cadeias produtivas sem exploração. Não é por acaso que um dos sujeitos envolvidos na organização do evento, juntamente com a Mediterranean Hope e a Solidarity Community Network, é a associação Sos Rosarno que, com a cooperativa Mani e terra, está empenhada há quase uma década no promoção de produtos não explorados no território de Piana di Gioia Tauro”. E será a Sos Rosarno quem homenageará o vencedor da crítica com uma caixa de produtos orgânicos e éticos, ou seja, cultivados sem exploração. “O Rosarno Film Festival é uma pequena ferramenta para dar voz a quem não tem, – declara José Pugliese, um dos fundadores do Sos Rosarno -, para tornar protagonistas aqueles que de facto são parte integrante deste território, do seu tecido social, económico e produtivo, apesar das aberrações das cadeias produtivas agrícolas e dos mecanismos infernais da -chamado mercado livre. É uma tentativa de dar dignidade aos trabalhadores estrangeiros e a um território em dificuldade, com os seus habitantes e os seus pequenos produtores, também esmagados pelos donos dos alimentos, e portanto das nossas vidas. É uma forma de convidar pessoas, de todo o mundo, a falar umas com as outras, a criar comunidades num contexto onde por várias razões tudo se torna mais complicado”. Numerosos curtas-metragens foram enviados para participar da competição. Destes, cerca de dez são selecionados para a competição. O elemento caracterizador da crítica é o júri do festival, que será constituído por operários. "O objetivo deste pequeno festival é inverter os significados - acrescenta Piobbichi -, oferecer uma visão das coisas a partir de quem sempre foi usado como objeto e nunca ouvido". Após a exibição dos curtas, que acontecerá nos dias 14 e 15 de outubro no auditório Rosarno, no domingo, 16 de outubro, às 18h30, na cidade de tendas San Ferdinando, para homenagear Thomas Sankara, haverá um encontro com Blandine Sankara , irmã do líder burquinense, ativista comprometido com a questão da independência alimentar, a quem o município de Cinquefrondi e Caulonia (Reggio Calabria) concedeu recentemente a cidadania honorária. A rede associativa que apoia o Festival de Cinema de Rosarno é composta por: Mediterranean Hope – Programa para Migrantes e Refugiados da Federação das Igrejas Protestantes na Itália, Rede de Comunidades de Solidariedade, Sos Rosarno, RiVolti ai Balcani, Altreconomia, Comune-Info, FuoriMercato – autogestão em movimento, Sea Watch, ResQ, Equosud, Confronti, Cinema Metropolis Umbertide, Postmodern Cinema Perugia, Equosud. Entre as personalidades que apoiaram e apoiam a iniciativa, até diretores e atores como Ken Loachque enviou uma mensagem ao festival, e Andrea Segreque visitou o albergue social Rosarno nas últimas semanas e gravou um vídeo para apoiar a crítica. Os filmes em competição estarão também disponíveis para críticas e festivais que queiram dar visibilidade ao tema da exploração laboral. AQUI, na página do fb do festival e abaixo, o programa detalhado de exibições e resenhas: 17h30 Auditório Municipal de Rosarno apresentação do festival com as associações organizadoras e o júri de trabalhadores 18h30 exibição de curtas-metragens Fora de competição Campos abertos A planície de Gioia Tauro Duração 8' por Luca Salvatore Pistone Alguns testemunhos sobre projetos de combate ao racismo e xenofobia contra trabalhadores estrangeiros em algumas áreas agrícolas como a Piana di Gioia Tauro Operação Moonbird Duração 22' por Dustin José Uma nova pessoa para salvar sua vida. Um navio mercante europeu liga seus motores e se afasta. O piloto de um avião de reconhecimento civil adverte o capitão e apela à sua consciência. A guarda costeira líbia e o nadador chegam ao convés do navio ao mesmo tempo… Spartacus - vamos libertar os escravos de Rosarno Duração 20' Por Associação Intercultural International House O projeto foi desenvolvido segundo uma abordagem holística, que pretende atuar em diferentes frentes, desde a habitacional à social e económica, promovendo uma forma de desenvolvimento sustentável do território O valor de um doce Duração 20' Por Elena Bedei Uma das fronteiras intransponíveis da fortaleza Europa, para muitos, demasiados seres humanos, está na Bósnia junto à fronteira com a Croácia. Ao ouvir as histórias de quem experimenta o "jogo", a gente se sente incomodado mesmo por ter tido a sorte de ter nascido do lado direito. Mas entre estas reflexões desanimadoras, emergem memórias de gestos e momentos humanos mágicos, espontâneos, muito simples, acumulados ao longo da viagem. sábado 15 de outubro17h30 Auditório Municipal de RosarnoExibição de curtas-metragens em competição O poder do ouro vermelho Duração 19' Por David Minnella Fundação de Produção com o Sul (2015) Sob o sol da Apúlia, o confronto entre um mal-humorado fazendeiro da Apúlia e um jovem trabalhador africano, ambos lutando com o cultivo de ouro vermelho. A canção da Bênção Duração 7' Por Vincenzo Caricari Produção LaC Med, Streets Video (2021) Em 2008, da Nigéria para a Calábria. A travessia no Mediterrâneo. O impacto com a nova cultura. A história de sua nova vida. A estrada antiga Duração 20′ Por Damiano Giacomelli Produção YUK! filme srl (2019) Como seu pai e seu avô antes dele, Nicola trabalha em um campo ao longo de uma velha estrada na montanha. Ele vende as batatas cultivadas por sua família para os motoristas que passam, enquanto as obras da "nova estrada" estão prestes a ser concluídas bem acima de sua cabeça. Um encontro inesperado lhe dará coragem para correr alguns riscos e… mudar de marcha. Distância Zero Duração 7' Por Pierluigi Glionna Produção de unhas e más distribuições (2020) Dario, 20 anos, é motorista de um serviço de entrega de comida. Todos os dias ele anda de bicicleta pela cidade por quilômetros, o asfalto de algumas estradas está em más condições, a iluminação é insuficiente para se locomover com segurança e os motoristas de carro costumam ser um perigo para os ciclistas. Um dia ele nota o quiosque de uma floricultura onde uma garota trabalha... Tudo depende de você Duração 15' Por Daniele Ceccarini Lunae produções (2021) See More A ferocidade do mundo do trabalho. Um jovem que mora sozinho com o filho perde o emprego e se vê obrigado a reconverter sua vida como Rider de uma multinacional. Jogos de RPG Duração 8' Por Bárbara Rosano Produzido pela associação cultural Kinema e pela cooperativa social do projeto Meet. Vídeo participativo nascido na sequência de um workshop Erasmus+ organizado pela Connecting Europe que o realizador realizou com participantes de diferentes partes da Europa, jovens calabreses e utilizadores dos centros Sprar. Tomate Preto (Duração 7') Por Rossella Anitori, Antonio Laforgia, Raffaele Petralla Produção de filmes selvagens A poucos quilômetros de Foggia, existe uma favela habitada pelo exército de irregulares que trabalham para a indústria do tomate. Uma terra de ninguém onde não há eletricidade nem água. No verão, migrantes de toda a Itália em busca de trabalho lotam a Puglia e a favela abriga mais de 800 pessoas. De cabeça baixa, colhem tomates durante dez horas por dia: um caixote de 500 kg vale três euros. Não há folha de pagamento… Acquasanta Duração 20' Por Gianfranco Piazza e Tito Puglielli Centro Experimental de Cinematografia de Palermo Arquivo Audiovisual do Movimento Operário e Democrata Roma Os estaleiros de Palermo entre o passado e o presente. Uma voz que abre as portas para a história da fábrica, os sonhos e desilusões de alguns miúdos que esperam entrar na fábrica. O mundo do trabalho em torno da única fábrica de Palermo, o estaleiro Fincantieri O dia. Abreviação de Paola Clemente Duração 11.22 Por Pippo Mezzapesa Produção Cgil Puglia FLAI e Fanfara srl. (2017) A história de Paola Clemente, a trabalhadora apuliana de 49 anos que morreu de cansaço ao sol no verão de 2015. Ela ganhava dois euros por hora. E seu coração não aguentou mais. Sua história vem de suas palavras extraídas dos autos da investigação dos cabos que a exploraram e das mulheres que viajaram com ela O Engenheiro Duração 12' Por Stefano Pelleriti Produção Independente (2016) Sujeito e roteiro: Donatella Nelli Os sonhos e esperanças de um jovem engenheiro andando de bicicleta pela estrada da vida em busca de uma identidade profissional e social. Um percurso simbólico, mas também real, dos jovens e daqueles que governam um país cada vez mais desinteressado e enganador para com as novas gerações Domingo, 16 de outubro, às 18h30, tenda da cidade de San Ferdinando, encontro com Blandine Sankarà Eles organizam o evento: Esperança Mediterrânea, Rede de Comunidades Solidárias, Sos Rosarno, Destinado aos Balcãs, Altreconomia, Comune-Info, FuoriMercato – autogestão em movimento, Sea Watch, ResQ, Equosud, Confronti, Cinema Metropolis Umbertide, Postmodern Cinema Perugia, Equosud. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.