um documento ecumênico com uma incrível força motriz

um documento ecumênico com uma incrível força motriz

Martin juge. Foto FLM/Albin Hillert

Roma (NEV), 28 de junho de 2019 – Em 26 de junho foi realizada em Roma uma oração ecumênica de ação de graças pelo 20º aniversário da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação (JDDJ), documento assinado em 31 de outubro de 1999 em Augsburg (Alemanha) por representantes da Federação Luterana Mundial (WLF) e da Igreja Católica Romana, e posteriormente adotada pelo Conselho Metodista Mundial (2006), pela Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (2017) e pela Comunhão Anglicana (2017). Entre os participantes da cerimônia estava o pároco Martin Jungeatual secretário-geral da FLM, a quem fizemos algumas perguntas.

Qual é o conteúdo e significado da Declaração Conjunta sobre a Justificação pela Fé?

A Declaração Conjunta (JDDJ) recompôs a maior controvérsia teológica que há séculos divide católicos e luteranos, a respeito da doutrina da justificação pela graça mediante a fé. Claro que houve também outros fatores políticos, econômicos e sociais que levaram à divisão do cristianismo ocidental no século XVI. No entanto, a questão de como a salvação chega aos seres humanos por meio de Jesus Cristo foi aquela em torno da qual a divisão ficou mais clara. Com o JDDJ, luteranos e católicos encontraram uma base consensual e retiraram as sentenças com as quais se acusaram no passado. Podemos afirmar que o JDDJ é um marco no caminho para a unidade dos cristãos.

No discurso que proferiu durante a celebração ecumênica, o senhor também falou do método de diálogo utilizado para redigir o JDDJ, o “consentimento diferenciado”. Sobre o que é isso?

O “consenso diferenciado” é um método de diálogo que permite definir um consenso de base sólido, sem contudo silenciar ou ignorar as diferenças que ainda persistem. A JDDJ expressa o consenso de católicos e luteranos em torno de “verdades básicas” cuja afirmação nos permite dizer que as condenações do passado não podem ser aplicadas ao ensino atual das duas confissões sobre a doutrina da justificação. Ao mesmo tempo, o JDDJ destaca o que ainda divide as duas confissões sobre o mesmo tema, sem comprometer o consenso alcançado. Quanto mais conscientes estivermos da amplitude da base comum sobre a qual repousa a nossa fé cristã, mais será possível encarar a diversidade do outro como um desafio à nossa própria identidade e ao nosso modo de ser Igreja.

Na sua opinião, vinte anos depois, quais são os resultados mais importantes alcançados por este documento?

Acho que ninguém que o assinou há vinte anos teria imaginado a incrível força motriz por trás desse documento. Sem o JDDJ, por exemplo, nunca teria sido possível continuar o diálogo até a redação, em 2013, do documento “Do conflito à comunhão”, no qual católicos e luteranos olham para sua história para deixar os conflitos para trás e progredir o caminho de ‘unidade. Sem a JDDJ nunca teríamos chegado à comemoração conjunta dos 500 anos da Reforma Protestante que reuniu em Lund (Suécia), em 2016, o Papa Francisco e os expoentes da FLM. No entanto, não há apenas isso, mas ainda mais.

O que?

O fato de que este documento, nascido em 1999 como texto bilateral, se tornou hoje um documento multilateral que constitui a base teológica para o diálogo e o testemunho comum de católicos, luteranos, metodistas, reformados e anglicanos. Estas cinco confissões cristãs se reuniram em março passado na Universidade de Notre Dame (EUA) para elaborar uma declaração na qual reafirmam “as verdades básicas sobre a doutrina da justificação contidas no JDDJ, enfatizando como a mensagem da graça de Deus é mais urgente e necessárias no mundo em que vivemos”. Espero que os frutos que o JDDJ nos permitirá colher ainda sejam muitos.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Próxima geração Eu?  A noite pública do Sínodo

Próxima geração Eu? A noite pública do Sínodo

Roma (NEV), 20 de agosto de 2021 – A noite pública do Sínodo valdense e metodista, agendada para 23 de agosto às 20h45, tem o título do plano da UE para a recuperação após a Covid, mas com um ponto de interrogação. “Eu da próxima geração? – os jovens e a Europa, entre o sonho da recuperação e o risco da marginalização” será, de facto, o tema e o fio condutor do encontro, que decorrerá presencialmente no Templo Valdense da Torre Pellice (no cumprimento das normas sanitárias em vigor ) e online, ao vivo, nas páginas do fb da Igreja Valdense e da Rádio Beckwith, bem como no canal do YouTube da mesma emissora. Palestrantes Stefano Allievi, sociólogo da Universidade de Pádua, Brando Benifeichefe da delegação do PD no Parlamento Europeu, Annalisa Camillijornalista da Internazionale (em conexão), a pastora Daniela DiCarlo. As conclusões do debate serão confiadas ao moderador da Mesa Valdense Alessandra Trotta e ao presidente indigitado do Sínodo 2021, Valdo Spini. A reunião será moderada pelo coordenador do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, marta bernardinie o vice-diretor do Centro Ecumênico Ágape, Valéria Lucenti. ...

Ler artigo
O caminho comum das igrejas Batista, Metodista e Valdense

O caminho comum das igrejas Batista, Metodista e Valdense

Roma (NEV/Riforma), 18 de novembro de 2020 – sábado, 21 de novembro, de 10 a 13, o webinars intitulado: “O sonho de uma Itália protestante. História e atualidade de um percurso comum. Reconhecimento mútuo entre as igrejas batista, metodista e valdense cem anos após a Primeira Conferência das Igrejas Evangélicas Italianas". O seminário online é a primeira etapa de um caminho que levará as igrejas batista, metodista e valdense rumo à 5ª sessão conjunta da Assembleia Geral da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) e do Sínodo das Igrejas valdenses e metodistas , denominada “Assembleia-Sínodo”, a ser realizada em 2022. O caminho inclui uma segunda etapa na primavera de 2021, na qual serão refletidas três áreas temáticas: formação teológica, intercultura e colaboração territorial. O webinar será aberto com saudações institucionais de: Alessandra Trottamoderador da Mesa Valdense; Mirella Manocchiopresidente da Associação das Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (OPCEMI); John Archdeaconpresidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI); Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI); Annapaola Carbonatosecretário da Federação da Juventude Evangélica da Itália (FGEI). A intervenção de Émile Florio, professor de história e filosofia, com uma retrospectiva histórica das relações entre as igrejas batista, metodista e valdense (BMV) cem anos após o 1º Congresso Evangélico Italiano. Eles então se alternarão Gianna Urzio, Cláudio Paravati E John Bremner que oferecerão um vislumbre dos desafios futuros e do potencial da jornada comum. O encontro do próximo sábado será uma oportunidade para as igrejas BMV refletirem sobre esta colaboração plurianual e entenderem como continuar o caminho do testemunho comum e da fidelidade ao Evangelho em uma sociedade e em um tempo marcado por particularismos e divisões. Acesse o FACTSHEET sobre a Assembleia-Sínodo das igrejas Batista, Metodista e Valdense ...

Ler artigo
Igreja Batista OPM, “Multiplicar a esperança por mil”

Igreja Batista OPM, “Multiplicar a esperança por mil”

Roma (NEV), 22 de abril de 2023 – "Multiplicar a esperança por mil": este é o lema da campanha Otto per mille Baptist 2023. Estamos falando do compromisso da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) para fins de saúde , humanitário, social. Todos os anos, a UCEBI continua a aplicar 100% dos fundos recebidos "com extremo rigor, destinando-os - até ao último cêntimo - exclusivamente a intervenções sociais, assistenciais, humanitárias e culturais, em Itália e no estrangeiro", lê-se no site da batistas. Entre os projetos ativos, financiados com os recursos do Otto per mille, podemos ajudar idosos, mulheres vítimas de violência, meninos e meninas. Entre as atividades realizadas pela UCEBI com os fundos Otto per mille, um projeto dos Médicos Sem Fronteiras contra a violência contra as mulheres, a casa de repouso GB Taylor em Roma, apoio às atividades da Associação Italiana de Pessoas com Síndrome de Down (AIPD) – Onlus de Pisa e o projeto Medical Hope da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) para assistência médica a refugiados sírios no Líbano e na Itália. Quem são os batistas? “Para explicar de forma simples podemos dizer: os cristãos da igreja de Martin Luther King”. É o que afirma o site da UCEBI, membro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Fundada em 1956, recolhe o legado da União Batista Apostólica Cristã (UCAB), fundada em 1884 pelas missões inglesas e americanas que chegaram à Itália na década de 1860, por sua vez herdeiras dos anabatistas e da chamada Reforma Radical da Inglaterra de 1600. Aqui todas as informações da Receita Federal em 2, 5 e 8 por mil. As imagens escolhidas para a campanha publicitária Otto per mille battista: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=4G4eh_lWwIc[/embed] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.